PplWare Mobile

Instagram: Jovem suicida-se após questionar seguidores na rede social


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Lucia says:

    Quanto mais suicidas, menos suicidas

  2. BlackFerdyPT says:

    Bloqueiem as redes sociais a menores de idade.

    Até porque, nunca se sabe ao certo quem é que está do outro lado – e isto abre as portas para que adultos interajam indevidamente com menores de idade. (Querem que os vossos filhos interajam, em privado, com adultos desconhecidos? Vejam os casos que acabaram em rapto e desaparecimento de menores, que têm havido em Portugal e que começaram com interacções na Internet.)

    Toda a gente bem informada sabe que as redes sociais têm mais malefícios do que benefícios. Todos os estudos recentes apontam para que estas tornam as pessoas mais infelizes, por eliminarem a riqueza sensorial inerente ao convívio real (https://zap.aeiou.pt/jovens-solitarios-culpa-redes-sociais-246108 + https://health.usnews.com/wellness/mind/articles/2018-02-12/how-your-smartphone-may-be-making-you-unhappy).

    As gerações que nos precederem cresceram bem (e mais saudáveis, psicologicamente falando) sem as redes sociais na Internet – não tendo tido, obviamente, os problemas que estas redes sociais agora causam.

    Sabiam que os quadros mais qualificados (e inteligentes) de Silicon Valley proíbem os seus filhos de usar smartphones e afins? (https://nextshark.com/why-steve-jobs-didnt-let-his-kids-use-ipads-and-why-you-shouldnt-either/)

    Depois, enquanto adultos, todos irão ter *muuuito* tempo para fazerem o que quiserem na Internet…

    • pauloj says:

      O jovem tinha claramente problemas mentais e de auto-confiança, explica-me a responsabilidade da rede social, neste caso ?!

      Mais cedo ou mais tarde certamente cometeria suicídio, pois ninguém no seu perfeito juizo faria uma pergunta desse tipo muito menos concluir os resultados dessa mesm pergunta em suicidio, a menos que fosse uma piada!

      É muito fácil atribuir responsabilidades aos outros e nunca a nós proprios.

      Teraos os pais parte dessa responsabilidade e talvez os professores tb e alguns, sim acredito que sim, pois sao estes que acompanhavam o jovem.

    • BlackFerdyPT says:

      E, lembrem-se da história do “Baleia Azul” e semelhantes – que até em Portugal causou suicídios ou tentativas de.

      Navegar na Internet é como andar na rua. E, tal como a última, a primeira é um local (virtual) ou um meio que não é isento de perigos. E, da mesma maneira que se proíbem crianças de entrar em certos estabelecimentos públicos, devem as mesmas ser barradas de sítios na Internet que possam representar um perigo para as mesmas – nos quais se incluem redes sociais onde possam estar adultos.

  3. Tiago says:

    Seleção natural. Com a ajuda de vários ignorantes pelo caminho.
    A humanidade está condenada.

    • José Carlos da Silva says:

      Problemas mentais/psicológicos graves não são selecção natural. Infelizmente ainda é um assunto tabu, quando a saúde mental é tão ou mais importante que a saúde física…

  4. Luís Silva says:

    A ideia dele já era suicidar-se, senão não perguntava!

  5. Casuístico says:

    Isso me faz lembrar de um conto de FC que li faz muito tempo. É bem triste que este mundo virtual que gera ilusões também leva a depressão e a atitudes drásticas. Mais lamentável ainda que pessoas votem incentivando que outra ponha fim a vida! Parece que a profecia de São João está em andamento. Humanidade burra e insensível, é o que vemos hoje. Triste. Saudações.

  6. Bruno de Carvalho says:

    É de facto uma situação chata, mas enfim… a vida continua.

  7. Grabiel Allon says:

    Isto só pode ser fake, ainda por cima acontece em sitios duvidosos, cheira-me a mito

  8. Tomás Taveira says:

    A menor estava fragilizada,contudo,quem votou sim na aplicação,deve carregar para sempre o peso da morte dela.

  9. Blue Beast says:

    Estas novas gerações são muito instáveis a nível mental/sentimental.Sem fazer referência a este caso,o pessoal de agora é muito lingrinhas.

  10. Malamen says:

    Seleção natural em funcionamento.

  11. Me, myself and I says:

    Como é que as pessoas podem ser assim tão estupidas?

  12. Celeste de Rosa Freitas says:

    Para começo de conversa, o uso de celular deve ter restrições e monitoramento para crianças e adolescentes. Isso os pais devem estar acompanhando atentamente, haja vista que o mundo virtual está ganhando cada vez mais espaço em nosso meio. Tendo um certo acompanhamento, estaremos prevenindo que algo ruim possa acontecer e ao mesmo tempo, cuidando dos nossos pequenos. Não podemos colocar a culpa nas pessoas por terem votado no “sim”. Talvez estas possam ter achado que fosse apenas brincadeira.

  13. XD says:

    Duvido que esses 69% falaram isso olhando nos olhos dela , pela internet é fácil latir. Claramente ela precisava de ajuda e a maioria preferiu ver para crer , espero que tenham se entretido e estejam satisfeitos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.