Quantcast
PplWare Mobile

Legislativas 2022: Tudo o que precisa de saber para votar em segurança

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. Test User says:

    Demonstra necessidade do voto electrónico. Deveria ser opcional para quem queria ou necessita-se de o usar.

    Estas medidas não garantem nenhuma segurança. Se tivessem criado local específico para poderem votar como fizeram com voto antecipado talvez minimizasse. Pessoas vão ter de se deslocar, etc.

    Continuamos com ridículo das listas em papel no século 21 para controlar quem votou .

    • Test_User_Dumb says:

      Para que quer voto eletrónico, daqui a uns dias quer também que todos tenham aulas em casa e não saiam de casa.
      Já se cai nesse ridículo..
      Alem do mais voto eletrónico não é seguro pode ser alvo de ainda maior aldrabice e o voto por correio também a mesma coisa

    • Ochinês says:

      Votei antecipadamente na mesma escola onde voto antecipadamente. As mesas de voto eram menos, cada uma juntava mais nomes, porque os eleitores eram menos.
      As listagens em papel resultam de os membros das assembleias de voto serem designadas por cada partido (ou indicadas pela respetiva câmara municipal, se os partidos não indicarem um número suficiente ).
      O votante é “cantado”, permitindo a cada representante descarregar o eleitor.

      Passando ao voto eletrónico, em duas variantes muito distintas: voto presencial acedendo ao um computador/ “máquina de voto” (em que o eleitor acede a um teclado/ecrã) e o voto pela internet.

      Quanto á “máquina de voto” em vez das listagens em papel, tem a desvantagem de cada partido representado na assembleia de voto não poder exercer nenhum controlo sobre os boletins de voto, enquanto os boletins de voto são “cantados” e circulam pelos membros da assembleia de voto. As “máquinas de voto” têm a vantagem de não ser preciso contar os votos, sendo os apuramentos mais rápidos. As “máquinas de voto” foram adotadas por diversos países. .

      Quanto ao voto pela internet, por alguma razão foi adotado apenas na Estónia.
      A principal objeção que tenho ao voto pela internet resulta de os infoexcluídos – que são a maioria da população, ficaram de fora e, se quiserem utilizar o sistema, o seu voto é facilmente manipulado.
      – O mais simples: “Ó filho/neto, vota aí por mim, que tu sabes em quem eu quero votar” – e o filho/neto troca as cruzes
      – O cacique político a angariar votos, dirigindo-se aos “dele”: “Não é preciso darem-se ao trabalho de ir votar. Venham cá, comem umas sandes de carne assada e bebem uns copos, que votamos por vocês”. Isto não pode ser assim, as pessoas em igualdade de circunstâncias deslocam-se ou não para ir votar (internados, incapacitados ou presos é outra situação, em que a câmara vai recolher os votos – de todos).
      O voto é geral, individual e secreto – e o voto pela internet não o garante.

      • Test User says:

        1- No Brasil voto electrónico presencial desde 1994.
        Na Estonia pela Internet. Existe mais paises a nivel local
        Nesses países não existe dúvidas .

        2- Presencial não é garantia de segurança ou prevenir fraude.
        Não precisas procurar muito longe, Portugal em 1958

        3- Defendo um sistema misto . Quem quer votar electrónico vota. Quem quer ir urnas vai.

  2. Another Test User says:

    Falas de segurança, que presumo que seja relativo à pandemia, mas por acaso tens noção de quantos países utilizam voto eletrónico e dos problemas de SEGURANÇA derivados disso? Portugal já testou isso inclusive, não para as legislativas, se não me falha a memória. O voto físico é neste momento, quer queiramos quer não, a forma mais segura de fazer as coisas, e portanto, a melhor garantia de que tu votaste X e o teu voto contou para o partido X, independentemente do contexto pandémico. Agora, concordo perfeitamente com a parte de “estas medidas não garantirem nenhuma segurança”. Mas a solução claramente não passa por um voto eletrónico. Passa sim, não por fazer “sugestões” para a malta em confinamento obrigatório ir votar da hora X à Y mas sim por obrigações claras que estabeleçam horários em que APENAS pessoas em confinamento obrigatório possam ir votar num determinado intervalo de tempo.

    • Test User says:

      Agora tenho haters: Test_User_Dumb
      Talvez Another Test User

      Presencial não é garantia de segurança ou prevenir fraude.
      Não precisas procurar muito longe, Portugal em 1958

      Se queres presencial, tens o caso do Brasil com voto electrónico desde 1994

      • Ochinês says:

        Volto-te a perguntar- o que é que as eleições presidenciais entre Américo Tomaz e Norton de Matos, durante a ditadura de Salazar, têm que ver com eleições num regime democrático??!!

        E quando se fala de voto eletrónico as pessoas traduzem isso em voto pela internet. A votação no Brasil e outros países, usando um computador/máquina de voto pode-se chamar voto eletrónico, por não haver boletins de voto em papel e se usar um computador – mas continua a ser presencial.

        • Ochinês says:

          Correção Humberto Delgado (e não Norton de Matos)

        • Test User says:

          1- Eleições presidenciais entre Américo Tomaz e Norton de Matos, é um exemplo que pode haver fraudes. O voto presencial pode ser manipulado.

          Vamos chamar eleições controversas. Também aconteceram em Democracias.
          Numas pode-se provar, noutras fica dúvida.
          https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_controversial_elections

          2- Por ser presencial no caso do Brasil, não deixa de ser voto electrónico.
          Exemplo que contagem e voto deixaram de ser em papel.

          3- Estónia com Rússia ao lado que interfere em eleições. Fazem votação electrónica.

          4- Defendo um sistema misto . Quem quer votar electrónico vota. Quem quer ir urnas vai.

          • Ochinês says:

            Já tens idade para votar? Olha bem para a assembleia de voto (geralmente uma sala de aula).
            Uma fila de mesas alinhadas, com pessoas que os partidos indicaram e um representante da câmara municipal.
            Para preencher boletim de voto há uma estrutura em tripé para duas pessoas.
            Para votar, as pessoas recebem o boletim de voto, vão ao tripé, põem a cruz e depositam-no na urna.
            Agora tenta imaginar, ao lado, um sistema informático onde as pessoas possam votar.
            Ou uma coisa ou outra, ambas não havia logística que aguentasse.

          • Test User says:

            Claramente não percebeste o que eu disse ou então não percebo o teu argumento.

            Sistema misto que defendo.
            Nesse sistema eleitor têm duas opções:
            1- Vota na internet como na Estónia.
            2- Se quer votar presencial, vai a urna. Até podem manter como
            fazem actualmente. Melhor é substituir e adoptar o sistema
            brasileiro para voto presencial.

            Com este sistema não havia desculpas para não votar. Possibilitava todos votarem.

          • joao matos says:

            Brasil? Aquele País em que o voto não é facultativo, mas sim obrigatório? Esquece lá isso!

  3. Test_User_Dumb says:

    Os partidos é que tem de fazer por isso de atrair o eleitorado. Os partidos não têm interesse em que 100% vá votar.

  4. SANDOKAN 1513 says:

    Amanhã basta-me levar uma esferográfica e votar no partido do meu coração,como sempre. 🙂

  5. David Guerreiro says:

    Máscara FFP2? Se levarem KN95 já é uma sorte… máscaras chinesas com uma norma chinesa sem qualquer controlo, muitas vezes com entidades certificadoras que nem existem.

  6. Joao Ptt says:

    É engraçado que ao mesmo tempo que dizem que é seguro ir votar já andavam a falar que em breve voltavam as medidas restritivas à séria… as medidas só abrandam ligeiramente no verão e em qualquer altura em que existam eleições, aí de repente já está tudo muito melhor, ou então agora não interessa tomar medidas repressivas porque não nos interessa a nós políticos, mas esperem duas ou três semanas e já vão ver o que vos cai em cima… porque de repente tudo o que era tolerável nas eleições já não é mais tolerável depois das eleições até estarmos novamente próximos de outras eleições.

  7. Manso says:

    Para votar em segurança é ter a certeza que a malta não comete o erro de votar em qualquer partido com assento parlamentar há mais de 10 anos.
    Ou então votar PS e ir á ruina total.

  8. Bill says:

    Eu acho que se deve votar iL para os alunos das universidades pagarem 100mil euros em propinas e deixarem de ter proteção no trabalho.

  9. Inteligente says:

    O voto eletronico deveria ser desde jà permitido. Uma boa parte das pessoas tem compromissos (razões de trabalho/familia/emigrantes, etc) ou vive longe do local de voto. Deveriam permitir o voto eletronico a uma parte da população que tenham a capacidade e consciencia de o fazer.

  10. vergonha alheia says:

    Provado fica que não será de todo boa ideia deixar que alguém vote em nosso lugar e se formos mesmo inteligentes no contexto actual também não será opção o voto electrónico.

    É o que fica provado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.