Quantcast
PplWare Mobile

Carros elétricos da Tesla já conseguem ler sinais de limite de velocidade na estrada

                                    
                                

Autor: Pedro Simões


  1. PTavares says:

    É bom ver a evolução no sector automóvel, mas seria engraçado que a mínima alteração no software da Tesla deixa-se de se noticia (por vezes é noticiada como a ultima bolacha do pacote). 🙂
    Vamos fazer uma comparação, o meu atual carro (Renault Megane IV) faz isto desde 2017! Sim foi há 4 anos e funciona mesmo muito bem. Reconhece inclusive sinais temporários devido a obras, mesmo os que são colocado ao nível do chão.
    E notem que há vários fabricantes com tecnologia semelhante.
    A Tesla está a transformar-se na Apple do sector automotivo e não pelas razões onde têm imensos méritos. Tudo o que fazem leva um enorme spin e faz passar por inovação coisas que outros já têm faz muitos anos.

    • Cicrano says:

      +1
      Até porque os Tesla não são nenhuma novidade, sendo que a maior parte da sua “inovadora tecnologia” vem directamente do EV1, principalmente os motores…

    • PTavares says:

      deixasse 🙂

    • TugAzeiteiro says:

      A noticia é o carro reconhecer os sinais com o Autopilot ativo… ou seja o computador do carro reconhece o sinalética e toma medidas em conformidade. É mais um paço para daqui a uns anos poderem ser totalmente autónomos.
      Um Citroen C3 de 2018 também reconhece os sinais e coloca no ecrã… mas não tem nada a ver com condução autónoma!
      Outra vantagem é precisamente as actualizações OTA…
      A industria automóvel deixou-se dormir…. basicamente vendem o mesmo produto há coisa de 20 anos…. pouca evolução tecnológica tiveram, um carro que saiu à 6 anos atrás é praticamente igual ao que é vendido hoje. 6 Anos em termos tecnológicos é uma vida…. o hardware e o software evolui muito. Na Tesla o mesmo modelo, com 6 Anos em termos de hardware é totalmente diferente do vendido hoje…. e inclusivamente há diferenças em software!

      • PTavares says:

        Eu não nego tudo o que a Tesla faz de bom.
        Quanto à tomada de decisão pelo automóvel, talvez deva saber que muitos carros nas nossas estradas o “fazem”. Muitos fabricantes têm o reconhecimento de sinalética estática e luminosa poderiam tomar medidas ativas na condução (estão presente apenas não estão ativas). Não fazem por a legislação e e regulamentação não estar totalmente uniformizada e haver falta de entendimento sobre o nível aceitável de intervenção não humano nas condução.
        Existem contudo modelos por aí que fazem uma coisa interessantes, alguns Nissans têm o proPilot que na Europa está castrado, mas noutros países fora da UE é de facto algo de assinalável.
        Mantenho o que disse a Tesla parece a Apple, tudo o que fazem brilha nem que os outros já o tenham feito.
        Já agora, todos os fabricantes querem é ganhar dinheiro, os mais tradicionais têm estruturas muitos pesadas que não são fáceis de alocar a novas tecnologias e tendenciais de mercado, daí que as tendenciais sejam manipuladas por eles …só que entretanto chegou a Tesla, está aí a Polestar, a Byton, a Rivian e ao virar da esquina todos os que não querem nem se podem dar ao luxo de seguir o mesmo caminho.

        • André Pires says:

          O que se refere não está limitado pela legislação porque os Tesla fazem-no cá em Portugal e cumprem a legislação e está ativo e a funcionar. Os Tesla param nos semáforos vermelhos mudam de direção e saem da autoestrada sozinhos quando o destino GPS é colocado. Não há proibição da legislação. O problema muitas vezes é passar da sinalética de aviso para a condução e a capacidade de processamento. Muitos fabricantes estão aptos a ler sinais mas não têm capacidade de condução autónoma, apenas ajustam a trajetória para se manterem na faixa de rodagem correta mas nem sequer fazem uma coisa simples como mudar de faixa com a indicação do sinal de mudança de direção quanto mais sair da autoestrada sozinhos. A maior parte nem sequer sabe o que é OTA num carro. Para ter condução autónoma é preciso ter hardware e em muitas marcas o hardware instalado nunca vai permitir condução autónoma porque o hardware não vai ser atualizado nunca e por isso não vão ter nunca condução autónoma via atualização OTA. Apenas mantém velocidade, mantêm na faixa de rodagem e travam automaticamente perante um obstáculo. Daí ao resto falta o hardware capaz mas a legislação já permite muito mais que isso como sair da autoestrada sozinho, parar em semaforos e fazer rotundas. Muita gente fala de produtos que nunca usou, nunca conduziu e depois compara sem saber o que está a comparar ou falar.

          • André Pires says:

            O que quero dizer é que o propilot não faz mais umas coisas porque o hardware que vem com o carro não permite mais e nem com OTA vai fazer. Uma nova versão do hardware que vem com o carro num modelo futuro poderá trazer a possibilidade de condução autónoma mas a legislação cá já permite muito mais que o propilot faz. Depois no caso da Tesla confunde-se Autopliot com condução autónoma o que não poderia estar mais errado. Condução autónomo na Tesla chama-se FSD (Full Self Drive) que custa mais 6000€ (um absurdo de preço) mas o hardware 3.0 de condução autónoma está presente já no carro apenas tem de se desbloquear, embora aqui o FSD está efetivamente limitado pela legislação porque não pode chegar a cruzamentos e mudar de direção sozinho nem pode conduzir em mão no volante por mais de 30 segundos sem ter de voltar a fazer pressão no volante. Falar em condução autónoma e autopilot na mesma frase, como já vi aqui escrito, é do mais errado que existe. Condução autónoma, FSD na Tesla. Auto piliot é a versão “cortada” com somente manutenção na faixa de rodagem, travagem de emergência perante um obstáculo , realização de curvas de forma autónoma e e manutenção da velocidade ao carro da frente ou paragem e arranque de forma autónoma no transito ou desvio automatico perate um objeto. FSD Full Self drive é outra coisa completamente diferente e essa sim limitada ainda pela legislação.

          • PTavares says:

            Olá André,

            Não refuto nada do que dizes, e sim concordo que as restrições não são de legislação PT mas sim de diversidade de legislação nos vários países Europeus – os fabricantes “clássicos” não desenvolveram ou implementaram a tecnologia com vista à condução autónoma – tiveram que ir atrás da Tesla 😉 .
            Relativamente ao hardware, não há como contornar a Tesla está muito à frente na implementação e upgrade do mesmo várias vezes ao ano no mesmo modelo. A Tesla tem “iterações” na produção com novo hardware sem ter uma nova versão do carro e nos outros fabricantes isto ainda não acontece.
            Mas atenção que os outros não estão a dormir, a aliança Renault-Nissan está em estreita colaboração com a Waymo que é um player bleeding edge na condução autónoma.
            O futor pode vir a ser “assustador”. 🙂

          • PTavares says:

            E já gora,

            Olha o que a Nissan anda a fazer com o Leaf.
            Muita gente suspeita que isto já é condução autónoma de nivel 5 (full autonomous) …a Nissan não confirma.

            https://cleantechnica.com/2020/02/08/nissan-leaf-goes-on-230-mile-fully-autonomous-drive/

          • André Pires says:

            Sim, tenho acompanhado os desenvolvimentos da Nissan para a condução autónoma de nivel 5, ainda é um protótipo verdade mas bastante promissor. Estão todos a tentar caminhar no mesmo sentido.

          • JL says:

            As outras não estão a dormir, acordaram foi tarde e já não conseguem acompanhar.

    • Abreu says:

      Tudo na Tesla e notícia, mas a ma qualidade de montagem e plasticaria ninguém fala… Carros europeus estão a anos luz desses americanos , e só show off

    • Rui Carriço says:

      Tesla bebe muito da Apple, reclama tecnologias existentes como suas (Tablets, Smartphoes, ect), pratica preços ridículos e se por fora os gostos divergem, entras lá dentro e parece o meu Fiat 508S 1932 com um tablet a meio do tablier.

  2. Filipe F. says:

    Isto já não acontecia antes com tanta camera que existe no Tesla? Sim é um pouco de espanto dado ser algo que até um Clio, Corsa etc fazem (por meio de camera, e não por gps), e ser uma tech que existe há anos em praticamente todas as marcas.

    Ja agora e num modo geral o desafio destes algoritmos é perceber quando o limite que lêem é o apropriado para a direção que se segue, isto é, em via rapidas, temos por vezes as saidas onde aparecem as placas de limite de velocidade para essa saida, e muitos carros lêem isso e assumem temporariamente esse limite erradamente (quando nao se vai sair). Ou seja vai-se numa via rápida de limite 90kmh ou mesmo 100kmh, e sempre que há saidas, o carro deteta o limite de 70kmh e 50kmh das placas dessas saidas

    • João Oliveira says:

      Penso que o problema seja mesmo esse porque quando o carro regula a velocidade automaticamente e se vai numa autoestrada, por exemplo, e lê o sinal erradamente da saída, em vez do da via, e acontece muito com muitas marcas, trava e depois pode dar problemas. Se for só como indicação de limite de velocidade no visor não há problema mas quando o carro está em condução gerida pelo próprio carro e lê um sinal ao lado…

  3. Cicrano says:

    Pena é que não veja carros da policia parados…

  4. TT says:

    Parabéns para a Tesla, conseguiu agora incorporar uma função que já todos o fabricantes têm há mais de 10 anos! Ahahahahah!

  5. Rui Carriço says:

    Uau… Tenho um Mercedes com 10 anos que faz o mesmo!

    • André Pires says:

      Conduz sozinho e ajusta a velocidade através da leitura dos sinais? Não sabia que a Mercedes fazia isso já há 10 anos

      • Rui Carriço says:

        Eu disse que o meu Mercedes faz leitura de sinais de limite de velocidade, que é o tema desta notícia, e o meu não mas há mercedes com mais de 10 anos que fazem deteção de faixa de rodagem, distância de segurança para o carro da frente e regulam a velocidade pela leitura dos sinais.

      • TT says:

        Nem o tesla faz isso que afirma de andar sozinho, todos os dias há um espetado contra um poste

      • Katherine Alves says:

        O meu honda civic na auto estrada faz isso. Segue na sua faixa sozinho, mesmo nas curvas, e controla e velocidade de acordo com os carros à volta e de acordo com os sinais de velocidade. E não tem auto pilot…

        • Inácio Santos says:

          E Honda paga à Mobile Eye por essa tecnologia patenteada para ler os sinais pelas câmaras. É que há muitos “espertos” aqui que acham que a tecnologia foi desenvolvida pela marca do carro deles. Ah o meu tem isso o meu aquilo. Pagam para usar a patente, um dia que não paguem ficam sem o sistema porque está patenteado pela Mobile Eye e depois tem de desenvolver um novo sistema que não colida com a patente, que é o que se passa com o Honda. A Tesla já teve a leitura pela camara mas como estava patenteada teve de retirar e desenvolver um sistema próprio diferente o suficiente para não colidir com a patente. Muitos daqueles que acham que o seu carro é fantástico e falam de autopilot como condução autónoma nem sabem do que falam. Nenhum fabricante tem o hardware nem camaras nem sensor lidar para ter condução autónoma de nivel 5 que se encontra restringida por lei para já. Até a mercedes aqui falada, que andou a desmantelar Teslas para ver como se faz um carro elétrico, já veio dizer que desistiu para já de ter condução autónoma no seu carros, em vez disso vai continuar a tentar nos camioes somente como ajuda à condução porque os camiões TIR circulam maioritariamente em autoestrada que é bem mais fácil de fazer alguma coisinha.

        • Inácio Santos says:

          Mobileye doesn’t have Elon Musk’s star power or Google’s billions. But it has something that’s arguably even more important: a dominant position in today’s market for advanced driver-assistance systems (ADAS). Mobileye had a very public split with Tesla back in 2016, but it continues to do business with a lot of other carmakers. Mobileye says it shipped 17.4 million systems last year, which means 17.4 million customers bought cars with Mobileye’s cameras, chips, and software.

        • Inácio Santos says:

          Mobileye, an Intel Company, is a global leader in the development of computer vision and machine learning, data analysis, localization, and mapping technologies for Advanced Driver Assistance Systems and autonomous driving solutions. Our safety technology is integrated into hundreds of new car models from the world’s major automakers: BMW, Audi, Volkswagen, Nissan, Honda, General Motors and more.

          Um dia que não paguem o dizimo…lá se foi..porque estas marcas e não são as únicas não desenvolvem o seu próprio sistema

    • Louro says:

      É que é mesmo igual ao que os Tesla fazem hoje em dia…

      A marca que mais evoluiu nos ultimos anos e mais tem influenciado o mercado automóvel a introduzir coisas que um Mercedes de 2010 já tinha e fazia com as pernas as costas.

      Aff….

  6. João Oliveira says:

    Curioso porque a Tesla já detetava os peões e a direção da deslocação que um peão estava a tomar para prever a trajetória e desviar (Mesmo na versão base o chamado auto pilot) e ainda não lia os sinais de transito somente regulava a velocidade do carro automaticamente conforme o que o GPS indicava para o local. Nunca percebi porque não lia os sinais e ajustava a velocidade em função da leitura mas sim do GPS mas depois conseguia prever a posição de um peão ou de uma viatura segundos antes.

  7. Miguel says:

    Ainda chamam a isto Auto Pilot ahaha
    Não admira que não aceitam na europa..

  8. João Oliveira says:

    Já parava nos semáforos vermelhos, lia bem todos os semaforos (havendo mais que um) e parava mas curiosamente faltava a leitura correta dos sinais para ajustar a velocidade sem ser pelo nGPS

  9. Paulo Miguel says:

    O meu Ford com 43 anos quando em Cruse Control Adaptativo tenho opção de adaptar a velocidade aos sinais.
    COmo tenho caixa auto, faz tudo sozinho …… se vou em AE adapta-se a velocidade do carro que vai a frente ate ao limite que programei, e esse limite pode ser o que programei ou o que lê dos sinais de transito …… e nunca leu em 3 anos os sinais das saidas , na cidade é que é perigoso, porque se passa de um 90 a 30 de obras ou algo e o carro trava ….. tirando isso só falta condução autonoma, porque com o Line assist já se mantem nas linhas

  10. Tiago Soutelo says:

    Condução autónoma tem 5 niveis atualmente, sendo que na verdade do nivel 1 ao nivel 4 não se devia nem sequer falar de condução autónoma mas sim de assistência à condução. Coisas bem simples como velocidade adaptativa, manutenção na faixa de rodagem e travagem de emergência e pequenas curvas que possam ser feitas.
    Quase todas as viaturas existentes atualmente a rodar não têm hardware para condução nivel 5. Não têm as câmaras, radares e sensores em numero capaz ou em alternativa sensor lidar nem capacidade de processamento para lidar com condução autónoma. A Tesla somente desde abril do ano passado passou a integrar o hardware 3.0 que permite condução autónoma de nivel 5 (sistema de processamento de dados que permite nivel 5) mas ainda não ativado por software de forma completa (o chamado FSD) por não estar totalmente testado e por limitações da legislação. A Nissan ainda anda em testes com versões de teste do seu hardware para condução autónoma de nivel 5 porque os seus carros não vêm equipados com esse hardware e para ter nivel 5 tem de se comprar carro novo daqui a 2 anos (um novo Nissan). Basta ver o modelo que têm de condução autónoma que possuem em 2020 aqui : https://www.theguardian.com/business/2020/feb/05/nissan-self-driving-car-leaf-longest-journey curiosamente o lidar e restantes equipamentos não estão instalados na versão mais recente do leaf mas na mais antiga com hardware e sensores acrescentados. Se bem que muitos chamam condução autónoma ao nivel 1 a 4 por exemplo, a controversia é muita porque condução autónoma só sem intervenção humana desde o inicio ao fim e chamar condução autónoma de nivel 1 ao cruise control adaptativo é exagerar, Por isso, não existe de momento muitos modelos com capacidade de condução autónoma (com o hardware instalado) que seu saiba só a Tesla, a Porche no modelo elétrico e o Polestar , há chinês mas ainda não se vende por cá na Europa, mas nenhum tem ativada condução autónoma. Agora é estranho porque a Tesla usou a velocidade do GPS em vez da leitura dos sinais quando já pára nos semáforos, faz rotundas e sai das rotundas, sai na saídas da autoestrada, conduz na cidade, curva na cidade (tem de se fazer pressão no volante de 30 em 30 segundos para se saber que está atento), mas não deixa de ser estranho porque nunca ativou a leitura dos sinais de velocidade para controlo da viatura quando já o fazia com os sinais de stop e semáforos para controlar o carro.

  11. Paulo says:

    Eu até gosto de não ter chave e usar o google ou o siri para controlar o Tesla

    https://www.youtube.com/watch?v=TZYB1BYOWnc

  12. Diogo Rodrigues says:

    A noticia não é de todo correta porque a Tesla já teve há uns anos a leitura dos sinais pelas câmaras (Tesla Model S) e depois com uma das atualizações retirou e passou a usar os dados do GPS. A velocidade controlada pelo autopilot provinha da indicada pelo GPS para a zona. Agora na ultima atualização passou novamente a usar as câmaras. Não sei porque na altura passou das câmaras para o GPS. Notei com o GPS que numa zona ou outra dizia que a velocidade era de 90 quando na verdade era de 50 ou o contrário, compreendo por desatualização dos dados no GPS e que vem por rede 4G. No entanto, também é verdade que muitos sinais de velocidade estão tapados e as câmaras não os leem, como experiência que tenho com um Opel Insignia OPC que não lê todos os sinais com a câmara ou lê o da estrada ao lado por vezes se estiver muito perto. Há muita sinalética coberta por essas estradas por algumas dessas estradas fora e que já levou a excessos de velocidade se não estivesse atendo por falta de leitura do sinal pela câmara

    • IonFan says:

      O Autopilot V1 usava a câmara para ler os sinais mais isso estava patenteado pela Mobileye (que fornecia o sistema). O actual Autopilot é proprietário e desenvolvido pela Tesla e, por isso, perdeu-se essa capacidade até agora. Não foi só isso que se perdeu. Durante algum tempo o AP V1 era globalmente superior ao sistema da Tesla. Só há um par de anos é que o AP actual conseguiu apanhar o sistema antigo, sendo que, em casos muito particulares, o comportamento do AP V1 ainda pode ser superior ao actual.

      Só é pena que nos 52 comentários que já aqui estavam nenhum “especialista do bota a baixo” tenha explicado isto, em vez de vir mandar bitaites…

  13. Inácio Santos says:

    Mobileye, an Intel Company, is a global leader in the development of computer vision and machine learning, data analysis, localization, and mapping technologies for Advanced Driver Assistance Systems and autonomous driving solutions. Our safety technology is integrated into hundreds of new car models from the world’s major automakers: BMW, Audi, Volkswagen, Nissan, Honda, General Motors and more.

    Não digam que a marca do carro que conduzem desenvolveu a tecnologia ou desenvolve a tecnologia que usa porque usa a desenvolvida por uma companhia que tem a patente e a não ser que desenvolvam a sua própria tecnologia como a Tesla, têm de continuar a pagar o dizimo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.