Quantcast
PplWare Mobile

Carros elétricos emitem muito menos CO2 que a gasóleo e gasolina

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. golo says:

    estes estudos são ridículos, que produzem menos CO2 já toda gente sabe, o que interessa saber é a o níveis de poluição gerado na produção de baterias e na reciclagem das mesmas quando estas chegam ao fim de vida com a massificação deste tipo de alternativa…

    • Nuno S says:

      E os níveis de poluição gerados pela produção de motores a combustão, embraiagens, etc E a reciclagem de motores com tantos óleos, plásticos,
      materiais corrosivos,etc?

      • plopes says:

        E pela extracção do petróleo, transporte, refinação, transporte dos refinados…

      • Fennel says:

        E os níveis de poluição gerados pela extracção, transporte, refinação do petróleo etc?
        Estão todos muito preocupados com a poluição gerada pela produção de baterias que até parece que a produção de um carro a combustão é muito limpa.

    • rikardo pereira says:

      Calma lá.. mas os carros hoje a gasolina ou gasóleo não tem também baterias ? o que lhes acontece ? e os filtros ? qual é o nível de poluição que isso gera também, para serem produzidos ? óleos, qual a percentagem de poluição gerada para a sua produção e mais tarde a reciclagem.. ?

      ou vamos ficar sempre a bater na tecla das baterias ?

    • Zé Confuso says:

      Isso não é do interesse responder! O que interessa é ser “ecológico” a circular na estrada (produção e reciclagem, shiuuuu, estás a ser incomodo ou a desconversar! Produção de energia por combustão de carvão? SHIUUU)
      Além de que, se é o futuro, e é para ai que se caminha, não deveria ser mais acessível a compra? É que a carteira do povo não é “ecológica” para pagar a compra do carro muito menos o “quadro elétrico” em casa para conseguir carregar o bicho durante a noite!

    • Ruy Acquaviva says:

      Somente o óleo lubrificante do motor, essencial nos motores a combustão e não utilizado nos carros elétricos, já é mais poluente que a produção e reciclagem das baterias. Quem tenta apresentar a produção de baterias como uma atividade poluente desconsidera olimpicamente esse fator, entre vários outros.

    • Miguel says:

      Convém leres o estudo *antes* de teres certezas sobre o que ele não refere.

    • traveler says:

      Está no estudo, não basta ler as gordas.
      Produção da bateria,
      Produção do carro,
      Conduzido em portugal

    • Nuno José Almeida says:

      E que tal ler o artigo como deve de ser? Tens lá as respostas.

    • TugAzeiteiro says:

      Não quero que te falte nada… https://youtu.be/QC4Rs_xQtvI?t=955
      Para os mais perigosos, sim as baterias são recicláveis a 100% e sim os materiais que elas contêm podem ser infinitamente reciclados e sim é um negócio com futuro e que vai gerar milhões!
      Há uma outra coisa que eu acho engraçado e que ninguém fala nos carros a combustão, a questão dos óleos, sim… eles não desaparecem por magia quando vamos à revisão…. e já nem estou a falar daquele que cai na estrada! Quem anda de moto à chuva vê bem a quantidade de óleo que as estradas têm…..

    • JL says:

      Não é isso que tá lá no artigo ? que mesmo contando com a fabricação do carro eléctrico, isso já se sabia à muito tempo, mas infelizmente ainda existe gente que pensa que os carros a combustão e os seus consomiveis nascem NAS ÁRVORES.

    • eu2 says:

      deves ser daqueles que pensam que um tablet polui mais do que ler em papel

  2. Hélio Musco says:

    Gosto bastante deste artigo. Parabéns Pedro.

  3. Samuel MG says:

    Os níveis de poluição na produção e reciclagem das baterias são menores que na produção de um carro a gasolina cerca de 1/3.

  4. g0tH1c.X says:

    Que estudo mais…sem nexo!
    Então a poluição da recolha, refinação e distribuição dos combustíveis fósseis?!
    E das baterias desses mesmos carros?!
    Interessava sim era um estudo da chamada “pegada de carbono”, durante o ciclo de vida dos veículos, que essa sim, consegue mostrar os diferentes impactos.

    • rikardo pereira says:

      mas isto é um estudo sobre emissões de CO2 no dia a dia.

      não é um estudo a comprar a pegada ecológica de cada um. se não aí a coisa fica bem pior para os carros a combustão

      o pessoal anti elétrico, tem sempre que vir criticar seja o que for. se não é cu é das calças, mas eles querem provar que um elétrico é mais poluente, já me faz lembrar aqueles que querem provar que a terra não é redonda.

      • Balmer says:

        Cool.
        Agora: ” mas eles querem provar que um elétrico é mais poluente”

        E é, ou não é? E antes de responderes a isto quero que consideres tudo e apresentes aqui sources, conclusões e afins.
        E um estudo bem feito, porque este é inutil. Que o carro em si gera menos CO2 que novidade, agora, um carro a combustão numa vida de ~10 anos faz X kilometros. Quanto CO2 gerou em combustivel e equipamento. E um electrico no mesmo periodo de tempo e distancia? E para o electrico isto são números complicados de arranjar, mas se não os tiveres, atirar palpites para o ar vale o mesmo.

        • rikardo pereira says:

          Não vou perder tempo a procurar rigorosamente nada.

          Até porque eu tenho um carro de 2001 a gasóleo ( sem catalisador ) ja o primeiro carro estava igual. IPO 0 problemas até hoje ( sem favores )

          Este teste serve para aqueles iluminados que dizem que os carros a gasoleo faz mais CO2 que gasolina. ERRADO e estao aí as provas.

          Gasoleo tem outro tipo de gases que são piores para a saúde.

          PARA MIM ( o que faço dia a dia ) só vejo vantagens num elétrico neste momento, e nao quero saber de CO2, e sabem porquê ? quando os MAIORES poluidores que lucram milhões começarem a dar o exemplo, então aí eu vou tentar seguir o exemplo. Até lá estou me nas tintas para quem produz mais CO2, porque vejo tanta gente preocupada com o CO2 de um eletrico que me pergunto. mas será que esta gente no dia a dia faz alguma coisa para diminuir CO2 ? faz reciclagem ? duvido e aposto que muitos sao dos que atiram as beatas pela janela.

          • JL says:

            1 litro de gasolina emite 2.3 kg de CO2
            1 litro de gasóleo emite 2.6 kg de CO2
            Mas para se fabricar um litro de gasóleo emite-se muito mais CO2, mesmo que a diferença seja de 1 litro aos 100 kms, a gasóleo emitem sempre mais.
            Dai o gasóleo ter um custo de produção cerca de 30 % superior.

      • g0tH1c.X says:

        Então no dia a dia…os eléctricos não produzem CO2…a não ser que estejam a arder…:D

  5. Gajo says:

    Excluindo a bateria… deixei de ler.

    • Kevin says:

      Onde é que leu que excluíram a bateria? Eles meteram os dados da produção da bateria dos carros elétricos. Apenas separaram os dados da produção dos carros e da bateria.

    • Miguel says:

      Assim separadinho para conseguires continuar a ler
      e, talvez , entender:

      “as emissões TOTAIS de um automóvel elétrico
      seriam de 18,1 toneladas de CO2

      (6 toneladas associadas à PRODUÇÃO do automóvel (excluindo a bateria),
      3,6 da produção da BATERIA
      e 8,5 na CONDUÇÃO)”

    • eu2 says:

      AHAHAH XD Acabe de ler o texto antes de falar mas é. “6 toneladas associadas à produção do automóvel (excluindo a bateria)”

      Só separaram a bateria do resto do carro para poderes VER a bateria. Mas tens que ler até ao fim.

  6. George Orwell says:

    Um pouco “off topic” mas já que se falou em Tesla e CO2 é relevante dar conta da notícia.
    Elon Musk conseguiu colocar Lisboa e arredores no mapa de uma inesperada “Guerra dos Mundos” mas, felizmente, o pânico não foi suficiente para replicar o efeito de um radiofónico Orson Welles a narrar a abertura das hostilidades da tão galáctica e trepidante “Star Wars”.

    Refeitos do susto e de volta à realidade num profundo respiro de alivio, a confinada Lisboa passou do horror à doce contemplação, a miragem de um espacial “sendero luminoso”, um oásis no meio do deserto espacial conseguindo em fugaz extâse ( por que será que as coisa boas duram tão pouco tempo ? ) emular Las Vegas. O Casino do Parque das Nações ficou mais parecido com o Bellagio e o Terreiro do Paço com o Palladium. Bingo !

    Paris, cidade das luzes, cuida-te !
    Poderíamos não contar com Elvis Presley mas sempre contaríamos com as galácticas estrelas daqui nativas que, sem desfado ou enfado algum, dão cartas no espaço-tempo, como Ana Moura e Mariza, e se mesmo assim, ingratos, insistíssemos afinar pelo “american way of life” sempre teríamos por perto Madonna para cantar todo o seu repertório incluído o seu tão paleolítico “hit”, “Like a Virgin” ( ao tempo que isso foi !).

    Ficámos também a saber que, presumivelmente, no futuro vamos poder contar com mais uma “network” a somar à Altice, Nos e Vodafone (por ordem alfabética) e respectivos “proxies”, nem que tenhamos de esticar a antena telescópica do sat-router fora da janela e, “en passant” aproveitar para nela estender a roupa, a energia solar em prol da sustentibilidade ( da roupa) sem esquecer a bandeira das quinas em dias de Selecção, sendo que a tão presente bandeira brasileira em tantas janelas, é a mais bem preparada para tal, tantas são as estrelas do Cruzeiro do Sul ( não o de Belo Horizonte) que dela constam, podendo até ser confundida com um cartaz a publicitar a nova “network”.

    Refiro-me ao “jackpot” de luzes provenientes dos seus satélites de Elon Musk assentando num “black jack” do espaço nocturno lisboeta. Ver para crer, a notícia e as fotos que foram dadas a conhecer, por exemplo, aqui:

    https: //www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/pontos-de-luz-nos-ceus-geram-surpresa-na-zona-da-grande-lisboa?ref=HP_OutrasNoticias1

    À falta de um élan temos um Elon nos céus ao que não é alheio menos CO2 nos céus da confinada Lisboa. E por aqui fica mais um modesto contributo para animar as confinadas hostes.

  7. Ana Paula says:

    Gosto muito do meu F pace a diesel, vai e volta a madrid com um deposito.

  8. Rudi says:

    Oh não, agora vem os pseudo cientistas defensores do petróleo a dizer que é mentira, porque a bateria não estão a contar a reciclagem…, infelizmente o óleo de motor entre muitas outras coisas nem sequer se reciclam, portanto é só aumentar pontos às baterias…
    Mas pronto vou buscar pipocas, volto já!

  9. Moza says:

    Devias ter continuado mais um pouco…

  10. ervilhoid says:

    Aqui diz excluindo a bateria, noutros sítios inclui a bateria, fui ver o estudo e realmente diz excluindo…

    mesmo assim devia ser comparado a 100% pois a eletricidade é cada vez mais verde e o gasóleo e gasolina para chegar ao posto de abastecimento também polui muito. relativamente às baterias após uso do carro devem servir para outros fins

    • VP says:

      Exactamente, é isto que muita gente ainda não percebeu. Tomara eu poder deitar as mãos a uma bateria usada cá para casa. Nem era preciso muito, uma bateria usada de um Leaf de 40KWh a 25% ainda dá 10KWh.

      Vamos imaginar que na nossa casa gastamos 8KWh entre as 7h e a 00h. Temos tarifa bi-horária. Podemos usar uma bateria usada que é carregada após a meia-noite e depois é descarregada após as 7h.
      8KWh por dia de segunda a sexta ao final do ano dá 1920kWh.
      1920kWh tarifa vazio a 0.12€/kWh dá 238€
      1920kWh tarifa fora vazio a 0.23€/kWh dá 444€, resumindo conseguimos poupar 205€ anuais.

    • Miguel says:

      Assim separadinho talvez consigas entender:

      “as emissões TOTAIS de um automóvel elétrico
      seriam de 18,1 toneladas de CO2

      (6 toneladas associadas à PRODUÇÃO do automóvel (excluindo a bateria),
      3,6 da produção da BATERIA
      e 8,5 na CONDUÇÃO)”

  11. João Pedro says:

    Resumindo, ambas não são a verdadeira solução de futuro!

    • Filipe says:

      A questão é com combustivel tens ar poluido (basta ver ver como India e China estavam antes do virus, era literalmente nevoeiro de poluição). Com os eletricos ja nao tens esse ar tao poluido. Acho o eletrico uma aposta de transição. O Hidrogenio parece melhor opção.
      O Ideal era conseguir um “combustivel”/tecnologia nao poluente e que se poderia converter a maioria dos carros existentes. Os carros eléctricos sao caros.

      • Miguel says:

        O ideal é menos carros

      • Hélder Martins says:

        Filipe, porque é que acha que o hidrogénio é que é a solução?
        Sabe que o veículo a hidro e o VE utilizam energía elétrica para se carregarem, depois a partir daí o veículo a hidro têm que armazenar a energia numa grande estação a temperaturas negativas e já estaria a ter desperdício e percas de potência gerando poluíção. Depois tinham que transportar essa energia em transporte como as cisternas mais uma vez perdendo energía até chegar a bombas específicas e mais uma vez abastecer essas mesmas bombas e outra vez a perder energia e por ultimo abastecer o veículo. No VE com painel solar e acumulador de energia, carrega o veículo, claro perdendo energia e carro está andar.
        Apenas considero que o hidro fosse uma vantagem sobre VE nas viagens longo curso, ex: navios e aviões, mas da maneira que a enegia de hidro está atrasada, digo que só daqui a 10 anos é que vai conseguir estar na mesma situação do VE e não esquecer que o VE já têm mais 10 anos de evolução.

        • JL says:

          O hidrogénio só agrava a situação, visto que é menos eficiente que um veiculo a gasolina, o truque disto tudo na eficiência, se um veiculo a diesel e gasolina produz essencialmente calor, por isso eu lhes chamar de aquecedores com rodas, não têm aproveitamento energético, se um eléctrico fizesse o mesmo, a poluição era a mesma que num a combustão, mas um motor eléctrico e tudo o que rodeia consegue eficiências acima de 80%, ao contrário de num a combustão, que quando se conta todas as parcelas nem a 5% chega.

      • eu2 says:

        Eu só imagino no futuro o preço do kWh e o preço do litro de hidrogénio a compartilharem o preçário das atuais bombas de combustível, da mesma forma que já fazem a gasolina e o gasóleo. Tipo irmãs.

    • Filipe Rocha says:

      Se acha que com uma froto totalmente autónoma isso aconteceria está a ser um bocado parvo.

  12. jose says:

    Estudo incompleto. O futuro não pode ser de uma única tecnologia. Terão que coexistir várias em concorrência entre si e o mercado vai beneficiar uma ou outra. Já agora e porque não as híbridas? Isto é 7,0 toneladas totais de emissão CO2 na produção do veículo e 9,0 na condução ( 9+7= 16 TON ), é imbatível.

    • JL says:

      Porque um hibrido leva ambas as tecnologias, depois continua a poluir muito e a poluir pouco.

    • eu2 says:

      O híbrido é bom para a transição da gasolina para o elétrico, enquanto não há muitos carregadores disponíveis. As pessoas continuam a poder ir onde querem, utilizando a gasolina normalmente, e o carregador elétrico se disponível. Talvez já estejam a ajudar um pouco com a poluição, além de estarem a apoiar a expansão rede de carregadores elétricos (para quê construir carregadores se ninguém os vai usar? Ah, mas os híbridos vão querer usar!). Ponto negativo é levar mais material (motor a combustão + motor elétrico) para poder aceitar os dois tipos de energia, e assim é mais caro. Quando houver carregadores suficientes deixa de fazer sentido comprar 100% elétricos. (isto sem considerar as outras desvantagens atuais dos elétricos)

  13. Sergio J says:

    Onde vão estar as minas de Litio em Portugal? Às portas dos parques naturais.

    • JL says:

      No mesmo sitio que todas as outras minas que existem, que fornecem muitos dos materiais que usamos todos os dias, ou ainda vive nalguma caverna?

    • Tim says:

      O Chile tem 52% das reservas mundiais seguido de Bolívia e Argentina.
      No Chile o mineral é simplesmente extraído, nos outros casos tem que ser transformado em carbonato de lítio ou hidróxido de lítio.
      O lítio em Portugal é o devaneio de alguém, vamos ser os fornecedores da Europa… só se for em sonhos. Só se os preços dispararem é que vai ser rentável.
      Sem falar nos danos causados no ecossistema, que esses nunca vão ser pagos.

  14. Fiu says:

    Ainda virá o dia em que o elétrico é demoníaco e está a matar o país e o universo, e o a nova tecnologia é que é.

  15. Hélder Martins says:

    Filipe Coelho acredita mesmo no que diz?

  16. Fulano says:

    Mais um “estudo” para os pseudo-intelectuais que por aqui andam…

  17. Rtr says:

    Eu só gostava de saber… Quanto ganharam e quanto poluiram os autores do estudo pelo “bulshit” das conclusões…

  18. Grunho says:

    Por este estudo se vê também que a diferença em emissões de CO2 entre o carro a gasóleo e o carro a gasolina é insignificante: 2 pontos percentuais em relação ao eléctrico. Por outro lado, a combustão da gasolina é muito mais limpa em partículas finas e óxidos de gasóleo, altamente nefastos para a saúde humana. Se acrescentarmos que por unidade de volume a gasolina é 14% menos densa em carbono – 2310 gramas de CO2 por litro queimado, contra 2640 para o litro de gasóleo -, então há razão nenhuma para beneficiar fiscalmente os consumidores de gasóleo e prejudicar os de gasolina. Igualdade de imposto já, ou melhora ainda, indexá-lo ao CO2.

  19. Grunho says:

    Por este estudo se vê também que a diferença em emissões de CO2 entre o carro a gasóleo e o carro a gasolina é insignificante: 2 pontos percentuais em relação ao eléctrico. Por outro lado, a combustão da gasolina é muito mais limpa em partículas finas e óxidos de gasóleo, altamente nefastos para a saúde humana. Se acrescentarmos que por unidade de volume a gasolina é 14% menos densa em carbono – 2310 gramas de CO2 por litro queimado, contra 2640 para o litro de gasóleo -, então há razão nenhuma para beneficiar fiscalmente os consumidores de gasóleo e prejudicar os de gasolina. Igualdade de imposto já, ou melhora ainda, indexá-lo ao CO2.

  20. Samuel MG says:

    Estudos e mais estudos!! Milhões gastos em estudo que poderiam ser gastos onde fazem falta 🙁

    • JL says:

      A sério? Então devia de andar a pé e descalço, porque sem estudos e investimentos não tínhamos saído das cavernas.

      • Tim says:

        Lentamente chega lá…
        Como tudo na vida existe a evolução… a começar nos motores a combustão.
        Estamos no veículos a bateria, como tal uma transição…
        Veículos eléctricos são o futuro ? SIM.
        Veículos actuais a baterias são o futuro ? NÃO.
        Já existe as células de hidrogênio (com os seus problemas) mas a evolução vai continuar.

        Deixe-me corrigi-lo, a Europa adoptou o diesel porque emite menos co2 que a gasolina.
        Caso esteja atento aquilo que se passa na Europa, desde que demonizaram o diesel, a venda de veículos a gasolina aumentou, e os níveis de co2 na Europa estão a aumentar.

        https: //observador.pt/2020/03/06/co2-sempre-a-subir-veja-qual-e-o-pior-pais-e-a-marca-mais-poluente/

        • JL says:

          Sim, os veículos a hidrogénio são o futuro desde os anos 60, até hoje nenhuma marca conseguiu apresentar um veiculo viável, até a toyota que é financiada pelo governo japonês já anda a recuar nessa solução, só quem não pesca nada de física e química, e basta o ensino obrigatório, basta ter estado com atenção nas aulas e sobretudo ao teste da electrólise que foi feito nas aulas, é que ainda acredita no hidrogénio como solução.

          Mas enfim, que continuem a gastar o dinheiro dos outros para a investigação, porque assim vão descobrir algo que se seja melhor e que se possa usar:

          Já agora, VEICULOS A HIDROGÉNIO -> são veículos eléctricos com baterias com um extensor de autonomia a hidrogénio, pela simples razão que uma fuel cell não consegue alimentar um motor directamente.

          O diesel polui menos no fim de produzido, mas produz mais a ser fabricado, mas enfim, ainda à muita gente que pensa que estas coisas caiem do céu, porque acha que ele tem um custo de produção mais elevado.

          E não, a poluição aumentou porque o número de carros também aumentou, deve ter dado por isso nas filas de Lisboa !!!

        • JL says:

          De qualquer modo poluição não é apenas CO2, essa é a parte menos má, a parte má são os SOx (gasolina), os NOx e partículas (gasóleo), estes fazem 13x mais de vitimas no mundo que o COVID-19 está a fazer (durante o mesmo período de tempo) .

  21. Zé Duarte says:

    Digam o que disserem o meu próximo carro vai ser um tanque porque quando vier ai o Covid20 e os zombies vai ser a única forma de ir às compras.

  22. P. Silva says:

    Vemos neste pequeno sitio de comentários uma esquartejar de fundamentalista do eléctrico contra fundamentalistas da Combustão. Porque não paramos para pensar não apenas nos veículos EV.vs.Combustão, mas sim em como irá mudar a mobilidade num todo nos próximos anos!
    Será natural o uso de carros eléctricos em zonas rurais, agriculas e mineiras? Será viavel ter uma frota 100% electrica? como nos movimentaríamos se acontecer um desastre natural que destrua parcialmente parte da rede eléctrica durante vários dias como em Fukushima? Por outro lado, fará sentido o uso de carros a combustão no interior cidades ou frotas de empresas de pequeno curso? Qual será papel da partilha de carro? Neste caso, estarei preocupado se o carro que virá é eléctrico, combustão, híbrido, H2 ou combustivel sintético? Que solução prevalecerá para a aviação, transporte marítimo e mercadorias de longo curso? Qual será a rapidez de adoção destas novas tecnlogias de continente para continente?
    Creio que o futuro passará por uma mix de soluções, que no conjunto ajudarão a reduzir o impacto de emissão de poluição, e será difícil que apenas uma tecnologia prevaleça sobre todas as outras, pelo menos nas próximas 2 a 3 décadas.

    • JL says:

      É disso que se trata, de um mix de soluções em que se aproveite a maior eficiência de cada tipo de locomoção, dou-lhe um exemplo, um camião a gasóleo é 10x mais eficiente que um veiculo de transporte individual, basta comparar que um carro para levar 1 pessoa gasta 5 ou 6 litros, enquanto um camião que transporta mais de 30 toneladas consume 5 ou 6 vezes mais que isso, ou seja, transporte de pessoas pode ser eléctrico, apenas 0.5 a 1 % precisa de mais autonomia que aquela que os carros eléctricos hoje têm.

      Transporte de mercadorias pode ser e devia ser eléctrico por via férrea, é de longe o veiculo mais eficiente para transporte de pessoas e mercadorias.

      Pode-se pensar que a transição de combustão para eléctrico vai provocar um enorme aumento no consumo, mas não é verdade, falando apenas de transporte particular, cerca de 4.7 milhões de veículos em Portugal, considerando a média de kms feita em Portugal e ao consumo que estes veículos têm, o consumo actualmente aumentaria cerca de 13 a 15%, pode parece muito, mas é bem inferior ao aumento da produção que ocorreu de 2012 até agora: No entanto isto evitava a importação de mais de 2.5 mil milhões de barris de petróleo anualmente.

      Só não somos menos pobres porque somos burros, a Noruega é um pais cheio de petróleo, vendem o petróleo aos burros e andam de eléctrico, cada vez mais…

  23. Miguel says:

    Até parece que alguém se preocupa com as emissões de CO2, poupem-me a tamanha hipocrisia.

  24. É mesmo hipocrisia! says:

    Tudo isto me faz lembrar uma história antiga (mesmo antiga). Quando a Toyota lançou o Prius nos EUA era politicamente correcto usar um Prius na Califórnia para se mostrar consciência ecológica. Muita gente famosa guiava os seus Prius… Mas depois havia aqueles que guiavam o Prius para ir para o jacto particular para fazerem as suas deslocações. Não esqueci este episódio que se passou com uma actriz super famosa. Ou seja, o consumidor é “esmagado” com a ideia de produzir menos emissões com os seus carros, mas depois aparecem as AIRBUS e BOIENG a produzirem à louca o que verdadeiramente anula qualquer esforço para a redução de emissões. E isto para não falar das centenas de navios de cruzeiros que andam por este mundo a poluir sem qualquer nexo.

    • JL says:

      Famosos contam-se pelos dedos, por vezes a ideia que passam é mais importante que aquilo que realmente fazem, ou seja, “faz o que digo e não o que eu faço”.

      Sim, os navios não trazem nada para cá, andam vazios a passear, principalmente os que trazem petróleo que são a maior parte, 1500 deles. . . looooool

  25. André says:

    Interessante o estudo infelizmente o futuro passa pelo motor eléctrico, para mim o futuro é híbrido pela simples razão os carros a bateria não funcionam bem em todos os climas, climas frios ou climas que os invernos são rigorosos dão cabo das baterias e de temperaturas mais altas o mesmo, é as baterias são excelente para auxiliar por exemplo no arranque que é aonde os motores a combustão gastam mais, mas não há volta a dar existe já combustíveis sintéticos que baixam e muito o nível de emissões mas não avançam porque? Simples por causa de lobbys dos barões do petróleo …

    https://energypost.eu/extract-co2-from-our-air-use-it-to-create-synthetic-fuels/

    Os óleos cada vez estão melhores podendo ser reciclados e reaproveitados para mim o melhor é mais viável é a tecnologia híbrida.

    • JL says:

      A sério? Pensava que o frio e o calor eram maus para os motores a combustão, em países muito frios até passam a noite ligados a um aquecedor de motor, ou seja, além de gastarem combustível também gastam electricidade.

      Quanto aos combustiveis sintéticos é uma questão de custo, se tiver disposto a pagar 3 a 4 euros por litro, é na boa, eles fabricam e você compra.

      Portanto, queremos cada vez mais ser dependentes de quem tem o ouro negro, parvos são os países como Noruega que tem petróleo à bruta e o mercado de novos deles já anda com 50 % de eléctricos, nos que nem queremos explorar petróleo, queremos é dependência. Enfim, país condenado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.