Quantcast
PplWare Mobile

Samsung poderá abandonar negócio dos smartphones em 5 anos

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. millers says:

    estes analistas…..

  2. luis says:

    Se continuarem como estão nem 5 anos aguentam.

  3. Joao says:

    A Samsung é boa no hardware, que se foque em fabricar hardware para as melhores como a Apple. Em software e updates não percebem nada e tornam o melhor processador em algo com lag como no Galaxy s6

    • Miguel says:

      O meu S3 Neo só tem lag no Candy Crush quando faço conexão com o Facebook, mas mesmo no W10 tenho problemas com isso. De resto roda super bem. No entanto, o meu antiguinho Galaxy Gio peida-se todo…

  4. Nelito says:

    A darem barraca nas tvs como a UE40JU6000, um SmartTv UHD 4K de 2015, já com o Smarthub baseado no Tizen OS, em que para corrigirem a bronca da APP Netflix que surgiu no último firmware 1411 de 12 de outubro, a solução encontrada para correção foi APAGAR a APP Netflix, sem lançar até este momento nova versão da App Nerflix ou firm , e sem dar qualquer explicação pelo sucedido num tv deste nível….

    Claro que ligando para a linha azul Samsung, a solução ….indique o SN do tv / nome/ contacto , e estamos a aguardar resposta/solução para esta questão destes tvs com a APP Netflix, que aparece na Netflix como tv mais que certificado para reprodução de conteúdos Netflix.,,,,

    • someone says:

      Bem podes aguardar (mas sentado de preferência para não te cansares)…já trabalhei na linha azul da Samsung…os engenheiros estão a dormir e nunca sabem de nada….

    • BTN says:

      A JU6000 desde o seu lançamento que não era para ter Netflix, é uma TV UHD de baixo custo e usa um SOC fraquinho e agora finalmente removeram o Netflix.

  5. Imparcial says:

    Estes fabricantes gostam muito de inventar. O que é lhes custava ter os smartphones com o Android clean dos Nexus? Podiam ter apps exclusivas, sim, mas sem sujar o Android.

    Deviam fazer como acontece com o Windows: muitos fabricantes de PCs usam o Windows como OS mas só a Microsoft é que publica releases. Quando há um update todos podem actualizar. Estranhamente com o Android isso não acontece e ainda temos fabricantes e operadoras metidas ao barulho. Dá nisto.

    Se a Samsung comercializasse smartphones com Android clean em todos mercados que comercializa, com garantias de updates, penso que seria mais bem sucedida.

    O S6 até é bonito e com qualidade de construção e tal. Pena é o Touchshitz e daqui há uma semana fica sem updates…

    • Milton Sá says:

      Vinha comentar dizendo precisamente isto. O Android clean é óptimo, uma UX super agradável. Tenho-o no Moto G 2015 em que a Motorola só adicionou mesmo 2 ou 3 coisas. Concordo que se a Samsung optasse por esta via seria melhor para eles. E claro, updates! Podiam fazer menos modelos (acho que podiam cortar em metade que a oferta ainda era alargada) e focar-se mais em atualizações.

      • joao says:

        não é verdade. só agora na versao 5+ é que o android puro começa a ser aceitavel a nível de funcionalidades. de resto qualquer outro SO alterado tinha opçoes muito mais avançadas e user friendly do que o nativo que é mais para nerds do que para pessoas normais. apagar varias apps num sony, por exemplo é muito mais simples do que apagar num android puro, outras gerem melhor os contactos e emails, e por ai.
        se o android fosse bom a partida, que nao o foi, as marcas nao tinham necessidade de mexer nele. outro ponto é que se todos os SOS fossem os mesmos…ter so o hardware como diferenciador de TODAS as marcas que vendem android…era ridiculo. sao todas muito parecidas, com software diferente ja podem arranjar desculpas de markting para tentar vender mais…so os mais entendidos é que se preocupam em ter o puro..resto nem sabe que existem mais versoes do android…

  6. Realista says:

    Metam Windows Phone nos seus telefones e assim passam a fornecer um bom produto!

  7. Jorge Cardoso says:

    Mais vale acabarem agora
    nao querem saber dos updates nao querem saber da segurança nos smartphones nao querem saber dos bugs ect…..
    So fazer lucro..

  8. RootMAXX says:

    Segundo o artigo fonte:

    “Apple is immune to disruption”

    110% de acordo, há o iPhone, e há os outros…

    • Ricardo Raimundo says:

      Não necessariamente.. A Apple conseguiu nicho de mercado sem concorrência directa. Por aí está segura. Mas nenhuma é imune aos altos e baixos. Principalmente na área tecnológica.

  9. Prim says:

    “Segundo o analista, estamos numa fase em que o “ser bom o suficiente” chega para os consumidores.”
    Se isto fosse verdade não se vendiam tantos iPhones.

    • Paulo Lobão says:

      Porque daqui a 5 anos já não há smartphones mas apenas cleverwatches holográficos (fonte: opiniões são como os umbigos).

      • Prim says:

        Tem tudo a ver e é a prova que a afirmação é falsa, os consumidores vão comprar o melhor/mais caro que a carteira lhes permita, quem pode compra iphone, quem não pode vai para a concorrência mais barata. A Samsung não percebeu que não basta produzir produtos com qualidade para as pessoas largarem os cordões à bolsa, falta-lhe o estatuto da Apple.

        • RootMAXX says:

          Produtos de qualidade?

          Vê-se…

          E então a assistência? Ui!!!!

          Estatuto é algo que a Samsung nunca terá, serão sempre imitações do original, e toda a gente sabe qual é o original!

        • JBM says:

          A frase será falsa se for lida fora do contexto e o analista explica as particularidades, tem tudo a ver com diferenciação. Na plataforma Android chegou-se ao ponto em que o preço se tornou para o consumidor o maior diferenciador, pois as diferenças no hardware não são muitas e no software poder-se-á dizer que são ainda menos. Isso é um problema para a Samsung, mas não é para a Apple, que tem o seu sistema operativo e um leque alargado de serviços integrados.

          • Prim says:

            A diferença de hardware de um XingXong 2000 para um S6 não é muita?! E nem te falo de processadores, ram e afins, falo de câmara ou ecrã, onde qualquer utilizador nota logo a diferença. Na Apple é que não tens grandes diferenças de hardware, basicamente ou compras um maior ou um mais pequeno, não se arriscam a criar um com hardware e preço mais modestos, porque sabem que as pessoas iam querem um iPhone, o mais barato possível, afinal de contas, continua a ser um iPhone. Não é um problema para a Apple porque ela goza de um estatuto muito especial, o termo iPhone é confundido por muitas pessoas com o termo smartphone; grande parte das pessoas não chega sequer a usufruir dos serviços, nem sequer das funções oferecidas pelo iPhone. Parte das pessoas compra pela fama de ser o melhor, outra parte porque sabe que é fiável e simples de utilizar, outra ainda porque é o telemóvel que todos os famosos têm, é sempre apetecível, e haverá claro, os que compram pelos serviços, pelo ecossistema e afins, que a Apple tão bem sabe impingir (sempre a pagar).

          • JBM says:

            percebeste perfeitamente o que disse por isso não desconverses. Para o consumidor essas diferenças entre aparelhos Android já não são muito grandes, a qualidade já é suficientemente boa, o software é quase o mesmo e assim o preço passa a ter muito mais peso na escolha.
            Na Apple? Que interessa a diferença de hardware entre iPhones quando se comparam empresas diferentes? Interessa é saber se esses iPhones se diferenciam da concorrência dessas outras empresas.
            Mesmo enterrando a cabeça para achar que é tudo só uma questão de estatuto e aparências, o que é falso, para os aparelhos terem e manterem esse estatuto têm que se diferenciar da concorrência, doutra forma bastava arranjar cópias baratas do aspecto do aparelho, mas depois o engano cairia por terra ao usar o aparelho.

          • Prim says:

            Vai gozar com outro! QUALQUER pessoa nota bem as diferenças entre um Android de meia dúzia de euros e um com qualidade, em tudo! A questão é que muita gente não precisa, não quer e não compra um telemóvel com qualidade (e caro). Os chineses como a Huawei que vendiam telemóveis baratos, agora começam a vender telemóveis com qualidade, sim, mas os preços também subiram e já não são telemóveis de meia dúzia de euros. A única coisa que diferencia a Apple é o SO, que ela nao disponibiliza a mais ninguém, não o hardware. Porque é que não vendem um telemóvel de gama média/baixa?
            Quem disse que é tudo uma questão de aparências e estatuto?

          • JBM says:

            Resumindo em vez de se escrever qualidade suficientemente boa preferes dizer que as pessoas não precisam. Mas é bastante cómico que depois de argumentares que as pessoas notam bem as diferenças de forma a minimizar a questão de diferenciação, venhas dizer que a Apple não se diferencia no hardware.
            O que a Huawei está ou não a fazer não altera o facto dos preços médios de venda de aparelhos Android estarem a baixar e que a Samsung foi bastante afectada pelo aparecimento duma forte concorrência de aparelhos mais baratos que a sua oferta.

          • Prim says:

            O facto da qualidade ser suficientemente boa E as pessoas não precisarem ou não quererem mais, não significa que não reconhecem diferenças óbvias na qualidade; eu não preciso de um Bentley, não quero (comprá-lo) e a qualidade do meu é suficientemente boa, mas noto até de olhos fechados a diferença de qualidade, não me parece difícil de entender isso… Agora entre um iPhone e um Android de preço semelhante, não notas diferenças de qualidade no harwdare e sabes muito bem que em coisas como p.ex. na câmara o iPhone tem até qualidade inferior.
            Os preços do Android baixaram por causa dos chineses com a mesma filosofia de sempre, preços baixos, qualidade decente e aparência de uma qualidade superior à real, com outras surpresas desagradáveis por trás, mas que na altura da compra são esquecidas.

          • JBM says:

            é mesmo isso que estava aqui em jogo e o objecto de análise de quem escreveu o artigo, a capacidade das pessoas para descobrir diferenças, e nada a ver com o valor dado pelas pessoas às diferenças que encontram, a determinação de qualidade e funcionalidade satisfatória.
            E pois claro a comparação/análise do iPhone terá que ser feita usando aparelhos diferentes daqueles usados na análise aos topos de gama da Samsung, afinal de contas não é suposto fazer o mesmo tipo de análise mas desviar a conversa para dar a entender que a diferenciação é pouca e que o iPhone pode seguir o mesmo rumo!
            No fim é dizer com naturalidade que os preços baixaram por causa dos chineses com qualidade decente, como se não fosse isso basicamente o que o analista defendeu. Como se isso não tivesse afectado a Samsung que acabou por ver os seus preços médios descerem e os seus lucros afectados, como se não houvesse pressão de preço sobre a Samsung, como se a Samsung não tivesse um problema por diferenciação insuficiente, permitindo aos seus clientes saltarem com relativa facilidade para outras marcas com Android.

      • Paulo Santos says:

        Os mercados são cíclicos… o iPhone em breve tem que se reinventar porque as novas gerações não vão querer o que as velhas gerações usam. A Samsung não se renovou… todos os anos tem modelos novos com a mesma política em relação ao software e updates… e está a correr mal.

  10. Robert Soares says:

    A samxunga deveria mas é lançar tipo dois ou três modelos por ano… …apenas! low, mid e hight! ao invés de lançar 10 por mês e desenvolver um maior suporte a cliente, actualizações do sistema operativo e remover mais de metade das apps que vem de origem. Na minha opinião seria um bom ponto de partida porque os equipamentos hight que eles tem até são boas máquinas. A opção de ter o mesmo modelo de tlm mas o usuário escolher o sistema operativo “android ou windows10 mobile” poderia trazer novos clientes. Isso na minha opinião

  11. V. T. says:

    Parece-me que a Apple vai desaparecer primeiro do que a Samsung…

    • Ruben says:

      A mim, também me parece, com 92% dos lucros do mercado de smartphones, e a crescer ao ano em valores de 22%, a Apple está mesmo a caminhar para o caixão!

      • Prim says:

        A Apple é enorme e forte, mas está apoiada em bases frágeis, nomeadamente um único produto, o iphone. Até agora tem sabido lidar bem com isso, mas basta um descuido, ou um concorrente a sério para cair tudo de uma vez.

        • RootMAXX says:

          E a Google? Que só tem um produto: publicidade.

          A Apple sobrevive bem sem iPhone, aliás, se tirares dos 51 biliões que a Apple fez no último trimestre, tirares os 32 biliões do iPhone, ficas ainda com 19 biliões…

          Sabes quanto é que a Google fez no último trimestre? 18.7 biliões…

          • Prim says:

            E qual é a probabilidade da publicidade acabar ou vir a ser substituída por outro produto? O iPhone representou mais de 67% dos lucros e isso é que importa, sabes bem que se deixasse de vender iPhones tudo o resto ia atrás, as pessoas só conhecem a Apple e só compram os restantes por causa do iPhone, aliás, pega no exemplo do Apple Watch, que só pode ser usado com o iPhone.

          • JBM says:

            tudo o resto ía atrás? Agora os Macs vieram depois dos iPhones?
            E os iPhones desapareceriam assim dum momento para o outro, por artes mágicas, sem ponta de possibilidade de reagir?

            Probabilidade da publicidade ser substituída? A pergunta deveria ser a probabilidade da publicidade da Google ser substituída, quer por um concorrente mais capaz a lutar na mesma área publicitária da Google, quer por uma mudança nos hábitos e de plataformas. É olhar para o que aconteceu aos jornais, que viram os seus rendimentos publicitários diminuírem porque as pessoas passaram a usar a internet para obter informação, é olhar para as mudanças na publicidade online com as aplicações… quem é que te garante que a Google vai estar preparada para as mudanças na publicidade no futuro?

          • Prim says:

            A censura eficaz do costume não me deixou explicar-te o halo effect…

          • JBM says:

            O halo effect servirá para explicar melhorias da atractividade de certos produtos duma empresa por efeito doutro produto (ex: iPhone e o iPod) via imagem que este ajudou a criar sobre a empresa. Não serve para explicar efeitos negativos que quebras nas vendas dum produto poderá ter noutro produto – só serve para explicar o efeito positivo sobre a marca.
            O oposto terá que ser a destruição da marca, e isso não acontece só porque as vendas dum produto baixam, é preciso algo bem mais significativo.

          • Prim says:

            “The halo effect works in both positive and negative directions”
            https://en.wikipedia.org/wiki/Halo_effect
            Penso que sejas suficientemente ágil para entender que o iPhone deixaria de vender, perderia atractividade por perder a imagem, o estatuto de que goza atualmente.

          • JBM says:

            lê como deve ser como é que o termo se aplica à associação entre produtos duma empresa, e lê bem a última parte do meu comentário.
            O iPhone baixar as vendas não implica automaticamente a perda de imagem do iPhone, nem a perda de imagem do iPhone implica automaticamente um efeito negativo às outras marcas da Apple. A destruição de imagem necessita de eventos muito mais significativos do que oscilações no mercado.

          • Prim says:

            Baixar as vendas do iphone é a causa, não a consequência. E é claro que a perda de imagem afectava negativamente a venda dos outros produtos da mesma maneira que afectou positivamente, afectava a imagem de marca em geral. Vais negar que o escândalo da VW apenas nalguns modelos não afecta a venda dos outros, apesar de não envolvidos na história?
            A marca não ficava destruída, claro, ficava apenas como era na altura pré-iphone, lembras-te? Não foi há muito tempo… “think different” e eu até lhe achava mais piada do que agora que “está na moda”.

          • JBM says:

            mas que imaginação que anda por aí. O efeito positivo é via imagem da empresa, e mesmo o “halo effect” só acontece dentro de condições especiais, não é qualquer produto que o cria de qualquer maneira.
            Devo depreender que queres dizer que qualquer soluço num produto de uma empresa qualquer, afecta negativamente todos os seus outros produtos? Então explica como é que a Sony, que até anda num verdadeiro turbilhão, consegue ter produtos a crescer, por exemplo nas máquinas fotográficas e a PS4, e outros a cair e até desaparecer da empresa.
            Pegares num escândalo para defender que mesmo sem escândalos há efeitos negativos é cómico, para não dizer outra coisa. É que até com alguns escândalos pode não haver efeitos negativos nas vendas – é ver os pequenos escândalos que foram aparecendo ao longo dos últimos 5 anos à volta da Apple e do próprio iPhone.

            Para as vendas do iPhone baixarem tem que a haver um contexto. É muito diferente as vendas baixarem quando o mercado geral de smartphones baixa, das vendas baixarem por causa da oferta dum concorrente, ou das vendas baixarem por causa de enormes defeitos no próprio produto da Apple. É esse contexto que determina efeitos na imagem do produto e as possíveis consequências para imagem da empresa. Só a imagem da empresa é que poderá eventualmente afectar os outros produtos e mesmo isso não é certo, pois como toda a gente sabe há mais coisas que afectam a imagem dos produtos; qualidade e marketing.
            E essa da marca ficar como era na altura pré-iphone, é de partir o coco a rir. Quer dizer que, por hipótese, se as vendas do iPhone baixarem 1% a marca da Apple fica como na altura pré-iphone?

  12. Lima says:

    Consigo prever que dentro de 5 anos ninguém se lembra deste “analista”

  13. Ruben says:

    Já que se fala de Samsung… A Google descobre e aponta 11 falhas aos Galaxy

    http://googleprojectzero.blogspot.pt/2015/11/hack-galaxy-hunting-bugs-in-samsung.html?m=1

  14. Mustang says:

    Graças a Deus!…..
    Viva Microsoft’s

  15. João Neves says:

    Tenho um Sony Xperia SP com uma barra de leds muito interessante quer para notificações quer para outros usos mais de lazer que pessoalmente adoro. A Sony descontinuou o suporte a este smartphone muito cedo, e os novos Xperia são smartphones com +- gigas +- cores +- polegadas, caracteristicas muito semelhantes a mais umas centenas de smartphones do mercado. A Sony pondera abandonar este mercado.

  16. pedrohex says:

    Gostava de ter tanto que fazer como estes cromos.

  17. O TOP says:

    A google decobre falhas nos galaxy, então eles não chegam nem perto das vendas da samsung, se alguem avaliasse as falhas dos nexos encontraria muitas mais. A falta de updates é uma realidade para a samsung mas não só, e a microsoft foi foi esperta em comprar a nokia está a lucrar com as patentes e a entrar no segmento movel sem esforço. Mas samsung tem-se mantido no topo assim como a apple que até tem componentes fabricados pela propria samsung. neste momento o sucesso das duas está intimamente ligado porque o que uma faz a outra copia e faz melhor. Mas oviemante nada é perpetuo, quanto a falta de inovação, esse é o dilema de todas as empresas, inovar sem comprometer finanças.

  18. Nuno says:

    A minha mulher têm um S3 e sou proprietário de um note 10.1 2014, gosto dos equipamentos e foram adquiridos por um preço competitivo em virtude de não ter comprado no momento em que saíram. No entanto deixava três recomendações à samsung:
    1) Diminuir o número de modelos e maximizar o potencial dos mesmos. Bastava lançar um modelo de gama média e outro de gama alta anualmente, essa história de querer agradar a todos só aumenta o custo de produção e diminui o esforço e qualidade colocada em cada produto.
    2) Aumentar drasticamente a relação qualidade preço, não digo que o S6 não vale o dinheiro pedido mas sinceramente a samsung têm modelos com preços superiores a muitas marcas que oferecem mais por um custo bem menor, não se percebe este fenómeno tendo em conta que muitos dos componentes são inclusivamente produzidos pela samsung.
    3) Updates a tempo e horas e com um tempo de vida prolongado, esta dispersão da samsung faz com que apenas os modelos de topo recebam updates com alguma regularidade, quem compra outros modelos, alguns dos quais com preços médios/elevados vai perdendo fé na marca e com razão!

  19. lola says:

    Só pela falta de consideração que tem para com os clientes por mim até podia desaparecer já hoje que não se perdia nada de necessário.

  20. Chonga says:

    Ja vai tarde. Aproveite e leva o andro quando sair.

  21. Igor says:

    Queima-se na sua própria lenha.
    Há uns anos atrás tive um dos “pioneiros” o Samsung Galaxy S. Mesmo quando saiu… ao fim de um mês saiu um update que melhorou nuns aspectos, piorou noutros (nomeadamente o GPS que simplesmente morreu).
    E nunca, mas nunca, mais recebi um update e posso dizer que o utilizei durante 3 a 4 anos. Se lançam um produto que o consumidor sabe que num curto espaço de tempo vai cair no esquecimento, é natural que mais cedo ou mais tarde o mesmo se desinteresse.
    Nunca mais comprei um topo de gama lol. Ainda no FDS fui comprar um Lumia 640, que tem as specs semelhantes ao Android que eu utilizava e em termos de fluidez tem-se mostrado incomparável, vamos ver agora no curto/médio prazo

  22. says:

    Lá se convenceram que o negócio deles é frigorificos

  23. ervilhoid says:

    Não deixa pena nenhuma

  24. Frank Medrano says:

    A Samsung nao aproveitou a oportunidade de agarrar\agradar os clientes já obtidos e quis acelarar o processo do ‘telemovel obsoleto’, terminou rápidamente os updates, estragou o android puro com ivenções deles e criou X modelos num curto espaço de tempo com pouco destaque. É obvio que se houver concorrencia de jeito a Samsung leve uma valente porrada, tenho um S3, excelente telemovél com Cyanogenmod, mas nao volto a comprar esta marca egoista e despreocupada.

  25. Ricardo Moura says:

    Ainda passaram por aqui rumores que a Sony deixaria a secção dos smartphones, possivelmente será outra a não safar-se.

    O Problema da Samsung é o seguinte, não quer saber da opinião do cliente, o objectivo deles é lucrar, lucrar e obviamente tirar o pódio à Apple(Iphone).

    Outro problema é que eles possuem várias linhas de Smartphones muito idênticas, nao resulta, já chega, façam ao menos como a APPLE, lança o seu telemóvel de meio em meio ano, a samsung deveria optar por isso ou até lançar um smartphone por ano, actualmente lança a cada mês, fica difícil de contornar outros aspectos, como por exemplo os Updates, tanta coisa que eles possuem, que perdem o fio a meada.

    Olhem para o exemplo da LG, lança smartphones de “vez em quando” e faz um sucesso muito grande em suas vendas, incomparável com a Apple, mas safa-se.

    Prevejo sinceramente que a Samsung em 10 anos deixe o mercado dos Smartphones se obviamente não mudar de politica administrativa.

  26. Rui C says:

    Já vão tarde, visto que a Samsung Mobile é uma divisão sem qualquer IDENTIDADE, a sua estratégia sempre foi inundar o mercado com N modelos sem nenhum tipo de rigor.
    Depois o serviço pós venda , é dos piores do mercado.

    Fecham antes dos 5 anos neste ritmo. Já tinha dito isso num outro post semelhante.
    A redução de pessoal, entre outras alterações internas da empresa, levam a crer que a divisão mobile vai deixar de ser relevante no grupo.

  27. Jorge says:

    para vender lixo caro mais vale

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.