Quantcast
PplWare Mobile

Europa superará a China como maior produtor de carros elétricos do mundo

                                    
                                

Autor: Ana Sofia


  1. robin says:

    O correcto é a Europa empenhada em destruir milhares de empregos e trabalho por uma cruzada idiota.
    por mim smartphones com rodas não estou interessado em comprar seja o que for, portanto como cliente não me apanham.

    • Toni da Adega says:

      Basta comprar um carro a combustão em 2029 (ou enquanto estiverem à venda) e mantê-lo até ao final da vida.

    • Tekman says:

      Lá porque você alegadamente não usa automóvel (tem a certeza, nem um uberzito?), não implica que o mundo não utilize ou que esse modo de transporte não tenha valor.
      As coisas não giram à nossa volta.

    • TiGaSPT says:

      concordo 100%, ja era tempo desta moda dos EVs desaparecerem

      • FAR says:

        Preocupação ambiental moda? Menos ruido para as habitações perto de estradas movimentadas moda? Muito menos poluição em grandes cidades (como Lisboa) moda? Eliminar a dependência de transporte de petróleo que volta não volta causa catástrofes de proporções terriveis (i.e. derrames nos oceanos) moda?

        Homem… vá lá, um mínimo de bom senso. O mesmo para o ” robin”.

        • Zé Fonseca A. says:

          Falta de bom senso tem quem acredita neste aproveitamento politico e financeiro desta moda.
          Já é mais que sabido que não existem condições tecnologicas nos proximos 50 anos para que os EVs possam ser uma solução, é mais que logico que a unica solução a curto prazo é o hidrogenio verde, que não só tem todas as vantagens dos EVs que referes e ainda outras tantas como a não poluição com extração e “reciclagem” de materias para EVs e suas baterias e o não aumento massivo de consumo energetico para carregar EVs que em mais de 70% das vezes é fossil.

          Deviam informar-se mais sobre o assunto antes de andarem a fazer julgamentos de valor sem noção.

          • TiGaSPT says:

            exactamente isto, ve se aprendes amigo FAR, voces vao tao nas modas que nem param para pensar nas alternativas aos EVs

  2. Ben Hur says:

    Quero ver onde vão arranjar energia e lugares para carregar as pilhas quando 30% da população tiver um EV

    • Grunho says:

      Esse é o problema mais fácil de resolver. Bastava usar metade do petróleo gasto pelos carros a combustão que vão ser substituídos pra haver energia a sobrar pra todo o parque de EVs.

      • David Guerreiro says:

        Não resolve o problema da falta de lugares de carregamento. O tempo de carregamento de um EV não é o mesmo de abastecimento de um veículo de combustão interna. Daí que por exemplo na Noruega já exista muito congestionamento de lugares de carregamento. A tipologia das habitações em Portugal, onde existem muitos prédios, onde muita gente tem o seu automóvel na via pública, vai causar imensos problemas para o carregamento.

        • Vasco says:

          A solução parcial, enquanto a tecnologia de carregamento não evoluir para tempos equivalentes aos de um abastecimento com combustíveis fosseis, é a troca imediata de baterias descarregadas por baterias carregadas em estações de troca rápidas. Até talvez aí esteja uma excelente oportunidade de negócio futuro para os actuais postos de abastecimento. É fácil imaginar todo um modelo de negócio que poderá ser altamente rentável. Desde camiões a trocar baterias a quem ficou parado no meio de uma viagem, a fidelizações, etc, etc. Na China já estão a abrir uns milhares de postos de troca rápida de baterias e cá na Europa quando se aperceberem disso vão rapidamente fazer a mesma coisa. A conveniência neste caso traduz-se em dinheiro. Pessoalmente, não acredito muito que venhamos a ver as ruas todas cheias de carregadores rápidos…

          • Vasco says:

            Complemento com uma informação algo anedótica para nós, que temos energia eléctrica, quase garantida… Na Nigéria, existe todo um negócio de aluguer de geradores nas cidades, ao domicílio. O mais engraçado é que como muitas pessoas não têm dinheiro para ter o seu próprio gerador, o que alguns empreendedores locais fazem é enviar para uma rua um camião com vários geradores e ligar directamente aos inversores das casas, que já estão “preparadas” para fazer essa ligação quando a energia falha. Lá juntam-se uns tantos e pagam o serviço que pode durar dias ou semanas. Haja criatividade que tudo se resolve. A “EDP” falha? Não tem problema, que estamos aqui para lhe vender electricidade!!

    • Tekman says:

      Será necessário muito investimento, tal como foi para os motores a combustão: poços de petróleo, refinarias, armazenamento e postos de abastecimento.
      Portanto será preciso produzir mais energia elétrica, a partir dos meios já conhecidos (nuclear, hídrica, solar, eólica, etc), e colocar tomadas nos lugares de estacionamento.

      • João Magalhães says:

        E quem vai pagar esse investimento ? Quanto vai custar carregar um carro eléctrico ? Nuclear não pode ser por causa do ambiente. Eólica seria um investimento estrondoso, quem paga ?

        • nunov says:

          Quem vai pagar esse investimento são os mesmos que pagaram o investimento no petróleo, já que isso não apareceu por magia.
          E acho que a solução virá mesmo do nuclear! Há algum tempo vi uma noticia de uma organização ambientalista a referir isso mesmo! e eficiência energética também!

  3. Reis says:

    A Europa em 2030 não vai produzir mais EV do que a China (infelizmente). Basta pensar que actualmente o mercado automóvel da China vale o dobro das unidades do mercado Europeu. Além disso, o mercado Europeu está estagnado e o Chinês a crescer. O que estamos assistir são EV produzidos na China a ser exportados para a Europa.
    Nitidamente este estudo foi encomendado pelas marcas Europeias. Calum Macrae especialista? não sabe o que está dizer.

  4. Nuno says:

    Europa? Europa? Não será Alemanha só.. No massimo Alemanha França é Itália…
    Qual Europa… Ninguém mais produz carros neste continente…

    • Tekman says:

      Não diga asneiras.
      Há indústrias automóveis em quase todos os países europeus, incluindo Portugal (AutoEuropa, Salvador Caetano, Renault Cacia, Bosch, etc). A Suécia por ex, tem a Volvo e a Scania, e há muitas fábricas automóveis em países do leste europeu.

  5. GM says:

    Nem as coisas nem o mundo giram à nossa volta. Mas giram connosco. Se mudares as tuas opções e as tuas acções, a somar às de muitos outros, de certeza que a direcção do movimento giratório muda. Ou não?
    Para já, ainda não tenho VE. Os que tenho são ambos VCI, um a gasóleo e outro a gasolina/gpl. Quando chegarem ao fim da vida, os VE, ou híbridos pelo menos, serão as opções, porventura as únicas racionais.

  6. Cavlis says:

    Nos moldes actuais não acredito nos carros 100% elétricos, não haverá energia elétrica para todos, nem tão pouco, lugares de carregamento e isto, para não falar no problema “baterias”.

  7. Dr Who says:

    A Toyota está a desenvolver com sucesso novos motores a hidrogénio que são uma alternativa muito mais eficaz do que as baterias elétricas.
    Mais limpos e sem problemas de abastecimento.

    • Reis says:

      A eficiência dos motores eléctricos anda pelos 70-80% e do hidrogénio pelos 25-35%. Se a Toyota conseguir reduzir esta diferença será um sucesso. Estou mais otimista no hidrogénio para produção de energia eléctrica e para os motores dos camiões. Vamos esperar pelo sucesso da Toyota.

      • Dr Who says:

        A Toyota vai participar este mês numa competição no Japão onde vai entrar já com os novos motores a hidrogénio. Esperemos bons resultados e que sejam uma alternativa viável. O facto de já estarem a testar os motores a hidrogénio em competição é um bom sinal.

  8. Ricardo says:

    Eu não vejo a hora de arrumar com o diesel e poupar uns valentes euros

  9. JF says:

    Efectivamente a Europa só supera a República Popular da China (RPC) naquilo que não presta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.