Quantcast
PplWare Mobile

Tem uma moto? Prepare-se para inspeções periódicas já em 2022

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. David Guerreiro says:

    Agora vamos ver esse pessoal que andou a fazer alterações nas motas para fazer mais barulho, etc, a ter que alterar tudo.

    • ToFerreira says:

      Finalmente!

    • Sergio says:

      Tal como nos carros, vai pela porta do cavalo

    • Samuel says:

      Em Portugal? é 20€ no bolso e passa tudo.

      • Pedro says:

        Sou condutor de carro e mota, e sei bem o cuidado que tenho que ter com veículos de 4 rodas, quando ando de mota.
        Mas o problema aqui é outro!!!! É um país de chulos, que vivem à custa do povo e a onde poderem ir buscar ao nosso bolso, eles vão!!!
        Em vez de promoverem o uso de mota, para por fim ao trânsito caótico, fazem precisamente o contrário!

    • TP says:

      Comentário de quem certamente não tem carta de mota. Há um “ditado” que diz “loud pipes save lives” e sabe porquê? Condutores de veículos de 4 rodas, normalmente, não sabem o que fazer com os retrovisores. Preocupem-se com os Hondas Civics e afins e deixem os motards viverem sem acidentes.

      • André Silva says:

        E os srs moticiclistas, whatever preocupem-se em cumprir o código da estrada nomeadamente o limite de velocidade. É rara a vez onde sou ultrapassado a 100-120 num sitio de 50, ou a 180 / 200 num local de 120.
        Em Portugal por muitas leis que tenhamos, não é possível introduzir civismo na cabeça de certos condutores.

        • dr_jivagos says:

          mas que comentário ridiculo de quem só pode andar de comboio…
          Experimenta ir de carro a 120km/h numa autoestrada para ver quantos passam por ti…. sem exagerar digo que 80% irão te ultrapassar.
          Exprimenta ir a 90km/h numa nacional e vais ver quantos te vão ultrapassar… opá deixem lá de ser aziados, se não gostam de motas, caguem no assunto e deixem quem gosta de motas se preocupar com o problema. Não venham é dizer que tudo de mal que se passa na estrada é culpa das motas. Grande parte dos acidentes que envolvem motas são originados por culpa dos condutores de carros, que não usam piscas, não olham para os espelhos, e fazem manobras perigosas como inversões de marcha em estradas com traço contínuo. e não digam que é das motas andarem depressa e fazerem barulho que isso acontece, ainda na semana passada um amigo meu numa pcx que esta toda de origem e nao passa dos 110km/h foi abalroado por um carro que decidiu sem qualquer tipo de aviso fazer inversao de marcha numa estrada com duplo traço continuo, batendo de lado na mota (aposto que se ele fosse na minha harley isso nao acontecia porque o carro iria pelo menos ouvir o barulho da mota)

          • scor says:

            O teu comentário também não fica atras porque grande parte dos acidentes deve-se os iluminados e chicos espertos que pensam que podem fazer tudo que lhes apetece independente de ser condutor de mota ou carro. E depois desculpa é sempre a mesma ” há não o vi ” entre outras agora dizeres que a culpa é dos carros… tira as palas que os de mota também não são santinhos nenhuns

          • robin says:

            A unica Harley decente é Vroad todas as outras sao tractores com 2 rodas

        • jorge santos says:

          E dessas vezes todas, em quantas houve registo de um acidente?

      • Bob says:

        Como tenho moto, e nenhuma está modificada, posso dizer que este “ditado” tem a sua verdade.
        Quem vai a conduzir de moto, raramente é visualmente reparado pelos condutores em outros veículos. No caso das motas que já fazer barulho anormal (alto), nota-se logo a diferença na circulação. Ou então, por em neutro e dar umas rotações mais elevadas, também faz logo com que se repare melhor na mota. Não para olharem para a mota, mas para repararem que têm um veiculo à sua volta.

        • TP says:

          Exatamente. Acredito que alguns condutores alterem o escape apenas porque sim, no meu caso, aprendi com um susto que os escapes “barulhentos” efetivamente ajudam.

        • Str says:

          “Quem vai a conduzir de moto, raramente é visualmente reparado pelos condutores em outros veículos” Só se for pela velocidade a que andam só pode. É que até uma acelera que mal faz barulho dá-se bem por elas, são bem visíveis e bem audíveis

      • Luis Henrique Santos Silva says:

        Muita graça sim senhor…..e eles andam devagarinho queres ver?? À dias à ida pra Viseu IP3 eles passam a esgalhar e uma pessoa nem tem tempo de reparar neles, e além disso uma pessoa não está constantemente a olhar pro retrovisor.
        Acho bem, e apertem com eles que algumas fazem bastante barulho

        • TP says:

          Sim, porque só os motards é que “esgalham”… o pior cego é aquele que não quer ver.

          • Luis Henrique Santos Silva says:

            Pelo menos posso falar por mi, chico esperto, eu pelo menos tento cumprir o código, se diz que é 80 ando a 80 e bão ando a esgalhar…..quem quiser que ultrapasse…..e sim os motociclistas na maioria não tem noção, e depois é sempre culpa do carros….

      • Daniel Santos says:

        Mas de que raio serve identificar as motas, quando as mesmas tem de cumprir o mesmo código de estrada, ou seja, estarem atrás dos carros quando o sinal está vermelho e não ultrapassar os carros todos da fila e colocarem à frente da fila toda?

        Isto que acabo de descrever, é o “pão nosso de cada dia”…

        O mesmo serve para ciclistas que nem isso fazem. Só passam entre os passeios e os carros e entram nas rotundas como se tivesse alguma vez prioridade!!!!!!

        Se toda a gente cumprisse o código do dia a dia (que nem esquecer dá), não havia destas coisas….

        • Imf says:

          As motos furam filas porque podem passar, e é uma maneira de fluir o trânsito melhor.
          Caso todas as motos na estrada nao o fizerem acredita que os teus 20 min para chegar ao trabalho, rapidamente passam para 25min.
          Como caso todas as motos que vez na rua estacionacem a opucar um lugar de um carro.
          Muito provavelmente ias estacionar em lado nenhum.
          Sim porque as motos tem o direito de poder ocupar um lugar inteiro de um carro. ( imagina na praia) ias estacionar o carro em em Évora.
          Olha para a moto, como menos um carro que te vais estar a estorvar, e a empatar.

          • LR says:

            1º- “As motos furam filas porque podem passar”: não, não podem. São obrigadas a cumprir as mesmas regras do código da estrada que os automóveis (se realmente isso contribui para a fluidez do trânsito, talvez seja, mas nunca pude constatar isso, uma vez que cometem o erro de forma sistemática);
            2 – “Sim porque as motos tem o direito de poder ocupar um lugar inteiro de um carro”: correto. Têm sim, senhor. Mas, já agora, se o fizerem, em caso de estacionamento pago (parquímetros) são também obrigados a tirar ticket de estacionamento. Fazem-no?

            É uma realidade que uma grande parte dos condutores de automóveis não tem atenção ao trânsito das motas. Mas também é uma verdade que a grande maioria dos condutores de mota se acha com mais direitos que os de automóveis, ao mesmo tempo que com muito menos deveres (passar entre filas de trânsito, piscas, etc).

        • Sergio says:

          Nao fazes ideia nenhuma do que estás para aí dizer, se tivesses tirado carta de carro e de mota não dizias esses disparates.

          Os condutores de automóvel encartados também em motociclos, sao muito mais disciplinados com piscas e uso dos espelhos.
          Nós motociclistas somos muito mais preparados para evitar, prever situações perigosas de baixa velocidade, porque estamos em constante atenção.

          E para que saibas, o codigo da estrada é só um, mas é diferente nalguns aspectos para as motos, ou também andas com os médios ligados obrigatoriamente durante o dia?

          Por acaso sabes a dificuldade que é estares a fazer uma rotundas numa mota, quereres dar pisca na saída que pretendes e não teres capacidade para o fazer, e teres que sinalizar com o pé?

          Deves ser dos automobilistas que ao verem essas situação pensam que o gajo da mota vai se a espernear só porque sim.

          E essa tal mota num semáforo, se passar essa fila toda de carros, sem pisar traços continuos e deixar uma distancia segura por o carro, qual é o problema?

          Se ha motociclistas parvos? claro que há, agora nao mistures alhos com bugalhos

          • Ricardo Silva says:

            Bom senso quando impera é salutar. Tudo dito.

            Parvos existem motociclistas como automobilistas (e não são poucos aqueles que andam para aí a 300 de moto e lixam a vida a outros utilizadores das vias, como aqueles que vão colados ao facebook a conduzir no carro e lixam um gajo de uma moto ou carro por via de irem atentos ao “feed” de noticias ao invés de atentarem na condução (sendo que obviamente os indivíduos das motos sofrem mais neste caso porque vão logo ao chão – mesmo em acidentes a velocidades “moderadas”).

            Passar nas filas com o transito parado, desde que com cuidado e a baixa velocidade só facilita a fluidez com que o trânsito rola, diminuindo o tempo de espera para TODOS os que ocupam a via. A policia faz isso em marchar não urgente e quem tiver bom senso compreenderá as vantagens de tal ato.

            Escapes com um som mais “aberto” também ajudam e muito a que as motos sejam “percebidas” no trânsito o que aumenta a segurança dos motociclistas, e diminui o risco de acidentes por distração dos condutores ou de outros motociclistas, logo, melhorando as condições de segurança para todos os automobilistas. E não, não falo de uma “air raid siren” nos escapes. Não se preocupem que não lhes caem as orelhas. O exemplo das Harleys é notório, onde os escapes são bem sonoros, mas ainda assim dentro da legalidade.

            Como referi, não adianta estar aqui a acusar “géneros” porque esse argumento é infundado. Tanto existem bons condutores nos veículos de duas rodas como nos de quatro rodas, como existem os maus condutores nessas mesmas tipologias.

            Bom senso precisa-se. Urgentemente.

            As inspeções existem? Façam-se as mesmas. O único problema das destas é que serão mais um antro de corrupção, fazendo em grande fazer entrar guito no bolso de alguns por meios ilegais. Tão só.

        • jorge santos says:

          As motos podem ultrapassar quando os veículos estão imobilizados. Até as motos da Polícia fazem isso. tem é de ser pela ESQUERDA da via onde circulavam antes da manobra.

    • Duarte says:

      Vai sonhando. Se não acontece com carros muito menos vai acontecer com motos.
      Mais e manos barulho é coisa para 10 minutos. Entra sem barulho e 10 min depois já faz barulho.

    • Imf says:

      Caso nao saibas 98% das motos, para por o escape original apenas demora 10 min e uma chave de bocas (2/3 parafusos no máximo).

      Depois o escape aftermarket faz muito barulho, verdade, não é garantido que nao vais ter acidentes, mas ajuda muito no trânsito. Pois es facilmente identificado, ouves a presença de uma moto.

      Eu nao tenho problemas nenhuns em ir a inspecção com a minha 10min e esra resolvido.

      • Joao Sousa says:

        podem usar a buzina.. a passar no centro de uma cidade á noite tambem precisas desse barulho todo? Eu tenho mota mas não concordo com essa desculpa do escape, há outras maneiras de ser identificado no transito, tem de haver essa soluçao é ridicula…

        • Imf says:

          Falas do codigo da estrada de ilegalidades, sabes que usar a buzina também é ilegal???
          Nao a podes usar so porque sim, a busina tem um propósito e nao é para servir de buzinao enquanto estas a passar perrto de um cruzamento, em ultrapassagem, etc.

          Tu deves ser daqueles que a buzina é a melhor função do carro, que apita ao da frente mal o sinal muda para verde, que apita quando acha que tem razão e manda uma cara%!^!&&
          Quase que aposto

    • Hugo Nabais says:

      20€ resolve esse problema. Infelizmente

    • Theboice says:

      Só para entrar no centro depois… siga a rusga…

  2. Manuel Costa says:

    Alguns vão ter de refazer a mota, depois de tantas alterações que lhe fizeram que só a matrícula é que é original.

  3. Francisco Esteves says:

    As motas mais perigosas, ficam de fora… Estes legisladores são de partir o côco

  4. Honorato says:

    Daqui a pouco até bicicletas normais não vão ter de ir a inspecção já faltou mais

  5. yep says:

    O que está a dar é ter uma de 50cm e a queimar óleo de fritar.

  6. yep says:

    isto obriga a que sempre que se tiver de ir ao centro de inspeções a alterar outra vez tudo na mota e depois de inspecionada meter “o kit” outra vez.

  7. Joao says:

    Seguindo o que está no livrete, motas normalmente chamadas de 125 também não terão de fazer a inspeção visto que todas elas rondam no máximo 124 e qualquer coisa de cilindrada. Daí o decreto ser para motas a partir das 125cc, ou seja as 250

    • Diogo says:

      Nao João, na notícia diz que as únicas motas que ficam de fora são 50cc as 125(124 no livrete estão incluídas na inspeção.

      • SabiaQue says:

        Desculpe, mas o Sr. Secretário de Estado das Infraestruturas anunciou que “A partir de 1 de janeiro de 2022 todas as motas de 125 centímetros cúbicos (cc) para cima passam a ter de ir à inspeção”.

        Como as vulgares 125 têm sempre menos de 125cc de livrete estão livres de inspecção, como o João disse.

  8. Costa says:

    Sou motard e por isso suspeito mas também sou contra as alterações às motos. Os escapes ruidosos então fazem-me uma certa “azia”.

    O facto de passarmos a ter inspeção às motos, será absolutamente irrelevante quer em termos de segurança na estrada quer em termos ambientais e explico o porquê.

    De todos os acidentes registados na estrada, se contabilizarmos os que envolveram motociclos e de entre estes os que tiveram origem numa falha electrónica e/ou mecânica da mota, os números são ridiculamente baixos, pelo que a inspeção em pouco ou nada irá alterar a sinistralidade;

    Ficam de fora as 50cc, muitas delas muito antigas e já sem condições de circulação e outras com inúmeras alterações, ficando por inspecionar um conjunto alargado de motas com deficiências em termos de segurança e/ou em termos ambientais; Nada contra as 50cc, simplesmente passo por elas e vejo demasiadas com fumo a mais, fumo a sair em quantidade, rodas a abanar, falta de iluminação…;

    Grande parte dos acidentes envolvendo motos, a quase totalidade, devem-se a erro/descuido/abuso humano, por parte do motard ou de outro condutor de outro veículo;

    Na questão dos escapes, a ida à inspeção, significa em muitos casos, retirar o escape não homologado, colocar o original e após a inspeção voltar a colocar o escape ilegal, ficando tudo na mesma;

    Uma parte significativa dos que andam de mota, independentemente da cilindrada, circulam sempre ou com alguma frequência sem os equipamentos de segurança adequados, nem um simples blusão com proteções de ombros, costas e cotovelos e uma luvas e, se na inspeção não os obrigarem a apresentar os mesmos, então também aqui nada se altera, nem sequer os compram;

    Eu até seria a favor das inspeções se as mesmas resolvessem alguma coisa. Quando calhar a minha vez estarei lá com todo o gosto, até será bom ter alguém a verificar-me a mota e a confirmar-me que a mesma está em condições de eu circular não constituindo nenhum perigo para mim ou para outros condutores.

    Aquilo que seria realmente bom seria uma fiscalização mais acentuada na estrada, obrigando a que realmente as motas, todas independentemente da cilindrada, andem no dia-a-dia conforme o que é obrigatório e exigível em termos de segurança e em termos ambientais, incluindo as questões de poluição sonora e obrigando os respectivos condutores a usarem os devidos equipamentos de proteção.

    • António Miranda says:

      Parabéns pelo texto, reto e equilibrado

    • Str says:

      “De todos os acidentes registados na estrada, se contabilizarmos os que envolveram motociclos e de entre estes os que tiveram origem numa falha electrónica e/ou mecânica da mota, os números são ridiculamente baixos, pelo que a inspeção em pouco ou nada irá alterar a sinistralidade;” Por essa ordem de ideias os carros é exatamente igual, tem ouvido noticias de acidentes causados por falha mecânica nos carros? Se existem os números também devem ser ridiculamente baixos, o que se ouve é falha humana, excesso de velocidade, álcool, distração, telemóvel etc. etc. etc. e no entanto os carros são todos os anos inspecionados.

      • J says:

        Se um motard não cuidar da mota e ela avariar em andamento, vai com os dentes ao chao. Se um carro avariar, mesmo q se despiste, é muito mais provável nada acontecer ao condutor. Só por aí há uma diferença abismal e se nota que pouca ou nenhuma diferença farão as inspeccoes (as motas, não tanto as scooters, costumam andar bem mantidas por esse motivo, o motar é o principal interessado).

        Esqueçam a aversão para com quem anda de mota e filtra o trânsito, apanhamos frio e chuva, corremos muito mais riscos e libertamo-vos o trânsito. A única coisa q pedimos é q deixem um pouco de espaço para não termos q vos ocupar o espaço de um carro no semáforo e que usem os piscas e os espelhos… Carro com vidros fechados e condutor típico (não sabe onde estão os piscas) são um enorme perigo para quem anda de mota… Se um condutor de carro se encostar a uma mota porque não a viu, o para-choques são os dentes e podem estar a estragar a vida permanentemente a alguém. Civismo malta e não se preocupem tanto em demonizar quem precisa de gastar dinheiro (e não é pouco) num escape para reduzir as probabilidades (altas) de ser abalroado por alguém q vai distraído enquanto conduz…

      • Costa says:

        Certo, é verdade, hoje.

        Mas não era assim quando se implementou a obrigatoriedade de inspecção dos carros. O que não faltava era carros a queimar óleo que nem uns loucos, a pingar óleo na estrada, com amortecedores completamente fora de condições, travões deficientes, folgas na direcção que até metia medo, falta de luzes, pneus nas lonas ….

        Não é este o cenário actual das motas. Também em parte porque em cima da mota, nota-se tudo e qualquer deficiência até mete medo.
        E repare que ainda hoje, no caso de carros de particulares, os carros só vão à inspecção a partir dos 4 anos.
        Ora se um dos motivos de levar as motas à inspecção está centrado nas alterações, então qualquer carro devia à inspecção logo ao final de um ano, pois a partir do momento em que é vendido o proprietário também pode proceder logo a alterações.

        Curiosamente, na categoria onde vejo mais problemas – não quero dizer que é a única – a de 50cc, não vão à inspecção!!!
        E a categoria de 125cc, que teve uma explosão de vendas na última década, sendo por cá o principal negócio de algumas das marcas, aparentemente também não vai – ainda não confirmei.

        E caso as 125 não entrem no lote das que serão inspeccionadas, como fica a questão das 125 que são usadas diariamente em serviços de entrega e fazem dezenas a centenas de kms por dia? E, sem qualquer desprezo por quem executa esse serviço, todos nós vemos na estrada o “tratamento” que algumas levam.

        Penso que as inspecções podiam trazer algo de muito positivo, mas abrangendo todas as categorias, a inspecção aos pneus. Neste aspecto é preciso reconhecer que alguns motards abusam da sorte.

        Mas, mais uma vez, aposto que a verificação dos pneus vai ser feita a seco, sem teste em piso molhado. E no caso das motas, há pneus que sendo bons ou muito bons com piso seco e quente são no entanto maus ou mesmo miseráveis com piso molhado e frio, por vezes até de boas marcas. Eu, por falta de conhecimento, em 2017 mandei montar um da Continental que só fez 2500km. Foi um excelente pneu de Julho ao final de Setembro. Em Outubro, mesmo sem chuva, ao circular à noite, com tempo frio e humidade no alcatrão, o pneu deslizava por todo o lado, ao ponto de eu fazer a 30km/h um percurso que se faz, com um pneu decente, a 60/70 km/h.

        Algo muito simples. Até há pouco tempo a SYM comercializava na Europa as suas scooters, de várias cilindradas, com uns pneus Maxxis, tão conhecidos por deslizarem com tempo frio e chuva que havia quem fosse comprar uma scooter nova e mandasse trocar os pneus ainda antes de a levantar do stand. Mas numa inspecção, dado que será feita de certeza a seco e os pneus estão homologados, estes passam sem problemas.

        Mas fazer um teste destes, com piso molhado e os pneus frios – isso sim seria bom – exige instalações que nenhum centro de inspecções tem ou terá.

    • Sergio says:

      Parabens!! excelente texto!!

    • Joao Sousa says:

      Tudo certo!

    • SabiaQue says:

      Apenas pretendo fazer um comentário sobre a questão da poluição.

      Muito do fumo que menciona sobre as “cinquentinhas” deve-se ao facto de serem motores de 2 tempos (2T) e as misturas de gasolina/óleo serem feitas manualmente (factor humano) com proporções de óleo completamente desadequadas. Embora haja a variável dos sistemas de lubrificação automáticos desafinados, em alguns casos será puro desconhecimento de que a mistura deveria ser feita a 2% ou 3%. Em outros casos será uma acção intencional (mais óleo lubrificante protegerá melhor os componentes do motor contra o desgaste prematuro) mas danosa para o ambiente.

      Por causa das normas ambientais instituídas os motores de 2T têm sido tendencialmente excluídos de produção e de utilização prevalecendo os de 4T.

    • Paulo Pessoa says:

      Deixo os meus parabéns pela assertividade do explanado, contrariando as postas de pescada lidas até aqui. São os condutores que fazem toda a diferença, na estrada e quer sejam 4, 3 ou 2 rodas. Juizinho se respeitam a vida!

  9. Zé Fonseca A. says:

    Por mim é suficiente que verifiquem o ruído e fumo, o resto não me interessa.

    • Duarte says:

      Alterar o ruido é coisa de 10 minutos para quem percebe um pouco.

    • Samuel says:

      Lamento mas fumo só nas que não vão ser verificadas, nunca vi uma 1000 a fazer fumo como uma 50, e barulho pode estar homolgado, por exemplo as Harley

    • Imf says:

      Mas qual fumo????
      As que fazem fumo sao as 50 e aa 125 ( as isentas), tudo o resto nao faz fumo.

      Não vez um 600/1000+, a fazer fumo, porque simplesmente é a gasolina e tem potência que chega e sobra, caso queiras mais potencia é so trocar por uma superior, e acredita a diferença de preço é minima e em muitos casos iguais ou inferiores.

      Fumo vez sim na porcaria dos carros a gasóleo que sao uma quota gigante no parque auto portugueses, onde o estado ainda incentiva o povo a comprar aqueles carros a carvão.
      Com menos impostos de circulação, com o gasóleo barato, etc..

      Quanto ao ruído é sem duvida uma segurança extra para o motard, mas mesmo isso na inspecção… é uma treta, mudar o sistema de escape numa mota 10 min esta feito se tanto.

      • Joao Sousa says:

        O problema é que esses escapes fazem com que o pessoal se excite todo e abuse… buzinar tbm funciona e nao rebentem com timpanos

      • Rei dos Panados says:

        Enquanto o meu Fiat uno de 93 a gasóleo não ficar todo partido não compro outro carro para ir para o trabalho, tudo ladrões neste pais carros novos e recentes com IUC de 200 euros é o combustível que também é caro, isso no fim do dia seja moto ou carro polui tudo.
        Por isso é sempre com o meu velho carro, 12 euros de selo por ano, mais 100 e tal euros de seguro e o gasóleo é agrícola da cooperativa. pode pegar fogo a isto tudo quanto menos dinheiro der aos ladroes estado melhor.

  10. Miguel Oliveira says:

    Excelente texto Costa, concordo em tudo consigo.
    Só um aparte fiscalizar e penalizar motards incumpridores é impossível ( desde matriculas tapadas para não os identificar, a velocidades vertiginosas que comprometem vidas numa qualquer operação stop) mais uma vez temos que ser educados na base da multa e fiscalização. Tenho uma scooter de estimação e o maior perigo é a falta de civismo na estrada.

    • Costa says:

      Infelizmente é assim, falta muito civismo e responsabilidade na estrada.
      Ando de mota há 4 anos, de carro há quase 30 e conheço os dois lados.

      Já me aconteceu encostar o carro para facilitar a vida a uma mota e o tipo em vez de aproveitar o espaço extra para ultrapassar com segurança fez-me uma razia, sem necessidade.

      Mas também já me aconteceu, quando ia de mota, ter de ir à valeta, porque alguém com um carro decidiu, vendo que eu ia encostado à berma, ultrapassar-me onde definitivamente não havia visibilidade. Quando surgiu um carro de frente, decidiu finalizar a ultrapassagem e para não bater de frente, encostou-me para a valeta.

      E vejo pessoal, com motos, a 90km/h ou mais, a circular sem um blusão adequado que os proteja. Não percebo como é que alguém que dá 3000€ ou mais por uma 125 ou superior não tem 100€ para comprar um blusão com proteções e anda de t-shirt e calções (até de chinelos eu já vi).

      Mas também se vê muita gente com carros que custam 25000€ ou bem mais, que já trazem bons sistemas de alta-voz, fáceis de usar e continuam a circular com o telemóvel na mão.

      Há muita falta de civismo, há falta de responsabilidade e há uma arrogância e um individualismo tremendos, que se notam depois na estrada.

      • PML says:

        Concordo em quase tudo o que o Costa diz, exceto na parte de facilitar a ultrapassagem e encostar o carro. Como motard, há mais de 30 anos sempre me custou isso. O que o código diz é que se é para ser ultrapassado deve manter a valocidade e trajetória. Já me aconteceu ver carros que para facilitar a ultrapassagem se encostam à berma e iam atropelando um ciclista. As motas têm potência suficiente para ultrapassar quando querem e só o devem fazer em situações de segurança. Facilitar a passagem só pressiona o motard e coloca-o em perigo, assim como aos outros utilizadores da estrada.
        O outro ponto que diz – quando se conduz mota deve andar-se sempre a meio da via de rodagem para que não haja a tendência por parte dos outros de ultrapassar “a queimar” e causar o problema que teve. Espero ter dado umas boas dicas que aprendi na escola da vida 🙂 Boas curvas.

        • Costa says:

          PML, isso foi o que aprendi nestes últimos 4 anos de mota.

          Atenção, enquanto condutor de carro,nunca facilitei em situações em que tenho outros veículos à minha frente, precisamente para não tentações ao motard que vem atrás de mim. Só em situações de estrada aberta sem mais ninguém por perto.

          Mas deixei de encostar o carro para facilitar, dado que a maior parte das vezes, quem vem com as duas rodas, em vez de aproveitar o espaço extra para passar em segurança acaba a fazer razias.
          Mas nos grupos e fóruns de pessoal motard há sempre queixas dos “enlatados” não facilitarem!!! Vá-se lá perceber.

          Por outro lado, quando ando de moto, deixei de circular junto à berma, aprendi essa lição bem rápido dada a quantidade de ultrapassagens que me faziam à queima. Por vezes até via pelo espelho os carros mesmo colados a mim a prepararem-se a qualquer momento para ultrapassarem.
          Depois de uma ida à valeta, um toque no espelho e várias razias, aprendi a circular mais à esquerda.
          Mas fale com alguém que nunca conduziu motos e vai ver a azia que muitos têm por nós não circularmos mais chegados à direita.

          Há falta de conhecimento de parte a parte, há falta de civismo e há uma prepotência na forma como as pessoas se comportam atrás de um volante/guiador que é de loucos.

          Se ensinassem devidamente o pessoal de como se deve ultrapassar uma moto, se ensinassem devidamente os futuros motards de como se deve travar uma mota em emergência, de como se deve ultrapassar um carro de forma que ele se aperceba da nossa presença, isso sim valia muito mais e teria melhores resultados do que estas inspecções em que ficam de fora metade das duas rodas que andam na estrada e as que serão fiscalizadas de pouco ou nada servirá.

          • L R says:

            Os centros de inspeção não sabem nem tem condições para inspeccionar um carro e já estão abertos a vários quanto mais as motas. A vergonha do alinhamento de direcção é um deles o meu carro estava alinhado chumbou, fui desalinha-lo para passar na inspeção e agora foge pra direita e ninguém me paga esses dois valores de deslinhamento e alinhamento, não têm condições para analisar os amortecedores, qualquer carro passa tenha ou não amortecedores, por isso isto é feito pra sacar dinheiro ao povo mas anda tudo ceguinho.

            Já vão dois anos que reclamei a ANCIA e nem uma resposta deram sobre o meu caso, um inspector que devia estar no olho da rua, disse que um carro para estar bem alinhado tem que fugir para a direita para evitar acidentes. E afirmou ainda que é o alinhamento de origem do fabricante do veículo, eu liguei á marca eles até se ficaram sem palavras.

            Espero que abram os olhos e haja protestos e nem uma moto por lá passe em nenhum centro.

  11. Ze Ferreira says:

    Tenho uma moto 4 350cc, só uso para subir umas picadas e passeios na serra. Tal como eu haverá milhares, mas tenho tudo em ordem, estimada com seguro, etc.
    Para ir à inspecção tenho que fazer 100 km todos os anos, por estrada alcatroada, e se optar por um lado, teria que ir pelo ip, onde não posso andar. Haverá excepção para quads? Vamos começar todos a andar sem inspecção? Ou comprar um reboque para lá ir e andar por ano 100km que é a minha média?

  12. minho says:

    Andaram a desafiar, agora levam.
    Não passa um dia que não ouça escapes de motas completamente fora dos limites. Por uns pagam outros e é bom que se sujeitem a inspeções, já ontem era tarde.

  13. Christopher Nilsson says:

    E os pneus cardados montado numa mota de enduro? Que faz estrada e terras.. Será legal?

    • Imf says:

      É proibido teres pneus de neve no teu carro???
      Não, então também é legal teres pneus cardados numa mota de estrada.
      É seguro, não, mas também nao ou eu que ando com eles.

      • CN says:

        Depende… na Suécia não podes circular com pneus de neve fora do período de inverno (proibido mesmo). Apenas pneus “all-around” é que podem circular o ano inteiro. Por isso a minha questão nas motas, visto que não sei se é legal. O mesmo deve acontecer com as moto4.. suponho eu.

  14. Nuno Carvalho says:

    Então acham que o pessoal andaria na estrada sem as motas em condições, uma vez que as manutenções podem ser feitas de 4000 em 4000 Kms (no caso das 125cc por exemplo)? Ridículo. É só mais uma medida para sacar dinheiro.

  15. Str says:

    E para quando uma “inspecção psicológica” aos condutores? Pelo menos para aqueles que insistem no crime rodoviário

  16. Hugo D. says:

    Engraçado quando dizem que os condutores de automóveis não vêm as motas e eu digo, pudera, quando esta malta das motas e motinhas querem ultrapassar com traços contínuos, ultrapassam em cima das passadeiras, querem chega-se á frente nos semáforos sem respeitar ninguém, chegam às portagens e querem ser os primeiros, chegam aos tuneis aceleram porque o barulho dos fogareiros é “muita giro”…. enfim, se querem respeito nas estradas dêem-se a esse mesmo respeito primeiro.

    • Sergio says:

      A mim o que me preocupa é esses mesmo condutores de automóveis não terem hábitos interiorizados de uso frequente dos espelhos e piscas.
      Essa falta de educação rodoviária, prejudica motas, bicicletas e peões ..que até são 3 categorias bem mais preocupadas com imprevistos da estrada.

      • Vitolas says:

        Curioso que essas 3 categorias que são as que deviam ter mais cuidado até porque são os elos mais fracos conseguem ser os mais irresponsáveis.
        Desde peões que se atravessam na estrada e que com passeios andam quase no meio da estrada, a ciclistas que sinais vermelhos e stops não é nada com eles, a pessoal das motos que não faz ideia do que são traços contínuos, que não é legal dois veículos partilharem a mesma via de transito, nesta ultima então é onde levam com os espelhos e vão ao tapete e ainda se acham no direito de se fazerem de vitimas.

  17. Paulo says:

    Para a malta das motas que adora fazer barulho (e quanto mais melhor) era dar-lhes com um pau no lombo.

  18. BFVM says:

    Então e eu, que tenho um buggy automático chinocan a dizer 257cc no livrete? Que tipo de testes vão fazer a uma miséria daquelas? 😀

  19. Vasco says:

    O grande problema, e podem vir as inspecções que vierem, é que dentro de um carro ou sobre uma moto, existe quase sempre um português ao volante, que habitualmente acredita ser o rei da coca-cola. E contra isso, nada a fazer!

    • L R says:

      Os centros de inspeção não sabem nem tem condições para inspeccionar um carro e já estão abertos a vários quanto mais as motas. A vergonha do alinhamento de direcção é um deles o meu carro estava alinhado chumbou, fui desalinha-lo para passar na inspeção e agora foge pra direita e ninguém me paga esses dois valores de deslinhamento e alinhamento, não têm condições para analisar os amortecedores, qualquer carro passa tenha ou não amortecedores, por isso isto é feito pra sacar dinheiro ao povo mas anda tudo ceguinho.

      Já vão dois anos que reclamei a ANCIA e nem uma resposta deram sobre o meu caso, um inspector que devia estar no olho da rua, disse que um carro para estar bem alinhado tem que fugir para a direita para evitar acidentes. E afirmou ainda que é o alinhamento de origem do fabricante do veículo, eu liguei á marca eles até se ficaram sem palavras.

      Espero que abram os olhos e haja protestos e nem uma moto por lá passe em nenhum centro.

  20. Samuel MG says:

    Não tenho mota mas sim carro e pelo que eu vejo o que não falta é aselhas ao volante de carros!! Eu também já apanhei uma dose valente de sustos e se por cada um eu ganha-se € 1 a esta altura já tinha o suficiente para comprar um Tesla.

  21. Ana says:

    Carrega costa! Temos de ir buscar dinheiro a todo o lado para sustentar a máquina.

  22. António M. says:

    Já se disse aqui muita coisa, e o que mais sobressai são os aziados exclusivamente condutores de automóvel sem noção do que é andar de mota. Se acho que esta inspecção é mais uma maneira de ganhar uns trocos, sem duvida, até que já se disse aqui, motas fazem inspecção de 4000/6000 km periodicamente (quase obrigatório). Que há uma minoria de motards que são uns abusados na estrada, sim confirmo, quase tive acidentes a pala deles, mas muito mais situações de risco tive com condutores de automóvel.
    As motas que vejo com maior risco de circulação são as 50cm3, em que a maior parte não tem espelhos, entre outros artefactos, e esses sim deviam passar por uma inspecção.
    A idade dum condutor e a mota que tem, devia ser a base para escolher aleatoriamente uma inspecção ao veiculo.
    Para fugir ao critério de que isto é uma forma de encher os bolsos de alguns, seria as inspecções serem aleatórias ou a pedido de um agente de autoridade, se este encontra-se anomalias.

    • António M. says:

      Uma situação que me acontece muito, que fico com arrepios, é quando um condutor de automóvel vai numa faixa de via única e vê-me aproximar na minha NC750, encosta-se rapidamente a direita (por vezes quase pára) para dar-me passagem, em que houve uma vez, que um condutor quase provocava acidente, ia batendo noutra viatura avariada e estacionada na berma. Devem pensar que sou da Policia ou do INEM.
      Pessoal dos automóveis, agradeço pelo facto de facilitarem a passagem. mas por favor, façam-no só quando tiverem a certeza e condições de o fazer. Claro que também há aqueles aziados e invejosos que não facilitam nada.
      Tenho 3 viaturas de 4 rodas, mas prefiro sempre que posso deslocar-me em duas rodas.
      A minha colecção:
      1-HONDA NC750X DCT
      1-HONDA PCX125
      1-Honda MTX 125 (antiga 1989 e a andar)
      1-Acelera Yasong 50cm3
      1- Suzuki LT 50 / Moto 4 (não matriculada)

      Vamos ver se só gasto na inspecção de uma mota.
      https://drive.google.com/file/d/1sRfFp5lafl_QKzhxZuXkALkMupqOpi7l

  23. V says:

    Eu gosto de motas, infelizmente não tenho nenhuma e sou apenas um condutor de 4 rodas, mas diga-me, o código da estrada não é igual tanto para motas como para carros? Então porque é que as motas (e se querer ofender ninguém) quando estamos todos em fila indiana, tem que passar pela esquerda ou direita, pelo meio, ou onde até onde consiga caber num buraco de uma agulha?! De Lei creio que tem que aguardar atras do veiculo ou motorizada, e não vejo carros sistematicamente a passarem fora da faixa de rodagem (não é que não façam), como vejo com as motas.. compreendo que esperar é uma seca, mas cumprir com o código também deve ser, pois se assim fosse evitava “possivelmente” muitos acidentes de 2 rodas contra os de 4 rodas e virse-versa (é verdade que muito condutor não usa pisca, pois é um extra nos carros, tal como os que não usam os espelhos para avaliar a presença de quem vem atras ou está de lado, mas…) é o que é, civismo, distração, teimoso, entre outros. Bem haja a todos!

    • Imf says:

      Meu amigo, o problema é voces verem a Mota, e terem a pwt@ de inveja de nao poder furar o trânsito.
      Eu sou condutor de carro e de moto, como 99% das pessoas que tem moto.

      A abordagem que devia ser feita é olhar para a moto como uma coisa positiva, é menos um carro, é menos um lugar de estacionamento.
      É mais uma oportunidade de chegarem a casa mais cedo e de ter lugar na tua rua.

      Em Portugal nao é permitido, mas ha paises onde é legal fazer splitlane, e nao é por isso que são paises de 3 mundo, aliás país de 3 mundo é o noaso.

      • V says:

        A resposta é muito simples com ou sem inveja, é a tua forma de ver as coisas.

      • L R says:

        Os centros de inspeção não sabem nem tem condições para inspeccionar um carro e já estão abertos a vários quanto mais as motas. A vergonha do alinhamento de direcção é um deles o meu carro estava alinhado chumbou, fui desalinha-lo para passar na inspeção e agora foge pra direita e ninguém me paga esses dois valores de deslinhamento e alinhamento, não têm condições para analisar os amortecedores, qualquer carro passa tenha ou não amortecedores, por isso isto é feito pra sacar dinheiro ao povo mas anda tudo ceguinho.

        Já vão dois anos que reclamei a ANCIA e nem uma resposta deram sobre o meu caso, um inspector que devia estar no olho da rua, disse que um carro para estar bem alinhado tem que fugir para a direita para evitar acidentes. E afirmou ainda que é o alinhamento de origem do fabricante do veículo, eu liguei á marca eles até se ficaram sem palavras.

        Espero que abram os olhos e haja protestos e nem uma moto por lá passe em nenhum centro.

  24. AlexS says:

    Cada vez mais gente a “regular” e cada vez menos a produzir.

    Esperem pela pancada.

  25. M.Zé says:

    Esses que andam com essa treta de escapes que nem um gajo em casa, de janela fechada, consegue ouvir as noticias em condições, era inspeção de 30 em 30 dias que haviam de gastar as chaves de luneta….Já para ontem era tudo parado, documentos apreendidos e inspeção B. Novamente apanhados com escapes tipo marca mer**, carta fora durante 30 dias ou uns pontos a menos na carta. Este pessoal não vai lá com palavras..

    • Imf says:

      Mauzao…. e para mim o pessoal sem canalizador, filtro de particular, adblue delete.
      ( a malta dos diesel )

      era logo carro aprendido para abate, e ainda pagava a conta do abate.

      E 2 meses sem conduzir, no mínimo.

      Porque quero ver quem é a pessoa de moto/triciclo/trotineta, que consegue ir a tras de um carro/ carrinha desses.
      Para nao falar que faz muito pior que o barulho de uma moto no verão.

    • L R says:

      Os centros de inspeção não sabem nem tem condições para inspeccionar um carro e já estão abertos a vários quanto mais as motas. A vergonha do alinhamento de direcção é um deles o meu carro estava alinhado chumbou, fui desalinha-lo para passar na inspeção e agora foge pra direita e ninguém me paga esses dois valores de deslinhamento e alinhamento, não têm condições para analisar os amortecedores, qualquer carro passa tenha ou não amortecedores, por isso isto é feito pra sacar dinheiro ao povo mas anda tudo ceguinho.

      Já vão dois anos que reclamei a ANCIA e nem uma resposta deram sobre o meu caso, um inspector que devia estar no olho da rua, disse que um carro para estar bem alinhado tem que fugir para a direita para evitar acidentes. E afirmou ainda que é o alinhamento de origem do fabricante do veículo, eu liguei á marca eles até se ficaram sem palavras.

      Espero que abram os olhos e haja protestos e nem uma moto por lá passe em nenhum centro.

  26. Antonio says:

    Pergunto de novo: Os quads estarão nas excepções? Ou terão que fazer centenas de km por alcatrão para ir aos centros?

  27. Harley says:

    Obrigar a usar os devidos equipamentos de proteção????
    Têm que alterar o código de estrada pq o único obrigatorio é o capacete.

  28. Dinis Domingos says:

    “que está em falta a classificação das deficiências e que faltam os cursos de qualificação dos inspetores.” mais 10 anos…

  29. LMTF says:

    De moto ou carro tudo se resume à falta de civismo do Tuga, seja de duas ou quatro rodas, vejo asneiras de bradar aos céus .
    Tenho carro e moto no entanto, desloco-me preferencialmente de moto de modo a rentabilizar o tempo e poder ter mais tempo para outras atividades , aos que têm carro e as motos lhes dá azia comprem uma.
    As inspeções só pecam por tardio pois vou gostar de ver os agentes da autoridade (policia e GNR) a arrancar as malas laterais e topcases dos seus veículos e a passarem a andnar com uma bolsa debaixo do braço.

  30. Horácio Correia says:

    Seja obrigatório as câmaras de vídeo e vamos ver de quem é a culpa dos acidentes, tanto ando de carro como de moto e tenho olhos na cara.

  31. João says:

    No meu livrete a cilindrada diz 124, portanto, pela maneira que a lei está escrita, estou isento de inspeção, certo ?

  32. Joao says:

    Eu tenho mota mas esta toda original, acho super bem haver inspeções para limpar esses cangalhos barulhentos da estrada

    • L R says:

      Os centros de inspeção não sabem nem tem condições para inspeccionar um carro e já estão abertos a vários quanto mais as motas. A vergonha do alinhamento de direcção é um deles o meu carro estava alinhado chumbou, fui desalinha-lo para passar na inspeção e agora foge pra direita e ninguém me paga esses dois valores de deslinhamento e alinhamento, não têm condições para analisar os amortecedores, qualquer carro passa tenha ou não amortecedores, por isso isto é feito pra sacar dinheiro ao povo mas anda tudo ceguinho.

      Já vão dois anos que reclamei a ANCIA e nem uma resposta deram sobre o meu caso, um inspector que devia estar no olho da rua, disse que um carro para estar bem alinhado tem que fugir para a direita para evitar acidentes. E afirmou ainda que é o alinhamento de origem do fabricante do veículo, eu liguei á marca eles até se ficaram sem palavras.

      Espero que abram os olhos e haja protestos e nem uma moto por lá passe em nenhum centro.

  33. L R says:

    Os centros de inspeção não sabem nem tem condições para inspeccionar um carro e já estão abertos a vários quanto mais as motas. A vergonha do alinhamento de direcção é um deles o meu carro estava alinhado chumbou, fui desalinha-lo para passar na inspeção e agora foge pra direita e ninguém me paga esses dois valores de deslinhamento e alinhamento, não têm condições para analisar os amortecedores, qualquer carro passa tenha ou não amortecedores, por isso isto é feito pra sacar dinheiro ao povo mas anda tudo ceguinho.

    Já vão dois anos que reclamei a ANCIA e nem uma resposta deram sobre o meu caso, um inspector que devia estar no olho da rua, disse que um carro para estar bem alinhado tem que fugir para a direita para evitar acidentes. E afirmou ainda que é o alinhamento de origem do fabricante do veículo, eu liguei á marca eles até se ficaram sem palavras.

    Espero que abram os olhos e haja protestos e nem uma moto por lá passe em nenhum centro.

  34. Fernando Queiroz says:

    Os condutores de 4 rodas são uns santinhos, nunca infrigem a lei, o melhor é serem conciderados como santos e serem postos no altar, cambada de totós

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.