Quantcast
PplWare Mobile

Afeganistão: Talibã representa um novo desafio para as empresas de comunicação social

                                    
                                

Autor: Ana Sofia


  1. Zé Fonseca A. says:

    Tanto pediram para os EUA se ir embora que o resultado foi este.
    Agora não voltam a ter ajuda da comunidade internacional a não ser para acolher refugiados que é a moda do momento.

    • kodiakshadows says:

      Uma moda que lhes vai sair cara. Quando virem que andam 20% a trabalhar para os outros 80 então é que vão todos gritar e na volta ainda levam uma tareia. O que é certo é que eles chegam á Europa, nunca pagaram impostos e têm mais regalias que aqueles que andaram uma vida a trabalhar para os Gov e maIs uns poucos.

    • jorgeg says:

      refugiados? “queres dizer so gajos se vistes a foto dos tipos no aviao era so homens, criancas e mulheres ficam para tras”

  2. Vitor Tavares says:

    Eu sinceramente só não consigo compreender como se pode considerar o Facebook uma Empresa de Comunicação Social…só se for por ser uma empresa que COMUNICA a quem pagar mais os dados SOCIAIS (e não só) dos seus utilizadores! Mas tudo bem…

  3. Miguel says:

    Se isto acontece na era Tump estariamos a ser bobardeados pela comunicação social e redes sociais com contéudo “MALDITO TRUMP” 24 horas por dia.

    Como temos biden, tássseee bemmmm, biden é amigo!

  4. lapizazul says:

    Afeganistão: Talibãs representam um novo desafio para os contribuintes Europeus que vão pagar ainda mais para uns milhares de refugiados que vêm para a EUROPA viver à conta de quem trabalha porque esta gente não quer saber de integração, das leis do País ou da sua população.

  5. Samuel MG says:

    Se querem viver na Europa têm que trabalhar X( Já chega de dar abébias aos refugiados!! Querem casa então que trabalhem!!

    • Marisa Pinto says:

      Também damos abébias aos de cá.

      • Vida De Gandin says:

        Não sei a quem? a mim não me dão nada, só me roubam a mim e a ti e a todos os portugueses, os estrangeiros tem mais benefícios que qualquer português em Portugal esta mais que provado.

      • Realista A.F. says:

        Certo Srª Marisa, é verdade.
        Agora pergunto se prefere dar “abébias aos de cá” ou aos outros?
        ou
        Dar abébias em igual percentagem as duas partes?

        Nota: em tempos de crise pode não chegar para os dois lados.

      • PeterOak says:

        Sim Marisa! Damos abébias aos senhores que andavam com a família toda na ford transit e agora têm bons Mercedes e BMW’s.

      • Miguel says:

        Quais são esses de cá?
        Se não para os de cá como pode haver para os outros?

          • Miguel says:

            Se não *há* para os de cá (aqueles que fazes de conta que não existem) como pode haver para os outros (aqueles “refugiados” que gostos pois dá visibilidade)?

          • PorcoDoPunjab says:

            Isso, faça-se desentendida.
            Não que não percebeu…
            Engana-me que eu gosto, como dizia o outro.
            Quão baixo conseguimos descer pelo politicamente correcto?
            Eis a questão.
            Eu, devido à idade já não me consigo vergar muito mas pelos vistos há muita gente nova que não deve ter esqueleto, tais as acrobacias que fazem para não ofender o politicamente correcto.
            Só flocos de neve, se for disto que Portugal tem para se defender do que aí vem, estamos bem tramados.
            Por certo nem reforma irei ter, não vá ficarem ofendidos por haver velhinhos brancos a consumir recursos que poderiam ser mais bem gastos em mesquitas, por exemplo, ou em dar RSI à ciganada porque um BMW custa a manter…

          • Vítor M. says:

            Está enganado, se não temos hábito de certas coisas aqui, uma delas é o politicamente correto. Aliás, aqui o correto que defendemos nem tem nada de político. Basta ler bem o que foi dito que se percebe as opiniões.

            O estado social em Portugal permite muita coisa, mas não é de agora. E se já não tem idade para se vergar, seguramente muitos dos problemas que temos hoje foram herdados de políticas saídas de pessoas da sua geração. O tempo do “primeiro eu, depois eu, e depois eu”….. o tempo da outra senhora.

            Eu como me consigo vergar e bem, presumo que deve ser de uma geração anterior à minha e a minha já herdou um país cheio de pessoas mal formadas na frente dos lugares de decisão “alguns ainda lá estão, numa primeira ou segunda geração da linhagem”.

            Não sou do politicamente correto, pois não? Mas é o correto, mesmo que não seja político. Abraço e bons banhos.

        • Realista A.F. says:

          Será que querias dizer:
          “Se não há para os de cá, como pode haver para os outros?”

          Pois esse e um dilema do dia a dia, tanta pobreza que há por Portugal fora e ninguém vê (ou não quer ver, porque não da lucro e não vende jornais) mas vir refugiados de fora, passa a vender noticias como pipocas.
          E fica-se bem na fotografia da imprensa internacional.

          • Vítor M. says:

            Tanta pobreza que há em Portugal…. ora bem, há é um facto que há pobreza, mas há muita “pobreza do subsídio” que vive do estado social. Os que são conquistados pelo bolso em trocas do voto. Isso sim é pobreza, mas cultural.

            Há dias, um amigo, empreiteiro, dizia “eu preciso de povo para trabalhar e não arranjo. Pago salários acima da média, a empresa tem carros para ir buscar e levar os trabalhadores e ainda pago o almoço. Não consigo arranjar povo”.

            Ora bem, claro que não consegue, se não vejamos um exemplo de outro caso que conheço: um jovem de 35 anos, que tem 4 filhos, que está desempregado e a esposa também (ela deve ter uns 30 anos tb), recebe apoio social, não paga taxas moderadoras, não paga livros, não paga transporte para a escola dos miúdos mais velhos, não paga a totalidade do preço do infantário do mais novo, tem apoios à renda (um apartamento novo, numa construção de custo controlado) e tem outros apoios que eu nem sei explicar.

            Faz uns cursos do IEFP, recebe ainda mais uns euros e, no final do mês, sem trabalhar, nem a esposa, tem um rendimento que lhe chega para viver. Sim, têm um carro, nada de extraordinário, mas por mais barato que seja, têm de pagar revisões, inspeções e seguro.

            Não têm doenças, podiam trabalhar, mas nunca vão trabalhar. Eu conheço muitos casos destes, muitos. Como muita mão de obra nacional, a que queria de facto trabalhar e ganhar dinheiro, saiu do país, por cá há muita falta de trabalhadores.

            Precisamos de pessoas, que queiram trabalhar. São bem vindos os estrangeiros que queiram trabalhar num país que oferece segurança, boa qualidade de vida e tem pessoas simpáticas e hospitaleiras.

            Há muitos estrangeiros que trabalham cá, como os nossos portugueses estão noutros países, e são muito importantes para o desenvolvimento do país.

      • Luis says:

        Então por darem aos de cá também tem de dar aos que chegam??? Mas que raio de povo este

        • Realista A.F. says:

          @Luis eu nem me importo ajudar os de fora, mas para isso acontecer, o Povo Português mais carenciado tem que estar minimamente bem aconchegado e confortável.
          Mas isto ninguém quer saber porque dá muito trabalho, e depois não são elogiados. Mas se vier pessoas de fora, começa-se a ver nome de empresas nos jornais, porque fizeram uma doação para esses estrangeiros.
          São tão bonzinhos e humanitários.

          Fico-me por aqui neste artigo. Boas ferias para quem as esta a ter.

          • Luis says:

            Sim era isso que queria chegar, os nossos que andaram a descontar pra esta pasmaceira toda andam todos na miséria, há idosos que nem conseguem ter a sua casa aquecida por isso morrem, então porque raio é que se não temos os nossos com condições dignas de vida porque havíamos de tratar dos que chegam primeiro? Pra mim não faz sentido nenhum

        • Miguel says:

          O pior é que não dão aos de cá.
          O que não falta são idosos em condições criticas sem dinheiro para medicamentos. Alguns trabalharam no duro toda a vida.

          Mas parece que há pessoas como a Marisa Pinto que prefere dar aos de fora mesmo não havendo para os de cá. Spu tototalmente contra essa falta de respeito.

  6. PorcoDoPunjab says:

    Enquanto os frugais mandarem para cá dinheiro é abébias por todo lado.
    Quando o dinheiro acabar, acabou.
    Logo se vê…

  7. B@rão Vermelho says:

    Fico com a impressão que “ajudamos” os porcos, quando vemos as reportagens em casa de certas famílias, com roupa cagada até ao teto e loiça suja por todo o lado, esses são é porcos não necessitados, depois vemos as casa que lhes são dadas com condições fantásticas e é igual tudo sujo, partido descuidado.
    Realmente há muitas pessoas que precisam de ajuda, mas tem de haver critério na atribuição das mesmas.
    Tenho uma familiar que trabalhava num banco perto de um bairro social, e no final do mês era ver as filas de BMW e Mercedes parados a porta do banco para levantar os cheques do rendimento mínimo social.
    Mas lá esta, as pessoas que têm a obrigação de reportar estes problemas temem pela sua segurança fazem visitas a casa das famílias e vão completamente sozinhas ou acompanhadas por um outro colega mas sem um órgão de segurança que as possa proteger da coação e ameaças que recebem constantemente.

  8. Rui says:

    Deixo só esta imagem, que ela fala por sí 🙂

    https://i.ibb.co/4pScsTH/FB-IMG-16291402461213125.jpg

    • Daniel says:

      Também reparei nesse detalhe e tenho seguido a CNN entre outros canais.
      E se seguirem canais tipo Aljazeera ou até canais ocidentais no médio oriente as repórteres femininas normalmente cobrem a cabeça, ombros usam túnicas na rua.
      Esta reporter passou a usar hijab durante o dia quando anda na rua.
      Nos directos para os EUA, provavelmente a partir de um hotel, usa “vestes ocidentais”, nada de novo aqui.
      Aliás a dois ou três dia ela entrevistou um grupo Talibã em Cabul e perguntou se o hajib que estava vestir mostrado nessa foto era o adequado, ao que eles responderam que sim mas estava incompleto, ela deveria estar de cara coberta ou usar burka e luvas para cobrir as mãos.
      Goste-se ou não é o standard aqui no médio oriente, e infelizmente não deve mudar tão depressa.
      Eu já assisti em vários voos para a Arábia Saudita , assim que o comandante anuncia que vamos começar a descer para Dammam, várias mulheres árabes vestidas de jeans, T-shirt, etc… a irem ao WC e sairem totalmente tapadas.
      Tive uma vez um caso engraçado e uma miúda que embarcou e se sentou ao meu lado no Bahrein com lenço na cabeça a cobrir também os ombros. Adormeci antes de descolar e acordei uma hora depois com turbulência, quando olhei pro lado a miúda já vinha toda descapotável de cabeça descoberta e com um top com um decote de fazer inveja a muita rapariga ocidental!
      Quando olhei pro lado fiquei meio espantado por acordar estremunhado com a turbulência e confuso que antes estava uma tipa toda tapada e agora estava toda descapotavél, ela olhou pra mim percebeu a razão do meu espanto e riu-se, eu ri-me e seguimos viagem!
      Just another day… 🙂

  9. talibãs_&_FB_hater says:

    Minha teoria da conspiração:
    Só eu é que tenho a impressão que esta atitude dos talibãs sem qualquer resposta ou oposição da parte do Afeganistão, será principio de uma nova guerra que se avisinha?!

    Refugiados:
    Pobres coitados dos refugiados, deixai-os vir ter com os primos ao ZMAR… agora a sério, espero que encontrem alguma paz e não causem distúrbios, pois esta “segurança” é das poucas coisas boas que temos no nosso país e quem não tiver grato por isso pode ir de imediato para um lugar que eu cá sei.

    Tema Facebook:
    Em relação ao Facebook, estou-me a borrifar para a comunicação/informação, o google sabe muito mais de mim do que o facebook… apenas gostei da atitude de banir tudo o que é talibã, fartinho daqueles videos a desrespeitar o maior direito que temos, o direito à vida!

  10. robin says:

    Podem dar formação militar as mulheres , debaixo da burka sempre se pode esconder uma metralhadora várias granadas de mão e balas, a melhor defesas são elas .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.