Quantcast
PplWare Mobile

Justiça obriga FNAC a “entregar” Huawei P30 por apenas 124 euros

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Rui Dias says:

    São só 10 598 400€ a menos…

  2. Jean Fiorin says:

    Se fosse uma empresa menor, a justiça teria condenada à falência por um erro.

    • Guile says:

      As regras são iguais para todos. Seja um produto de 1 euro ou de 1000.

      Se uma empresa apresentar um orçamento à FNAC para fazer um serviço, a FNAC não vai pagar mais pois ouve um “erro”.

      Depois, onde uma empresa menor teria 12911 P30 em stock?

    • SSD says:

      Realmente parece um pouco exagerado. Era devolverem o dinheiro e darem um vale ou algo parecido agora levar a perdas de milhões é algo puxado também.

      • David Guerreiro says:

        E se fosse ao contrário, a FNAC errar e marcar o telefone por 2000€ e as pessoas comprarem. Será que a FNAC iria dizer algo aos clientes?

        • Hélio Musco says:

          Podes sempre devolver o telefone e reaver o dinheiro.

          • k says:

            A parte do reaver o dinheiro na fnac, bem, não podes. Ou não podias, pelo menos, não sei se algo mudou entretanto. Aqui à uns anos comprei lá um portátil. Eu só queria testar um programa no computador, se corresse bem, eu ficava com o portatil, se não corresse como eu estava a espera, eu devolvia-o no dia seguinte em condições imaculadas (tive especial cuidado). Questionei na loja se poderia fazer isto e, especificamente, se me devolviam o dinheiro se eu quisesse devolver. 2 pessoas diferentes na loja disseram-me que sim.
            Eu comprei o portatil, 1000€. Quis devolver no dia seguinte. O mesmo animal diz-me que só me podem passar nota de credito para gastar os 1000€ na fnac. Chamei a gerência e ambos mentiram em frente a toda a gente a vezes que foi preciso a negar o que me tinha mdito no dia anterior. Só me apetecia meter-lhes os dentes na garganta por me estarem a mentir na cara tão descaradamente. Nem me admirava se tivessem sido instruidos internamente a fazer isto, como foram 2 pessoas separadas a fazerem o mesmo.

            Escrevi no livro de reclamações, não adiantou dum corno. O “melhor” que me conseguiram fazer foi 2 cartões-prenda no valor (máximo) de 500€ cada um para gastar no período de um ano, na fnac.
            A lei dizia na altura (não sei se algo mudou) que a loja tem que rembolsar o cliente PELO VALOR EQUIVALENTE mas não necessariamente devolver dinheiro. Como eles fazem isso, fica ao critério da empresa.

            Por acaso um amigo meu uns meses depois foi lá comprar algo, deu-me o dinheiro e pagou com os meus cartões-prenda. Mas só assim consegui reaver o valor.

            Nunca mais comprei lá nada e nem tenho pena deles.
            A partir daí fui sempre ao Media Markt que nunca tiveram problemas em devolver-me o valor da mesma forma que eu paguei.

        • Tx2 says:

          Se o preço baixar penso que nos 15 dias que tens para devolver o produto e reclamares eles devolvem-te a diferença.

    • Vitor says:

      Se fosse uma empresa “menor” certamente teria pessoal com uma maior dose de profissionalismo e que não cometeria um erro desses. Como é uma empresa “maior” quando faz contratações olha mais ao vencimento que vai pagar (quanto menos melhor) do que às qualificações da pessoa para desempenhar o posto de trabalho! Erros acontecem…quem os comete arca com as consequências!

  3. Tiago says:

    Aconteceu-me o mesmo com um tablet Samsung S6 e foi por esta altura. Comprei o tablet por pouco mais de 100€ mas, como a entrega seria no dia seguinte ao da entrega, ficou retido na FNAC e realizaram logo o reembolso.
    Reclamei claro mas indicavam sempre que estão no direito de cancelar encomendas por motivos de erro informático…

    • Tiago says:

      *…, como a entrega seria no dia seguinte ao da compra, …

    • David Guerreiro says:

      Mas se metessem o produto ao dobro do preço por engano, aí já não cancelavam…

    • Spoky says:

      Se fores a Fnac eles são obrigados a vender-te. Pois quando se enganam nos preços é culpa da Fnac e se fosses para Tribunal ganhavas.

      É simples.

      • Tiago says:

        A questão é que a compra foi feita online e nas condições gerais podes ler:
        “… a FNAC reserva-se o direito de cancelar unilateralmente a encomenda sempre que se verifique erro de programação, defeito de funcionamento dos computadores da FNAC …”

        • Rui Santos says:

          A FNAC escreve lá o que quiser, eu tb posso escrever aqui que quem ler o meu comentário tmw de me pagar 500€, que isso não passa a ser lei só por estar escrito.

        • Spoky says:

          Um erro de programação… não diz um erro de preços. É diferente. Defeito de funcionamento dos computadores, o que é que isso tem haver com os preços?

          Loja é obrigado a honrar preço a que anuncia produtos?
          Resposta: É

          Se assim for, eu tenho uma loja, não gostei do cliente, digo que foi engano e o cliente paga o preço mais caro, porque não fui com a cara do cliente!

      • David Guerreiro says:

        E achas que alguém em Portugal vai a tribunal por causa disso?

      • JP says:

        Esse mundo idílico não pertence a Portugal.
        Nessa possição muitos enchem-se de força, e com legitimidade, mas quando percebem o desgaste e custos, acabam por desistir.
        Depois percebendo a forma como anda a justiça em Portugal, não é difícil perceber o desfecho.

  4. art says:

    Já vi melhor por cá…no site da worten apareceu uma Tv por zero euros….desapareceu em pouco tempo

  5. Hélio Musco says:

    Acho muito estranho. As empresas estão protegidas contra estes erros, não sei que tipo de argumentação foi feita para o tribunal aceitar a reclamação.

    • zakarias says:

      Pois … os consumidores também estão protegidos, o que está na lei é que o preço marcado é o preço de venda, não deixa muitas duvidas

      • Paulo says:

        sim estão, e chama-se garantia de direito à devolução por um período de 15 dias sem qualquer reclamação, ou garantia do artigo por um periodo de 2 anos…isto é simplesmente chico-espertismo! Tb nao percebo como é que não estão protegidos com a salvaguarda do erro tipografico… é que nem vai ser a fnac a ficar com prejuizo, mas sim a empresa que tratou da camapnha online…
        Num mundo onde a justiça e as decisões judiciais são cada vez menos idóneas, éticas, um dia andamos todos a roubar uns aos outros e é o salva-se quem puder.

        Se metesses um artigo no olx, por lapso dez vezes menos que o preço de custo que pretendias meter, porque confundiste a virgula com o ponto decimal, irias aceitar a venda à mesma?!
        Não façam aos outros aquilo que não gostavam que vos fizessem a vós. Este mundo era mais civilizado e correcto e escusávamos de ver tanta porcaria na justiça.

        • Spoky says:

          Como é que sei que foi um erro tipográfico? Se não for com a tua cara, pela tua lógica posso aumentar o preço a qualquer momento.

          O preço que esta na loja seja online ou não, mesmo que se tenham enganados são obrigados a vender.

          É assim por lei, pesquisa e veras pelos direitos dos consumidores.

        • JJ_ says:

          A questão é que por lei tens de aceitar vender pelo preço que anuncias-te. Quer seja em loja online ou física.

          Se fores ao supermercado, e vires um artigo por 3€ e ao chegares a caixa eles cobrarem 10€ o que tu fazes? Reclamas, indicando que o preço estava a 3€. Eles vão ter de aceitar vender-te o artigo, ou então reclamação. Raramente eles dificulta essas vendas, sabem se existir reclamação perde, e se forem estúpidos e complicarem, vão mesmo perder, como este caso.

          Alem disso eles cometeram dois erros! Um no preço e outra na devolução.
          Se eles devolvessem o dinheiro, alegando falta de stock, já não tinha este problema. Podem cancelar por falta de stock, mas não “porque errei no preço”. Isso é proibido por lei.

          No caso do OLX, isso é entre particulares, não estas protegido pelas leis comerciais. Não existe garantidas, direitos a devoluções, etc.

          • Sardinha Enlatada says:

            Qual e essa lei que permite que um erro destes o produto seja vendido pelo preco divulgado ? Acho um bocado absurdo essas coisas. As empresas agora nao se podem enganar que aparecem logo ciganos mais ciganos que os ciganos a querer ter uma coisa abaixo do preco real. Vao trabalhar vadios.

          • SSD says:

            Até concordo contigo mas algum cigano te fez mal ultimamente? Ou estás a fazer propaganda para o chega? Já é para ai o terceiro que vejo teu com referência a eles

          • JJ_ says:

            Sardinha Enlatada… Qual lei? Esta:
            https://www.asae.gov.pt/fiscalizacao-economica/informacoes-sobre-atividades-economicas/afixacao-de-precos.aspx

            Algumas citações, se for difícil abrir o link:
            “Todos os bens destinados à venda a retalho devem exibir o respetivo preço de venda ao consumidor (preço total incluídas todas as taxas e impostos);”

            “O preço de venda e o preço por unidade de medida devem ser indicados em dígitos, de modo visível, inequívoco, fácil e perfeitamente legível, …
            A indicação do preço deve ser feita na proximidade do respetivo bem ou no local em que a prestação do serviço é proposta ao público, de modo a não suscitar qualquer dúvida ao consumidor.”

          • JJ_ says:

            Olha mais info: https://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php?nid=177&tabela=leis&so_miolo=

            Citando:
            “5 – O preço de venda e o preço por unidade de medida, seja qual for o suporte utilizado para os indicar, referem-se ao preço total expresso em moeda com curso legal em Portugal, devendo incluir todos os impostos, taxas e outros encargos que nele sejam repercutidos, de modo que o consumidor possa conhecer o montante exacto que tem a pagar.”

  6. Ricky says:

    Situação idêntica por cá, com uma QNAP de 7k por menos de 200.
    A única diferença é que ninguém seguiu para a justiça, apenas no livro vermelho.

  7. Rafael says:

    Comprei uma tv a 0€ na fnac na semana passada, foi cancelada no dia seguinte… No próprio site tem indicação para cancelamento unilateral da encomenda em caso de erro de programação

    • Nuno says:

      Eles podem dizer o que quiserem no site – depois conseguirem que isso tenha validade num tribunal é que são elas.

    • Eu sei lá says:

      A 0€ não é comprar. Também não vamos exagerar.
      Agora, isso do erro de programação… alguém esquecer-se de por o preço (ou enganar-se no valor) não é erro de programação.

  8. David says:

    Em português correcto:
    Grande sacanísse!
    Sabiam que o telemóvel custava 699€ e foram mesquinhos ao ponto de poder encerrar um negócio, correr com uma catrefada de gente para o olho da rua, porque alguém de enganou num preço… que porra de humanidade.

    • José Carlos da Silva says:

      Certamente não é correcto. No entanto, neste caso é só a Fnac, que contabilizou 4,708 milhões de euros em LUCRO nos primeiros nove meses de 2020, em plena crise pandémica. Fnac essa que não paga lá grande coisa aos seus funcionários.

    • David Guerreiro says:

      Deve ser para receberem o dinheiro e irem trabalhando com o dinheiro dos clientes. As devoluções vão sendo faseadamente.

    • JJ_ says:

      Isso é que é uma desculpa esfarrapada. Então agora, é o consumidor que tem de saber os preços dos produtos e informar o vendedor que tem o preço mal marcado, queres ver?

      Essa ideia é típica dos portugueses, que reclama pouco quando tem razão, e reclamarem muito quando não tem. Enfim.

      Alem disso, foi preciso 12000 vendas para detetar o erro? Claramente houve erros de varias pessoas/departamentos.

  9. B@rão Vermelho says:

    Tenho de estar com mais atenção as “promoções# da Fnac

  10. informado says:

    Porque não metem no título FNAC ESPANHA ? Será pq teriam menos leitores da notícia ?

  11. Miguel says:

    É nestas coisas que se pode ver os animais que são muitas das pessoas.
    Um erro completamente visível com atuação compreensível por parte da FNAC pode agora tornar-se em despedimento para várias pessoas. Mas a malta quer é os seus telemóveis baratinhos.
    Como será óbvio, a FNAC vai certamente recorrer.

  12. Douglas Charles Cunha says:

    Poucas coisas funcionam a contento no Brasil e uma dessas coisas é a lei dos direitos do consumidor.
    As empresas são obrigadas a vender um produto pelo preço anunciado, mesmo que esteja errado. Se anunciarem um produto e não tiver à disposição na hora da compra, são obrigados a vender um semelhante (nunca de qualidade inferior e preço menor) pelo preço anunciado. E não tem essa de ficar com dó de quem anuncia errado, essas empresas já ganham muito cobrando preços excessivos dos consumidores.

  13. LA says:

    E o pior disto tudo, é que há artistas que andam sempre atrás, destes erros.
    Há seres “humanos”, mesmo mesquinhos.

  14. Vitor Tavares says:

    Há uns anos atrás a Citroen fez um spot publicitário em Portugal a um modelo automóvel (penso que o chamado 6 cavalos) onde a viatura apresentada era cor de rosa. Uma senhora da zona de Algés foi ao concessionário e fez a compra pedindo a viatura “rosa” igual ao anúncio…disseram que essa cor não constava do catálogo e como tal teria de escolher outra cor. Ela não aceitou e apresentou queixa…ganhou a causa e tiveram de lhe entregar uma viatura cor de rosa. E a citroen ainda foi “avisada” que poderia ter cometido um “crime” de publicidade enganadora…sujeito a multa avultada!

    • SSD says:

      Sim mas neste caso bastou uma pessoa enganar-se para dar asneira. Nesse, a citroen podia e devia ter sido acusada de publicidade enganadora porque até chegar ai já a publicidade foi aprovada por dezena e meia de pessoas.

  15. Nuno says:

    na maioria dos sites, e a fnac não é diferente, há uma proteção para este tipo de erros. no caso da Fnac está bem explicito:
    “Todos os Produtos identificados no site http://www.fnac.pt encontram-se sujeitos à disponibilidade de stock. Apesar dos seus esforços, alguns Produtos poderão apresentar um preço incorreto, razão pela qual a FNAC verifica os preços sempre que procede ao tratamento das encomendas. Se o preço do produto for inferior ao preço anunciado, a FNAC devolverá a diferença. Se o preço for superior, a FNAC procederá ao cancelamento da encomenda, informando o Cliente por email e aguardará a sua decisão de aceitar a nova proposta ao preço correto ou proceder ao reembolso do valor, no prazo de 14 dias a contar da data em que tal foi comunicado ao Cliente.

    Poderá ainda ocorrer que o preço dos produtos apresentado no sítio da internet http://www.fnac.pt não corresponda ao preço real – preço efetivo do produto – em virtude de erro de programação. Nestas circunstâncias, a FNAC tomará as medidas necessárias para a sua correção e comunicação ao cliente.”.
    Mediamarkt:
    “Em caso de erro informático, manual, técnico ou de outra natureza que dê origem a uma alteração substancial não prevista pelo prestador, nos preços de venda ao público mencionados no Website e/ou resulte num preço desajustado, exagerado ou insignificante, ou numa característica errada, o pedido de compra do utilizador será anulado.”
    Mediamarkt.es
    “En caso de que MediaMarkt o el Punto de Venta identifiquen un error manifiesto en el precio de alguno de los Productos publicados, lo pondrán en conocimiento inmediato del Cliente, así como llevar a cabo la correspondiente publicación de la rectificación del mismo a través del Sitio Web y en los medios de comunicación habituales, teniendo la opción el Cliente de reconfirmar, a través del apartado “Mi Cuenta”, su pedido al precio correcto o, en su defecto, cancelarlo.”
    E continua em praticamente todos os sites.

    • Jorge Carvalho says:

      Eles podem escrever o que quiserem nos sites.
      A lei prevalece. Tens é que ir a tribunal , cláusulas ilegais nos contratos são consideradas nulas e não anulam o contrato.

      Abc

    • José Fonseca Amadeu says:

      Isso que eles escrevem não tem validade legal.
      Maior parte das pessoas simplesmente não está para se chatear.
      Nunca me tentei aproveitar desses “deals” embora já tivesse N oportunidades, mas da mesma forma que eles fazem promoções boas com stocks reduzidos ou stocks escondidos e só fazem 10 unidades só mesmo para chamariz, não tenho pena que se aproveitem das falhas deles, dentro do razovel, neste caso são muitos milhões de prejuízo.
      Para quem precisar de resolver estas situaçoes, é só ir ao tribunal arbitral, facil, rapido e gratuito, nunca me dou ao trabalho de envolver advogados nestas situações, resolvo tudo no tribunal arbitral.

  16. kodiakshadows says:

    Estou mesmo a ver a pessoa que errou a introduzir os dados, com as malas á porta e logo nessa loja de m****

  17. jonas says:

    Deviam-se preocupar é quando esse tipo de porras acontecem sem ser por erro. Tipo na worten têm a lata de ter à venda um portatil, a dizer… ultimas unidades. E na realidade não têm nenhuma. Nem em stock, nem para “mandar vir” e o gajo ainda diz que é mesmo assim, que normalmente esses modelos que estão a sar descontinuados, só estao expostos para mostrar, não é para vender.

  18. Paulo says:

    Cá por Portugal tive uma situação parecida com o corpo de uma Canon 6d estava a venda no corte inglês por 249€ (85% de desconto), comprei duas…. e eles simplesmente disseram ser erro e devolveram-me o dinheiro, fiz queixa em todos os lugares que consegui e respostas zero, DECO nem resposta deu (só servem para vender revistas), depois de muita batalha decidiram compensar-me com um vale de 139 euros.

    • José Fonseca Amadeu says:

      Tribunal arbitral e tinhas resolvido o problema em menos de 1 mês com direito a receber os produtos pelo valor estipulado.

      • SSD says:

        Claro e aposto que ganha os processos todos

        • José Fonseca Amadeu says:

          Sabes o que é o tribunal arbitral ao menos? Faz aquilo que a deco devia fazer e falha. Tem taxa de sucesso superior a 80%, primeiro tentam mediar, quando não conhecem fazem julgamentos rápidos e sem custos. Melhor que um julgado de paz ou um tribunal e tem os mesmos efeitos legais.
          Já recorri aos serviço do tribunal arbitral de Lisboa e não só tive o meu problema resolvido como ainda tive direito a um pedido de desculpas.
          Claro que tens de ter a lei do teu lado, não há milagre.

        • SSD says:

          Tudo certo mas não me parece ser um desses casos. Foi um erro claro por parte de quem está responsável pelo site e não uma tentativa de enganar o consumidor.
          Mas pronto da mesma forma que não gostava de ser enganado de certeza que não ia lixar uma empresa por causa de um erro até porque tendo também negócio online não ia gostar que me acontecesse o mesmo mas enfim cada um é como é.

          • JJ_ says:

            Isso já é outra a questão. A questão moral da situação.

            Uma coisa é o que a lei diz, e o que foi feito esta certo. O preço anunciado é o preço que tem de ser fornecido o produto.
            Outra é a questão moral que cada um de nós vai aplicar.

          • JJ_ says:

            A tua dimensão de negocio, certamente permitia que na meia dúzia de casos, conseguires resolver isso de uma forma mais positiva, praticamente com todos eles.

          • SSD says:

            Sim, acredito que sim, até porque não tenho produtos deste valor, agora um erro semelhante deixava-me fora de negócio e ainda a dever provavelmente. Sei que são situações diferentes mas temos de falar de uma forma geral. Se não íamos complicar a vida a uma empresa pequena, não o devíamos fazer a outra só porque tem maior dimensão, é a minha forma de ver

          • José Fonseca Amadeu says:

            Por algum motivo estas empresas têm departamentos para revisão de conteúdos antes de os publicarem, simplesmente não fazem bem o seu trabalho.
            Eu nunca iria comprar um produto nestas situações a menos claro que fossem descontos menos perceptiveis, que mesmo podendo ser erro a loja ainda mantem alguma margem de lucro, aí aproveito sempre. Mas a lei é a lei, quem quiser está no direito, lembro-me do caso das PS4 na FNAC, vi muito boa gente com PS4 “oferecidas” porque a FNAC não pode fazer nada em relação a isso a não ser tentar ludibriar o cliente com o disclaimer que tem no site.

  19. Patinhas The Third says:

    São estes fundamentalismos todos que estão a levar o mundo para um modelo de que não nos devemos orgulhar

  20. x says:

    Gente a passar fome, sem dinheiro para terem uma casa para viverem e esta gente só sabe se sentir afetada por a merda de um preço de um telemóvel de merda que se calhar no dia a seguir já caiu e se partiu todo, e levar tudo até ao extremo a justiça, por uma cena de merda. Típico de seres humanos consumistas.

  21. Hélder says:

    Agora vão ser processados por dumping?

  22. JJ_ says:

    Um detalhe interessante, que me faz questionar essa teoria do erro…

    Então o preço é 699. O preço que apareceu é 124.
    Mas que raio de teclado usam, para trocar assim tanto as teclas?
    Será que o preço de compra é que é 124?

    Esse 124 não apareceu assim do nada, tem que ser algum valor registado em algum lado, referente alguma coisa. É que nem nas características do telemóvel existe nada que combine com 124.

    • SSD says:

      Presumo que fossem fazer algum desconto, do gênero 424€ ou isso ou foi aplicado o desconto ao produto errado, não vejo realmente outra maneira

    • José Fonseca Amadeu says:

      Os dados não são actualizados 1 a 1, são actualizados de forma central no ERP com base em percentagem ou companha que normalmente tem formulas associadas que visam o valor de compra e a margem de lucro, depois tem uma API que sincroniza essa informação para o site.
      De qualquer forma existem revisores de conteúdos, nesse dia devem ter-se esquecido de tomar o café.
      Numa loja fisica o lojista diz “olhe, o preço marcado está errado mas eu sou obrigado a vender ao preço que está marcado” depois sai e vai falar com o Gerente e fazem uma errata que afixam no inicio da loja e no local, os clientes que apanharam o valor ainda sem a errata podem levar o produto sem que possam fazer nada.

  23. Tiago says:

    Se vender abaixo do preço de custo é crime, então a justiça obrigou a fnac a cometer um crime ?

  24. Hugo says:

    Grande parte dos comentários estão redondamente errados !
    1) lojas físicas – não são obrigados a trocar nem a devolver seja o que for. Se o fazem ,é por cortesia .
    O direito ao arrependimento existe sim somente no mercado online .

    2) em loja física , num catálogo por exemplo , basta ter em letras pequenas : “salvo erro tipográfico “ .
    Pronto …. já está salvaguardado.
    Uma vez mais , no on-line , se se enganarem no preço , não há nada que os valha . Têm que vender ao preço anunciado.
    É triste , mas é a lei.

  25. Hugo says:

    E é damping . Não dumping .:)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.