Quantcast
PplWare Mobile

Noruega ultrapassa os 100.000 carros 100% elétricos vendidos

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Vítor M.


  1. censo says:

    Curioso já que a Noruega é o primeiro produtor europeu de petróleo.

    • okapi says:

      Falta dizer, que é o o sexto maior produtor de energia hidroelétrica do mundo., com as suas mais de 900 barragens hidroelétricas . O Gov. Norueguês nunca deixou de investir em Barragens e nos últimos anos em energias limpas, até a partir do lixo o fazem, e investigam e investem com os royalties provenientes do petróleo e gás.

    • Pedro Lavares says:

      Vivo em Oslo e não há carros no centro da cidade, so bicicletas e veiculos eletricos…respira-se! Apesar de ganhar perto de 10mil por mes aviso que um simples corte de cabelo custa 120euros por isso não comparem

    • Henrique says:

      Deves pensar que a energia que passa pelas tomadas até aos carros vem do céu 🙂

      Apesar que eles também tem imensa energia hidroeléctrica

      • Mário says:

        e muita “chuva”

      • Balmer says:

        De facto parece haver algo chamado energia solar que aparentemente, sem outro remédio, vem do céu.

        Dito isso, é preferível aproveitar a energia da rede que pode ser calibrada de forma a não haver tanto desperdício, ou cada um de nós com um carro inevitavelmente ser um produtor de poluição individual que desperdiça recursos (Mais ou menos, dependendo do para/arranca)?

        Por outro lado, se todos nós usarmos carros electricos, como é que será com a produção de baterias no que toca a consumo de recursos.

  2. Victor F. says:

    Ordenado mínimo deve ser bem mais elevado que o nosso, infelizmente.

  3. Freitas says:

    Cá seria impossível, com ordenados que nem uma pessoa pode ter uma vida digna, com um governo que precisa da gasolina para pagar a dívida que fizeram, com isto o estado abria falência

    • int3 says:

      nem por isso visto que não se comprava tanto petróleo.

      • Freitas says:

        Tens noção dos milhões que o estado ganha com o combustível, e os carros poluentes, os elétricos não vão dar grande lucro, só se aumentarem os impostos sobre eles

        • Pedro says:

          “se”? Mas há dúvidas? Daqui a uns anos, quando começar a fazer diferença, os elétricos vão pagar uns 1000€ de iuc, mais uma taxinha extra daquelas na fatura da luz. E, para evitar que a malta fuja aos impostos, os de combustão interna também vão ter um iuc “ajustado”, mas por razões ecológicas…
          Quem possa que compre agora.
          (nota: adoro carros elétricos, temos é que ter a noção que o “rendimento” dos impostos não vai baixar)

  4. Silvio ferrare says:

    MMuito legal esta atitude deste país para a nossa vida no planeta terra e a natureza agradece os esforços ,

  5. Carlos Silva says:

    Por cá os incentivos passam por baterias alugadas a 70€/mês, ou por um “extra” chamado bateria no valor de uns módicos (quase) 10 mil euros.

    Para não falar do valor dos carros face à média miserável de vencimentos.

    Gostava muito de ter um Tesla S mas, a acontecer alguma vez, provavelmente, só quando já for um clássico…

  6. Filipe Teixeira says:

    Muito pouco, precisamos de muitos mais carros electricos, precisamos de mudar muita coisa no mundo de hoje.
    Se hoje parassemos de lançar co2, ja tínhamos danos irreversíveis no planeta, imaginem ao ritmo que isto anda, tenho sérias dúvidas que a vida como a conhecemos hoje, seja possível no fim do século.
    Eu como jovem, pondero sinceramente se vale a pena trazer um filho a este mundo, não há futuro pra ninguém a vista.
    Desculpem o desabafo.

  7. Aj says:

    Nao estou a ver os portugueses a largar a sua querida caixa manual lol

    • blabla says:

      E portanto és tu que falas por todos… Tá certo… (not)

    • MCosta says:

      A caixa manual provoca acidentes e problemas no motor ?! Aqui está algo que gostava de ver explicado em mais detalhe (quanto mais não seja para me divertir um pouco).
      Em relação às caixas automáticas (que têm prós e contras), só lhe digo uma coisa: espero que nunca tenha problemas com elas. Porquê? Porque a maior parte das marcas nem sequer perdem tempo e recursos a tentar reparar as caixas devido à elevada complexidade das mesmas; geralmente trocam as caixas com problemas por novas (com os custos a ficarem do lado do condutor).

      • Pedro Lavares says:

        A maioria dos condutores puxa demasiado pela caixa ou faz mal o ponto de embreagem o que prejudica o motor a medio longo prazo. Em automatico o carro nunca vai abaixo e é tudo controlado ao maximo em prol da seguranca e comodidade..quem experimenta não volta atras garanto lhe. O tuga que critica e porque n tem dinheiro para um..exactamente como no iphone.

        • Henrique says:

          A explicação que deste estava perfeita até comparares com o iPhone, tens noção que há Androids tão ou mais caros que iPhone certo? Aliás a maior parte dos AppleFanBoys em Portugal usam iPhones comprados já fora de geração (porque status é super fixe) tenho amigos que dizem o que disseste isso do $ mas vamos a ver e eles têm um iPhone 5 ou 5s comprado quando já saiu o 6s e eu aqui a responder-te no meu S7 Edge. Fora isso tens toda a razão a caixa automática é um conforto que raramente pouca gente volta atrás e realmente é um extra bem carote, mas se estragar também é um flagelo…
          Abraços

        • Victor F. says:

          Levava o teu comentário em consideração até ler a última frase. Snobe.

        • ff says:

          LOL
          Ja experimentei caixas automáticas (Smarts, e de audi A8, A3, PAssaT, picasso) ou seja varias e continuo a preferir caixa manual. Assim como prefiro Android! (e tambem ja experimentei iphone) embora não perceba a estranha ligação que fazes entre uma coisa e outra…
          Gostos são gosto e ainda bem que não gostamos todos do mesmo 😉

        • Diabo Vivo says:

          Mais um que estaria disposto a ser enrabado se isso passasse a ser moda…

        • Balmer says:

          Aaah, então és desses? Opá, perdeste toda a credibilidade

          Mas como já disseram acima, não falas por todos. Period. Não está na mesa para debate dado conhecer quem anda com carros com automáticas que gostavam de poder trocar pela caixa manual classica quando andam na cidade.

          🙂 Lembra-te, também há o tuga que critica que ganha muito mais do que tu.

    • Joao Reis says:

      Exacto, o maior problema de todos. Pode parecer brincadeira mas é mesmo assim, preferem inseguros a usar um sistema muito mais seguro como simples caixa automatica auxilia e muito nas travagens por razões óbvias, mas não, mudanças manuais é que é bom…..:

      • Pedro says:

        Como alguém que nunca conduziu uma viatura automática, o que é que torna as essas caixas mais seguras nas travagens?

        • eu says:

          Não sendo proprietário de nenhum carro automático (mas tendo conduzido vários desde as “caixas” velhas e burras até às mais modernas DCT/DSG/XPTO Tornic….) acho que posso responder pelo João Reis.
          Numa travagem de emergência, na maior parte dos casos: pedal do travão a fundo enquanto que a embraiagem depende. Se for com ebraiagem com pedal a fundo, deixas que sejam os travões a ter o trabalho todo. Se por acaso não carregarem na embraiagem, quando chegas a rotações baixas, em vez do motor estar a ajudar a reduzir a velocidade, começa a desajudar, pois o motor vai tentar que não desças tanto a rotação para não se ir abaixo. 3º potencial problema, para quem reduz com a caixa….reduções à bruta sem controlo da embraiagem/sem deixar a embraiagem patinar (bom para a ir rebentando) ou sem usar o potão-tacão (heel and toe), por causa da diferença brusca da rotação vais fazer com que o eixo de tração faça com que as rodas passem a rodar mais devagar de forma abrupta, quase com o efeito de bloqueio das rodas, e consequente perda de tracção.

          Posto isto…nas travagens as caixas automáticas, têm os mecanismos de redução da relação de modo a funcionarem quase sempre de forma perfeita, para auxiliarem a redução de velocidade.

    • Joao Reis says:

      Amén, tu e eu, e esta mudança já devia ter existido, quantas mortes não eram evitaveis, é só entender como se processa uma travagem de um veiculo, a caixa trava mas só os automaticos conseguem responder com a rapidez necessária.

      Enquanto nao existir mais informação dos perigos e custos das caixas manuais, não vai mudar o cenário, o machismo latino também conta ao entrave.

    • João MS says:

      Mas usas caixa..é um componente que não existe nos carros eléctricos. A que problemas no motor te referes, concretamente?

    • AJ says:

      seja boa, seja má ela tem os dias contados.

  8. norke says:

    Carros electricos, etc… eu teria mesmo varias questoes que por acaso nao me tem sido respondidas em diversos lugares. A autonomia dos carros electricos, o verdadeiro custo da carga a electricidade. Conforme vivemos hoje acho dificil haver maneira de carregar as baterias de forma confortavel (nem todos vivemos em vivendas muitos vivem em apartamentos). Os Teslas fiquem la com eles so confio em fabricantes de carros a serio.

    • Vida says:

      Eu vivo num apartamento sem garagem, existe alguma hipótese de conseguir colocar um« carregador na rua e ficar com lugar na frente do prédio?

    • Carlos says:

      Repara que na primeira foto, tirando logo o segundo carro que não dá para perceber que carro é, todos os outros são Nissan.
      O que não é nenhuma surpresa, porque o agora grupo Renault/Nissan/Mitsubishi é de muito longe o maior fabricante do mundo de carros elétricos.

  9. Bm says:

    Preços exorbitantes para as nossas carteiras!
    Como querem que o povo compre veículos eléctricos!

    • Pedro Lavares says:

      O tipico tuga critica mas n trabalha nem tem inteligencia para mais logo que nao se queixe. Quem é esperto que emigre e procure uma vida melhor…mudei para Oslo por um ordenado 4x superior e acabei por me casar e ficar por ca. O inicio n é facil mas depois com trabalho tudo acontece

      • Bm says:

        Mas achas que a solução é emigrar!Porque não ter as mesma oportunidades que nesses países?

        • Dumitru says:

          Claro que esta é a soluçao, porque achas que pessoas a vir para portugal? Porque no pais deles é pior que Portugal e o mesmo aplicasse ao portugueses a irem para outros paises melhores. Eu ca estou na alemanha, nao gosto das cidades,lingua e muito menos o tempo, em portugal o tempo é muitoo melhor, mas depois tem a diferença de salarios…

  10. MCosta says:

    Alguém me sabe indicar um site onde possa ver quais os benefícios dados pelo Governo Norueguês para a aquisição dos carros e respectivo programa de incentivos? Gostava de comparar com o “incentivos” que o nosso (des)governo supostamente oferece.

    • Pedro Lavares says:

      Aqui o governo da 20% do valor total do carro e corte nos impostos anuais do carro. Tenho um leaf e pondero um tesla para este ano, melhor não há.

      • Dumitru says:

        O unico problema que vejo nestes carros é a pouca quilometrajem. 150km isto se desligares amaioria dos perifericos no carro. Ou tem mais autonomia que os 150?

        • Álvaro Campos says:

          Começam a aparecer carros com mais autonomia mas a diferença entre o tempo de “carregar” um carro convencional e um elétrico é mais preocupante.
          Se conseguisses carregar as baterias em 5 minutos (mesmo assim será mais que encher um depósito) ainda acabava por compensar os, por exemplo, 300 km reais do novo Renault Zoe…
          O custo de aquisição é outro problema, mesmo com ajudas estatais é sempre mais caro que um carro convencional. Se calhar os custos diminuirão com a massificação já que praticamente todos os construtores estão a explorar a solução elétrica.

          • Pedro says:

            Os Tesla “superchargers” têm uma potência máxima de 120 kw por carro o que, fazendo umas contas de merceeiro, levaria cerca de 20 minutos a carregar o Zoe (41 kwh), se estivesse mesmo a zeros…
            Tenho ideia que o “normal” é os carregadores rápidos serem de 50/60 kw, o que poderá elevar este tempo para perto de 1 hora (40 a 50 minutos, mas não é linear).
            Mesmo assim, não acho muito mau para o que seria o normal “para mim”, que faço cerca de 70 kms/dia e tenho garagem (um Leaf dos antigos chegava bem, embora só como segundo carro).
            Nas viagens maiores (tipo 400/500 kms, 2x ano, max), fazer uma pausa a meio não é muito problemático (mais uma vez, para mim), mas também não sei qual será a autonomia real a 120/130 kms/h – se tiverem que ser duas paragens, já fica (muito) mais chato.

            Importante é que haja carregadores rápidos em todas as estações de serviço e shoppings! Acho que, junto com os 300 kms de autonomia que começam a ser a norma, resolveria o problema de quase toda a gente em Portugal.

            É claro que o preço deles, pelo menos por enquanto, faz com que o que escrevi acima não seja fazível para muitos de nós, por muito que as contas a médio prazo sejam favoráveis aos eléctricos…

          • Dumitru says:

            sim estou da mesma ideia, os carros automáticos deveriam ter uma norma de um mínimo 300 kms, por uns 300 kms ja poderia esperar 30 min para carregar, não era um problem 30 min, mas como se ve nesses leafs etc, 150 km e a carregar em 1 hora é que não da. E depois deveria se meter carregadores na maioria dos postos de abastecimentos, assim ja não seria um grande problem fazer viagens maiores, digo eu

  11. Informático Amador says:

    É difícil implementar cá, verdadeiramente, os automóveis eléctricos como norma. Além dos preços – elevados para os salários baixos que se pagam neste País – há os ditos incentivos que por cá, acabam por ser banais, e claro, o pequeno factor de que todos os governos vão buscar fortunas ao imposto sobre produtos petrolíferos. Já imaginaram um governo – este, ou qualquer outro – sem o “salva-vidas” habitual dos impostos sobre combustíveis? Ou arranjavam qualquer outra coisa para nos ir aos bolsos, ou cortavam em qualquer lado. Se a Tesla vier para cá… Talvez as coisas mudem. Se não, vai demorar muitos anos até atingirmos este patamar da Noruega.

  12. Alvega says:

    Deixo uma questão, ao “lobby” dos carros eléctricos, sim é deste blog que falo:
    Ao ler a descrição da distribuição por segmento,
    Quantos sao os carros das forças policiais ?
    Dos bombeiros, e ambulâncias?
    Da emergência medica?
    Dos militares, se é que a Noruega tem exercito?
    Do transporte do nosso fiel amigo Bacalhau?
    Vou parar por aqui, para nao ser fastidioso.

  13. milkshaker says:

    È tudo uma questão de mentalidade da parte da população e de atitude do Governo. Por cá acho difícil atingirmos os números que já estão a ser atingidos na Noruega, por diversos fatores. E não venham com a história que é porque ganhamos mal. Ganhamos mal sim, e temos muitos impostos também. Mas acho que se nos aumentassem os ordenados e não houvesse os constrangimentos dos mesmos, a maioria das pessoas iria optar por comprar um BMW todo XPTO e um iphone 7, deixando os eletricos de parte. Lá está, é uma questão de mentalidade. Por mim é como alguns de vós disseram, só não compro um Tesla Model S porque não posso mesmo .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.