Quantcast
PplWare Mobile

Feitas as contas, Facebook bloqueia partilha de notícias na Austrália… e não só

                                    
                                

Autor: Maria Inês Coelho


  1. Vitor says:

    Ao ponto que chegamos…um País soberano e independente ser “chantageado” por uma rede social! E acredito que os governantes vão ceder…

    • Nuno Ferreira says:

      Quem está a ser chantageado aqui é o Facebook.. tens noção que no meu caso eu vim do link do face. Basicamente se fosse na Austrália o face tinha que pagar porque o Pplware fez Share do link. Isso é completamente absurdo. Como sabemos os media tradicionais estão em rutura e o governo australiano quis um scape-goat. O governo australiano vai voltar de joelhos quando os media perderem ainda mais dinheiro com a quebra de acessos que vão ter.

      • eurodoid says:

        será que tinha mesmo que pagar por tu partilhares um link?
        Há por aqui muito diz que diz baseado na palavra da Facebook, que é tudo menos de confiança. Ninguém por aqui sabe realmente o que a proposta de lei diz (ainda nem sequer é lei), o que é que realmente a Facebook seria obrigada a fazer.
        A única coisa que eu sei é que Facebook seria obrigada a negociar com as empresas australianas para alguma forma de compensação. Não vejo na lei qualquer menção sobre pagar por links partilhados, mas pode ser que esteja com outra linguagem.

        • Nuno Ferreira says:

          Falei de um forma redutora, basicamente o que a lei diz é que o face tinha que pagar um X anual aos media australianos. ou seja o link partilhado já estaria dentro desse X. Só não sei é como esse X é calculado mas é ridículo equiparar Face ao Google… o google faz dinheiro com o google news, o face teoricamente em vez de fazer perde.. (espaço em disco).

          • eurodoid says:

            Não fazes ideia como é calculado o valor, por isso não se sabe se meros links seriam uma forma de aumentar o valor a pagar. Se forem não faz sentido, mas não sabes…
            No Facebook as notícias não circulam apenas porque as pessoas enviam links umas às outras. O próprio Facebook tem algoritmos para inserir notícias nas páginas das pessoas, e com isso ganha dinheiro pela publicidade que mostra às pessoas enquanto mantém as pessoas agarradas ao seu feed de notícias! Na prática é equivalente ao Google News.Isto sem falar em todo o tracking associado…

          • Nuno Ferreira says:

            inserir notícias nas páginas das pessoas??? desde quando publicidade é noticias?? A tua afirmação é simplesmente ridicula.

            Eu nao disse que pagavam por link.. o que eu queria dizer é faz de conta que sao 30 milhoes anuais, uma % era para o sapo, outra para o jn, outra para o pplware, etc.. Eu só não sei como se calculam esses “30 milhoes” se for como a google fez tem de ser negociação direta com os grupos de media.

          • eurodoid says:

            Nuno Ferreira, parece que não percebes como é que funciona o News feed da Facebook. Muitas das pessoas ficam-se pelo o que lêem no News Feed que é alimentado, entre outras coisas, por notícias de meios de comunicação. Ou seja muitas pessoas estão a consumir conteúdos desses meios de comunicação na sua página de Facebook ou app, alimentando a fonte de rendimentos publicitários do Facebook. Há muita coisa que não são links enviados por outras pessoas de propósito, são conteúdos que a Facebook coloca nesse feed de acordo com os seus algoritmos, o que ajuda a manter as pessoas no facebook o maior tempo possível, e assim longe da fonte de rendimentos dos produtores de conteúdos.

            Basicamente disseste que teria que pagar por alguém partilhar um link… está lá no primeiro comentário. Terem que pagar alguma coisa não significa que cobre partilha de links – partilha poderia continuar sem pagar nada, por exemplo!
            O facto é que não fazes ideia e estás apenas a ir atrás daquilo que sai da boca da Facebook, que é tudo menos confiança.

  2. jorgeg says:

    suckbook? twatter?!
    platformas radicais da extrema esquerda!

  3. Vasco says:

    Neste caso estou de acordo com o Facebook (rede social que sinceramente, detesto, tal como o twitter). Os media utilizam o Facebook como meio de difusão gratuito das notícias que publicam, atingindo uma clientela potencial de nível planetário, e sem pagarem um tostão, se assim o entenderem. Porque haveria o Facebook, empresa privada, que investiu e investe milhares de milhões de USD em datacenters, infra-estruturas, vencimentos e marketing , de ter de suportar entidades australianas que não são seus accionistas? O Facebook tem é de pagar aos seus investidores, e oferece um serviço ao mundo. Claro que numa óptica comunista ou de esquerda extremista, as empresas privadas são umas malandras, etc, etc.

    • acs says:

      Não é preciso share de noticias oficiais. Quem quiser ler que vá aos jornal. Simples. Se queremos jornais independentes eles têm de conseguir ganhar dinheiro. A goolge que aponte para os sites dos jornais, não precisa de mostrar noticias.

    • eurodoid says:

      acho que a questão é com o uso que a Facebook faz do conteúdo que foi produzido por outros, ao alimentar o seu algoritmo do News Feed com as notícias dos Jornais.
      O governo da Australia não é de esquerda, muito menos de extrema esquerda. É de direita liberal, de modo que se mete a colher é porque vê que estas empresas não estão a respeitar os interesses de empresas australianas, abusando a sua posição para nem sequer negociar retorno económico pela produção de conteúdos que beneficia a máquina publicitária e encaixe financeiro da Facebook.

      O facto é que o que a Facebook acabou de fazer é um autêntico tiro no pé! Só veio demonstrar o poder excessivo que tem e a falta de displicência dos seus dirigentes… só veio dar mais argumentos para que seja criada regulamentação sobre a actividade de empresas como a Facebook!

  4. LIBERDADE says:

    Eu que não sou defensor do Facebook nem redes semelhantes, antes pelo contrário, tenho dificuldade em entender a lógica desta regulamentação, bem como sobre o que é que incide directamente (sobre posts dos próprios jornais, sobre posts de alguém que publicou o link de uma notícia, sobre posts de alguém que citou uma notícia?). Isto parece-me mais um lobby dos meios de comunicação social para sacar o mais que podem e para sobreviverem numa época em que a produção e transmissão de informação está muito mais democratizada, muito mais barata e acessível ao cidadão comum.

    Em primeiro lugar, se um meio de comunicação social publica um artigo de acesso livre, seja no seu site ou em redes sociais, por que raio as redes sociais deviam pagar aos jornais por elas próprias ajudarem a difundir tal artigo? Parece-me um contrasenso! O que o Facebook e outras redes acabam por oferecer aos jornais é um serviço gratuito de distribuição/alcance das suas notícias. Na verdade quase que deveria ser o contrário, os meios de comunicação social a pagarem a essas redes por elas os ajudarem e difundir os seus conteúdos.

    Enfim… tempos estranhos

    • eurodoid says:

      se for por as pessoas citarem notícias e links não faz sentido, mas o que se vê no Facebook não é só pelo o que as pessoas partilham, é também pelo o que o próprio Facebook faz. O facebook tem algoritmos dedicados a notícias e ganha muito dinheiro com isso.

      Segundo ponto, publicar um artigo de acesso livre não dá direito para que o conteúdo seja usado por outros para ser monetizado. Como é que um meio vai receber dinheiro se as pessoas acabarem a ler muitos dos seus conteúdos noutro sítio????

      • LIBERDADE says:

        “Algoritmos dedicados a notícias” é simplesmente muito vago. O Facebook pode ter algoritmos para decidir que notícias têm alcance ou não (tal como faz com todos os restantes conteúdos) mas onde estão exemplos do Facebook a monetizar artigos de notícias? Ter um algoritmo em que selecciona as notícias que têm alcance não é o mesmo que monetizar ou receber dinheiro por esse conteúdo. E como é que o faz?

        No limite, só se alguém (um terceiro) estivesse a pagar anuncios no Facebook cujo conteúdo fossem notícias produzidas por terceiros. Mas que sentido faria alguém gastar dinheiro a promover conteúdo de terceiros?

        Sinceramente, continuo a ter muita dificuldade em entender o racional. Num video que alguém linkou abaixo, a jornalista explica o problema dizendo o seguinte: “Let me explain through an example, for every 100 dollars of online advertisment, 53$ goes to google, 20$ goes to facebook, so whatt’s left for the others? 19$, divided among everyone else. this loss of advertisement revenue gets partially offset by subscriptions, but that’s not enough. Media org. suffer due to the monopoly of tech giants. media outlets have gone broke”.

        Ora, é notório que o que está em causa é a incapacidade dos media tradicionais em captar receitas de publicidade porque actualmente é muito mais eficaz para as empresas anunciar no google ou no facebook, por exemplo, porque atingem muito mais pessoas, do que nos media tradicionais que têm cada vez menos audiência/leitores. Mas google, face, etc, atingem muito mais pessoas não à custa de notícias de outros mas à custa do que essas plataformas representam e oferecem no seu geral, desde o seu início.

        Por outro lado, se um artigo é de acesso livre, não dá o direito de este ser monetizado e mais uma vez o facebook não me parece que o faça pois como expliquei acima não há quem pague anuncios para publicitar artigos de noticias terceiras (não estou a ver outra forma de monetizar directamente conteúdos) mas sabem que este será livremente partilhado pelas redes sociais.

        Por fim, se os media se queixam do seu conteúdo ser aproveitado financeiramente por outros (mesmo que não se perceba como é que isso está a acontecer), porque é que não acabam por artigos livres e passam a noticiar tudo sob subscrição?

        Não o fazem porque o problema não é esse. Parece-me que isto é apenas uma fachada/desculpa para tentarem obter receitas de publicidade que deixaram de ter porque as empresas já não querem anunciar nos media tradicionais.

        • eurodoid says:

          onde é que estão os exemplos?
          é assim tão difícil de entender que quando se inclui notícias nas páginas das pessoas a Facebook ganha dinheiro com a publicidade que coloca ao lado enquanto as pessoas lêem… a Facebook mede tudo… o mede o tempo que perdes a ler essas notícias, mede o género de noticias que dá, etc! Isso tudo entra não só na publicidade que é apresentada mas também nos diferentes índices que são usados para angariar publicidade! A máquina está toda oleada para as pessoas ficarem ali e ver publicidade, e as notícias fazem parte disso.
          O artigo é de livre acesso na página de quem produz a notícia, página onde pode ser monetizado com publicidade. Não é livre acesso para ser copiado e usado por outros.

          • LIBERDADE says:

            Em primeiro lugar, o Facebook não reproduz notícias. Existem apenas duas opções:

            1. As pessoas (e não o facebook) colocarem no facebook links das notícias para os sites das mesmas, logo esses sites estão a receber visitantes vindos do facebook e pasme-se, vão poder ver a publicidade que esses sites dispõe ao lado das suas notícias. Deveria o facebook ser pago por ter enviado um visitante para um site de notícias e o site de notícias monetizar esse visitante com publicidade que coloca no seu próprio site?!

            2. As pessoas reproduzirem, por escrito, ou via imagem, uma notícia. Uma vez mais, é o utilizador que o faz, não é o Facebook.

            Por último, o Facebook coloca publicidade onde bem lhe apetecer no seu site, seja ao lado de notícias, seja ao lado de fotografias de famosos, seja ao lado do desabafo que escreves no facebook, etc! Por essa ordem de ideias, se eu postar fotografias ou textos e o facebook mostrar publicidade perto de tais fotos ou textos devo ganhar dinheiro? Então mas afinal fui obrigado a lá colocar esse conteúdo, fiz algum contrato com o facebook para que ele me pague sobre conteúdo que eu produzo e decido lá por por minha iniciativa? O facebook não comprou o meu conteúdo, eu é que o quis lá expor.

            Pela mesma ordem de ideias, o facebook assim teria que pagar a toda a gente que lá coloca conteúdo, não? Completamente distorcido.

            O facebook tem toda a legitimidade para mostrar publicidade enquanto as pessoas lêem o que quer que seja NA SUA plataforma.

            Se aparvalham como estão a fazer numa lei destas, a resposta do facebook é, então vamos bloquear esse conteúdo, pois não temos que estar a pagar por algo que nem pedimos.

          • eurodoid says:

            acho que não vale a pena alongar-me muito!
            É evidente que não fazes ideia de como é que o news feed funciona e como o Facebook coloca excertos de notícias… Tenta ler um pouco sobre o assunto!

  5. Vai-te catar says:

    A Austrália tem razão. Os jornalistas e as empresas de comunicação não trabalham de borla. Quem achar o contrário que vá arranjar emprego a trabalhar de borla também

  6. Vai-te catar says:

    Querem saber + porque a Austrália tem razão? Aqui vão dois vídeos:

    https://www.youtube.com/watch?v=T9v7oxszJpE

    https://www.youtube.com/watch?v=Ydqvy7RZo0E

  7. iAndroid says:

    Já esta na altura de acabar com o Facebook. Uma plataforma destas não pode ter este poder. Deviam regulamentar este tipo de plataformas, antes que seja tarde demais.

  8. André says:

    Mais um excelente resultado dos rabiscos de políticos a tentar manipular o mercado, só prejudicam quem querem beneficiar.
    A arte do politico é a do bom falar, têm muito treino nisso pois passam a vida a defender leis estupidas e sem sentido.

  9. Joao Cordeiro says:

    Garantidamente não esperava do pplware nada mais que um copy paste do que os outros ja falavam, sem qualquer análise ou investigação mais profunda.
    Por isso mesmo resolvi entrar, ler e dar o meu comentário.

    A lei pode ser lida em, e para quem sabe inglês é mais facil de ler que o nosso Diario da República:
    https://about.abc.net.au/wp-content/uploads/2021/01/ABC-submission-ACCC-Code-Senate-Committee-process-January-2021.pdf

    O que esta lei pretende é sarar a desinformação que acontece no Facebook.
    O Facebook ganha dinheiro com o tempo que cada utilizador gasta no seu site/app.
    Quanto mais polémico for o assunto, mais provável é o utilizador de ler mais comentários, comentar e partilhar.

    Ou seja o Facebook ganha mais dinheiro com conteúdos polémicos do que com conteúdos “calmos”

    No inicio, o facebook apenas partilhava opiniões pessoais.
    Quando uma pessoas tinha uma opinião muito polémica a maior parte das pessoas pensava “é parvo” ou “está a mentir” e nao partilhava.
    Mas de há uma decada para cá, começou a partilhar “notícias”.
    Ao contrário dos comentários pessoais, pouca gente desconfiava da legitimidade das notícias.

    Isto fez com que quanto mais polémicas fossem as noticias, mesmo que 100% falsas, mais partilhas tinham.

    Esta lei, quer garantir que o facebook filtre o que são verdadeiros sites de notícias do que sao sites criados ontem à tarde para eapalhar uma mentira.

    De que maneira?
    Varias, basta ler a lei. Mas uma delas, a que dá origem à notícia, é cobrar dinheiro por cada notícia publicada.
    Fazendo com que não seja economicamente rentavel, para o facebook, partilhar 100000 notícias por dia de qualquer site. E obrigando o facebook a escolher quais os sites e quantas notícias por site quer publicar.

    Isto é efetivamente custoso para o Facebook , se o Facebook não for responsável. Se for, fica barato.

    Mas pouco ou nada disto foi motivado pela justa compensação dos jornais. Isso foi apenas uma consequência da lei.

    Acredito que a EU devia fazer o mesmo.

    • LIBERDADE says:

      Custe dinheiro ou não ao Facebook, deixar ao critério deste que notícias podem as pessoas partilhar na rede, é ainda mais sinistro, preocupante e um atentado contra a liberdade de expressão. Aliás, já vimos que o Facebook tem censurado o que lhe apetece, portanto, o Facebook já faz a triagem do que quer ou não quer na sua rede. Pagando ou não, o Facebook ou outras redes não podem nem devem os árbitros da liberdade de expressão.

      • Joao Cordeiro says:

        Mas o Facebook sempre teve o poder na mão para o fazer, e sempre o fez.

        Sempre foi responsabilidade do Facebook o tipo de alguritmo que escolhe as notícias a mostrar a cada utilizador.
        É bem inocente de sua parte pensar que é esta lei que lhe dá esse poder.

        O Facebook sempre o fez e ja foi responsável por várias tragédias pela sua escolha errada.

        Esta lei apenas obriga o facebook a comunicar a escolha que fez e a ter consequências em o fazer errado.

  10. Infinity says:

    A Austrália tem razao, o Facebook gera zero conteudos de noticias e ganha o dinheiro quase todo das receitas. Hoje é a Austrália, amanha será outro pais, pela maioria de comentarios que defende o facebook, claramente trabalha ou não se importa de trabalhar de borla.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.