Quantcast
PplWare Mobile

Portugal leva cartão vermelho na poluição provocada pelo trânsito

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Coppola says:

    É deixar de andar a aumentar impostos à burro só porque sim. Os carros novos sempre a pagar mais e a poluir menos e os “velhos” a largar cortinas de poluição, que até faz impressão e a pagar quase nada de IUC. Já para não falar da quantidade absurda de táxis, veículos comerciais e autocarros a desejar diesel queimado com fartura. Já chega de tanta desonestidade. Os barcos largam poluição milhares de vezes superior ao automóvel, as grandes cidades, continuam sem parques à entrada e sem portagens. Os governantes são incompetentes, não têm um plano estratégico, coerente e justo. Só sabem meter a mão na carteira.

    • Micas says:

      A desonestidade está na recusa do uso dos transportes públicos e no uso indescriminado do transporte pessoal.
      Tudo serve como desculpa estúpida para usar o carro: porque chove, para levar e trazer o menino da escola, porque faz calor e o carro tem ar condicionado, etc., etc.. E assim encontramo-nos, diáriamente, com as longas filas de engarrafamentos a poluir o ar que respiramos.
      Essa de responsabilizar táxis, autocarros e veículos comerciais é desculpa empurrada para cima dos outros pelos erros que cometemos.

      • cross says:

        Yep. Vivi uns tempos em Copenhaga e só andam de bicicleta para todo o lado. Chove, nem carapuço põem. Miudos da escola em cestos e atrelados nas bicicletas.
        Avenidas enormes e largas e nem um carro a passar.
        É a mentalidade daqui que se apega aos hábitos e os defende como se não houvesse outra alternativa.

        • Blackbit says:

          E como é a geografia de Copenhaga? Plana ou acidentada? É que isso faz toda a diferença no uso da bicicleta.
          Não faz sentido andar de bicicleta para chegar todo suado ao escritório depois de 15km a pedalar por subidas e descidas, os colegas não iam achar muita piada…

        • PTO says:

          Nem um carro a passar é treta.

          É verdade que o meio de transporte mais utilizado é a bicicleta mas existe 16% de habitantes que utilizam diáriamente o carro para se deslocar na cidade, dispendendo uma média de 28 minutos por viagem.

          • PTO says:

            Ah e esqueci-me de acrescentar que Copenhaga é uma cidade basicamente plana, fácil de percorrer de bicicleta.

            Já a maior parte das cidades portugueseas não são nada planas e muitas delas têm desníveis impossivies de percorrer de bicicleta para a esmagadora maioria da população.

      • Bill says:

        O problema é se vives numa cidade do interior que não tens transportes públicos para emprego e escola.
        Quando vivemos numa bolha deixamos de ser lúcidos.

        • Danny says:

          exatamente o que eu ia dizer. Só quem vive no interior é que sabe o uso que dá ao carro. Experimentem sair das grandes cidades, pois os transportes públicos só funcionam bem ai.

          • JS says:

            E não so e que trabalha por turnos e sai de madrugada para ir ou sair do emprego nas grandes cidades ?
            Não á transportes a essas horas vivo em V N Gaia e a partir da 0.00 transportes nem ver so a partir das 6.15 da manhã
            Ja durante o dia é o vê se te safas quanto mais á noite
            Se não tivesse veiculo ficava em casa
            Mas isso ninguem vê fala tudo de poluição mas é de barriga cheia

      • David Guerreiro says:

        Fora de Lisboa e Porto, os transportes públicos por norma funcionam mal. Quem entra ao trabalho cedo tipo 6h da madrugada ou sai tarde, tipo meia noite, não tem outra solução senão o automóvel.

      • windows says:

        sim isso é inteiramente valido para quem mora nas grandes cidades ou arredores, quem não mora que é o meu caso e de milhares, chapéu, depende do carro para tudo.

        As coisas não são tão lineares como pensas.

        Mas uma coisa é certa, ao contrario de outros paises o parque automovel mais velho é mais penalizado em relação ao velho, ao contrario de portugal que os novos que são mais eficientes pagas mais que um chasso em fim de vida que polui muito mais.

        Logo com a carga fiscal invertida e pouco poder de compra como é natural o parque velho continua em força, a começar pelo estado que deveria dar o exemplo é o que mais tem carros poluidores a servir o publico. e já para não falar de passarem mais vezes avariados do que a andar.

      • Samuel MGor says:

        Pois pois!! Mas o que usar quando só transportes durante a semana e são apenas 2 autocarros que se pode usar para voltar a casa(11h e 19h)?

        • ElectroescadaS says:

          Houve aí um “bacano” que sugeriu bicicletas elétricas mas penso que cada caso é um caso. Quando em 2019 tive de andar de comboio para me deslocar entre casa e trabalho vi muita gente com a trotineta elétrica no comboio também. Percorriam as distancias maiores no transporte público e faziam o resto dos seus percursos nas suas “engenhocas”…

          • Samuel MGor says:

            Não há comboio e bicicleta é inviável pelas 3 subidas e descidas e uma com inclinação de 10% 🙁 Mais nenhum bicicleta tem atrelado com a capacidade que o carro tem.

      • Luís Costa says:

        Deixa te de baboseiras sim? Primeiro sai lá da tua bolhazita e vem ver a realidade do país, as pessoas não andam só em Lisboa e Porto e além disso maioria das pessoas vem de fora dos centros para trabalhar nas grandes cidades, diz-me lá onde é que arranjas transportes públicos de jeito fora dos grandes centros? Vais a pé e é se quiseres!

      • Fantasma says:

        Queres vir morar para a minha terrinhola?
        Moro entre Lisboa e Torres Vedras e por mais vontade que tenha em deixar o carro de lado e utilizar os transportes públicos para fazer grande parte da minha vida, è simplesmente impossível, porque a quantidade e os horários dos mesmos são simplesmente ridículos, e quando as escolas estão no período de férias então os os transportes públicos passam a ser uma miragem.
        Sabes para que servem as paragens de autocarro na minha terra?
        Para os velhos passarem o dia a verem os carros passar!

    • PTO says:

      Não é que não tenhas razão, de um ponto de vista da argumentação dos politicos, mas se achas que a receita do IUC é usada para investir em medidas de melhoria do ambiente então és bem ingénuo.

      Os carros elétricos já estão na calha para também começarem a pagar IUC. Qual será a desculpa que agora vão arranjar para justificarem essa alteração e para contradizerem o argumento atual de “os carros elétricos não pagam IUC porque não poluem”?

      • RC says:

        Estão onde ?

        Pertence ao governo ou é mais uma invenção como aquela dos impostos da Noruega serem retirados ?

        Porque em vez de escrever disparates não perde tempo a ler e a aprender para que serve cada um desses impostos ?

  2. Manso says:

    Com malta a “esquecer-se” de 50€ no cinzeiro quando vai á inspecção do amigo e o carro acabar por ser aprovado mesmo não tendo sequer condições para circular é normal…

    • WhiskasSaquetas says:

      Chamo a isso precariedade salarial.
      Se houvesse salários dignos em Portugal para se poder viver ao invés de sobreviver e de progressão de trabalho, prémios por bom serviço/desempenho, possibilidade de subir de funções nas empresas este tupo de esquecimentos/gorjetas.
      Infelizmente Portugal está parado no tempo à uns 30 anos tanto a nível de cidadania e governantes.

    • ElectroescadaS says:

      Não sustento chulos até porque os 50€ ajudam a pagar as reparações que forem precisas para o meu MA9 continuar a cruzar as estradas e com as inspeções em dia…

  3. Abreu says:

    Não e de estranhar com esses diesel alterados a cagar fumo a força toda e as autoridades assobiem para o lado.

    Esses carros devia de ir logo para abate.

  4. Joao Alves says:

    Por isso mesmo que o governo diz que e o trânsito e não a indústria (porque não polui nadinha) ou outras coisas…
    E mais fácil pegar e por mais impostos em cima do combustível, do carro em si, cobrar portagens… Ou seja, taxar mais a quem tem carro e já paga 2 vezes o carro na compra, paga outro litro por cada um que consome, paga 2 vezes as estradas, 2 vezes as autoestradas, entre outros, do que criar parques as entradas das cidades sem custos para quem use o transporte público, redes de transportes públicos realmente úteis e funcionais, incentivos a sério para a compra de carros novos, entre outros.
    Assim e só taxar e continuar a assobiar para o lado porque a culpa da incompetência do governo passa a ser do carro fumarento que, para muitos, sozinho ele cria 1% da poluição mundial

  5. Gurer says:

    Lobby da mobilidade eléctrica a funcionar, as mortes prematuras devido a falta de condições económicas é o verdadeiro flagelo e continuam a dizer que o problema é a poluição. É claro que todas as grandes cidades deviam ter estacionamento gratuito.

  6. Joao Ptt says:

    Estou preocupado é com o encerramento das centrais de produção de energia a carvão.

    Se Espanha e França por qualquer motivo não conseguirem enviar energia podemos ter apagões… tudo porque os políticos decidiram fingir que painéis solares e eólicas substituíam… como se à noite houvesse Sol, e como se houvesse vento suficiente o tempo todo. As barragens têm pouca água, e então não se pode contar muito com elas de momento.

    Está aqui um debate sobre o assunto interessante: https://sicnoticias.pt/economia/negocios-da-semana-que-politica-de-energia-e-ambiente-e-esta/

  7. Tony says:

    Ainda ninguém pensou mas se houvesse estacionamento gratuito e suficiente a poluição diminuía drasticamente. Só o facto das pessoas andarem constantemente à procura do melhor estacionamento nas grandes cidades consome tempo, entope o trânsito e polui o ambiente.

    Infelizmente os governantes não são competentes ou não o querem ser.

    • windows says:

      O problema das grandes cidades é que a evolução, é só construir belos arranha-céus e os parques é a ultima coisa a ser pensada, no final são entregues a privados para exploração e ficam um balburdio para quem tem de deixar o carro todos os dias de manhã à noite, em muitos municípios o que era antigamente lugares gratuitos hoje é tudo a pagar, as zonas de parque livre ficam longe o que leva as pessoas a deixarem de frequentar esses locais para não pagarem, quem fica a perder é o comercio local entre outros serviços, mas o tapados que tomam as decisões não vêem isto.

  8. s says:

    Mesmo bom, ver se aprendem! Deviam era fazer disparar as taxas! Para ver se largam os carros de uma só vez! Portugal é assim, tem que ser com mão pesada se não ninguém aprende! Povo mais egocêntrico!

  9. Mig21 says:

    ..isso é na Dinamarca, que por sinal também está na lista do artigo….
    Assim como Inglaterra (e sua grande rede de transportes públicos) e Países Baixos (a constante referência para utilização de bicicletas).
    Porque será????

  10. Mig21 says:

    Já agora, para análise: megane Dynamique Energy dCi 110 S&S (2012) tem uma média de Emissões de CO2 90 g/Km. Um novo Peugeot 2008- 1.5 BlueHDi 130 (2021) (pelos vistos um dos carro mais vendido em 2021) tem média de Emissões de CO2 WLTP :125 g/Km.
    Será que pelo ambiente, ainda andam com essa treta que carros velhos é que são maus e poluidores???
    Dados retirados dos sites da especialidade.

  11. Silva says:

    O teletrabalho poderia resolver muito… Horarios desfasados tambem… resta as pessoas quererem

  12. ElectroescadaS says:

    Isso é tudo muito bonito mas existe a meu ver mais um factor que não sendo de grande importância para quem tem carro e “coitados” daqueles que têm forçosamente têm de usar os transportes públicos é o factor desta pandemia. Pelo que me apercebo muita gente tem medo de se misturar na população em geral, ou seja por causa do distanciamento ou porque vendo bem não sabemos se a pessoa do lado estará ou não infectada, ou porque “supostamente” as máscaras protegem ou não. No fundo criou-se o medo na população em geral que quem tiver carro e puder continuará a usar a viatura própria para se deslocar.

  13. Alex says:

    Ora bem eu para ir para o meu trabalho não tenho qualquer hipótese de usar transportes públicos a não ser um taxi/uber/similares, tenho a minha vida organizada e para ter um carro equivalente ao que tenho agora mas elétrico tenho que gastar cerca de 50 000€, qual é o verdadeiro incentivo do estado para a troca (os miseros 3000€) é uma estupidez aumentarem os impostos aos carros antigos porque mesmo assim vai compensar, comparado com os carros novos, os transportes publicos é tudo muito bonito mas aqui na minha cidade (Braga) os autocarros já saem atrasados do proprio parque, o governo que penso em verdadeiros incentivos. Mas para todos os defensores dos impostos gostaria que me explicassem que medidas para melhorar o meio ambiente são feitas com os impostos extra que pagamos (acho que tap, novo banco, etc nao contam…)

  14. PJA says:

    Aí vem mais taxas.

  15. PJA says:

    Mas a Dinamarca e os Países Baixos andam bicicleta e poluem? E a Alemanha. Não se usa nada o automóvel. A UE está mesmo uma maravilha.

  16. Ze says:

    E onde está essa Poluição?
    Investir mais nos Transportes Públicos e inverter viaturas antigas para as novas!…
    Não refiro apenas ao eléctrico mas as novas viaturas poluem muito menos que os de 1998 e por ai…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.