PplWare Mobile

Portugal: Por cada 100 carros vendidos 5 já são elétricos


Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

27 Respostas

  1. Tiago Vala says:

    Elétricos ou híbridos ???

    Sabem as diferenças certo ?

    • Dani says:

      Híbridos plug-in não são o mesmo que simplesmente híbridos. Têm uma bateria maior, que pode ser carregada separadamente, o que os permite fazer alguns quilómetros em modo totalmente eléctrico (entre 30km a 80km consoante o modelo)

  2. miguel says:

    É o futuro para quem faz menos de 100Km dia, neste momento já compensa ter um carro destes, temos um pais com bastante sol que pode ser usado para gerar a sua própria energia.

    Mas do que isto ainda não é solução, mas acredito que mais de 70% dos utilizadores que tem carro na gaagem não fazem mais de 100km dia.

    • miguel says:

      *Mais do que isto ainda não é solução (100km dia)!

    • celso says:

      Sim, no meu caso, faço 30 km por dia (ida e volta) para o trabalho e a minha mulher faz cerca de +ou- 100km.
      Para mim, mesmo que tenha que comprar baterias ao fim de 10 anos, só o que a minha mulher gasta de gasóleo por mês (+ ou – 220€), compensa e bem. Menos manutenções, menos barulho, fumos. Sem esquecer o estacionamento gratuito.

  3. Rui says:

    E apostarem no hidrogénio? e em meios de produção dele? Para baixar o preço… Isso sim…

    • Nuno Manuel Nogueira Afonso says:

      Concordo 100%, para além do custo ambiental da reciclagem das baterias.

    • Telmo M. says:

      O hidrogénio tem tudo para ser mais caro que os carros 100% a bateria. Para além disso, os carros a hidrogénio também têm uma bateria (relativamente) grande.

      • Kekes says:

        Mas são uma solução viável e solucionam problemas de armazenamento de energia, pode reduzir a quantidade de carvão necessária só para carregar os carros electricos.

        • Dani says:

          Tens a noção que o hidrogénio não aparece “do ar”, não tens?

          A quantidade de electricidade necessária para gerar hidrogénio de forma limpa (hidrólise) é suficiente para fazer um carro a bateria andar o triplo da distância. Ou seja, carros a hidrogénio são 3x menos eficientes energicamente do que carros com bateria.

          Com carros a hidrogénio o problema da “quantidade de carvão” para gerar electricidade só aumenta ainda mais.
          A não ser que uses o hidrogénio que há no mercado, derivado dos combustíveis, e por isso longe de “zero emissões”.

    • TugAzeiteiro says:

      Basta procurar no google por estudos feitos…. o hidrogénio é menos eficiente do que a eléctrico! Começa logo na produção, passando pelo transporte e armazenamento, etc. onde a eficiência do hidrogénio é mesmo muito má… face à produção de electricidade e seu transporte pela rede já existente, que tem percas muito menores. Em termos patrióticos, claro o hidrogénio funcionaria +/- como a gasolina/diesel, é chegar ao posto de abastecimento e seguir viagem.
      Esta é a razão pela qual o carro a hidrogénio não vingou no mercado… e houve vários carros vendidos em regime de ALD na Califórnia…. no entanto o que é que eles têm cada vez mais por lá? Pois… eléctricos!

    • Paulo says:

      O hidrogénio não é uma solução lógica. Vamos complicar o que já é simples.
      Veículo eléctrico: Utiliza a electricidade para carregar a bateria que depois serve para alimentar o motor.
      Veículo a hidrogénio: É necessário primeiro utilizar electricidade (ou gás natural) para gerar hidrogénio, que depois tem de ser transportado, armazenado e colocado no veículo. Depois é utilizado para gerar electricidade, que é armazenada na bateria, para finalmente alimentar o motor.
      Ou seja:
      Veículo eléctrico: Carregador > Bateria > Controlador > Motor
      Veículo hidrogénio: Depósito > Celula de combustível > Carregador > Bateria > Controlador > Motor
      Mais o desconforto psicológico de saberes que estás a conduzir uma verdadeira Bomba!

    • Joao says:

      Espera… deixa a malta toda comprar carros electricos, descobrir que os electricos são malignos para o planeta e aí então obrigam as pessoas a mudarem de tecnologia. Seja o hidrogenio o qualquer outra. Tal como aconteceu com o diesel.

  4. Pedro says:

    Pelos preços que custam, vou para gasolina ou diesel, novamente. Fui ver algumas ofertas, mas pediam sempre 35.000 para cima com motorizações mais fracas.

    • anon says:

      Talvez daqui a alguns anos arranjas carros elétricos por menos de 10 mil caso contrario ou banem os carros a combustão ou nos países mais pobres nunca vão vingar em massa.

  5. Nuno Manuel Nogueira Afonso says:

    Concordo 100%, para além do custo ambiental da reciclagem das baterias.

  6. Oretoh says:

    E ainda seriam mais se não fossem tão caros ou tão feios…a maioria deles.

  7. marcio dias says:

    a alimentar lobbies industriais…
    “Um grande navio de cruzeiros emite tanto CO2 como 83.678 carros; tantos óxidos de azoto como 421.153 automóveis; tantas partículas como um milhão de veículos; e tanto dióxido de enxofre como 376 milhões de carros!” agora imaginem milhares de navios!!!
    não estaremos a olhar para o lado quando se fala de emissões de gases?
    se tudo virasse eletrico não haveria electricidade suficente para tudo! e o custo (em Co2) para produzir essa electricidade? seja carvão ou fosseis? (exceção das renovaveis que o impacto é pequeno) litio… impactos ambientais exploração (mineração) e custo em Co2? transporte? transformação?
    pois é… lobbies das industrias!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.