Quantcast
PplWare Mobile

Revolut: Há quase um ano para aceder ao “difícil” Multibanco

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. David Guerreiro says:

    São os lobbies a funcionar. É como muitas caixas ATM por essas cidades que não estão ligadas à rede da SIBS por burocracia.

    • cross says:

      Sim, sempre que posso levanto dinheiro nessas. Ao menos sei que não estou a entrar para as estatísticas da SIBS.

    • Elvira says:

      É iimpossivel operarem sem estarem na rede da SIBS pois é essa a rede do multibanco.
      O que existem é umas caixas apenas para clientes de um certo banco, mas não têm nada a ver com burocracia, são caixas exclusivas para clientes de um certo banco.

  2. poiou says:

    As da euronet? A Euronet assim como a visa e outras são concorrentes da sibs. O que acontece é que a visa, em vez de montar a sua rede em Portugal, decidiu ligar a sua rede ao multibanco, já a euronet criou a sua própria rede. Alem disso nenhum banco é obrigado a estar ligado à rede multibanco, pode ter a sua própria rede (como o BPN tinha) ou contratar esse serviço a uma euronet qualquer.
    Outra coisa a ter em.conta é que só a sibs/bancos não pode cobrar comissões pelas operações, as outras redes podem cobrar comissão.
    Cross, não entras para as da sibs, entras para as da euronet.

  3. Keyboardcat says:

    Uma das coisas que mais me chateia quando vou a Portugal visitar a família são os terminais de pagamento com contrato exclusivo com a SIBS.

    Em grandes cidades como Lisboa não acontece tanto. Mas no resto do país metade das vezes o meu cartão é rejeitado porque o terminal não suporta a rede Maesto/Mastercard. Tenho que acabar por ir sempre caminhar para a ATM mais próxima para levantar dinheiro.

    Se querem criar uma rede própria para pagamentos em Portugal tudo bem. Mas por favor não rejeitem os pagamentos de cartões fora da rede multibanco. Especialmente num país cuja economia atual beneficia muito do turismo.

    • Gonçalo Damas says:

      Mas isso a culpa é dos vendedores que só aceitam MB…

    • Fernando says:

      Eu tenho cartões da rede maestro/mastercard que funcionam na rede multibanco. São nacionais, claro.

      • Bruno says:

        Sim, obviamente. Mas quem tem cartões Revolut e outros bancos estrangeiros felicita-se com a mensagem “Terminal sem contrato” e tenho que ir levantar dinheiro.
        Em nenhum outro pais da Europa vi um cartão MasterCard a ser recusado…

      • Keyboardcat says:

        Os cartões emitidos pelos bancos Portugueses suportam duas redes. Multibanco e Visa/Mastercard. Por isso acaba sempre por ser suportado por todo país.

        Eu só descobri esse facto quando comecei a usar uma conta bancária de um outro país. Não tenha ideia que o país estava tão depende da rede da SIBS.

        Grandes superfícies e supermercados nunca tenho problemas. Mas restauração e pequeno comércio é bastante problemático (especialmente no interior do país)

        • Há cada gajo says:

          Mas isso é problema do comerciante, não da SIBS. O comerciante contratualizou com o seu banco o tipo de cartões e redes que está disposto a aceitar no seu terminal mediante o pagamento de uma comissão mensal. Possivelmente tem um serviço mínimo contratado e daí encontrares limitações ao uso.

          • Pedro says:

            A questão é que é a SIBS que gere tudo e mete o seu serviço (o Multibanco) mais barato que o Visa/Mastercard e pronto. Claro que muitos comerciantes preferem ter só um porque fica muito mais barato. Vendiam todos os serviços como um só e pronto.

  4. Atento says:

    É tudo uma questão de comissões. e o mau da fita não é a SIBS, são as marcas (Visa Mastercard, AMEx e afins).
    Algumas lojas optam pelos TPA MB only para pagar menos comissões.
    Muito pouca gente tem conhecimento do enorme serviço que a SIBS tem prestado ao país e aos utilizadores de serviços bancários, nos últimos 35 anos.
    Digo-o sabendo que não tenho qualquer interesse ou envolvimento na SIBS, mas conheço a sua génese e desenvolvimento.

    • Mascarilha says:

      Também é necessário perceber que a rede MB custou muito dinheiro a montar; quem quer utilizar a infraestrutura tem que sujeitar-se às regras de acesso (tal como os outros bancos que já utilizam).
      Chegar agora e dizer que se quer o acesso, mas sem cumprir as mesmas regras dos outros bancos que já estão ligados à rede, não parece ser muito honesto …
      Talvez pensem que é mais fácil fazer pressão nas redes sociais e passar a imagem de mau da fita para o outro lado …

    • Keyboardcat says:

      Estás enganado. Vai ver a lista de preços dos serviços com TPA (por exemplo a CGD) e percebes que o custo de transação na rede multibanco e visa/mastercard (cartão de débito da UE) é o mesmo. Cerca de 0.3%.

      A diferença muitas vezes no custo fixo mensal. Um TPA exclusivo da rede multibanco custa por exemplo 25€/mês, mas multimarca já custa uns 30€ mês.

      Isto é uma tática usada pelos bancos (detentores da SIBS) para enfraquecer as outras redes para manter o monopólio no serviço de pagamentos. Assim podem sempre fazer a vida difícil e novos bancos (como o Revolut), limitando assim a escolha dos portugueses.

      Felizmente parece que a União Europeia já se apercebeu disso e no futuro quer acabar com as redes de pagamento nacionais. A ideia é criar o EPI (European payments initiative) para garantir que os serviços de pagamento são compatíveis a nível europeu.

      Infelizmente isto ainda vai demorar uns anos. Até lá a SIBS pode simplesmente bloquear a entrada a qualquer novo concorrente no setor bancário Português.

  5. Pedro Silva says:

    Seria bom, infelizmente de momento peca por não ter pagamentos de serviços/carregamento de telemóvel, pelo contrário o moey já pode ser usado exclusivamente como cartão/conta principal pois permite todas as opções que um cartão nacional permite

    • ElectroescadaS says:

      Esse cartão “Moey” permitir-me-ia criar um pé de meia para algumas eventualidades?

      Tenho Revolut apesar de raramente usar e com a mudança deles de país por causa do Brexit deixou-me de pé atrás com este serviço (apenas uma ligeira desconfiança)…

  6. Ana Santos says:

    As amélias que andam por aqui a reclamar com a sibs nunca devem ter usado um ATM no estrangeiro.
    O Multibanco é dos sistemas mais avancados do mundo.
    No estrangeiro as opcões num ATM são bem limitadas e nalguns casos obrigam a pagamentos:
    – na Suica quem usar uma caixa dum banco onde não é cliente PAGA!
    – na Bosnia cada levantamento custa 4 marcos….

    Sim meus amigos, é facil reclamar quando se tem das melhores redes mundiais, mas queria ver se a SIBS baixasse o nivel como nos outros paises e depois queria ver.

    • Pedro Liberato says:

      Concordo em absoluto.

    • Keyboardcat says:

      Isso é bastante relevante. Há 20 anos atrás talvez.

      Eu a viver fora de Portugal há 5 anos e nunca usei uma ATM. As aplicações bancárias permitem fazer qualquer operação no meu smartphone. Todos os pagamentos em qualquer loja são feitos de forma electrónica (cartão contactless / Apple Pay), nem que seja um simples vendedor de rua.

      Por isso o multibanco pode fazer muito, mas não me vou deslocar a uma caixa se posso fazer o mesmo com o dispositivo que carrego no bolso.

      Infelizmente cada vez que vou a Portugal sou obrigado a carregar dinheiro comigo (parece que viajei no tempo) devido a não poder usar cartão em todo lado. Pode ser que daqui a 10 anos as coisas modernizem um bocado e as pessoas tenham que necessitar menos de utilizar caixas multibanco.

      • Jose says:

        Entao utilizar um cartao é o fardo dos fardos?
        As caixas de multibanco não servem só para levantamentos.
        Dinheiro é comercio, cartão é negócio.

  7. Asevla says:

    Se todos olhasse-mos só para o nosso umbigo, nem SIBS, master/visa. AMEX, etc, serviriam os propósitos de todos. É grosseiro dizer que a SIBS pode bloquear a entrada de qualquer um banco à nossa rede MB, que todos pagamos através das comissões bancárias indiferenciadas de cada nacional ou presente no pais. A SIBS é um consórcio de todos os bancos que querem aceder ao serviço livre de taxas para o consumidor final. Vejamos, só sentamos à nossa mesa quem queremos, não qualquer um que nos bate à porta.
    Quem tem acesso por smartphone (global) e outras vantagens também não precisa de dinheiro vivo pode fazer tudo na aplicação, encomendar uma camisa florida no KID´s, pagar o UBE… e encomendar comidinha gostasa pelo GLOV…, e, pagar a assinatura dos dados móveis/roaming. Paço a publicidade, mas os meus pais (87 e 94 anos) a viver no interior sem o MB precisavam de …
    Não tenho nenhum interesse em nenhuma instituição/startup-fin/App/Loja ou afins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.