Quantcast
PplWare Mobile

Revelados os inovadores dispositivos Intel – 2 em1

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Já que näo vemos evolução nas baterias… tem que se ir assim, aos poucos, reduzindo os consumos dos restantes componentes.
    Boas notícias.

    • César says:

      Grafeno… nunca mais abandonam o silício… talvez por ser caro?

      O grafeno oferece velocidades 1000 vezes superiores, com quase nenhuma resistência à passagem dos eletrões, gerando quase nenhum calor. Já viram os clocks que conseguiríamos alcançar?

      Fantástico. Já conhecia esse material, mas fiquei mais bem informado com um programa que vi hoje no odisseia 🙂

      • PapiMigas says:

        O problema do grafeno é gerar os “0”, pois assim que começa a conduzir “ninguém o pára! 😀

      • lmx says:

        sim o grafeno é brutal!!

        Melhor que isso, é biodegradavel, e quando quisermos podemos deita-lo simplesmente fora….não será bem assim devido a todos os compostos de plastico etc que estão a volta, mas no que toca ao grafeno, sim…

        É o futuro, mas ninguém quer começar mesmo a avançar na troca de tecnologias…ha muitos lobies instalados…

        cmps

  2. Hugo says:

    Parece-me que a história das baterias é um esquema de proteção às grandes empresas… A evolução das baterias iria beneficiar a industria em geral e principalmente agora os tão afamados automoveis electricos. Quem têm sempre as grandes petroliferias por traz a meter um travão… Porque iriam perder a sua galinha dos ovos de ouro!

    • chico esperto says:

      Cria lá tu uma nova forma de reter uma maior capacidade de electroes por cm/2 e que seja exequível de fabricar e depois lg vens falar

    • lmx says:

      Completamente!!!
      Haverá uma empresa por outra, que lançará um producto de tempos a tempos, com uma bateria melhor, mas é verdade que as baterias já podiam ser mais avançadas em muitos sentidos…e alguém anda a puxar isso para trás…é mais do mesmo que já todos sabemos…

      cmps

      • Carlos says:

        “mas é verdade que as baterias já podiam ser mais avançadas em muitos sentidos”

        Olha outro.

        Hombre, se sabes como melhorar as baterias, estás à espera de quê? Não queres ficar podre de rico quando venderes as tuas super-baterias a basicamente todos os fabricantes de dispositivos móveis?

        • lmx says:

          já existe tecnologia para pelo menos duplicar a capacidade por área…e mais, a tecnologia que já existe permite uma retenção(memoria da bateria), por muito mais tempo, além de ser possível entregar mais corrente por unidade de tempo, mas…

          Nada disto surge no mercado, não será aspectável a pergunta do…Porque será??

          As baterias são caras é certo, eu até percebo que as marcas não queirão arriscar preços mais altos e depois as pessoas não comprarem…mas nos modelos highend pode acontecer…e não acontece, por algum motivo há-de ser…

          Eu não tenho a tecnologia nem o dinheiro para avançar numa coisa destas…isto são coisas a sério, onde é preciso muitos milhões de milhões…não é o mesmo que “mandar vir para a mesa uns tremoços” 😀

          cmps

          • Nunes says:

            É sempre bom entretenimento ler histórias de conspiração!
            Achas mesmo que companhias que estão a competir aguerridamente no mercado de telemóveis não iriam usar as melhores baterias em relação qualidade/preço, quando a duração da bateria é um factor tão importante para as pessoas?
            Não é por existir algures tecnologia com maior densidade energética que a torna viável ou até mesmo disponível neste momento para produção nas quantidades necessárias.
            E lendo o que escreveste até parece que a tecnologia de baterias ficou estagnada no tempo

          • lmx says:

            se eu acho mesmo???era essa pergunta??

            Essa pergunta é respondida pela estagnação do mercado no que toca a baterias…

            A unica empresa que vi realmente nos ultimos anos a tentar inovar no que toca abaterias em um producto…foi realmente a canonical com o seu telemóvel…que afinal não vai ser produzido…tirando isso não vejo nenhuma empresa a apostar na autonomia…alias…a autonomia dos dispositivos nos dias de hoje diz muito da aposta mediocre que as empresas teem nessa area…

            Não é teoria da conspiração…é real…passa-se a tua volta…não seis e ja te tinhas apercebido…é muito dificil não te teres apercebido disso…

            a tecnologia de baterias não estagnou, muito pelo contrario evoluio muito, mas ninguém quer apostar nessa evolução, não vês equipamentos com baterias a sério no mercado…é tudo mais do mesmo…

            cmps

          • Nunes says:

            estagnação?
            Já reparaste na evolução que houve na densidade das baterias nos telemóveis?
            É o que tem em grande parte permitido que os telemóveis possam usar componentes que consomem mais que há alguns anos (ecrãs e lte e até o uso dado aos processadores) ao mesmo tempo que reduzem volume e peso!
            Podes até criticar que as empresas podiam ter aproveitado para ter ainda mais bateria (em vez de reduzir peso e espessura), mas a discussão não é sobre isso mas sobre o uso de baterias com tecnologia mais avançada e com maior densidade energética!
            Se não acreditas, tens aqui um artigo, a mostrar que actualmente a densidade energética é mais do dobro de há 5 anos atrás
            http://www.extremetech.com/computing/163636-the-ever-expanding-smartphone-or-why-are-phablets-so-darn-popular

            E para além da densidade, tens tb o tempo de vida da bateria, melhor qualidade de produção, o tempo que aguenta carga. Tudo tem melhorado

        • chico cromo says:

          Sr. Carlos, só deves saber aquilo que está a frente dos teus olhos não é? Ou és aquele que só vê televisão quando esta a dar “a bola” ou só le jornais de futebol. Ou então és daquele tipo de pessoas cépticas, que desacreditam em tudo. Vai ler sóbre um bocado de tecnologia atual e depois vem aqui com o teu “se sabes como se faz porque não fazes”.

  3. says:

    Não se evolui as baterias porque é muito difícil armazenar energia. A nível de investigação é muito caro e os resultados não são assim tão bons.

  4. lmx says:

    Em relação a estes processadores…bem quanto mais melhor…

    Mas quando eles veem dizer que definiram completamente uma nova forma de trabalhar…

    Isso já não é verdade…a intel de ha muitos anos para cá se limita a seguir a AMD…foi no uso de cache nivel 2, foi no uso de cache nivel 3, foi no uso da arquitectura de 64 bits da AMD(amd64), e agora é na copia de conceito dos APU’s da AMD…

    Sendo que a arquitectura que vinga a nível pessoal/desktop no mundo a x86, e sendo eles os detentores…não há hipotse de nenhuma marca de poder superiorizar…pois quem quiser competir neste mercado é obrigado a utilizar a manta de retalhos que esta arquitectura é, e terá sempre os seus cores menos eficientes que a Empresa que detém o mercado…pois eles é que definem as regras…

    Gostava de ver uma Intel a inovar verdadeiramente e a não seguir tendências de outras marcas…aqui no caso AMD…é que a ideia que fica é sempre a mesma…veem o que os outros fazem e copiam…como os seus cores são mais eficientes, lançam depois os novos productos e ainda por cima dizem que redefinem, ou inovam na forma como de processam os dados…lol 😀 é vergonhoso…

    Por outro lado gostava de ver também uma AMD longe da Falência e que podesse investir grandes somas de dinheiro em investigação, e de preferência que se podesse utilizar outra arquitectura, ai sim poderiamos ver competição e inovação, na situação actual, a unica marca que inova(AMD), poucos ou nenhuns louros leva…

    Também tenho pena que miraculosamente apenas os processadores da Intel se podem fazer em 22 nm, o estranho é que foi tentado na mesma fabrica fazer o mesmo nos AMD, e por motivos que até os santos desconhecem…dava sempre buraco…

    Claro a AMD teve que mudar de Fábrica , pois o motivo estava demasiado a vista para ser ignorado…é muito difícil lutar contra empresas tão grandes e poderosas…elas definem as regras em tudo, e corrompem o sistema…

    cmps

    • Carlos says:

      Não sei que drogas andas a fumar, mas espero que tenhas trazido para todos.

      Só agora é que a Intel lançou CPUs 2 em 1? Então e o Core i3 que é 1 ano anterior ao primeiro APU da AMD?

      E há uma razão para só a Intel fabricar chips de 22nm, e menos: foram eles que desenvolveram a tecnologia para o fazer. E ainda há outra razão: as fábricas onde são feitos os chips da Intel são… da Intel. E a Intel não fabrica chips para mais ninguém (já se falou de poder vir a fabricar os da Apple, mas até hoje nunca passou dum boato, vamos ver amanhã!)

      • lmx says:

        pois…a intel tem dinheiro para lançar quando quer…

        É que os APU’s foram pensados pela AMD em 2003, pelo menos é um registo oficial sobre este projecto, não sabemos se antes disso a empresa já trabalhava nisso…talvez não…mas é mundialmente conhecido o desejo por parte da AMD de lançar gráfica e processador no mesmo package…

        A intel limitou-se a copiar…tinha o dinheiro e produziu…a AMD quase faliu devido a intel, e quando recuperou…é tarde demais, por isso o seu producto aparece lançado para o mercado de forma oficial depois, mas há muito que eles tinham desenhado por exemplo o bobcat…pois…foi apresentado na computex em 2007.

        Já o tinha feito no passado…

        Drogas?deixa-te disso…

        cmps

    • PapiMigas says:

      Gostei do teu ponto de vista mas uma aposta da AMD numa arquitectura diferente obriga a um suporte de software para essa arquitectura. Será que isso é possível nos dias de hoje, com a crise que está? Todos já sabemos do poder dos processadores Cell mas… continuamos para bingo nos x86 😉

      • lmx says:

        boas…

        pois de facto temos um problema da dependência de muito software, mas muito, mesmo criado apenas para uma plataforma, e estamos reféns dela…

        A AMD, não tem capacidade para lutar contra uma coisa mundialmente enraizada, ainda por cima quando luta contra o que poderá, num futuro próximo, ser a falência(a intel proibiu fabricantes durante muitos anos de usarem processadores amd…a amd já foi indemnizada…mas foi tarde demais, pois muito tempo se perdeu sem investigação a sério por falta de dinheiro…)…

        Repara que só agora começam a sair versões do windows, com algum suporte para processadores AMD…antes as instruções da AMd não eram usadas, os processadores amd tinham uma performance pior porque o Sistema operativo que corria neles não contemplava instruções optimizadas e próprias para a AMd…a coisa melhorou,mas mesmo assim ainda esta longe do suporte desejado…e vai sempre estar…a AMd com as novas APU’s voltou a fazer uma revolução nos proc’s intel(tal como já tinha feito varias vezes no passado), seria possível por exemplo ter algo parecido no futuro ao HyperThreding, mas muito melhor…o HyperThreding da intel situa-se a nivel de performance entre 1 e 1.5 cores(no maximo de aproveitamento, duas threads por processador), a tecnologia da AMD situa-se entre 1.5 e os 2 cores, muito mais eficiente, mas falta dinheiro para a desenvolver…não sei se a AMd não entrará em falência nos próximos anos…

        Existem processadores muito melhores que os intel… mas não teem muito software usável pelo comum dos mortais…

        Nem sequer uma IBM pode correr o risco em tentar…o preço pode ser demasiado caro, e quase de certeza que o seria…apesar dos seus processadores serem um luxo.

        A ARM tem vindo aos poucos a avançar para o mercado desktop, mas é um esforço tímido…por acaso a AMd vai fabricar processadores baseados em ARM para servidores…mas lá esta …”vai”, para “Servidores”…
        o software mais usado existe para x86 desktop/laptops e quase não existe nada para ARM ou outros…não é fácil

        As pessoas compram aquilo que surge a frente nas lojas, e nas lojas só aparecem os artigos que previamente foram “aprovados” para aparecerem…é complicado…
        já podíamos nos dias de hoje ter maquinas com muito mais poder de processamento e dias de autonomia, mas continuamos a ser obrigados a usar mais do mesmo…

        Parece que vamos ter que envelhecer, para ver alguma inovação a sério, e secalhar nem nunca vamos chegar a velo, com muita pena minha…

        cmps

        • João Pereira says:

          gostei de ler os teus comentários, fiquei a saber um pouco mais 🙂

          Agora, talvez o grafeno seja a solução para tudo 🙂 a cada dia saiem notícias de descobertas com grafeno xD

          • lmx says:

            boas..
            pois o grafeno vai ajudar muito, mas já no passado ouve descobertas como os transistores tri-state, etc…

            No entanto a arquitectura é sempre a mesma…o grafeno vai ajudar muito não só em transístores, em muitas coisas…mas o problema é que o que vai ser feito é substituir os transístores da arquitetura x86 por novos baseados no grafeno, etc…

            O problema da arquitectura vai continuar a mesma…

            vai haver melhoras…mas um dos problemas mantém-se, que é a arquitectura continuar desactualizada, em relação á realidade dos dias de hoje…

            mas venha essa tecnologia 😉

            cmps

        • PapiMigas says:

          A ARM continuando como está… vai bem calçada nos androids e família. Linux ajudaria os ARM a entrar no mercado dos desktop caso a potencia aumentasse mais. Repara, neste momento tenho um telemóvel quad-core com uma GPU jeitosa por 200€… se tivesse entradas USB e se eu fosse maluco tentava aqui um Debian 7 e ligava ao monitor e demais periféricos! Talvez daqui a 1 ou 2 anos isto seja possível.

          • lmx says:

            Sim tens toda a razão no que toca a linux, já existe suporte, e foi adicionado ao kernel que saiu recentemente, ou a nova branch 3.12 suporte para virtualização kvm,xen, etc, para a arquitetura ARM…

            Em suma o suporte que existe para a arquitectura 64 bits da ARM esta a ficar muito bom mesmo, a nível de linux…e para mim basta,
            para servidores não haverá problemas pois a grande maioria corre sobre linux, e outros derivados do unix…

            O problema que eu acho que vai existir vai ser para as massas, a maioria das pessoas esta habituada a Windows…e uma grande parte nem sabe que existem outras coisas…

            Não existe suporte Windows para ARM a sério, e para a arch64 penso que não existe mesmo…isso acho que pode ser um entrave…

            também não acredito que a Microsoft não seja pressionada pelo seu parceiro a Intel para que esta não liberte grande software para o mundo ARM, pois põe em causa o seu eco-sistema…

            A ARM vai bem lançada nos dispositivos mobile, e nos androids e outros, e isso esta a ajudar muito, mas não sei quando se vai dar o click…

            Já existem hoje dispositivos baseados em ARM, mas são poucos, por exemplo esta empresa:
            http://utilite-computer.com/web/home

            Como são poucos, não existe competitividade nos preços e na performance…

            Mas já é mais que possível ter desktop’s apesar que a sua performance ser questionável…no entanto o consumo e muito bom, numa era em que a energia é extremamente cara…

            Mesmo questionável para determinado tipo de tarefas, é uma boa opção para outras, que não requeiram tanto poder de processamento…

            Pois…eu espero ha muito ter um desktop com um processador ARM, ou outro, que seja eficiente, moderno, adaptado a realidade actual, e que seja suportado por linux…

            Vamos ver se nos safamos nos próximos tempos com uma maquina que realize o que queremos por uma fracção do custo de electricidade 😉

            cmps

    • Miguel says:

      só uma nota: a herança da arquitectura x86 também é pesada
      para a intel. a própria intel também não pôde repensar a fundo a
      arquitectura ao longo dos anos porque os sistemas operativos e
      respectivas aplicações anteriores deixariam de ser suportados e
      isso era incomportável.

      • lmx says:

        Boas Miguel,

        compreendo o que dizes, concordo plenamente, mas desde o inicio da decada passada que se percebeu que a arquitectura x86 atingiu o limite…não foi ao acaso que a AMd começou a fazer processadores com varios cores para servidores na altura, e hoje ja existem processadores com muitos cores até na Intel…

        Mas será que eles não deveriam ja ter pensado numa substituição a pouco e pouco, eu sei que existem coisas que não dá para fazer aos poucos e terão que ser realizadas em conjunto, mas ir de certa forma “ajudando” os constructores de SO’s a adaptarem-se , ou a prepararem-se para a mudança??

        O que eu acho apesar do que disses-te e de concordar…é que a Intel tem medo, e digo medo no sentido de que quando essa mudança se der , a Intel apesar de grande vai ter que concorrer quase de igual para igual com outras Empresas, e isso é muito perigoso do ponto de vista económico…para eles claro 😀

        Imaginemos que a AMD ganha a batalha, com uma arquitectura melhor, ou a ARM que esta a caminhar para ser o próximo gigante absoluto…ou a IBM, que tem uns processadores RISC magnificos…tudo pode acontecer…

        Eu acho que a Intel tenta manter a galinha dos ovos de ouro, aproveitando os avanços feitos noutras areas, para ir mascarando o peso dos anos da arquitectura x86…apesar de que tecnicamente essa mudança terá que ser faseada e irá exigir muito das tecnologicas de peso…

        a ver vamos no que isto dá…mas custa-me a ver uma empresa que tem capacidade para fazer coisas outstanding, a continuar com a mesma coisa, de uma forma passiva, em grande parte porque não quer perder a galinha dos ovos de ouro…

        PS:Também acredito que a sua grande Parceira(Microsoft) não esteja interessada nessa mudança, por muitos factores…

        Até lá temos que aguentar 🙂

        cmps

  5. says:

    Fazem processadores de 4ª geração que supostamente serão mais poderosos e eficientes, logo indicados para trabalhos que puxem bem pelo pc, e depois espetam-nos num portátil com baterias fixas que vão perder a vida util num piscar de olhos devido ao aquecimento!

  6. Mendes says:

    O problema das baterias é o calor que geram e por isso
    tornam-se perigosas.
    Rebentam e incendeiam.

    • lmx says:

      pois aquecem por causa da resistência eletrifica, que transforma energia em calor… e isso estraga a bateria.

      Penso que não seja um caso para ficar tão alarmado…algumas rebentarão(principalmente aquelas que tenham os maiores defeitos de fabrico), a grande maioria não…

      cmps

  7. CapitaoLuso says:

    A cada processador Intel novo, mais um socket e board nova…

  8. JSantos says:

    Este artigo menciona umas 50 vezes o “2 em 1” sem dizer o que raio é isso… é algum champô e amaciador?

    • lmx says:

      lol hehehe

      É processador + grafica…ou seja, para trabalhos normalissimos, deixa de ser necessario teres que adicionar uma grafica, é o conceito que a AMD criou, em vez de teres um processador e teres que ter também uma grafica á perte(este conjunto consome muita energia), agora tens hipotse de teres processadores intel ou AMD com grafica inbutido no mesmo “quadrado electrónico”-chip.
      No caso da intel esta grafica é muito mais fraca, mas para trabalhos corriqueiros serve perfeitamente e gasta supostamente menos qye graficas mais potentes…penso eu :S, se quiseres mais power a nivel de graficos tens que ir para AMd(que teem graficas embutidas muito mais poderosas).

      cmps

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.