Quantcast
PplWare Mobile

Energia renovável atingiu em fevereiro máximo desde abril de 1979

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Rui says:

    Para quem ainda acha que o futuro é o petroleo e o carvao

    • Eduardo says:

      Este mês de Fevereiro foi mesmo o mês com menos emissões de CO2 da produção de electricidade em Portugal

      https://www.nowtricity.com/country/portugal/

      Mesmo comparando com Abril de 2020 em que não se queimou carvão durante todo o mês, as emissões foram mais baixas. Muita chuva e vento, barragens a chegarem ao máximo de capacidade.

    • José Fonseca Amadeu says:

      O que é que o petroleo tem a ver com consumo de energia?
      E o carvão é muito séc XX.
      Também quando barragens são consideradas energias renovaveis, qualquer país pequeno consegue atingir bons niveis de consumo de energia renovavel.
      Já considerar que uma barragem é “green” é só mandar areia para os olhos dos menos informados.

  2. dfs says:

    máximo de abril de 1979? em abril de 1979 tivemos mais energia renovável que este ano?

    • Vítor M. says:

      Lê o artigo que percebes 😉

      • FilipeB says:

        Peço desculpa, mas também não percebi bem esta questão.
        Maior percentagem de energia renovável desde Abril de 1979 implica que nessa altura tínhamos igual distribuição de produção renovável (88%) – não renovável (12%).
        Para isso acontecer em 1979 seria praticamente exclusivamente devido às barragens pois não existiam torres eólicas e painéis foto-voltaicos como os conhecemos.
        Após algumas consultas à la Google, descobri que houve muito investimento em Portugal em barragens a partir dos anos 50 e como o país não era muito desenvolvido na altura, o peso da energia hídrica era de facto muito elevado (os indicados 88%).
        Com o desenvolvimento do país a partir dos anos 80 o consumo eléctrico começou a disparar e foram construídas centrais térmicas para aumentar a produção. Foi uma escolha, ajudada pelo facto de não existirem alternativas reais às barragens.
        Nos anos 90 a produção térmica já atingia 70% do consumo.
        Voltámos recentemente a investir na produção renovável e foi apenas agora que atingimos novamente esse marco histórico de proporção renovável/não renovável. Proporção, não consumo/produção em absoluto como é óbvio.
        Nenhuma das notícias sobre este comunicado da REN explica isto ou inclui qualquer tipo de contexto, e mandar ler o artigo julgo ser bastante preguiçoso, pois julgo que a pergunta é óbvia para que não era adulto nos anos 70.

        • Vítor M. says:

          Preguiçoso? Filipe no texto diz “Segundo o comunicado da REN, “a produção renovável abasteceu 88% do consumo de energia elétrica em fevereiro, incluindo saldo exportador, e a não renovável os restantes 12%”, pelo que se trata “da percentagem renovável mais elevada desde abril de 1979.” Depois, toda a restante informação enquadra o assunto. Basta lermos o que está disponível para se perceber o que se quer transmitir. Agora, se lermos só o título (julgo ser bastante preguiçoso), assim de facto não se percebe.

          • FilipeB says:

            Não estás a perceber Vítor.
            A pergunta do dfs (e também a minha) era não perceber como é que em 1979 tínhamos tanta proporção de energia renovável como em 2021. Parece …. estranho. Renováveis é coisa do sec. XXI como é que já em 1979 tínhamos tanta produção renovável?
            Quando me referi à preguiça foi em relação à falta de contexto da notícia que não permite responder a essa pergunta. Mas de TODOS os órgãos de média. Muita transcrição de valores, que são úteis de saber e fico pessoalmente contente com eles, mas falta contexto … anos 70??

          • Cortano says:

            Barragens são consideradas produtoras de energia renovável.

          • Vítor M. says:

            A REN assim o considera… as contas são deles.

          • Cortano says:

            Barragens são consideradas produtoras de energia renovável.

            Ou seja, energia renovável não é coisa do séc XXI
            😉

          • Vítor M. says:

            Mas a REN tem essa métrica desde 1979. 🙂

        • LNEC says:

          Muitas barragens a funcionar em 1979.

          • Cortano says:

            Além do mais, suspeito que a referência seja a rede eléctrica nacional, mas isto não é igual a cobertura nacional.
            Ou seja, hoje deverá rondar os próximos dos 100% do território nacional. Em 1979 a cobertura era muito inferior.
            Ou seja, era preciso menos produção para alentar a rede.

  3. TS says:

    Agora venha dizer que os carros elétricos poluem mais que os carros movidos a combustível fósseis! Claro que estou a falar de todas as variáveis para ambos, construção, baterias, transporte de combustíveis, desperdício da rede elétrica…. Com 88% renovável não há cá dúvidas

    • José Fonseca Amadeu says:

      Vai ver que percentagem é através da barragens e qual a pegada ecologica e destruição causadas pela construção e exploração de barragens.
      Considerar barragens renovavel e verde são só tretas para tentar cumprir metas do acordo de paris e enganar o consumidor.

  4. Fulano says:

    A minha conta de electricidade de Fevereiro também atingiu o máximo desde 1979…

  5. Tiago Ferreira says:

    “devido fundamentalmente ao efeito de ano bissexto, com menos um dia este ano.” – Neste trecho, existe algo no contexto que é um pouco confuso. O efeito bissexto não é um ano com menos um dia, mas sim, com mais um dia.

  6. Nick says:

    Solar 2% !!!!!

    Então esta febre toda das centrais solares “maiores da europa”? Quando queremos dar ênfase a um pormenor, até parece um pormaior.

    • paulog says:

      Esse mês foi mau em termos de produção solar. Num dia bom podes ter 5412W e num dia mau 1692W. Nesse mês foram quase todos os dias maus e muitas centrais ainda estão em construção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.