Quantcast
PplWare Mobile

Casal foi detido pela PSP quando fazia direto de vendas no Facebook

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Técnico Meo says:

    Priceless 🙂

  2. nuno says:

    Mt bem, depois não declaram nada do que vendem, toda gente sabe quem é , mas se pode dizer o nome da etnia !!!

  3. Vitor Tavares says:

    Espero que os meus “Nike” que comprei por 10 € já estejam em “trânsito” pelos CTT…festejo o aniversário no sábado!

  4. spirit says:

    usem uma vpn paga e ja esta

  5. Nuno Jose Almeida says:

    2020

  6. Ricardo says:

    Casal? São sempre os mesmos, cuidado, não digam quem são…

  7. Ricardo says:

    Onde está o Ventura para participar???

  8. Lelo Sanchez says:

    O negócio funciona porque há procura. Agora vai “adaptar-se”. Com ou sem VPN se o crime for relevante as Polícias chegam até eles, como? “segredos do ofício” pois claro.

  9. Luis says:

    Orgulho na minha terra! 😀

    Antes isto que andarem a vender droga. Achar que só os ciganos é que fogem ao fisco é uma falácia.
    Os crimes de colarinho branco são cometidos na grande maioria por caucasianos. Só o buraco do Luís Filipe Vieira e as trafulhices do Salgado cobrem as fugas ao fisco de todos os ciganos não sei quantas vezes.

    Já os que se dedicam ao tráfico de droga não tenho qualquer respeito, mas também nisso, não é exclusivo dos ciganos.

    • aaa says:

      isto! quem nos roubou mais até hoje usa fato e gravata.

    • Ricardo says:

      A questão é que dentro dessa etnia, a grande maioria prática o crime, e isso demonstra que temos um problema para resolver.

      • Luis says:

        Nem que fossem 99% deles a praticar o crime. Meter todos no mesmo saco seria injusto para o 1% que resta. Só há uma forma de haver justiça, que é sendo justa. Não podemos ter justiça para a maioria sabendo que isso implica injustiça para alguns.

        Cada crime tem de ser tratado como tal, independentemente de tudo: género, etnia, nacionalidade, estatuto social…

    • Nuno says:

      Luís,
      E sabe quem trabalhava numa empresa de consultoria e que ensinava a fugir…perdão, otimizar fiscalmente os rendimentos desses “colarinhos brancos”?
      Uma dica: é uma pessoa que obriga a colocar a sua foto em todos os gabinetes do partido.

    • Jane Doe says:

      Então, uma vez que os do colarinho branco fogem tanto ao fisco, isso da-me legitimidade, ou pelo menos desculpa, para eu fugir também?

  10. Tiago Alves says:

    Fiquei sem saber se havia o nº43…

  11. Paulo says:

    Foi o Ventura que denunciou? Aiiiiii!

  12. ervilhoid says:

    Deve ter sido denúncia.. a senhora gosta de mandar uns bitaites a quem assiste as lives…
    E mais seguirão, uma Claudia talvez

  13. Luís Costa says:

    Estes são os mesmos que recebem ajudas do estado para o qual não fazem descontos do material que vendem (fuga ao fisco).. mas claro que não se pode criticar os meninos se não é logo chamados de xenófobos

  14. Tonheco says:

    O homem foi detido por tráfico de droga, assim como o é boa parte desta malta com carros de 50.000 para cima.
    Mas alguém acha que se fazem operações destas por causa se vestimenta?

  15. Luis Figueira says:

    Não foi detido nenhum casal. A polícia foi deter o filho por suspeitas de tráfico de droga e por acaso a mão estava a fazer o direto…

    • Vítor M. says:

      Exato, isso posteriormente. No momento que é mostrado, o casal é detido, como mostram as imagens.

      • ruben says:

        O texto diz que a PSP cumpria um mandado de busca e detenção relacionado com crimes de contrafacção, mas é falso. A detenção é relacionada com crimes de trafico de droga!

        • Vítor M. says:

          Correto. Inicialmente, a Polícia, que divulgou o vídeo nas redes sociais, tinha indicado que estavam em causa crimes de contrafação. Contudo, veio-se a apurar que em causa estava uma operação relacionada com crimes de tráfico de droga, no âmbito da qual foram detidas cinco pessoas. O artigo foi então atualizado.

  16. Miguel says:

    Contrafeito implica que é roubado?

  17. jimmypt says:

    Se este espalhafato foi só por causa dos sapatos contrafeitos a policia atou com excesso de zelo.
    Se por outro lado o caso tem a ver com tráfico de droga ai o caso muda de figura.Mas por este caso se vê o pais que temos:Quem rouba milhões está tranquilo e vai andando anos e anos de recurso em recurso para evitar a cadeia.Por outro lado e cada vez é mais verdade:A justiça é forte com os fracos e fraca com os fortes.

    • John Doe says:

      Os dois, a mãe por vender material contrafeito e o filho mais tarde por vender droga. Uma família de bem como a maioria da família de lelos. O Ventura é que está errado…

      • ruben says:

        A PSP cumpria um mandado de busca e detenção relacionado com crimes de trafico de droga e não de contrafacção.
        Perceberam depois que se dedicavam também a essa actividade ilegal.

  18. AlexX says:

    “Meus amores…” 😀
    Ganda galo! Podem agora perseguir também os clientes pois são igualmente culpados.

  19. SARA ALVES says:

    É PENA NÃO VEREM TODOS OS DIRETOS DE VENDAS E A FAZER PASSAR ARTIGOS ORIGINAIS POR PREÇOS QUE NÃO LEMBRA A NINGUEM. EM S.JOÃO DA MADEIRA HAVIAM DE FAZER RUSGA PORQUE É UMA EPEDIMIA DE DIRETOS DE VENDAS. É UMA POUCA VERGONHA. HÁ UMA SENHORA EM S.JOÃO DA MADEIRA QUE VENDE ARTIGOS DE ROUPA A 0.50€ ATÉ 3 EUROS. E AINDA MAIS NÃO DECLARAM NADA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.