PplWare Mobile

Artigo de Opinião: A utilização educativa da tecnologia


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Alberto says:

    Parece tudo muito bonito.
    A escola acima de tudo serve para educar e ensinar aspectos essenciais da sociedade e parte do conhecimento básico para se ter sucesso na vida. Acredito que as tecnologias são benéficas para a evolução sustentável da humanidade até certo ponto. Será mais ecológico a utilização de cadernos, ou a utilização de um dispositivo electrónico que permita escrever? Tera o estado capacidade financeira de dotar escolas com impressoras 3D? não será mais simples e criativo ensinar nas disciplinas já existentes como E.Visual a fazer origami, ou Olearia, entre outros?

  2. Melo says:

    Sou portador de baixa visão e, há alguns anos atrás, fiz uma formação numa instituição para deficientes visuais. Um dos aspectos que me chamou a atenção foi a dificuldade e pouca sendibilidade dos formadores para a necessidade de explicarem certos conceitos abstratos recorendo à sua concretização/materialização, sobretudo, no respeitante às pessoas cegas de nascença.
    Provavelmente, a possibilidade de utilização das impressoras 3D na educação/formação de poessoas portadoras de deficiência visual constituirá uma ferramenta bastante valiosa para educandos/formandos e professores/formadores.
    Abraço,
    Melo

  3. alma says:

    barato pff que a malta gosta

  4. artur coelho says:

    como professor ligado às tic na escola, quer na disciplina, quer em projectos, quer como gestor dos sistemas que asseguram o funcionamento de uma escola hoje em dia devo dizer que subscrevo esta visão. mas sublinho que o mero despejar de equipamentos nas escolas com projectos grandiosos mas uniformizadores é contraproducente. veja-se o falhanço óbvio do magalhães, ou a inutilidade dos quadros interactivos. há cada vez mais grupos de professores que apostam em projectos bem concebidos, assentes em visões estratégicas de médio prazo que sabem equilibrar as necessidades pedagógicas com inovação tecnológica nas escolas. há projectos na programação, robótica, open hardware e 3d que ultrapassam a mera utilização de ferramentas office no apoio à pesquisa e tratamento de informação.

    preparar as crianças para os desafios que as esperam implica mais do que treinar conhecimentos rotineiros. no domínio da tecnologia importa e muito mostrar-lhes que são ferramentas versáteis e que a sua criatividade é o limite, e não as limitações impostas por uma visão do digital cada vez mais virada para o consumo. querem que os vossos filhos sejam meros consumidores, ou indivíduos activos e criativos, capazes de reagir aos desafios inconcebíveis que o futuro lhes trará?

    introduzir, estimular, ensinar a criar. mas, repito, subjacente têm de estar visões estratégicas adaptadas às necessidades de cada escola e não romantismos megalómanos de despeje-se computadores e um milagre acontecerá. pessoalmente estou neste momento a caminhar para ter uma impressora 3d na minha sala de aula, mas por detrás disto está uma ideia que mistura várias disciplinas e aposta em projectos concretos e não o ter a impressora só por ter.

    esta estratégia da bq é interessante porque soube olhar para o panorama de vanguarda das tic na educação e… unificou num pacote único. têm programação, robótica e 3d printing. tudo coisas que ou já se fazem (scratch, kodu, lego mindstorms, robot farrusco) ou são possíveis. só lhes falta o design (mas isso é típico da malta de informática, sempre tão atarefada com hardware e linhas de código que se esquece do desenho, tão importante para afinar as ideias).

  5. ARCDOS says:

    Só uma coisa.
    A Directora Geral da UNESCO, Irina Bokova, abordou e muito bem, o aspecto em geral da tecnologia, repito em geral, com o que terá de bom e o que terá de mau. Eu sou um adepto das novas tecnologias, mas reconheço que a maior parte delas, não veio facilitar a vida ao Ser Humano, que é o seu objectivo primordial. Antes pelo contrário, (entendam desta afirmação o que quiseram). O que penso não será para meia dúzia de palavras.
    Posto isto. O que é que, a impressão em 3D, uma formiga no formigueiro, é dada como adquirida e até parece ser por si só, a única e exclusiva tecnologia propriamente dita, mais nada existe, para além?
    Duas ou três linhas a falar dos malefícios e benefícios da tecnologia em geral, e depois um romance acerca da impressão em 3D. !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.