Quantcast
PplWare Mobile

França proíbe ministérios de usar o Microsoft 365 por medo de partilha de dados com EUA

                                    
                                

Autor: Pedro Simões


  1. Joao Ptt says:

    Uma conclusão: óbvia.
    Naturalmente que os EUA utilizam-se de tudo para espiar os outros países.
    Só é um pouco ingénuo é o estado francês ter essa conclusão óbvia e não ter também a conclusão óbvia que não pode utilizar sistemas operativos da Microsoft/ Apple/ Google e de outras empresas que não sejam empresas 100% francesas com os seus funcionários previamente verificados. Na pior das hipóteses utilizar alguma versão no Linux aprimorado e despido de tudo o que não for realmente necessário, que seja suportado por uma empresa Francesa, ou, idealmente por uma empresa pública do estado francês para manter o suporte e desenvolvimento estável ao longo dos anos, sem perigo de quebra do mesmo, já que é o próprio estado a garanti-lo.

    • k says:

      E entretanto aqui na Tugalandia nem sequer nos conseguimos livrar do Internet Explorer até muito recentemente, neste ano. Sim, o velho IE que já ninguem nem usa e é altamente desaconselhado usar por ser um queijo suiço de buracos na segurança. Todos os negócios neste país têm que mandar o ficheiro do saft com a faturação mensal para as finanças e até muito recentemente tiveram que o fazer atráves de uma aplicação em java que só corria no IE, porque literalmente mais nenhum browser o suporta, nem o Edge. Até a própria microsoft desaconselha já à anos o seu uso.
      Felizmente que recentemente até esse deixou de correr esse java e o governo foi mesmo obrigado a mexer-se, mas só mesmo assim.
      E isto é só uma pequena amostra dos sites do governo, muitos outros por aí fora a funcionar mal.

      Criar um SO de raíz por uma questão de privacidade, para nós, é mentira. E se fosse criado era porque alguém decidiu encher os bolsos e o produto final ia ser um desastre.

      P*** que p*** a tugalandia, somos mesmo uns tristes nestes assuntos. E mais triste ainda é que nem é por falta de conhecimento ou capacidade…

  2. Str says:

    Parecem-me represálias por causa dos submarinos franceses que os australianos chutaram para canto em favor dos EUA

    • João Neves says:

      🙂 algum e-mail entre ministérios franceses a gozar com os Australianos por irem adquirirem submarinos com problemas e que os americanos utilizaram como arma para mandar ao fundo os sub franceses.

    • José says:

      Sem dúvida alguma. A França, ao longo da História, foi o país europeu que mais problemas provocou. Até nas guerras mundiais esteve metida até ao pescoço – a derrota mal digerida contra os prussianos em 1871, ficou-lhe atravessada até à I. G.M. Honra e glória, para eles os franceses, só houve com Napoleão que colocou a Europa a ferro e fogo! Já eles também espiam e não é pouco.

  3. Bruno Mota says:

    O Zoom está proibido na administração pública francesa desde a famosa reunião via zoom dos ministros da defesa da união europeia do ano passado, onde um simples jornalista conseguiu aceder e assistir á reunião. A Microsoft também deixa imenso a desejar em termos de segurança.

    • Zé Fonseca A. says:

      Criar reuniões sem codigo qualquer pessoa com link consegue aceder, isso é assim em todas as plataformas, isso é falta de formação e não de segurança.

      • Bruno Mota says:

        Creio ser óbvio que a reunião tinha código, aliás, quando este acontecimento foi noticiado foi dito claramente de que forma o jornalista conseguiu descobrir a password de acesso á reunião, e é por esta mesma razão que está proibida a utilização de zoom na administração pública francesa.

      • Bruno Mota says:

        Quem é que disse que a reunião não tinha código?
        Você pensa antes de escrever?
        Uma reunião de ministros da defesa de países membros da união europeia feita através de uma plataforma de vídeo conferência sem código? A sério?
        Tente informar-se e pensar antes de escrever ou falar.

    • zakarias says:

      Não foi essa reunião em que os links apareceram “por acaso” numa filmagem ?

  4. Luis says:

    Já era altura da UE criar uma empresa que fizesse concorrência à GAFA… Nem que fosse para consumo europeu. Não haverá essa capacidade?
    Vistas curtas….

  5. Pedro says:

    O texto foi traduzido?!

  6. zeligx says:

    Esta questão do “software” que usamos ser americano ou chinês funciona da mesma forma que fizemos com o ouro, é uma perda total de soberania, já bôs dias que isto se passa sem ninguém se preocupar, salvo os israelitas que não brincam em serviço.
    Os franceses só descobriram agora? e os mails onde estão? e as fotos todas que tiramos onde estão?
    Quando a Europa acordar já é tarde.. a europa perdeu uma excelente oportunidade de estar à frente quando vendeu a Nokia à Microsoft, quando a Europa deixou ir a Nokia o que perdeu foi a liderança e a tecnologia e a soberania.

    • Um gajo aleatório says:

      Salvo erro ou omissão, apenas a parte da Nokia que lidava com a produção de telemóveis foi vendida, tendo os restantes setores de desenvolvimento tecnológico ficado na mesma empresa, na Filândia.

  7. jota says:

    Ou os EUA pedem desculpa rapidamente à França por lhes ter roubado o contrato de construção de submarinos, com a Austrália, ou tem que isto vá ser uma bola de neve!

  8. Markito says:

    Nenhum país deveria usar nada de software de outros país !!! Isso é lógico em termos de segurança nacional.

  9. SC says:

    Estamos a falar de estados mas o mesmo se pode passar ao nível empresarial. O acesso a informação (conhecimento) sempre foi o sucesso das empresas e dos estados. O mundo está a mudar…

  10. Digo Eu says:

    Usem Linux devidamente preparado e mantido por uma empresa nacional cujos funcionários foram devidamente investigados, e esse tipo de problemas ou desaparece ou diminuí largamente

  11. Zé Fonseca A. says:

    Para quem não sabe, o Microsoft 365 pode ser restringido a que os dados permaneçam apenas na EU e nunca possam ser copiados para outro lado, igual com Azure e com os principais serviços cloud dos principais players.
    Isto nada mais é que uma tentativa de retaliação ao caso dos submarinos.

    • Blackbit says:

      E acreditas nisso?
      Sério?

      • Zé Fonseca A. says:

        Não acredito, tenho a certeza.
        Na empresa onde trabalho não só temos acesso bloqueado por geo location como temos uma sonda que monitoriza a origem e destino dos acessos a dados.
        Temos contratualizado que os dados de determinadas blobs não são movidos e caso sejam a Microsoft tem de pagar uma multa e sujeitar-se a uma queixa por infringemento do GDPR.
        Hoje em dia não se brinca com isso, ninguém se quer sujeitar.

  12. Pedro Santos says:

    Já Portugal confia plenamente e vai colocar grande parte dos seus sistemas nas clouds Americanas (AWS, Azure, Google):
    https://tic.gov.pt/pt/web/tic/-/estrategia-cloud-da-administracao-publica

  13. José says:

    Como sabemos os franceses são uns santinhos! Conheço relativamente bem a História de França, não constam por lá há muitos momentos de paz em relação aos outros, pelo contrário tomou pela força bruta outros reinos e povos que nada tinham a ver com a França, país que por sinal tão púdico em relação a Portugal e outros, mas que mantem, ainda, colónias ultramarinas, algumas das quais no Pacífico. Esta dos submarinos, caiu-lhes mal, sairam pelo lado errado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.