Quantcast
PplWare Mobile

França opõe-se à proibição de veículos térmicos na UE em 2035

                                    
                                

Fonte: Foro Coches Eléctricos

Autor: Ana Sofia


  1. João says:

    O que são veículos térmicos? Nunca ouvi falar.

  2. Rúben says:

    Concordo com a frança Portugal devia de ir a traz ainda não é qualquer pessoa que se pode dar ao Luxo de ter um elétrico.

  3. Miguel says:

    Essas imposições são realmente estúpidas, os governos andam cada vez mais como ditadura, seja doença seja qualquer outra coisa….
    Se os veículos não térmicos forem bons e a bom preço a população irá comprar, se os térmicos forem melhores, continuarão no mercado, sempre foi assim…

    • Rui says:

      E não só. É uma medida tão absurda que dizemos às pessoas que moverem-se polui, mas podem andar num cruzeiro, avião, tractor, vai-e-vém….. movidos a combustível!!!!!!

      Ainda para mais temos estes dados: https://expresso.pt/sociedade/2019-06-07-Cruzeiros.-Navios-na-costa-portuguesa-poluem-86-vezes-mais-do-que-os-carros

      • Miguel says:

        Exacto, a prioridade devia ser esse tipo de transportes, porque ao resolveres o problema de 1 equivale a resolver o problema de muitos carros.
        Quem fala de cruzeiros fala também de aviões, cargueiros, e até comboios, autocarros.
        Mas não, quem paga sempre é o Zé povinho… somos os Beta testers do costume, se tudo correr bem então começam a aplicar em companhias, camiões e etc.
        E ainda têm a lata de nos obrigar a gastar o nosso dinheiro onde querem….

      • Gomes says:

        E por isso é que eles vão também atrás dessas fontes de poluição, como diz aqui: https://eco.sapo.pt/2021/07/14/ue-vai-comecar-a-taxar-carbono-dos-navios-e-acabar-com-emissoes-livres-dos-avioes/

        Toca a todos.

        • Rui says:

          É mais um prego na nossa competitividade. Porque os outros países não vão caír nesta patetice. Repare, se só a UE aplicar esta medida burguesa e os outros continentes não, quem é que acha que vai perder competitividade?

        • Miguel says:

          E quem paga com isso? são eles?
          Quem paga mais é os clientes, porque embora carreguem nos carros para a população não existem ainda navios movidos a energia renovável que cumpram ou excedam os requisitos de uma companhia desse género.
          Novamente, tens aí um bom exemplo do que falo, quando existir boas alternativas e apelativas ao mercado, as proprias companhias vão aderir sem ser obrigatório.
          Neste caso o obrigatório começa com taxas, que quem paga são os clientes, mais uma forma de nos ir ao bolso….
          Sinceramente, o mundo está perdido se a população aceita isto sem sequer pensar que é uma tremenda perca de liberdade

          • EV says:

            Pode sempre comprar um a combustão a 31 de Dezembro de 2034, tens 14 anos para juntar, muito provavelmente daria até ao teu fim de vida e assim ninguém viola as tuas liberdades…

    • Rafilda says:

      Calma que ainda vem aí o cancro m dizer que és um cancro da sociedade! Sê mais memezinho. Vê muitas notícias e não ouses pensar! O que precisas de saber está na TV apenas.

  4. Cpt says:

    Por amor da Santa. Um veículo térmico? Serão carrinhas frigoríficas?

  5. LA says:

    Ainda ninguém me soube explicar onde iram buscar tanta energia limpa, para o carregamento dos carros elétricos, quando estes se tornarem massivos.

    • Rodrigo says:

      Isso e buscar matéria prima limpa para as baterias

      • iDroid says:

        Essa é a maior questão. A extração do lítio é extremamente poluente actualmente.

        • Filipe says:

          Os EV não são 100% verdes mas se querem comparar a produção de electricidade, mineração para as baterias e impacto da reciclagem das baterias então não se esqueçam de que no outro lado o problema não só é o CO2 que sai do tubo de escape.
          Devem de incluir a extracção e produção de combustíveis (que de verde só tem o símbolo da BP), reciclagem de motores e óleos (nem conheço se existe) e já agora a produção de filtros e catalisadores que partilham das matérias primas das baterias (em muito menor quantidade claro).

          Seja EV, hidrogénio ou a pedais como os Flinstones o que importa é reduzir o impacto no ambiente.

    • A maníaca says:

      LA, eu faço um sumário:
      – a energia e água necessárias para retirar petróleo, transportar, destilar os produtos (gasolina, gasóleo, etc), armazenar e transportar às bombas de combustíveis, e poluentes derivados, já por si é brutalmente superior à produção + consumo de um veículo eléctrico em toda a vida útil (baterias incluídas, extração de lítio, etc);

      – a energia para carros eléctricos vem de diferentes fontes, dependendo do país: energias verdes, gás, petróleo, etc.

      Se os governos quisessem, podiam permitir que cada casa tivesse painéis e se auto abastecesse, aí tinhas tudinho grátis. Ou durante o dia meter na rede, noite a rede dava-te de volta.

      • Zé Fonseca A. says:

        “Se os governos quisessem, podiam permitir que cada casa tivesse painéis e se auto abastecesse, aí tinhas tudinho grátis. Ou durante o dia meter na rede, noite a rede dava-te de volta.”

        Na AU e NZ permitiram, sabes o que aconteceu? Estão a pagar taxas premium superiores aos gastos que teriam por estarem na rede, isto porque existe excedente de produção de energia e têm de ser injectadas na rede e alguém tem de suportar esse custo.

        • A maníaca says:

          Zé Fonseca A.: errado, em países como México, AU, NZ há apenas a percepção de que podem usar a energia dos painéis. Não existe “excesso” de produção, já que a indústria, comércio e meses países com muito ar condicionado, transportes públicos eléctricos, etc absorvem toda a energia; durante a noite o resto da produção vem de centrais. Ora, o lobby da electricidade é gigantesco e não deixa que isso funcione assim. Se houvesse excesso, bastava aumentar impostos nos térmicos e fomentar eléctricos. Num par de anos não haveria excesso…

          Luís Costa: Portugal é um país maioritariamente de apartamentos?!
          Lolol só se para si Portugal for Lisboa!!! Portugal tem imensas moradias e só são caras se você quiser uma em pleno centro de uma grande cidade. Se você sair do centro de Lisboa encontra moradias a preços decentes. Em Lisboa você tem apartamentos mais caros que uma moradia a 10 km… quanto aos painéis, os edifícios têm uma superfície muito superior a uma moradia, logo podiam ter painéis. A política complica

      • Luís Costa says:

        “Que cada casa tivesse paineis”.. bem, realmente vocês vivem num país que não Portugal que é maioritariamente constituido por apartamentos, ou então estás a dar razão a todos os que por aqui dizem que carros elétricos é só mesmo para quem tem dinheiro para ter uma moradia

    • danny says:

      Não explicam onde haverá baterias para isto tudo. não explicam as possíveis soluções as baterias que serão descartadas. Onde vão coloca-las? Como vão recicla-las? Simplesmente “vamos proibir”. É um erro da cambada que esta por trás dessas decisões, que acham que proibir é bom, mas não usam a cabeça para soluções.
      A transição deveria ser mais suave e não ser forçada e tão rápida, pois as consequências serão gravíssimas.

    • CARLOS says:

      Exatamente. E a rede de distribuição será que vai estar preparada para não entrar em colapso com tanto acesso á energia principalmente nos dias de mais calor/frio? Possivelmente vai estar porque é mais rentavel vende-la á Espanha por metade do preço porque os tugas abdicam de ligar o AC porque já sabem que continuarão a ser bem XULADOS.

  6. iSad says:

    Estes sempre foram do contra a tudo e mais alguma coisa.

  7. Rui says:

    Vá lá, parece que há um país que mede com muito cuidado um corte abrupto com carros movidos a combustão! Como é que os países que tomem medidas absurdas em banir carros movidos a combustão, conseguem justificar o facto de terem proibido os carros em nome da poluição, mas deixem ficar os mais poluídores como são os camiões (são também veículos terrestres movidos a combustão), os navios e os aviões!!!!!

    Há e já agora, diga-me lá com que energia estão neste momento a lançar missões tripuladas ao espaço? Não me digam que são motores eléctricos!!!!!

    Só temos patetas que regulam por decreto sem terem a noção do que decidem e das contradições que criam!!!!!
    Passamos a mover-nos de carroça como os Amish? Ou todos vamos ter condições de comprar um eléctrico e todos vamos poder carregar os carros eléctricos?

    A PPLWARE costuma colocar aqui como anedota, mas a realidade é de que nos vale mudarmos todos para carros eléctricos se depois precisamos de um poluente gerador diesel para carregar os carros? Que nem sequer tem catalizador, nem filtro de partículas nem nada!

    Há, e esquecia-me também da agricultura. Já há tractores eléctricos?

    Só com estas questões, percebemos o quanto estas decisões políticas são completamente impossíveis de levar a sério!!!!!!!

    • Filipe says:

      Se leres a proposta da UE não se trata só de por uma lei a mudar tudo de um dia para o outro, e nem sequer se foca só nos automóveis privados é um plano para toda a economia (postos de carregamento eléctrico e H2, camiões, barcos, aviões, industria, construção, produção de energia, agricultura e conservação das florestas etc).
      Fala de investimento em R&D e promoção de novas tecnologias e desincentivo a métodos mais poluentes.
      À 14 anos atrás não havia a tecnologia que há hoje e a que havia não estava disponível ao custo de hoje.

      • Miguel says:

        Mas no entanto, como o Rui diz, obrigam-nos a mudar e dão mais ênfase a isso.
        Devia ser gradual, como historicamente, se o veículo for bom, irá ter aceitação publica. Neste momento não tem, e com muita razão dos cepticos.
        Eu neste momento já experimentei e não quero um electrico, no entanto, no futuro, se cumprir com os meus requisitos posso mudar de opinião, mas o facto de obrigarem só nos limita a liberdade.
        À 10 anos atrás era uma loucura um governo dizer onde vais gastar o teu dinheiro limitando a liberdade, mas a verdade é que isto vai-se tornando uma coisa normal, aumentando ainda com o Covid (que em certa forma, com este ainda concordo, mas agora tentam extrapolar para outros campos e isso não pode ser).

        • EV says:

          E não está a se gradual? Estão a dar um prazo de 14 para a mudança e não te estão a obrigar em 2035 a vender o teu carro a combustão e a comprar um elétrico, a medida apenas se aplica a aquisição de viaturas novas.
          Faz-me lembrar os termómetros a mercúrio, a União Europeia também os proibiu por motivos óbvios, no entanto não foi à casa das pessoas ver dos mesmos nem as obrigou as pessoas a devolver os que tinham em casa.

      • Miguel says:

        Para não falar do desincentivo… que é aumentar o preço dos combustíveis até ser incomportável e obrigar a mudança.
        Estou como podes ver muito insatisfeito com o caminho e esperava mais da população, que vejo estar a aceitar toda esta falta de liberdade e roubo ao seu dinheiro de forma leviana.

        • Filipe says:

          Na conferência de imprensa da apresentação do plano também foi dito que há abertura a negociação em todas as matérias excepto nas metas a cumprir. Porque não fazer nada não resolve o problema ambiental.
          Não creio que seja uma surpresa em 2021 que algo assim estava a chegar, de qualquer modo há 13 para se adaptar. Vai ser instantâneo? Não. Vai ser caro no início? Sim. À medida que as tecnologias forem adoptadas vai ficar mais baratas? Sim, é uma evidência desde o lançamento do rádio no século passado.
          Quem quiser ganhar dinheiro já sabe onde deve de investir nos próximos largos anos.

          • Luís Costa says:

            Outro que também parece que papa tudo o que lhe mete a frente.. as energias renováveis em Portugal tambem iam ser o futuro e iam ser mais baratas e boas para o consumidor.. queres que te diga quanto aumentou o custo da energia para nós cidadãos ou chegas lá?

          • Filipe says:

            Boa, boa..elogios a esta hora. Acho que ninguém gosta dos preços atuais, nem das políticas que foram criadas na altura.
            Só peço é que leiam o plano da UE completamente por não é só sobre carros eléctricos, tem tantos apoios como restrições.

    • Vilna says:

      Abrupta? Há quase 15 anos que a Tesla começou verdadeiramente a mudar o paradigma. Porque carros eléctricos já existem desde 1827. Agora querem acabar em 2035, mais 15 anos. Estamos a falar de uma mudança séria com um mínimo de 30 anos. Não chega para reconverter as fábricas???

      Se calhar é melhor deixar tudo como está e continuar a procurar quais as marcas e modelos envolvidos nos sucessivos escândalo das emissões poluentes.

      • Miguel says:

        Não tenho nada contra a Tesla, nem qualquer outra….
        Se achas que o carro cumpre os teus requisitos e queres comprar compras, assim, sem obrigações já são milhões de carros electricos a circular e a cada dia que passa são mais.
        Mas assim como não ficarias satisfeito se te dissessem que a partir de agora só podes comprar o smartphone Portugues também não devias ficar satisfeito que fizessem a escolha por ti, com o teu dinheiro

        • Vilna says:

          Não se trata da Tesla, já existem inúmeras marcas no mercado. A Tesla veio à baila porque impulsionou o mercado.

          Quanto à escolha e restrição é mesmo assim. Hoje se eu quiser comprar um filme em VHS não existe, se quiser em betamax não existe, se quiser comprar um walkman não existe.

          A tecnologia evolui, o mercado muda. Nós compramos o que o mercado oferece. Se não gostamos ou não compramos ou temos de ser nós a inovar.

          Se os eléctricos oferecem melhor garantia ambiental então que seja a aposta. Se o for o hidrogénio então muda-se. Quando for outra a tecnologia anterior sai do mercado.

          É preciso pensar no planeta, em nós e nos nossos descendentes.

          É o normal.

          • Miguel says:

            VHS, Betamax e etc deixaram de existir porque a população preferiu as novas versões.
            Mas por acaso sempre existiu amantes do Vinil, portanto até hoje existe essa opção, é desincentivada, mas existe e não é muito mais caro que um CD…
            É exactamente disso que falo, por acaso é um bom exemplo.

          • Rui says:

            Quando a tecnologia evolui com o bolso dos contribuintes…… passados tantos anos a instalar parques eólicos e solares subsidiados em Portugal, nesta altura teríamos a energia eléctrica mais barata da Europa, certo?

            E já agora, pensa que as borlas que os eléctricos possuem neste momento a somar aos incentivos com dinheiro de todos nós, vão durar sempre? Espere até o IUC + IA passarem a ser cobrados e depois conversamos sobre a aposta verde europeia!

            Qualquer dia pagamos uma taxa de O2 só para respirarmos, já faltou mais! Já há uma taxa do carbono que pagamos em quase tudo o que consumimos!!!!!!

            E o mais cómico, é que todos os incentivos até agora, só beneficiam a classe média/alta. Nem todos podem comprar Teslas!!!!!!

            Parece que os europeus ainda não perceberam porque estão a empobrecer em comparação com o resto do mundo!!!!!!

            A deslocalização da indústria para a Ásia também resolveu o problema da poluição, certo? Desde que vá poluír para outro lado!!!!!!

            Só hipócritas!!!!!!

  8. Rodrigo says:

    Offtopic:
    Já que a UE anda tão preocupada com as emissões de gases dos carros.. O que dizer das viagens turisticas ao espaço????

  9. Rodrigo says:

    É tudo muito giro no papel, onde todos temos vivendas e prédios com garagem e vivemos todos muito bem para comprar carros eletricos a cada 5 ou 10 anos porque precisam de baterias novas. Muitas vezes questiono se quem faz estes projetos no papel tem a verdadeira realidade do mundo que os rodeia.

    Não me interpretem mal, devemos reduzir as emissões e quem sabe se já não vamos muito tarde… Mas as soluções apresentadas nesta matéria são de longe fora da realidade

    • Filipe says:

      Se lerem o plano da UE percebem o ênfase nos postos de carregamento, quer eléctricos, quer hidrogénio.
      Vivo num prédio, tenho um Zoe (autonomia real de 330km, 8anos ou 160.000km de garantia) e só carrego na rede pública. Quando existirem mais estações de carregamento, conforme o plano da UE, posso ir me deslocar sem grande planeamento de viagem.
      Está previsto que o PVP dos carros eléctricos sejam mais baixos que os a combustão em 2027. Hoje em dia, o custo com um EV já é mais baixo ao longo de toda a vida do carro.
      Leva tempo a adoptar mas são mais de 13 anos até 2035.
      Eu já não compro carros a combustão, no mercado de 2a mão vão desvalorizar ainda mais no futuro.

      • Rodrigo says:

        Filipe tudo bem, carrega na via pública…
        No meu caso, eu tanto posso estar no escritório da empresa o dia todo como posso andar todos os dias de cliente em cliente, alguns com instalações a mais de 200kms. Não há postos em todo o lado. Mesmo quando existir muitos postos de carregamento vai ser necessária muita energia eletríca. O PVP de um carro elétrico vai ser mais baixo e esse carro vai durar quanto tempo? Todos sabemos que os carregamentos ultra rápidos desgastam a bateria.

        A mudança já devia ter acontecido, mas não nestes padrões que estão a fazer. Sei que seria muito caro e demorado a implementar, mas estradas que alimentam os carros por indução ou contacto acho que seria uma solução

        • Filipe says:

          Sim mas imagina daqui a 13 anos se (friso” se “) existir investimento, baterias mais evoluídas, carros mais eficientes, estações de carregamento em maior número e de maior potência. E quem sabe se a tecnologia de indução possa ser uma boa hipótese.
          Já agora a bateria do meu Zoe de 2021 tem garantia de 8 anos ou 160.000kms, independentemente dos carregamentos rápidos ou não.

        • EV says:

          Não há postos em todo o lado? Instala a aplicação Miio e vê se não te chegam… as pessoas falam dos carros elétricos como se estivéssemos em 2010:

          1º “Tem pouca autonomia”
          A sério? Fazem 400-500km todo o santo dia? Praticamente todas as marcas tem uma viatura que faz este número de km!

          2º “São muito caros”
          Sim, em parte é verdade mas existem opções para todos os bolsos, como nos carros a combustão. A Dácia tem um citadino o “Spring” que custa 16000€ e faz 300km! Se fizessem um comparativo entre um BMW 320d (caixa auto) novo e um Tesla SR+, inicialmente o Tesla custa +3000€, mas ao fim de 2 anos de uso o Tesla começa a ficar mais barato que o BMW! (Manutenções, IUC, custo do combustível, etc…) Comparem carros da mesma gama e não carros de gamas e nível de equipamento e podem facilmente comprovar que ao fim de 2-3 anos o elétrico já compensa em relação ao combustão, mesmo com o valor que custam atualmente.

          3º “Demoram muito a carregar”
          Vocês fazem sempre 400-500km seguidos quando conduzem? Não param para ir à casa de banho/beber um café? A próxima vez que o fizerem cronometrem o tempo dessa paragem, quase de certeza que é 15m ou mais, que permite colocar 150-200km no carro.

          4º “Levam o tempo a substituir as baterias”
          As marca todas dão 8-10 anos de garantia para um mínimo de 70% de capacidade. 70% da capacidade é 0 para vocês? Ainda pode durar à vontade mais 5 anos…

          5º “Baterias são muito caras”
          Pesquisando facilmente veem que a cada 4 anos o valor das baterias reduz 50%. Uma bateria que agora custo 7000€ daqui a 4 anos custaria, para a mesma capacidade, 3500€. Perguntam vocês, “então porque é que existem carros elétricos à tanto tempo e as baterias ainda são tão caras?” Como referi “para a mesma capacidade”, as baterias tem aumentado a capacidade logo o preço mantêm, penso que seja uma dedução simples, mas para a mesma capacidade poderiam facilmente comprovar que o valor tem diminuído bastante próximo dos 50%. Em 2025 começam a surgir as baterias em estado sólido nos carros, o que vai reduzir o peso, tamanho e preço das baterias e consequentemente equiparar, ou até mesmo, tornar este carros mais baratos que os a combustão.

          6º “E a eletricidade vem de onde?”
          Essa é fácil, vejam a vossa fatura ou ao site da APREN. Passo a citar “De janeiro a junho de 2021 foram gerados 24 909 GWh de eletricidade em Portugal Continental, dos quais 71,3 % foram de origem renovável”. Entre ter um carro que consome 70% de “combustível” de origem renovável ou outro que de renovável não tem nada e ainda lança N tipos de partículas nocivas para a saúde… No meu caso tenho painéis em casa, com uma produção de 3-4kw durante o fim de semana conseguem praticamente carregar o carro de borla durante o verão, vocês conseguem fazer isso com um carro a combustão? Mesmo que não tenham painéis em casa, e o carreguem todo da rede, conseguem fazer 500km com 8€? Isto sem Bi-horario, nesta modalidade ficaria por 5,5€…

          Depois tem uma coisa espetacular, que é ir na autoestrada a 120km e não ouvir praticamente nada! Um sossego dentro do carro brutal.
          Se estivéssemos em 2010 ou antes disso, concordava com tudo o que vocês dizem sobre este tipo de veículos, mas a realidade é esta que eu referi.

          • Miguel says:

            Tudo bem que exista quem goste, eu sou das tecnologias e cheguei a fazer até um test drive, espero que tenham sucesso.
            No entanto apenas não gosto da obrigação, como falo mais acima, vai contra a minha liberdade de consumo.

  10. Raul Soares says:

    Eu só gostava de saber o seguinte,o que é que o mundo vai fazer aos milhões de carros a combustão depois do ano 2035.Alguém sabe????

    • Filipe says:

      Boa pergunta. O que é que se faz hoje? Reciclagem? Se calhar é um bom negócio. É capaz de ter bastantes apoios financeiros no novo plano.

      • Raul Soares says:

        Reciclagem ok aos números de hoje e depois?já alguém pensou armazenar e gerir milhões de veículos nas sucatas?vai ser giro vai especialmente cá em Portugal.

        • Filipe says:

          Certo. Mas vamos todos trocar ao mesmo tempo os carros em 2035? Ou a mudança será gradual porque os carros a combustão vão perder valor no mercado em 2a mão? E muito antes de 2035 ninguém vai quer comprar um carro a combustão? Por exemplo, não vai fazer sentido pagar 15mil€ por um carro novo a gasolina a partir de 2030, 5 anos depois tem valor 0. Mais vale pagar 25mil€ por um EV porque esse ainda valerá dinheiro.
          Sim ainda não existe esse carro, mas faltam 9anos até lá

          • Raul Soares says:

            ok faz sentido o seu comentário.

          • EV says:

            Em 2030 vai ser mais barato comprar um carro elétrico do que um a combustão. As baterias de estado sólido estão para breve nestes veículos, a Nissan já prevê comercializar em 2025 carros com este tipo de baterias.
            E depois, compram carro a combustão mais caro e sabendo que em 2035 o valor comercial deste tipo de viaturas levará um grande rombo? Nessa altura os “velhos do restelo” mudam logo de opinião…

          • Miguel says:

            @EV Vai ser mais barato, ok, ainda bem.
            Vou precisar de um carro novo, vai cumprir com os meus requisitos comparando com um carro “normal”?
            Não sei, por isso não me interessa as qualidades do carro, não quero é ser obrigado a comprar algo, vivemos numa europa livre (ou pelo menos era)

    • iSad says:

      Podes continuar a usar o que eles querem e só vender electrics a partir de 2035.

      • Filipe says:

        Não faz sentido. Só se usares o carro até ele morrer porque não o vais conseguir vender depois.
        A mudança virá naturalmente, é a economia a funcionar.

    • Tesco says:

      Óbviamente que o que eles pretendem é cessar a venda de carros novos a combustão a partir de 2035, no entanto julgo que quem ainda os tiver pode continuar a usá-los ou revendê-los no mercado dos usados após essa data.
      A medida é para carros novos saídos de fábrica daqui a 13 anos.

    • EV says:

      A União Europeia não diz que vai “dizimar” todos os que existem, nem obrigar as pessoas a abater os mesmo. A medida só se aplica à compra de novos, os que existem continuam a existir!

  11. lucas says:

    A pide da UE e os seus lobbys, pode ser que a Polonia tambem lhes dè um pontape .

  12. Ev says:

    Rui existem ofertas para todo o tipo de bolsos, o rapaz deu a
    Tesla como exemplo porque foi quem deu o abanão no mercado. Até a Dacia já tem um eléctrico, custa 16000€ e faz 300km.

    • Miguel says:

      Mais um pouco e esse era um excelente carro, pequeno longo alcance, barato…
      A qualidade é que é baixa de mais.
      Espero que re-considerem como a França a probição de veiculos térmicos, porque para os veículos electricos e etc. é muito mau se vencerem por imposisão e não por mérito.
      Da minha parte só falta ver carros a circular, com pouca manutenção com mais de 15 anos, se isto acontecer regularmente, estou convencido e até trocava, até lá, fico sempre reticente, pois posso estar a trocar o meu que não dá problemas por um que arrisco custos de manutenção inexperados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.