PplWare Mobile

Sondagem: Portugal deveria multar discursos de ódio na Internet?


Marisa Pinto

Editora no Pplware e psicóloga de profissão. Desde cedo que a tecnologia é uma paixão, interessando-se em particular com o impacto que esta tem na nossa vida e nos comportamentos que as pessoas adotam nas redes sociais.

Destaques PPLWARE

114 Respostas

  1. O Observador says:

    Quem anda a votar sim não tem a mínima ideia da estrada que se digna a tomar.

    • lang25 says:

      Quem vota não, não percebeu que “ataques de odio” atrás de um computador não têm vantagens, e em alguns casos podem ter consequências graves. Existe muitas formas de discordar, expondo uma opinião diferente sem ódio… Sites com noticias falsas, utilizados para alguem conseguir lucrar com publicidade… vantagem apenas para o owner do site… Continuo sem encontrar vantagens e muitas desvantagens…

      • Spoky says:

        Ter um site de noticias falsas e completamente legal ponham isso na cabeça… Onde é que isso é ódio?

        E mais uma… Poeque raio ligam ao que dizem na Internet? Deixem de ser meninas e de se exporem demasiado que isso nao acontece

        O problema de muita gente é exporem se demasiado nas redes sociais, depois choram que sao gozados e alvos de comentarios menos próprios

        Se isto for em feente qualquer “sensivel” classifica tudo como ódio e depois?

        Ah pois é… Queres e achas que alguem fez.algo menos próprio? Vai pelas vias legais… Apresenta queixa

        Não vais porquê? Ah pois.. Despesas? Medo? Que eu saiba podes apresentar queixa. Não apresentas porque nao queres e porque não te convém

        Enfim

      • Spoky says:

        Land25 desliga a Internet que esses problemas são resolvidos num instante e nem tens de lidar nem te importar mais com eles..

        • Helder Vaz says:

          Spoky, clica lá no não e desliga a internet, já estás a contaminar o fórum de interesse geral com as tuas ideologias!!!
          Conheces aquele provérbio que diz “a minha liberdade acaba onde a tua começa”???
          Sim, terei que desligar a internet só para não levar com o teu lixo, a isso chamamos “falta de civismo”

          • UnKnownWolf says:

            O Spoky está a dizer a pura verdade.

          • Miguel Cruz says:

            A condição humana tem muito que se lhe diga, por alguma razão muito ser humano tem prazer e debitar ódio em cada frase que escreve e então se estiver protegido pelo anonimato ainda melhor. O que me leva a pensar como estaria actualmente sociedade, se não houvesse leis contra violência e ódio.
            Helder Vaz não é por te desligares do que quer que seja que os problemas deixam de existir.
            Imagina nós começarmos a ignorar qualquer coisa como o DAESH, só porque nos incomoda, nem preciso dizer a gravidade que isso era para a sociedade moderna.

          • Miguel Cruz says:

            Helder Vaz.
            O comentário não era para ti mas sim para o Spoky

          • Nervaise says:

            Concordo Helder Vaz.

      • Rudi says:

        O problema não é os ataques de ódio, nem as noticias falsas, mas a ignorância das pessoas, falta de inteligência, falta de informação, e intenções menos honrosas ou com o intuito de causar mudança de mentes suscetíveis em prol de negócios ou interesses proprios.

        O que devia de ser proibido é um ignorante sem curso nenhum dizer que não existe aquecimento global, em defesa de um determinado tipo de empresas ou
        cortar na educação porque se um eleitor é inteligente não irá votar nele.

        O problema é não multarmos quem quer manter as pessoas na ignorância e protegermos as ditas “classes” de serem alvo de critica.

        Imaginemos. Se eu dizer que religião não deve ser ensinada nas escolas porque não é algo cientificamente provado, pode vir um cristão devoto, um judeu ou mesmo um muçulmano dizer que é racismo, discurso de ódio… que as escrituras são antigas e devem ser respeitadas e devem ser ensinadas em vez da teoria da evolução.
        Ai se eu disser que são ignorantes e estúpidos, além de ser verdade é discurso de ódio, mas eles dizerem racismo não é.
        Isto acontece actualmente um pouco por todo o mundo com as escolas religiosas, ensinarem a miúdos da primaria que água salgada e água doce não se misturam.

      • MikeyInThehouse says:

        O problema é que muita gente não sabe o que são Ataques de ódio e expressão de opinião.

        Esta decisão está contra a liberdade de expressão.
        Toda o indivíduo tem o direito de expressar as suas ideias, lembrando-se que o seu direito de as exprimir acaba quando começa os direitos da pessoa ao lado.

        Nós, na nossa sociedade é que damos validade a determinado tipo de discurso quando lhe é prestado algum tipo de reconhecimento.
        E esse é o verdadeiro erro.
        O reconhecimento de determinada pessoa que tenha comentários xenófobos, que se serve do bulling digital, trolling, etc.
        É que dá o devido peso às palavras proliferadas por esse indivíduo.
        Que no meu ver, é um ser triste, que certamente vive sozinho ou na casa dos pais, ou então é casado mas a mulher ou marido humilha-o/a em casa e a única coisa que lhe dá sentido à vida é o espalhar a sua infelicidade. Essa pessoa é doente e necessita de ajuda.
        Mas infelizmente esse indivíduo está no seu direito, ele pode exprimir as suas ideias, tem essa liberdade.
        Se o veículo de proliferação das duas ideias é uma rede social, ele teve meios para a aceder.
        Agora os interlocutores que interagem com esse indivíduo é que devem de fazer a escolha se partilham das mesmas opiniões, ou as reprimem ou melhor ainda ignorar-las por completo. (Sempre ouvi dizer que Vozes de burro não chegam aos céus)

        Agora estar a multar as empresas que não fazem o “policiamento” destes indivíduos no meu ver é uma atitude exagerada e até inconstitucional pelo-menos em Portugal.

        O policiamento deve de vir de nós mesmos ignorar tais indivíduos e até bloquear-los nas nossas contas e afins.

        Actualmente tenho visto a perda do sentido de privacidade por parte das novas gerações.

        Se a decisão tomada pela Alemanha for adaptada por mais países, vai-se ver também a perda do sentido de liberdade de expressão e isso sim é uma verdadeira perda.
        Desculpa o “Manifesto” mas achei que 255 caracteres não eram suficientes! 😀

    • Helder Vaz says:

      Tem sim, se cada um respeitar a opinião do outro sem ofender ou tentar rebaixar, certamente essa estrada se transforme num carril!!!!

    • Luis Coelho says:

      Noticias falsas sem qualquer suporte, levam a desinformação.
      Discursos de ódio não são liberdade de expressão. Há muitas formas de uma pessoa se expressar ou informar sem agredir e sem enganar.

  2. Hugo says:

    E depois como se entretinham os 3 milhões de desempregados ?

  3. Sara says:

    notícias falsas sim concordo, discursos de ódio.. deixem de ser tão mariquinhas.

  4. PAPAJOE says:

    As pessoas tem que perceber que ao dizer qualquer coisa no facebook ou internet em geral é como estar num podio numa rua movimentada a discursar. Logo, há e deverá haver consequencias.

    • Spoky says:

      Não não é..
      Das a tua opinião na rua és oprimido, ameaçado ou espancado ou é mentira?

      • Luis Coelho says:

        Dar uma opinião não é o mesmo que expressar-me de forma a dizer que estou a noticiar.
        Noticiar é indicar que algo é verdadeiro porque eu já investiguei e estou a relatar factos. Se estiver a mentir tem de haver consequências, já que a isso chama-se difamar.

  5. Spoky says:

    Os que votaram sim aposto que não vão para o facebook, fóruns falar mal do governo, dos salarios é o ódio contra a corrupção e politicos

    Preparem as vossas carteiras… Ou isso ja não é ódio? Muitos de vos quase.aposto que fizeram um comentario de ódio em relação emprego, salários, operadoras de internet, serviços de saúde

    Vão ser multados ou não conta? 😉

    • Helder Vaz says:

      Spoky, estranhamente concordo contigo!!!

      Não achas que indignação e ódio são duas coisas totalmente diferentes?

      Se eu disser ” O Spoky devia de levar uma carga de lenha porque é contra quem está indignado com o governo” e depois juntava umas palavras insultuosas do tipo ” grande idiota ou até mesmo aquela famosa que toda agente conhece “badamerda”

      Isto é incentivar a violência e insulto…

      Agora se eu disser “O Spoky não sabe o que diz, deve ser familiar de algum desses corruptos para falar assim”

      Qual das duas expressões te parece mais moderada?

      • Bruno M. says:

        Eu se estiver indignado com os Muçulmanos e contra o islão e proferir palavras que insinuem que eles é que estão mal, já estou a promover discurso de ódio.

        Eu se estiver indignado com os políticos e proferir palavras que insinuem que eles é que estão mal, já estou a promover discurso de ódio? – Aqui muitos dirão que não.

        Resumindo. As 2 estão correctas e se num estou a promover discurso de ódio, na outra também estou!!!

        O problema das pessoas é que são tendenciosas e só vêm um lado!

        • Notme says:

          Palavras? especifica quais?

          • Bruno M. says:

            Que o islão discrimina as mulheres/os homosexuais/ tudo o que é diferente.
            Que os Muçulmanos “moderados” são os mesmo que apoiam o enforcamente, as lapidações, as vinganças de honra, etc… etc.. etc..

            Que o Islão é a pior religião de que há memória…

            Enfim.. para muitos isto é discurso de ódio.
            Para mim é a triste realidade e que por cinismo e hipocrisia a maioria apoia e apoia a vinda dos pseudo-refugiados para a Europa!

          • Helder Vaz says:

            Não vi nada de ofensivo ou ódio nessas palavras, apenas a tua opinião baseado em factos actuais…
            Estás ofender alguém?

    • Luis Coelho says:

      Eu não desejo que o António Costa morra porque isso seria discurso de ódio.
      Somente espero que eles se demitam sempre que façam algo de errado.

      É muito diferente.

      • Hugo says:

        Pois eu quando erro a pagar o IUC mamo multa. É bem feito.
        Quando ultrapasso o limite de velocidade mamo multa. É bem feito.
        Se fico a dever algo penhoram-me o ordenado. É bem feito.
        E eu não jurei nada a ninguém nem pela pátria, mas vivo sob as regras de um sistema que embora não me beneficie em quase nada é o que é e só tenho de aguentar .
        Já os políticos fizeram uma série de juramentos e promessas. É um facto incontestável que muitos são mentirosos e corruptos. Abusam do poder que lhes foi concedido para próprio beneficio. Demitirem-se? Acho mal. Não lhes desejo a morte (nem a ninguém), mas o mínimo era ficarem na miséria e a pagar pelas suas propositadas aldrabices como muita gente fica por não poderem pagar por exemplo uma casa. Acho que isto NÃo é ódio e era bem feito.

    • JJ says:

      Recomendo ver este filme: http://www.imdb.com/title/tt2106476/?ref_=nv_sr_5
      E nota como uma informação mal dada ou mal interpretada, pode arruinar a vida de uma pessoa inocente.

      • Hugo says:

        A minha pergunta a quem defende tal controlo é:
        Acham que mesmo havendo uma espécie de PIDE a analisar TODOS os posts da internet os boatos e informações falsas iam desaparecer?

  6. Helder Vaz says:

    Não só na internet, mas também em todos os meios de comunicação social!!!
    Este país está a caminhar para o ridículo, relativamente à forma como são expressas as notícias e informações!!!
    Até mesmo os intervenientes deveriam ser responsabilizados, pela forma como argumentam nesta legislação anárquica do direito à liberdade de expressão!!!

  7. Alvega says:

    Pergunta vaga, multas para quem ?
    Para o autor da noticia ou para quem a divulga ?
    Como fazer para cobrar as multas ?
    Lembro que em portugal, somente os “burros”, (onde me incluo), pagam as suas obrigações, incluindo multas e impostos. Basta ver que os “citizens”, tao preocupados coma poluição em LISBOA, se esqueceram de pagar as viagens de metro que deveriam ter pago, e sao muitos milhões de €. Provavelmente alguns frequentam aqui o sitio, cheios de boas ideias e intenções…para os outros.
    Na verdade o que querem instituir é uma forma de CENSURA, legalizada, e para esse peditório eu já dei.
    1º as operadoras nao iam deixar que tal aconteça, pois o seu mercado ia encolher..muito.
    2º nao iam conseguir cobrar nada, pois a malta mal ganha para viver, quanto mais para pagar multas.
    3º se havia de multar alguém é quem divulga, seja operadores, sites, blogs, redes sociais, pois sao estes o veiculo da doença, nao a doença em si, pois esta é de alcance restrito, nao fossem os divulgadores e “amigos”, que mais nao querem que promover tráfego e clicks, para os trocarem por créditos e publicidade paga.
    4º na parte que me toca posso ser o 1º a ser “multado”, nao vou pagar um chavo, e se me cortarem anet, vou guardar paióis para Tancos, ou fazer de policia sinaleiro para a EN 236-1. Isto quanto ao discurso de odio, pois quanto a falsidades e mentiras, nao gasto, dai a ser muitas vezes alvo de censura, incluindo aqui no “quintal”.

  8. nop90 says:

    Coitadinhas das flores de estufa que não podem ler coisinhas más na internet 🙂

    • Marisa Pinto says:

      E se for na “vida real”? Faz diferença?

      • nop90 says:

        Na vida real és capaz de levar um par de estalos se me disseres alguma coisa que me desagrade. Felizmente, também sei arcar com as responsabilidades inerentes a esse par de estalos, portanto, entenda como preferir 😉

        • Vítor M. says:

          Então a Marisa tem razão, os fortes, os heróis da Internet na vida real são uns fracos, uns cobardes e por isso é que a Internet se tornou num sistema carente de regulação de comportamentos. Muitos, porque na vida real se disserem certas coisas levam um par de estalos, têm comportamentos civilizados, atras do ecrã… são os maiores. Deveremos ter em todo o lado o mesmo civismo, deveremos em todo o lado saber que a nossa liberdade acaba quando começa a do outro.

    • Luis Coelho says:

      Se fosse você o difamado queria ver.
      Talvez uma falsa noticio sobre assédio sexual no seu posto de trabalho divulgado no facebook dos seus amigos. Que repercussões teria isso na sua vida privada e profissional? Deixaria passar impune essa mentira? Perderia o seu tempo tentar explicar às pessoas que aquilo era mentira e não se acreditassem? E as restantes pessoas o que pensariam de não se defender com um processo em tribunal? Será que pensariam que não o fez por haver um fundo de verdade ou que estava somente a defender o direito à falsa informação?

      • nop90 says:

        Deixem de publicar todos os detalhes da vossa vida nas redes sociais que esse tipo de tretas já não acontece.
        Difamação é crime, há meios para resolver, fechar sites não é solução.

      • 25 de Abril. says:

        Então e se o caso for verídico? Somos obrigados a estar calados? Não posso expor tal perversidade para com terceiros de forma a proteger a minha comunidade? Acho piada voçês do “vamos imprimir censura na nossa lei” não terem em consideração que a liberdade de expressão existe por algum motivo. Para voçês, que não sentiram a ditadura na pele, é difícil perceberem o valor do direito que têm à vossa liberdade. O teu argumento é fácil de virar ao contrário: Se fosse voçê a vitima queria ver. Se a sua mulher sofresse de assédio sexual no local de trabalho, voçê preferia estar de mãos atadas. Se algum funcionário publico implica-se consigo e lhe estraga-se a vida, voçê preferia estar de mãos atadas. Achar que temos o direito de criticar e proibir todas as noticias com as quais não concordamos é só um sinal de hipocrisia extrema.

  9. FernandoRJ says:

    Uma mentira (notícia falsa) contada muitas vezes acaba se tornando uma verdade… 1984, Coréia do Norte, Cuba, Venezuela… Após isso, o que será contestado e combatido é a verdade. Até que ponto será considerado ódio? Normalmente a esquerda se dói por quase nada. Abram os olhos, isso é manobra dos governos para cada vez mais lhe tirarem sua individualidade, sua opinião, até que totalmente será refém dessa corja.

  10. FT says:

    Acho que anda muita gente confusa entre liberdade de expressão e puro insulto só porque sim. Deve existir responsabilidade e ética nos disparates que se diz. Porque, insultar porque me apetece, sem fundamente nenhum é muito construtivo não haja dúvida. Difamar alguém só porque tenho inveja ou me apetece então é do melhor.
    É claro que essa ou essas pessoas devem ser chamadas a assumir essa responsabilidade e aplicar a devida punição.
    Se é assim oralmente, porque deveria de ser diferente escrito na net? É claro que isso deve ser aplicado a tudo, incluindo todos os meios de comunicação, onde os disparates chegam quase a ser diários.

  11. JBC says:

    A maior parte de vós nasceu sem conhecer a censura, por isso não conseguem imaginar o que é viver com essa senhora. A liberdade de expressão não pode voltar a ter rédeas, nem sequer para evitar a divulgação de alarvidades. Um povo educado é imune a tais aberrações e todos devíamos pensar pela nossa própria cabeça. Dar o primeiro passo na direcção de qualquer tipo de censura, pode ser um caminho sem retorno.

    • AlexX says:

      Pelo que vejo um pouco por todo o lado já entrámos há muito nesse caminho sem retorno, infelizmente. Melhor prova disso é a falta de civismo que não pára de crescer. Estava longe desta magnitude há 30~40 anos atrás. Hoje em dia estamos sujeitos a ser insultados ou agredidos se tentarmos corrigir alguém ou dar um bom exemplo.

      • Zeque Tefodd says:

        Infelizmente isso verifica-se, falta educacao ao povo. Acho que o que muito contribui para isso e a falta de capacidade financeira para podermos viver mais descansados e sem stresses, e ainda a fata de dinheiro e/ou interesse em nos educarmos em relacao a tudo o que nos rodeia, e o que faz muita falata e o povo conhecer outras culturas, viajar, sentir na pele outras realidades, outras mentalidades, outras maneiras de viver. O pessoal prefere gastar em futilidades, ou quando viaja e para uma praia, deitam-se na areia e la ficam a “emburrecer”.

        • Hugo says:

          Ou seja, achas que esse é “o modelo” de vida?
          Conheço idosos que nunca saíram da aldeia com mentalidade mais aberta.
          A vida, por definição, tem TUDO de bom. Não viver é que é absolutamente mau.
          Resumindo…viajar não passa de mais uma dessas coisas boas/futilidades que se podem fazer enquanto cá estamos a aproveitar estas curtas férias a que chamamos VIDA.

    • Luis Coelho says:

      Liberdade de expressão não pode ser desculpa para o insulto ou para a falsidade.
      A nossa liberdade acaba quando começa a dos outros. Não posso impor todas as minhas vontades e com isso passar por cima de tudo e todos.

  12. Johns says:

    Sim, o que é crime será sempre crime, seja in or out, por assim dizer.

    Há aqui gente que confunde tudo, desde censura, difamação, ódio, etc.

    A liberdade de expressão não é ilimitada, coisa que por exemplo JBC não compreende.

    Isto é, a nossa lei constitucional diz que apesar do pensamento não poder ser limitado ou impedido por censura TAMBÉM diz que o exercício desses direitos pode implicar infracções. E mais, a lei garante protecção contra abusos pessoais, familiares, bom nome, reputação, vida privada, etc.

    Isto é, a liberdade de expressão não elimina a liberdade de ofensa grave em matérias específicas. E isto nada tem a ver com censura.

    • Hugo says:

      Ok tudo bem. Mas o que é ofensa grave?
      O problema que vejo aqui é que é um assunto muito abstracto.
      Para mim dizerem que comeram a minha mão ou para eu morrer de cancro nem em ofensa fraca se encaixa…no entanto para muita gente é o início do apocalipse.
      Compreendo perfeitamente o ponto de vista, mas acho que temos muito mais a ganhar se aprendermos a lidar com isso e filtrar o que é dito e importante e o que é dito e desprezível.

      • Luis Coelho says:

        A difamação e devassa de bom nome que possa ter repercussões a nível profissional e pessoal são bastante fáceis de verificar e provar, não sendo abstractas.
        Por exemplo, se o meu caro amigo ficar sem emprego ou numa posição em que os seu colegas de trabalho olham para si como um criminoso, só porque uma falsa noticia percorre a internet, vai deixar passar isso em branco ou vai apurar responsabilidade e até mesmo pedir indemnização por perda de emprego ou desgaste psicológico?
        Eu e muito de nós até podemos aguentar bem a pressão, mas há pessoas mais frágeis ou até mesmo com uma reputação a defender, dado o seu estatuto, que não podem ser alvo de devassa, já que poderão pôr em risco o seu bom nome e atividade profissional.

        • Hugo says:

          É um bom ponto de vista sem dúvida.
          Mas isso sempre aconteceu. Boatos.
          Valem o que valem e QUASE sempre, onde há fumo há fogo.
          Mas é um assunto extenso de mais para pesar numa única balança.
          Uma coisa é certa, mesmo que esta medida fosse avante continuariam a haver boatos e continuariam a ter o mesmo peso na sociedade que têm actualmente.

  13. AlexX says:

    Recordei os ‘bons velhos tempos’ em que o Yahoo tinha salas de chat (com voz e video) dedicadas propositadamente a haters e onde valiam todo o tipo de insultos. Muitos nem se escondiam atrás dum nick. Vi partirem teclados, monitores e o que mais estivesse à mão, raivosos que estavam. Talvez seja terapêutico, não faço a mínima, mas era um fartar de rir com essa necessidade de muitos “humanos” em descarregar ódios e frustrações para cima dos outros. Talvez fosse boa ideia alguém abrir uma rede social legalmente para essas causas.

    De resto e já que acabaram com o Contra-Informação, não multem o Imprensa Falsa nem o Inimigo Público e outros semelhantes porque não perdi a vontade de rir.

  14. Telmo M. says:

    Qual será a “métrica” utilizada para medir o que são notícias falsas e discursos de ódio?…
    Pode muito bem ser uma desculpa para a censura “justificada”. Cuidado que aqueles que impõem. Há quem chame de ditadura…

    • Luis Coelho says:

      Métrica?
      Como se avalia se uma noticia é falsa ou verdadeira hoje em dia? Existem métricas especiais?
      Sempre pensei que era fácil medir o que é falso ou verdadeiro com os factos. Não tendo factos ou fontes é pura especulação.
      Discursos de ódio também são difíceis de medir? Como sabe se alguém o está a insultar no seu dia a dia? Como sabe se o estão a atacar verbalmente ou fisicamente? Precisa de métricas especificas? Não consegue avaliar isso?
      Da mesma forma que acredito que consegue, a lei também o pode fazer.
      Obviamente que haverão zonas cinzentas, mas não existem leis feitas à medida nem perfeitas.

  15. Rui says:

    Isto segue umas proporções… As ditaduras começam assim.
    Mas agora fica tudo ofendido cada vez que alguém diz uma baboseira?
    O problema depois é na definição de discurso de ódio! O que é um discurso de ódio? Onde começa? Qual a linha que separa a crítica do ódio? Alguém tem superioridade moral para definir se um determinado discurso é de ódio ou não?

    Por favor, não sigam por esse caminho…

  16. Antunes says:

    O Lobby dos MainStream a actuar em Portugal também…

  17. stealth says:

    discursos de odio e tudo o resto na internet devem ter as mesmas consequencias que fora da internet… claro que ha o problema dos inocentes que nao sabem distinguir o que e uma noticia falsa de uma parodia… o que se faz com eles?

    • Zeque Tefodd says:

      Insultam-se com discursos de odio. LOL.

      Deveria haver mais interesse por parte dos utilizadores em aprenderem mais, lerem, informarem-se, mas o atalho sempre foi mais interessante, mais rapido e sem perdas de tempo que consideram infundadas. Isso aplica-se a tudo, ate mesmo a assinar contratos, quantos de nos ja assinaram contratos sem ler tudo e interpretar corretamente o que la esta escrito? Talvez todos ja o tenham feito, talvez a maioria sempre o fez. Temos de mudar, ser mais pacientes, por outras palavras, deixar de sermos burros e fazer tudo com tronco, cabeca e membros. Se isso fosse assim, acredito que todos iriam saber distinguir entre parodia e outras coisas.

    • Hugo says:

      Esses inocentes terão de se adaptar aos novos tempos, assim como nós nos adaptamos até percebermos que nem todos os emails ou .exe’s são para abrir pois podem conter vírus.
      Ninguém nasce ensinado, mas deixar esse controlo à mercê de terceiros é o pior erro que alguém pode cometer.

  18. Pedro Carvalho says:

    Não sei conhecem o Guilherme Duarte do blog porfalarnoutracoisa, e ele numa tedtalk no técnico em relação à liberdade de expressão que ela garante-os por exemplo assumir como racistas mas que não permite que incentivemos ao racismo. Acho que aqui aplica-se o mesmo princípio. Daí votar sim.

  19. Diogo says:

    Onde mete multas mete abuso de poder e falta de objectividade . por isso o não . além do mais a internet não deve ser policiada

  20. Marco says:

    Censura não obrigado!!! Não queiram que volte a “PIDE”…Liberdade sempre!

  21. Bruno M. says:

    Se prezarmos a liberdade, seja de expressão ou não iremos votar num grande e gordo NÃO!

    TODOS os países que se tornaram fascistas, TODOS os países que optaram por voltar às mentalidades tacanhas e mesquinhas, começaram por criar leis para bloquear tudo o que tem a ver com perda de liberdade.

    ESTE é um excelente exemplo disso!

    A Alemanha está a entrar na estrada que Hitler tomou algum tempo antes da 2a grande guerra, vomitando leis que suportas certos grupos étnicos e discriminam outros. (Suportam os Muçulmanos e discriminam todos os outros, hoje em dia). A lei que a Alemanha Vomitou só veio retirar a “pouca” liberdade que o povo Alemão já tem!

    Os Muçulmanos fazem o que querem (em qualquer lado) enquanto os nativos são recriminados por dizerem a verdade!!

    As pessoas não têm a mínima noção do que se passa nos outros Países. As pessoas tanto querem ser livres que escolhem sempre as piores opções levando à prisão em vez da liberdade!

    Não tarda, vivemos noutra ditadura, às custas destas leis mesquinhas e estúpidas!

    • Luis Coelho says:

      Primeiro fala de Hitler e fascismo, para logo depois falar que “os Muçulmanos fazem o que querem” 🙂
      Acho que se está a desdizer.

      • Bruno M. says:

        NOP!
        E sabe porquê?
        Porque Hitler tinha como suporte os Muçulmanos na 2a grande guerra!
        No Norte de África tinha um Contingente feito e criado unicamente por Muçulmanos!
        Merkel tem no seu governo a lei Sharia parcial para os Muçulmanos….
        Sim, eles podem casar-se com menores, podem casar com várias mulheres.
        Os Muçulmanos são os “protegidos” Alemães, tal como no tempo de Hitler!

        E sim, eles fazem o que querem, ora vejamos:
        Colónia, violações e assassinatos, já para não falar nos atentados….
        Tudo isto aumentou !! E outra situação: Um Alemao comete crime e vai preso. Um Muçulmano comete crime e pode ser julgado num tribunal afecto ao islão – Tribunais muçulmanos em que a shariah é lei!!!

        Sim, fazem o que querem! Tudo vale neste multiculturalismo estúpido e sem nexo!

        A Nova Ordem Mundial está em acção e já está quase implementada!
        Procure pela Maçonaria, pela nova ordem mundial, pelo islão no centro disto tudo. Faça a ligação com os pseudo-refugiados em que 75% são apenas migrantes económicos do Norte de África e compare as estatísticas…

        Junte 2+2 e voilá….

  22. jorge santos says:

    Desde criança que ouvia na Igreja o padre a dizer que Jesus estava quase a regressar para nos matar a todos.
    É um exemplo de uma notícia falsa e discurso de ódio (contra aqueles que não o seguem) que não faz mal a ninguém.

    Falar à toa por ser ignorante tem cura através da educação. Esconder o problema não o vai resolver. Aliás, pode até piorar o problema.

    • Hugo says:

      Como disse mais acima, não nascemos ensinados, mas somos inteligentes porra. Temos de nos adaptar e aprender a compreender o mundo à nossa volta. Deixar esse controlo nas mãos de políticos e religiões é dar uma valente corrida para trás.

  23. Hugo says:

    Sem querer ofender ninguém, mas uma pessoa tem de ser mesmo muito burra para defender censura em prol de não ser ofendida por um “caga tacos” anónimo.
    Mas alguém fica ofendido na internet? A sério? Quer dizer, no meu dia quando me começam a chatear dou desprezo…e vinha para a internet meter palha na fogueira?
    Obviamente que anda por aí muita besta e mesmo sem pertencer a essa classe de “calhaus” é muito fácil uma pessoa passar as marcas do “politicamente correcto”, uma vez que sendo anónimo não há a mínima preocupação com esse tipo de limites. No entanto acho que o grande problema são as pessoas que dão importância a esse tipo de provocações, pois basta uma boa dose de desprezo e eles acabam por se enterrar sozinhos e desaparecer.

    Agora um aparte (podem tentar, não é a banha da cobra lol). Dá-me um gosto especial quando me começam a ofender com coisas do tipo “a tua mãe assim…e ontem à noite assado”, e eu sem recorrer a ofensas verbais, entro no jogo, desço ainda mais o nível e quando dão por eles estão desconcertados e irritadíssimos comigo simplesmente a trollar :D. Não adivinho o que lhes irá na cabeça, mas concerteza não será satisfação/realização.

  24. Crist. N says:

    “Sticks and stones may break my bones, but words will never hurt me.”

    Antigamente ensinava-se isto às crianças, mas parece que hoje só existem flocos de neve…

    Discursos de ódio (o que quer que isso signifique e englobe) fazem parte da liberdade de expressão. Acções devem ser multadas, palavras não. Isso é censura e um atentado à liberdade.

    • Marisa Pinto says:

      Então se difamar o teu nome, e agredir verbalmente, insultar… deixar de ser crime? Palavras e acções não são opostos, Palavras são também acções, mais não seja fazem parte do acto de escrever, dizer.

      • Crist. N says:

        Sim, não devia ser crime. Palavras e acções são opostos, sim. Existe diferença entre dizer e fazer. E continuo à espera que alguém me defina o que é considerado “discurso de ódio”. O que é considerado ofensivo é completamente subjectivo. Tal como o peso e valor das palavras.

      • CC says:

        O discurso injurioso, difamatório e calunioso já é punivel por lei. Leiam o Código Penal:

        http://bocc.ubi.pt/pag/estado-portugues-codigo-penal.html

        ARTIGO 180.º
        (Difamação)

        1- Quem, dirigindo-se a terceiro, imputar a outra pessoa, mesmo sob a forma de suspeita, um facto, ou formular sobre ela um juízo, ofensivos da sua honra ou consideração, ou reproduzir uma tal imputação ou juízo, é punido com pena de prisão até 6 meses ou com pena de multa até 240 dias.

        ARTIGO 181.º
        (Injúrias)

        1- Quem injuriar outra pessoa, imputando-lhe factos, mesmo sob a forma de suspeita, ou dirigindo-lhe palavras, ofensivos da sua honra ou consideração, é punido com pena de prisão até 3 meses ou com pena de multa até 120 dias.

        ARTIGO 182.º
        (Equiparação)

        À difamação e à injúria verbais são equiparadas as feitas por escrito, gestos, imagens ou qualquer outro meio de expressão.

        ARTIGO 183.º
        (Publicidade e calúnia)

        1- Se no caso dos crimes previstos nos artigos 180.º, 181.º e 182.º:
        a) A ofensa for praticada através de meios ou em circunstâncias que facilitem a sua divulgação; ou,
        b) Tratando-se da imputação de factos, se averiguar que o agente conhecia a falsidade da imputação; as penas da difamação ou da injúria são elevadas de um terço nos seus limites mínimo e máximo.

        2- Se o crime for cometido através de meio de comunicação social, o agente é punido com pena de prisão até 2 anos ou com pena de multa não inferior a 120 dias.

        Artigo 236.º
        (Incitamento à guerra)

        Quem, pública e repetidamente, incitar ao ódio contra um povo, com intenção de desencadear uma guerra, é punido com pena de prisão de 6 meses a 3 anos.

        Artigo 240.º
        (Discriminação racial)

        1- Quem:
        a) Fundar ou constituir organização ou desenvolver actividades de propaganda organizada que incitem à discriminação, ao ódio ou à violência raciais ou religiosas, ou que a encoragem; ou
        b) Participar na organização ou nas actividades referidas na alínea anterior ou lhes prestar assistência, incluindo o seu financiamento; é punido com pena de prisão de 1 a 8 anos.

        2- Quem, em reunião pública, por escrito destinado a divulgação ou através de qualquer meio de comunicação social:
        a) Provocar actos de violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor ou origem étnica ou nacional ou religião; ou
        b) Difamar ou injuriar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor ou origem étnica ou nacional ou religião, nomeadamente através da negação de crimes de guerra ou contra a paz e a humanidade;
        com a intenção de incitar à discriminação racial ou religiosa ou de a encorajar, é punido com pena de prisão de 6 meses a 5 anos.

        Estes são apenas alguns artigos do Código Penal em vigência. Bastaria uma emenda para se passar a punir o discurso de ódio na Internet.

  25. Khidreal says:

    Cara Marisa Pinto, penso que seria melhor separar is assuntos e deixar o discursos de odio para a semana que vem, baseado nos comentarios acima…

    • Marisa Pinto says:

      🙂 Apenas foi a pegar na situação da Alemanha, claro que isto teria que ser mais esmiuçado e ver em concreto o que estaria previsto a lei. É apenas uma recolha de opinião das pessoas 🙂

  26. Nuno says:

    Obviamente que da forma como a pergunta está formulada deixa muitas questões em aberto, mas o meu entendimento é que se pretendia obter a opinião geral sobre se certas afirmações deveriam, ou não, ser penalizadas de alguma forma. Os comentários do género “se não gostas, não leias”, ou “desliga a net” e outros semelhantes são demasiado primários e completamente deslocados no contexto. A net não tem a mesma responsabilidade que por exemplo uma televisão, e naturalmente que o seu “grau de liberdade” é (e deve ser!) muito elevado, mas isso não invalida que certo tipo de conteúdos não devam ser penalizados pelo potencial de danos que podem efectuar num número significativo de pessoas. Será difícil definir os limites e fronteiras do “razoável”, mas essa não é a questão levantada, mas sim o princípio! Como poderia ser posto em prática… é outra questão totalmente diferente.

  27. João Serra says:

    Deviam era multar quem anda a atirar beatas ao chao 😛

  28. Francisco Moreira says:

    Era ter uma internet tal que cada um precisava sempre de um certificado que o identifica individualmente para poder usar. Aplicavam-se as leis já existentes relativamente a liberdade de expressão e cada um pensaria antes de agir em público, como é normal. Ainda que aparentemente anónimos seriamos sempre traceable se necessário. Acho que ainda estamos numa fase tipo velho oeste onde vale tudo. Só lamentava pelos que vivem em ditaduras. Ps. votei não, acho q não é essa a solução.

  29. JJ says:

    Assim, como se eu for ofendido na rua ou sofrer qualquer outro tipo de opressão, por lei posso levar essa pessoa a tribunal. Acho que o mesmo se deve aplicar na Internet.

    E não é por existir essa lei, que vejo as pessoas que são ofendidas no meio da rua, levarem a pessoa que fez a ofensa a tribunal. Isso só acontece em casos muitos específicos.

    Existem leis, que servem mais para criar moderação do que criar opressão.
    É como a lei de credencia do lugar em filas, para idosos, gravidas e afins. Essa lei, simplesmente põem em papel o que o civismo já diz a anos… O mesmo pode ser necessário fazer, com relação as mensagens de ódio na Internet.

  30. JJ says:

    O governo alemão, tão preocupado a prevenir nazis, acaba por se tornar um nazi na internet. Dar multas pelo que sai da boca de uma pessoa só dá azo a censura do discurso.

  31. Johns says:

    Respondendo ao Hugo e aos outros, lamento mas palavras são acções. Tal como eu já referi, nossa lei constitucional no artigo de liberdade de expressão escreve claramente que pode haver infracções ao exercício da liberdade de expressão. É preciso ser muito ingénuo para pensar que tudo pode ser dito sem quaisquer regras… isso não é liberdade alguma.

    Se é assunto abstracto, subjectivo, pouco importante, quem o decide são as instâncias próprias.

    Crimes contra a honra são figuras antigas do código penal. (À difamação e à injúria verbais são equiparadas as feitas por escrito, gestos, imagens ou qualquer outro meio de expressão.)

    Essa ideia que na internet tudo é possível mais cedo ou mais tarde vai acabar, porque é um veículo descontrolado de tudo, desde pedofilias a terrorismo.

    Presumo que, para alguns de vocês, o aliciamento de menores por palavras escritas via internet não é crime porque não é uma acção.

    Esta geração que cresceu com a internet é profundamente ingénua se pensa que a liberdade de expressão não tem limites. Aliás, desconhece o que é a liberdade de expressão.

    • Francisco Moreira says:

      Sim, art 37 n.3 da constituição. E p/ex art 180,181,182,183…etc do código penal. Não é preciso alterar nada é só consultar, já temos lei. Agora se algumas coisas presentes na lei não são exageradas hoje em dia é outra história.

  32. Apcoa says:

    vocês esqueceram-se que discursos de ódio faz com que uma grande percentagem das pessoas principalmente crianças suicidem-se e isso devia haver punição sem dúvida…principalmente quando é dirigido a homosexualidade…Quer dizer verbalmente es punido mas ir po facebook e fazer discursos de ódio devia ser sem dúvida punido……se eu tiver um grupo de amigos e comentar num perfil a dizer que es pedofilo…de certeza quem for a ver vão acreditar e depois é bola de neve….portanto pensem bem o que vocês andam para aí a dizer…pois secalhar não é a vossa situação mas gostava de ver se tivessem nessa posição possivelmente já iam pensar de forma bastante diferente….

    • Marisa Pinto says:

      pois, são exemplos a que temos que ter atenção.

    • Hugo says:

      Assim como quem fuma uns charros leva com o “drogado” ou quem se veste de forma mais alternativa com o “rebelde/vagabundo” etc…etc…etc.. os gays não podem levar com um pane!”#”# que já é ódio?
      O mundo é duro, não protejam quem se passa a vida a lastimar, pois só vão ajudar a piorar as coisas.
      Quem se suicida claramente tem claramente problemas mentais….ou vão dizer que a culpa é da baleia azul?

  33. Fernando Negro says:

    (Os alemães não mudaram muito de personalidade, ou cultura, só porque foram bombardeados na Segunda Grande Guerra. E, quem conheça bem a cultura alemã – e saiba o quão fortes podem ser alguns dos chamados “traços culturais” – sabe bem do que estou eu a falar. Numa série de países muçulmanos, por exemplo, a homossexualidade é punida com a morte. Ora, deve isso servir de mote a uma discussão sobre se deveríamos nós fazer a mesma coisa?)

    Isto são perguntas que nem sequer deviam ser feitas… Pois, o simples facto de as fazer, é estar a criar a ideia de que é admissível limitar a Liberdade de Expressão. Já parece o de que se fala nos EUA, onde também querem ilegalizar comentários que possam fazer alguém sentir-se “ofendido/a”.

    A Lei já está, há muito tempo, feita de modo equilibrado. É ilegal assediar, injuriar e caluniar alguém. E, quem é vítima destas acções tem todo o direito de processar judicialmente quem as comete. Tudo mais que queiram agora acrescentar, é estar a mover as coisas de volta ao tempo do Antigamente, claramente com vista a *censurar* quem fala sobre assuntos incómodos.

    E, qual é o problema com o “discurso de ódio”? Pode-se discursar sobre o amor, mas não se pode discursar sobre o ódio? O apelar a quem alguém pratique um crime, é claramente um crime, em si. Agora, estar a dizer que se odeia isto ou aquilo, também não é um direito (tal como dizer que se ama isto ou aquilo)?

    (A pergunta anterior é meramente retórica. E, não esperem que responda eu de volta a eventuais repostas.)

    Quanto às “sondagens” ou “estudos de opinião”, que este sítio parece querer fazer, preparem-se para resultados mesmo muito deturpados… Pois, há batalhões inteiros de “trolls” na Internet, que são pagos para influenciar a dita “opinião pública” (http://videos.sapo.pt/osVD6KZEr9jc8zwnbAKm) – e este tipo de “estudos” são um alvo perfeito.

    • Fernando Negro says:

      P.S. – Obviamente que, a ser montado o equivalente a um Tribunal da Inquisição, para avaliar supostas “notícias falsas”, os juízes de tal Tribunal seriam pessoas nomeadas pelo poder estabelecido – e que tomariam sempre o lado do mesmo, quando tais notícias denunciassem tal poder. Mas, a ser tal Tribunal constituído por pessoas verdadeiramente independentes, quem perderia mais com tudo isto, seria até o próprio poder estabelecido… Pois, quem mais mente, a toda a hora, são os políticos e média de massas, seus papagaios. Sabiam, por exemplo, que já houve 30.000 cientistas que tentarem processar o Al Gore, por causa da mentira do “aquecimento global” antropogénico? Havia de ser lindo…

    • Fernando Negro says:

      (Esqueci-me de incluir a prova do que afirmava no final do anterior comentário. Aqui vai ela: https://www.youtube.com/watch?v=JRgQKK3j7LU)

    • Nuno says:

      A questão não está em limitar a “Liberdade de Expressão” ou qualquer outra “Liberdade”. É importante lembrarmo-nos sempre que toda e qualquer “Liberdade” tem sempre de ter um limite. E é esse limite que se depara com duas enormes dificuldades: 1) definir onde está esse limite e 2) quem “fiscaliza” a ultrapassagem do limite que for definido.
      E a questão de já existirem leis para quem assedia ou injuria alguém também não é assim tão linear: primeiro porque para processar judicialmente seja quem for é preciso saber quem foi, o que na net nem sempre é fácil e segundo porque há outro tipo de “agressões” que não são apenas ofensas ou injúrias pessoais, como por exemplo angariações de fundos para fins pouco aceitáveis, ou tentativas de influenciar espíritos e mentes mais vulneráveis. Se existir um indivíduo a manifestar a opinião que todas as pessoas de cor devem ser fuziladas, provavelmente não merece atenção. Mas se verificarmos que existem várias centenas ou milhares de pessoas a defender o mesmo ponto de vista, então já a questão merece ser analisada sobre o que fazer quanto a isso. E fazer alguma coisa não significa necessariamente prender ou processar de alguma forma essas pessoas, mas nem que seja tentar encontar respostas para algumas questões como “porque existem pessoas com estas opiniões?”; o que está errado?
      O “discurso de ódio” posto assim de forma abstracta, filosófica e descontextualizada não tem de facto problema nenhum! Tal como não tem qualquer problema dizer se se gosta, ou odeia, disto ou daquilo. Mas se esse “discurso de ódio” vier a produzir resultados nefastos e que afectem negativamente muitas pessoas, já é diferente. O problema está em analisar se esse tal “discurso de ódio” é ou não prejudicial. Não tem mal nenhum ter um carro, mas se esse carro for usado para assassinar uma série de pessoas numa rua movimentada, o caso é diferente. Deveria haver uma filtragem a quem compra um carro? Seria possível ser feita? Faria algum sentido? Resolveria alguma coisa? Poderia de alguma forma uma acção como essa ser evitada? E se uma acção como essa fosse de alguma forma prenunciada por “discursos de ódio”?
      É verdade que este tipo de sondagens não têm grande valor científico (de facto não têm nenhum!) mas dão um indicador sobre o que muitas pessoas pensam sobre o assunto, e mesmo sendo “trolls”, pagos ou não, dão uma ideia de como anda a nossa sociedade.

  34. Jason Bourne says:

    Liberdade de expressao, meus caros

  35. Night says:

    Quem vota sim deve estar maluco da cabeca, pois isso é só puramente eliminar a liberdade de expressao.
    Cada um é livre de dizer o que quiser e na alemanha só proibiram isso por causa do pessoal andar atacar os refugiados, porque eles so foram para la violar e roubar nada mais, mas como digo o povo só acorda da pior forma, e maior parte ainda dorme e sonha com coisas cor de rosa…
    Anda mos a caminhar para uma ditadura europeia em que tudo o que facamos seja controlado e é isso que eles querem que aconteca.
    O povo como é burro só liga e reclama de futebol, vamos fazer o quê com um povo tao burro, não admira que o nosso pais teja na merda…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.