Quantcast
PplWare Mobile

Que se passa? Condutores de carros elétricos surpreendidos com faturas

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Elton says:

    Os carros elétricos são espetaculares.
    Custam o DOBRO, ao meter “combustível” pagam 5x mais quando param numa bomba e passado 8 anos pagam 8000€ por uma bateria não viaciada.

    É o verde no seu melhor.

    Ontem tb senti o verde no meu bolso. Paguei 5€ por uma lâmpada que antigamente pagava 50cent.
    Aaah e não minha casa duram o mesmo.

    Força Greta…

    • lopes says:

      As lâmpadas evoluíram passaram de um mero filamento que não era mais que um aquecedor a desperdiçar luz para algo mais complexo como o LED por possuir mais componentes é mais caro, mas em contrapartida ao final do mês em comparação com a velha lâmpada poupas no consumo de luz.

      Agora os carros elétricos isso já é outra história, pois o calcanhar de Aquiles é mesmo a bateria infelizmente isso vai continuar a ser até conseguem alternativa, e como era de esperar os carregamentos é só a ponta do iceberg no que toca a taxas, depressa vão começar a surgir outras à medida que o parque se for massificando.

      • Zé Cabra says:

        Caro Lopes
        Aqui em casa uns anos atrás fui a correr trocar lampadas de filamento por lampadas LED…
        Desastre autentico (não estou a falar da poupança de electricidade mensal).
        Local de trabalho , coloquei uma lampada das mais fortes luz Fria … nao directamente para a minha frente , mas cá chegava de modo indirecto.
        Passados 2 anos … tive de colocar oculos , começei a ter dificuldade de ver claro como via antes … pormenor alêm de custarem MUITO mais “queimam” na mesma proporção das de filamento , cheguei a ir à loja onde as comprava apresentar uma espécie de reclamação ( mas não pude ser muito forte, pois é a loja onde me forneço para os biscates de electricidade que faço e tenho lá desconto que nao tenho noutro lado) , a minha reclamação à segunda lampada num espaço de 3 semanas , foi mal vista pois percebi que estavam a culpar algo que tinha em casa ( são lampadas made in china como a esmagadora maioria).
        Aprendi a reparar as lampadas Led que queimaram ( desde que 7 mudei anos atrás para led) no youtube .

        Tentei perceber o que se tinha passado com a minha vista ( afinal tenho 57 anos, faixa de idade onde tudo aparece … problemas de visão incluidos) , a LUZ azul usada nos LED parecem ser o Vilão da história para nós os humanos.

        Agora estou a usar filamento onde quero ter BOA luz e Led para iluminação momentanea tipo quintal corredor de entrada casa de banho .

        De resto o futuro dirá o que vai acontecer com todas as pessoas que andam a usar LED na boa…

        Boa Semana pra vcs

        Zé Cabra

        • CMatomic says:

          Não devemos esquecer que existe os televisores LED será também fazem mal a vista ?

        • rm says:

          Também já tenho led’s há uns anos, desde que mudei de casa já faz 5 anos e até agora ainda não fundiu nenhuma, tenho todas da marca Roblan (marca espanhola) e as melhores que lá tenho são as duas tubulares na cozinha que dão uma luz brutal, acabou-se o “flickering” das fluorecentes.
          Também tenho uma mais recente controlada por telemóvel da Garza (marca espanhola) que ajusto luminosidade e temperatura da lâmpada.
          Até agora sem problemas com os led’s.

        • David Guerreiro says:

          O problema aí foi usar luz fria. Eu em áreas de lazer uso sempre 2700K que é a tonalidade mais parecida às incandescentes. Luz fria só tenho na cozinha.

        • Zé Fonseca A. says:

          Tenho lâmpadas led com mais de 10 anos, isso está relacionado com a qualidade da marca.
          Já a vista, com 57 anos não esperava ver bem até ao fim dos seus dias, é só natural, acontece a todos.

        • FAR says:

          Existem LEDS com as mais variadas temperaturas (amplitude de azul), tal como as de filamentos, não percebo a demonização gratuita..

      • Miguel says:

        É verdade que gastam menos, mas acaba por não compensar porque queimam mais.
        Pelo menos de minha experiência.
        Ainda tenho algumas de filamento a funcionar, mas as Económicas e led, já tive de substituir todas mais de 1 vez

        • Luis Henrique Silva says:

          Não compres rascanhice.
          Comprava também aquelad que vendem no bricomarché é só ir aos legos. Mas pode haver outras coisas que possam avariar as lampadas, lá na minha casa o senhorio tem um sistema de aquecimento de água e a tomada andava a dar problemas e ninguém sabia e dava interferència na minha casa, inclusive nas lampadas que iam aos legos.
          Mas agora compro da phillips acabou os problemas.

        • PeterJust says:

          Não acredito… tenho LEDs da Philips a trabalhar há vários anos, alguns estão quase todo o dia ligados e sempre a funcionar. Custaram 10 vezes mais! Pois custaram. As chinesas, nem é o LED que queima, é o transformador. Quem percebe minimamente de eletrónica sabe que o calcanhar de Aquiles é esse quando se usam peças baratas. Olha as fontes de computador em que o conceito é o mesmo. As boas custam bem, mas tenho uma Corsair de 550W há quase 20 anos no meu PC de sempre, sempre com boas gráficas e OC, ou seja, sempre a puxar bem pelos watts, já troquei todas as peças e ela lá continua a fazer o seu trabalho sem vacilar.

    • albino negro says:

      Guarda as faturas e vai trocar se fundirem. Deixei de comprar lâmpadas há imenso tempo.
      é só ir trocar

    • Joao Campos says:

      Tens toda a razão. Mas força Greta mesmo, porque o mundo está a mergulhar numa crise causada pelas alterações climáticas a pés juntos.

    • Nuno Moura says:

      Isso dos carros eléctricos custaram o dobro do preço já não é bem assim e pouco falta para essa afirmação ser um mito.
      Ver exemplos novo modelo da Toyota , o tempo da garantia e Quilometragem que é dada ou o preço do Dacia Sprint.
      Quanto aos carregamentos equanto não existir uma real concorrência nos operadores vamos assistir a esta tentativa da recuperar e lucrar mais rapidamente possível os investimentos realizados nos postos de carregamentos por parte dos operadores, claro com a hipocrisia dos estados que cobra impostos e o clima que se lixe.
      Quem tem possibilidade de carregar em casa, tem um preço muito baixo e se tiver painaeis solares, fica praticamente de borla.
      Actualmente 100 euros em cobustvel que não dá para fazer 1000km, com 5 euros de elctrocidade carregado em casa dá para muito mais, é so fazer as contas como já o outro dizia

      • robin says:

        Concorrência ? estás bêbedo ou então sonhas.

      • Funa funfen says:

        Eu com 100€ De combustível faço facilmente 1000 km e ainda sobra… e não, você com 5€ de electricidade num carro eléctrico não faz mais de 1000 km, nem pouco mais ou menos. Mas tem razão numa coisa, os carros eléctricos não custam o dobro, mas são mais caros sim que os seus irmãos de combustão, no mínimo por 10k euros. E outra coisa onde falhou, o preço dos carros eléctricos não vai baixar, e muito provavelmente irá subir nos próximos anos.

  2. André R. says:

    Quando atestam o depósito de combustível, deixam lá o carro? Não pois não? Então nos elétricos é igual. Quando estiver carregado desliguem-no do carregador. O tempo que lá está parado ligado ao carregador também conta, embora não esteja a carregar.

    • Há cada gajo says:

      Pois, isso é fácil de dizer, pois se atestas o depósito de combustível em 10 minutos ou menos…quanto tempo demoras a “atestar” a bateria ?

      • Jorge Pedro Miguel says:

        Tenho aqui um colega, que já não deixa o carro o dia todo no posto de carregamento, lol, carregava e ainda tinha estacionamento gratuito para todo o dia, agora que acabou a maminha, já paga como todos os outros é a chico expertise do portuga sempre a bombar, depois por um, pagam todos, enfim.

    • Dani Silva says:

      O ideal seria fazer como a Tesla, que apenas cobra a tal taxa de ocupação ao minuto passados 5 minutos do carro estar completamente carregado.

      Assim o condutor tem tempo de voltar para o carro e retirá-lo. Quem não o fizer, paga então a referida taxa.

    • Tretas says:

      Ahahahaha, 40 minutos para carregar o pópó e depois toma lá com €57 de factura. Com esse dinheiro atestava o depósito e fazia bem mais que os 200km do eléctrico.

      Comprem eléctricos que são o futuro…

      • PML says:

        Não há milagres. Gasolina ou gasóleo ainda são mais caros do que carregar um elétrico em casa. Produzir hidrogénio é também caro porque requere muita energia (que tb ela é cara). Portanto, a mobilidade, seja qual ela for será sempre cara. Contugo algo sei, nã vão ser os combustíveis fósseis que vão resolver esta questão.
        E lembrem-se – os combustíveis são dos maiores contribuidores para o orçamento de estado. Portanto, de uma forma ou de outra, esse dinheiro terá de chegar aos cofres do estado.

        • Luís Costa says:

          Como assim? Eu com 57€ encho o meu depósito e consigo fazer 1000km e não tenho de esperar 40 min.. diz-me lá um elétrico que faça isso e que seja barato

          • Rui Costa says:

            Que carro tens?

          • Pedro says:

            Eu gasto 7 Euros para fazer 1000 km com o meu zoe.
            Carrego em casa ( Rede + solar )
            E por ano gosto cerca de 120€ em manutenção.
            Não pago IUC
            Estaciono em qualquer local sem pagar em LX.

            Já efetuei 100.000 km e o que poupei em relação ao gasóleo já dava para trocar a bateria se tal fosse necessário.

            Isto para não falar do prazer de condução.

            Diz-me lá qual o veiculo a combustão que faça isso e que seja barato.

          • Tonheco says:

            @Pedro

            Muito caro, não tenho dinheiro para painéis e muito menos para uma casa onde os possa colocar. Uma fração disso dá para muitos litros.

          • Luis says:

            @Rui Costa tenho um corsa b

            @Pedro Voltamos ao mesmo, nem todos tem a possibilidade de ter uma casinha para fazer isso como foi o caso desta pessoa que é a maioria

          • PML says:

            Tenho algumas dúvidas que com 57€ se façam 1000 kms (mesmo metendo numa bomba de baixo custo, implica gastar 3.8l/100). Mas os 57€ são agora. A incorporação dos custos de C02 vai implicar todos os anos cerca de 5 cent a cada litro, que com impostos e outros custos (biodisel e afins) vai resultar num aumento de 7 cent ou mais por ano. Ou seja, daqui a 10 anos é bem provável o diesel passar a custar 2.5€ o litro o que se tornará imcomportável (os ordenados médios não têm tido um crescimento proporcional). Resumindo uma vez mais, será o mercado (e impostos) a “matar” os motores a combustão

          • Luís Costa says:

            @PML o corsa que tenho se andar até aos 90/100 e não ultrapassar esses valores consigo fazer 4L/100 o depósito leva 46L, agora é só fazer as contas.. consigo fazer isso se encher o depósito em Espanha.. já em Portugal vai custar mais um pouco

        • Carlos says:

          “Portanto, a mobilidade, seja qual ela for será sempre cara. ”
          A bicicleta também uma forma de mobilidade. Apenas tem custo de aquisição… o de manutenção é quase desprezível. Para deslocações até 5~6Km deveria ser a principal forma de transporte. O ambiente agradece e a carteira também!

      • Miguel says:

        E não tinhas de esperar 40 min, com esse tempo quase levas 100km de avanço

  3. Str says:

    E o Costa a esfregar as mãos eheheh larga a nota Manel. Até a lenga lenga de que um eléctrico fica mais barato a manutenção tenho as minhas dúvidas muitas dúvidas mesmo.

  4. André Silva says:

    Os OPCs também têm de ganhar dinheiro. Não é só meter “quilobatos” para dentro.

  5. Bruno Santos says:

    Já era de esperar isto, não sei qual o espanto. Tudo neste país paga-se bem pago

  6. Vrael says:

    Eu digo a toda a gente comprem elétrico se tiverem garagem ou quintal caso tenham de carregar em postos esqueçam la os elétricos por pelo menos uns 5/7 anos

    • Roger says:

      Isso de ter uma garagem ou de um quintal só serve para carregar o carro em casa, onde para uma grande maioria, só servirá para carregar o carro 1 vez por dia.
      Agora se tiveres que fazer viagens relativamente grandes como muita gente tem de fazer seja para ir e voltar do trabalho ou mesmo em trabalho, vão ter de o carregar fora de casa.
      E é aí que aparecem estas facturas de valores avultados, principalmente se usarem carregadores rápidos.

      No entanto, o negócio dos electricos é só mais um lobby e gigantesco.
      No entanto estaremos cá, certamente, para ver o impacto ambiental do aumento dos carros electricos.
      A não ser que, a curto prazo, encontrem uma solução viável e rentável às baterias de lítio.
      O grafeno seria a solução, mas não existem baterias muito menos para carros electricos, e mesmo quando começarem a existir, serão vendidas a preço do ouro.

  7. Luís Silva says:

    Alemanha é mais caro? Mas qual é o vencimento dos alemães?
    Já se esperava e ainda falta o IUC

    • Jorge Pedro Miguel says:

      Acho piada fazerem este tipo de comparação, realmente, se fizerem num contexto de gestão, como é obvio Portugal está muito acima dos países ditos mais caro, porque o nosso vencimento é menor, vencimento vs custo energetico, upa upa, está muito acima de qualquer país da união, enfim.

  8. falcaobranco says:

    Primeiro pensavam que era de borla para sempre ( sim, muitos condutores de electricos e até mesmo pessoas que não têm carros electricos pensavam o mesmo ) e depois pensavam que era barato fazer os carregamentos…

    Está a transição energetica… nem tudo é um mar de rosas e gratis para sempre…

    • Dani Silva says:

      Inicialmente era mesmo de borla carregar na rede Mobi.e

      Agora foram quase para o outro extremo.

      Se o objectivo é mesmo descarbonizar, é melhor que baixem os preços de utilização do posto de carregamento…

  9. jorge santos says:

    Venha é o hidrogénio. Esqueçam isso dos eléctricos…

    • PML says:

      Vai ser igual em termos de preços.

      • Roger says:

        Depende da capacidade de produção de hidrogénio. Se a produção ficar ao mesmo nível da produção dos combustíveis ou do GPL, os preços acabam por estabilizar mais rapidamente.
        Mas o preço vai sempre ser mais caro que o dos combustíveis ou do GPL, só o custo de armazenamento vai justificar isso.

        No entanto o problema dos carros elétricos não se resume só ao custo da eletricidade, que também quantos mais carros a circular mais vai aumentar o preço da electricidade.
        É também o impacto ambiental que eles provocam, mesmo que indirectamente.

        A exploração de lítio tem um gigante impacto ambiental, além do impacto na paisagem e os tais peritos ambientais não se mostram preocupados com isso.
        Neste momento não existe alternativa ao lítio.

        Os carros electricos não são a melhor alternativa, nem podem ser a única alternativa aos carros de combustão.
        Tem de haver mais alternativas, e os carros a hidrogénio são essa grande alternativa seja aos carros electricos como aos próprios carros a combustão.

        • Filipe Ferreira says:

          Sou da mesma opinião.

        • Nuno Moura says:

          O que pode minimizar os impactos é a forma como a energia é produzida e armazenada e transportada a forma com iremos obtemos a energia necessária é importantíssima, não esquecendo a maneira a consumimos.
          Por exemplo a energia de origem fóssil já têm todos os custo das outras fontes renováveis, produção, exploração, etc, mas só o transporte e a transformação dela e os resíduos que cria são brutais comparado com a produção de energia eléctrica através das fontes renováveis, já para não falar da poluição da própria queima.
          Agora se todos os habitantes do planeta quiserem consumir o que estamos habituados a consumir nos países ditos desenvolvido/poluidores ou se todos os habitantes do planeta quiserem ter carro de um tecnologia do passado ou se os iluminados continuarem a ir às conferencias do clima nos seus Jatos privados, claro que nem três planetas como a nossa Terra chegam.
          Estamos preparados para consumir menos?
          Queremos que o chamado desenvolvimento ou crescimento económico continue assente no aumento cada vez maior do consumo?
          Parece-me que não, mas mesmo usado uma tecnologia mais eficiente será suficiente para evitarmos a extinção do ser humano em menos de 100 anos?
          Os poucos animais mais resistentes que sobreviverem agradecem.
          A própria Natureza ira fazer o seu papel como fez com outras extinções em massa que já aconteceram.

    • CMatomic says:

      “o hidrogénio” são veículos elétricos a hidrogénio, com todos os vícios mercantis dos combustíveis fosseis .
      Já o 100 % elétrico pode não estar dependente de uma rede de distribuição de energia para o podermos os carregar.

    • Dani Silva says:

      Hidrogénio é ainda pior a nível de preço para encher o depósito…

      E não dá para encher em casa…

    • Nuno Moura says:

      O hidrogénio tem um senão no meu ponto de vista. É que o consumidor fica na mesma dependente dos lóbis económicos como hoje acontece com a indústria do petróleo.
      A energia elétrica sempre existe um maior número de possibilidades, como por exemplo a auto-produção ou mesmo a integração de painéis solares nas próprias viaturas .

  10. TT says:

    Só agora é que descobriram a banha da cobra que são os carros eléctricos? Ahahahah =)

    • Paulo Santos says:

      Que banha da cobra? Depende.
      No meu caso, ao final de 2 anos e 137k, já compensou. Em cada 100km poupo 7 euros e revisões 0.
      Carregamento? Em casa, caso contrário (e aí concordo consigo) o consumo acaba por ser equivalente aos combustíveis.

      • Mais1ComentarioCensurado says:

        Com certeza que depende, mas os carregamentos em casa? Isso é só para quem pode!
        O preço das casas em Lisboa e outras grandes cidades, são o que são, com garagem, pior ainda.
        E é nas cidades onde o carro eletrico faz mais sentido.

        Essa dependencia tende mais para uma banha da cobra.

      • Luís Costa says:

        Claro.. como Portugal é um país onde todos são ricos, ter uma casa é como ter um par de cuecas.. maioria vive em apartamentos por isso os elétricos nunca serão uma solução fácil

    • Joao Campos says:

      Um elétrico é espetacular, pena é custar dinheiro. O ambiente também agradece.

  11. Jota says:

    O que se passa é que no mercado onde estiveram a Galp e a EDP, seja que mercado for, é para chular os portugueses!

    • Eu says:

      Exatamente. O problema não está nos elétricos. Está nas empresas que gerem.
      Se a Brisa entra no negócio (talvez já tenha) aí está mesmo tudo lixado…

  12. Secadegas says:

    Tirando o respirar que por enquanto é de borla, qual é a coisa em Portugal em que as taxas e impostos não são 50% ou mais? VOTA PS!!!

    • Manuel Costa says:

      Vai à França, esse ícone de ouro do populismo social democrata.
      Não te assustes quando te pedirem 980 euros para estacionares o carro, por 2 horas, num parque de um centro comercial para carregares a bateria… é o preço base de 3 das empresas francesas que o disponibilizam.

      • Tonheco says:

        Verdade, para comprovar basta ver os milhares de Franceses, Ingleses, Belgas, suiços, Alemães, Italianos, Espanhóis, Suecos, Filandeses, Noruegueses, Irlandeses, Luxamburgueses…..que chegam todos os anos para trabalhar e fazer vida em Portugal.

  13. Joao Miguel Carvalho says:

    É uma pena que neste país, só os ordenados não estejam “em linha com a europa”…

    • Há cada gajo says:

      Esse discurso é demagógico. Claro que não tens os ordenados em linha com a Europa como também não tens o custo de vida em linha com a Europa. Tudo é relativo e não podes olhar só para o que se ganha.

      • Tonheco says:

        Custo de vida em Portugal é maior do que na maioria dos países da europa com salários superiores. habitação carissima, carros do mais caro que há, impostos até dizer chega, scuts, portagens, combustível….Temos o melhor de dois mundos, salários de pobres e impostos de ricos.

        • Manuel Costa says:

          Não vás trabalhar para o estrangeiro… vais apanhar uma hiper mega desilusão.
          Bremen: arrendamento de um t1 por 3 anos, 1934 euros mensais mais 442 para despesas; cartão de estacionamento no silo ao lado da empresa, por 28 dias, 294 euros; refeições em restaurantes de pequena monta: 36 euros por pessoa; bebidas é que é mais barato que em Portugal. Transportes públicos, ficaram mais baratos nestes 2 anos, mesmo assim precisas de pagar 190 euros pelo cartão de passagem, por 2 anos.

        • Há cada gajo says:

          Isso não é verdade, por mais que isso te custe. Numa lista de 41 países da Europa, Portugal ocupa o 23ª lugar. Claro que a lista é encabeçada pela Suíça.

      • Luís Costa says:

        Realmente quando vens aqui dizes cada baboseira que fico estupefacto! Somos dos países com mais carga fiscal, poder de compra é sempre a descer até ao abismo, combustíveis dos mais caros da Europa e vens tu dizer que o nosso custo de vida é baixo? Tu bebes uns copos de vinho logo de manhã não bebes?

        • Há cada gajo says:

          Tu cospes no prato em que comes. Vives num cantinho priveligiado e não lhe dás valor nenhum. Dizes disparates atrás de disparates só porque ouves os outros dizer e porque não tens experiencia alguma. A carga fiscal em Portugal é a 14ª a nivel dos paises da UE, abaixo da média da UE e abaixo da média da Zona Euro. Quanto ao custo de vida, lê o meu comentário mais acima. Não espero que me agradeças pela informação ou melhor, pelo “banho de realidade” tal a tua má educação.

          • Tonheco says:

            Carga fiscal direta ou indirecta?
            Mas tens razão, a comprovar é ver os milhares de Franceses, Ingleses, Belgas, suiços, Alemães, Italianos, Espanhóis, Suecos, Filandeses, Noruegueses, Irlandeses, Luxamburgueses…..que chegam todos os anos para trabalhar e fazer vida em Portugal.

          • Luis says:

            Para de dizer baboseiras.. novamente queres ver dados vai aqui “Taxing Wages 2021”, Portugal tem a 7 carga fiscal da UE, dizeres que não está nas mais altas quando de 27 países está na 7 posição é mesmo de alguém que “ouve” números no covil socialista.. além disto os impostos sobre os bens são também dos mais altos da Europa, ou seja, o custo de vida é astronómico para o cidadão português

          • Há cada gajo says:

            Logo vi que só estás aqui para lançar confusão e baralhar. Confundes carga fiscal com impostos sobre os rendimentos. Confundes impostos sobre os bens com custo de vida. é muita confusão em poucas palavras. Diz muito sobre ti pois a seguir optas pelo insulto fácil ao invés de querer a verdade. Passa bem.

          • Há cada gajo says:

            Tonheco, carga fiscal é um conceito único. Depois tens é impostos diretos e impostos indiretos. Mas sim, o teu raciocínio tá correto. Todos esses nacionais optam por vir trabalhar para Portugal quando podem pois o pais não tem um mercado de trabalho como outros, mas quando chegam à idade da reforma ou perto disso é vê-los a comprar casas em Lisboa, no Porto ou no Algarve. Pedem cá os empréstimos para comprar casa, entram com uma boa fatia e depois é viver o resto da vida cá com os rendimentos de lá. Ou tambem achas que eles vem para cá só pelo sol ?

  14. Tonheco says:

    Quer dizer, em vez de me incentivarem a mudar para eléctrico, cada vez mais me dão razões para manter o meu 1.6 diesel FAP/EGR off!
    Nada é mais importante que o dinheiro, metam isso na cabeça. O dinheiro vai estar sempre á frente de emissões, poluição, sustentabilidade, etc… As pessoas de classe baixa (e agora média) têm como prioridade sustentar a si e a sua família, não emissões e Gretas desta vida.

  15. FreakOnALeash says:

    Portugal precisa de uma central nuclear para suprir as necessidades da transição de do parque automóvel a combustíveis fósseis para veículos elétricos…seria também um forma de baixar a tarifa…por mim podem construir ao lado de onde moro. Os avanços tecnológicos da energia nuclear derivada de fissão tornam esta cada vez mais segura, mais eficiente, menos dependente de recursos hídricos, com manutenção mais simples e a gerar cada vez menos material radioativo. No entanto duvido que nestas eleições algum dos partidos traga esta ideia à baila. É pena!

  16. Bugs Bunny says:

    Faz sentido! estão a pagar a energia e a ocupação de espaço como se fosse um parqueamento! boa ideia, desde que o princípio do utilizador pagador seja respeitado, força com isso!

    • Há cada gajo says:

      E um gajo não faz mais nada senão adorar o rico popó eletrico que leva o tempo “agarrado” à ficha ! Tenham paciência. Quando o carro elétrico for ao preço dos atuais ou mais barato e com tempos de carregamento inferiores a 15 minutos, passam a ser opção.

  17. mm says:

    Epa.
    Quando fizerem comparações com preços de outros paises, façam também a comparação do salário minimo de cada país.
    Depois o assunto/noticia passa a ser séria.

  18. Xico says:

    Quando o número de veículos elétricos chegar perto da cota dos 50%do parque automóvel
    Nem 50€ vai chegar para carregar a bateria

    • Tonheco says:

      Morte e impostos são coisas certas da vida.
      Seja electricidade, hidrogénio ou gasolina, uma coisa é certa, a facturação de impostos será para manter e o preço de carregamento/depósito terá sempre uma conta alta para o consumidor final.
      Por isso estou-se nas tintas para electricos ou hidrogénio de momento. Quero algo que me sirva, o mais barato possível. Apenas diesel e GPL me satisfazem.

  19. Pedro Fernandes says:

    😉 Aiiii Costa no seu melhor dá com uma mão e tira com a outra, lá diz a velha frase…… ohhhh Abreu dá cá o meu.

    Cheira-me que o tempo da Vela está a voltar 😀

  20. O Gajo says:

    Eu acho que há aqui muita gente mal informada ou simplesmente não se quer informar.
    O exemplo aqui no artigo não pode ser visto como generalista, se pode acontecer o que lhe aconteceu? Pode, para quem não tem cuidado nem faz o planeamento adequado.

    Vou dar aqui o meu exemplo (serve apenas para isso, dar um exemplo, cada caso é um caso e têm que se adaptar a ele).
    – Tinha dois carros a combustão, o meu e da minha esposa, não vivo num local urbano por isso a minha esposa tem que ir trabalhar no carro todos os dias. Eu trabalho em casa mas tenho que ir uma vez por semana a Lisboa ao escritório, sou do norte, uma viagem mais ou menos de 800km (ida e volta)
    – Com isto por mês estava a gastar mensalmente 500 / 600€ em combustível, por isso tinha que fazer alguma coisa para mudar, porque o facto de conseguir pagar não quer dizer que faça sentido.
    – Decidimos livrar-nos dos nossos carros e comprar um carro elétrico e uma mota, que desse para fazer as nossas viagens por aqui e para o trabalho e meter painéis solares com baterias em casa.
    – O investimento foi assustador ao inicio mas rapidamente deu para ver que compensava a longo prazo.
    – Falando nas despesas para deslocar passei de 500 / 600€ para 100/150€ (muito por causa dos painéis solares, o carro carrega praticamente de graça em casa), com o restante dinheiro estou a pagar o investimento que fiz em casa e nos veículos.

    Não me quero alongar muito mais, mas o que quero dizer é que não é só comprar um carro elétrico e está feito, é preciso mudar a mentalidade e fazer algumas alterações na nossa vida, eu agora sei que tenho que sair 30min mais cedo de casa para ir a Lisboa porque sei que preciso parar a meio para dar uma carga de 15/20min e seguir viagem.
    Tenho que planear todas as viagens que faço antes de sair, muito mais que antes. Tenho que saber onde parar e por quanto tempo. Tento fugir dos carregadores públicos e quando carrego neles vou ao miio para ver qual o CEME que me fica mais barato. Sei muito bem que há muita gente que ainda não pode mudar de carro a combustão para outra tecnologia, ainda não é viável, a esses não lhes vou dizer para mudarem. A ideia é parar para pensar e ver se no nosso caso realmente faz sentido.

    Quanto ao retorno do meu investimento, não consigo prever uma data porque ainda não tive um ciclo de 1 ano para poder fazer o cálculo. Mas o que me foi dito por quem já tinha o mesmo sistema é que de inverno produz 1/3 da energia comparada com o Verão. Se assim for realmente em 6 / 7 anos tenho o investimento pago (muito antes das garantias acabarem).

    Sejam felizes e não vale a pena se andarem a “matar” só porque têm ideias diferentes.

    • Miguel says:

      Nem toda a gente consegue ter casa, muito menos paineis solares em casa.
      Ninguém quer ter de planear e escolher postos de carregamento e tempos de carregamento em funçao das taxas.
      Não digo que o carro electrico não seja uma boa opção, para ti penso que foi, mas não será para todos. É apenas o que peço que percebam.

      • O Gajo says:

        Como disse, cada caso é um caso…

        • Miguel says:

          Parabéns pela abertura e visão!
          Neste momento conduzo mota, porque os transportes cá não são bons e demoro perto de 1h a fazer o percurso que demoro 12 min de mota.
          Ainda por cima tenho feito trabalho remoto, por isso estou bem ciente que tenho contribuído para um mundo mais ecológico.
          No entanto já testei o Leaf da Nissan, neste momento não me sai em conta até pelas condições da minha habitação.
          Era bom no futuro mudar as limitações e fazer sentido, vamos ver. Por agora mantenho o meu velhinho de gasolina de 1998 que anda apenas quando chove

      • Zé Fonseca A. says:

        Tendo em conta que ao trabalhar para Lisboa deve auferir uns 3k-5k e deve viver em meio rural onde dificilmente os ordenados ultrapassam 1k, torna-se facil e vantajoso ter casa e com paineis solares.
        Mesmo assim, se estivesse nessa situação mais depressa me mudaria para Lisboa ou arranjaria forma de a empresa participar nos custos de deslocação.

        • Miguel says:

          Porreiro pá, também vives no mundo onde o Jovem recebe 2700 euros?

          • Zé Fonseca A. says:

            Se for jovem de 25 talvez não, mas jovem de 30 que em Lisboa não no minimo 3k não está a viver, está a sobreviver.

        • O Gajo says:

          Não tenho esse ordenado liquido, mas somos dois a ganhar em casa não sou sozinho. Ganho acima da média e felizmente não me posso queixar. Dai dizer sempre que no meu caso se justifica tudo isto.

          A empresa ajuda nas despesas de deslocações. Mas já antes destas alterações todas ajudava.

          Não me mudo para Lisboa porque já lá estive e prefiro ter outra qualidade de vida que lá não consigo ter. As crianças agradecem.

          É juntar os prós e contras e ver para que lado pende. No meu caso há mais prós estar no meio do campo sem grandes chatices nem confusões. Tendo esta oprtunidade e facilidade foi de aproveitar.

    • Dani Silva says:

      Excelente comentário!!!

    • lapizazul says:

      Do norte a Lisboa podes ir de comboio que é mais barato…

      • O Gajo says:

        O norte do pais não são cidades grandes com comboio à porta, de onde vivo até à estação de comboio mais próxima com IC ou AP são 70Km (140 ir e vir), tenho que me restringir aos horários que existem que para mim é impossivél porque nunca tenho horário fixo quando vou a Lisboa e para além que preciso de me deslocar várias vezes em Lisboa para ir a clientes, não é de todo viavél para mim, já tentei acredita.

        Se conseguisse ir de comboio para mim era o ideal, pelo menos conseguia descansar nas viagens também.

        Por isso reforço o que tenho dito, cada caso é um caso e é isso que quero evidenciar aqui.

    • Manuel Costa says:

      Para quem mora em prédios é impossível.
      No prédio onde tenho casa, foi pensado em colocar o telhado do último piso em painéis solares e disponibilizar 2 carregadores para automóveis na entrada do prédio. O investimento eram 630000 euros mais as obras para colocar o carregador. Ora pagam-se 915 euros mensais de energia eléctrica para os elevadores e para as luzes, era incomportável avançar por aí.
      Numa vivenda já é diferente. 14000 euros para painéis solares e estruturas, aproveitar o final do dia e o amanhecer para carregar as baterias. Por mais 72000 euros é possível ter baterias que permitem carregar as do carro durante a noite sem recorrer à rede. Não é comportável para a maioria das famílias portuguesas…

      • O Gajo says:

        Concordo a 100%, ai é que está o problema, deveriam existir bem mais icentivos para que a tranzição fosse mais suave para todos.

        Usando os impostos absurodos que os combustiveis fosseis têm e usando-os onde se deveria mesmo (na transição) as coisas com o tempo acabavam por melhorar para todos.

      • Zé Fonseca A. says:

        Não sei onde foste buscar esses valores, em casa tenho paineis solares + LG Chem e o investimento foi na casa dos 30k. 14k para paineis solares? isso não é uma vivenda, isso é para um hotel, precisas de ver outros fornecedores. Eu para 10Kw dei cerca de 7k, e 20k para o LG Chem, o resto foi materiais e mão de obra.
        Para quem for pobre tem kits de 1000W com paineis solares + baterias por 4k no leroy merlin.
        Aqui como tenho 5 ACs, arcas, domotica, cctv, bomba calor + limpeza piscina é que precisei de 10KW, maioria das pessoas não precisa de tanto.

        • Tonheco says:

          Quem tem isso tudo não perde tempo com painéis solares.

          • O Gajo says:

            E porque não? Lá por se ter dinheiro não quer dizer que o tenha que gastar onde não há necessidade, havendo a possibilidade de por a conta da luz muito mais baixa porque é que não se haveria de fazer?

            A riqueza não está no que se ganha, está no que se lucra, diminuir custos é uma forma de aumenter lucros.

          • Zé Fonseca A. says:

            Porque não? Pagava 200€ de energia por mês, hoje raramente pago acima de 20€.
            Além disso já ando a investigar turbinas eolicas residenciais e purificadores de água.
            Sou off-grid enthusiast, não o faço pela poupança que tenho, mas verdade seja dita o investimento paga-se rapidamente.

    • Há cada gajo says:

      Mesmo a 2€/litro gostava que explicasses aqui a todos como é que gastas (gastavas) 300 litros de gasolina por mês.

      • Paulo Santos says:

        Não é difícil. Eu como faço 7500 km por mês gastava bem mais que isso. Em gasóleo e quando ele estava a 1,3-1,4

      • O Gajo says:

        Fazemos cá em casa uma média de 5000Km mensais. provavelmente um pouco mais.
        carros a gastar +/- 6.5l/100km, preço do gasoleio no momento anda à volta de 1.7/l. É fazer as contas.

        • Há cada gajo says:

          Desculpa, mas acho esses números exagerados.

          • O Gajo says:

            E estás no teu direito de achar, mas era a realidade e não há como alterar isso.

            A necessidade de fazer esses Km’s todos mensamelte existe e não há muito a fazer contra isso. O que pode ser feito é tentar minimizar os custos dessas deslocações, foi isso que tentamos fazer cá em casa, e em pouco mais de 6 meses tem resultado. Se vai resultar para sempre só tempo dirá.

    • wtvlol says:

      …e daqui a 7-10 anos tens de mudar a bateria e depois? O carro vale quase ZERO.
      Parabéns, grande compra rapaz!

      • O Gajo says:

        Olha, eu não sou especialista na matéria e não sei se és ou não. Mas a minha compra foi baseada naquilo que fui lendo e estudando sobre a matéria. Não na opinião de outros que acham que têm a razão toda do seu lado.

        Há baterias que têm problemas ao fim de 100000Km, como há moteres a combustão que também lhes acontece o mesmo. Não generalizes e venhas cá disparar para todos os lados só porque não concordas.

        Tás no teu dreito de não concordares e de não o fazer, só não critiques quem o faz porque eu também não critico quem não o faz.

        Mas sobre isso do desgaste das baterias.o que te posso dizer sobre o que li é que por estudos feitos a vários tipos de baterias usadas em várias marcas de carros é que as baterias sim perdem autonomia com o passar do tempo, mas tamém dizem que duram mais tempo do que a vida útil do carro. Se é verdade, como já respondi em outros comentários, só o tempo dirá.

        Se tens uma má experiencia com isso podes dar o teu exemplo e dar uma opinião construtiva em vez de vir aqui dizer isso só porque sim.

        Fica bem.

        • Coisotal says:

          Se são as baterias 18650, que muitos fabricantes usam, bem que duvido que durem mais que a vida de útil de um carro, a não ser que estimem que a vida dele seja 10 anos.

          Essas 18650 são as baterias utilizadas nas baterias removíveis dos portáteis, aparafusadoras e muito mais.
          A durabilidade delas depende da idade e do seu uso (determinado por ciclos de carga que são limitados).

          Essas baterias não devem durar mais 8 anos no máximo, pois o lítio degrada-se com cada carga e com o tempo.
          E depois, lá vai toda a poupança que se fez durante esses anos todos para comprar uma nova bateria e depois também é a desvalorização do carro.
          Será que alguém quer comprar um carro elétrico usado ou vai querer novo? Tudo depende do que vai compensar mais, mas quem compra hoje elétrico, habilita-se a daqui a 10 anos, ter um carro que nem 500€ vale

          Eu acho que os elétricos são um grande potencial sem dúvida para o futuro, mas a tecnologia atual, acho que precisa ser muito melhorada.
          De elétrico, hoje só as scooters elétricas é que realmente estão bastante bem e compensam.

          • O Gajo says:

            Pelo que sei neste momento estão a ser usadas baterias 2170, e já estão a ser testadas as 4680 com maior alcance e menor custo de fabrico. Exatemente como disseste. as coisas estão a evoluir.
            Tenho quase a certeza que se isto continuar a evoluir da forma que tem vindo a evoluir daqui a 8 / 10 anos o preço delas vai ser bem mais baratas. podendo mudar sem grandes preocupações.

          • Coisotal says:

            Exato, esperemos que sim

    • Vrael says:

      Isso é tudo muito giro mas quantas pessoas podem pagar painéis solares e outros investimentos como fizeste?! Depois tu vais a Lisboa uma vez por outra e consegues planear as coisas, o que nao quer dizer que outras pessoas o possam fazer ou tenham a paciência de ir agora ver cada estação de carregamento. Depois ha questão das pessoas que vivem em predios sem garagem, é impossível perder 3h a carregar um carro fora de casa sim porque se for em 40min pagas 50/60€…Carros eletricos estão no início, é preciso outro tipo de baterias e outro tipo de carregamento que permita carregamentos em 5/10min no maximo sem pagar um balurdio. Por enquanto fico com o diesil

  21. TiGaSPT says:

    Que venha o hidrogênio e os combustíveis sintéticos, eu sempre disse que os eléctricos nunca vao ser o futuro, e aqui ta a prova, e ainda me chamam de velho do restelo. A malta vai toda em modas e depois esquece-se do que ta aqui dito

  22. Elton says:

    O. Gajo depois de 7 anos recupera o investimento só que depois no oitavo ano tem de desembolsar 8000€ para uma bateria nova.

    • O Gajo says:

      1º as baterias de casa têm 10 anos de garantia, as do carro sim tem 8 anos ou 192000 Km.
      2º Nos meus carros a combustão em 10 anos gastei perto de 10000€ em manutencções e avarias mecanicas.
      3ª Isso das baterias ao fim dos 8 anos darem o berro é muito imprevisivél, Tanto pode acontecer como não, estou inclinado para acreditar que não. mas se acontecer o retorno dessas baterias novas é facil de alcançar. O tempo dirá, fiz a minha opção e estou contente com ela, assim que vir que foi mau investimento estarei cá para me retratar.

      • Miguel says:

        Bem visto o ponto 2.
        Esse é na realidade um valor aceitável para um carro comum, o meu por ser mais antigo é mais barato, mas média de 1000€ por ano é aceitável em carros mais novos onde basta ter um problema 1 ou 2 vezes durante os 10 an anos para a media subir bastante.
        Quanto à manutenção de electricos já soube os valores anuais da Nissan, mas esqueci… São mais baratos, mas fico na dúvida se no percurso dos 10 também não existam problemas para além do desgaste do material consumível (travões p ex) o que tb pode subir a média

        • O Gajo says:

          No meu caso não existem manutenções anuais programadas, Existe sim a necessidade de verificar o filtro do habitaculo e oleo dos travoes, mas sem a obrigatoriedade de mudar todos os anos.
          Quanto a desgaste dos travões é muito menor porque nos eletricos (penso que em grande maioria deles) existe a travagem regenerativa que te permite apenas usar o pedal do aceleador para conduzir. Retirando o pé do acelerador o carro “trava” com os motores carregando as baterias e pára o carro. Travão só mesmo em algumas situações que seja preciso travar mais rapidamente. É preciso uma curva de habituação ao sistema mas nada de especial.

          De resto são as despesas normis, pneus e uma ou outra coisa que possa aparecer como em qualquer outro carro.

          • Miguel says:

            Não está mau então, quanto aos travões, aqui temos terreno montanhoso e usamos sempre a caixa para travar, por isso tb faço boas kilometragens com eles, duram bastante, penso que mais ou menos igual

      • Há cada gajo says:

        Gostava de perceber como gastas 1000€ por ano em manutenção dos carros.

        • O Gajo says:

          Só para te dar um exemplo básico, a última fatura que tenho da Mercedes numa revisão dita normal gastei 450€, mudar filtros oleo e mais umas coisas + mao de obra. isso * 2 carros não é dificil de alcançar. Para não falar que precisei mudar os injectores há uns anos que foi à volta de 3000€.

          E sim tinha bons carros e de marcas caras e sempre fiz revisões na marca, sei muito bem que há sitios mais baratos e marcas mais baratas, mas eu sempre quis fazer na marca o que no final foi bom que valorizou os carros.

          Opções.

          • Há cada gajo says:

            Ok, tens uma situação excecional, como foi a mudança de injectores. Ainda assim é muito em manutenção. Também tenho dois carros de marcas caras e também faço a manutenção nas marcas e o custo global da manutenção das duas viaturas está a léguas desse teu número.

          • Tonheco says:

            450 euros para 70 euros de Material! Depois dizem que as revisões são carissimas….Mudem de oficina.

          • O Gajo says:

            Tonheco, Mas eu não me estou a queixar de nada, apenas a responder ao que me perguntaram. Não estou a dizer para fazerem o que eu faço ou eu é que estou certo, apenas a mostrar a minha realidade das coisas e como é óbvio cada um faz o que acha melhor para a sua carteira e que se sinta bem com isso…

          • Vrael says:

            Num Mercedes e na Mercedes é normalissimo, o pessoal adora comprar BMW e Mercedes e depois pagam peças de luxo, nao estou a dizer que é o caso ou que nao consiga suportar esses custos, mas carros caros=manutenção cara. Num carro normal de família por ano 500€ ou menos excepto se houver uma avaria claro, mas em media deve andar entre esses valores depende também da idade do carro e do uso, no meu Citroen C1 a manutenção do ano passado foi apenas a revisão normal nao se gastou mais nada no carro, mas no ano anterior precisou de uma bateria 200€, mas nunca passou desses valores em peças e não o levo à citroen

          • O Gajo says:

            Vrael, quem compra deveria saber no que está a meter. Tens razão. Eu sabia que ia ser assim porque já não me era novidade nenhuma.

        • FAR says:

          Com um carro de gama média se adicionar à manutenção normal anual um ou dois problemas “chatos” a média sobe o suficiente para esses gastos à vontade.

          Não € que se gaste num clio de 2000, mesmo estando todo “roto”, obviamente.

          • Miguel says:

            Claro, no meu Micra de 98 eu faço a revisão em casa, com oléos, filtros e velas por cerca de 45€ / 50€ anual (a cada 10000 kms, o que para mim costuma até ser mais de um ano)

  23. Manuel Costa says:

    A maioria dos utilizadores de eléctricos não leram as informações dos cartões de carregamento… daí as queixas sobre as facturas. Além de que as empresas, que estão a montar os carregadores, estão a cobrir as despesas e os seguros contra vandalismo, que disparam mais de 19000% neste
    último ano e meio, devido à destruição realizada, principalmente, por grupos de jovens. Partirem um carregador são mais de 20000 euros de prejuízo e a justiça não os faz pagar o que destroem.

  24. eu says:

    13,25 € + horas (ou muitos minutos) para carregar um carro eletrico que custa muito mais e que tem o risco da bateria ficar viciada e a sua reparação faz cair o desconto no combustível.

    GPL = 25,00 € + 4-5 minutos e tenho o depósito atestado e provavelmente faço mais kms com o mesmo depósito.
    Nunca vou ter de mudar uma bateria e o carro custa quase tanto como um carro a gasolina.

    Coisas da vida.

    • Paulo Santos says:

      Mas o Gás também não está a subir?
      E se o elétrico tem limitações, o GPL também não tem, como por exemplo na maioria dos estacionamentos?
      Vantagens e desvantagens todos têm. E que é uma desvantagem para uns, pode não ser para outros.

      • Sujeito says:

        O Gpl sobe e desce, mas as oscilações não se comparam com as de outros combustíveis.
        Além disso, “também” estar a subir não significa nada se os outros também sobem.

        O Gpl pode estacionar onde quiseres. Essa treta de proibições a estacionar é uma coisa tuga e que já se ultrapassou. Desde que pagues, claro.

  25. ALC says:

    Há que começar é a fazer as contas (além do preço do carro, claro), aos carregamentos… Galp’s e Edp’s já descobriram o filão…
    ( energia+tempo de carregamento+taxas), daqui a 1 ano está ao preço dos combustíveis!
    … Ah e tal, carrega-se em casa. Ok, para quem utiliza o carro todos os dias e que faça uns 150km, se quiser ter 80/100% de carga, de manhã, terá que ter uma box 22 ou 32kw e ter baixada trifásica (já viram o preço desta?).

    • Ricardo Silva says:

      Realmente há gente de que só asneiras, mas da forma “convincente” em que fazem afirmações, até parece que percebem alguma coisa do assunto….

  26. wtvlol says:

    Esta malta fanática por eléctricos/ElonMuskCharlatão ainda vai pedir de joelhos para os carros a combustão voltarem!
    Quando os impostos começarem a apertar perdem logo o interesse nos EVs.
    Temos pena! Foram avisados vezes sem conta antes!

    E daqui a várias decadas descobre-se que afinal os EVs ainda criam mais lixo electrónico. Oh really?
    Os países de terceiro mundo para onde vai o lixo agradecem…

    • Ricardo Silva says:

      Parabéns, mostras mesmo uma grande preocupação pelo próximo! Só desejo que sejas feliz com o teu carro a combustão e que aproveites bem os preços dos combustiveis, já que não me parece que consigas ver muito mais além disso…. Espera afinal também percebes de lixo electrónico, deve estar a escrever através de sinais de fumo, como outro que comentou neste tópico e devias também usar os fumos do tubo de escape do teu fumarolas para “ambientar” o interior do habitáculo, era um favor que fazias aos peões das estradas onde circulas.

  27. Sujeito says:

    Não são taxas. São impostos. Palavras diferentes para coisas diferentes.

  28. Ricardo Silva says:

    Mais um artigo a espalhar a desinformação e a dar voz ao “coitadinhos” que são apanhados pelo sistema. Vão fazer alguma coisa de positivo e explicar o porquê deste carregamento ter custado 57€? E já agora porque é que um Porche demora 40min a carregar 49 kWh neste posto, quando o pederia ter feito por 18min? Isso sim seria uma noticia com algum valor.

  29. Rafael says:

    Esta coisa dos Elétricos é de facto um grande negócio que por aí vai…. Tudo fachada! E mais nem digo. De facto a Toyota em querer avançar com os carro a Hidrogénio… Devia era de haver mais investimento nisso porque inicialmente será o futuro.

    Ou então o porquê de não investirem nos Combustíveis Sintéticos que já estão fazendo na Fórmula 1? É tudo para o bem do ambiente é… Bem da carteira!

    Não caiam nesse esquema dos elétricos. É tudo muito bonito, mas é só para inglês ver.

    • Milhais says:

      O hidrogenio tera o seu lugar, mas nao sera para o carro privado mas sim industria pesada, avioes e barcos. Marcas como a Hyundai que a par com a Toyota sao das que mais investem em hidrogenio dizem isso. Porque se te estas a queixar do preco da energia eletrica, como achas que e feito o hidrogenio verde? Aconselho o pessoal a ir ver os rendimentos baixos que o hidrogenio tem e ficaram a perceber o porque de carros a hidrogenios nao serem escolha.

    • Ricardo Silva says:

      Mais não dizes, porque não percebes nada do assunto, nem sequer percebes o mundo onde vives e aquilo que o rodeia.

  30. Abiper says:

    O problema principal é a inexistência do custo no carregador ( tabela de preços), o que para mim é ilegal.

    • Ricardo Silva says:

      Não é bem assim, no posto está SEMPRE indicado o custo do postos, falta o custa da energia porque a lei estabelece que o utilizador faça um contrato com um comercializar de energia, exactamente igual às casas. (Pode até existir uma fatura única).
      Não há qualquer ilegalidade, mas é verdade que não é a situação ideal e está longe de ser simples.

  31. Jon says:

    Hehehe então vocês pensaram que iam comprar um carro a pilhas e não iam pagar a dobrar ou iam fugir a seringa
    Estamos em Portugal lembram se??

  32. Ana says:

    Ou seja, só quem tem dinheiro para ter uma casa com garagem pode ter um carro elétrico. Quem tem que estacionar na rua, não tem direito a ter carro elétrico. Tem, então, que continuar a poluir a atmosfera com combustíveis fósseis

    • Ricardo Silva says:

      Não.
      O exemplo dado, apesar de ser excelente e um modelo (VE+Paineis+baterias) a seguir por quem pode, não impede que quem não tenho esse dinheiro para investir, não possa adquerir um VE usado em função das suas posses , estacionar na rua e carregar no emprego, em casa de um familiar, num restaurante ou hotel sem pagar nada (ou pagando muito pouco, como qualquer outra pessoa que tem garagem).
      Mesmo para aqueles que quiserem comparar VE sem depender de terceiros, podem carregar na rede publica a 0,3€-0,4€ o kWh o que pode permitir fazer 100km por 4,5€-6€.
      Pode também recorer a resdes privadas (como o Continente) pagar 3€ para fazer 100km, ou que quase rivaliza com o carregamento em casa.

      • Miguel says:

        O problema é que a larga maioria não quer pensar / planear onde vai carregar o carro em função da carga ou velocidade de carga como forma a ter um melhor preço, quando o carregamento demora bastante.

        • Ricardo Silva says:

          Aquilo que indiquei indiquei é o que é possivel obter para carregamentos rápidos e lentos, depois cada um escolhe o que mais lhe interessa.
          Isso de ser problema é simples, não compra VE.
          Devem é depois estar “calados” e começar com a falar daquilo que não sabem e continura a “disfurtar” do combustivel a quase 2€ o litro, uma vez que ver mais além é escusado pedir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.