PplWare Mobile

Porto: Postos de carregamento passam a ser pagos dentro de 15 dias


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. SANDOKAN 1513 says:

    “1775 euros por ano” ?? Expliquem-me lá isto,por favor,que eu não percebo muito do assunto.Quer dizer,um simples condutor para carregar a bateria do seu automóvel eléctrico paga cerca de 1775 euros por ano ?? 1775 euros ?? Ó meu amigo,mais vale andar a pé. 😐

    • Pedro Pinto says:

      Não é o condutor 😀 É quem vai explorar o Posto de Carregamento Elétrico

      • SANDOKAN 1513 says:

        Obrigado,Pedro Pinto.Eu já estava a ver.Foge… 🙂

      • Alguem says:

        Ok, e se quisermos ter um carregador em casa são 1775 euros por ano?

        • Andre Silva says:

          Está tudo escrito na noticia. Este valor é para o OPC, ou seja o operador de posto de carregamento. Exemplo: Eu quero explorar 10 postos de carregamento no Porto, irei pagar, como “dono” dos postos 1775*10 = 17750 euros /ano á Câmara do Porto.
          O condutor paga o valor por minuto ou por kwh de taxa de utilização do posto.
          Em casa podes ter quantos carregadores quiseres…. desde que tenhas potência disponível, ninguém te diz que não.

          • Alguem says:

            “dono” = que vende o serviço de carregamento

            Eu em casa sou dono, e operador, dos postos de carregamento que eu comprar, mas como não estou a vender a possibilidade de carregarem cá o carro não tenho que pagar os 1775, certo?

        • André Moreira says:

          Não, em casa vais oagar consuante o que gastares, os 1775 são para as pessoas que avmbastecem o carro nas ruas ( aonde até gora têm sido gratuito)

    • Louro says:

      Se houvesse essa hipotese para muita gente nem era mau.

      147Euros/Mes dá para a volta de 91 litros de diesel, se tiveres um carro com médias de 6 (generoso), sao menos de 50km por dia em média.

  2. Vitor says:

    Vamos ver como se vai desenvolver a exploração dos postos…e no fim fazer bem as contas para verificar se fica MUITO mais barato que os combustíveis “normais”!

    • mlopes says:

      os carregamentos domésticos mesmo em tarifas tarifas normais são mais baratos do que os carregamentos públicos.
      com o aumento de número de condominios a disponibilizarem pontos de carregamento nos espaços comuns, de condóminos a instalarem os seus próprios postos em condomínios que não colocam postos comuns e de empresas a instalarem postos de carregamento, os postos públicos passam a ser apenas para as emergências ou deslocações de “longa” distância.
      em tarifa bi-horária o custo é ainda muito menor.
      o maior custo do kw dos postos públicos acaba por ser uma espécie de preço premium tal como se paga pelos combustíveis nas auto estradas

  3. Jose Rodrigues says:

    Tanto andam até ficarmos igual aos dos combustíveis fósseis. É só colocar mais um bocadinho mais de vaselina no buraco para aliviar a dor, que para já é só um bocadinho. Acordem povo ninguém dá nada a ninguém.

  4. Sammy says:

    Começa sempre assim… É tudo fácil, simples e barato (excluindo o valor de um carro eléctrico) depois de colocarem a “cenoura à frente do burro” e vem a surpresa. Quem tem carros eléctricos, tem que sujeitar ao que for imposto, quem ainda não tem fica pelos combustíveis fósseis, transportes ou simplesmente anda a pé? A propósito, a electricidade é gerada de onde? Presumo que seja totalmente de energias renováveis… Sim… Sim…

  5. Christopher Bernardo says:

    Ainda temos a vantagem de carregar em casa…

  6. d4rc says:

    Fazendo contas, ainda que pouco rigorosas, temos qqr coisa como 1775 / numero de horas de um ano…
    Que dá qqr coisa como quase 9centimos por hora.

    Quem quiser rentabilizar isto, sabe que tem que cobrar 9centimos para nao ficar a perder E tem que ter o posto 100% ocupado.

    Num dia normal, se tiver 10horas ocupado (nao sei se é muito ou pouco) ja teria que cobrar quase 50cents por hora… No entanto, será que vamos ver os condutores a pagar(?) por hora ou por blocos de 10min? Haverá desperdícios que impliquem aumento de custos como por exemplo alguem pagar 10min mas deixar o carro la parado 1hora?

    Vamos ver como isto vai funcionar, por acaso tou curioso para ver como se vai desenvolver esta materia..

  7. Oscar says:

    A maioria destes postos de carregamento está no espaço público, em passeios e por vezes em zonas que condicionam o transito (filas de espera na faixa de rodagem).
    E o espaço público é de todos não podem ser explorados por algumas empresas numa lógica pouco transparente e que não beneficia a população geral.
    O mesmo de passa, na minha opinião, com as trotinetes eletricas que estão nos passeios e atrapanham tudo e todos.
    É uma boa medida e deveria ser mais regulamentada.

    • Cortano says:

      “E o espaço público é de todos não podem ser explorados por algumas empresas numa lógica pouco transparente e que não beneficia a população geral.”

      Não podem?!? Mas é o que já existe hoje com o negócio das parquimetros.

  8. Pedro Ferreira says:

    Vai ser interessante ver o valor dos carregamentos a subir. E os respectivos impostos, como seria de esperar. O Estado não vai simplesmente abdicar da maior fonte de receitas e logo agora que está tão gordo. Os carregamentos em casa efectivamente não me parecem a solução. Carros verdadeiramente autonomos, a ver vamos.

    • JoMa says:

      Inteiramente de acordo. Contudo, mesmo sendo completamente autónomos e, portanto, sem necessidade de carregamentos, o Estado terá de ir buscar o valor do imposto, o que obviamente fará; e podem crer que as contas hão-de ser feitas “por cima”. Provavelmente as pessoas ainda irão pagar mais do que pagam actualmente no ISP. Neste momento, quem utilizar menos o automóvel mais poupa no ISP, no entanto, quando chegar a essa altura, poderá não ser bem assim.

    • Cortano says:

      Carregamentos em casa só existem para quem vive em vivenda ou prédios com garagem ou parqueamento privado.

      Tudo o resto (que será a grande maioria de certeza), vai depender de como a rede de abasteciemento publica de EVs vai ser montada.

  9. JoMa says:

    Se alguém pensa que a viragem para o automóvel eléctrico lhe vai trazer grandes benefícios económicos, desengane-se. No início é tudo um mar de rosas, tal como acontece em todos os sectores.
    O ISP é uma grande fatia do bolo, quando se generalizar a utilização dos eléctricos, “eles” terão de ir buscá-la a qualquer outro sítio.

  10. falcaobranco says:

    Um gajo ás 04 da manhã sem bateria…está feito!!! Chama o reboque… 😀 😀

  11. André Moreira says:

    Andaram a incentivar as pessoas a comprar carros elétricos a dizem que tinha imensas vantagens e por ai fora e uma das vantagens era estacionamento gratuito em toda a zona de lisboa (apartir de julho de 2020 vai passar a ser pago também), carregar o carro na rua sem pagar ( vai passar a ser pago novamente)…

    Comprei o meu ontem, ainda bem que estiu a tempo de devolver…

  12. ArrebentaPipas says:

    So mais um bocadinho !! Tanto andam até ficarmos igual aos dos combustíveis fósseis. É só colocar mais um bocadinho mais de vaselina no buraco para aliviar a dor, que para já é só um bocadinho. Acordem povo!! ninguém dá nada a ninguém!

    Rss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.