Quantcast
PplWare Mobile

Portugal bate recorde na produção de energia sem carvão

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. R says:

    Não embelezem ” a coisa” porque, do ponto de vista do consumidor, a gestão da energia em Portugal é péssima.
    Alugueres de contadores e potência, taxas e taxinhas…
    Isto são notícias destinadas apenas a passar uma boa imagem

    • André silva says:

      Não pagas taxa de contador. Pagas a potência contratada seja aqui ou na Alemanha. O nosso problema é o histórico defice tarifário que foi sempre jogado para trás das costas. Os painéis solares a produzirem a 40 cêntimos o kWh, as renováveis a preço garantido. Isso sim foi um problema. A parcela da energia em Portugal é muito barata. O problema é o que se mete em cima dela.
      Depois há outro problema…. 95% das pessoas não sabe interpretar uma fatura … Quando mais simplificada não dá para estar.

      • Keyboardcat says:

        Potência contratada é algo específico a Portugal e outros países como França. Duvido que na Alemanha seja o mesmo. A maioria dos países cobram uma taxa de transporte (por kwh) e taxa de acesso à rede. Ao contrário de Portugal a conexão à rede não é por potência. Nos Países Baixos por exemplo a ligação par particular é de 1x80A ou 3x25A para ligações trifásicas. Por isso não tens o problema de não poder ligar vários equipamentos e ficar as escuras.

        Quanto aos custos de transporte, tal como em todo mundo esses contribuem para cerca de 60-80% dos custos de eletricidade. Por isso as pessoas não podem olhar para o custo por MWh que as centrais de produção vendem a eletricidade e assumir que é isso que vão pagar. A eletricidade tem que ser transportada. Isso implica muitos custos. Isso é válido para qualquer pais.

        • Andre silva says:

          Keyboardcat, isso parece-me á semelhança aqui dos nuestros hermanos. No entanto equanto pagamos 5-6€ /mes por 3.45 kva, os Espanhois pagam muitissimo mais. Em Espanha o termo fixo é de 3,42€ /kW / Mês . Para 4,4 kW de potencia dá sensivelmente 17€ / mes (https://www.endesa.com/es/luz-y-gas/luz/one/tarifa-one-luz).
          Na Alemanha, quase tudo é trifásico, se não for tudo. A nivel de preço, é mais alto do que nós (sem ter em conta os ordenados claro).
          Vi na Alemã E.ON – o Kwh anda á volta dos 30 centimos com um contrato de 2 anos e uma taxa de 150€ anuais – o equivalente á nossa taxa de potencia.

  2. JR says:

    No inicio das petrolíferas também no inicio era tudo muito bonito, mas depois ai ai. Ninguém da nada a ninguém.

  3. OS says:

    Tudo Treta
    Duas Palavras para explicar:
    Ladrões e Aldrabões
    Bom Ano a Todos

    • André silva says:

      Com essas mentalidades o país não avança. É fácil dizer isso sem argumentar o porquê.

      • OS says:

        E Voçe é um dos com essas mentalidades em vez de ficar a produzir no País para ele avançar fugiu (Alemanha) á procura de uma vida melhor.

        • Andre silva says:

          Por acaso não amigo. Defendi sempre o meu país com unhas e dentes, e aqui apenas estou a debater o tema com a imparcialidade técnica que ele merece. Claro que se avançarmos para o foro político, nunca mais saímos daqui.

  4. Amaro says:

    Os 15% de cogeração foram só biomassa? Não…
    E a importada, sabe-se a origem?
    Tretas…

  5. luis nascimento says:

    é evidente que é bom ler uma notícia destas mas, o consumidor que neste caso devia ter a energia mais barata tal não acontece.

    • Luis says:

      Segundo o EU-SILC (European Union Statistics on Income and Living Conditions) Um em cada cinco portugueses não tem capacidade financeira para manter a sua habitação aquecida o que coloca o país na quinta posição neste ranking, atrás da Bulgária, Lituânia, Grécia e Chipre.
      Então agora com a tal aposta no Hidrogénio, que tem que ser incorporado na rede eléctrica, vamos ver o salto que o preço vai dar… vai ser bonito.

  6. Luis says:

    “O nosso país teve inclusive a energia mais barata da Europa no dia de Natal.”
    Mas não foi para o povo de certeza, continuo a pagar o mesmo e o (des)Governo continua a receber os 23% IVA, e as respectivas taxa e taxinhas.
    Em Portugal é tudo Engenharia Espacial.
    Se voltarmos ao carvão se calhar fica mais barato.

    • André silva says:

      Caro Luís, agora a culpa é sempre do governo? Todo o mal.que vem ao mundo é do governo? O.que é certo é que o preço mais baixo serviu para que a sua fatura não aumentasse ainda mais. E não, se voltasse ao carvão, o preço do kWh no mercado subia dos 5 cêntimos para uns 8 a 10 cêntimos por kWh. E depois alguém vinha gritar que a culpa é do governo por se estar a pagar o kWh a 20 cêntimos no consumidor final.
      Certo que os chamados CIEGS são um fardo muito grande, mas nenhum governo fez nada para os mudar.

      • Luis says:

        Então achas por bem categorizar um bem de primeira necessidade a 23% IVA? Pensei que os bens de primeira necessidade andavam todos nos 6%

        • Andre silva says:

          Estava a falar de preços sem iva e na saida da central. saindo a 10 centimos na central, chegava ao consumidor em valores muito perto dos 20 centimos.
          Quanto ao IVA, sim deveria estar nos 6%, ainda para mais agora com a eletrificação de quase todos os consumos.

  7. Ricardo Gonçalves says:

    Já é possível “Vender” a nossa própria energia domestica com paneis solares por exemplo? ou vai para a rede a custo zero?

    • Luis says:

      Não tenho a certeza mas os painéis solares tem de estar ligados a rede(tem, EDP) e não me parece que tenhas algum desconto, apenas não consomes da rede enquanto tiveres sol porque como não tens baterias para armazenar vais ter sempre de gastar da rede

    • MalicX says:

      É possível mas economicamente inviável. Apenas no tempo do 44 se conseguiu contratos em que a EDPvevoutrusveram obrigados a comprar a energia a um valor muito superior ao preço de mercado. Agora só para mega empreendimentos onde claro os subsídios estão implícitos.
      Eu comprei 4 painéis para autoconsumo. O excesso iría para a EDP, mas com o sistema que adicionei eles ficam com zero. E claro só comprei já painéis porque o o bom do Costa arranjou mais uns subsídios (70% a fundo perdido). Caso contrário era deitar dinheiro para rua.

  8. MalicX says:

    A herança do senhor 44, com preço garantido para a produção eólica, que tem que ser entrega a Espanha e ainda temos que pagar leva acessa aberração. Tênis energia barata mas custa-nis os olhos da cara. Por cada kWh produzido os amigos do 44 e provavelmente o 44, levam 50cent para casa. Quem paga? O otário do tuga. Somos mesmo uns labregos. Eu agora na minha produção de autoconsumo montei un sistema que liga aquecedores, mesmo sem necessidade, sempre que a produção ultrapassa o consumo. Os chulos da EDP não levam um tostão do que produzo.

    E os amiguinhos do verdinho vejam a reportagem “o lado negro das energias verdes”. Passou na RTP mas está no Google.

  9. Robin says:

    Isto apenas serve para aumentar os lucros da EDP.
    Em matéria de consumidor seja em carvão, petróleo, gaz, vento ou solar, para o pagante português, os Impostos e o preço carrega no zé.

  10. João says:

    Agora é que os preços vão começar a descer. Depois de tudo o que “investiram”, na instalação de energia renovável, sob a forma de taxas e preços elevados garantidos na produção, tenho a certeza que o governo vai garantir que os Portugueses vão poder colher os benefícios deste seu investimento. Obrigado Governo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.