Quantcast
PplWare Mobile

Portagens: Desconto de 50% vai sair dos bolsos dos contribuintes?

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Carlos Fernandes says:

    é por estas e por outras que deviam ser gratuitas…ao menos viajava mos mais cá dentro….depois do confinamento.

  2. Hélio Musco says:

    É sempre mais fácil taxar mais do que cortar despesa. Por exemplo, se 50% são 200 milhões €, então o regaste da TAP podia pagar esse desconto durante 20 anos.

  3. Tabonitota says:

    Ahahah. Muito bom. Ao menos foi sincero embora isso a gente já sabia. Agora ….200 milhões de euros para reparação e manutenção das estradas chamadas ex-SCUTS ? Hmmmmm algo não está certo aqui.

    • Euéquesei says:

      Está certo está.
      Quer saber como?
      Simples, inflacciona-se o preço final e todos ganham.
      Nunca ouviu falar em obras que deveriam custar 100 000 e depois chegam a valores estratosféricos devido a ” imprevistos ” ?

  4. GFan says:

    Se a receita é para vir do OE, o melhor é entregar a manutenção das ex-SCUTS às autarquias.

  5. Rui Girão says:

    A questão que fico sempre a pensar é, OK com a utilização atual perdem 200 milhoes mas qual é a previsão de aumento de trafego? se duplicar ai a receita é a mesma, e duvido que duplique o gasto…

    • Carlos Fernandes says:

      Olha que não é bem assim, se aumentar o tráfego vai aumentar o desgaste, logo o OE vai ter de desembolsar mais, vêm nas ótica das PPP em Portugal. Se existir menos tráfego o Estado tem de pagar a compensação até ao valor do contrato, se existir o tráfego estabelecido o Estado paga o o valor do contrato, se o tráfego superar o Estado o valor do contrato mais os custos do aumento de tráfego. Não pensem que isto está relacionado com um Governo, todos fazem, só muda as empresas do contrato ou os CEO dessas empresas.

  6. Há cada gajo says:

    Mas de onde é que pensam que vem o dinheiro que o Estado gasta ? Anda tudo a dormir ? Santa ingenuidade.

  7. PML says:

    Isto é a história do país – estas concessões foram feitas e as investigações não deveram em nada. Para entender:
    Estas autoestradas foram pagas na sua maior parte pela UE e uma parte menor pelo estado Português. Depois foram concecioadas estradas de milheõs de euros a empresas privadas que apenas têm de fazer a sua manutenção (as estradas durante os anos de concessão são novas e a manutenção tem valores relativamente baixos, mas claro orçamentam-se valores elevados para mostrar que estas empresas têm muita despesa. Como o estado tem pena destas pobres empresas, então compromete-se todos os anos a meter-lhes nas unhas um valor (ex:200M de euros). Se as portagens chegarem o estado não paga, mas se não chegarem o estado ajuda as pobres empresas. É como abrir um negócio em que o rendimento é sempre garantido… E assim todos pagamos, deixamos de usar por serem caras (precisam assim de menos manutenção), mas a RSI das empresas é garantida.
    Das duas uma – ou somos um país de esquerda e neste caso queremos as portagem sem custos para os utilizadores de forma a desenvolver o interior e diminuir as assimetrias do país (o interior tb paga aeroportos sem ter os bebefícios) ou somos de direita e as estradas são pagas e concessionadas a privados, mas são eles que ficam também com o risco da gestão. Ou então não somos nada e temos o país que temos… Para mim tanto me faz uma ou outra opção, agora esta é a pior de todas.

  8. Petrus says:

    Em conclusão, além de ter de pagar por inteiro as portagens das autoestradas que uso (as que servem a cidade onde moro são todas pagas), ainda tenho que descontar impostos para os privilegiados que beneficiam de reduções. Está certo…

    • darksantacruz says:

      Certíssimo. Já não basta o crime feito aquando dos contratos com as concessionarias das autoestradas lesando os contribuintes agora temos de ser ainda mais lesados com os descontos nas autoestradas? Merece aplausos sem dúvida.

  9. JC says:

    Na “SCUT” A22 o desconto de 50% não foi aplicado porque o PM arranjou maneira de atrasar a medida aprovada no OE.

    Tudo é pago pelos contribuintes (até as despesas supérfluas) e, a menos que os impostos sejam aumentados, ninguém vai notar a diferença.

    De salientar que, por exemplo, esta “SCUT” (agora paga) nem sequer tem um traçado de autoestrada, cheia de curvas, e foi concebida como uma alternativa viável a uma via completamente degradada, a infame N125, mais conhecida pela “Estrada da Morte”.

  10. Miguel Nóbrega says:

    Lá vou eu (madeirense) pagar por isso.

    • Nuno Sá says:

      Essa era desnecessária, porque as imensas vias rápidas grátis na Madeira, foram feitas nos últimos 20 anos com dinheiro que não era dos madeirenses apenas…

    • LR says:

      Só por curiosidade: quem pagou todas as estradas, túneis, infraestruturas, etc, feitas na R.A.M.? Não me vai dizer que foi exclusivamente com os impostos dos madeirenses, pois não? Terá sido com os largos milhões que o OE atribuiu à Madeira, pagos por todos os contribuintes portugueses, muitos dos quais nunca meteram os pés na região e usufruíram dessas mesmas estradas e infraestruturas? Não quero com isto dizer que não eram necessários (não todas, obviamente), mas tem muita piada quando os madeirenses, na continuação do registo do Alberto João e outros, gritam que não precisam do continente e dos seus “cubanos” para nada, mas se as transferências de dinheiro ameaçam reduzir, mudam o registo da gritaria para o eterno “o continente abandona-nos”, “não somos portugueses de segunda”, “somos castigados pela insularidade”, etc, etc…
      E, para terminar, sabe que os seus impostos não vêm para o continente, não sabe? É que o fluxo de dinheiro não é bilateral, é de um só sentido…

    • PTO says:

      Tantos benefícios na Madeira que também são pagos pelos habitantes do continente.
      Caladinho ficavas melhor e não davas erros.

  11. Infinity says:

    Manutenção onde? Deviam era ser gratuitas, ja vi caminhos de cabras com melhor piso, pior é termos a A25 com limites de 80/100 na maioria do troço. Não tarda estão a por portagens nas nacionais onde o limite é 90….

  12. Alvim says:

    Que impostos irão pagar o metro de Lisboa e Porto?

    Que impostos irão pagar a TAP? Ops desculpem a TAL (Lisboa)?

    Etc…. Pois… Só há bonus para alguns… Aaaa país desigual

  13. Alvim says:

    Estas autoestradas SCUTs não têm nenhuma alternativa, até porque nalguns casos foram construídas em cima dos antigos IP’S [Itinerários Principais] .

    Poe exemplo, quando foram construídas a A25, A23 e A24, foram destruídos itinerários que não tinham portagens. Quem quiser viajar por exemplo entre Aveiro e Vilar Formoso, a alternativa é a nacional 16, se é que alguém consegue imaginar que aquilo é uma alternativa!

  14. Luis says:

    Já não chegam o dinheiro que os automoveis deixam, ISV , ISP, IUC , quanto dinheiro o estado arrecada destes impostos?, não chega para a manutenção das estradas? somos o povo que mais impostos paga com os carros, por isso deviam ser todas as autoestradas gratuitas, porque pagar autoestradas e ter as condiçoes que elas têm devem estar a gozar com o povo, só irregularidades, lombas, buracos, lençois de agua.

    • Euéquesei says:

      O povo gosta.
      Veja lá que o PS, que tem demonstrado incompetência criminosa, corrupção, nepotismo, quase uma ditadura, tem quase a maioria absoluta, a ver pelas sondagens.
      Portanto, o Tuga gosta.
      Carrega Costa. Rumo aos 2 euros o litro de gasóleo e 2.5 a gasolina.
      Quanto mais nos roubas mais gostamos de ti.
      Resumindo, na Suíça cada pessoa, use a autoestrada ou não, paga um sêlo anual de 45 euros e tem as autoestradas do país todas à disposição gratuitamente
      Aliás, nem portagens há, dado que cada automóvel tem obrigatoriamente de ter aquele sêlo.

  15. Euéquesei says:

    Cada pessoa não, cada automóvel.
    Assim está melhor.

  16. zepovinho says:

    prejuízos, estao sempre com prejuizos para receber mais uns milhoes. pagos por todos nos.
    Povo cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.