Quantcast
PplWare Mobile

Carregar um veículo elétrico na rede pública? Em quanto fica?

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. JR says:

    70%……. Tem mais taxas carregar um elétrico que um a gasolina…

    • Gertrudes says:

      Não são as taxas o mais caro mais sim os lucros das operadoras. Carregando em casa fica ao preço das bananas. O artigo está escrito de forma a induzir em erro os leitores, condicionando a sua opinião! O preço de fazer 400km num carro a gasolina está mal calculado! Se considerarmos um carro com consumo 5L/100km (que praticamente não existe pois isso são promessas das marcas quando fazem os testes em condições ótimas sem curvas nem subidas nem grandes acelerações ou velocidades), dá um custo de 37€! Se considerarmos um carro real, com bons consumos a rondar os 7,5L/100kms, já dá um custo de 55,5€! Logo o artigo original foi claramente escrito pelo clube dos amigos do petroárabe 😉 andar a gasolina sai quase sempre mais caro

      • Gertrudes says:

        E digo mais, o caso anedótico reportado não corresponde aos preços verificados pela maioria dos portugueses. Mas que há operadores a abusarem da sua posição, há. O estado devia limitar a margem de lucro destas empresas prestadoras de serviços aos veículos elétricos!

        • Arquiminio Marouvas da Costa says:

          O caricato de tudo isto é que, 80% dos portugueses não tem garagem, a corrupção é quem gere este país, construções recentes , edifícios com 10 andares que ladeiam avenidas enormes sem qualquer parqueamento ou garagens para os moradores… como pode ser viável para o contribuinte este tipo de veículo elétrico, como é obvio estão á espreita os lobos de sempre para esmifrarem o cidadão , empurrados pelos políticos para a boca do lobo… até parece que somos um país super poluente e rico para nos pressionarem a trocar o parque automóvel… quanto mais baixa for a nossa cota de CO2, mais o governo recebe, vendendo os nossos sacrifícios aos países que se estão nas tintas para essas tretas, preocupam-se sim com o seus desenvolvimento interno e com independência dos impostos do cidadão… Os governos não se deslocam em viaturas elétricas nem de bicicleta, usam viaturas de alta cilindrada e motores térmicos… Os governantes e ex-governantes já prepararam o negócio para si e para os seus, sabem que o cidadão comum não tem onde carregar a viatura sem ser no abastecimento público… alguém tem duvidas… quando mais poluente for o veículo menos IUC paga. Tenho dito .

      • Yamahia says:

        Os novos motores 1000cc turbo fazem os 5 aos 100 sem grandes preocupações e se andarem em AE ás velocidades que andam os eléctricos, gastam ainda menos.
        E nem o argumento da poluição é válido dado que um carro eléctrico polui mais que um equivalente a combustão.
        Andamos todos a ser enganados com o único propósito de revitalizar uma indústria que caminhava para o estagnamento.

      • Zé Milho says:

        Não sei como conduzes, mas o meu gasta 5.1L/100kM

  2. FreakOnALeash says:

    Portanto BEV é só para quem tiver guito e lugar de garagem…nem um nem outro, eu bem queria, mas assim é manter o Dacia a GPL pelo máximo de tempo possível!

    • André Martins says:

      É que não tenhas a menor dúvida…isso ou esticar um cabo do 3º andar para a rua 🙂
      Já me tinha apercebido desta conclusão há muito tempo…mas tenho a ideia que a maioria dos utentes de e-cars devem carregar em casa ou nas instalações da empresa onde trabalham…caso contrário, devem estar bastante angustiados com a escolha que fizeram por eléctrico…digo eu.

    • JR says:

      Sem duvida que neste momento compensa bastante mais manter ou até comprar um carro a GPL do que virar neste momento para full Eletric… Ou comprasse Hybrid ou GPL

    • eu says:

      Também tenho o mesmo veículo e contas feitas, poupamos metade da versão a gasolina e pelos vistos menos que um carro eletrico caso não tenhas garagem dedicada como é a grande maioria dos casos.

      • FAR says:

        Não poupa metade por duas razões:
        1. O GPL não custa metade do preço da gasolina ou gasoleo (e a tendencia será exitir uma diferença cada vez menor – crises de gás e tal)
        2. Um veiculo gasta mais quantidade de GPL do que de gasolina/gasóleo devido ao GPL fornecer menor energia na combustão.

        Irá poupar sim (por enquanto), mas não de forma tão significativa.

        Informe-se.

        • JR says:

          “Não poupa metade por duas razões:”
          “Irá poupar sim (por enquanto), mas não de forma tão significativa.”
          Entao mas poupa ou nao?

        • mais says:

          concordo plenamente, e acrescento naoe squecer que o gpl continua a precisar da gasolina!!!

          • Vitolas says:

            Sim e utiliza uma estupidez de gasolina…nem 1 km para passar de gasolina a gaz e isto as 5 da manha com 4 graus de temperatura exterior.
            Para além que, existem vários sistemas de GPL que já não necessitam de gasolina para nada, todo o funcionamento do carro é feito a GPL.

        • Vitolas says:

          Mandar os outros informarem-se e não saber o que se fala..
          O GPL esta atualmente basicamente a metade do preço do gasóleo simples nem é da gasolina como esteve a por exemplo ano, ano e meio.

          Um carro a GPL gasta mais é um facto, mas falamos em média de uns 2 litros, tendo em conta o valor do combustível e o consumo extra é só fazer contas.

          Carros elétricos/híbridos existem em massa nem a meia dúzia de anos e já foram mais prejudicados que os carros a GPL que por ai andam aos anos.

          E essas teorias das tendências disto e dos por enquanto daquilo é historia que quem tem carros a GPL ouve a anos em tantas coisas ligadas ao GPL, e no entanto quando vamos a bomba não ficamos com a lagrima no canto do olho.

          • Yamahia says:

            GALP eixo N/S-Lisboa:
            —GPL 0,924€
            —Gasolina 95 1,824€
            Portanto, neste momento, o GPL está a MAIS de metade do preço da gasolina.
            Já agora se puder esclarecer…É possível descontar nos abastecimentos de GPL os tradicionais vales de combustível “oferecidos” pelos supermercados?
            É que com esses vales condigo tirar a gasolina a 1.30€/litro

  3. Elkido says:

    Já não basta o Governo nos assaltar as carteiras com 65% em impostos e taxas e taxinhas e tudo mais nas gasolinas e gasóleos senão encarecer ainda mais o carregamento dos carros eléctricos das redes públicas.Ss uma pessoa carregar o carro eléctrico em casa é que fica super barato…. fora de casa fica 10x ou 15x mais porque inventam uma série de impostos sem fim….o Governo era para estimular as energias limpas…e não para matar…. já não basta as maiorias das baterias dos carros eléctricos viciarem a partir dos 170 000/300 000 KMS e uma bateria de lítio nova para carros eléctricos custa cerca de 20 000€…. além da autonomia reduzida… enfim O nosso Governo Português no seu melhor

    • Maresia says:

      Mas ainda há manadas que acreditam que é isto que vai salvar a sociedade e que vamos pagar pouco. Paguem e não bufem!

    • Zed says:

      Baterias de lítio a viciarem? Lol!

      • Yamahia says:

        Então? São eternas?
        Viciar pode não ser o termo correto mas lá que perdem capacidade (e muita) ao fim de uns 120000 kms lá isso é verdade.
        Acresce referir que se tal acontecer durante o período de garantia (normalmente 8 anos ou 160000 kms) a marca só considera analisar o problema caso o índice de capacidade esteja abaixo dos 70%

        • Manuel Rui says:

          Nao concordo. Tenho um Smart ForTwo electrico. Vai fazer 10 anos e 180.000 km. No entanto a bateria continua com a capacidade quase igual que tinha quando o comprei. No entanto nunca fui obrigado a mudar oleo de motor, filtros, turbos juntas, escapes, filtros de particolas, sensores NOX. Alias so mudei uma vez os calcos de travoes e nao por estarem gastos mas sim por estarem podres. O carrinho continua a funcionar muito bem.

          • Rui says:

            Ter em consideração que a primeira geração do smart elétrico usa um motor e bateria desenvolvimento pela tesla, isso também ajuda a esse bom resultado.

  4. HB says:

    E ainda estamos no início. Com a massificação o preço vai ficar ainda mais caro.
    As tarifas bi e tri horária com a massificação dos carros eléctricos vão desaparecer, porque o que antes eram momentos de baixo consumo passará a ser de alto.
    Vamos pagar bem cara a eletricidade (mais ainda).

    • Rui says:

      Duvido que desapareça, mesmo com os eletricos a industria continua a ter um peso brutal no consumo de energia durante o dia, apenos os paneis solares podem contrariar isso, mas continuas a ter as eolicas em modo turbo durante a noite e elas tem um peso grande na produção…

      • André Silva says:

        é preciso que haja vento… basta ver o verão passado que nem a 10% da capacidade média trabalharam.

        • Armando Cardoso says:

          Haverá outra razão para as eólicas não trabalharem sempre que haja vento. Por vezes, num grupo de 10, só uma funciona. Se há vento para uma, as outras não o apanham também?

  5. L.Sousa says:

    É também necessário perceber os milhares que se pagam a mais por um carro elétrico o que corresponde em abastecimentos para saber se realmente estão a poupar…

  6. Filipe says:

    Têm de inventar um powerbank para carregar em casa, e deixar de noite a carregar a bateria do carro. Seria útil para quem não tem garagem.

  7. Miguel says:

    Deveria ser mais caro, tem muitos espertos que nas cidades vao para o trabalho e deixam o carro todo o dia a carregar a ocupar espaço.

    Eu carrego em casa e na empresa, mas percebo o porquê de as empresas dos pontos de carregamentos fazerem isso.

    • Rui says:

      não faz sentido, façam como a tesla, após o carro carregado começam a cobrar parque e olha que é 50cents ou 1 euro minutos dependendo se está cheio ou vazio os outros carregadores…

  8. Nuno says:

    Vergonha de Pais, ta na hora de outra revolução, cambada de ladroes so sabem roubar…

  9. rui says:

    O custo não são as taxas diretas do carregamente (não é assim nada de fora normal, basicamente IVA e 30 cêntimos por sessão de carregamento).
    A eletricidade é um custo semelhante à de casa (existem múltiplos operadores CEME com tarifários distintos pode-se escolher e utilizar qualquer um) que processam também a faturação do carregamento.
    O custo maior é o do operador do posto de carregamento (OPS) que é quem instala e explora o posto, que tem de licenciá-lo certificar e fazer as inspeções obrigatórias, garantir comunicações e integrações com a rede para comunicar ao CEME os dados para faturação e manutenção e reparação de avarias.
    Há locais mais baratos que outros, eles querem rentabilizar o investimento e custos que têm como na generalidade há ainda pouca oferta e tendo sido a maioria vinda da rede piloto concessionada a operadores e nesta componente tem preço livre não regulado, cada um cobra o que quer para o posto que quiser, não existindo alternativas próximas de outros operadores para manter a concorrência nos preços.

    • Manuel Rui says:

      Mas entao nao entendo porque na grande maioria dos carregadores tem um autocolante a publicar que foi financiado pela Uniao Europeia. Os carregadores em espanha tambem custaram dinheiro no entanto custam metade do preco ao abastecer. Para mim isso é mais uma forma que o estado arranjou para roubar ao pobre e dar ao rico amigo. Portugal é o. unico pais na EU que obriga qualquer operador a fazer parceria com uma empresa amiga do governo. Assim nao da hipotece a uma empresa espanhola ou de outro pais poder instalar carregadores em portugal a precos normais.

  10. Ricardo says:

    Entretanto o José pagou 3x mais por um carro elétrico que autonomia insuficiente para criar o país por exemplo, só o valor que pagou a mais dava para combustível gasolina ou gasóleo durante muitos anos.

  11. Luís Costa says:

    Ahahha bom bom é ver os ignorantes por aqui revoltados com estas taxas, mas pensavam o que? Que iam acabar com os combustiveis fósseis e o estado não ia ter essa receita? Devem ter vindo de Marte para se aperceberem só agora 😀

    • Tonheco says:

      Penso o mesmo. Só um verdadeiro ignorante pensava que se ia abdicar das receitas públicas provenientes dos combustíveis fósseis.
      E mais, podem-se preparar para uma piora da situação com a massificação dos eléctricos.

      Grave vai ser também quando muitos começarem a carregar em casa (os que podem) durante a noite.

      • Ricardo Silva says:

        Isto. As pessoas não têm noção de que se esta massificação do Full EV for para a frente – como muitos lobbies sestão a forçar à brava – o próprio custo da eletricidade para uso doméstico vai levar um rombo que nem vai ser bom.

        Ou alguém pensa que os coitadinhos dos que andam de olho neste “novo lobbie” andam a dormir? Acresce a isto um eventual “azar” com o pack de baterias que fez “kapute” de repente e o dono do EV vai desejar ter pensado três vezes antes de efectuar o investimento.

        Por isso desde sempre defendi a diversidade. Com diversidade existe mais possibilidade de se analisarem as transições necessárias/possíveis, existe maior possibilidade de escolha, maior flexibilidade na oferta, mais competitividade no mercado e consequentemente preços ajustados à realidade económica geográfica, económica e social do país. Ao invês da especulação gratuita que já começa a existir.

        Os fanáticos dos EVs pensavam que iam andar a mamar electricidade ao preço da chuva (tendo em conta o seu uso para locomover veículos nas estradas publicas)…

        Esperem sentados…

      • Luis says:

        É só ver o exemplo da mineração de Bitcoin.. o pessoal começou a ficar maluco porque consome imensa eletricidade então imaginemos com a massificação dos EV.. agora consigo perceber porque é que o PS governa há tantos anos xD

  12. OP says:

    Bom dia Não tenho veiculo elétrico mas pelo que é escrito aqui compensa mais carregar o automóvel em casa
    E Para longas distancias ?
    Não temos a nossa casa perto?
    Então acaba por ficar mais caro em relação a um veiculo a combustão
    O so vamos Comprar o eletrico para dar umas voltinhas pela cidade?

  13. CMatomic says:

    Estamos a falar aqui de carregamentos rápidos e não normais, seria possível criar em todas cidades para cada estacionamento postos de carregamento normal tudo é uma questão de política, mas no geral os políticos alimentam monopólios e por isso os preços fica elevados, outro factor importante seria que os fabricantes de veículos permitisse em todos os seus automóveis a possibilidade de vender a energia acumulada nas baterias para rede publica .
    É importante também o incentivo a produção de energia não proprietária se todos os prédios de uma cidade tiverem pelo menos um painel solar fotovoltaico isso ajudaria a baixar o preço de mercado da eletricidade, também devemos lembrar da energia nuclear .
    Existe soluções é só uma questão de as aplica-las.

  14. João says:

    Votem na esquerdalha de novo…

    • Paulo Jaime says:

      O que é que isso tem a ver? Em relação aos ganhos sobre os combustíveis quem é que nas últimas décadas fez diferente? E quem é que realmente manda económicamente no país? Não quiseram aderir ao Clube? Deviam era criar oficinas para conversão de viaturas de combustão para eléctrico. há quem tenha viaturas usadas em muito bom estado e seria mais acessível pagar uma conversão que comprar um carro E. novo! E já agora veja quem é que propôs o control sobre os preços das refinadoras e distribuidoras. De qualquer forma o preço maior já começamos a pagar agora e será cada vez pior à medida que o clima se agravar. O planeta está doente e ninguém quer saber, só vejo o pessoal preocupado em ir com rabinho confortável para o trabalho, a maioria das viaturas só com um ocupante.

      • FAR says:

        Rabinho confortável e não dispender a mais de 1h ou por vezes mais a cada viagem ao optar por transportes publicos – que em vários casos não são uma opção viável.

        Que mania de cair na falácia de culpabilizar o indivíduo. Empresas multi-milionárias e governos que lidam com igual medidas de capital têm a estrutura, capacidade e dever cívico de antecipar este tipo de situação (no caso, cada pessoa ter um veículo próprio), efetivar medidas de mitigação e conduzir potenciais alternativas, mais “seguras” a longo prazo, a bom porto. Não é o individuo! Se dependesse do individuo (que não depende) era a anarquia completa, pois cada pessoa pensa e age da forma que bem entende (e muito bem, claro).

        Para que julga você que existem uma data de ministérios? Sim, eu sei, que muitos são tachos e que andam a coça-los e a fingir que fazem boa parte do tempo, mas eles existem por uma razão – “Governar”, que por mais parva que pareça a conclusão é que um governo deveria fazer.

        O planeta efetivamente está doente, mas convém ter presente quem é que o está a deixar neste estado. É realmente o Zé que vai comprar uma coca-cola que está a contribuir para o estado do planeta, ou será a empresa que faz biliões anualmente que faz um produto que por cada litro gasta 3 de água e que o embala num derivado de petróleo pois é a solução mais barata? Será por eu e por você deixarmos de comprar a coca-cola que as coisas vão mudar? Ou será que a mudança acontecerá quando for feita responsabilização da tal empresa?

        Você parece-me ter a orientação certa, basta agora que dirija as suas criticas a quem de direito as merece.

        Bem haja.

    • Carlos says:

      os direitalhas é que são os donos das empresas que cobram estes preços…

      • FAR says:

        Isso não importa, o que importa é tornar isto numa questão política e de preferência atacar o “clube” inimigo.

        Faz lembrar aqueles fanáticos das marcas:
        – “Apple é melhor que Android, hihihihi”
        – “Não, Android é que é melhor, heheheheh”

        Como que se tivessem alguma coisa a ganhar com a argumentação!

        Oh gente pequenina….

  15. Anibal Assis says:

    Bom dia

    O ideal será quando carregar o carro com 50 Euros por exemplo, guardar numa gaveta em casa + 25 € como economia para quando precisar de comprar uma bateria nova.

  16. Sardinha Enlatada says:

    Sera que quando o pessoal vai comprar electricos nao levantam essas questoes aos vendedores ?Seja como for se e para continuar assim com esses valores absurdos nos carregamentos de carros electrivos, salvo algumas excepcoes de quem tenha possibilidade de efectuar carregamentos fora de casa, entao rapidinho as pessoas vao comecar a fazer contas a vida. Da ideia que alguem quer que o mercado de electricos nao vingue.

    • Rui says:

      Salvo pessoas que possam carregar fora de casa? leste o artigo? os preços são em carregamentos fora de casa, em casa gastas 6€ para 60kwh não os 50€ ali falados…

      • Sardinha Enlatada says:

        Sim fora de casa, refiro aos ricos que nao se importam com esses trocos, e claro que o problema sao mesmo os carregamentos fora de casa para o comum dos mortais, pelo menos os mais pobres.

    • Pedro N. says:

      Foi a 1ª coisa que o vendedor me perguntou quando comprei o meu EV há mais de 5 anos. Se tinha onde carregar em casa… Claro que na altura só haviam 4 postos rápidos de carregamento no país. Agora são às centenas e tem de se saber usar uma app que mostre os postos mais económicos (a app Miio mostra isso – com preços que são inferiores ao gasóleo para a maior parte dos postos). Mas, claro, quando se massificam as coisas, começa entrar a grunhice que só sabe usar a app do Facebook e mal!

  17. eu2 says:

    Impostos na gasolina para desincentivar a utilização de carros a gasolina. Impostos ainda maiores na eletricidade para desincentivar ainda mais a utilização de VEs. Que vergonha.

    • Rui says:

      não é impostos, são taxas de utilização defenidas pelas entidade privada que colocou o posto, o unico imposto ali é IVA mas isso é sagrado em tudo…

  18. lopes says:

    Fantástico, por estas e por outras é que vendi o carro e comprei uma bicicleta a pedais.

    • SANDOKAN 1513 says:

      Ah,ah,ah. 🙂

    • Grunho says:

      Esse é o único meio de transporte GRÁTIS, mais barato do que andar a pé, que nem calçado gasta. Ou a eléctrica, que é quase grátis, para quem não gostar de subidas. E se não houver quedas, nem roubos, nem furos, nem corrente a sair, só há uma coisa a perder: BARRIGA! Os povos inteligentes da Europa central e do Norte, racialmente superiores aos portugueses, já descobriram isso há muito tempo.

  19. eu says:

    Está provadissimo que (exceto para uma minoria que tem condições para carregar na garagem e mesmo assim, não sei), que o carro eletrico no fim do dia é o mais caro (e não sei se não será o mais poluente até ao fim de vida), depois vem o carro a gasolina e o GPL é o mais barato.

  20. Maresia says:

    custa muito

  21. spcds says:

    Bom dia
    Como sabem quem tem elétrico… esse cliente leva mais uma taxa na fatura da eletricidade lá de casa.
    Amigos… uma questão de tempo, ou seja deixar que o povo compra o dito cujo.
    Queria poupar o planeta, mas não vai dar para o fazer. Elétrico está fora dos planos.
    Com politicas destas nem vale a pena ir votar…enfim

  22. Jota says:

    Os preços dos carros eletricos em Portugal são uma vergonha, dado o poder de comprar dos portugueses! O que vai acontecer é que, uma vez mais, muita gente vai endividar-se ao ponto de ficar novamente com a corda na garganta!

  23. darksantacruz says:

    Isto é só o começo falta adicionar que o valor da eletricidade vai aumentar e muito nos próximos anos e provavelmente as atuais taxas.

  24. Zed says:

    Então compensa comprar um Tesla para usar os superchargers da Tesla?

    • Pedro N. says:

      Compensa ter casa e carregar em casa a 0,10€ por kWh (já com IVA), o que fica por 1,50€ para fazer 100 km. Para carregar fora de casa nos superchargers Tesla fica a 0,40€ por kWh (6€ para fazer 100 Km). Nos restantes postos pode variar em função do posto e do tempo que ficas lá a carregar mas pode variar entre os 0,30€ até 0,80€ por kWh. Por isso é que quem tem carro elétrico usa uma app chamada Miio para simular o custo de cada posto.

    • wtvlol says:

      Compensa ter um EV(não Tesla, são caríssimos) e carregar nos superchargers brevemente.

  25. Paulo says:

    Se não tiveres onde carregar o carro (casa ou trabalho) não compres um carro elétrico. O carregamento de 30Kw (+-200Km) pode variar dos 4,5€ em casa até os 30€ na Ionity (o sitio mais caro onde podes caregar o carro). Fora de casa, num posto rápido, por exemplo LIDL total 15€ (7energia + 3posto + 5taxas), Area de serviço Leiria, carregador Cepsa total 18€ (7e+ 5,5posto + 5,5t) e na mesma area de serviço, mas carregador da Ionity total 30€ (7e + 15posto + 8t). Parece que só no carregamento dos eletricos é que as faturas estão inflacionadas com taxas e taxinhas. Já viram a vossa fatura da água, do gás, da eletricidade e por ai fora, vejam e digam realmente do valor total qual corresponde ao que consumiram e qual às taxas e taxinhas. E se falarmos de gasolina ou gasóleo (…..”Imposto sobre Produtos Petrolíferos (36,4%), a contribuição de serviço rodoviário (6%), as emissões de CO2 (3,7%) e o IVA (18,7%), 64,8% do total do preço por litro da gasolina pago pelo consumidor é explicado por diferentes contribuições).

  26. Rebelo says:

    ‘No entanto, para os 11 carregamentos que realizou, os operadores cobraram 29,92€! Contas feitas, antes do IVA, a fatura de 66,6 kWh ficou em 41,61€, sendo que esta taxa de utilização dos postos representa, grosso modo, 70% da fatura. Com efeito, a eletricidade que realmente utilizou ficou, antes de impostos, por apenas 9,87€!’

    Até que entendo que está no moda fazer posts destes mas talvez fosse importante saber de que viatura estamos a falar.
    É que 66,6 kWh a dividir por 11 carregamentos dá uma média de 6 kwh por carregamento.
    E com 6 kwh nem sequer 50kms se fazem…

  27. Rebelo says:

    É que em Setembro passado para carregar, num PCR de 50kWh quase 53kw não foi cobrado mais de 22,25€ já com iva.
    Total (€)22,25
    Total (kWh)52,8
    Total (min) 90,52
    Dá 0,42€ por kWh já com iva

  28. António Geraldes says:

    Pois, e ainda falta o imposto que um futuro governo irá implementar para compensar a perda relativa ao ISP. Ou seja, num futuro próximo carregar um veículo elétrico num posto desses será um luxo, e para muitos poucos.

  29. jaugusto says:

    É perfeitamente Normal!!!
    Num país que se agarrou ao consumo em k certas forças políticas acham que isso das exportações são apenas meia-dúzia de empresas … onde é que se ganha dinheiro em Portugal no lítio, nas baterias, no software, a efacec que ainda não foi reprivatizada qtos carregadores exportou? – Pois, sobra o consumo. logo CARREGA nisso…

  30. tugatesla says:

    viva o socialismo comunista

  31. tugatesla says:

    é ver os preços na Holanda ou na Noruega.
    mas lá o povo é culto e nunca votariam num Costa

  32. wtvlol says:

    Os donos de EVs já estão a suar! Queriam electricidade à borla ou sem impostos…

    Daqui a nada voltam para os carros a combustão lol.

  33. falcaobranco says:

    Há uns anos havia uma resma de carros a gasolina á venda porque o gasoleo estava mais barato… acho que agora vai ser dos electricos…

  34. Elton says:

    Spcds, Acho bem que não vás votar.
    Assim decido eu.

  35. Mario Moutinho says:

    Ridículo os custos extras além da energia eléctrica. Andamos a ser espoliados por estas sanguessugas. Paguei numa factura com o valor de cerca de 3 euros de energia eléctrica, 16 euros no total da factura. Isto aconteceu no Fundão. Se não for possível ter abastecimento na residência não há interesse em ter um carro eléctrico.

    • Grunho says:

      Na residência dificilmente se carrega para mais de 50 kms/dia. E para isso mais vale um plug in que um 100% eléctrico.

      • Pedro N. says:

        Errado! Vê-se logo que não sabe do que fala…
        Em casa se aproveitar todo o período do bi-horário (22h-08h) carrega 2,3 kWh x 10 horas = 23 kWh (isto numa tomada normalíssima, sem precisar de WallBox).

        Para um consumo estimado de 15 kWh por 100 Km, então carrega 23 kWh / 15 kWh = 150 Km.

        Se for com wallbox a 7,4 kWh então carrega 74 kWh… Ou seja uma bateria completa para elétricos mais recentes -> Cerca de 400-500 Km.

        • Grunho says:

          A wallbox PAGA-SE por fora. Depois, obriga a aumentar a potência contratada e a mensalidade. Eu estava a referir-me às instalações domésticas normais, para uma casa com fogão, frigorífico e cilindro. E aí são só os 9 ou 10 kwh para fazer os tais 50 kms, e mesmo esses em horas de pouco ou nenhum consumo, porque senão o disjuntor dispara.

          • Pedro N. says:

            Tenho 6,9 kWA de potencia contratada e nunca me disparou o disjuntor nos últimos 5 anos (como lhe disse, o carro só usa uma potência de 2,3 kW pelo que me “sobram” 4,6 kW de potência) . Com máquina de lavar, máquina de secar e carro a carregar numa ficha normal… O frigorífico tem um consumo residual e quanto ao fogão, não costumo fazer grandes banquetes às 4 da manhã! 😀

            Carrego para 100 Km dia por que não preciso de mais e gasto 1,5€ já com IVA para esses 100 km (15 kWh x 0,10€ o kWh)! Deve-se informar melhor com quem realmente usa, antes de atirar uns bitaites para o ar…

  36. Yamahia says:

    Que bandidagem. Já não bastavam os PCR’s da Ionity a cobrarem singelos 0,79€ o kWh/h…agora isto que bem vistas as coisas acaba por ser tão ou mais grave!

  37. José Bacalhau says:

    Penso que o argumento económico nunca deveria ter sido o principal para a compra de um veículo elétrico. Isso por uma razão simples: com os atuais preços da energia e matérias-primas, os veículos elétricos só são competitivos porque são subsidiados. Há subsídios indiretos, como o que os construtores beneficiam por políticas verdes (é o caso da Tesla, cujos lucros provêm em grande parte dos direitos de emissão de carbono que lhe foram atribuídos e que não usa, vendendo-os a outros construtores), há isenção de impostos (como em Portugal com o IUC e IA, subsídios por abate, etc.) e subsídios diretos (como na Noruega, entre outros países). Seria ingenuidade pensar que, uma vez que a adoção destes veículos se torne elevada, eles permaneceriam imunes à sofreguidão dos governos por receitas fiscais e das companhias de energia por lucros.

  38. HC says:

    O governo sempre será governo enquanto os portugueses forem portugueses. Por isso nao importa o quão eficiente e barata seja uma solução, vão enfiar taxas, taxinhas e impostos para lixar o povo. Carregar um veículo elétrico na rua consiste em:
    1 – preço da energia + taxa CEME
    2 – lucro do operador do posto (geralmente fica a volta do mesmo valor que o ponto 1, portanto aqui ja dobrou o valor)
    3 – taxas e impostos
    Carregando o veículo em casa paga basicamente o ponto 1.
    Ao carregar na rua o mais importante é carregar em horário de vazio e não “esquecer” o carro la parado porque o posto pode cobrar por tempo, mas será sempre muito mais caro do que carregar em casa.
    Em vez de aproveitarem a novidade e inovação dos veículos elétricos para criar um sistema simples, decidiram envolver o maior número de empresas a levar a sua fatia num carregamento. Não havia necessidade nenhuma de ter CEMEs quando o posto mesmo poderia fazer a gestão dos carregamentos e disponibilizar cartões, tal como era no início. Mas não enriquecia os amigos dessa forma…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.