PplWare Mobile

Portugal vai ter 14 novas centrais solares fotovoltaicas


Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

28 Respostas

  1. vida says:

    Assim penso que vamos no bom caminho, apesar de ser tardio…

  2. Elypse says:

    Muito boa notícia. Temos de investir muito em energias alternativas. Cobrir o Alentejo de painéis solares e facturar á grande!

  3. joao santos says:

    Desde que os preços da eletricidade baixem tudo bem do que vale ter eletricidade de petróleo ou do vento se os preços estão sempre a subir

  4. Goncalo says:

    Alguem sabe qual a empresa que vai instalar estas 14 novas centrais?]

  5. jAugusto says:

    Subsidios aqui vamos nós…

  6. Joao ptt says:

    Só de pensar que já poderiam existir milhões de painéis solares em edifícios privados se o estado não tivesse no bolso das empresas privadas de energia eléctrica e a fazer tudo para complicar a vida às pessoas. Que desperdício de energia!

    • Alex says:

      Concordo plenamente. É um absurdo que se cubra paisagem com painéis solares, quando temos tantos telhados para cobrir.
      Infelizmente para os particulares o preço de venda de electricidade é absurdamente baixo tornando apenas viável o auto-consumo.
      Durante o dia os portugueses pagam o kWh a mais de 0.2€, mas consegue vender apenas a 0.05€ (a confirmar os números). Mesmo com custos de distribuição, garantias, etc., a margem de lucro seria absurdamente alta!

  7. Carlos says:

    Apesar de tanto investimento e a nossa produção interna já ser acima dos 75%, continuamos como uma das facturas mais caras da Europa…

  8. Hugo Gomes says:

    Essa dos sem custos para os consumidores deve ser para rir, estao a atirar ja nao é areia para os olhos mas sim torroes a malta

  9. Joaquim says:

    Areia para os olhos, é mesmo pedradas na testa.
    Sem custos para o consumidor ☹☹

  10. Manuel says:

    O carro eléctrico vai incrementar a produção da energia solar. As pessoas verão o proveito de ter em casa uma bomba de combustível e de electricidade.

  11. vida says:

    Devia existir uma lei obrigatória nas novas construções, onde devia existir a pré instalação fotovoltaica e aquecimento de águas, assim no futuro podíamos aderir a novas instalações…

    • João Nunes says:

      Caro vida, essa lei já existe desde 2006 e obriga à instalação efectiva, não somente pré-instalação. Para mais esclarecimentos consultar o site da Adene em http://www.adene.pt

    • Alex says:

      Segundo as minhas contas, preciso de 24 anos para pagar o sistema solar térmico que me obrigaram a instalar, incluindo juros mas não manutenção. Ou seja só mesmo porque fui obrigado (tenho gás natural no local).

      • int3 says:

        24 anos ????????

      • Just love technology in general says:

        Nao precisas gastar assim tanto dinheiro, para demorares 24 anos a recuperar o investimento deves estar a pensar comprar material bordado a ouro e com diamantes encastrados.
        Agora a serio, deves estar a fazer mal as contas, os materiais estao cada vez mais baratos e ja existem kits a precos bem suportaveis, e se fizeres as contas ao que pagarias a EDP durante esse period veras que poupas imenso. No entanto com as novas telhas solares, alem de ser muito mais barato, torna-se ainda mais facil a instalacao, alem de um excelente aproveitamento de toda a rea dos telhados. Pesquisa sobre isso, é muito interessante o que se está a evoluir e a fazer nesta area.

  12. Sabichão says:

    Caro, a lei que refere aplica-se às AQS, 1m2 de painéis solares térmicos por pessoa. Para painéis fotovoltaicos não existe qualquer obrigatoriedade.

  13. vitolas says:

    ola, essa lei tambem ja foi ultrapassada, acabei de construir e ja nao fui obrigado, tinha era de ter outra fonte renovavel, optei por bomba de calor e caldeira a pellets.

  14. Rui Costa says:

    Do pouco que sei sobre a este tema fico com uma dúvida. Segundo me explicaram em tempos existem muitas perdas ao longo das linhas de alta e média tensão e quanto maior a distância entre o ponto de produção e o ponto de consumo maiores serão as perdas.
    Ou seja, podemos estar a produzir 10MW numa qualquer central – independentemente do tipo de central – e o que chega aos consumidores é apenas 9MW.

    Sendo assim, quer em termos de eficiência da rede quer em termos financeiros, não seria preferível o estado fomentar a produção para auto-consumo e a micro-geração? É que em ambos os casos a energia produzida é injectada na rede a 220 volts e é consumida logo na própria casa (auto-consumo) ou, consumida na própria casa ou casas ou outras instalações muito próximas (micro-geração).

    • Just love technology in general says:

      E estariam todos os proprietários disponíveis para esse investimento? Nem toda a gente tem a capacidade financeira para esse investimento inicial, mas sim, concordo contigo, isso seria o ideal. O que se poderia fazer era o Estado providenciar uma espécie de empréstimo com uma mensalidade equivalente ao que o proprietário estaria a pagar a EDP, assim seria mais fácil. Mas sera que o Estado tem a capacidade financeira para isso? Pois, o nosso Portugal não está muito famoso para essas aventuras, infelizmente.

    • Verissimo says:

      Tudo bem.
      Mas assim EDP, REN , Endesa eGalpnão ganhao

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.