Disciplina escolar de Educação e Segurança Online: Sim ou Não?


Destaques PPLWARE

41 Respostas

  1. EsPoNjOsO says:

    Sondagem interessante, mas tudo depende em que fase escolar se iria aplicar a nova disciplina.

  2. tony2 says:

    Disciplina não, mas integração por exemplo em Ciências ou Estudo do Meio, claramente.

    • AB says:

      Exato, ter um tempo (mesmo que seja de uma hora) por semana dedicado a um assunto que se pode ensinar em duas horas é ridículo… Se fizerem atividades similares ás de educação sexual seria mais que suficiente.

  3. V3lh0D0R35t3l0 says:

    Agora deviam de fazer uma a perguntar se devia de haver uma disciplina dedicada a educação dos direitos e deveres cívicos! E esta disciplina deveria de ter tanto impacto como a de Português e Matemática!
    Para formarmos melhores “Cidadão” e não melhores “Contribuintes” como os governantes actualmente nos chamam!

    • Marisa Pinto says:

      Já existe, chama-se Formação Cívica 🙂

      • Jorge says:

        E ensina o que são taxas e afins nos empréstimos bancários, hipotecas, preencher IRS? Ensina legislação laboral para quem vai entrar no mercado de trabalho e não sabe quais os seus direitos e deveres? ensina saúde e segurança no trabalho?

      • victor says:

        Só há no básico, e é só um tempo (menos de uma hora por semana) não dá para ensinar nada em tão pouco tempo.

      • V3lh0D0R35t3l0 says:

        Marisa nessa disciplina não se ensina nem como atar os atacadores! Essa Formação Cívica! Ensina as crianças a ser ovelhas ou melhor “Contribuintes” e não cidadão!
        Eu achei que tinha sido claro, mas aparentemente não…

      • Monteiro says:

        Quanto tive essa disciplina (se é que se pode chamar isso) não se fazia literalmente nada. Isso não serve de nada. Formação cívica e área de projecto. Uma perda de tempo.

      • Marisa Pinto says:

        Pois, têm razão, 🙂 a ideia era boa, mas na prática…

        • V3lh0D0R35t3l0 says:

          Esta sim, seria uma disciplina em que quando os alunos perguntarem quando iram utilizar o ensinado e a resposta seria que todos os dias da sua vida.

          E só assim quem sabe, criar um futuro verdadeiramente estável.
          Porque os adultos de então não seriam “ludibriados” tão facilmente!

          Porque sim, o estado actual do País é tenebroso!
          Onde a corrupção e o roubo aos cidadãos é descarado e o meliante sai quase sempre impune porque é amigo deste ou daquele e tem o graveto ,na grande parte obtido de forma ilicita, para “comprar” a liberdade!

  4. Pedro Barros says:

    Essa disciplina já devia existir há anos…

  5. Luís says:

    sorte a minha que já não ando

  6. faqueoff says:

    Obviamente que não!
    Não só iria (Ainda mais) estupidificar, como também teriam uma noção completamente fora da realidade do que é a Internet, e para que serve

    • Mr.T says:

      Estupidificar como? Formar não é Formatar! E qual a noção que real que deve ter da Internet e para que serve???

      • victor says:

        se for algo como aquele projeto estúpido de joguinhos todos os meses de Segurança na Internet dispensa-se, já que lá só se fala de como funcionam os direitos de autor e outras coisas de conhecimento geral que me parecem dedicados à crianças de menos de 10 anos.

    • slyzer says:

      eu tendo a achar que quem não ache bem existir 1 disciplina (ou nem que seja um módulo) para educar sobre segurança online, é alguém que não faz ideia dos perigos a que está sujeito…
      mas estou sempre disponível para aprender mais, podes explicar então qual é o teu ponto de vista?

  7. Nuno says:

    Recentemente apareceu um artigo no World Economic Forum com um conjunto de 8 competências que as crianças e jovens deveriam aprender – aquilo que indicaram como “quociente Digital” – onde a segurança online era um dos pontos
    Acho de extrema importância esta aprendizagem: noto pela minha irmã uma falta de preocupação com essas questões

  8. Victor F. says:

    Eu votei em “Não”, isto porque acredito que vai retirar ainda mais horas a disciplinas base (Português, Matemática, Física e Química, Inglês/Francês), e porque é um assunto que deve ser tratado em casa, a educação vem de casa, da escola vem o ensino!
    Se me falassem num curso para adultos para estes poderem gerir e precaver mais facilmente o que os filhos vêm na internet, então aí diria que sim.

    • Marco B. says:

      Comentário interessante, eu votei “Sim” mas não deixo de concordar em parte contigo. Penso que podia ser uma disciplina opcional.

    • Marisa Pinto says:

      Não é bem assim, educação vem de todo o lado, escola, rua, café… todos somos responsáveis por educar os outros também. Se educação fosse, como muitas pessoas erradamente defendem, só em casa, então porque temos um ministério da educação e não um ministério do ensino?

      • Pedro says:

        Creio que não seja bem assim… a educação realmente vem de todo o lado. Mas a principal e a mais importante é dada em casa! Não podemos esperar que os nossos filhos sejam educados na escola, se inicialmente não o forem em casa. Em relação à ultima… desculpa Marisa, mas é uma questão estupida. Em Portugal mudam-se os nomes de tudo, mas fica tudo igual (infelizmente).

      • Victor F. says:

        Touché.
        Não defendo a educação apenas e só em casa, apesar do que escrevi poder ser interpretado dessa forma.
        O que acontece, e falo só por mim e por experiência própria, é que na escola a educação vinha dos auxiliares/contínuos, pois esses é que iam separar brigas, chamar à atenção, dar conselhos… funcionavam quase como polícias eheh.
        Dentro das salas de aulas a história era outra, não havia um puxar de orelhas mas antes um ameaçar com falta…o equivalente a um cartão vermelho no futebol quando não se consegue lidar com a situação.

        Quanto ao ministério da educação não ser ministério do ensino, então porque temos um Ministério da Ciência, Tecnologia e ENSINO superior? Alguém achou que não fazia sentido ir para a universidade e recorrer a um ministério que trata da…educação. O que implica um contra-senso, então no ensino básico e secundário só se educa, não se ensina? “Portuguesices”…

    • Leonardo Rodeira says:

      Qual é o mal de tirar horas às disciplinas que você referiu ? As cargas horárias dessas disciplinas são estúpidas e bastante exageradas… Deve ser daquelas pessoas que defende um horário das 8:30h às 18h todos os dias escolares… Este tipi de educação não é algo que se consiga educar bem em casa, visto dessa forma, não havia educação fisica porque rouba horas às disciplinas base e é algo que deve ser feito em casa…

      • Victor F. says:

        Não amigo, sou mais daquelas pessoas que se levantava às 6.30h para chegar a casa só às 20h.
        As cargas horárias são um mito para quem quer fazer ainda menos, o problema não está nas horas mas de quem ensina e de quem faz o quê com esse tempo, pergunte-se porque basta apenas uma hora ou duas de explicação para dar uma matéria inteira de 1º período…
        Qualquer coisa pode ser ensinada em casa, se vamos por esse caminho que tudo tem de ser feito em casa, qual é o papel dos pais? Só dar de comer e comprar brinquedos?
        Educação física, aquelas disciplina em que crianças, infelizmente, com excesso de peso, reprovam sempre nas aulas práticas, essa disciplina que avalia um aluno com 18 valores e outro com 15 só porque este último tem menos resistência física…
        Mais uma vez, o problema está de quem ensina, ninguém nasce ensinado nem a vida vem com manual de instruções.

        Para terminar, querem ensinar os meninos os prós e contras da Internet, integrem essa vertente na aula de T.I.C.! (Mais uma disciplina que sinceramente cai no esquecimento de muita gente…)

    • Carlos says:

      Portanto estás a contar que os pais que têm ainda menos conhecimentos sobre segurança online que os filhos, lhes ensinem o que fazer?
      Eu percebo o que queres dizer, e é absolutamente certo que os pais têm o dever de saber o que os filhos andam a fazer na net, mas o problema é que a maior parte dos pais não tem conhecimentos técnicos suficientes para o fazer convenientemente.
      Daí a ideia das aulas.

      • Victor F. says:

        E sinceramente, uma criança de 8 ou 9 anos tem algum conhecimento a mais que os pais?
        Estamos a discutir uma matéria para garotos destas idades, não para adolescentes de 15 e 16 anos e para pais na casa dos 30/40.

    • NoLooP says:

      A carga horária “excessiva” das disciplinas que referiu, principalmente Português e Matemática, leva a que os alunos achem a escola uma “Seca” , “Sem interesse”, “Cansativo”, etc, etc…

      O ensino tem de apostar no que é preciso! No que faz falta! E desculpe lá Victor F., mas as disciplinas que referiu, são importantes sem dúvida, mas reduzir o número de horas semanais e dar essas horas a disciplinas BASE para o mundo atual a que seria de valor!

      Se querem estudar Português, Matemática ou Físico-química “a fundo” que o façam no ensino superior.
      Fiz licenciatura, Mestrado e Doutoramento. Sou um dos gerente de uma empresa vossa conhecida e deixe que lhe diga umas coisas:
      Tenho “miúdos” entre os 17 e 19 anos (que vêm a entrevistas de emprego). Fico parvo quando vejo que 99% não sabem inglês (ou outra qualquer língua)… não sabem trabalhar com um computador… Não sabem o que é uma célula no excel, justificar um texto.. etc etc. Agora pergunto: Acha que ao contratar um jovem entre os 17 e 19 anos, me interessa se ele sabe os Maias? Se ele usa corretamente figuras de estilo?? Se ele sabe calcular a estatística de uma certa ocorrência??? Por favor… Quando preciso de alguém assim, vou buscar alguém com formação superior. E ai sim! No ensino superior, carreguem na Matemática, Português, Físico-química, etc… (Dependendo da escolha do aluno óbvio).

      No século em que estamos, devemos dar ao nosso futuro (alunos), o que faz e fará falta a curto ou médio prazo. O conhecimento de várias línguas será (já são) fundamental! Saber trabalhar com as tecnologias e os softwares que estão munidas, muito importante!

      Vamos parar de criar alunos à maneira dos “Srs. Professores”! Façam um currículo de acordo com as necessidades e não para dar trabalho ao professor X ou Y.
      O meu filho tem 5 horas semanais de Português e 5 h de Matemática!!! 2h de História??? 2h de Geografia????

      Língua estrangeira? tem 2h semanal…
      TIC (Informática)? Tem 1h semanal…

      Acham isto normal?
      Sr. Victor F. , que tirem horas às disciplinas que referiu… e as dêem às disciplinas que realmente precisam. E se for caso… criem(O Ministério da Educação) disciplinas com sentido… Mas por favor, massacrar os miúdos com conteúdos que de nada lhe vale no mundo atual de trabalho… não façam isso… Deixem os miúdos escolherem se querem ser “massacrados” ou “ter prazer” com “esses conteúdos”, quando ingressarem o ensino superior.

  9. Quim says:

    Eu estou totalmente de acordo. Mais missões para a escola? Já mal cumpre as que tem.

  10. me and me says:

    acho que nao. acho que pode ser um complemento da formaçao civica

  11. victor says:

    Programação? Tarefas Domésticas? Disciplina que ensinasse como viver em sociedade? Não sei como pretendem educar on-line algo que não existe na vida real.

  12. NT says:

    Infelizmente o “sistema de educação” formata-nos cada vez mais… Deveriam ensinar como pensar e não o que pensar…

  13. Eu says:

    Já não serão conteúdos abordados em TIC? Porque mais uma disciplina?

  14. NGR says:

    Esses conteúdos já fazem parte do programa da disciplina de TIC do 7º ano.

  15. Rui LUX says:

    eu votei sim.. mas porque a ideia de dar formação aos jovens neste área me parece importante. Mas, não uma disciplina anual.. não faz sentido.. faz mais sentido como uma actividade extra-curricular de duração reduzida.. uma especia de mini-formação.. sei lá.. durante duas semanas.. 1 horita por dia.. não faz sentido ter uma disciplina durante um ano lectivo a falar sobre isto.. a dada altura já não sabiam o que falar 😀

    • NGR says:

      A disciplina de TIC aborda estes e outros temas (programação, hardware,etc), uma formação não é suficiente para falar sobre os muitos perigos da Internet.

  16. Insider says:

    Tantos comentários indignados, e sem serem indignados, sobre as disciplinas base perderem tempo ,ou que as mesmas deveriam perder tempo…mas ninguém falou em retirar os TPC! Quando os nossos filhos são alienados do tempo de criança pela escravização que delas faz um sistema desadequado da realidade ao exigir TPC TODOS OS DIAS sem que isso contribua para nada, a primeira reflexão deveria mesmo ser: e se acabássemos com os TPC? E se houvesse um TEMPO para que a cidadania (onde também se inclui a formação sobre conhecimento digital) fosse reflectida em conjunto? Podemos ser privilegiados em casa nessa reflexão, mas e quem não é? Por outro lado, mesmo a reflexão com a nosso família fica incompleta sem a reflexão social, em sociedade, com os nosso amigos, colegas, professores, superiores. Humm, que tal reflectir?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.