PplWare Mobile

Game of Thrones: George R.R. Martin está triste com o final da série


Imagem: Express

Fonte: CBS

Desenvolveu desde cedo o gosto pela escrita e comunicação. Em leis formado, tem como hobbies a aquariofilia e a música. Mas é na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e no Pplware a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.

Destaques PPLWARE

  1. Jorge Carvalho says:

    “A HBO tem-se mantido a série Game of Thrones fiel aos livros”

    Esta frase nem faz sentido.

    Abc

    • Fixo says:

      “Game of Thrones: George R.R. Martin está triste com o final da série”

      Pensei que era o final final … a forma como acaba a série, tipo – morreram todos, só sobrou o Sam para contar a história.

      Afinal está triste por a série ter acabado, achava que devia ter mais cinco temporadas 🙂

      Na entrevista diz que tem mais dois livros da série para publicar. Como o argumento, depois de acabarem os livros já publicados, foram escritos em colaboração com ele, R.R. Martin diz que quanto às personagens principais a série vai coincidir com os livros. Quanto a personagens e desenvolvimentos secundários vai haver diferenças para o pessoal se entreter.

      • Rui Bacelar says:

        Aterradora, mas perfeitamente possível. Ou de que outra forma se justifica a sobrevivência de uma personagem tão manifestamente incapaz de se defender durante todas estas temporadas? Seria o cronista perfeito para uma nova era, o Sonho de Primavera.

      • João M. says:

        Aterrorador é se pensarmos que o GRRMartin permitiu que a série passasse os livros para ver como os fãs e as teorias se desenrolam para depois escrever diferente (ou corrigir o que teve mais criticas)… Daqui a uns anos vamos estar a falar da melhor jogada de markting na história da literatura.

  2. SO USO CANETAS BIC LARANJA says:

    BREAKING BAD CONTINUA A SER A MELHOR SERIE DE SEMPRE

    • Rui Bacelar says:

      São séries extraordinárias. Aprecio ambas – Breaking Bad sobretudo pela cinematografia e realização. Quanto ao GOT, voei pelos livros em 6 meses. Agora já lá vão 5 anos e espero pelos dois últimos. Enquanto isso vejo a série a ser trinchada nestes últimos episódios e de facto dói.

    • G says:

      IMO the wire e sopranos sao as melhores…

  3. João M. says:

    Apartir do momento em que deixam de existir livros para se guiarem, é preciso usar a imaginação. Pelo que li algures, GRRMartin é consultor e acho que a direção da série é levada segundo as orientações dele (claro que os produtores ouvem ou não o que ele diz)..
    Qualquer adaptação de livros dificilmente é 100% fiel ao conteudo em livro. Há orçamentos e também o que um teleespectador consegue seguir enquanto vê a série. O tipo de leitor de um livro de grame of thrones não é necessáriamente o tipo de telespectador que depois vai ver a série – Ela precisa de audiencias e, por isso, precisa de apelar a mais pessoas do que malta que leu os livros e que será SEMPRE critica (a velha maxima de: “O livro é muito melhor”).. Um livro será sempre melhor do que uma série de tv ou filme porque o livro apela à imaginação e o que acontece apenas está dependente da nossa imaginação. Comecei a ver GoT sem grandes expectativas e tirando o que aconteceu ao night king , em que eu esperava saber mais sobre a personagem (tive a mesma reacção com o Snoke, nos novos filmes de Star Wars), não tenho ficado desiludido com a série… talvez porque não criei as GRANDES expectativas que todas a gente tem colocado na série.

    • Rui Bacelar says:

      Completamente de acordo. Sobretudo para quem não leu os livros as expectativas não foram “violentadas”. Repara, ao longo de TODOS os livros já publicados vão-nos preparando para o terrível inverno. Eis que ele na série chega e num episódio se vai. Ok…
      Isto claro para não falar nos inúmeros arcos, profecias e histórias que não chegam ao ecrã por questões óbvias de tempo, mas claro, não dá para agradar a todos.

      O meu conselho passa por recomendar a leitura dos livros caso realmente tenha gostado da série. Verá que até X temporada está tudo fiel (dentro do razoável) e quando acaba o material, começam as liberdades artísticas. São opções…

      • Sujeito says:

        Exceto que neste caso não agrada a ninguém.

        Só agrada a pessoas que não tenham prestado atenção à série até aqui, pois isto anula toda a lógica e história e construção de personagens que está para trás.

    • Sujeito says:

      Ele ERA o consultor. Ele pirou-se e foi fazer outra série. E agora percebe-se porquê.

      Quando cheira a pato e sabe a pato…

  4. Jorge RIBEIRO says:

    Os fãs também

  5. J. Gomes says:

    Como parar o vídeo do fim da noticia com George R.R. Martin?

  6. Pedro says:

    Caro Rui, onde ouviste ele a dizer que estava triste com a qualidade do final desta série? Porque sim, é essa a ideia que o teu titulo quer passar e TU afirmas nos primeiros parágrafos. Mas em lado nenhum o Martin diz isso. Diz que gostaria que a serie fosse maior, mas percebe o porque de não ser, e que efectivamente está triste de nao ter acabado os livros antes do final da serie. Ponto.

    Misturas a tua opiniao com o trabalho, e mentes para reforçar a tua ideia/opinião. Triste. Mas tipico de “jornalista”. Depois secalhar és daqueles que falas de fake news dos outros.

    Ser profissional é que efectivamente nao assiste a todos. Nem a ti, nem pelos vistos aos argumentistas da serie (que é de qualquer forma a melhor).

    Um bem haja

  7. Eduardo Cancela says:

    Para quem leu os livros, sabe que existem muitas mais personagens(algumas delas bem importantes), muito mais histórias e que a história está muito mais “enrolada”. Na prática eu penso que existe uma razão para ele não ter ainda lançado os dois livros que faltam, principalmente o Winds of Winter, que supostamente já está dois anos atrasado, é que ele já deu tantas voltas à história que já não consegue deslindar aquilo e está à espera de morrer:D

    • Nuno says:

      Como o Jordan, mas esse ao menos contou a história a quem a acabou depois. Este tipo já devia ter a série de livros mais que acabada. Do primeiro ao quarto foram menos de 10 anos. Entretanto já passaram mais 13, ele só escreveu mais 2 e ainda faltam outros 2. Quando se quer só ganhar dinheirinho e se está nas tintas para os leitores…

  8. Sxac says:

    Esta última série será a pior de todas…
    Mas será fiel a si própria:
    Não era a sua imagem de marca, assassinar quem menos esperávamos?
    Pois na oitava, comete hara-kiri!!!
    Há melhor maneira de acabar? Claro que não… Eheheh

  9. Nuno says:

    Há aqui o problema de um escritor intelectualmente desonesto para com os seus fãs, que está há anos para escrever os livros que faltam e do duo Dumb and Dumber, que acharam que sem input muito mais forte do dito poderiam fazer algo de jeito e têm dois primeiros episódios em que não acontece coisa nenhuma e um acabam o arco que estavam a criar e a preparar há 8 anos numa batalha que pretendiam que rivalizasse com Helm’s Deep sem perceberem rigorosamente nada de estratégia militar, do tipo, eu vou pegar na cavalaria mais temida do mundo, vou largá-los à noite, numa carga desenfreada, tipo Leroy Jenkins, em direcção ao escuro e a um inimigo que vê independentemente da luz, mas tenho tochas. Sem mencionar o próprio facto de os colocar a todos fora das muralhas, à frente das defesas.

    E vamos filmar isto tudo escuro como breu, que os tipos vêem todos em salas de cinema, que nem estamos a fazer para televisão nem nada…

    Depois mata-se o tal rei da noite da forma mais imbecil. Usa-se uma ninja. Já nem é preciso ir com exército nenhum para a capital. Se a ninja limpa o rei da noite passando despercebida no meio dos mortos todos, que fará ela com os outros? Vai ser o valar cuequis!

    Agora têm aquela coisa toda pendurada e vão despachá-la em dois episódios… esta última temporada é um aborto…

    • PowerVerde says:

      Já para não falar das balistas montadas em navios que atingem um dragão em vôo como se fosse a coisa mais fácil do mundo, e que destroem navios furando-os dum lado ao outro. Em Essos os dragões atacaram os navios por cima, incendiado-os…
      E que tal ir fazer um ultimato à Cersei levando apenas dois pelotões e parar a umas centenas de metros das tais balistas destruidoras?

      • Rui Bacelar says:

        Esse comentário devia ser acompanhado de Spoiller alert x)

      • Fixo says:

        Ma desde quando um livro/filme de fantasia tem que ser realista?
        Se os dois dragões, calmamente, queimassem a frota do Greyjoy que está com a Cersei a história continuava como?
        Ficou-se a saber que os barcos estavam construídos com madeiras leves e foram facilmente atravessados por projéteis das balistas. E daí?

        O GoT é uma série de fantasia ou uma reconstituição histórica ? 🙂

      • João M. says:

        Acho fantástico (pun intended) quando se tentar passar fantasia por realidade. Depois temos todos os generais e especialistas em TotalWar da web dizer como se faz guerra. Há coisas que até nem fazem muito sentido quando vemos em TV mas eu não achei nada despropositado um dragão levar uma ferroada em pleno voo… Foi uma cena completamente INESPERADA para qualquer pessoa que estivesse a ver.. se gostaram? É uma opinião como outras. Agora, acho interesasnte quando a malta tenta aplicar leis da fisica e engenharia a um conceito tão ficticio que até dragões tem… e depois é tudo especialista.

        Se a história estar a ir por bons caminhos ou não, eu espero para ver. Como disse acima,o maior problema que a malta está a ter são as demasiadas expectativas que criaram… faz lembrar a rebelião com o fim do How I met your mother…. o fim estava bem explicito desde o primeiro episódio… a malta é que criou expectativas a mais.

        • Nuno says:

          Curiosamente, embora Lord of the Rings seja fantasia, Helm’s Deep segue preceitos de táctica militar medieval perfeitamente válidos.

          Especialistas de total war da web?! e que tal senso comum? Não usar cavalaria (de qualquer tipo) para fazer uma carga, no escuro, contra algo que não se conhece. Parece-me óbvio. Outra – que tal a onda de teres tipos a fazerem sinais a um dragão para ele pegar fogo a uma trincheira, o dito não o ver por causa do nevoeirito, teres uma feiticeira a atear o foguinho e depois chegares à conclusão que estava um dragão poisado nas muralhas que podia ter feito isso tudo. Não era fofinho usar o senso comum? Se calhar era.
          Aplicar conceitos fictícios a dragões e cenas? o que é engraçado é que tentam fazer isso credível. Chama-se suspension of disbelief. Termina quando desatas a escrever cenas estúpidas e imbecilidades de personagens que supostamente são inteligentes.
          E teres um molho de balistas apontadas a 30 mecos, uma rainha, um dragão e umas coisitas? Matas o refém, estás numa superioridade do caraças, já chegaste à conclusão que podes matar o dragão com as balistitas, mas ficas-te por rolar uma cabeça. Não é possível teres a dupla mais bem paga do buraco a escrever melhor do que os colocar naquela situação?! Não me lixes.

          • Fixo says:

            Matavas logo o dragão, a rainha o rei e o pessoal todo a virote de balista.

            1º – As balistas daquela potência são poucas e estão nos barcos do Greyjoy. Porque é que não as trouxeram para a fortaleza? Porque os barcos são de madeira, se não tivessem a proteção das balistas passava por lá o dragão sobrante e pegava-lhes fogo que era uma lindeza.
            2º – Já o dragão para combater uma fortaleza de pedra não é uma arma eficaz, não vale a pena ter uma balista dessas para o abater.
            3º – Se o episódio fosse só abater este e aquele, onde é que estava o enquadramento psicológico das personagens? Além de que assim a série acabava mais de pressa.

            Se a questão fosse: mas que raio, era preciso pôr a Cersei com ar feliz e contente no último episódio? Até parece que lhe deu gozo mandar decapitar a pobre moça. Mas pronto, nos próximos episódios pode ser que faça sentido 🙂

      • Luis Gomes says:

        Vá lá que não fui o único a reparar que atacar os barcos de frente é apenas idiota. Basta ir a volta ou por cima… Fogo neles e vão todos ter com os peixinhos… Estratégia básica que pelos vistos na série apenas existe os estilos carne para canhão e kamikaze XD

  10. Asilva says:

    Ou seja…. mais vele ler os livros…..

  11. Fábio Reis says:

    Irónico como é que uma pessoa que não acaba o próprio trabalho, consegue criticar o trabalho alheio. Atenção, eu até concordo com ele, estas ultimas temporadas foram claramente “despachadas”, o que tendo em conta o sucesso da série, é ridículo estarem a fazer isso. Tanta série boa que se torna má por ser arrastada, esta que tinha muito mais para contar, estão a tentar despachar tudo.

    No entanto, ele próprio atrasa o lançamento dos livros em anos e existe uma possibilidade bem grande de nem sequer dar final à série de livros, então essa critica vinda dele é simplesmente engraçada, uns acabam o trabalho à pressa e outros nem sequer o acabam.

    • Fixo says:

      George R.R. Martin não criticou o trabalho da série televisiva, de que foi consultor.
      O título do post pode levar a esse entendimento – mas ele o que critica é a série televisiva terminar já. Está triste porque acha que devia ter mais cinco episódios/temporadas.

      Mas eu tenho um crítica a R.R.Martin e não é por não ter concluído o GoT. Meteu-se em tantos livros diferentes, em vários volumes, que algum tinha que ficar para trás. E o GoT não tinha que ter forçosamente uma continuação.

      A crítica é que num desses livros (não o GoT): a) um dos volumes pode não ter sido escrito por ele , foi escrito por um escriba que contratou, que não tem 1/10 da sua capacidade (coisa que têm feito outros autores do “reino da fantasia”), b) ou publicou um esboço pouco trabalhado. (Ou está a perder capacidades, mas aí já não é crítica, acontece a todos com a idade).

  12. Não fui eu says:

    Estive em Dublin no 25 de Abril e lá comenta-se que quem vai ficar dono daquilo tudo (trono) é o anão lol! Abraço e bom final de série!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.