Quantcast
PplWare Mobile

Talent City – Ajuda na entrada para o mundo de trabalho

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Muito Bom!
    Obrigado PPLWARE!

  2. qb says:

    mais uma coisa tipo second life para um nicho. Pensava que isto já estava fora de moda.

    Resumindo se o dinheiro vem dessas empresas para o projeto certamente que o interesse não é nulo.

    E voltamos às histórias tipo super bock ou água das pedras. “desanha-nos um rótulo ou uma imagem do facebook! É divertido para ti e nós ficamos com 40 propostas e só pagamos uma”

    Vergonha.

    • M.Manuelito says:

      Peço desculpa, mas não concordo com o que disse.
      Primeiro porque penso que este tipo de projectos está muito longe de estar fora de moda, aliás, eu acho que ele ainda não chegou a estar de moda para um número significativo de pessoas, quanto mais estar fora. Acho até que há mais para inventar na internet do que aquilo que já foi inventado.
      Depois se as empresas apostam neste tipo de projectos é óbvio que é para terem retorno do investimento, mas isso não é mais que a essência da actividade empresarial.
      A história da super bock ou água das pedras não a conhecia, mas convenhamos que qualquer pessoa anónima, com formação, se calhar até desempregada, que prescinde de umas horas de trabalho para concorrer a um projecto desses, com esse trabalho exercita a sua criatividade, se for bom consegue ter visibilidade, e mesmo que não ganhe já ganhou alguma coisa…o prazer de fazer o que gosta e até por vezes auto estima.
      A vida é assim mesmo, as empresas não dão nada, pois não há almoços grátis e as pessoas têm que lutar para conseguirem alguma coisa. Não é justo? Pois se calhar não é…mas a vida às vezes também é tão injusta!!!

      • qb says:

        “e mesmo que não ganhe já ganhou alguma coisa…o prazer de fazer o que gosta e até por vezes auto estima???”

        Aposto que a super bock concorda com isso.

        Não sejamos ingénuos. Este projecto apenas vai tentar tirar proveito da chamada geração à rasca. Mas parece que este tipo de coisas se está a banalizar. É o david, o golias e a ilusão dos milhares de jovens atrás do sonho de ir para a empresa que meta um estagiário a dizer “aqui sou feliz e gosto do que faço”, estagiário esse que foi obrigado a dizer isso.

        Não sejamos ingénuos por favor

        • M.Manuelito says:

          Caro qb
          Não se trata de ingenuidade. O David e o Golias sempre existiram. Os poderosos e o povo são uma realidade em qualquer sociedade. Há forma de inverter isso? Não! E se houvesse a David tornava-se facilmente tão “Golias” como o próprio Golias.
          Quando uma empresa quer contratar um profissional de uma determinada área aparecem-lhe 1000 e a grande diferença entre cada um desses 1000 é a atitude, as coisas que já fez na vida. Como abaixo diz o Rui, os factores de diferenciação são importantes no recrutamento.
          Aquele que fez um curso e ponto final, que não tem factores de diferenciação na sua história de vida, que é igual a tantos outros, tem o seu futuro ainda mais dificultado que os outros.
          É preciso lutar para conseguir algo, todos sabem como as coisas funcionam, mas há que saber usar as nossas armas, a inteligência, dinamismo, persistência, criatividade para conseguirmos algo. Dizer mal das empresas e das suas intenções não muda a realidade das coisas.
          Digo isto numa perspectiva prática, porque em termos politico/ideológicos todas as opiniões são válidas.

        • MeAnony says:

          qb concordo a 500% contigo, não tenho mais nada a adicionar ao que tu disseste. Só o facto de apenas aceitarem universitários, e descriminarem o resto da população jovem, nada de bom trás à sociedade, senão sonhos áqueles que já tiveram a papinha toda feita e não tiveram de dar ao arcaboiço desde os 13 anos… Sim porque muitos não vão pá universidade, não é por não serem inteligentes, é apenas porque não puderam, porque tiveram de ir trabalhar para ajudar a familia a sobreviver neste mundo cão. A esses dá-se a oportunidade de continuarem a ser explorados. Boa sorte aos meninos da capa negra, que passam 3 anos a gastar dinheiro aos pais e a beber alcool 😉 Obviamente que estou a generalizar, felizmente nem todos são assim.

    • Rui says:

      É evidente que as empresas têm sempre interesses desses, mas resta-nos a nós aproveitar o que de bom isto nos trás. Para além de que os desafios que são lá colocados não são obrigatórios. Mas tens que pensar que é uma forma de também mostrares o teu potencial aos teus potenciais empregadores…factor de diferenciação nos recrutamento portanto.

      Experimenta e vê qual o teu perfil…assim até já podes ter uma ideia de qual o teu tipo de empresa, para além de que é um bom exercício pessoal de reflexão que podes aproveitar para o teu marketing pessoal.

  3. Rui says:

    Eu tive uma apresentação da Talent City na minha Faculdade. Aconselho a todos, é uma grande iniciativa!

  4. Repeticao says:

    “Novabase, EDP, Expresso, PT, Unicer, Novabase, entre outras”

    a Novabase deve ter uma boa representação lá para aparecer duas vezes 🙂

  5. Gostava de saber porque que o meu comentário foi apagado?

    Cumps,

  6. Adam Mendes says:

    Se querem um software para 3D de topo e por onde aprendi vejam isto: http://bit.ly/j3Yc25

  7. jorge says:

    tu és grande!

  8. qual é a diferença entre este e o linkdn?

  9. Excelente proposta de site. Excelente ideia de quem quer que ela tenha partido. Este site é magnifico. Na próxima semana irei dedicar-me a explorá-lo e preenchê e, se no fim de tudo preenchido, ele transformar tudo, automaticamente, num modelo de Curriculum, excelente.

    Será que este site concebe um espaço com link externo para que as empresas possam, através de link fornecido por nós, aceder às nossas informações?

    Aguardo uma resposta, obrigado.

  10. Miguel Costa says:

    O conceito é muito muito interessante..

    Só é pena o site não ter uma equipe à altura do projecto:
    – não respondem a emails..
    – não corrigem bugs irritantes.. :\

    enfim.. 🙁

    acho que este género de coisa acaba por afastar os utilizadores e levar por maus caminhos bons projectos.. :\

    • qb says:

      mas achas mesmo que eles querem saber do suporte ou dos utilizadores? isto só tem um um objetivo. Fazer publicidade as marcas e mete-las a ser noticia, como aqui foram.

  11. Ana Antunes says:

    Olá Miguel,

    Faço parte da equipa da Talent City e posso assegurar-te que temos o cuidado em responder a todos os e-mails que nos enviam com toda a rapidez possível e a corrigir os bugs que existem sempre num projecto desta dimensão. Damos o maior valor aos comentários das pessoas tiram do seu precioso tempo para nos ajudar a melhorar e estamos empenhados em trazer-vos valor. Peço desculpa se nos escapou algum mail (o que é pouco provável, mas claro, admito-o), mas volto a mostrar a nossa disponibilidade para responder às tuas questões.
    Obrigada,
    Ana

    • Miguel Costa says:

      Bom dia Ana,
      Obrigado pela sua resposta. Mas, se não é indiscrição, pertence à equipa de que empresa?
      Como sabe, no thetalentcity.com não há referência a quem é a empresa gestora do projecto 🙁
      Nem sequer existe um email de contacto, para onde se possa enviar um email com anexos.
      Estou farto de dar voltas ao site e não me aparece nada.. :\

      Quantos aos bugs, parece que um foi corrigido.. 😀 menos mal 🙂

      Se quiser que lhe reencaminhe o email a que me refiro, contacte-me através do meu site pessoal e terei todo o prazer em reenviar-lhe o email com algumas questões (acompanhadas por imagens para ajudar a entender)

      Cumprimentos

  12. Ana Antunes says:

    Olá designerdrugs 🙂

    Há muitas diferenças entre a TTC e o Linkedin. A Talent City procura ser um projecto que ajuda jovens a aproximarem-se do sucesso profissional de várias formas. Antes de mais, ajudando-os a fazer melhores escolhas. Para isso, temos informação e dinâmicas para os ajudar a perceber quem são e e onde se encaixam (na altura de preenchimento do seu perfil).

    Depois, procuramos aproximar de facto os jovens das empresas que estão na cidade, mostrando-lhes como elas são por dentro (nos edifícios das empresas podes, p.ex., ver vídeos com testemunhos de pessoas reais, que te contam o seu dia-adia), e dando-lhes um espaço de “conversa” (no café podes fazer perguntas e as mais votadas são respondidas).

    E porque estamos a falar de um público jovem, que gosta de experimentar coisas, as empresas investem o seu tempo a preparar experiências e lançar desafios para lhes dar luzes sobre o mundo do trabalho. P. Ex. para quem sonha em ser jornalista e gostava de conhecer esse mundo, a Impresa lançou uma experiência que convida 1 jovem a passar uma tarde com uma equipa de reportagem, assistir à edição de 1 peça e assistir ao Jornal da Noite. Com este tipo de iniciativas, esperamos dar oportunidade aos jovens de perceberem melhor o mundo do trabalho e, esperamos, descobrirem a sua vocação.

    Em comum com o linkedin temos o facto de ser um sítio onde as pessoas podem tornar-se visíveis para empresas (apesar de a abordagem na TTC ser diferente, e mais orientada para quem tu és do que o que já fizeste) e aceder a oportunidades de trabalho (mas claro, em menor escala).

    Isto, para já. Estamos a preparar uma segunda edição, bem mais ambiciosa, em termos do valor que queremos dar à geração, mas que ainda está em preparação…

    Rrlativamente aos mais cépticos, gostava que tivessem a sensibilidade que o investimento destas empresas para estarem aqui (a mobilizarem-se para transmitir quem são, fazer vídeos, responder a perguntas, preparar desafios e experiências, escolher pessoas, concretizar, etc…) é enorme, ao contrário do que o QB disse, e revela um empenho real com esta geração.

    Obrigada pela paciência para ler 🙂

  13. fantástico says:

    Agora até post da propria empresa aqui entram. Fantástico sem duvida. Chegou-vos a informação que estavam aqui a ser feitas criticas negativas? Sentiram necessidade de se justificar? É que parece.
    Eu já trabalhei do lado de lá, e sei muito bem como se tratam este tipo de coisas. Este projecto apenas tem um fim. Dar visibilidade às empresas e aumentar as base de dados de recrutamento das empresas. É tal e qual aquele tipo de anuncios que uma empresa lança sem ter interesse em contratar ninguém, apenas para fazer publicidade à marca.

    Custava-os ouvir alguém que conhece esse lado da barricada é? As conferências pagas, as press releases, toda a máquina a funcionar?

    • Miguel Costa says:

      Não me leves a mal “fantástico”,
      Mas acho que não podemos ser sempre agressivos, nem pensar que toda a gente age de má fé…

      Eu conheço o trabalho de ambos os lados e de quase todas as perspectivas possíveis (acho que a minha história profissional fala por si), e por vezes cometemos erros que não são fáceis de admitir ou corrigir… ou, em muitos dos casos, perceber que erramos.

      Até prova em contrário temos de admitir que somos todos gente de boa fé.

      Quanto ao tipo de empresas que lançam anúncios sem querer contratar ninguém, isso é mais para venda de emails e informações pessoais. Infelizmente ninguém está a salvo de cair nessas ciladas.

      Mas não podemos considerar que toda a gente o faz, senão andávamos todos malucos da cabeça.. :\

      cumprimentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.