Quantcast
PplWare Mobile

Licenciaturas: 2.370 vagas para alunos de vias profissionalizantes

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Informal says:

    Como é que tipos que têm o 9 ano de matemática vão entrar em engenharia?
    Será que os professores dos politécnicos vão baixar ainda mais o nível de exigência?

    • Fusion says:

      Fiz ensino profissional no meu secundário (por opção, pois não tinha paciência para as tretas do ensino regular) entrei em engenharia informática, fui depois para mestrado também em informática e terminei como o melhor do meu ano.
      Como eu existem centenas de casos de sucesso idênticos…

      • Informal says:

        E apesar da licenciatura e do mestrado em eng informática, continuas a cair no erro de pegar num caso e generalizar?!
        Acho espantoso como é que com tais qualificações, consigas dar um erro de lógica tão básico.

    • WhoCares says:

      Há politécnicos … e há politécnicos. Há universidade … e há universidades. Etc.

    • Luís says:

      Tenho o nível 4 profissional (nos idos de 2006 era nível 3 ainda), tive q esperar pelo maiores de 23 para conseguir entrar do curso q queria, porque não havia nada destas tretas, pois não cobrimos todos os pontos do programa , nem de perto…
      tive matemática nos 3 anos, logo nem todos os cursos profissionais são sem matemática… mas por outro lado dá-se muito menos matéria (dos 6 volumes previstos, demos menos de 3). e isso nota-se agora na “dificuldade” de fazer Matemática
      ainda fui a exame mas é melhor nem me lembrar da nota…
      é “só” por aí q é mais difícil e requer mais trabalho. essa ideia de q quem é titular de curso profissional nao poder ingressar no ensino superior (seja politécnico ou não) mete piada

  2. Silvestre says:

    É uma forma de dar mais emprego aos funcionários públicos, garantir a viabilidade de politécnicos, com muitos políticos / professores à conta do erário público

  3. Silvestre says:

    Quem fez um curso curso técnico superior profissional, de nível 5, tem de voltar ao secundário e fazer exames, quem fez um curso profissional de nível 4, não precisa de ir ao secundário fazer exames. Qual é a lógica? Significa que menos dá mais.

  4. Almeida says:

    Medida que mexe com o snobismo de muitos neste país onde os licenciados/mestres são tratados por doutores.

  5. Nuno says:

    Sou professor do ensino público, em 21 anos de serviço, já passaram por mim muitas turmas do ensino profissional. A verdade é que mais de dois terços desses cursos são uma solução para “enfiar” alunos problemáticos que já reprovaram várias vezes mas são obrigados a frequentar o ensino até aos 18 anos. É igualmente uma forma de obter financiamento e crédito horário para as escolas. Não quero generalizar, mas infelizmente não se pode comparar o atual ensino profissional com a formação técnica que era prestada há umas décadas em Portugal. O ensino técnico era uma plataforma de qualidade e de elevação sócio-economia, o ensino profissional serve sobretudo para despejar miúdos sem rumo nem objectivos.

    • indignado says:

      Já apanhei acompanhei vários miúdos do ensino profissional em estágios no meu local de emprego na área da informática, aproveita-se um em dez. A maioria só estão nos cursos profissionais de informática porque gostam de jogar computador e é seguindo dizem fácil e ter o 12 ano. Por outro lado apanhei um que realmente era bom fiz-lhe algumas sugestões de universidades hoje é formado e bem empregado mas é uma exceção em 20 anos a receber estagiários dos cursos técnico profissionais.

  6. Eliança Vicente Mendes sou guineenses says:

    Terminei o ensino secundário sem fazer o curso profissional. Quero saber se posso candidatar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.