Quantcast
PplWare Mobile

Maior ponte suspensa pedonal do mundo é em Portugal (Arouca)

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Motor says:

    175 metros de altura. A Altitude é outra coisa.

  2. Vasco says:

    Do ponto de vista técnico, obra muito interessante. Do ponto de vista paisagístico e ambiental, e que tal se deixassem a natureza em paz e sem intervenções humanas?
    Outro ponto: Todos os problemas de Arouca e terras adjacentes já foram resolvidos? Quanto custou a obra? Não existem outras prioridades, outras questões muito mais urgentes por resolver, ou sobra dinheiro às autarquias para rasgar em obras acessórias? É que pelo país todo é só mamarrachos, passadiços e “arte”, como a que foi inaugurada no dia 25 de Abril em Oeiras, no Parque dos Poetas – um obelisco, supostamente maçónico-, que custou à autarquia 600 Mil Euros!!!
    Vejo com agrado que o país anda a nadar em dinheiro.

    • Motor says:

      Aconselho-te a ir visitar e vais perceber que não é nenhum mamarracho, até porque se paga bilhete para desfrutar.
      Os passadiços do Paiva são um enorme e justo chamariz para aquela região, e esta nova obra insere-se nos percursos já desenvolvidos. Com 200 mil visitantes anuais, aquilo fica pago em poucos anos.

      • Vasco says:

        Não duvido. Questiono é só o sentido de se gastar dinheiro numa altura destas, em que muitas empresas estão à beira da falência. Tudo deve ser feito no seu tempo próprio.

        • Motor says:

          O dinheiro já está gasto há bastante tempo, a obra já estava numa fase muito avançada antes da pandemia.
          Haver empresas à beira da falência não é justificativo para que não se invista em algo que deverá ter retorno, quer direto, quer indirecto para negócios locais… Quem quer que já tenha visitado a zona percebe bem que basta um pouco mais de publicidade internacional para aquilo ficar inundado de turistas estrangeiros.

        • Motor says:

          Bem mais duvidosas são ideias como o elevador na Ponte 25 de Abril, que deve ter custado bem mais do que isto, para se ter um número limitado de visitantes a ver pouco mais do que nada ao lado do trânsito automóvel…

          • Petrus says:

            Quando o dinheiro é para Lisboa nunca há problema. Seja para pontes, seja para o metro, ninguém diz que não é prioritário. Agora, se for para um caminho municipal em Cascos de Rolha, já é dinheiro mal gasto!

          • Tuga says:

            Já lá foste ?

    • Petrus says:

      Quando o dinheiro é para Lisboa nunca há problema. Seja para pontes, seja para o metro, ninguém diz que não é prioritário. Agora, se for para um caminho municipal em Cascos de Rolha, já é dinheiro mal gasto! Antes esta ponte que mais um baloiço ou a ideia idiota de fazer um teleférico no Gerês.

      • JP says:

        Bom, também essas são pagas, e bem pagas. aliás, estão mais que pagas, e continua-se a pagar a Ponte.
        Se quer falar de pontes grátis, tem que falar de outra cidade um pouco mais acima.

  3. Joao Ptt says:

    Não acho bonito, pelo que se vê nas imagens.
    Pelo menos não é feito de madeira, o que sempre me deixa um pouco mais “descansado” que vai durar mais tempo, logo é um investimento que potencialmente terá um maior retorno financeiro… resta saber se irá cobrir os custos de construção e manutenção, mas acredito que sim.
    Por outro lado quando houver trovoadas na região é o último local onde alguém vai querer estar.
    Espero também que tenham projectado bem para com os ventos não se auto-destruir.

  4. jorgeg says:

    €12.00 e um assalto, tipico dos xuxalistas!

  5. poiou says:

    Esperem só 5 minutos que o chinês está a apertar o ultimo parafuso da ponte 550

  6. xico says:

    Em Portugal é tudo à grande. Somos um país rico

  7. moonlightz says:

    Até pode dinamizar o local atraindo os turistas e tudo o resto mas… esperem até vir uma rajada forte de vento ou outro desastre natural ou algum maluco tentar suicidar-se ou uma avioneta colidir com aquilo…. ou alguem morrer de doença subita…

  8. Pedro Gonçalves says:

    12€ é um preço descabido, mais caro que passar em portagens

  9. Jorge says:

    Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa …. é só tachos para labregos parasitas.

  10. Danniel Siva says:

    Vai ser um bom local para os apaixonados do Bungee jumping apresentarem a sua arte. Era bom que as autoridades locais explorassem esta ideia em termos de rentabilidade.

  11. Bruno Silva says:

    Pois deve ser espetacular atravessar a ponte. O ponto menos positivo é ter que pagar 12€ para o fazer. Lembrar que 70% do seu custo foi financiado por fundos europeus. Mais do mesmo, a Europa paga para os nossos governantes nos roubar.

  12. Paulo says:

    Melhor que o obelisco!

  13. informado says:

    nunca lá irei 🙂

  14. AlexX says:

    Podiam tê-la pintado num tom de verde que se misturasse melhor com o meio onde está, assim destoa e descaracteriza a paisagem. Fizessem trilhos em vez de passadiços e pontes que teria ficado bem melhor.

  15. Bruno M. Dias says:

    Eu acho um verdadeiro atentado ambiental uma vez que não tem qualquer utilidade para além da turística (e lucrativa).

  16. JP says:

    e afinal não é a maior do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.