Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: Trump partilha desinformação e Facebook remove publicação pela primeira vez

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. Polo says:

    O Facebook é que ajuda o Trump a estar onde está, agora vai ajudar a sair

  2. Zé Duarte says:

    hum, algo me diz que em 2024 o Mark Zuckerberg vai concorrer para presidente dos Estados Unidos.

  3. Filipe Fili says:

    Concordo

  4. albino negro says:

    Com ferros matas… com ferros morres

  5. Joaquim Sobreiro says:

    Não apoio Trump, sou apologista da liberdade.
    Liberdade com responsabilidade, onde incluo a de informação.
    Em pouca informação oficial, de poder, acredito.
    Mas a minha decisão é a de decidir aquilo em que quero, porque penso, acreditar.
    Permitam a liberdade de informação.
    Não cedo o meu direito de decidir o que é desinformação.
    Não preciso de alguém a pensar e decidir por mim.

    • OP3 says:

      boa tarde o senhor é muito seguro de si e da informação que lê e ouve nas redes sociais , mas existem muitos que acreditam em tudo o que lêem nas redes, portanto devia ir para os estados unidos , e se possível para o lado do Trump para ver se o COVID-19 é desinformação e já agora se acredita no que ele diz acerca do SARS COV-2 de-lhe dois beijinhos , By By

      • Joaquim Sobreiro says:

        Que meio de comunicação oficial/poder deu cobertura á
        manifestação havia dia 1 deste mês em Berlin?
        Pude acompanhar em direto essa manifestação, pelos meios não oficiais.
        Notícias posteriores oficiais disseram que tinham sido 13 000 e com distúrbios. A manifestação foi convocada por médicos dissidentes e por números da polícia tereiam sido 1 300 000. Muito superior aos 500 000 autorizados.
        Sem distúrbios, nem máscaras.
        Onde está a verdade? Não sei, mas estarei atento.

        • pois says:

          Pois. E pelos vistos o senhor Zuckerberf e apoiantes têm dificuldades em discernir informação.

          Ter sintomas ligeiras é basicamente ser imune. O número de crianças a ser hospitalizadas devido a esta doença é virtualmente 0, apesar de serem testadas (números de casos confirmados) em número equivalente.

          Não é preciso acreditar em mim. Estes são os dados oficiais:

          https://www.statista.com/statistics/1110045/coronavirus-covid-19-hospitalizations-number-age-group-switzerland/
          https://gis.cdc.gov/grasp/COVIDNet/COVID19_5.html

          Portugal, dos 0-19 anos, 0 mortes em total absoluto:

          https://covid19.min-saude.pt/wp-content/uploads/2020/08/157_DGS_boletim_20200806.pdf

          Parece-me que o Sr. Trump estava mais uma vez correto.

          • Nuno V says:

            Ter sintomas ligeiros não é a mesma coisa que estar imune. Não redefinas termos científicos para defender o idiota do teu ídolo. As crianças, para além de não serem imunes, são transmissoras da doença. O Trump, para não variar, estava redondamente errado.

          • pois says:

            @Nuno

            Bom, parece que exixtem dois critérios. As crianças nunca foram impedidas de ir à escola porque há um surto de gripe, papeira, ou sarampo. Por vezes, mesmo havendo crianças com tuberculose, elas eram recomendadas ir à escola.
            Agora, com uma doença sem repercursões de maior em mais de 80% da população, deve-se restringi-las?

          • pois says:

            E não sou ídolo (nem de longe), nem estou a redefinir os termos. Não alinho é em suportar narrativas para crucificar alguém sem motivo e com argumentos que demonstram ignorância ou imbecilidade.

          • pois says:

            Amenda: ‘ídolo’ deve-se ler ‘fã [do Trump]’

          • SD says:

            “O número de crianças a ser hospitalizadas devido a esta doença é virtualmente 0, apesar de serem testadas (números de casos confirmados) em número equivalente.”
            Mas é exatamente esse o problema! Achas que a quarentena durou 3 meses pq? E mesmo assim o virus ainda anda aí a rodar…
            O problema não é só as crianças apanharem o virus mas é começar uma nova transmissão, numa fase em que eles (EUA), ainda mal controlaram a primeira vaga. As crianças não mostrarem sintomas ainda torna o caso pior pq podem andar imenso tempo a espalhar o virus sem ninguém desconfiar. Posso te dizer que isso aconteceu exatamente na minha família, tive tios e primos que tiveram infectados e quando foram a ver tudo começou na mais nova que nunca apresentou sintomas.
            Ou seja a forma como o Trump desvaloriza este ponto é até perigoso para a saúde em geral. E o facto de haver tanta gente até aqui que ainda não percebeu isso é extremamente preocupante…

          • pois says:

            Lamento o caso da tua família e não o quero desvalorizar, mas as quarentenas foram sempre para os doentes, não para os restantes.
            Isto obriga a que quem tem maior preocupação imponha a regras aos restantes, quando devia ser quem tem preocupação que deve alterar a sua rotina (ou profissão) para se adequar. É muito fácil dizer aos restantes para se adequar, sem que uma pessoa tenha que fazer o necessário.
            Sou capaz de concordar que nestes tempos os pais devem ter o direito de impedir os filhos de ir à escola, e recorrer (por opção) ao ensino à distância. É uma opção.

            Agora impor a todos as mesmas preocupações e alteração significativas para todos, mesmo os que não se sentem afetados é fascismo. Mesmo que esse fascismo seja (hoje em dia) popular.

          • pois says:

            @SD E já agora, quão grave foi o caso na tua família?

          • Nuno V says:

            @pois
            Quanto à América não sei como as escolas operam. Cá em Portugal, qualquer criança que esteja infetada com as doenças que mencionastes, com a exceção da gripe normal, está proibida de ir à escola. O mesmo se diz dos trabalhadores. Presumo que na América o procedimento seja o mesmo, afastar qualquer elemento que esteja infetado com uma doença infeciosa. Para não falar que temos vacinas para todas as doenças que mencionaste. E duvido muito que alguém tenha sido recomendado mandar a sua criança para a escola com tuberculose, a não ser que o funcionário fosse um autentico idiota como o Trump.

            Já agora 20% da população é um número bem grande.

            Estás sim a redefinir termos. Tu disseste “Ter sintomas ligeiras é basicamente ser imune.” o que é uma mentira.

            E Trump está a ser cruxificado porque é um idiota que sempre que abre a boca apenas diz m***a. Pior ainda porque o idiota é presidente de uma nação que se diz avançada e civilizada, no entanto este transparece precisamente o oposto.

          • pois says:

            @Nuno V

            Aqui as crianças vão para a escola quando existem surtos de todas as doenças que referi a notar-se na escola. As infetadas só apresentam sintomas depois de algum tempo, daí, as mesmas irem à escola durante algum tempo. As que não apresentam sintomas continuam a ir à escola. Tal como o Trump referiu.

            Em relação “basicamente imune” consulta o dicionário:
            https://dicionario.priberam.org/basicamente

            Misturar e criar más interpretações do que eu disse não é um bom modo de fazer valer argumentos, pelo menos nos dias que correm.

            Não acho que o Trump seja algo de louvar, é mais um político, talvez a menos má de todas as alternativas, mas as palavras deles só são idiotas porque são ouvidas de forma distorcida, e sempre interpretadas de forma incompleta. Se há coisa que ao tipo não lhe falta é inteligência. Mas como se diz em bom português “para bom entendedor, meia…”

          • Nuno V says:

            @pois
            Ora diz-me lá quantos casos ativos tens de sarampo em Portugal, ou de papeira, ou de tuberculose pulmonar? O de maior incidência é de tuberculose pulmonar que tem descido constantemente ao decorrer dos anos e neste momento encontra-se inferior a 20 /100000 habitantes, ora refresca-me a memória e diz lá qual é o de SARS-Cov-2 cá em Portugal? Pois, é 25 vezes mais, acima dos 500 /100000 habitantes, isto mesmo com as medidas aplicadas para reduzir a velocidade a que este se propaga. O mesmo se diz da América, comparar estas doenças é no mínimo ridículo.

            Imune, no que toca a doenças virais significa possuir anticorpos para combater o vírus. Portanto as crianças não são basicamente, essencialmente, fundamentalmente, na maioria, na maior parte, de modo básico imunes. Não componhas a tua mentira com outra.

            As palavras de Trump são idióticas porque ele é um idiota que sempre que abre a boca só diz asneira. Mas acho engraçado dizeres que o Trump é “a menos má de todas as alternativas”, quando uns comentários atrás falaste de forma depreciativa do fascismo. Isto porque o Trump tem apoiado pensamentos e medidas que são fascistas. Desde o ultra-nacionalismo, à incitação de ódio a outras etnias,… (Isto sim, são tácitas integrantes do fascismo, não “Agora impor a todos as mesmas preocupações e alteração significativas para todos, mesmo os que não se sentem afetados é fascismo”)

          • pois says:

            > Ora diz-me lá quantos casos ativos tens de sarampo em Portugal, ou de papeira, ou de tuberculose pulmonar?

            Mas acontece, concordas? Dualidade de critérios? E se são ainda menos prevalentes, mais razões para extinguir focos quando eles aparecem.

            > Imune, no que toca a doenças virais significa possuir anticorpos para combater o vírus

            Imune para leigos é frequentemente “que está protegido”.
            https://www.dicionarioinformal.com.br/imune/
            A 1ª interpretação.

            Se fosse um médico a ter proferido essas palavras, ou algo escrito num paper, compreenderia-se o pedantismo e a recriminação em relação à terminologia, mas foi apenas um político a proferir essas palavras.

            > Desde o ultra-nacionalismo, […]

            Não o julgo ultra-nacionalista, apesar de lhe quererem pegar esse rótulo. Ele diz defender “acima de tudo” os interesses do seu país, o que é algo que deveria ser o padrão em todos, mas vivemos num mundo em que sabemos que a maioria dos políticos vergam-se a interesses internacionais corporativos. Ele também o faz, e não gosto dele por isso, mas o que ele promove, o chavão que é criticado, faz sentido.

            > à incitação de ódio a outras etnias,…

            Se incitar ao ódio é revelar ao público os culpados de determinado problema, ele é culpado disso. Mas tanto quanto sei, também não tem falhado. A “muralha” dele com o México reduziu a criminalidade na povoações limitrofez e o “virus chinês”, de acordo com a narrativa do próprio governo chinês, originou-se na China.

            Aliás, se fosse fascista, achas que haveria tanta folga para protestos violentos como os dos Antifa e dos BLM? Permitir a existência de um CHAZ?

            Aliás, se isso fosse verdade, e ele realmente propagasse o ódio, concordaria que os tweets dele fossem banidos anteriormente, e com razão. Agora, é mais grave uma imprecisão de terminologia, ou sugestões sobre tratamentos que só agora são polémicos como o uso da hidroxicloroquina – e que fazem sentido na plataforma de medidas que ele defende -, do que incentivar ao ódio?

          • Nuno V says:

            Os casos activos de sarampo e de papeira são residuais. Como disse no comentário, a doença com mais números é a tuberculose pulmonar, e, como o disse, afecta 20 / 100000 hab. Anualmente, o sars-cov-2 já vai a mais de 500 e ainda não chegamos ao final do ano. Para não falar que temos vacinas para as doenças que mencionaste e não temos para esta. Não há dualidade de critérios por mais que tentes afirmar que o há.

            Mais uma vez, compôs a mentira com mais uma. Não estamos a falar do sentido coloquial da palavra imune. Estamos a falar de uma doença infecciosa, a definição é a indicada pela medicina. Se o Trump é idiota e não sabe do que fala fecha o bico estúpido e deixa falar quem realmente estudou a matéria. Ignorância não é desculpa, estamos a falar de uma pessoa que pode influenciar milhões.
            https://medical-dictionary.thefreedictionary.com/immune

            Claro que o Trump não é ultra-nacionalista. Ele nem sequer se referiu aos americanos como sendo superiores.

            Claro que também nunca incitou ódio racial. As mensagens de incitação foram vírus que invadiram o teclado deste.

            Ora diz lá o que o Trump fez para tirar uma foto com a Bíblia na mão quando estava a decorrer uma manifestação pacífica anti racismo?

            O teu comentário não passa de um desespero argumentativo de tentar ofuscar o que Trump fez e faz.

          • pois says:

            > O de maior incidência é de tuberculose pulmonar que tem descido constantemente ao decorrer dos anos

            Errado.
            https: //www.tsf.pt/sociedade/saude/casos-de-tuberculose-em-criancas-aumentaram-vacina-bcg-pode-regressar-as-maternidades-10788906.html

            Tem uma letalidade muitíssimo superior ao SARS-CoV-2, tem aumentado nos últimos anos, e afecta crianças. Não me recordo de terem fechado escolas à conta disso.

            > Claro que o Trump não é ultra-nacionalista. Ele nem sequer se referiu aos americanos como sendo superiores.

            O nosso presidente é um ultra-nacionalista?

            https ://observador.pt/2020/01/16/marcelo-nos-somos-bons-muito-bons-somos-os-melhores-dos-melhores/

            Eu diria que é discurso motivacional.

            > Claro que também nunca incitou ódio racial. As mensagens de incitação foram vírus que invadiram o teclado deste.

            Queres dar exemplos concretos? É que não os tenho encontrado.

            > Ora diz lá o que o Trump fez para tirar uma foto com a Bíblia na mão quando estava a decorrer uma manifestação pacífica anti racismo?

            Pacífica? A maior parte dos manifestantes era pacífico, mas em conjunto houveram motins organizados que levaram a coisas como isto:

            https: //www.rtp.pt/noticias/mundo/aceleracionistas-antifa-anarquistas-quem-esta-a-provocar-motins-nos-eua_n1233599
            https://www.youtube.com/watch?v=3c44gMpMEfM
            https://www.youtube.com/watch?v=kUu46J_OHQ4
            https://www.youtube.com/watch?v=rk7jM1qpxGE

          • Nuno V says:

            OP teu problema é que apenas obténs a tua informação através das noticias que invariavelmente distorcem a informação. Mas vamos fazer assim, em 2018 morreram, em Portugal, precisamente, 90 pessoas com tuberculose pulmonar. Novamente peço-te, refresca-me a memória e indica-me quantas pessoas morreram este ano com o SARS-Cov-2? Mais uma vez digo, estás a comparar o incomparável.

            Quanto ao discursos de Trump, que tal quando ele acusou e continuou a acusar, bem depois de já ter sido eleito, Obama de não ser Americano? Que tal quando em 2016 Trump falou sobre a violação de Trisha Meili em Central Park? Na altura, um grupo de crianças pretas tinham sido acusadas por um crime que não cometeram, quando foi descoberto o verdadeiro violador estas já tinham servido as suas penas. Mesmo assim mais de 10 anos após a sentença de quem realmente cometeu o crime, Trump continua a insistir que foram estas a cometer o crime, mesmo havendo DNA que demonstra que não foram estas a cometer o crime. Se quiseres tenho MUITOS mais exemplos.

            “Pacífica? A maior parte dos manifestantes era pacífico, mas em conjunto houveram motins organizados que levaram a coisas como isto”

            Meu caro mentiroso, estás a desviar o tema usando uma falácia de espantalho. A manifestação em causa era pacífica, não a mistures com outras que ocorreram que realmente foram violentas. Se fosse para enviar carga policial seria sobre aquelas que estavam, de facto, a destruir propriedade. Mas inventa lá uma desculpa ad-hoc para justificar o que Trump fez.

          • pois says:

            > Quanto ao discursos de Trump, que tal quando ele acusou e continuou a acusar, bem depois de já ter sido eleito, Obama de não ser Americano?

            Em relação ao apoio que dá a certas teorias da conspiração, acho que é de facto descuidado, mas nos tempo que correm quem o pode condenar. Metade da “teorias” da conspiração deixaram de ser teorias e tornaram-se facto nos últimos meses, e cada semana que passa mais algumas são validadas pelas notícias internacionais. Desconheço os outros casos que referiste, e até podes ter razão. Não o disse perfeito, mas na maior parte das afirmação feitas aqui, parece-me haver vontade de vilificar coisas ditas que seriam normais em qualquer outra pessoa.

            O protesto em questão, até segundo o Washington Post foi “largely pacific”, o que significa que haviam agitadores.

            https://www.youtube.com/watch?v=JxYmILDya0A

            E o que referi não foi como “strawman argument” mas sim como exemplificação. A maioria dos protestos tornados violentos, são por agiadores infiltrados (até aqui em Portugal). A polícia esteve mal, mas não me parece que tenham estado mal por ordem do Trump.

            A inimputabilidade das forças de segurança americanas, que até levaram a protestos justificados, não é algo que discordo.

            Fazer de uma operação (mal conduzida) para segurar um corredor de passagem para um líder de estado, e fazer dos incidente relacionados com confrontos mal resolvidos algo mandatado pelo Trump é esticar a narrativa demsiado, não?

          • pois says:

            Amenda em: A inimputabilidade das forças de segurança americanas, que até levaram a protestos justificados, não é algo que discordo.

            A inimputabilidade das forças de segurança americanas, que até levaram a protestos justificados, é algo que discordo. [não discordo dos protesto]

          • Nuno V says:

            Não adianta discutir contigo porque tu vais racionalizar tudo e mais alguma coisa ou aclamar desconhecimento para defender o teu ídolo. Parece que estou a falar com um fundamentalista religioso. Passa bem.

          • SD says:

            “Attendances at NHS emergency departments have fallen sharply as the coronavirus outbreak has gathered pace in the UK, new data has revealed.” Fallen sharply sabes o que significa? Se não sabes google tradutor.
            E o nome da espanhola é literalmente Ourense vence coronavirus, wow a sério que o hospital está livre agora que o virus está controlado lá?? Bolas nao estava mesmo à espera disso.
            Pah se não consegues ser sério não comentes. Eu desisti a partir do momento em que estamos a discutir uma noticia inglesa e vens contradizer com dados portugueses. Eu repito não vou perder tempo mas tens notícias de Espanha, Itália e Inglaterra que passaram por sítuacoes muito difíceis e com hospitais pelas costuras. Queres uma fonte para isso eu passo te o número de um amigo enfermeiro em Londres e confirmas diretamente com ele.
            E digo te outra vez pega nos dados dos EUA e do Brasil (os dois paises que mais “relaxados” estiveram nas medidas) e convence me que isto é virus normal que não merece preocupação demais…
            Quanto ao trabalho como te disse já descontei o suficiente para poder passar este e o próximo ano descansado mas para além de não estar desempregado por opção já há algum tempo que estou a enviar currículos e a contactar empresas, só que ao contrário da tua percepção do mundo há coisas que não conseguimos controlar.

        • SD says:

          Rapaz agradeço a preocupação mas estás com as ideias bastante trocadas. No nosso caso, os meus primos são bastantes novos e tiverem febres e dores no peito, os meus tios foram umas febres ligeiras e dores de cabeça. Mas lá está o problema nem eram eles, eram os avós com 80 e muitos anos e até umas bisavó que já passou os 100 e que não lhes puseram os olhos em cima durante quase 2 meses que foi o tempo que demorou para darem todos negativos.
          Agora fazendo umas correções ao teu comentário, quarentena não é para o doente, o doente já está infectado e tem de ser tratado, a quarentena é para evitar a propagação da doença, que pessoas mais débeis sofram a doença, sobrecarregar os hospitais, etc.
          E não uses a palavras fascismo, toda a gente usa isso como se fosse uma simples alteração nas regras e não um sistema de opressão e de ditadura. Mas deixo te a pergunta o que é que é mais fascista, ignorares o perigo do virus mais agressivo das últimas décadas e obrigares as pessoas a correrem esse risco quer queiram quer não (sim pq se ele imposer as escolas/empresas a abrir e de forma normal, a tua única escolha é correres esse risco ou falhares o ano/seres despedido) ou dar opção de escolha às pessoas?

          • pois says:

            @SD

            Provavemente sou bem mais velho que tu, portanto, comecemos por largar o “Rapaz”, ok?

            > Mas lá está o problema nem eram eles, eram os avós com 80 e muitos anos e até umas bisavó que já passou os 100 e que não lhes puseram os olhos em cima durante quase 2 meses que foi o tempo que demorou para darem todos negativos.

            Ou seja, confirmaste por ti a baixa perigosidade da doença. Tenho familiares nessa faixa etária, e também não quero que nada lhes acontece, mas lembra-te que em Portugal a esperança média de vida à nascença nesta década anda à volta dos 81 anos.

            > E não uses a palavras fascismo, toda a gente usa isso como se fosse uma simples alteração nas regras e não um sistema de opressão e de ditadura.

            Diz isso a quem agora tem que recorrer a bancos de fome por ter perdido o trabalho, e o negócio. Todos os regimes, para se manter têm que ter suporte da população. Existe sempre uma boa porção da população que acha que as medidas (“as simples alterações de regras” que referiste) fazem sentido “para o bem comum”, até deixarem de fazer.

          • SD says:

            Só por teres ficado chateado com esse facto, aliando a essa teimosia e preciosidade em escolher os factos que comprovam a tua narrativa posso apostar que tenho mais uns aninhos em cima mas isso não interessa para nada.
            Baixa perigosidade da doença? Esperança média de vida?
            E agora fascismo é proteger as pessoas??
            Mas só te interessa os números e dinheiro? Como não matou metade do país está tudo bem, podemos voltar ao trabalho e o pessoal mais frágil que se amanhe? Não é por os meus avós terem passado a esperança média que eu vou deixar de ficar lixado se lhes acontecer alguma coisa pq algum de nós foi irresponsável? Alias nós não tivéssemos tido esse cuidado de reduzir as visitas e o contacto com os nossos familiares os meus avós podiam não estar cá nesta altura.
            Eu trabalho diretamente com um ponto local do banco alimentar e sei o quanto a situação piorou e para muita gente mas também te digo muita gente que la apareceu não tinha sobrevivido ou tinha passado muito mal se tivesse apanhado a doença
            Não sei quanto a ti para mim a vida (a minha, a dos meus e em geral) ainda se sobrepõe ao cachê se a ti não, olha o Trump ou o Bolsonaro precisam de apoiantes para a recandidatura

          • pois says:

            > Mas só te interessa os números e dinheiro?
            > Não sei quanto a ti para mim a vida (a minha, a dos meus e em geral) ainda se sobrepõe ao cachê se a ti

            Não, dou mais valor à vida e à dignidade das pessoas.
            É exatamente por isso que defendo os pontos que defendo.
            Só por exagero das medidas anti-COVID pode-se correlacionar duas mortes em cada três, só no sistema de saúde:

            https://www.dailymail.co.uk/news/article-8605885/Lockdown-killed-two-people-three-died-coronavirus.html.

            Pobreza também retira anos de vida, e se comparar esperanças médias de vida entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento não te chega, tens estes artigos:

            https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1403677/
            https://jamanetwork.com/journals/jama/article-abstract/2513561

            O artigo NCBI na revista “Public Health Rep” até analisa factores como atividade profissional ou desemprego.

            Estas medidas vão ter efeitos a longo prazo nas crianças e nas famílias. A redução total de anos de vida vai ser superior ao que possa hipoteticamente ser poupado com o que se está a fazer.

            > o Trump ou o Bolsonaro precisam de apoiantes para a recandidatura
            Não é preciso ser apoiante para se capaz de ver a constante vilificação pelos média de que estes dois têm sido alvo. Daí a minha intervenção. As posturas que os média focam são por norma absurdas e fáceis de descontruir, desde que se saia da “eco-chamber” e se tenha raciocínio crítico.

          • Nuno V says:

            @SD
            Achas mesmo que um ignorante político como o pois sabe o que fascismo realmente quer dizer? Ele sabe que é qualquer coisa má, portanto, para ele qualquer coisa má é fascismo.

            @pois
            É tudo um exagero… Até olharmos para os números de tanto os EUA, bem como os do Brazil, usar um bocadinho de raciocínio crítico (que tu dizes que és capaz de fazer) para apercebermos que estes falharam redondamente em protejer a sua população, principalmente pela acção de ambos os idiotas a que chamamos presidentes dos respectivos países.

          • SD says:

            Nuno sinceramente aquele foi o meu último comentário, já vi que não vale a pena, é cada fonte mais credível que a outra… Um pouco a la Trump mesmo.
            Eu já disse e repito as pessoas que não percebem que até quanto mais rápido despacharmos o vírus mais rápido voltamos ao (minimamente) normal seriamente preocupa me. Mas pronto por mim fazíamos o teste vamos por todo a “correr” em modo normal, transportes públicos incluindo aeroportos, fábricas com centenas de pessoas, escolas, infantários, etc. Depois no final víamos os números e víamos se realmente compensava…
            Eu do Trump e dos EUA já esperava essa posição (critico o laranjinha pelas anormalidades que diz mas nao tenho a menor dúvida que qq outro presidente gostasse ou não ia ter de por a economia e o comércio acima de tudo), agora haver que pessoa cá que defende isso… S nós temos fundo de desemprego, SNS (longe de ser perfeito mas existe), as nossas proprinas são substancialmente financiadas pelo estado…
            Pah eu também estou desempregado há um par de meses, é chato, é um tiro nas contas mas à coisas mais importantes. Os números são o que são com quarentena sem ela eram um completo desastrado ignorar esse facto é de facto ser ignorante e nem vale continuar a discussão sinceramente…
            @pois exagero de medidas? Na mesma semana em que há notícias de que o virus ja podia andar em Portugal e o número de mortos em espalhas ja ia em centenas, tens imagens das praias cheias… Durante a quarentena tens festas com dezenas de pessoas em bombas de gasolina… Pah se o pessoal é burro e não se protege o que esperas? E se abrires a noticia do daily mail vês facilmente o porquê? Falta de acesso ao médico, queres que te explique pq é os hospitais estavam sobrecarregados? E o perigo que é so o facto de eles estarem sobrecarregados?
            Se o pessoal fosse responsável a conversa podia ser outra mas está mais do que visto que não são, e mesmo assim o pessoal continua a contornar as regras, estão á espera que as medidas abrandem? Bares e discotecas também te garanto que fazem dinheiro á fartazana, precisas que te diga o que vai acontecer quando eles puderem abrir e houver donos que vão preferir o lucro á segurança?

          • pois says:

            @SD
            > Durante a quarentena tens festas com dezenas de pessoas em bombas de gasolina… Pah se o pessoal é burro e não se protege o que esperas?

            Se calhar o pessoal está a olhar para a evidência que esta pandemia, como pandemia, é uma desilusão e se não fosse o ciclo noticioso seria difícil de distinguir das pandemias recorrentes de outras doenças respiratórias como a gripe. Se calhar…

            > E se abrires a noticia do daily mail vês facilmente o porquê? Falta de acesso ao médico, queres que te explique pq é os hospitais estavam sobrecarregados?

            Eu li. Tu leste? Para quem não abriu o artigo:
            «
            The 16,000 people who died included 6,000 who didn’t go to A&E during lockdown because they feared catching the virus.

            Another 10,000 people are thought to have died in care homes after early discharge from hospital and a lack of access to care.

            A further 26,000 people could die by next month because of the restrictions, while in total 81,500 people could lose their lives in the next 50 years because of the virus.
            »

            Aliás, o que diz é o que os médicos (os decentes) se queixam também aqui em Portugal.

            > E o perigo que é so o facto de eles estarem sobrecarregados?

            Onde?

            https://www.indice.eu/pt/noticias/saude/2020/05/27/hospitais-covid-ficaram-longe-da-rutura
            https://www.rtp.pt/noticias/pais/covid-19-atividade-dos-hospitais-privados-caiu-cerca-de-67-em-abril_v1250106
            https://www.hsj.co.uk/acute-care/some-hospitals-left-quiet-as-covid-19-sparks-huge-fall-in-attendances/7027244.article
            https://www.laregion.es/articulo/ourense/hospitales-ourense-vencen-coronavirus/20200610124743951839.html

            > eu também estou desempregado há um par de meses, é chato, é um tiro nas contas mas à coisas mais importantes.

            Isto não se trata de ti em particular, nem dos outros desempregados de modo individual.
            Sabes o que é um plano de estímulo, ou já ouviste falar do “plano Marshal” utilizado para reativar a economia, e dos seus benefícios?
            O que se está a passar é um plano Marshal ao contrário, logo todas as vantagens promulgadas por um plano de estímulos são invertidas nesta situação. Lê sobre o assunto e percebes logos que as consequencias não são “chatas”. São destrutivas a longo prazo e custam vidas.

            > Bares e discotecas também te garanto que fazem dinheiro á fartazana

            Não se trata de bares e discotecas. Aqui prevêem uma queda de 15% do PIB. Nos EUA, estimam que será 33%. Conheço casos de empresas com centenas de empregados que estão reduzidas a um terço dos funcionários. As empresas fechadas não reabrem do dia para a noite e as linhas de fornecimento interrompidas também não.

            Além disso, como pode alguém proibir alguém de trabalhar. Se vives de apoios sociais, e estás bem com isso, é problema teu, mas algumas pessoas preferem viver daquilo que produzem. E devem ter o direito de o fazer.

          • SD says:

            Pronto Já percebi, estás só a gozar com o pessoal já percebi? Como uma gripe?? Tu tens o exemplo do teu mais que tudo laranjinha e do Bolsonaro que trataram isto como se fosse “um gripezinha” e tens depois os números que suportam completamente essa teoria…
            Rapazinho eu nem sequer me viu dar de estar a procurar links, agora apresentas me uma noticia de hospitais ingleses e depois contradizes com estatísticas portuguesas?? E é suposto eu levar te a sério?? Procura e facilmente vais encontrar que em Itália, Espanha e Inglaterra especialmente Londres passaram por casos apertados mesmo, felizmente aqui de facto não chegou a tanto.
            >Além disso, como pode alguém proibir alguém de trabalhar. Se vives de apoios sociais, e estás bem com isso, é problema teu, mas algumas pessoas preferem viver daquilo que produzem. E devem ter o direito de o fazer.>
            Apenas te digo tu para fazeres uma afirmação dessas é pq passas o dia em casa dos papás sem fazer nenhum. O subsídio serve para pagar contas e mesmo assim às vezes não chega. Eu safo me pq desde que comecei a trabalhar já há uns aninhos que sempre fiz questão de deixar algum de lado todos os meses e acredita que sem grandes luxos mas tenho o suficiente para conseguir fazer isso e ainda conseguir em alguns extras. Consigo fazer isso pq a maior loucura que fiz foi gastar meio ano de ordenados num carro, perdi a cabeça neh? Pq tal como te disse eu apoio o banco alimentar aqui fa zona e se ha algo que te posso garantir é que muita gente passa mal por não saber fazer uma gestão das despesas, o ordenado entra e sai muito rapido e muitas vezes não é para pagar as contas. Mas não te preocupes eu já estou a procura de emprego, em breve espero não estar a “chular” o estado. Embora com uma dezena de anos de descontos embora pudesse estar encostado mais alguns mesinhos confortavelmente mas não, não estou bem assim isso te garanto

          • pois says:

            For the record

            Dois países que têm sido vexados por ter medidas lassas pelos seus parceiros europeus, e por cidadãos com inclinações totalitárias:
            https ://www.tsf.pt/portugal/sociedade/portugal-e-suecia-sao-os-paises-onde-a-covid-19-mais-recua-12512764.html

            O que o fascismo pode ser, para quem ignora uma das definições:
            https://pt.wikipedia.org/wiki/Fascismo_de_esquerda

          • Nuno V says:

            @pois
            Fascismo e fascismo de esquerda são dois termos diferentes, não são sinónimos. Para não falar que o segundo raramente é usado e apenas existem uns poucos preponentes que o suportam. Isto ao contrário do primeiro. Mas claro que o teu conhecimento não passa de uma pesquisa rápida no Google, por isso é que falhas sempre redondamente.

            No que toca à Suécia, novamente é o que dá as pesquisas rápidas. Esqueceste que a Suécia é o terceiro país da Europa com a maior taxa de infeção, quase 60% maior que a de Portugal.

          • pois says:

            @Nuno V

            Já te provaste um pedante anteriormente. Não precisa de o reafirmar.

            > Esqueceste que a Suécia é o terceiro país da Europa com a maior taxa de infeção, quase 60% maior que a de Portugal.

            E no entanto, não se passa nada de especial por lá. Não há como tapar o sol com a peneira. 😉

          • Nuno V says:

            @pois claro que sou pedante. Sou eu que estou a dizer que isto não passa de uma gripezinha como os teus heróis vociferam. Sou eu que nega factos científicos. A projeção é uma tática clássica dos desonestos como tu.

            Obviamente que na Suécia não se passa nada de mais. Eles nem sequer são o 5º pais da UE com mais mortes por habitante, em 6º lugar a nível mundial. São também o 11º país com a taxa de mortalidade mais alta a nível mundial (mais do dobro de Portugal). @pois, na Suécia é tudo uma maravilha, um mar de rosas até. Apenas alguém que não dá valor à vida humana afirmaria tal estupidez.

          • pois says:

            @Nuno V

            > A projeção é uma tática clássica dos desonestos como tu. […] Apenas alguém que não dá valor à vida humana afirmaria tal estupidez.

            Desonesto é quem olha para um link, abre e depois diz o que os conteúdos são diferentes dos que são. Dou referência para tudo o que digo, até porque se o digo é porque obtive confirmação em algum lado.

            Tu atacas pessoas em vez de ideias, e mostra o nível que és ao misturar insultos com argumentação.

            Se tens argumentos, referenciados, mostra-os, porque até agora já te provei errado uma dúzia de vezes.

            Por definição, a propaganda não é necessária quando se consegue provar algo, daí não seu o TEU jeito dar referência quando te provam errado, certo?

            > Sou eu que nega factos científicos.
            > Obviamente que na Suécia não se passa nada de mais. Eles nem sequer são o 5º pais da UE com mais mortes por habitante, em 6º lugar a nível mundial. São também o 11º país com a taxa de mortalidade mais alta a nível mundial (mais do dobro de Portugal).

            E não nego factos cientícos. Segundo o agência europeia de monitorização da mortalidade, a Suécia não tem aumento de mortalidade, e Portugal, considerando o número de casos reportados como mortes COM coronavírus (diferente de DE), o baixo aumento da mortalidade no período homólogo não pode ser correlacionado com esta doença (1770 mortes total equivale a 5 dias de mortalidade média em Portugal, ou cerca de 1% do total de mortes/ano).

            https ://observador.pt/interativo/estes-sao-os-numeros-do-coronavirus-em-portugal/
            https://euromomo.eu/https://euromomo.eu/graphs-and-maps/

            O restante aumento da mortalidade que se sentiu anteriormente, pode facilmente ser justificado pelo desleixo noutras doenças, súbita degradação das condições de vida de populações carenciadas e aumento dos suicídios, como é parcialmente demonstrado no artigo do Daily Mail que colei acima (é um tablóide, mas não falha nos números que apresenta).

            > Sou eu que estou a dizer que isto não passa de uma gripezinha
            E se o relato do @SD (não intencional e contra a sua postura neste mesmo argumento) não chega, além das dúzias de histórias de médicos, investigadores e amigos e desconhecidos que és capaz de já ter ouvido, lê:

            https ://www.nature.com/articles/d41586-020-01738-2

            Na maioria dos estudos, a IFR é de 0,6%, mas tal como o descrito no artigo, o principal problema é a contabilização de infetados que não testam, seja por não terem sintomas, ou por não acorrerem aos hospitais.

          • Nuno V says:

            @pois
            “Desonesto é quem olha para um link, abre e depois diz o que os conteúdos são diferentes dos que são.”

            Se faz o favor diz-me onde eu fiz isso. Eu peço-te. Se não o fizeres não passas de um mentiroso.

            “porque até agora já te provei errado uma dúzia de vezes.”
            Ó sim, indica-me também onde é que tu demonstraste que eu estava errado. Não precisas de indicar uma dúzia de vezes, apenas uma.

            Dizes que não houve o aumento da mortalidade, depois colocas um gráfico que indica, que na realidade ouve um aumento anormal da mortalidade no pico da pandemia. Claro que depois tens que explicar a tua discrepância com a seguinte afirmação “pode facilmente ser justificado pelo desleixo noutras doenças, súbita degradação das condições de vida de populações carenciadas e aumento dos suicídios”. Como suporte usas um artigo do Daily Mail. Primeiro não sei quem te ensinou matemática, mas 16000 < 25000, portanto, de acordo com a tua própria explicação, o covid-19 continuava a ser o maior responsável pelo aumento do número de mortes. Depois existe o problema que se não fossem tomadas medidas o número de mortes de covid-19 seria maior. O estudo citado pelo Daily Mail diz, que num periodo de 12 meses, se não houvesse qualquer tipo de mitigação, o número de mortes seria de 1,5 milhões. A grande maioria porque o serviço de saúde seria avassalado pela falta de camas de cuidados críticos. Em baixo indico-te o link para o estudo, porque eu prefiro estudos científicos a noticias de tabloides.
            https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/907616/s0650-direct-indirect-impacts-covid-19-excess-deaths-morbidity-sage-48.pdf

            “Na maioria dos estudos, a IFR é de 0,6%, mas tal como o descrito no artigo”
            Mais uma vez, vou ter que te chamar um valente mentiroso. Apenas dois estudos indicam que a IFR é de 0,6%. Existem estudos que é de 1%, outros são superiores a 1%. Mas mesmo que consideremos o de 0,6%, continua a ser 6 vezes superior ao da gripe (0,1%). Existe depois o problema que o SARS-Cov-2 é mais infecioso que a gripe. Também existe o problema que a gripe é sazonal, o SARS-Cov-2 não. É com cada tiro no pé.

          • pois says:

            @pois

            >“Desonesto é quem olha para um link, abre e depois diz o que os conteúdos são diferentes dos que são.”
            >
            >Se faz o favor diz-me onde eu fiz isso. Eu peço-te. Se não o fizeres não passas de um mentiroso.

            Pode-se começar pelo comentário acima sobre o fascismo.
            “Fascismo e fascismo de esquerda são dois termos diferentes, não são sinónimos.”
            ” Para não falar que o segundo raramente é usado e apenas existem uns poucos preponentes que o suportam. Isto ao contrário do primeiro.”
            quando esté indicado:
            ” termos sociológicos e filosóficos usados para categorizar tendências na política de esquerda, de outra maneira comumente atribuídas à ideologia do fascismo.” e “Seymour […], em 1960, classificou como fascismo de esquerda”… O conceito não novo.
            Ou o teu colega com o: “agora apresentas me uma noticia de hospitais ingleses e depois contradizes com estatísticas portuguesas?? ” quando os links do indice e RTP referem-se a Portugal.

            > “porque até agora já te provei errado uma dúzia de vezes.”
            > Ó sim, indica-me também onde é que tu demonstraste que eu estava errado. Não precisas de indicar uma dúzia de vezes, apenas uma.

            Começasndo pela citação do Trump (“basically imune”), a dualidade de critérios entre doenas pulmunares, os “manifestantes pacíficos” a empurrar e atirar água à policia antes dos confrontos como se vê no vídeo do WaPo,…

            > Dizes que não houve o aumento da mortalidade,
            No período homólogo…
            > depois colocas um gráfico que indica, que na realidade ouve um aumento anormal da mortalidade no pico da pandemia.
            Sim, no pico das medidas anti-pandemia, que são justificadas pelo que foi dito em seguida.
            Se vires os Z-scores não há aumento da mortalidade desde abril, apesar de terem havidos aumentos no número de casos.

            > O estudo citado pelo Daily Mail diz, que num periodo de 12 meses, se não houvesse qualquer tipo de mitigação, o número de mortes seria de 1,5 milhões.
            > A grande maioria porque o serviço de saúde seria avassalado pela falta de camas de cuidados críticos.

            Essas projeções já há muito que foram dada comos erradas, e os números foram exagerados. Até o John Hopkins teve que justificar as margens que deu para o estudo e indicar que estamos a lidar com o limite inferior de predição.

            Uma análise detalhada encontra-se em:
            https ://forecasters.org/blog/2020/06/14/forecasting-for-covid-19-has-failed/
            e um gráfico que mostra como as gamas de resultados apresentados por vários modelos:
            https ://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0231236

            > prefiro estudos científicos a noticias de tabloides.
            https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/907616/s0650-direct-indirect-impacts-covid-19-excess-deaths-morbidity-sage-48.pdf

            Concordo, mas o que apresentaste é um relatório técnico do Department of Health and Social Care, Office for National Statistics (entidade governamental que pode ser obrigada a um enviesamento), não um estudo cientifico peer-reviewed. Se vires outros posts noutras entradas, sempre que adequado faço isso. Dá projeções de até 300.000 mortes por privação, com excesso de 10.000.

            Mas, um estudo internacional independente (e este sim, se vais falar de “estudos cíentíficos” e és pedante, este sim é peer-reviewed):
            https ://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2214109X20302291

            Dá uma projeção de 300.000 a 1.157.000 crianças, só nos primeiros 6 meses.

            > Apenas dois estudos indicam que a IFR é de 0,6%. Existem estudos que é de 1%, outros são superiores a 1%. Mas mesmo que consideremos o de 0,6%, continua a ser 6 vezes superior ao da gripe (0,1%). Existe depois o problema que o SARS-Cov-2 é mais infecioso que a gripe.

            E volta a ignorar ler em todos os estudos o problema da predição de não contabilizados. Uma das associações é que os países que mais testam são os países com mais casos (óbvio), mas também são os países com menores taxas de mortalidade. E o que disse foi isso mesmo que até é referido no artigo da Nature que citei.

            >Mais uma vez, vou ter que te chamar um valente mentiroso.

            Pois, não sei se é só imbecil, se não sabes ler, ou se te pagam para fezer propaganda, mas seja o que for, não és lá muito bom nisto.

          • SD says:

            @Nuno desiste, esse troll está aqui só para chatear e gozar com o pessoal. Estamos a discutir a notícia do daily mail sobre hospitais ingleses e ele apresenta me uma estatística portuguesa para contradizer que os hospitais encheram e ainda tenta virar isso contra mim, estou tolo mas não tanto… Ele anda por todo o lado a misturar notícias portuguesas, inglesas, americanas para tentar provar algo que não pode.
            Sinceramente se o rapazinho estivesse assim tão preocupado com o trabalho já tinha arranjado formas mais produtivas de passar o tempo.

          • pois says:

            @SD
            Em relação aos links que ignoras, eu colei isto:

            https://www.indice.eu/pt/noticias/saude/2020/05/27/hospitais-covid-ficaram-longe-da-rutura
            https://www.rtp.pt/noticias/pais/covid-19-atividade-dos-hospitais-privados-caiu-cerca-de-67-em-abril_v1250106
            https://www.hsj.co.uk/acute-care/some-hospitals-left-quiet-as-covid-19-sparks-huge-fall-in-attendances/7027244.article
            https://www.laregion.es/articulo/ourense/hospitales-ourense-vencen-coronavirus/20200610124743951839.html

            O terceiro refere-se a hospitais ingleses e o quarto a espanhóis. Só para mostrar o que os hospitais vazios são algo que se sente em todos os países.

            É óbvio quem são os trolls aqui, e, certamente, não sou eu.

            Quanto ao trabalho, preocupa-te contigo dado que és tu que dizes estar a viver de subsídios e rendimentos do passado.

            Eu, de momento, ainda não tenho essa preocupação.

          • SD says:

            “Attendances at NHS emergency departments have fallen sharply as the coronavirus outbreak has gathered pace in the UK, new data has revealed.” Fallen sharply sabes o que significa? Se não sabes google tradutor.
            E o nome da espanhola é literalmente Ourense vence coronavirus, wow a sério que o hospital está livre agora que o virus está controlado lá?? Bolas nao estava mesmo à espera disso.
            Pah se não consegues ser sério não comentes. Eu desisti a partir do momento em que estamos a discutir uma noticia inglesa e vens contradizer com dados portugueses. Eu repito não vou perder tempo mas tens notícias de Espanha, Itália e Inglaterra que passaram por sítuacoes muito difíceis e com hospitais pelas costuras. Queres uma fonte para isso eu passo te o número de um amigo enfermeiro em Londres e confirmas diretamente com ele.
            E digo te outra vez pega nos dados dos EUA e do Brasil (os dois paises que mais “relaxados” estiveram nas medidas) e convence me que isto é virus normal que não merece preocupação demais…
            Quanto ao trabalho como te disse já descontei o suficiente para poder passar este e o próximo ano descansado mas para além de não estar desempregado por opção já há algum tempo que estou a enviar currículos e a contactar empresas, só que ao contrário da tua percepção do mundo há coisas que não conseguimos controlar.

          • Nuno V says:

            @pois
            “Pode-se começar pelo comentário acima sobre o fascismo.”

            Eu disse que os “conteúdos são diferentes dos que são.”? Meu grande mentiroso, tu vociferaste várias vezes a palavra fascismo em que esta não se aplicava de qualquer forma. Depois para dar ar de intelectual e que percebes do que dizes colocas um link para “fascismo de esquerda” que não é sinónimo de “fascismo” e a tua própria citação clarifica que estamos a falar de termos que não são sinónimos quando diz: “comumente atribuídas à ideologia do fascismo”. Se eu for ao artigo sobre o “fascismo”, o Wikipédia diz: “Fascismo é uma ideologia política ultranacionalista e autoritária”… ”Oposto ao liberalismo, ao marxismo, ao socialismo e ao anarquismo, o fascismo posiciona-se na extrema-direita do espectro político tradicional.” Portanto fascismo e fascismo de esquerda não são a mesma coisa só porque têm o nome fascismo lá. Tal como socialismo e socialismo nacional também não são sinónimos só porque têm a palavra socialismo lá.

            “O conceito não novo.”
            Nunca disse que o conceito era novo, disse, e cito o que disse: “raramente é usado e apenas existem uns poucos preponentes que o suportam” que é a verdade. A título de exemplo, o artigo sobre o fascismo de esquerda apresenta 392 palavras e 13 referências, o do fascismo 10120 palavras e 234 referências.

            Ou seja, mesmo depois de te ter colocado a definição da palavra imune continuas a bater na mesma tecla. Para além de mentiroso sofres de transtorno de personalidade narcisista.

            A taxa de mortalidade regularizou em final de maio/inicio de junho, não em abril. O pico de mortes ocorreu precisamente em abril. Quando a qualidade do teu argumento é não existente, mais vale a pena falar com uma porta.

            “Essas projeções já há muito que foram dada comos erradas, e os números foram exagerados.”
            Ou seja, vais utilizar a falácia da apanha da cereja como defesa do teu argumento? Ou seja, escolhes o que te interessa do estudo e depois descartas o resto. Continua assim, ninguém mina o teu argumento melhor do que tu próprio.

            O primeiro link é uma opinião, não me interessa. Finalmente, um estudo científico, agora quero que me expliques qual a razão para este refuta o anterior. Até porque à medida que o tempo foi avançando e a qualidade da informação foi melhorando, e as previsões foram cada vez mais precisas. E isto em final de março quando o estudo foi publicado. O primeiro artigo os dados são de meados de junho. No que toca o segundo artigo, novamente explica-me como é que este refuta o primeiro? Em quê que este suporta a tua opinião? Tu leste sequer o artigo? Quanto muito demonstram precisamente o oposto, não estamos a lidar com uma gripezinha. E não é “peer-reviewed”, mas sim revisto pelos pares. Ou não sabes falar Português?

            “E volta a ignorar ler em todos os estudos o problema da predição de não contabilizados.”
            Mas alguém diz que não existem problemas nas previsões? Claro que existem problemas, estamos com esta doença nem há um ano. Mas tudo o que até agora descobrimos é que esta é mais severa que a gripe.

            “Uma das associações é que os países que mais testam são os países com mais casos (óbvio), mas também são os países com menores taxas de mortalidade.”
            Alguma vez disse oposto? Alguma vez mencionei que deveríamos calcular a taxa de morbidade usando apenas os casos confirmado? Não passas de um mentiroso. A taxa de morbidade estima-se que ande entre os 0,5% e o 1%. Mesmo no melhor cenário estamos a falar de uma doença 5 vezes mais mortal que a gripe. Mais uma vez, isto aliado à maior taxa de infeção e o facto de esta não ser sazonal. E, mais uma vez, temos vacinas para prevenir a gripe, não temos nada disso para o SARS-Cov-2.

          • pois says:

            > A taxa de mortalidade regularizou em final de maio/inicio de junho, não em abril. O pico de mortes ocorreu precisamente em abril. Quando a qualidade do teu argumento é não existente, mais vale a pena falar com uma porta.

            Não há aumento da mortalidade desde o pico (final de abril). Não há mortalidade estatisticamente significativa acima da média desde de junho. Nota bem “mortalidade acima da média”.
            Confirma-se pelos z-scores no Euromomo.eu

            O resto nem vale a pena responder. Quem lê a discussão já percebeu e não tem que consultar outras fontes.

          • Nuno V says:

            Tirados da tua fonte:
            https://ibb.co/McKGjsh
            https://ibb.co/JvpCdRS

            Para o registo, a última semana de abril é a número 18. Na tua fonte mostra que a mortalidade está substancialmente acima da gama esperada. Apenas na semana 22 esta fica entre os valores esperados. A semana 22 é a última de maio. Tu não só não analisas as fontes que os outros colocam, como não analisas as que tu próprio colocas.

          • pois says:

            Abril é da semana 13 à semana 16 inclusivé. O máximo foi na 14, como se observa nos screenshots que colocaste.

            Tal como disse desde o início, não houve aumento desde abril (semana 14) e não há diferença significativa em relação à média desde a semana 21 (ínício de junho), tal como disse.

            > Tu não só não analisas as fontes que os outros colocam, como não analisas as que tu próprio colocas.

            Não diria melhor;)

          • pois says:

            Amenda: Abril deve-se ler maio. Eu referi inicialmente desde o fim de Abril e na realidade é desde a segunda semana de maio. Os tais ajustes à posteriori que eu não tomei conhecimento atempadamente.
            Mas as observação em relação a junho estão corretas e o argumento não se altera com as duas semanas extra.

          • Nuno V says:

            Não, abril é da semana 14 à 18. Será que nem uma porcaria de um calendário abres, ou tens dificuldade a contar? Até porque é impossível o mês de abril ocupar apenas 4 semanas. O único mês em que tal é possível é em fevereiro, em anos não bissextos e quando o dia 1 calha a um domingo.

            O máximo de mortes ocorreu na semana 14 início de abril, e começou a descer a partir daí. Tendo finalmente estabilizado nos valores normais na semana 22, final de maio.

            “e não há diferença significativa em relação à média desde a semana 21 (ínício de junho), tal como disse.”
            Mentira, a primeira pessoa a mencionar que os valores estabilizaram em finais de maio, inícios de junho fui eu, e tenho as etiquetas de tempo dos comentários como prova de tal. Tu afirmaste que os números estabilizaram passado o mês de abril, que não corresponde à verdade. E agora o teu pedalar para trás demonstra que detetaste que estavas em erro, mas não tens a coragem de admitir. Portanto tentas passar a ideia que foi o que sempre disseste, ou seja, estás a mentir.

            “Não diria melhor;)”
            Fala a pessoa que nem sequer abriu a porcaria de um calendário.

          • pois says:

            Nuno, tive uma gralha na contagem das semanas, e sim, não usei calendário. Lapso menor.

            Mas eu disse inicialmente isto:
            «Sim, no pico das medidas anti-pandemia, que são justificadas pelo que foi dito em seguida.
            Se vires os Z-scores não há aumento da mortalidade desde abril, apesar de terem havidos aumentos no número de casos.
            »
            Algo que refutaste. Deixa-te de parvoíces, por favor.

          • Nuno V says:

            Isto não se prende com o aumento de mortes. O pico de mortalidade em portugal que vez no gráfico ocorreu em abril. Se calhar na tua mente, o facto de este pico ter ocorrido na mesma altura que o pico de mortes por covid 19 é pura coincidência. Após o pico ter sido atingido, o número de mortes continuou significativamente mais alto do que é considerável normal, mesmo que estes tivessem a descer. É que nem por estar marcado no gráfico que tu indicaste, a linha base, a gama normal e a linha de aumento substancial é suficiente para pores esse amendoim de cérebro a funcionar. Olha para a porcaria do gráfico, e mete na tua cabeça que a mortalidade em Portugal atingiu os valores normais em final de maio /inicio de junho. E o que queres atingir com este argumento? Que afinal o SARS-Cov-2 não é uma gripezinha devido ao aumento significativo da mortalidade? E a mortalidade por covid 19 não está apenas ligado ao número de pessoas infetadas, mas também à idade das pessoas infetadas. Será que tenho que fazer-te a sopinha toda?

          • SD says:

            Lol quando vi hoje as notícias achei que ia ter mais uns comentários do pois para me rir e tinha razão. Nuno desiste essa personagem manda me uma notícia cujo título é literalmente “Ourense (essa terra enorme…) vence coronavirus” para me tentar provar que os hospitais em Espanha estavam tranquilos…
            Mas enfim ai está a prova do valor das palavras do Trump! Estudo que comprova que as crianças (e adolescentes) não só não são imunes como apresentam altas cargas virais. Elas são sim assintomáticas na maioria das vezes o que é uma coisa bastante diferente mas é ainda mais perigoso, podes ter a tua frente alguém “carregado com o vírus” e que não vai apresentar sintomas nenhuns. Qual é a desculpa desta vez @pois, a amostra é pequena ou o estudo foi feito á pressa?
            E já agora já que gostas tanto de estatística como é que um pais que está muito mais próximo da China e com condições de vida e de saúde muito piores em comparação e tendo uma população 4x superior aos EUA e 6x ao Brasil consegue ter muito menos infectados e metade das mortes em relação aos brasileiros e muito menos que um terço que os americanos? Será que foi a quarentena ou os indianos estão de conluio com os chineses e os problemas comerciais são só para disfarçar?

          • pois says:

            O pico foi equivalente a uma gripe ligeiramente alta. e acabou há muito. Algo, que não justifica as consequências das ações de mitigação deste problema, nem de perto nem de longe.

            Isto sem considerar a fraude sistemática na contabilização de mortes. Existem dados duplicados que são removidos de tempos a tempos, incentivo a considerar COVID em caso de dúvida, o caso de a mortalidade registada ser acima da esperança média de vida, a questão de haver 10 testes diferentes de PCR com percentagens de positivos distintas, o facto de a narrativa na Europa ter mudado de mortes para casos, e as medidas preventivas planeadas serem as mesmas, etc.

            É isso que só um cego (ou alguém com uma agenda) não vê ou não quer ver.

            Portanto, eu percebo. A maioria dos portugueses percebe e por isso tenta viver a vida da forma mais natural possível apesar das restrições que lhe são impostas, mas, a maioria da população mostra com os seus comportamentos o quão pouco acredita na perigosidade desta doença.

            Mete isso nesse saco de areia a que chamas cabeça.

          • pois says:

            > já agora já que gostas tanto de estatística como é que um pais que está muito mais próximo da China e com condições de vida e de saúde muito piores em comparação e tendo uma população 4x superior aos EUA e 6x ao Brasil consegue ter muito menos infectados e metade das mortes em relação aos brasileiros e muito menos que um terço que os americanos? Será que foi a quarentena ou os indianos estão de conluio com os chineses e os problemas comerciais são só para disfarçar?

            Eu diria que os indianos não tem o mesmo montante disponível para dispender em testes à população. Daí terem menor registo de casos e o clima não é propenso a doenças respiratórias. Além de que todo o Brasil próximo e abaixo do trópico de Caricónio, neste momento, está passar pelo seu Inverno. Locais onde se encontram as regiões mais densamente populadas.

          • Nuno V says:

            “O pico foi equivalente a uma gripe ligeiramente alta.”
            Tendo em conta que o covid 19 já matou mais gente a nível mundial nos primeiros 8 meses de 2020 do que é normal para uma “gripe ligeiramente alta”, digo que estás a mentir.

            “e acabou há muito.”
            A sério? É que a nível mundial a tendência é para o número de casos diários ser cada vez maior, o número de mortes diárias serem cada vez maiores, digo, outra vez, que estás a mentir.

            “Algo, que não justifica as consequências das ações de mitigação deste problema, nem de perto nem de longe.”
            Pois claro que não. O resultado vê-se nos países que falharam de implementar medidas atempadamente como Reino Unido, Brasil, EUA, Espanha, Itália, Suécia, que lideram a tabela de mortes per capita e contrastam com países que tomaram medidas logo no início. E não venhas com a desculpa que é o número de testes, pois temos países que testaram mais que estes e continuam com melhores resultados.
            Nós temos que ter precauções, é que se os casos começam outra vez a aumentar com crescimento logarítmico, é difícil de travar o seu crescimento de forma rápida, tal como foi da primeira vez.

            Mas eu fico por aqui porque tu, ou és um troll, ou intencionalmente ignorante, ou incompetente mental, ou consomes drogas, ou todos os quatro. Passa bem trumpista.

          • SD says:

            Realmente adoro quando ignoras a parte do comentário que prova que estas errado em alguma coisa… Mas enfim o estudo só vem mostrar o que dizia desde o inicio, o trump mais uma vez falou sem saber e mandar abrir as escolas (de forma complemente normal leia se) é um erro completo e que poderá abrir nova vaga de propagação.
            Quantos aos testes dou te razão nos infectados vivos, agora os mortos têm de ter uma “razão” de mortos, nao podes pegar e enfiar a pessoa na vala. Até pq aí os numeros estariam mais altos aiunda pq estariam a atribuir toda e qq morta ao virus. Ou seja a taxa de mortalidade deles de facto quer dizer alguma coisa, por mais que nao queiras admitir a quarentena faz efeito. Essa do tempo ja nao faz o menor sentido pq a China (e todo o hemisfério norte) tambem estavam em pleno inverno quando sentiu primeiramente o surto e isso nao diminiu a propagação de forma alguma.

          • pois says:

            @SD
            Que parte ignorei? Prova? Tu fazes afirmações sem base nem referências.
            Em relação ao caso brasileiro é só ver o gráfico em:
            https://ichef.bbci.co.uk/news/976/cpsprodpb/934A/production/_112260773_brasil_muertes_enfermedades_covid_mundial-nc.png
            do artigo da BBC
            https://www.bbc.com/portuguese/internacional-52593837

            Em relação à Suécia:
            Gostam tanto de falar e dizer que tem a mortilidade mais alta que Portugal, mas em Portugal foi quase impercetível e corresponde em acumulado a cerca de 1% da mortalidade total.

            No entanto, comparando com países que reportam mortalidades altas, porque é que a Suécia tem um mortalidade per capita abaixo do Reino Unido, Itália, ou Espanha, tendo em conta que não impuseram restrições à população?

          • SD says:

            Eu dizia para perderes menos tempo com links duvidosos que não provam nada e mais a ver canais de informação fidedigna mas já vi que é uma luta perdida por isso poupo te o trabalho:
            https://www.google.com/amp/s/amp.expresso.pt/coronavirus/2020-08-20-Covid-19.-Criancas-tem-papel-mais-importante-na-propagacao-do-virus-do-que-se-pensava
            “Em um cálculo simplificado, vê-se que, na América Latina, a diabetes matou semanalmente cerca de 3.515 pessoas em 2017. As infecções pulmonares, como a pneumonia e a bronquite, mataram 3.836 por semana naquele ano, em média.

            Mas, na semana dos dias 4 a 10 de maio de 2020, a covid-19 matou 6.987 pessoas na região”.
            Para além de ser um estudo que está bastante desactualizado já (na altura estava nas 280 mil mortes e neste momento está perto de ultrapassar as 800 mil), é suposto dar me razão?

          • pois says:

            Concordo que a BBC não é a fonte de informação mais reputável, mas usar o Expresso não é melhor de forma alguma. Além disso é óbvio que colaste o link sem o abrir, direto do Google.

            Se queres mudar o tema e colar informação sobre crianças, tens aqui o que a UNICEF diz sobre o tema do COVID:

            https://www.unicef.org/press-releases/unicef-additional-67-million-children-under-5-could-suffer-wasting-year-due-covid-19

          • SD says:

            Concordo sobre o expresso mas neste caso acho que até acaba por ser o mais completo a informar sobre isto (sim eu leu o que mando).
            O que é ma nutrição e propagação têm a ver uma coisa com a outra? Infelizmente também piorou as coisas para agências de caridade mas não estamos a discutir nada disso

    • Pedro Amílcar says:

      Acreditas no Pai Natal?

    • jorgeg says:

      A esquerda iluminada não faz ideia do que isso significa liberdade de informação e expressão!
      Os tipos são uns barbaros corruptos e violentos de pensamento coletivo ou pensa como eles ou esse banido e possivelmento agredido violentamente.

      Basta ter um pouco de conhecimento histórico para se saber do que e capaz a esquerda.

      • Joaquim Sobreiro says:

        Com sentimentos de ódio, entre esquerdas e direitas (ambas controladas) está criado o terreno para uma “nova ordem mundial” em que a pessoa será um número mais. Fácil de manobrar e reprimir mentalmente.

        • Maria says:

          Os espertos ficarão sempre bem e jogarão com isso a seu favor, riem-se por trás e falam entre eles.
          Os seguidores cheira c. u. s vão sempre atrás, a cheirar é abanar a cauda. Também são precisos. Dentro da sua basic idade são uns desorientados sociais, precisam sempre de um pastor.

  6. Miguel says:

    Quem garante que o Trump não estava a dizer a verdade, o que se sabe é que uma criança depois de infectada tem uma carga vitral maior, mas ninguém garante que uma criança apanha mais depressa o covid do que um adulto quando exposto a mesma carga viral. Aliás pelo que se tem visto os números de crianças infectadas é muito mais baixo em percentagem quando comparado com adultos.
    Começa a assustar quando uma empresa é que controla o que é verdade ou mentira!
    Vivemos em tempos marcados…

    • Tadeu says:

      a questão é que as crianças não são imunes! Uma coisa é ser imune, outra coisa é ter menos sintomas. Dizer que as crianças são imunes põe em risco crianças e principalmente as pessoas com quem contactam, já que são “veículos” de transmissão, algo que Israel, por exemplo, já infelizmente constatou.
      E o facto é que a campanha do Trump não está interessada na verdade, apenas em escapulir às responsabilidades. Em vez de se preocupar em tomar medidas para reduzir os riscos para as crianças e professores, reduzir a transmissão na comunidade apoiando as autoridades locais com medidas baseadas na realidade local, informar os pais sobre o que podem fazer no regresso às aulas, não… apenas se interessa em transmitir uma narrativa falsa de que nada de mal acontece e atacar quem aponta os problemas.

    • Paulo Martins says:

      Nos EUA a percentagem de crianças infectadas é 8,8% do total dos casos, tendo em conta a proporção de crianças a probabilidade de infecção é 1/3 quando comparada com o resto da população, logo não me parece que o valor seja assim insignificante. Para além as escolas encontram-se encerradas por isso o contacto que as crianças têm é menor o que pode explicar a diferença ser tão grande, potencialmente com as escolas abertas a probabilidade de infecção seria mais próxima do resto da população.
      Depois é um facto que as crianças têm sintomas muito menos graves que o resto da população mas não é claro a probabilidade de uma criança transmitir o vírus seja menor que um adulto.

    • SD says:

      O problema é que não és imune a uma doença que nunca tiveste. E o maior perigo de facto nem é as crianças poderem apanhar pq de facto até pelo que vemos, mas isso faz com que seja ainda mais perigoso que uma criança apanhe, não exiba nenhum sintoma e ande a espalhar o virus e recomece uma nova vaga com isso

  7. ervilhoid says:

    e os órgãos supostamente credíveis que um dia dizem uma coisa e depois outra

  8. Vasco says:

    Eu provavelmente vou apagar / desactivar a conta do Facebook. Jamais proibiria mesmo um inimigo de expressar a sua opinião, mesmo baseada em factos incorrectos. Jamais impediria eu, A, B ou C de dar a sua opinião, mesmo detestando-os. E jamais uma empresa que vive de comunicação deve poder exercer censura sobre as opiniões de terceiros. O contraditório tem a primazia, e qualquer alarvidade pode ser respondida e criticada, mas nunca suprimida! Para mim o Facebook foi longe de mais e mesmo não sendo a primeira vez que faz coisas do género, penso que é chegada a altura de reagir.

    • Joaquim Sobreiro says:

      Desde já há tempo que Facebook apaga contas e fica com os artigos publicados.
      Justifica que é uma empresa privada e quando aderiste foi de acordo com as suas regras. Inclusivamente cedeste direitos de autor.

    • Hugo Silva says:

      Pela tua logica estúpida qualquer um seria então livre de partilhar desinformação, porque não os jornais e telejornais e etc também? As noticias ja sao deturpadas, pela tua opiniao entao os órgãos de comunicação social diziam o que queria. Era so a opinião dos reporters etc, sem problema..

  9. Mark Zuckerborg says:

    If you look at children, children are almost — and I would almost say definitely — but almost immune from this disease,’ Trump said.

    ‘So few, they’ve got stronger, hard to believe, I don’t know how you feel about it, but they’ve got much stronger immune systems than we do somehow for this.

    ‘And they don’t have a problem, they just don’t have a problem,’ he added.

  10. João says:

    “My view is that schools should be open,” Trump said. “If you look at children, children are almost — and I would almost say definitely — but almost immune from this disease.”

    Está aqui a transcrição do que ele diz no video. Não me parece estar incorrecto face ao que observamos de que as crianças tem menos infectados, raramente tem sintomas, e praticamente não tem óbitos.

    Muito menos ser merecedor de censura.

    • miguel says:

      Ora nem mais, vivemos num tempo complicado onde uma empresa sente-se a vontade para eliminar posts do presidente da América, imagina o que faz ao ze povinho…

    • OP3 says:

      O Companheiro esta desfasado da realidade, informe-se, !! as crianças tem menos sintomas mas têem uma carga viral capaz de disseminar o vírus em larga escala , Be aware and take care

      • Urtencio says:

        isso não está provado!
        onde está o mentigrafo para eliminar este comentário?!

        • OP3 says:

          Mr Urtencio PROVADO, por quem Trump, Bolsonaro – é só olhar para o que se passa neste países, digo mais nesta Pandemia o que esta provado é que o vírus tem uma disseminação fora do vulgar, mas claro você também não é do tempo da gripe Espanhola, se não lembrava-se pois é, por é isso que este vírus vai continuar por ai durante muito tempo e todo os cuidados são poucos, enquanto pusermos em causa as recomendações da DGS e da OMS, vai continuar esta tragédia Mundial, Be Aware and Take Care

    • SD says:

      Ser mais resistente e ser imune são coisas completamente diferentes. Nós não somos imunes a doenças que nunca apanhamos, daí a importância das vacinas. Essa parte foi a que levou a que o post fosse apagado.
      Agora a importância das escolas não reabrerirem para já e de qq forma não é só as crianças apanharem mas sim que se tornem “veículos de transmissão”. A criança pode até nem apresentar sintomas mas os avós, pais, vizinhos podem já não ter a mesma sorte. E isto num país como os EUA que ainda estão a apagar o fogo da primeira vaga

    • Nuno V says:

      Para ti pode-te parecer correto, mas na realidade o que Trump disse é claramente falso. Se fores a ler a definição da palavra imune quando usada na medicina, esta não se aplica às crianças no que toca a este vírus. Pior ainda, para além de não serem imunes são transmissoras da doença.

      As redes sociais estão a tentar eliminar informação falsa, mesmo que lentamente, sobre a doença das suas plataformas. Porque razão seria Trump diferente dos ademais, visto o ser comentário ser, de facto, uma mentira e prejudicial para a contenção da doença? Ser presidente dos EUA dá-lhe o direito a dizer idiotices completamente incólume, enquanto a outros não? Para mim, ou não se elimina nenhuma informação falsa a ninguém, ou então elimina-se a todos.

  11. Joselito says:

    Sensato!

  12. O Monstro Precisa de Amigos says:

    Advertência legal: a partir de agora só se pode dizer a verdade, e nada mais que a verdade, nas redes sociais. Está tudo sob juramento. Quem violar este dever incorre no crime de falsas declarações.

  13. Luis Santos says:

    Não tarda muito o trump deve banir tanbem o Facebook dos Estados Unidos

  14. iFernando says:

    Quando a Direção-Geral de Saúde afirmou que o uso de mascaras não era necessário, o Facebook não apagou.
    E feito burro, fui a um supermercado sem mascara, senti-me mal e desprotegido.
    A partir desse dia usei sempre mascara, quando ainda não era obrigatório.
    E claro, deixei de acreditar.
    Trump diz que as crianças são quase imunes ao Covid-19 e eu acredito.

    • SD says:

      O Trump também recomendou que o pessoal andasse a injectar disenfectante e foi contra o uso da máscara durante imenso tempo para além de ter desvalorizado (e ainda o fazer) a doença durante imenso tempo… Mas ok depois diga me se as injecções deram resultado

  15. Guilherme Lino says:

    É a PIDE 2.0

  16. Joaquim Sobreiro says:

    Na Comissão Europeia está para aprovação a autorização para que a vacina milagrosa tenha como conteúdo material genético para alteração do código genético ADN do receptor.

    Esta medida foi considerado crime até agora.

    Se acharem que está informação seja importante sigam as diligências que o advogado espanhol Luís de Miguel está fazendo juridicamente.
    Devem consultar os documentos oficiais para não serem considerados de conspiradores, alarmistas ou pseudo científicos.
    Qualquer medida tomada pela Comissão Europeia terá efeitos imediatos nos países que dela fazem parte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.