Quantcast
PplWare Mobile

Starlink já consegue atingir velocidades acima dos 100 Mbps e com baixa latência

                                    
                                

Autor: Pedro Simões


  1. Samuel MG says:

    Com o devido respeito isto do starlink foi a maior porcaria que alguma vez foi feita. Já não bastava o lixo que já lá existia tinha que vir o idiota do Elon Musk poluir ainda mais. Tantos satélites para ganhar ainda mais dinheiro já não basta o que ele tem!! O starlink está a por em causa o emprego de quem trabalha na astronomia. A América devia ser corrida à capada e murros para os americanos ganharem juízo e mesmo assim acho que não ganhavam.

    • Miguel says:

      Preocupa-lhe o lixo que vai para o espaço, mas o milhões de cabo de fibra espalhado por todo o lado já não há problema.

      • Ângelo says:

        O lixo espcial é um verdadeiro problema. Podemos chegar a um ponto em que não conseguiremos colocar qualquer satélite em órbitra ou um dia sequer conseguirmos sair do planeta.

        A questãonão é falta de espaço, é que os detritos viajam em redor do planeta a centenas e milhares de Km/h. Um pedaço de 1cm de metal dalgum satélite já deteriorado pode atravessar outros satélites, naves espaciais, etc com facilidade. Imagina colocar um novo satélite e este se logo destruído por um detrito ter chocado com ele?

        É um problema sério que a NASA e não só estão a procurar soluções.

    • Berto says:

      Agora pensa nas pessoas que estão em zonas remotas que não tem internet, compensa mais colocar postes de telefone feitos de madeiras, cabos de cobre e plásticos centenas de kilometros ou ter um satelite? Deves ser daqueles que tem fibra e então não tens essa necessidade, mas pensa em quem nem telefone tem.

      • Miguel says:

        Por isso é que existe serviços de Internet de satélite em países grandes como os EUA (zonas rurais) e Brasil. O problema é as velocidades e latências, se a starlink resolver o problema poderá ser um salto gigantesco de qualidade e acesso à nível mundial, mesmo em África. Que é o só o maior continente.

        • rui says:

          e mais 1000 empresas de telecomunicações lembrarem-se de meterem 12000 satélites cada uma

          • Miguel says:

            Por mais angulos que vejas é sempre mau, realmente…

          • PSebas says:

            Para isso é que existem reguladores e os governos, não?
            Voltará a ser um monopólio, nunca será liberalizado, como é que vai ser usado cá estaremos.

          • IonFan says:

            Claro! Até porque todos sabem que há 1000 empresas a atropelarem se para por fibra onde ela já existe…

            E 12.000 satélites espalhados por uma esfera com mais 500kms de raio do que a Terra não é assim tanto. Os satélites ficam espaçados dezenas (ou até centenas) de kms uns dos outros. Além disso, aquela altitude, os vestígios de atmosfera ainda são consideráveis, pelo que duram pouco tempo até cair no caso de ficarem incontroláveis e, portanto, lixo espacial.

        • Peace says:

          Resta saber se a população desses países africanos vão ter poder de compra para suportar essas ligações…

        • jorge santos says:

          África irá beneficiar imenso com isto, com as parcerias adequadas.

    • IonFan says:

      É isso e as vacinas e medicamentos… As farmacêuticas já têm tanto dinheiro e mesmo assim querem curar pessoas para ganhar mais. Idiotas!

    • Miguel says:

      Poluir o espaço não deveria ser para benefício de ninguém, apenas da população…

      • IonFan says:

        Mas esta rede é só para o beneficio do Elon Musk!? Ia jurar que vai ficar disponível para todo o mundo, incluindo pessoas que vivem em locais onde a internet é apenas uma miragem.

        • Samuel MG says:

          Eis o artigo e passo a citar: “…os astrónomos denunciam que estes dispositivos Starlink estão a cegar os telescópios terrestres.”

          https://pplware.sapo.pt/ciencia/o-homem-que-poluiu-os-ceus-astronomos-acusam-elon-musk-de-cegar-os-telescopios-terrestres/

          Agora admirar-te se levares com um asteroide em cima.

          • IonFan says:

            Obrigado por citares uma noticia com quase 1 ano…
            Tens aqui uma mais recente: https://www.nytimes.com/2020/05/06/science/spacex-starlink-astronomy.html

            Continuo sem perceber como é que isto pode por em causa o emprego de um astrónomo… dificultar talvez, mas isso só geraria mais trabalho e, por isso, mais emprego.

            Quanto aos asteróides, não digas disparates. Primeiro os satélites só ofuscam os telescópios ao amanhecer e ao anoitecer, que é quando podem reflectir a luz do sol que é uma percentagem baixa do tempo de observação. E depois, para calcular uma orbita de um asteróide com precisão suficiente para perceber se vai colidir com a terra, é necessária a observação em vários dias diferentes ou usar um radar. Nenhum dos métodos é afectado por passagens do Starlink.

          • Toni da Adega says:

            Se um asteroide tiver que cair e destruir metade da terra isso acontece com ou sem Starlink .

          • TRaveller says:

            Samuel porque se não tiverem cegos os astrónomos conseguem desviar a terra para não levar com um asteroide em cima 🙂 🙂 🙂

          • Samuel MG says:

            Não mas conseguem encontrar o asteroide mais cedo e reduzir o numero de mortos ao informar as autoridades.

          • IonFan says:

            Samuel MG, já leste o artigo do NY Times que comentei? O problema foi bastante reduzido. E sabias que, pelas limitações próprias de algo que só pode ser utilizado de noite como é o caso dos telescópios terrestres, a esmagadora maioria dos objectos desse tipo encontrados são encontrados por telescópios espaciais? Telescópios esses que são cada vez mais baratos de lançar graças aos desenvolvimentos da SpaceX!

        • Miguel says:

          Deveria ser para benefício “apenas da população”…
          Faria com que não andassem á luta para conseguir enviar sistemas redundantes, apenas de empresas diferentes por motivos de lucro

          • IonFan says:

            Estas constelações são caras de se construir. Havendo um numero limitado de clientes está garantido que não vão haver muitos operadores. É a mesma coisa com as redes terrestres. Nunca vão haver muitas redes de fibra diferentes porque o custo de instalação de novas redes seria superior ao que os potenciais clientes iriam pagar. Em vez disso há partilha das redes físicas por vários operadores.

    • Nuno25 says:

      “O starlink está a por em causa o emprego de quem trabalha na astronomia” podes documentar esta afirmação?

    • David Guerreiro says:

      Se conhecesses bem a vida e a história de Elon Musk, não dirias que ele é apenas um sedento de dinheiro. Ele já perdeu tudo o que tinha, enterrou todo o dinheiro na Tesla e na SpaceX e em 2008 andava a dormir na casa de amigos e a pedir dinheiro emprestado. Tudo porque ele nunca desiste. Quando inicia um projeto, ele consegue. Riam-se dele, quando disse que ia criar foguetões reutilizáveis, e a SpaceX conseguiu. A Tesla Energy está anos à frente da concorrência, a SpaceX em 18 anos de existência conseguiu mais avanços na tecnologia espacial do que governos e grandes empresas com décadas de experiência. A Boring Company, conseguiu reduzir o tempo e o custo de tunelação. Agora a Neuralink com possibilidade de ligar o cérebro ao computador. De idiota nada tem. O projeto Starlink visa dar a possibilidade a todos, mesmos aqueles que vivem no meio do deserto de poderem ter acesso à Internet, de forma rápida e acessível. Se o mundo tivesse mais Elon Musk’s, estaríamos todos melhor. Uma vez perguntaram a Larry Page o que faria com a sua fortuna, e ele respondeu: doava a Elon Musk. Porque sabe que esse capital seria aplicado em avanços tecnológicos para toda a humanidade.

      • Samuel MG says:

        “Porque sabe que esse capital seria aplicado em avanços tecnológicos para toda a humanidade.” Pois mas se cegar os telescópios terrestres os mesmos que detetam os asteroides entre outras coisas isso já não é para bem da humanidade.

        • IonFan says:

          Claro! Porque a humanidade tem capacidade de impedir a colisão de asteróides caso sejam detectados… Mete o Armageddon na pausa e volta ao mundo real.

          • Samuel MG says:

            A pala dos starlink cegar os telescópios só foram detetados asteroides do tamanho de um automóvel quando já estavam muito perto e não uma vez mas sim muitas mas ainda bem que não vinham direto a terra. Um asteroide do tamanho que já referi pode destruir uma cidade como Nova Iorque.

          • IonFan says:

            Samuel MG, fonte?

          • LuisG says:

            Por acaso estou mais inclinado a crer que sim do que não. A NASA já conseguiu aterrar sondas em asteroides. Portanto a probabilidade de conseguir alterar a rota de um asteroide através de uma explosão não me parece algo assim tão remoto.

        • TRaveller says:

          Ainda no outro dia estava com o meu telescópio a ver os asteroides a caminho da terra e passou a EEI a 7km por segundo que até fiquei cego, Já agora quantos asteroides foram desviados até agora? filmes não contam.

        • TRaveller says:

          Samuel MG um asteroide do tamanho de um carro nem chega ao chão 🙂 , ainda pensei que eras um astrónomo frustrado agora vejo que não sabes nada.
          Vai ver o que é a escala de Turim e vez quantos já chegaram à escala 4 numa escala de 0 a 10.

          • IonFan says:

            Isso vai depender da composição do asteróide, mas é por ai. Como eu disse aqui mais em baixo, só são considerados potencialmente perigosos a partir de 140m de diâmetro.

    • Diogo says:

      Os satelites ficam la 4 ou 5 anos depois caiem, quando deixar de ser necessario nao ficam la para sempre

      • Rafael says:

        kkkkkkkkkkkkkkk

      • Ângelo says:

        Continuam em órbitra, a não ser que alguém vá lá buscá-los. Há-de haver uma altura em que não se pode por nada lá em cima, que leva com algum satélite-sucata em cima. Ou um parafuso a 10000 kmh.

        • IonFan says:

          Não é verdade para orbitas desde tipo. A atmosfera que ainda existe a estas altitudes vai abrandando os objetos até que acabam por reentrar. Lembra te do exemplo da estação espacial chinesa que ficou sem controlo e acabou por cair.

    • helio cassimiro says:

      samuel , antes de se vovce se preocupar com o lixo espacial , se preocupe com lixo que sao jogados nos rios , lagoas e nos mares , dentro de pouco tempo tera potavel beber , cozinhar os alimentos , pense nisso antes de chamar elon de idiota .

  2. Online_fjo@hotmail.com says:

    Isto vai ser o futuro. E tem um potencial incrível

  3. SANDOKAN 1513 says:

    Penso que é uma tecnologia diferente,internet por satélite.Mas acho que nunca conseguirá fornecer no máximo a internet que a fibra óptica fornece a nível mundial,seja a terrestre como a que cruza os oceanos.Acho eu,não tenho bem a certeza.Mas fornecer já 100 Mb/s e com baixa latência já é excelente.Nada mau,nada mau mesmo.

  4. dajosova says:

    Pessoal das parvónias e malta do alto mar vão poder falar com as famílias, desenvolver negócios e projetos graças a isto.

  5. Miguel says:

    Não existem dados suficientes para saber o que significa estes 100 mbps, na minha opinião, é apenas uma estratégia de marketing possivelmente para atrair mais investidores.
    Com isto quero dizer, não sabe quantos dispositivos estavam ligados á rede. Quase que faz lembrar os primordios do 4G, inicialmente quando ninguem tinha acesso a tal tecnologia, era possivel atingir velocidades de quase 100 mbps, agora que várias pessoas estão ligadas á mesma antena, em certos sitios nem 10 mbps é possivel registar.
    Nunca a internet por satelite irá ser superior a internet por cabo, isto é sim uma grande oportunidade para os paises em desenvolvimento, onde internet por cabo ainda não é uma opção.

    • IonFan says:

      Não há dados para saber o que significam estes 100Mbps?! Como assim? 100Mbps são 100.000.000 bits a cada segundo… O que é que é preciso saber mais?

      Isto não têm nada a ver com a tecnologia 4G, que, muito provavelmente, estava limitada pela ligação das antenas à rede fixa, e não à quantidade de gente ligada à antena. Mas estas a esquecer te que neste caso vão haver logo muitas “antenas”…

      De qualquer forma, o objectivo desta rede não é ser superior ao cabo, mas sim mais universal.

      Em velocidades não vai ser superior ao cabo, mas numa ligação de longa distância (ex: transatlântica) a latência é menor. Isto é uma vantagem para alguns clientes.

    • Miguel says:

      Ainda não é uma opção nem vai ser em muitos casos. Países como EUA, a sua zona rural é difícil, Brasil, Rússia, Austrália. Porque são áreas muitos grandes, é preciso muito cabo, não é economicamente viável. África é o exemplo máximo disso. A questão aqui não é se é melhor que o cabo, a questão é se poderá ser acessível a todos com velocidades e custos decentes. Se houver uma garantia de ter 100mbps nos próximos anos, com um custo médio comparável à atual fibra, então poderá ser uma excelente hipótese para reduzir custos onde a fibra e o Cobre não permita.

  6. ervilhoid says:

    Quanto é a baixa latência que falam?

  7. Carlos says:

    Digo alguma coisa quando forem revelados os preços!

  8. Joao Ptt says:

    A latência é fundamental para a Starlink! Talvez muito mais que a velocidade máxima.

    As autoridades dos EUA estarão muito atentas, porque elas não acreditavam que fosse possível uma baixa latência dentro dos limites por eles definidos em satélite… a implicação é todos aqueles milhões e milhões em subsídio para ajudar a banda larga de baixa latência a chegar a todo o lado nos EUA… é por esse motivo que a Starlink quer mesmo a baixa latência a qualquer “custo” porque se o conseguirem vão receber uma boa injecção de capital por via dos subsídios do Estado Federal dos EUA. As autoridades vão querer fazer testes, muitos testes antes de subsidiarem porque estão mesmo cépticos e com tantos olhos em cima deles não vão querer facilitar desta vez.

  9. Diogo says:

    Preocupam se mais com o lixo que esta no espaço do que o lixo no nosso próprio planeta, hipocrisia

    • Samuel MG says:

      O que me esta no planeta não vai cair a uma velocidade que pode causar dezenas de mortos em horas ou mesmo minutos.

      • IonFan says:

        É melhor não dormires esta noite… Neste momento há 23463 objectos próximos da orbita terrestre, todos à espera que a SpaceX lance mais satélites para virem aqui acertar te na cabeça.

        Já agora, a conversa dos asteróides do tamanho de carros a fazer razias à Terra é muito bonita para gerar visitas a estes sites, mas o facto é que só são considerados perigosos os que têm um diâmetro estimado for superior a 140m (uns meros 30 carros)…

        • Abreu says:

          Depende da composição do meteorito Sr doutor ionfan

        • Abreu says:

          Não estou aqui para andar a brincar a canalha ionfan, DEPENDE DA COMPOSIÇÃO DO METEORITO. Não tenho culpa de seres ignorante

          • IonFan says:

            Tu é que ainda não acrescentas nenhuma informação útil, mas ou outros é que são ignorantes? Ok…

            Depende da composição porque oferece massa e resistência à entrada atmosférica diferentes. Mais ou menos como as composições dos cérebros que oferecem capacidade argumentativa e evitam que as secções de comentários se tornem tabernas. É preciso é fazer uso…

      • Abreu says:

        Samuel aqui e uma quadrilha de americanos.. esse musk ainda vai levar a América a falência!!

        Mas tens muita razão, não devem poluir o espaço assim.. HJ e o musk.. amanhã e a Rússia com mais 12k de satélites depois vem a China com mais 12k… Daqui a uns anos será quase impossível olhar para o espaço com essa sucata toda em órbita……..

        • Paco says:

          … e já agora, ver as fotos e vídeos do artigo.

        • IonFan says:

          A órbita decai naturalmente consoante vários parâmetros. O mais importante é a altitude mínima da órbita porque, ao contrário do que a maioria acredita, a atmosfera não acaba aos 100 kms na linha de Karman. A atmosfera, por muito ténue que seja, vai abrandando os satélites, descendo cada vez mais a órbita até que acabam por reentrar. A altitude do Starlink é no máximo uns 1200kms. Não duram muito tempo sem controlo e orbit keeping.

  10. jimmypt says:

    O mar já está como está,cheio de mer.a..agora vamos fazer o mesmo ao espaço..

  11. fui says:

    100 megas é o que estou a pagar pela internet da NOS, mas isso é só o que eles dizem, na verdade não ultrapassa os 50.
    Vivemos na Coreia do Norte em matéria de telecomunicações, todos iguais, não há concorrência.
    Espero bem que a Starlink não se limite às zonas rurais, há mais mundo à espera deles.

  12. Jorge Rodrigues says:

    Comenta-se de barriga cheia.
    Os mais interessados no serviço não têm internet para comentar.

  13. Alex says:

    Os comentários do lixo espacial devem ser quem esta sentadinho na sua cidade com internet por fibra.
    O meu problema neste momento é que o MEO me oferece 2mbps de velocidade e ainda gozam na minha cara.
    A vodafone coloca limite de trafego no seu 4G “Fixo” e o 4G “Fixo” da NOS ainda é pior que o cobre da MEO.
    Só a concorrência vai meter as nossa operadoras na linha, não me interessa com a velocidade, 24mbps já era luxo para mim, só preciso de uma latência aceitável para o meu teletrabalho e “please take my money”
    O problema do lixo espacial não esta a ser resolvido porque não há interesse, se houvesse rapidamente se encontrava um tecnologia para o fazer até mesmo pela SpaceX

    • Miguel says:

      há tarifários 4G ilimitados da Vodafone. Eu próprio já tive um, só mudei quando passei a ter fibra. Informe-se bem, sei que existe um tarifário móvel ilimitado e existe um fixo 4G para profissionais, na altura usei quando a ADSL só dava 12mb de download e 1 de upload, e a Vodafone tinha 40mb de down e 30 de up…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.