PplWare Mobile

Está confirmado! Matrículas dos carros já não vão ter data


Autor: Pedro Pinto

Destaques PPLWARE

    • carlitos says:

      Só existe chapa de matricula, por necessidade de identificação em ocorrências extraordinárias. Por exemplo, ficaria mto difícil saber o carro que atropelou um peão e fugiu, ser branco ou vw. O ano e matricula, para além de inútil, polui visualmente.

    • carlitos says:

      CORREÇÃO: “A data da matricula” no lugar “O ano e matricula” .
      Isto de não pudermos editar comentários é mto chato. Já estava na altura do pplware alterar isso.

      • Paulo L says:

        Carlitos, não concordo consigo, num país em que o mercado de usados é bastante elevado, o ano e mês de matrícula ajuda a prevenir fraudes e rápida identificação de informação sobre o ano de matrícula, algo vital quando tenta obter um preço identificativo

  1. PAULO SILVA says:

    A mim não me altera nada, pois não tenho problema de saberem a idade do meu carro, não tenho nada a esconder, mas para comprar agora vou querer ver sempre o livrete e a data da primeira matricula, o que vai ser um trabalho a mais e se calhar uma venda a menos, pois se parar em um stand não vou andar a perguntar a data de todos os carros que me agradam.
    Acho que vai ser muito chato. mas vai ficar bonito pois muitas pessoas vão andar de carro usado como novo…
    (pura ilusão) pois querem se mostrar…

  2. Miguel says:

    Sei que esta parte nao foi escrita pelo pplware e foi copiada da fonte que originou este artigo, mas “A referência ao ano e mês de matrícula é única na União Europeia, verificando-se que, atualmente, só em Itália é possível indicar o ano da matrícula.” esta errada.

    Na Irlanda, as matriculas contem o ano de matricula e a partir de 2013 passaram a adicionar o semestre. Um exemplo olhando pela janela, 12-DL-2159 (matriculado em 2012 e o DL indica que e do condado de Donegal) ou 181-D-40092 (matriculado no primeiro semestre de 2018 no condado de Dublin).

  3. GM says:

    Retrocesso. No início dos anos ’90 esta medida foi , e bem, implementada. Até para as próprias entidades fiscalizadoras a inclusão do mês/ano da matrícula auxilia de uma forma rápida, indolor e sem recurso a outros meios, identificar se um veículo pode ou não circular em determinada via de determinada cidade (em Lisboa, por ex.).

    • Urtencio says:

      Acho que não é assim tão difícil identificar um veiculo com data inferior a 1996 ou 2000..

    • João Tavares says:

      É uma preocupação, as entidades fiscalizadoras… A sério…

      • GM says:

        Daqui a 15/20 anos, veículos que hoje são novos, nessa altura não serão (recordo que a duração estimada do sistema de matrículas é cerca de 74 anos). Como é que vais saber nessa altura qual a idade do mesmo, nomeadamente se estiver num ano de transição, entre ser permitido circular em determinada zona ou não? Pois, bem me pareceu. Tua preocupação, possivelmente não é. Minha, precisamente saber saber a data de fabrico do veículo, principalmente se este for importado e for de modelo coexistente com unidades novas. Como é que os distingues? Da entidade fiscalizadora: se é o Estado que produz a legislação, nada mais natural que muni-la com meios de facilitar os seus agentes (PSP / GNR).

  4. JP says:

    Os outros Estados-Membros da União Europeia é que deveriam ir atrás de Portugal e não ao contrário. Parece-me que ter o ano e mês na matrícula facilita em muito uma série de coisas, nem que seja para relembrar o mês é que o carro tem de ir à inspecção. Acho que é mudar para pior.
    E apesar de tudo, que mal faz ter o ano e mês na matrícula?

    • Joao Ptt says:

      Para evitar consumismo desnecessário, porque a data faz parecer o carro “velho”, mesmo que esteja bom para a estrada e não exista qualquer problema.
      Quem não vai gostar disto são os vendedores de veículos novos.

      • Metttal says:

        Exactamente. O tuga super vaidoso e com a mania das aparências devia ficar feliz , assim já não é tão fácil (pelo menos para quem desconheçe o mercado automóvel) identificar a idade do veiculo. Pelos comentários que aqui li percebo que das três uma ou são vendedores e têm receio da quebra nas vendas , malta endinheirada e troca de carro com muita frequência ou imbecis esquerdopadas ceguetas que não percebem a real intenção da medida quando foi tomada no desgoverno do gnuterres .Eu sempre fui contra, sempre achei descriminatória , aliás eramos os únicos ou dos únicos no mundo com a inclusão nas matriculas das datas .Já agora para os criticos do costume também acham normal a proibição dos veiculos anteriores a 2000 mesmo com catalizador de poderem circular no centro de Lisboa ? E os paquetes ali tão perto, e os aviões? Só hipocrisia !!!Mais uma medida genial socialista pela mão do babush…

  5. Micael says:

    Foi-me muito útil quando quis comprar um carro usado, é a forma mais fácil de saber se é importado ou não. Pelas letras conseguia perceber +/- a altura do registo e se não batesse certo com o ano sabia que era importado. Ainda apanhei uns mentirosos por aí 🙂

    • Alberto Azevedo says:

      Sempre admirei o pessoal que consegue identificar um carro importado pelas letras e pelo ano/mes da matricula.
      Nós como somos um dos países mais pobres da união europeia, devemos ter um dos mercados de usados de menos confiança, pois o nosso povo é o dos que menos dinheiro tem para gastar em manutenções/revisões na marca.
      Entre um usado nacional e um usado da alemanha, por exemplo, é muito provável que o usado alemão tenha levado peças originais ao contrario do portugues que vai sempre para as peças da concorrencia pois o dinheiro custa muito a ganhar.

  6. N1ldo says:

    Tanta coisa pro governo se preocupar e perdem tempo com isso.
    Tá ótimo como está e ponto.

  7. Lena says:

    acho muito bem acabar com ano e mes
    talvez a passerele de vaidades acalme um bocado

    tuga = ser vaidoso , que so pensa em carros e futebol

    • Filipe says:

      Já a senhora tem a vaidade de se achar diferente. O que só por si será “ser tuga na pior acepção do termo”

    • Hugo says:

      Fale por si.
      Eu não ligo a valores e como tal não ligo às matrículas.
      Já a senhora acha bem a medida, o que me diz que fica incomodada com a vaidade alheia.
      Dá que pensar. O meu vizinho é vaidoso ou eu tenho inveja dele? São coisas muito diferentes e muito próximas uma da outra.

  8. Joao Ptt says:

    Para esta lei acho que deveria existir uma excepção para ser obrigatório: aqueles veículos que têm de ser substituídos a cada determinado número de anos (autocarros escolares por exemplo)… para assim qualquer um poder verificar e denunciar caso tal não aconteça.

  9. Toto says:

    Adoro esta ideia, acabou-se a vaidade. Agora os carros vão ser todos modernos. Igualdade para todos. Acho que o povinho da muita importância ao carro.

  10. Toto says:

    O vizinho vai comprar um carro usado e vou pensar que é um carro novo.

  11. Hugo says:

    O zé tuga vai comprar menos carros novos, porque já não dá para mostrar que é novo.

  12. IstoEraParaSerComOSteveJobs says:

    O que faz falta é o P nas matriculas das motas, em outros países se não tiveres levas multa, aqui se meteres o P levas multa porque alteras a matricula.

  13. INL says:

    fica mais difícil a identificação do carro em caso de sinistro “ah era um golf branco de 2006 e só vi os números AA” as pessoas olham muito para a data.

  14. TugAzeiteiro says:

    Já agora… FINALMENTE as matriculas das motos vão ter o “P” azul com as estrelas da Europa… Salvo erro éramos os únicos que não tínhamos a identificação do país na matricula.
    Sempre que se saía de Portugal, tínhamos que colar um autocolante daqueles a preto e branco com o dito “P” ou levar com multas!
    Ao fim de tantos anos lá chegou por fim o “P” azul às matriculas….

  15. fakir says:

    Falsificar quatro números e duas letras e mais dois números é uma coisa.Falsificar apenas numeros e letras é outra coisa.

  16. eu says:

    Eu gosto de ver a idade dos carros que por aí andam…

  17. Aventa says:

    Os importados recentes passam por nacionais porque não se vê o ano de fabrico na placa…

    • Jc says:

      Passas a pedir os documentos do carro antes de comprar, ves logo em que data doi matriculado, pelo vin da pra ver se é importado ou nao…

      • Aventa says:

        Sim, não é por isso. É pela aparência de quem mostra um BMW Mercedes ou outro do tipo na rua e aparentar que até o comprou novo cá por um dinheirão… Tuguices

  18. LSousa says:

    Eu também acho vantajoso ter o ano e o mês, facilita na hora de saber o ano do carro quando compro peças, na altura da inspeção periódica obrigatória e pagamento do IUC. Facilita mas obviamente não é razão obrigatória para a sua existência pois essa informação também está no livrete mas assim só de olhar para os carros aqui de caso sei o que necessito. Acho que como já lá está, não faz mal nenhum em existir… A outra hipótese seria a inclusão do ano no número da própria matricula o que iria resolver o problema para sempre pois todos os anos como o ano faria parte da matricula as combinações iriam ser renovadas….

  19. Zé dos Ubers says:

    E como é que verificamos que os Ubers têm menos de 5 anos?! Esperteza saloia…

  20. Zahedy R says:

    Boas, agradeço que alguém esclareça se possível. Li o artigo mas não encontrei as respostas que pretendo.
    Posso eu, proprietário do veículo, serrar/cortar a chapa da matrícula e remover a data e o ano, ou tenho de ir a um sítio especializado? E a partir de quando se poderá fazer tal alteração? Obrigado.

    • Visco says:

      Bem.. isso é um pouco senso comum. Não, não podes serrar/cortar a matricula poque deixaria de ter as dimensões obrigatórias. Logo… terás de comprar uma matricula nova, se quiseres estar atualizado.
      Em relação à alteração, se não estou em erro, entrou hoje dia 15 de Jan. em vigor a medida.

    • eu says:

      Nao tens de a fazer . isso é para os carros que hao de ser vendidos novos
      Quanto a poderes serrrar ou cortar ja experimentaste pedir a opinião do imt ?

      • Zahedy R says:

        Não eu, ainda não pedi a opinião ao imt. A notícia foi dada ontem, ainda não houve tempo para isso. Sei que não ‘tenho’ de o fazer, mas o quero fazer. Muito obrigado pela resposta.

  21. JC says:

    Farto-me de ver pessoas a indignarem-se a dizer que podem ser enganados aquando a compra de um usado.
    Mas ninguém vê os documentos do carro antes de os comprar? Ninguém se informa na marca?
    Se não, merecem ser enganados. Mesmo quem não saiba como, de certeza conhece alguém que saiba.

  22. Metttal says:

    Assim já não é tão fácil (pelo menos para quem desconheçe o mercado automóvel) identificar a idade do veiculo. Pelos comentários que aqui li percebo que das três uma ou são vendedores e têm receio da quebra nas vendas , malta endinheirada e troca de carro com muita frequência ou imbecis esquerdopadas ceguetas que não percebem a real intenção da medida quando foi tomada no desgoverno do gnuterres .Eu sempre fui contra, sempre achei descriminatória .Já agora para os criticos do costume também acham normal a proibição dos veiculos anteriores a 2000 mesmo com catalizador de poderem circular no centro de Lisboa ? E se as outras cidades fizessem o mesmo ? E os paquetes ali tão perto, e os aviões? A medida é inconstitucional só que ninguém a contesta por isso passa …Só hipocrisia !!!Mais uma medida genial socialista pela mão do babush…

  23. RICARDO COSTA says:

    Boa noite
    Desculpem fugir um pouco ao assunto mas alguém está a ter problemas com a atribuição de matrículas a veículos importados? Comprei um carro a 2 semanas e o stand continua a espera que façam matrículas supostamente porque o sistema esteve parado. Mas eu não encontro notícias sobre isso. Alguém sabe de algo?

    Obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.