PplWare Mobile

Pela primeira vez vendem-se mais iPhones na China que nos EUA


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Zero Zero Sete says:

    Eles pagam na mesma, e igual… tá tudo bem…

  2. LP says:

    Acho importante é ver o motivo das vendas aumentarem e se o mesmo garante/permite crescimento no futuro.

    • Benchmark do iPhone 6 says:

      Acho que o motivo é os chineses, com posses, quererem o melhor. Como há muitos, ainda há muito para vender.

      Agora, passando à sustentabilidade, o que se sabe é:

      – dos smartphones vendidos na China com preço acima de 500 dólares, 80% são iPhones.
      – a Apple tem uma quota de mercado de 12% do mercado chinês mas fica com a maior parte dos lucros.

      Se, por acaso a concorrência entre fabricantes Android começar a afectar a Apple, tem margem para baixar os preços e continuar a ganhar muito dinheiro.

      • LP says:

        Pode haver muitos mas a vender a este ritmo vão-se esgotar depressa e depois não sei para onde se pode expandir mais… África? Pois…
        Não são os android que vão afectar a Apple, ela é que se vai afectar a si mesma por uma questão de saturação e baixar preços não é solução, antes pelo contrário, mas isso a Apple sabe-o bem.
        Penso no entanto que enquanto as pessoas não se fartarem da marca não vai ter grandes problemas quanto aos lucros.

        • Benchmark do iPhone 6 says:

          A saturação é inevitável (entenda-se por saturação a “desnecessidade” de se comprar novo equipamento – porque o que já se tem é suficientemente bom).

          Começou com os PCs (compram-se menos, não é porque se usem menos, é porque é desnecessário comprar um novo com a frequência de há uns anos atrás), atingiu os tablets (o iPad, por ser bom demais 🙂 ) e já se nota nos smartphones (na China ainda não).

          Em algum momento se vai inverter a tendência crescente nas vendas de smartphones (a cada ano que passa vendem-se mais que no ano anterior, passando a ser ao contrário). A forma como se resiste a isso depende de várias coisas – no caso da Samsung a coisa está bastante cinzenta, no da Apple vai-se ver com os resultados anunciados hoje (dia 27).

          Quando acontecer a saturação nos smartphones, a Apples estará a vender relógios aos montes – ou não 🙂

        • Não Não says:

          Ainda muita gente que não viu a luz… Então o mercado asiático que é muito virado para o phablet, têm muito que vender e converter…

          Têm muito potencial ainda para crescer com o iPad, Mac, Watch, música no iTunes, Apple TV, etc…

  3. poisé says:

    Parece que um dos mercados mais importantes já pertence à Apple no segmento mais caro.

  4. Rui C says:

    Só mostra o quanto a Apple está bem e recomenda-se.
    Já a concorrência, arrasta-se para conseguir manter as vendas.

  5. Dr Teso says:

    Eles tem olhos em bico que nem sabem o que compram.
    Dinheiro a mais, não compram o melhor, mas sim, o mais caro é a lógica.

  6. Benchmark do iPhone 6 says:

    Saiu OS X 10.10.2 com actualizações de segurança, melhorias no iCloud e “fixes” de bugs – o do Wi-Fi, trazido pelo Yosemite (OS X 10.10) atingiu muita gente. Foi dramático em muitos casos, a mim atingiu-me moderadamente. Espero que, finalmente, tenha sido resolvido.

    Aquela coisa do cabo “Thunderstrike” para ligar à porta Thunderbolt ficou resolvido.

    E saiu o iOS 8.1.3, para responder às queixas de ser necessário um espaço livre excessivo para instalar uma actualização do iOS e para “fixar” bugs do FaceTime, iMessages, Spotlight, e gestos multitasking no iPad.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.