Quantcast
PplWare Mobile

Samsung aposta no Grafeno para produzir baterias poderosas

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. David Ferreira says:

    os ecrãs passam a ser a bateria :D…foi a parte da noticia que gostei (e sonhei) lol

  2. Andreia de Almeida says:

    Baterias melhores, é o que se quer….
    =)

  3. David Guerreiro says:

    Vou buscar as pipocas, que os fanboys da Apple devem estar aí a chegar e começam a disparar que a Apple já tinha inventado isso, e a Samsung copiou mais uma vez.

    • JD says:

      E é mentira por acaso?? A Apple quando patenteou a forma rectangular já o fez a pensar que um dia iria fabricar baterias de grafeno rectangulares, que na altura não o podia fazer devido a limitações tecnologicas! Por isso não venham com teorias e aceitem a superioridade de Apple em todo o seu esplendor! Heil Apple!

    • Benchmark do iPhone 6 says:

      Já estão à venda? Se forem boas a Apple compra. Sempre melhora os resultados de Samsung, que do lado dos smartphones andam fracos.

      • Apolo says:

        Deve ser por isso que tentaram fazer um phablet que é pior em tudo que qualquer phabnlet do mercado!

        • Benchmark do iPhone 6 says:

          Por acaso, sem dúvida o Galaxy S6 e Edge é o melhor que fizeram e até teve alguma venda. Como começou a ser vendido em Abril até se pensava que no trimestre terminado a 30 de Junho (Abril, Maio e Junho) melhorava bastante os resultados da Samsung Electronics.

          Não chegou, os lucros da Samsung Electronics foram menores (-4%) que no trimestre homólogo de 2014.

          “Mesmo melhor não é suficientemente bom quando se está a competir com o iPhone 6”:

          http://bgr.com/2015/07/07/samsung-earnings-q2-2015-unaudited-iphone-6/

          • Sjs says:

            Tinhas de vir para aqui defender a maçã. Francamente as tuas respostas fazem me rir. O S6 fraco para combater o iphone… Esqueceste que estás a comparar um octacore de 3gb de ram contra um dualcore de 1gb.por falar em baterias o teu iphone é da idade da pedra. 1500mha? Estás a brincar cmg? Pois deves. A plataforma móvel mais usada no mundo é o android. E nos EUA a Samsung com o seu S6 acaba de ultrapassar em vendas o iphone. Comenta isso

    • Baptista Batos says:

      Claro que não!

      Mas se alguém fizer baterias realmente melhores, eles compram-as…

      O que não faltam, são anúncios de baterias revolucionárias.. que nunca chegam ao mercado… nada de novo…

    • José Costa says:

      Lol… aqui o amigo David Guerreiro disse a coisa mais acertada…
      Até soltei uma gargalhada…
      Impecável…

  4. FB says:

    É bem preciso estas apostas… a ver se finalmente as baterias se aproximam da evolução tecnológica dos próprios aparelhos…

  5. rui pedro says:

    O problema será depois o preço das baterias em questão. Para os isheeps isso não é problema. Agora no resto dos casos aposto que custaria mais uma bateria dessas que o próprio aparelho.

  6. Rui Raposo says:

    Desde que não o telemóvel não expluda…

  7. Johnny says:

    Continua a ser o calcanhar de aquiles dos tlm … as baterias duram pouco. 1-2 dias e depende da utilizaçao. A ver vamos onde nos leva este caminho.

  8. Sérgio J says:

    Este tipo de pesquisas podem demorar anos até se transformar em produto para o consumidor final.

    O grafeno é o santo gral para a microelectronica e não só. Mil e uma possibilidade se antevê. Mas numa época em que a informação circula a velocidades estonteantes é preciso ter cuidado com as expectativas, sejam eles sobre as capacidades ou sobre os prazos que as descobertas levam até se transformar em produto. Há que dar tempo que estas novas descobertas amadureçam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.