PplWare Mobile

Alemanha tem luz verde para proibir carros a diesel em auto-estradas


Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

102 Respostas

  1. hsff says:

    Proibição de carros antigos, para as marcas venderem os novos, obsolescência programada através de leis, esta é a nova moda. Também há outro nome para isto, é expropriação.

    • BC says:

      Ah, e o ambiente que se aguente à bronca, né?
      Estes malandros…

      • José says:

        Se mais de 30 ano saberia que este paleio já é feito há décadas! Já criaram uma série de “soluções” ecológicas: “gasolinas verdes”, catalisadores, e melhores sistemas de combustão, diziam eles, as que mais tarde ou cedo são para ser abatidas e passam a ser impostas outras. é bom por as pessoas sempre a gastar, a bem ou mal. É preciso manter as pessoas escravas das marcas e dos… créditos, de preferência que seja para toda a vida.

        • RUI SILVA says:

          O que se está a passar talvez deva merecer outro tipo de raciocínio, ainda que associado ao aqui “sugerido “. A Alemanha, aos poucos, vai-se desfazendo dos automóveis a diesel, empurrando a sua produção para outros paises enquanto é tempo, e os governos desses paises aceitem os “restos” da produção alemã. Entretanto, com novas tecnologias menos poluentes, iniciarão (Já iniciaram) novos modelos e produção em massa. O governos para onde fluiram em massa as últimas produções, mas de acordo com novas regras impostas sob a égide alemã, terão de as aplicar nos seus países e com elas ficar com um amontoado de ferro- velho, tendo de seguida, novamente, de dar saida à produção alemã. Será que não dá para perceber?

      • JN says:

        Trata-se de atacar o problema na causa raiz! Isto é brincar ao faz de conta para vender e manter as industrias. Porque não se focam na industria? Nos créditos de carbono renegociados entre países? Nos transportes marítimos com tecnologias completamente obsoletas? Atacam o cidadão porque este não faz “Lobby”.

      • Renato ente says:

        Sabias Q são precisos anos e anos para Q a troca de carro por um mais novo menos poluente compense ao nível da pegada ecológica. Os resíduos do carro antigo+construção de um carro novo (co2 Q nunca mais acaba. É mais ecológico reter e manter em boas o velho Q uma troca. Agora deixar fazet carros a gasolina ok. MA atenção se a energia eléctrica pruduzida for por carvão mais vale um carro a gasolina por exemplo. N ~ assim tão óbvio td isto. Cump

    • j says:

      O pessoal tem que começar a converter os carros que já tem para eléctricos.

  2. hsff says:

    Agora a preocupação é com a melhoria da qualidade do ar das autoestradas…

  3. iDespairing says:

    E os autocarros e camiões velhos que espalhem 10-20 vezes mais poluição? Esses ninguém fala em os tirar das estradas.

  4. Nuno Dias says:

    E as deslocações aéreas que não param de aumentar, alguém já pensou em estudar o impacto que um avião têm sobre as nossas cidades em termos de poluição

    • Rodrigo Da Silva says:

      ‘A Boeing 747 uses 7840kg of aviation fuel for the take-off, climb and descent portions of the flight and these account for about 250km. For journeys longer than that, the plane will use 10.1kg for each additional kilometre under typical cruising conditions. So to fly from Heathrow to Edinburgh (530km) uses 10,668kg of fuel, which releases a little over 33 tonnes of CO2.

      Whereas a Ford Mondeo 1.8 TDCi emits 151g of CO2 per km and covers 650km to reach Edinburgh.
      That works out to be 98kg for a single passenger, compared to 79kg per person for the Jumbo, assuming it carries its full complement of 416 passengers. But you could drive 336 cars to Edinburgh for the same CO2 as one plane.’

      • José says:

        Viajo muitas vezes até Inglaterra, e já viajei em aviões quase vazios. Agora, imagine-se o que se gastará numa viagem dessas por passageiro?

      • smonteiro says:

        Totalmente viciado este texto. Ou bem que compara o meio de transporte ou compara o passageiro, pois o tal Ford tem capacidade para 5 passageiros o que baixo o valor para pouco mais de 19 quando do comparado com os 79 do passageiro do avião.

    • Joao says:

      Caro Nuno, compare o consumo e emissões de CO2 por km e por passageiro. Verá que andar de avião é muito mais verde. Para não contabilizar a redução de tempo, a fração de alcatrão que é necessária para levantar e aterrar, tudo tem implicações nesta redução de emissões.
      E sim, alguém pensou. Não é por acaso que os novos aviões são muito mais económicos e menos poluentes.

      • Celso says:

        Digo-lhe já que isso não é, de longe, verdade. É Pura mentira. Se tem dúvidas, dispense meio dia e pergunte a quem trabalha, num aeroporto perto de si. Vai ver que aprende muito nesse dia. Só a quantidade de combustível que o avião tem que largar quando é obrigado a aterrar entes de tempo, por algum problema, nem lhe passa pela cabeça, o que ele polui. Informe-se primeiro.

        • Louro says:

          Bem, está a falar de coisas completamente diferentes…
          O que voce está a falar tem a ver nao com a aterragem antes do tempo (O procedimento é o mesmo nesse caso, mas nao é por isso que é usado).

          O aviao tem um peso máximo para poder aterrar, esse pesso tem a ver com o peso combinado entre os passageiros, as malas , o combustivel nos depositos na hora de aterragem e claro com o peso do próprio aviao.

          Como andar no ar, nao é como andar na rua em que se para numa bomba para abastecimento, tem de se levar sempre um pouco mais de combustível do que aquilo que se necessita, ou seja se tudo correr bem, antes de aterrar tem obrigatoriemente de despejar algum do combustível na atmosfera antes de aterrar.

          No entanto as alturas a que esse procedimento é feito o combustível evapora no ar, nao causando qualquer tipo de problema.
          O problema nao está em termos gasolina ao ar livre (que evapora) o problema está em queimar essa mesma gasolina para fazer o veiculo mover.

  5. Phillip says:

    Essas pessoas idiotas q reclamam de leis como essa porque “Proibição de carros antigos, para as marcas venderem os novos, obsolescência programada através de leis” só pensam em si, não sabem que o planeta esta a morrer e publicam estas bobagens.

    Sou completamente a favor de extinguir autos movidos a combustível fóssil, tem que ser tudo eletrico mesmo!!
    energia é muiiiitoo mais facil de se produzir do que petróleo, um acaba, o outro não.
    e não se preocupe, caro gafanhoto, com a tendencia atual, em anos, não precisarás comprar carros novos. será perda de dinheiro. pagar milhares de euros para ter um veiculo que fica 99% do tempo parado na garagem ou estacionamento?

    o transporte será serviço, quando tu precisar, vai ter um veiculo para te levar onde precisas, depois este veiculo levara outra pessoa, assim, vai reduzir muito o numero de carros e a poluição que só estraga nosso planeta.

    fico muito feliz de ver que a europa quer banir isso até 2040, sou do brasil, aqui, governo idiota, vai acabar importando todo o “lixo” de voces, se aí será em 2040, aqui será, certamente, pra mais de 2100 ¬¬

    • Luis carreira says:

      há com cada um…. BIG LOL

      • Miguel says:

        O Phillip falou tudo. O resto são velhos do Restelo. Abram os olhos.

        • José Carlos da Silva says:

          É tudo muito bonito, mas então abonem o dinheiro para um carro eléctrico decente, pf. E baterias que carreguem em menos de 5 minutos e aguentem 700km. Quando isso acontecer, perfeito! Mesmo esquecendo que diariamente a média de quilómetros de muita gente deve rondar os 40/50, ainda não está pronto. Não temos infraestruturas suficientes. Nem energia suficiente para alimentar uma frota de milhões de VE.

          A questão aqui não é o planeta. É o lucro que se consegue espremer dos impostos aplicados aos combustíveis fósseis e dos VE.

          • Miguel says:

            Concordo com isso, e até podemos incluir os problemas com a produção de baterias de iões de lítio. Infelizmente a pressão para a (r)evolução tem que vir de algum lado. Já há muito que poderiamos ter tudo isso se não fossem as pressões da indústria petrolífera.

          • Hugo Costa says:

            refinar 1L de petroleo para gasolina gasta +- 6kw… para entrarem milhões de elétricos no mercado também outros milhões a gasolina devem ser substituidos libertando a rede eletrica para carregar mais carros ao refinar menos gasolina.
            Tambem a vantagem do eletrico é que nem esses 5 minutos perdes a espera de carregar pois ligas a tomada de casa e fica a carregar durante a noite sendo que a unica desvantagem mesmo as longas viagens.

    • Rui says:

      O Phillip não acha só um bocadinho estranho que seja um país que produz milhões de automóveis por ano a colocar esse entrave…… que só por acaso vai ajudar as vendas das marcas desse país!?!?!?
      Diga-me, é assim tão ingénuo? E porque não fazem o mesmo com os camiões, navios e aviões? Não me diga que não poluem!!!!! Então no caso dos navios que até podem derramar petróleo, já para não falar na lavagem dos tanques em alto-mar……..
      Tem de ver mais mundo para perceber quando é que o estão a “comer” por lorpa!

      • Miguel says:

        O que está mal é não haver alternativa para reduzirem o estrago causado pelos navios e aviões. Não o banimento de carros ineficientes. Tens que ver mais do mundo.

      • José says:

        Pois, agora disse tudo.

      • Louro says:

        Camioes já há alternativas elétricas, pode demorar mas cada vez mais se irao ver nas ruas.

        A questao dos navios, se os carros passarem a ser movidos a eletrecidade em vez de diesel/gasolina, deixa de haver necessidade de o transportar pelos mares, logo menor provabilidade de isso acontecer.

        Basta pensar um pouco, nao é necessário ser um génio para chegar a esta conclusao.

        • Rui says:

          Louro? Reflete um bocado no que dizes. Já viste bem como é que funciona um terminal de contentores? Deixam de existir? Que disparate é esse? As pessoas deixam de fazer encomendas? Já reflectiste no facto de quase tudo depender de petróleo? Tinta, plástico, pvc, …….. conheces algum electrodoméstico que não utilize petróleo como matéria-prima? Nem o carro eléctrico, como é que o pintas? E a cablagem? Plásticos, recipientes…..
          Já viste esses camiões eléctricos a circular sem serem protótipos? Onde é que eles param? E que fazes aos aviões?

          • Louro says:

            @Rui,
            Os navios que despejaram maiores quantidades de crude nos oceanos sao os petroleiros, que transportam petroleo pelo mundo fora para que este depois seja refinado e transformado em Gasolina, Gasoleo e afins.
            Baixando a dependencia do petroleo passamos a transportar menos petroleo pelo mundo, o que significa menos riscos disso acontecer.

            Quanto aos camioes eletricos, há uns anos atrás os carros eletricos também eram prototipos… rapidamente hoje se ve dezenas a cicular.
            A Tesla e outras empresas já tem modelos praticamente prontos para ir para a rua.

            A easyjet já diz que basta uma decada para poderem voar com avioes eletricos….
            https://www.theguardian.com/business/2017/sep/27/easyjet-electric-planes-wright-electric-flights

            Nao percebo a vossa dependencia do petroleo e em muitos dos que andam por aqui em especial do gasoleo.

      • hsff says:

        O Phillip é mais um caso de analfabetismo funcional, parece não ter capacidade de correlacionar as coisas, defende o que lhe disseram da forma mais imediata possível, quem dá tudo o que é capaz a mais não é obrigado, a falta de estatura intelectual é um dos grandes problemas da actualidade.

    • Alpha says:

      Mas que doce ilusão para se acreditar nas balelas das “ecotretas”, falas quase como um acto de fé.

      1- Se começarem todos a usarem carros eléctricos só há duas situações, ou as facturas energéticas aumentam (pagamos todos) ou subsidia-se (pagamos todos novamente) não há hipótese. Não é com eólicas e painéis solares que vão ter capacidade/preço, é com fósseis ou nuclear na produção.

      2- A “Europa” entre nestes esquemas de regulamentos inúteis em todas as áreas porque se tornou um negócio brutal, então na área verde nem imaginam

      3- Ignorância e falta de conhecimento por parte das pessoas, o “aquecimento global” (que está em regressão, são ciclos) agora por isso é chamado “mudanças climáticas”. Andamos a regular e a penalizar a vida das pessoas com base em especulações com base em alguns “estudos científicos” que interessam um grupo de pessoas.

      • Miguel says:

        “o aquecimento global está em recessão”. “São ciclos”. Lá porque queres muito que isso seja verdade, não quer dizer que se torne verdade.
        Ai senhor…. ok. Não vale a pena. Levem a bicicleta.

        • Alpha says:

          Mas quem pode provar o contrário? Há montes de estudos que vêm o contrário, mas esses não interessam… Os ciclos sempre fizeram parte da história da Terra, na idade média houve uma mini “idade do gelo”, desde então tem vindo a aquecer. Houve épocas da Terra onde o CO2 era muito, mas muito superior aos níveis de hoje… e depois caímos na falácia principal de tomar todas as outras variáveis como constantes, ou seja, por haver mais CO2 por exemplo, as plantas aumentam de dimensão e absorvem mais e outras

          • Alpha says:

            Depois há uma imagem criada:
            Quem põe em causa o “aquecimento global” ou “mudanças climáticas” é visto como um bruto que não tem conhecimento e “atrasado” por pensar como antigamente, o “ecológico” é um intelectual que se baseia em “estudos científicos” e que só lhe interessa destruir a terra.

            O pior, é que neste momento os miúdos levam uma lavagem cerebral desde pequenos sem se questionarem, usam-nos como arma para abraçar esta religião.

          • met says:

            Há muito mais estudos que provam que o aquecimento é real. Na ciência não há absolutos e não deve haver seletivismo. Se 99% dos estudos dizem uma coisa e 1% tenta rebater, em quem deves dar confiança?

          • Alpha says:

            Aonde é que dizes que há mais estudos Pro do que contra? Sabes que existem montes de estudos que dizem o contrário ou inconclusivos na matéria?
            Por ser “mainstream” em Nrs de estudos significa que devemos seguir religiosamente sem colocar em causa… antigamente também haviam muitos estudos que todos seguiam que mais tarde foram descartados.

            Uma coisa é certa, é um negócio e anda o contribuinte a pagar por isso! Aí não é preciso estudos, é um facto.

          • BC says:

            Alpha, e a terra é plana, não é? O homem nunca foi à lua, o governo esconde ETs e vivemos numa simulação. É isso?

            “Mas quem pode provar o contrário?” – Qualquer cientista te prova o contrário…

            “Há montes de estudos que vêm o contrário, mas esses não interessam” – não interessam porque são feitos por pessoas como tu, sem experiência no assunto, que acham que é tudo uma conspiração.

            “Os ciclos sempre fizeram parte da história da Terra, na idade média houve uma mini “idade do gelo”, desde então tem vindo a aquecer. ” – Certo. Mas nunca tão rápido e tão forte. A temperatura subiu mais nos últimos 200 anos, do que nos 20.000 anos anteriores a isso. Mas se achas que são “ciclos”…

            “neste momento os miúdos levam uma lavagem cerebral desde pequenos sem se questionarem” – Então se 2 + 2 = 4, porque é que haveriamos de ensinar o contrário às crianças? Por haver meia dúzia de alucinados que não concordam? Por favor…

          • mlopes says:

            empiricamente, tens dúvidas que menos poluição é sempre benéfico?
            é que se não tens dúvidas disso, e não tens de certeza, é inútil discutir “detalhes” e “teorias”.
            nesta área, como em muitas outras, menos é sempre mais

          • José says:

            Tem razão Alpha, durante uns anos estive ligado a estudos sobre o clima. Fiz inclusive História do Clima no meu curso universitário. Não grande certezas de nada. Já houve momento onde os níveis do mar foram mais altos e momentos onde foram muito mais baixos, como houve alturas de aquecimento como de arrefecimento – ainda há “pouco tempo” saímos da “Pequena Idade do Gelo”. O que sabemos é que os “Proxies” analisados comprovam existir ciclos climáticos, mas ainda escapa aos cientistas o verdadeiro padrão desses ciclos. A par disso há a actividade humana, que sujo polui tudo à sua volta, sobretudo na América Latina, África e na Ásia (não vale a penas estar aqui com mesuras, pois os indicadores mais graves vêm dessas regiões, basta que são famosos entre os investigadores os rios de lixo e plástico na Indonésia, Filipinas e na China). O politicamente correcto não nos deixa assumir isso frontalmente. O que se diz, é que os europeus e norte-americanos, por terem poluído em tempos, têm agora de empobrecer, pagar mais taxas para permitir aos outros enriquecer! Por incrível que pareça, já ouvi este discurso em conferências universitárias, para justificar a cobranças de taxas e impostos “ecológicos” por parte dos Estados, sobretudo o português! Pergunto, o que é feito desse dinheiro? Tem-se limpo alguma coisa? Acabam-se os bairros mal desenhados e concebidos? Acabam-se com as construções em cima das linhas de maré, como acontece em Espinho cuja marginal foi destruída várias e várias vezes reconstruída no mesmo sítio? Ou promove-se a manutenção de casas lacustres que permitiam que as marés e as dunas se adaptassem, em vez de se construir em cima delas? Os crimes ambientais que são cometidos no Algarve, com empreendimentos de luxo 8pois então) em cima de arribas que estão sob pressão além daquela que é natural? Há muita especulação mas tudo justifica ir ao bolso do cidadão visto que os Estados não servem como deveria servir os cidadãos, pelo contrário são entidade vampiras que rodeadas de imensa corrupção, se alimentam de um certos discurso imbecil que penaliza sempre o cidadãos e o mantém amarrado a uma certa pobreza endémica (de preferência que este esteja sempre amarrado a custos para a vida que deveriam ajudar viver melhor, mas não é o que acontece) que convém manter. Se houvesse mesmo consciência ecológica a primeira medida seria terminar de vez com a obsolescência programada, apostar na durabilidade dos materiais em criar sistemas modulares que permitissem uma rápida modernização e substituição, mas nada disso vemos, queixam-se sempre que isso iria criar desemprego! Ora desemprego é o que temos, e muitos desses equipamentos nem sequer são hoje fabricados à mão ou por operários que são dispensáveis na maior parte dos processos de fabrico, mas por robots!

          • José says:

            BC recomendava-lhe que fosse estudar em vez de debitar lugares comuns! Sabe que SÓ desde 1850 temos dados fiáveis não sabe? também deveria saber que, muitos “cientistas” nem sequer se dão ao trabalho de ler os documentos mais antigos, em que dão conta de décadas de graves problemas climáticos? Se calhar nem sabe que a decadência do Império Romano do Ocidente se deu por causas climáticas e não devido às invasões bárbaras, pois estas ocorreram, por que os locais onde viviam esses povos de um momento para o outros já não eram capazes de os sustentar como o faziam há milhares de anos. Eles não apareceram nas fronteiras do Império para fazer turismo, ou simplesmente por birra, estavam a lutar pela sobrevivência. Este é apenas um dos exemplos mais “chocantes que lhe posso dar. Agora perca um pouco de tempo e leia as descrições feitas na Idade Média até à idade contemporânea. Irá ter muitas supressas. Se está tão bem informado sabe que em Cascais existe o único mareómetro do país colocado ainda no tempo D. Carlos, que tem assinalado alguma subida dos níveis do mar, nada de novo, já que a Terra não é uma esfera perfeita, existe um desnível médio de 140 metros entre o Atlântico e o Índico por exemplo, por vezes até mais. Há variações como as que constam na Teoria de Milankovitch, as três variações perfeitamente estudadas e documentadas. Basta gostar-se de astrofísica para os conhecer e comprovar, mesmo os conceitos mais básicos. Leia, bem, algo sobre o que se tem investigado sobre talvez o ajudem a guardar o sarcasmo para alturas mais convenientes.

          • Alpha says:

            BC
            ““Mas quem pode provar o contrário?” – Qualquer cientista te prova o contrário…”
            – Qualquer? Quais? Algum cientista pode afirmar com tanta certeza em pouco mais de 100 anos de dados, em que fiáveis são os últimos 50 com 4.500.000.000 anos de história da terra? Sabias que os últimos anos tem-se verificado o contrário, ou achas que mudaram o discurso para mudanças climáticas do “aquecimento global” por acaso?

            ““Há montes de estudos que vêm o contrário, mas esses não interessam” – não interessam porque são feitos por pessoas como tu, sem experiência no assunto, que acham que é tudo uma conspiração.””
            – Lá está, nós que simplesmente questionamos, somos os estúpidos porque não aceitamos os argumentos e contrapomos com dados que possam colocar em causa o “EcoLobby”

            “A temperatura subiu mais nos últimos 200 anos, do que nos 20.000 anos anteriores a isso. Mas se achas que são “ciclos”…”
            – E então? Isso sempre houve, descidas e subidas de temperaturas, dizer que se deve pura e simplesmente à actividade do Homem, não tens dados concretos nem histórico para concluir isso.

            “Então se 2 + 2 = 4, porque é que haveriamos de ensinar o contrário às crianças? Por haver meia dúzia de alucinados que não concordam? Por favor…”
            – As crianças não têm que aprender doutrinas, têm que aprender a pesquisar e saber pôr em causa doutrinas e as ditas “certezas”. Isso é conhecimento e espírito cientifico.

            José, subscrevo na totalidade, infelizmente levamos logo na cabeça por colocar as coisas em causa o que deveria ser o espírito de uma sociedade livre. Existe um interesse por parte de uma grupo de politicos, empresas e cientistas que se aproveitam da ignorância e falta de espírito científico das pessoas.

      • Rodrigo Da Silva says:

        ‘E triste que ainda ha gente que nao quer aceitar que somos responsaveis por aquilo que fazemos ao mundo.

      • Nuno Ferreira says:

        Ponto 1: não sei se ria não sei se chore alguém que vive num dos países com mais possibilidade de usar renováveis é capaz de dizer está barbaridade Sábias que Portugal já esteve 1 semana 100% a renováveis e só disse passado uns meses? Ou seja que restou a nossa infraestrutura a não usar combustíveis fósseis (excepto em veiculos óbvio).

        Sabias no ponto de vista a escala global que bastava uma pequena parte do deserto do Saara ter painéis solares para alimentar o planeta todo?

        O problema das renováveis não é não gerarem o suficiente o problema dos renováveis é não termos ainda métodos de armazenamento eficazes para o que eles produzem. Sabias que um raio sozinho dá para alimentar uma cidade como NY durante 1 dia? 1 raio apenas.. imagina agora uma trovoada .

        Ponto 2: Inúteis? Portanto deves ser daqueles que gosta de respirar fumo em vez de ar… Ou nadar/beber em águas poluídas

        Ponto 3: são ciclos.. ok são certo a diferença é que nós estamos a itensificar o ciclo atual. Plantas maiores? Quais as que mesmo que fiquem maiores vão ser cortadas por nós?

        Já agora lembro-me de um paises entre muitos que não deve concordar muito contigo: Holanda ou países baixos.. como lhe quiserem chamar, vailhes perguntar se acham que é tretas

        E agora vou-te dar um informação dramática.. sabias que existem icebergs que se derreterem de uma forma rápida morrem dezenas de milhares de pessoas iam falecer visto que são contentores autênticos de substancias tóxicas e venenosas.
        Mas voltando ao aquecimento global… Não sei em que cidade vives mas se for tipo Porto, ou Lisboa se o AG não for travado estão ambos debaixo de água e Braga é um cidade á beira mar.. Mas pouco te deves importar.. afinal nessa altura já falecendo todos.

    • Joao says:

      A questão é que estas politicas são para fomentar a compra de veiculos novos e não são realmente por questões ambientais. Só a titulo de exemplo…pela primeira vez em muitas décadas, em algumas cidades europeias, a emissão de CO2 está a aumentar devido ao aumento dos carros a gasolina. Ou seja, por um lado reduzimos o NOX, por outro aumentamos o CO2.
      Outro exemplo, em Madrid vão fazer com os carros hibridos possam circular em determinadas zonas onde antes não podiam. Esta medida é totalmente escandalosa porque a unica consequencia que tem é o aumento de carros hibridos…novos, não electricos nem menos emissões locais.
      Sabes que aqui há uns anos a legislação era pro-diesel? Sabes que a consequencia disso foi um parque automovel maioritariamente “diselificado”? Não achas estranho que agora que a maioria das pessoas tem um diesel, queiram banir esse mesmo combustivel que apregoaram?
      Se o interesse fosse mesmo ambiental as medidas teriam de ser outras. Diz-me lá que sentido tem que um Ferrari Laferrari ou um Hummer H1 de 2000 possam entrar no centro da cidade onde vivo mas a minha 125 de 1999 não? Obviamente a 125 não polui mais que estes 2 veiculos…

    • Domingos says:

      E se 90% da população de uma cidade tivesse veículos eléctricos e se 90% desses fosse carregar ao mesmo tempo as suas baterias o que aconteceria ?

      • BC says:

        E se 90% da população ligasse o ar condicionado, os aquecedores elétricos, os micro-ondas e as bimbys ao mesmo tempo? O que aconteceria? Exato, nada porque as centrais já aguentam com isso tudo. Ao contrário do teu quadro elétrico…

      • mlopes says:

        o mesmo que aconteceria se fizessem a mesma “piadinha” com o abastecimento de combustíveis fósseis, rotura temporária do sistema

    • Phillip says:

      falam dos navios e aviões…
      tem que começar por um lugar, que seja pelos carros! se o primeiro passo nunca for dado, não sairá do lugar.
      os níveis podem variar sim, pode até ser que em épocas ele esteve mais alto que atualmente, mas com certeza, ficar jogando poluentes onde quer que seja, é ruim.

      outra coisa, para vocês, pode ser barato ter carros a diesel ou gasolina, todos só pensam no seu dinheiro.

      se é mais barato jogar lixo no quintal do vizinho do que reciclar ele, então queres dizer que devo jogar o lixo no vizinho?
      se é porque tem uma grande empresa (comparada a navios) que joga um monte de lixo no quintal do vizinho, devo jogar lá tambem?
      falta é conciencia de vossa parte!

      só tem tanta poluição, os navios e avioes só estão a poluir, porque se como está, está “bom” por que mudar?

      isso se chama comodidade, se sempre foi assim, pra que mudar?

      só é assim porque permite-se que seja assim. se forçar a buscarem alternativas a poluição geradas pelos navios e avioes, será encontrado uma solução “verde”, como ninguem cobra uma solução, fica como está e ninguem faz nada. compreende?

      não é mimimi, não é treta, o problema é que se é barato é bom, não importa o quanto isso prejudica o mundo como um todo!

      há alternativas, sim, são caras? sim! mas só porque não são produzidas em larga escala!

      é igual aqui no Brasil, vocês acham que o governo aqui aceitaria trocar todos os veículos a combustão, por elétricos?
      A petrobras deixaria de lucrar bilioes, isso seria uma grande perda de dinheiro por parte de quem não quer perder dinheiro. logo, não vao incentivar a compra de eletricos. simples.

      se a mudança trazer dinheiro pra quem tem dinheiro, ela vai acontecer, se a mudança tirar dinheiro de quem tem, eles não vao deixar ela acontecer, e aí, pequenos grupos pró mudança, farão pequenos atos uteis, mas reprimidos por quem realmente manda, quem tem dinheiro e nao quer perde-lo. não estou falando mal do captalismo, amo isso, o problema é que essas pessoas amam mais o dinheiro que o proprio planeta.

      Pegue seu monte de dinheiro, sente nele e respire por filtros de ar.
      prefiro ter o suficiente pra viver e ter onde viver, do que ter montanhas de dinheiro e morar num lugar poluido sem graça.

      a realidade de voces é diferente, sai de vossa zona de conforto, por isso pensam assim.

    • Jaime Morgado says:

      E ja pensas t de onde vem a energia eletrica? Ou para ti vem da tomada mesmo??
      Praticamente a energia eletrica fornecida e de centrais nucleares que provocam lixo nuclear, mt mais prejudicial que combustiveis fosseis a curto e longo prazo. A Alemanha esta com um rio subterraneo contaminado gracas a nao haver onfe colocar os residuos… Mas o k interessa é ter energia eletrica… Ah e as centrais de biomassa nao emitem co2?? A energia eletrica ainda nao é limpa o suficiente para todos mudarem… Mas pode s ir mudando aos poucos cm eles estao a fazer…

      • Phillip says:

        aaa, tu só sabe produzir eletricidade com usina nuclear?
        coitado! hahahaha

        é muito mimimi e pouca ação pra mudar a merd* que está o mundo hoje.
        parece q todos aí na europa tem a mentalidade de “deixa assim que ta bom”.

        mudar dói e gera mimimi,

        😉

    • Bruno Graça says:

      Concordo… Em parte….Mas já agora, as Centrais Elétricas que nos fornecem essa coisa chamada eletricidade, é gerada como? Fica a questão. Pelo parco conhecimento que tenho, são geradas por via de combustiveis fósseis e/ou carvão na sua maioria dos casos. Ora, se todos começarmos a migrar para os elétricos, o consumo de energia vai aumentar, sendo que, por sua vez, a queima de carvão ou de combustíveis fósseis também irá disparar, ou não? A solução para uma energia “mais limpa”? Neste momento, apenas o nuclear, mas ninguém quer uma central à sua porta. Por outro lado temos os combustiveis para os automóveis. Vá-se lá saber porquê, mas a realidade é que o hidrogénio serve para que os transportes públicos modernos circulem nas cidades, mas não serve para os veículos ligeiros.. Estranho, não?

  6. Str says:

    Não acham estranho que no meio disto tudo os carros a diesel não sofrerem uma forte desvalorização?

  7. Rui says:

    Estranha coincidência de serem os maiores produtores automóveis da Europa os primeiros a proibir a circulação de carros de combustão (Alemanha que nem sequer produz automóveis, a França idem, a Espanha………). Espero que não sejamos idiotas ao ponto de impor por lei esta proibição, seria muito conveniente esses países obrigarem os outros como nós um país riquissimo, obrigar-nos a trocar o parque automóvel porque agora descobriram que os carros a combustão são poluidores, quando à uns anos atrás o diesel era mais ecológico!

    Ainda estou à espera que me digam o que vão fazer com os transportes de mercadorias e pessoas, ou regressamos à altura da ecológica carroça? E também gostava de saber se o futuro vão ser os absolutamente limpos carros de baterias de lítio que até são proibidas de viajar de avião….. porque será? (https://www.consumerreports.org/electronics/problem-with-stowing-lithium-ion-batteries-on-planes/)

    • Alpha says:

      Sabes porquê? É um negócio. Ou julgas quem é que faz lobby na UE? O pior é que tudo o que anda à volta do ecológico é subsidiado e o custo não é directo ao utilizador… Ou seja, não temos bem a noção no dia a dia do verdadeiro custo fiscal que isto tem e utilizamos como se o custo fosse baixo.

      Resultado: vai tudo correr para o eléctrico e vamos ter aumento de impostos e não sabemos bem porquê.

      • Miguel says:

        E a manutenção do status quo não é um negócio?! Não há lobbies na indústria petrolífera? hahahaha

      • Domingos says:

        Sabemos a situação actual em que os combustíveis pagam impostos gigantes para o estado se este perdesse essa receita onde iria buscar receita equivalente? com jeitinho iriamos pagar imposto sobre o ar que respiramos.

  8. Marco says:

    E como vão saber qual a norma que o carro tem? Dísticos no vidro ou algo assim? O meu é Euro4, mas quase ninguém sabe isso do seu carro (ou se interessa), penso que nem no DUA se diz…

    • Miguel says:

      Fiscalização dos documentos da viatura, reconhecimento de matrículas, etc…

    • Joao says:

      Em Espanha é assim, disticos no vidro e custam 5€. Agora vejamos….o meu velhinho diesel esta a maioria do tempo parado porque só o uso para viagens grandes e agora faço poucos km/ano (eu sei…não tem sentido ter um diesel se faço poucos kms mas quando o comprei fazia 40mil/ano, entretando a vida mudou) e vou ser obrigado a trocar o carro por um novo e mandar o meu para abate porque ninguem o quer comprar. Acham mesmo que, globalmente, é mais ecologico o fabrico de um carro novo e o abate do meu actual, que manter o que tenho para fazer uma dezena de milhares de kms ao ano?
      A legislação que está a ser implementada não é pro-planeta, é pro-industria automovel.
      Atenção, eu estou completamente de acordo com medidas ambientais que restrinjam as circulação automovel, não estou é de acordo com medidas hipocritas como as que estão a ser tomadas.

  9. Domingos says:

    E se 90% da população de uma cidade tivesse veículos eléctricos e se 90% desses fosse carregar ao mesmo tempo as suas baterias o que aconteceria ?

  10. Gerardo says:

    hehehehe rebolo de rir com os azeiteiros a espumar da boca. “Porque um carro tem de ter mudanças manuais” “Um eléctrico não é um carro para machos”, “Um carro de macho tem de fazer barulho e fumo”

    Espero que os carros autónomos evolua depressa e que a proibição de conduzir, que inevitavelmente virá com o evoluir da tecnologia, seja logo uma realidade para tirar os assassinos das estradas.

  11. Joao says:

    Há uma questão que nunca vi ser abordada e que me faz imensa confusão. Os taxis…como podem continuar os taxis a ser considerado um transporte publico quando não é mais de que um transporte privado e temporario com conductor? É um transporte que em nada contribui para menos emissões ou menos transito na cidade!
    Como continuam a autorizar que estes veiculos, uber’s e afins incluidos, continuem a dar voltas pela cidade para nada? As cidades portuguesas não têm muitos taxis mas ha cidades europeias onde o nr. destes veiculos é significativo.

  12. Miguel Marques says:

    Antes de proibirem os carros diesel, deveriam parar com autocarros, camiões e aviões principalmente. Cada vez a matar a vida do pobre.

  13. BC says:

    Resumo dos comentários desta notícia: “Que se lixe o planeta, eu quero é andar com o meu carro a diesel pois isto é tudo uma cabala!”

    Bravo, pessoas… são o orgulho dos vossos pais.

    • Rui says:

      Se o BC quiser oferecer-me um carro eléctrico eu prometo utilizá-lo todos os dias em substituição do diesel e até faço publicidade aos eléctricos. Como desconfio da bondade alemã….. não, muito obrigado!

    • Marco says:

      Redondamente enganado, os comentários demonstram a preocupação com a igualdade de direitos destas medidas hipócritas que só irão favorecer a indústria automóvel e a colecta de impostos.
      Os políticos que grande parte do seu rendimento é isento de impostos (sem contar com as ligações ao privado que geralmente existem), não vão sentir diferença nenhuma, pois para eles trocar de carro é como trocar de roupa interior…compra um eléctrico que anda à volta dos 30~40 mil euros e poluis na mesma com a parte da produção de energia eléctrica que é obtida de combustíveis fósseis.
      Comes carne? Sabes a quantidade de poluição que tem origem na criação de gado? Desde transporte de rações, produção destas, transporte da carne, desflorestação, produção de metano…e os outros alimentos também deixam a sua pegada, por isso é melhor deixares de comer também, a não ser que agarres numa enchada e comeces a cavar terra para plantar alimentos.

      Em relação a veículos, por mim tinha um carro eléctrico que carregasse ao sol ou aqueles que andam a água salgada…só falta eles existirem e eu ter o capital!

      • psico says:

        pois o pior é que essa água com sal produz uma substancia que é altamente implosiva…o.mais sensato é sermos humildes e acreditar em quem se esforça e pensa diáriamente na segurança de quem adquire um carro

      • Hugo Costa says:

        “…poluis na mesma com a parte da produção de energia eléctrica que é obtida de combustíveis fósseis.” -> errado
        https ://www.jn.pt/economia/interior/portugal-com-terceira-maior-quota-de-eletricidade-proveniente-de-fontes-renovaveis-9885364.html

        • Rui says:

          Então devemos ter a energia eléctrica mais barata da Europa não?
          Pois……

          • Nuno Ferreira says:

            Não percebi sabes que as renováveis são mais caras de produzir e manter certo? A tendencia é quanto mais renováveis usares mais caro a eletricidade fica.

          • Rui says:

            Exactamente por eu saber isso Nuno Ferreira, é que sou muito céptico de mais energia renovável que ainda por cima é subsidiada e mesmo assim é mais cara que todas as outras. Associado ao disparate de levar um imposto de luxo de cima (iva a 23% só aplicável a bens de luxo)……
            Eu adoro a tecnologia e a energia limpa, mas…… como sou da área financeira, ainda sei fazer contas….. principalmente quando olho para a factura da electricidade….. e podia falar da factura dos combustíveis e vemos que ou o país é rico ou alguém ganha muito dinheiro com a energia que pagamos!!!!!!

          • Nuno Ferreira says:

            Peço desculpa percebi mal o seu comentário, sim é mais cara, mas se começar a ser adoptada em massa leva a que haja mais investigação, o que a medio/longo prazo reduz os preços… é inevitavel usarmos renovaveis, uma vez que ou será no nosso tempo ou no tempo dos nossos filhos, que os combustiveis fósseis vão acabar. Pelo que mais vale investir nisso enquanto ainda não há escassez de energia (embora já haja).

            Quanto ao Iva .. isso até dou “alguma razão” ao governo, se precisas de mais de 6.5Kva (nao se o valor está correto), ou és uma empresa ou vives numa mansão, e já se sabe que os que são mais taxados são sempre os ricos.

          • Rui says:

            No IVA não concordo Nuno.
            O Governo que é basófia, só para dizer que vai baixar o IVA da electricidade, apenas abrange quem tem um contador de 3,25KVA (são muito poucas as habitações com tal potência (tem de desligar a máquina de lavar se quiser ligar o ferro de engomar).
            Esta treta de governo não quer saber da equidade fiscal, só olha para a receita fiscal, e sabe como eu, que baixar o IVA da energia eléctrica de 23 para 6% é um enorme rombo que obrigava a dar menos aos funcionários públicos, que são sempre os beneficiados dos governos de esquerda!
            Mas por exemplo baixou o IVA da restauração de 23 para 13%…. e o Nuno notou que a factura dos almoços baixou algum cêntimo?
            Este governo está a criar uma enorme aberração no IVA, faz algum sentido que se o Rui Veloso for cantar ao Arena, os bilhetes pagam 6%, mas se for ao ar livre pagam 13%? Isto faz algum sentido?
            Faz algum sentido eu comprar fraldas para o meu filho, potes de sopas, etc e pagar 23% de IVA e o PAN conseguiu meter as rações dos animais a 6% de IVA!?!?!?! Isto é um país sério?!?!!?

          • Nuno Ferreira says:

            Bem obrigado pela correcção nos Kva , por acaso é o meu contador de casa.. a única coisa que não posso é ligar forno e microondas ao mesmo tempo de resto é tranquilo. E não na restauração não se notou nadinha.. ou seja mantiveram os preços .. mas nada de novo já se sabe que muito empresários (não todos) são gananciosos e aproveitaram-se da ignorância do Zé Povinho para não mexer nos preços. Relativamente ao iva dos espectáculos, na altura também me ri com essa situação.
            Sim o regime do iva, é um comédia.. mas não se oponha ao fato de haver coisas a 6% (como a ração dos animais), oponha-se é aos 23% nos bens essenciais que citou, há pessoas para quem um animal é (quase) um filho.

        • Marco says:

          Não é errado, 50% da energia da região onde vivo provém de centrais termoeléctricas…e enquanto não for 100% renováveis EXISTE poluição, contudo, na produção dos equipamentos para produzir as renováveis envolve consumo de energia e consumo de recursos que polui na mesma…

  14. Santos says:

    Quer-me parecer que com essas medidas, muitos desses carros diesel que já não “servem” nesses países, a maioria vêem parar cá a portugal para vender. Lá vai começar a loucura dos stands e as importações.

  15. PPCoelho says:

    E agora como vou marcar a minha presença sem motores a combustão , e lançar gases tóxicos a cara daqueles que não nada são na vida ?
    Vejam só
    “Top 10 Diesel Cars Smoking”
    https://www.youtube.com/watch?v=NDn_z7UVfj0

  16. R says:

    Lembram-se de notícias recentes sobre produção de veículos 100% eléctricos pelas marcas alemãs? Pois…
    Neste caso não me parece correcto uma proibição a curto prazo.

  17. aware says:

    Isto dos carros elétricos está giro. Começou assim com o diesel.. milhões investidos e daqui anos descobrem que afinal o litium é cancerisno e voltamos à estaca 0. E depois o trump é que é burro

  18. Juka says:

    Eu acredito no Pai Natal e vou pedir um carro a energia nuclear…

  19. manu says:

    A CADA UM… FALAM, FALAM…! MAS NAO DEIXAM O SEU CARRINHO POR NADA, NEM 100M ANDAM APE; MAS DEPOIS AQUI E NA POLITICA, ACHAM BEM O POBRE NAO PODER ANDAR DE CARRO… E AS CENTRAIS NUCLEARES AS CENTRAIS DE CARVÃO !!! sim defendo a natureza mais que muitos de vos

  20. Eu says:

    Upsss, Dieselgate não foi na Alemanha? É no mínimo estranho. Teoria da conspiração!!!!

  21. Merivelx says:

    Quando os tribunais decidem o que o cidadão comum deve ou não ter como seu património então a democracia deixa de fazer sentido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.