Quantcast
PplWare Mobile

90% dos leitores nunca pagou ou paga para ler notícias online

                                    
                                

Autor: Marisa Pinto


  1. Rui Phd says:

    Mesmo no telegram de borla não me sinto tentado a ler. Talvez uma vez por semana. O problema não esta na pirataria mas na falta de qualidade de conteudo que muitas vezes sao sencionalistas e abordam temas que se encontram facilmente em ingles e mais completos.

    • Jose says:

      Aí está o busílis da questão. Hoje em dia na generalidade os conteúdos são fracos e na maior parte das vezes, não passam de panfletos de propaganda política, lavagem cerebral ou viradas para certas personalidades publicitadas como “famosas”, mas que, 99% das pessoas não conhece e nem perde nada com isso, pois normalmente, é de gente fútil que é levada às luzes da ribalta sem outro dom a não ser promoção feita dos amigalhaços na imprensa e ter uma vida absolutamente vulgar, mas vista como excepcional sabe-se lá o porquê! Mesmo no caso de revistas especializadas (História ou Cientificas, as que compro mais) tenho o cuidado em desfolhar antes para ver quem são os autores dos artigos, pois alguns conheço-os pessoalmente, bem como o seu percurso académico e posicionamento/distanciamento em relação a opiniões privadas ou políticas. Não há nada que mais me irrite, que ler determinado texto e verificar que dali não aprendo nada e verificar que o mesmo não passa de um veículo de propaganda ou posicionamento político do seu autor, sobretudo, quando trata os seus leitires como completos ignorantes! Hoje, 90% das publicações estão cheias disso. Se compro publicações? Sim muitas, mas se ler apenas as capas de outras, sobretudo jornais, serve, pois já pago sinal de tv e Internet, para ter por vezes em demasia, acesso a determinados conteúdos cujo valor didático, informativo ou de entretenimento é menos que zero.

    • nuno a says:

      +1, prefiro ler jornalismo independente e livre, artigos de opinião não os considero jornalismo, são o que são opiniões e contra factos não há argumentos. existe conteúdo com muita qualidade gratuito, porque pagar para ler noticias/opiniões tendenciosas ou financiadas por partidos e empresas ??

    • oh says:

      +1

      O problema nunca foi nem é a pirataria.

  2. Luis says:

    ECOSIA.
    Motor de busca europeu que está cada vez mais aprimorado, e que (dizem eles e ainda não foi desmentido) que a cada x pesquisas plantam uma árvore.

  3. says:

    PAGAR para excluirem o que não querem que eu saiba !?!?!?

  4. Drago says:

    Quem paga para ler noticias tem acima de 65 anos.

  5. Luis says:

    Eventualmente assinaria o Público, mas teriam de descer mais o valor.
    Para já não sinto necessidade de pagar pois sinto-me informado com informação fidedigna.

  6. Sergio J says:

    Esta amostra mostra bem a nossa sociedade. Uma população que se julga infirmada , mas depois segue em manada discutindo os temas impostos pela batuta dos telejornais.
    Querem um imprensa independente, mas depois não estão dispostos a pagar por isso.

  7. KeyboardWarrior says:

    Se for de qualidade estou disposto a pagar…. Infelizmente os jornais portugueses não são de qualidade. Demasiado títulos “click bait”,….. Para isso é óbvio que não pago

  8. freakonaleash says:

    Coloquem o brave search no questionário!

  9. Sergio J says:

    O Público costuma a ter umas promoções interessantes ao longo do ano. Sem a assinatura não tens acesso à maioria dos conteúdos ou só tens muito depois.

    • Vitor Tavares says:

      Mas a maioria dos conteúdos que no Público,o Expresso e afins “obrigam” a assinatura…estão “estampados” em outros locais sem qualquer contrapartida monetária direta! E mesmo a chamada imprensa “séria” hoje vive de noticias sobre o casamento de fulana com fulano,da orientação sexual de outros fulanos,do novo visual de um/a fulano da moda,etc! E tudo isso acompanhado por erros ortográficos de bradar aos céus. Não pago…já basta o que ganham em publicidade e com a “venda” dos dados de quem acessa os sites!

      • Sergio J says:

        Normalmente quando a minha subscrição acaba fico sempre o periodo sem, até haver uma nova promoção. É verdade que é sempre possivel encontrar uma noticia aqui e outra acolá, mas normalmente atrasada e os conteúdos verdadeiramente interessantes não aparecem, como reportagens, estudos, cronicas, etc.
        Fait divers não me tem qualquer interesse. Mas muito da actualidade dos nossos telejornais, mesmo que sejam assuntos sérios são tratados como tal. Só tem a importancia que eles querem que tenham.
        O ideal seria sempre um balanceamento entre duas publicações, para podermos fazer o nosso proprio interrogatório.

        Relativamente à publicidade, qualquer jornal sempre teve de se suportar da publicidade para complementar as vendas. Estas sozinhas não aguentam um jornal. Mas também é importante que estes não dependam só da publicidade, mas também dos seus leitores.

    • Marco says:

      +1 assinante do público.

  10. papagaio says:

    o que é que o pagar tem que ver com o andar informado? Ou bem informado, com tanta porcaria que se passa no mundo e a imprensa paga fala toda dos mesmos temas da treta.

  11. Rps says:

    O Observador online penso que é um sucesso e é exclusivamente pago.

  12. Vasco says:

    Pena tenho eu de não poder subscrever um conjunto de publicações que para mim teriam altíssimo interesse. Só não o faço porque não posso dispor anualmente dos milhares de euros extra que isso representaria em acréscimo de despesa. Existem imensas publicações, para além da imprensa diária e semanal, que gostaria de subscrever se pudesse. Sou daqueles que paga se o produto jornalístico tiver boa qualidade e, a qualidade tem um preço que é cada vez maior, porque é cada vez também maior a necessidade de filtrar a boa da má informação. Ter uma redação, ter jornalistas a fazer isso por nós, permite poupar tempo de pesquisa e garantir a primazia da verdade sobre a mentira ou sobre a especulação. No fundo, quem paga, sai a ganhar. E o trabalho intelectual, bem como as pessoas capacitadas para o fazer com qualidade, tem custos…

  13. Profeta says:

    Isso de pagar para ler noticias tem os dias contados. Depois vem a choradeira do costume, ah e tal sao uns fdp sempre a ler noticias pirateadas (seja la o que isso for) e a estragar-nos o negocio. Nao consigo entender sinceramente porque nalguns sites se tem de pagar para ler noticiias. Acho uma falta de visao da imprensa que faz isso. Se calhar para quem e mais curioso em relacao a diversos temas de tecnologia o pplware chega.

  14. o consciente says:

    Resultado de 90% dos comentários nesta notícia:

    1) “os conteúdos são fracos e na maior parte das vezes, não passam de panfletos de propaganda política, lavagem cerebral”: ou seja, classificas notícias com base? Ou seja, como sabes que a notícia X é de lavagem cerebral ou não? -> a resposta vem no ponto 2)

    2) “prefiro ler jornalismo independente e livre”: esta será a resposta ao ponto 1). Mas a pergunta é? Como sabes que a notícia X sim jornal pago é de lavagem cerebral e não a notícia Y da suposta fonte “independente e livre”?!

    Em suma: a miudagem anda toda queimada e do contra… não sei o que vocês consomem mas não é o mesmo que os menos jovens (e já vos aviso que a vossa não é saudável…). A esmagadora maioria das fontes “independentes” são anarquistas ou pessoal pago por oligarcas para fazerem de “influencers” e minarem em blogs ou redes sociais.

    Com isto muitos grupos de extremas, grupos de ódio, etc. conseguem muitos seguidores, aproveitam-se de jovens com vontade de ser do contra para “pescarem-nos” para fazerem o que eles dizem. Há uns grupos terroristas que há uns poucos anos conseguiram captar muitos assim, mas quando “as mentes brilhantes” chegaram ao país e viram que eram usados como carne para canhão ou as mulheres para actividades menos boas, tentaram logo vir embora, mas já foi tarde…

    Mas temos que nos habituar que a malta jovem ou é de extrema esquerda ou extrema direita ou simplesmente do contra. Enfim…

  15. Maria Pica says:

    Não se justifica pagar. A mais diversificada informação encontra-se dispersa gratuitamente na Internet. Grande parte dos conteúdos pagos, são redigidos por indivíduos que basicamente desenvolvem os seus conteúdos indexados a textos disponíveis gratuitamente e em inglês.
    Não pago para ler conteúdos políticamente tendenciosos.

  16. poing says:

    A cache do Google faz maravilhas (artigos vedados por algumas assinaturas)!
    O botão do browser de parar de carregar a página também (Nónios e afins)!
    E nos casos em que não dá para dar a volta, basta pesquisar notícias relacionadas e consegue-se geralmente ter acesso à mesma informação, de forma citada é certo.

    Pequenos truques!

  17. Joka says:

    Na pandemia quanto é que os estado meteu mesas empresas de notícias ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.