PplWare Mobile

Portugal: Fim das faturas em papel permite “poupar” 281 mil árvores


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Pérolas says:

    É tudo muito giro e engraçado, mas, a contabilidade das empresas continua a necessitar do original da factura para que a despesa possa ser considerada como um custo… Tenho curiosidade em saber como vão dar a volta a esta questão…

    • Cfpinto says:

      É o fim da fatura em papel. Não o fim da factura. A contabilidade pode ser feita sem papel. Na empresa onde trabalho só aceitamos factura em papel se tiver q ser. Preferimos digital

      • GM says:

        Pergunte ao gabinete de contabilidade da sua empresa como vai classificar as despesas. Coloca o carimbo no monitor???
        Para clientes particulares, faz um certo sentido, ou mesmo quase todo, o fim das facturas em papel. Para empresas, não.
        Imagine uma factura, que é o mais normal acontecer, que contenha diversas despesas que serão alocadas a diversas contas de contabilidade, despesas essas que terão de ser classificadas com as respectivas contas do SNC. Como faz, até inserir essas despesas no programa de contabilidade, já com as despesas classificadas, se estas forem em formato digital? Imprime para poder classificar? Não sou contabilista, mas é a minha esposa, e vejo-a trabalhar, e confrontar-se com esta situação amiúde. Carece sempre de ter a factura em papel, e em formato A4 para poder classificá-la (colocar o/os carimbos para inscrever as contas de SNC). Se for em talão, apensa-a a uma folha A4 para poder carimbar e classificar. Mais uma vez, um tema desenhado com as unhas dos pés, em vez de ter sido com cabeça e com a ponta dos dedos das mãos. Foi pensado apenas no título, não em toda a sua abrangência.

        • TwoEyez says:

          Como é que trabalhavas sem email? enviáva-se fax… se calhar é o proximo passo trabalhar sem papel… é muito facil classificar isso se der entrada da fatura nas compras de qualquer ERP.

          • GM says:

            Para empresas que tenham software ERP. Vai a uma vila no Portugal profundo, pergunta a um gabinete de contabilidade, se lhe compensa ter um software dessa capacidade, para tratar 50 ou 100 clientes. Para tal, seria necessário que todos esses clientes tivessem o mesmo software de gestão comercial.
            Para empresas que tenham o gabinete de contabilidade interno, não digo que não funcione. Como disse, não foi pensado na sua abrangência. Mesmo com compatibilidade entre softwares.

        • Pérolas says:

          Mais, e no caso de uma fiscalização??? Tanto quanto sei a lei obriga a que a contabilidade tenha os originais das facturas e não cópias ou registos digitais… e no caso das Notas de Crédito que têm de ser assinadas pelos clientes quando existem devoluções??? Ainda há muito para andar até acabarmos com o papel… No entanto seria um grande salto evolutivo acabar com o papel…

        • COISO says:

          Um programa para classificar fatueas eletronicamente? Não me parece nada complexo.
          Fossem esses todos os problemas.

          • Pérolas says:

            Não é bem assim, é algo extremamente complexo e o mínimo erro pode resultar num prejuizo tremendo para a empresa… Se em toda a cadeia só existissem máquinas iria funcionar, mas, basta teres ai no meio a intervenção de 1 ou mais humanos para teres os ingrediente de uma receita para o azar…

          • GM says:

            Concordo. E como tal, esse software está pronto para entrar no mercado já a partir de Janeiro/2019, certo? Ah, já agora compatível com as dezenas de softwares de facturação (certificados) existentes no mercado. Como disse, assunto tratado com os pés. Primeiro anuncia-se a decisão, depois confronta-se com os problemas, a seguir verifica-se que não é possível atingir em tempo útil. Pelo meio, põe-se em alvoroço pelo menos uma classe profissional.

        • User Pplware says:

          Se os dados estiverem já no site das finanças associados ao contribuinte da empresa, a validação será digital. As pessoas têm de se soltar do paradigma baseado nos papeis de um lado para o outro, o papel nada mais é que o suporte, o que interessa é a informação.

          • GM says:

            Não se trata de validação, trata-se de classificação dos items / artigos facturados. Para um cliente final, no site e-fatura, só tem de dizer a que é que é alocada a factura: saúde, manutenção de veículos, despesas gerais familiares, etc. Para uma empresa, já não é assim. Cada artigo adquirido e contido na factura tem de lhe ser atribuída uma conta de SNC, para a contabilidade da empresa.

          • Toninho says:

            Qualquer programa de contabilidade decente importa o saft tirado do efatura. Para que serve o papel?
            Só se for para conferir se está tudo no efatura….

            Um gabinte de contabilidade importas os saft’s exportados do efatura e está feito.
            Há muita gente a coentar que não sabe o que se passa….

            Estamos um pouco mais avançados do que muitos pensam.

        • Cfpinto says:

          Talvez não ficou claro porque só falei em facturas mas nós não usamos papel ponto. Não imprimimos nada a menos que seja estritamente necessário. Não só não imprimimos como não rabiscamos em papel. Não usamos post it’s nem etiquetas. Se pudéssemos nem papel higienico mas as pessoas têm que limpar o rabo. É possível sim. Só é preciso criatividade e investimento. Depois compensa

          • mlopes says:

            então e ainda não conseguiram acabar com o o mais fácil, o papel higiénico, porquês? no médio oriente e na ásia usam-se os chuveirinhos há mais de 50 anos e com claros benefícios para a saúde em relação ao papel higiénico.
            quanto à fatura desmaterializada ela já é possível há muitos anos através da figura da fatura eletrónica (não confundir com fatura emitida por software informático) prevista no nº 10 do artigo 36 do código do iva. mas tal emissão so é possivel entre sujeitos passivos (as relações com consumidores finais estão fora do âmbito) e por mutuo acordo desde que seja possível garantir a sua autenticidade recorrendo a um dos meios previsto no referido normativo.
            no dia de hoje e em todos os outros casos, e são a vastíssima maioria, a fatura em papel continua a ser uma obrigação inquestionável.
            mas tudo pode mudar, basta que mudem a lei.
            já agora queres dar alguns exemplos criativos para acabar com o papel? ajudavas todos os interessados e o ambiente

        • k says:

          Eia, só o tempo que eles parecem perder já justificava completamente um software ERP de jeito… No nosso contabilista, uma fatura é lançada em literalmente 5 segundos. Basta carregar num botão e confirmar as contas.

          À mão, provavelmente tinham que contratar outra pessoa para dar conta de tudo. O valor de um ERP anual é MUITO menor que o custo de um funcionário.

  2. ElectroescadaS says:

    Resta saber se esta medida irá MESMO evitar de cortar árvores e gastar água na fabricação de papel…

    Como o ser humano adora destruir qualquer coisa mesmo…

  3. GM says:

    @Toninho: O ficheiro SAF-T não se vai buscar à AT, envia-se para a AT. E não serve para classiicar facturas, serve para comunicar vendas (emissão de facturas).
    A questão que levantei, é: como é que a AT pretende, numa fase em que se pretende eliminar a factura em suporte físico / papel, e sem software de apoio de leitura do ficheiro digital e classificação da factura, como disse acima, dos artigos constantes na factura, como é que o técnico de contabilidade / contabilista procede? Imprime?

  4. Manuel says:

    Para certas empresas não vai ser fácil. Como cliente final a pergunta que me ocorre é como tenho a certeza que a fatura será emitida e enviada para as finanças? Tenho quase a certeza que há muito empresário que está a ver aqui uma oportunidade para fugir ao fisco.

  5. Rafael Encarnação Cardoso says:

    Não vai mudar nada do que se passa agora.
    Se as pessoas querem factura em papel podem a pedir, a diferença está no facto das empresas imprimirem a factura e o cliente nem a leva ou mete logo no caixote do lixo.
    As facturas continuaram a ser emitidas, apenas são impressas para quem as queira em formato de papel.

    • ElectroescadaS says:

      Eu guardo todas as facturas que me passam no acto da aquisição de produtos ou bens. Se me garantirem que essas facturas são introduzidas no e-facturas posso muito bem não as pedir ou guarda-las.

      E agora pergunto eu: Se as Finanças nos pede para guardar as facturas durante 2/3 anos e se não as tenho como é que a “coisa” se resolve?

      • t says:

        Para os privados acho que é 5 anos

        Nas empresas o prazo para a conservação dos documentos é de 10 anos se não me lembro mal… se não o alteraram entretanto… como o fizeram há alguns anos atrás (que tiveram de anular a alteração passados poucos meses)

        Se não o tiver… não há problema… 😛 se tiver uma fiscalização SÓ tem de alterar o irs do ano requerido, com os custos inerentes (coimas) da entrega fora de prazo e alterações dos beneficios e correcção dos valores pagos/a receber 😉

        PS: a brincadeira fica-lhe muito cara

      • Rafael Encarnação Cardoso says:

        Será, supostamente, possível o envio das facturas para o mail.

  6. Morais says:

    Tendo em conta que se plantam árvores propositadamente para fazer papel, irá equivaler a não serem plantadas essas 280mil árvores e não contrário. De resto As contas que se fazem são mera estimativas sem informação fidedigna por base.

    • ElectroescadaS says:

      No fundo é só mesmo para “encher chouriços”. Não acredito que se ande a plantar árvores só para fabricar papel (partindo do principio que uma árvore demore meia dúzia de anos para crescer)…

  7. Greenshines says:

    Adivinho o aumento do desemprego…

  8. JR says:

    Se não fosse eu a introduzir as facturas no portal das Finanças não me pagavam nada de IRS.

  9. AC says:

    Tanta discussão para a montanha parir um rato, que raio de notícia é esta??? podem informar onde está vinculada a informação que as faturas em papel vão acabar em Janeiro de 2019?? quem ler a notícia ou as notícias fica a pensar que vai deixar de poder emitir faturas em papel o que é redondamente mentira!!!

  10. Falcão Azul says:

    Vão às mercearias,cafés,oficinas das vilas e terras mais pequenas em Portugal(até em cidades !!),e digam-me como é que as pessoas se vão desemerdar sem as facturas em papel,para as entregar depois na declaração de impostos !! Digam-me lá !! Elucidem-me !! Pessoas que nem numa tecla de computador sabem mexer.Vá,elucidem-me lá. 😐

  11. Bruno says:

    La vão os idosos ter cursos de informatica e criar contas email para poderem ver as faturas da agua e da edp no email …..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.