PplWare Mobile

Carros elétricos: 12 mitos esclarecidos pela Volkswagen para projetar o seu ID.3


Imagem: Volkswagen

Fonte: Volkswagen

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Ricardo says:

    Epá, para mim, bastou ler o título… Mitos de carros eléctricos, esclarecidos pela marca que mais se lixou por andar a aldrabar os valores das emissões de CO2 largadas pelos seus veículos a gasóleo… Yeah, right!

    • Vítor M. says:

      Boas. Muito dos mitos são transversais, além disso, são também dados atuais compilados de forma direta, podem servir qualquer marca.

      • Wolfheart says:

        Apresentem também os dados relativos à poluição causada pela extração do Litium (chuvas ácidas o perigo da contaminação dos lençóis freáticos, radio-atividade, desflorestação, etc.).

        O facto das baterias a terem que se trocadas a cada 7 anos, algo que nenhum fabricante revela à cabeça (o que fazer com o resíduo destas baterias – como acondicionar para não contaminar o ambiente).

        A UE com as leis e intensivos para a utilização do carro elétrico, está apenas a tentar cumprir as normas de redução de CO2 e não com a melhoria do ambiente. – O chamado varrer para debaixo do tapete, pois os relatórios ficam todos bonitos.

        • Jorge says:

          Se dão garantia de 8, como são trocadas aos 7 anos ? Tenho uma carrinha com 20 anos, e eléctrica de origem, levou agora um pack maior, porque queria mais autonomia, as velhas ainda vã
          o para um sistema solar.

          Meu amigo, chuvas ácidas existem à décadas, e só agora começou a febre do eléctrico, não metam culpas nos inocentes.

        • ASousa says:

          Em 1º lugar, lol!
          Depois, em relação ao 1 parágrafo, com que bases fazes essas afirmações? Tendo em consideração todos os perigos relacionados com os combustíveis fósseis, começando em acidentes em com a sua extracção “que já todos conhecemos as consequências”, até as emissões lançadas pelos veículos em toda a sua vida, incluído o seu abate.
          O 2º parágrafo, acho que nem vale a pena falar muito, basta dizer que existem marcas que dão 7/8 anos de garantia. E mesmo que tal aconteça como dizes, é possível usar as baterias em casa, para serem carregadas com painéis solares e usar uma energia “gratuita” ou até mesmo carregar com a rede pública em regime de bi-horário quando ela é mais barata e usar a bateria quando é mais cara! Que na verdade podem ser usadas provavelmente por mais 10 anos.
          O 3º parágrafo acho que nem vale a pena responder mas… Cumprir as normas do CO2 não é melhorar o ambiente?!

          Para acrescentar, em Portugal mais de metade da energia consumida é proveniente de energias renováveis. Podes ver isso na fatura da EDP!

    • hoot says:

      O que a VW fez com as emissões, já faz o pessoal das Ibizas e outros azeites, aí a largar fumo para o ar.

  2. zé tuga says:

    E pronto, assim cai o mito que viria com um preço abaixo dos 20 mil.

  3. Cortano says:

    “Além disso, os adaptadores domésticos de parede permitem que o utilizador carregue confortavelmente em casa.”

    Isto não é bem assim. Eu moro num apartamento e não me estou a ver a mandar um extensão pela janela para carregar o carro, que pode estar a 50 metros de distância.

    A dificuldade em carregar um eléctrico numa área urbana de prédios não é um mito, mas sim um grande problema.

    • Vítor M. says:

      Sim, esse é um problema, mesmo com alguns condomínios (e autarquias) com vontade de resolver, ainda vai demorar. Então em Portugal vai levar anos!!!

      • Cortano says:

        A coisa só vai começar a mexer quando as empresas de electricidade, ou outros privados começarem a investir a sério neste mercado.
        As autarquias por muito boa vontade que tenham, não têm recursos (know how e fundos) para fazer esta mudança.

      • Miguel says:

        Já existe lei específica que permite e implementação de posto de carregamento e o condomínio não tem de autorizar, basta avisar com 30 dias de antecedência 🙂

        • Cortano says:

          É um prédio sem garagem e sem lugares reservados.
          É uma praceta igual a milhões de outras espalhadas pelo país.

          Portanto, a solução seria mandar uma extensão pela janela…. Que na prática não é solução.

    • Miguel says:

      Nao terás qualquer problema 🙂 basta que tenhas um lugar de garagem onde podes instalar uma tomada de carregamento. Se não existe um lugar de garagem aí sim compreendo o desafio 🙂

    • TugAzeiteiro says:

      Se fosse apenas esse o problema…. o problema maior é que os carregadores domésticos demoram sim uma eternidade a carregar o carro!!
      A solução é comprar um carregador de pelo menos 7kw, mas… lá está tem que se adaptar a garagem ou parqueamento para isso!!
      Isto tudo a juntar ao problema de em Portugal não haver carregadores exteriores/públicos suficientes para a quantidade de carros eléctricos que Actualmente já temos… e que só tem tendência a aumentar…… Não sei do que estão há espera!?

      • IonFan says:

        Demoram uma eternidade a carregar a bateria toda… Um carro destes faz médias de 16kwh aos 100km. Ou seja, em 8h a 2kw carrega o necessário para fazer 100km. A não ser que precise de muitos kms por dia, isso não é um problema. Pode carregar até numa ficha normal.

      • Cortano says:

        “Se fosse apenas esse o problema…. o problema maior é que os carregadores domésticos demoram sim uma eternidade a carregar o carro!!”

        Se o problema que eu referi é o ponto de partida para poderes carregar o carro, e se não tiveres solução em termos de lugar (garagem), o teu problema nem sequer se coloca.

        Ou tu na tua lista de pontos de análise para a compra de um eléctrico começas pelo “quanto tempo demora o carro a carregar ligado em casa”?

        Eu começo por: “Onde carrego o carro?” Se não tiver solução para este ponto, todos os pontos a seguir deixam de fazer entido.

        • Jorge says:

          A sério, tenho veiculo electrico à 12 anos, e nunca esperei para ele carregar, não se esqueçam que não precisam de lá estar a olhar para ele enquanto carrega….

  4. Edinelson says:

    Qual é a vida útil das baterias

    • Jorge says:

      Duram tanto que ainda ninguém sabe.

    • Mota says:

      As baterias dos carros elétricos têm 8 anos de garantia, o tempo de vida útil não sei mas 8 anos de garantia já é muito bom, pois 80% das pessoas quando compram carro novo guardam-no em media entre 3 à 5 anos para depois o revender e comprar outro novo. E a tendência já nem é comprar carro mas sim alugar, nos últimos 5 anos a tendência subiu de tal forma que agora mais de 80% das pessoas aluga, pois assim apenas paga a utilização do carro e não o carro em si.

      • Marco says:

        Podes indicar onde encontraste essa percentagem de aluguer de carros? (“mais de 80%”)
        Porque tenho a impressão que é um valor muito inferior ao que referiste.

        • Mota says:

          Como vendedor de carros sei do que falo, e a percentagem é essa. Nos últimos 5/7 anos houve uma mudança enorme. A mentalidade das pessoas agora é diferente e perceberam que não compensa comprar carro pois ele vai desvalorizar imenso, em 3 anos perde +/- 55% do valor. Um carro não é uma casa. E no final de contas alugar fica mais barato que comprar e tens mais regalias… mas teria muita coisa para falar.

          • Paulo Silva says:

            É óbvio que não são 80%! Você como vendedor deve deixar muito a desejar! Se disser que 20% faz renting ou leasing, e mesmo assim duvido! Já os 8 anos de garantia das baterias e tudo muito, mas muito subjectivo! Para ter 8 anos de garantia, tem que efectuar pelo menos 80% dos ciclos de carregamento com carga total de 100%, se não carregar a 100% em pelo menos 80% dos ciclos de carregamento, a garantia VOID! É importante ler as letras muito pequenas 😉

          • Mota says:

            Tenho que responder acima pois não da possibilidade de resposta… Pessoa muita fraca. Caro, Amigo @Paulo Silva, não fale do que não sabe, se não é a sua área limite-se a ouvir/ler. Não estou aqui para vender, apenas a constatar que o mundo evoluiu e que nos últimos 5/7 anos o mundo automóvel mudou muito mas como não deve saber, vem falar asneira. Como nos telemóveis as pessoas agora começam a alugar e não a comprar pois preferem ter um telemóvel novo todos os anos. Acaba por ser mais vantajoso, se for esse tipo de pessoa. Mas a percentagem ainda é baixa. Cumps ao Senhor @Paulo Silva e na próxima dê a cara…

          • Jorge says:

            Paulo, mas os carros já têm, grande parte deles modo de selecionar qual a percentagem que quer carregar, as revisões servem para isso mesmo.

          • Marco says:

            Desconhecia 😉 obrigado

          • Bruno Rodrigues says:

            Saudações,
            “Agora mais de 80% das pessoas aluga”? Em que dados se baseou para fazer esta afirmação?
            Cumprimentos.

      • dajosova says:

        @Mota:
        fonte de informação para “agora mais de 80% das pessoas aluga”!?

        • Mota says:

          @dajosova

          Boas, a fonte de informação é o meu trabalho, é a media que vejo todos os meses na tabela de vendas dos meus colegas e de outras concessões. Nos últimos anos tem aumentado imenso. Não sei se tem em algum site ou livro escrito, mas é o que vejo todos os dias no trabalho. As pessoas mais velhas é que não costumam muito fazer (mentalidade), mas as mais novas agora só pensam em fazer isso, pois assim sabem que todos os 3/4 anos tem um carro novo, com garantia durante toda a utilização etc, a varias vantagens pois o montante do aluguer é um pack (é a utilização da viatura e de varias vantagens incluídas). Mas se fores uma ,pessoa que costuma ficar com o carro vários anos o aluguer não te compensa. Mas as pessoas não costumam guardar muito tempo, pois pensam em vender para ir buscar algum dinheiro que gastaram ao comprar (enquanto vale algum) e depois comprar outro. Carros usados já é outra historia….

          Apenas te digo pelo que vejo nos últimos anos. Não ganho nada em mentir. Ninguém sabe onde trabalho e não tentei vender nada. Apenas dei uma informação pelo que vejo no trabalho. Cumps

          • Alvega says:

            Boas, Mota, desculpa meterme na conversa, concordo com tudo o que afirmaste anteriormente, e confirmo, excepo dos motivos que levam as pessoas a “alugar os carros”:
            1º isso já vem de muito tempo atrás, com leasings, rentings, ALDs, etc e tal, mas o motivo principal é o INTERESSE de quem vende, nao de quem COMPRA, pois as marcas\ concessionários deixaram de vender automóveis e passaram a vender CRÉDITOS BANCÁRIOS, ganham N vezes mais, sê honesto (como vendedor) e confirma. Eu também sei do que falo e muito. de resto confirmo as tuas percentagens e diria mesmo serem superiores, sem ofensas, e boas vendas.

          • Mota says:

            @Alvega
            Ganham os dois, o vendedor ganha igual, a concessão/marca ganha mais, mas o cliente também beneficia, pois paga menos e tem mais vantagens incluídas e não fica sem os 20/30/40 mil € , pois ficam na conta bancaria e ainda podem ganhar dinheiro com ele se o meterem numa conta a ganhar juros. e tem o prazer de ter sempre um carro novo. e sem a chatice de o revender.

            Agora as pessoas pensam como ganham os dois !? é simples depois de 3 anos de aluguer a concessão revende o carro como usado e é ai que ganha dinheiro, mas não compensa ao cliente comprar pois a opção de compra é alta.

            No final ganham os dois. Depois pode-se fazer contratos de aluguer de varias opções, mas a maioria escolhe o completo assim paga o aluguer e tem as revisões, óleo, filtro, peças, etc tudo incluído excepto os pneus. e sabem que não precisam de pagar mais nada. mas não da para explicar por aqui a varias coisas e vantagens. Mas Sim no final ganham os dois. Mas como já disse mais acima se for um cliente que guarde a viatura durante vários anos não compensa, mas sabe que o carro não vale nada daqui a uns anos e para comprar um novo terá que meter de lado todos os meses uma soma.
            e no aluguer não precisa de meter dinheiro de lado e continua com o dinheiro 20/30 mil€ na conta.

            e no caso de créditos é o pior de todos.

            Muitas vezes as pessoas dizem mas no aluguer o carro não é meu. não é, é verdade. pois no certificado de matricula esta o nome da concessão.
            mas no caso de fazer um credito o carro é do cliente? Também não, é do banco. Se não pagar o banco vem buscar.
            E pessoas que compravam a pronto um carro a 60mil € deixaram de o fazer e passaram a alugar também.
            Um carro esta sempre a perder valor, como já disse não é uma casa, uma casa comprada a 30 anos vale hoje o mesmo ou mais, muito dificilmente vale menos só se não foi bem tratada. Um carro por muito bem tratado e por muitas opções que tenha esta sempre a perder valor.

    • TugAzeiteiro says:

      Depende….
      1º tens a questão se carregas o carro sempre a 100% (diminui o tempo de vida)
      2º a questão das baterias refrigeradas (tesla) ou não (renault/nissan), como é óbvio renault/nissan não duram nada…
      3º a Tesla para o ano vai lançar uma bateria com garantia para 1 milhão de Km’s…. (poucos são os carros que lá chegam)

      • Jorge says:

        O carro nunca carrega a bateria a 100%, ele tem esse controle, mas a maioria deles pode escolher o que carregar, se usa 50 % por dia, não vale a pena carregar os 100% que ele indica que na realidade são uns 90% na bateria.

        Só a nissan não usa refrigeração, mesmo assim duram se forem bem tratadas.

        Poucos a combustão.

    • Mota says:

      De uma coisa é certa, o tempo de vida útil das baterias de um veiculo elétrico é maior do que um veiculo térmico.

    • IonFan says:

      A vida útil das bateria mede-se em ciclos (completos 0->100%, ou seja 75->25% + 75->25% = 1 ciclo). As baterias modernas, até perderem 20 ou 30 % da capacidade original, fazem entre 1500 a 2000 ciclos, podendo duplicar este numero se forem carregadas entre os 30 e 70%. Num carro destes, com 550kms que se deverão traduzir em 450kms reais, estamos a falar de, no minimo, 675.000kms.

  5. Paulo says:

    Eu só me vou rir um pouco, porque já trabalhei numa fabrica de veículos de pesados de mercadorias e estive lá na altura da produção do pesado eléctrico, e há certos mitos que são tão mas tão ridículos, que ainda bem que não meteram aqui, a única coisa que não é mito pelo menos nos VEÍCULOS PESADOS é o preço elevados relativamente à autonomia.

  6. RAtM says:

    Só para completar o raminho: o nosso governo,sempre pronto a carregar nos impostos,deixa de dar incentivos à compra de carros elétricos. Conclusão, a venda destes caiu para metade neste 2º trimestre. Ambiente,sim,mas 1º o imposto,fachavor!!!

  7. RAtM says:

    Em relação ao trimestre anterior…

    • Jorge says:

      Caiu as vendas porque acabou o incentivo, no entanto é preciso referir que nessa altura houve um aumento de 151% em relação ao ano passado na compra de eléctricos.

      Mas calma, os incentivos para gasóleo vão continuar, se for como no ano passado, são pelo menos 600 milhões, enquanto para eléctricos reservaram apenas 3 milhões.

      • RAtM says:

        Eu fico extremamente feliz pelo aumento de elétricos na estrada, ainda que estejam num preço exorbitante e, no caso do Zoe ter que se pagar 70 euros por mês pelo aluguer da bateria… Mau mesmo é o apoio/incentivo que o governo não dá. Mas defendem que temos de proteger o ambiente…

        • Jorge says:

          Só paga aluguer se quiser, é uma opção que apenas a Renault tem, os preços para os com aluguer até são equiparáveis aos a combustão, mais altos nos que não têm aluguer.

          • RAtM says:

            Só dei um exemplo de um carro mais acessível, mas que força a uma renda mensal superior ao meu consumo de gasóleo de mais de mês e meio. Para mim, não é solução, ainda, por muito que quisesse. Sei que o i3 ou o Leaf não implicam esta mensalidade, mas a bateria ao fim de alguns anos serão cerca de 7 a 8 mil euros!!!

          • Jorge says:

            Sim, alguns anos depende dos kms, conheço quem tenha feito mais de 600 mil kms sem qualquer problema, qualquer bateria de leaf dura no mínimo 300 mil kms, não tem a ver com o tempo, 300 mil kms já poupou para comprar outro carro, quanto mais a bateria.

          • RAtM says:

            Baterias novas, segundo o ekonomista:
            Toyota Prius: 2.350 €;
            Nissan Leaf: 7.080 €;
            Renault Zoe: 7.500 €;
            Porsche Cayenne E-Hybrid: 23.680 €;
            BMW i3: 37.580 €.
            Dizem no mesmo artigo que a maioria é substituída pelos 30 mil kms

          • RAtM says:

            Jorge, só para consulta, mas acho que 300 mil com um abateria parece um pouco exagerado…
            https://www.e-konomista.pt/artigo/trocar-bateria-carro-eletrico/

          • Jorge says:

            Bom, lamento, mas o ekonomista não acertou uma, que quer que diga, acha que as marcas vendiam carros de 30 mil euros para depois meterem uma bateria a cada 2 anos? Seriam 4 baterias durante a garantia. Procure fontes credíveis e não jornaleiros de clicks.

          • RAtM says:

            Se for esse o caso, fico grato pelo esclarecimento. A questão é mesmo a necessidade de um maior desenvolvimento a nível de autonomia, custo e tempo de carregamento!

          • Jorge says:

            Sim, e o leaf é um mau exemplo nos países como o nosso, porque é dos poucos, senão único que não term climatização da bateria, em países quentes, degrada se demais.

    • IonFan says:

      O problema do 2º trimestre é que no 1º foram entregues muitos Tesla Model 3. O que importa mais é que a este ritmo, a venda de eléctricos vai triplicar em relação ano anterior. Isto vai acentuar ainda mais a curva exponencial da venda de VE. A transição vai ser bem mais rápida do que muitos pensam.

  8. Bruh says:

    Conhecendo a VW, o carrito eléctrico deles vem com escape escondido algures.

  9. jorge antonio says:

    O preço destes carros continuam um absurdo, isso não é mito, é realidade, e comparar um ID.3 ao Golf TDI é outro absurdo, porque de certeza que o custo de produção do TDI será superior ao do ID.3

    • Jorge says:

      Queria um carro super económico, silencioso e fiável por um custo igual ou parecido aos que vendem a combustão para andar sempre nas oficinas? Espere pelo pai natal.

  10. Joao says:

    Não dou um cêntimo à marca que nos enganou ao longo dos anos.

  11. Zé das Couves says:

    Carro elétrico na cidade? Sim e de imediato! Carro elétrico na AE e trabalho diário, só híbrido nesta altura; Os híbridos plug-in são mesmo económicos e não é um carro que gasta 2 litros aos 100 que polui sendo esta a forma mais otimizada e economicamente mais correta! Um barco de turismo dos grandes quando atraca em Santa Apolónia polui mais dessa vez que todos os carros em Lisboa durante um ano; Ainda faltam as células de combustível, que substituem as baterias grandes, etc, etc, etc..

    • Jorge says:

      Sim, mas o barco não vau vazio, ao contrário de 90% dos carros que apenas levam o condutor.

      • Zé das Couves says:

        Vá vazio ou vá cheio a situação não muda! Há 4 barcos no mundo que não são cruzeiros mas sim de carga que poluem mais os 4, mais que todos os carros do mundo;
        Um avião ao descolar carregado queima 8 toneladas no mínimo à saída da pista!
        moral: um barco carregado de pessoal que quer é copos e piscina tem moral para sujar tudo; um carro híbrido com uma pessoa que vá trabalhar todos os dias não pode sujar, ok… Sabendo de antemão que o gado bovino polui 11% de toda a poluição e nos transportes terrestres são 20% e desses 20% só 20% são que os carros poluem, pergunta-se qual a razão para tal questão sempre posta (os carros é que são os maus da fita) se não for simplesmente para sensibilização? Havendo na engenharia naval já barcos a GN; porque razão não convertem os outros todos?????

        • Jorge says:

          Não seja ridículo, o barco que mais consome no mundo consome à volta de 300 toneladas de combustivel por dia, isso é alguma coisa quando se fala em milhões de veículos na estrada.

        • Jorge says:

          A razão é simples, podemos movimentar de outras formas, mas vamos continuar a ter de comer.

          Já agora, esses 4 barcos são amendoins, só em petroleiros são 1500 à volta do mundo, constantemente a trabalhar, engraçado quando falam de barcos nunca incluem estes….

        • Jorge says:

          Acha mesmo que esse barco em Lisboa gasta tanto como os carros em Lisboa durante um ano? Diga o nome do barco e vamos ver quanto ele consome, depois comparamos… lol

          • Zé das Couves says:

            gigantesdomundo.blogspot.com/2012/12/o-maior-navio-petroleiro-do-mundo (ponto) html
            só como exemplo

          • Jorge says:

            Assim de cabeça são necessários pelo menos 20 navios desses a trabalhar a fundo durante um dia para equivaler ao consumo de veículos particulares, só na região de Lisboa.

          • Jorge says:

            E também durante apenas um dia.

          • António Burrié says:

            O meu caro Jorge não tem mesmo a noção do tamanho dum motor deste barco que é montado dentro dele se bem que esse petroleiro até é pequeno!
            dados do maior motor do mundo usado em
            – Consumo específico de combustível – cerca de 3,80 litros por segundo.
            – A Wärtsilä RT-flex96C é um motor diesel de dois tempos turbo de baixa velocidade desenvolvido pela finlandesa fabricante Wärtsilä.
            – Hoje é considerado o maior motor alternativo no mundo, projetado para grandes navios porta-contentores , rodando em óleo combustível pesado.
            – possui 13,5 metros de altura, 27,3 de comprimento, pesa mais de 2.300 toneladas e seus 14 cilindros, produzem mais de 109.000 cavalos de potência.
            – A versão de 14 cilindros foi posto em serviço em setembro de 2006 a bordo do Emma Maersk, o maior navio cargueiro do mundo.

            Enfim… é o que se chama de pessoa do contra, né?

          • Jorge says:

            Que interessa o tamanho, interessa é o consumo que ele tem, consume cerca de 300 toneladas de combustível por dia, o que quer dizer que em consumo equivalente são cerca de 70 mil carros a fazer cada 1 deles 100 kms, ou seja, usei uma média de 5 litros ao 100, considerando uma densidade de 0.853 kg/litro, ainda assim o fuelóleo tem emissões muito parecidas com o gasóleo.

            Quantos 70.000 mil carros não existem todos os dias a circular SÓ EM LISBOA.

            Só de ligeiros de passageiros existem 4.8 milhões no pais.

            Sou do contra quando a minha opinião é nesse sentido.

          • Jorge says:

            Já agora, esse navio transporta petróleo suficiente para depois de refinado encher o deposito a 2.5 milhões de carros a diesel e a 5.9 milhões de veículos a gasolina, com uma média de 45 litros por depósito. Portanto quando falarem nas emissões dos veículos a combustão, não se esqueçam de somar também as emissões destes navios.

          • Jorge says:

            Já agora fiz outras contas, esse navio pesa carregado 564763 toneladas, consome 300 toneladas de combustível por dia, e anda até 29 kmh, ou seja:

            29 *24 = 696 kms/dia para um consumo de 300 000 kg de combustivel

            Ou Seja: 300 000 / 696 * 100 = 43103 kg por 100 kms !!!

            Assim: 43103 / 564 763 = 0.0763 kg de combustivel por tonelada transportada por cada 100 kms.

            Um camião dos mais novos e económicos com 40 toneladas gasta cerca de 25 litros de gasóleo (que são 21.3 kg) o que dá 21.3 / 40 = 0.53 kg combustivel por tonelada por cada 100 kms, se bem que o camião anda mais depressa, ou seja, em média o dobro do navio, +- 60 kmh.

            Mas a conclusão é clara, o camião gasta 0.53 / 0.0763 = 6.979

            O que dá um consumo de 7 vezes mais que o navio, atribuindo a mesma carga.

            Portanto parece-me que mais uma vez não deixa de ser sensacionalismo dizer que os navios é que são os bichos papões.

            E nem sequer vou fazer contras aos veículos ligeiros, porque então isto rebenta a escala e chegamos à conclusão que os navios consumem 100 vezes menos que veículos ligeiros.

          • António Burrié says:

            Um TIR gasta em média a cada 100 Km carregado 50 a 60 litros e nunca 25; agora carregam alguns deles dois e já vi trucks com 3 depósitos com 2 toneladas de combustível; isto porque carregam em Espanha para ser mais barato (pormenores…) depois alguns deles já são equipados com GPL o que aqui sim diminui em cerca de quase 30% o gasto de gasóleo e aumentando-lhe a potência controlada pela centralina; Mais, os barcos de cruzeiro são tidos como os maiores poluidores de Lisboa e não os carros (mas aqui entramos na teimosia outra vez; isto foi já amplamente falado nos mídia mas parece que só ligam ao que o Google diz; Houve um barco que EU estive a ver em Santa Apolónia que a fazer a manobra de saída com retorno e movimento lateral com as hélices laterais frontais a rodar que em combustão de gasóleo durante 40 minutos deixou uma nuvem negra desde Santa Apolónia até à EXPO, isto visto e fotografado por repórteres; sei lá se calhar estava com o “carburador” aberto… Todos os novos barcos da nova geração deste tamanho tanto de entretenimento como de carga estão a ser convertidos a GN (deve ser filantropia..); Os aviões não deixam rasto negro na queima, mas basta pôr o nariz a 300 m de distância deles quando curvam em pista (não no arranque) que ficamos a cheirar a petróleo (JPX) durante dois dias; Agora a culpa é dos carros, não é?, por isso é que Londres mandou os aeroportos para fora da cidade, um deles a 80 Km e barcos nem entram os de grande porte, mas como gostamos de turistas, só os carros é que sujam;

            como isto é discussão de malucos, fica lá com a tua que eu continuo a andar de carro descansado dentro de Lisboa, ao Domingo e de semana de mota e é porque moro cá!

  12. jose says:

    Muito gira a estratégia de marketing, muito bom para vender.
    Tirando isso, alguns dos mitos são contornados com falácias.
    Mito 2: Se 10% dos automoveis fossem electricos seria uma realidade.
    Mito 3: Se demora mais que encher um tanque de combustivel, demora uma eternidade.
    Mito 4: Se consideram parar a cada 500km, programar parar parar numa bomba com charging station, ficar à espera que esteja livre e ainda esperar pelo carregamento uma alternativa viável, eu cá quando vou de viagem quero parar o minimo de vezes possiveis para chegar ao destino o mais rapido que possa.
    Mito 5: Bonita a ideia da interrupção de energia no caso de acidente, não dizem é o que acontece no caso de as baterias derramarem no acidente, mas os videos por aí falam por si.
    Mito 6: Válido na alemanha que têm energia nuclear que não contribui para a carbon print.
    Mito 7: Verdadeiro agora que existem poucos, quando 15% dos automoveis forem electricos não terá capacidade, nem mantendo as nuclear power plants.

    O restante são efectivamente mitos.
    Por cá ainda temos a preocupação da falta de garagens ou garagens sem energia.
    Acho engraçado os electricos e acho que efectivamente há poupança para o consumidor, no entanto acho que não passa de uma moda, que tem muitos problemas de concepção para poder vingar nos moldes actuais.

    A minha aposta a 10 anos vai para hibridos e hidrogenio.

    • Jorge says:

      2- na Noruega já são mais de um terço, povo esperto, vende o petróleo aos parvos e têm ordenado mínimo de 2500 euros.
      3- demora, mas não precisa de lá estar a segurar a mangueira (cabo de carga), portanto tempo que ganha.
      4- quando vai de viagem e tiver esse problema, alugue, o dinheiro que poupou da para as férias e ainda para alugar um carro a combustão para essa viagem.
      5- baterias não derramam, já foi proibido à muitos anos baterias líquidas nos veículos, inclusive nos a combustão. Não encontra nenhum vídeo com derramamentos. E sobre os 2 ou 3 teslas ardidos, são uma raridade em relação aos 175 000 carros que ardem todos os anos nos EUA.
      6- muito mais válido para Portugal que tem excedente de energia de noite e da-a a Espanha e outros.
      7-errado, se 100 % das viaturas em Portugal fosse eléctrica havia um aumento no consumo menos de 10%, mas poupança de mais de 2500 milhões de euros em importações.

      Não, eu tenho eléctrico à 13 anos e vivo como as outras pessoas, com mais tempo e menos dinheiro gasto em transporte, nem sequer equaciono algum dia trocar, para quem faz centenas de kms por dia que compre um Tesla, aliás, das pessoas que conheço e compraram Tesla, compraram por isso mesmo, porque fazem imensos por mês, conheço 2 casos a fazerem 10000 kms por mês.

      • jose says:

        2- como se pudesses comparar Noruega com algum outro país do Mundo.
        3- uau, optimo, assim posso ir à estação de serviço comer um overpriced something e acrescentar 30 minutos à minha viagem, eu em viagem só paro em percursos acima de 900km para xixi e combustivel e já isso me chateia.
        4- se quisesse um electrico e precisasse de andar a contar tostoes seria verdade, a questão é que mesmo tendo um electrico teria sempre um carro a combustao para viagens.
        5- tanto não derramam que incendeiam e não são apenas teslas que incendeiam, são inumeros outros, muitos após acidentes, outros até com calor, são uma raridade sim face aos de combustao, no entanto um carro de combustao a arder dá tempo para sair do carro caso não tenha perdido os sentidos, num electrico a arder, a combustao é tão rapida que não tens hipotesse nenhuma, basta a porta não abrir que já foste.
        6- então faz as contas à e depois diz-me quanta é fossil.
        7- seria bem superior a 10%, não deves saber quantos carros temos..

        Não nego as vantagens dos electricos nem da sua poupança, eu proprio já equacionei comprar um para andar na cidade, mas só mesmo por uma questão de moda, a poupança que teria não compensaria a falta de flexibilidade, precisas programar a tua vida em função do carro, não tenho paciência para isso.

        • Jorge says:

          2- exacto, pelo menos aproveitam o que têm, ao contrário de Portugal que tem e dá aos outros.
          3- penso que não é toda a gente que faz isso regularmente e a maioria faz 1 a cada ano, daí a minha observação, pelo que tenho visto em veículos eléctricos, muitos teslas são entregues a pessoas que fazem uma média de 300 kms por dia. Viagens por essa Europa fora já são normais, até porque gozam de uma rede de carga rápida própria e sem custos.
          4 – acha que são tostões é porque tem um rendimento acima da média, mas tudo, para quem faz uma média de 1500 a 2000 kms por mês, é uma despesa ainda grande no orçamento mensal, quanto a mim superior ao que gasto no hiper todos os meses, logo nem penso viver desse modo.

          5- sim, é normal os jornalista irem à procura da raridade e até procurarem por equipas de bombeiros que não estão preparadas para isso, mas descanse, porque em Portugal algumas corporações já tiveram formação de como extinguir rapidamente esses incêndios. Sobre a rapidez das chamas não é verdade, as baterias por si só não pegam fogo, quando isso acontece até o carro avisa do excesso temperatura do compartimento da bateria. Anda a ler muito sensacionalismo, tanta coisa que em Portugal ainda não houve apenas 1 caso desses. Sei porque trabalho no ramo.

          • Jorge says:

            Eu falei em excesso de noite, de noite não há excesso de fóssil, mas sim de eolica.

            7- sei, são 4.7 milhões.

            Se fossem eléctricos e com consumo médio de 130 wh por km e 15 000 por ano daria 1.95 Mwh, que seria menos de 10 Twh que seria cerca de 16% da produção, isto para 4.7 milhões de veículos.

          • Jorge says:

            Já agora, quer saber quantos milhões de barris se deixava de importar e quantos milhões de euros ficavam em Portugal ?

  13. Luís Silva says:

    Quem vai querer um carro com baterias de 8 anos? Quanto custam as baterias novas? Que capacidade tem as áreas de serviço para carregar por exemplo 100 carros, que façam uma viagem do Algarve a Bragança. Por último, o que vai acontecer às oficinas de mecânica, excepto as das marcas que vendem os eléctrico.

    • Jorge says:

      Da mesma forma mesma que se compram a combustão por 2 anos, acho que não percebeu, 8 anos é a garantia, não é a duração, ainda à dias saíram artigos a dizer que duram mais de 20 anos, e ainda podem ser usadas em outros sistemas, como solares

    • coelho says:

      O que vao fazer com as baterias estragadas ? esqueceram essa parte..

      • Jorge says:

        Está no artigo, 97% dos materiais vão ser reciclados, ao contrário dos combustíveis, que se queimam e pronto….

      • rodrigo says:

        A reciclagem das baterias usadas sera em ultimo caso! primeiramente irão ser reutilizadas para outros fins

        • Jorge says:

          Nem mais, eu tenho uma bateria com 20 anos que tirei de uma carrinha, que levou um pack maior porque necessitava de mais autonomia, e a velha foi para o meu sistema solar, carrega de dia, com o excesso de produção e gasto de noite.

    • Eu says:

      Qual é a bomba de combustível que abastece 100 carros ao mesmo tempo? Fica onde, mesmo?

      • Jorge says:

        Mesmo!! Ainda a umas semanas atrás, tive de chamar as autoridades para desbloquearem a estrada onde estavam centenas de carros a ocupar a via para abastecer, ocuparam uma via com uma única faixa de rodagem com duplo risco continuo, enfim…

    • Eu says:

      Porque estás tão preocupado com as oficinas de mecânica? Por acaso ficaste muito indignado com os milhares de mercearias e lojas de rua que fecharam por causa dos centros comerciais? Ou das milhares de costureiras e alfaiates que tiveram de procurar outra actividade com a invasão das lojas de pronto a vestir com preços tão baixos, em que nem vale a pena reparar as roupas e compram-se outras novas?

  14. IonFan says:

    Professei há uns tempos que, primeiro para a imprensa e depois para o público em geral, os eléctricos iriam passar a ser os melhores carros, logo após a VW lançar um a sério… Ainda bem para todos que isso aconteceu.

  15. Eu says:

    É só velhos do Restelo. Sempre que há novidades tudo volta ao mesmo.
    E é esta malta que se diz jovem, mesmo depois dos 40 😀

  16. António Burrié says:

    Sinceramente nem percebo qual é a discussão; se é por causa do motor elétrico, supera de longe o motor de explosão apesar de 100 anos de evolução; diga-se que é mais do dobro da eficiência e a potência está logo no pé ao momento;
    Quanto às baterias, certo e errado! A sua produção implica sujidade e a reciclagem também e tempo de vida depende do modo de uso; no meu já lá vão 10 anos e pretende-se que dure pelo menos mais 5; E quanto ás baterias há alternativas já em produção mas não de venda ao público que é a célula de combustível, mas como tem de se produzir lítio, temos de o gastar primeiro……..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.