Quantcast
PplWare Mobile

Empresas têm de pagar despesas na semana de teletrabalho obrigatório

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Paulo says:

    isto e lei e tudo bem. agora nao fica mais barato trabalhar por casa do que gastar passe ou combustivel pra ir trabalhar?

    eu estou em Londres e gastava mensalmente 156 libras no metro. desde que trabalho por casa, deixei de gastar esse dinheiro no passe mensal + cafes + almocos fora etc, e as despesas sao praticamente as mesmas ( net a mesma coisa, agua subiu um pouco e electrecidade tambem, mas bem longe da poupanca mensal que tenho)

    • Zé Tuga says:

      156 libras de Metro é muita coisa. Eu ando com o meu carro (em Portugal), e não gasto isso por mês em combustível.
      Mas acho que esta medida faz mais sentido para casais com filhos…

      • Zé Fonseca A. says:

        Então mas a medida é para pagar o teu acrescimento de despesas em teletrabalho ou o dos filhos? Muito gostam vocês de confudir tudo.
        O mais normal que vai acontecer são casos em que a empresa vai estipular um montante fixo mensal a pagar e fica o assunto encerrado, algo como 20/30€, não concordo nada com isso e se for opcional eu salto fora, não preciso que me andem a dar esmolas só porque gasto mais uns trocos para ter aquecimento ligado.

      • Echo says:

        Quem tem de se deslocar para fora de Lisboa (por exemplo Lisboa Cascais) para ir trabalhar gasta muito facilmente esse valor por mês combustível…adoro estes comentários totalmente alheados da actual realidade por este país fora…

        • Grunho says:

          Nem a empresa tem que meter ao bolso o que o trabalhador poupa em combustível/transporte, nem tem que lhe pagar mais que o excesso de energia que ele tenha de gastar em casa para trabalhar lá. De resto, para a empresa isso é sempre mais que compensado por aquela que deixa de consumir nas suas instalações.

    • Beatriz says:

      Acho que a interpretação da lei deve ser vista caso a caso. Só o fato de existir já é um elemento dissuasor. Na generalidade as pessoas são coerentes, mas existem aqueles que abusam. Tanto o empregado, que até quer, que lhe paguem o papel higiénico, como o patrão que aproveita para reduzir tudo e até tirar o subsídio de refeição.

    • JR says:

      Depende do tempo que fiques em teletrabalho e outros fatores
      Eu gasto mensalmente, passe apenas, 110 euros.
      Sendo que nesta altura muitas empresas estão com estratégias de semana sim semana não, não compensa não comprar o passe. A nivel de outras despesas não notei praticamente diferença alguma sinceramente, talvez mais 1/2 euros na conta da luz e/ou água.
      Em relação ao combustivel, já é outra história…
      Tenho colegas que gastavam, mensalmente, 300 ou mais euros só para gasolina / gasóleo.
      Neste momento gastam menos 100 e picos euros devido ao regime de teletrabalho da empresa.
      Ai sim vê-se a grande diferença.

    • nel says:

      são os iluminados do PCP e do BE a tentar defender os coitadinhos dos trabalhadores do malvado patrão que se aproveita da situação para não gastar luz e aumentar o lucro.
      As empresas gastam mais dinheiro a pagar estas ajudas do que a ter os colaboradores na empresa, por isso vai acabar por não haver cá teletrabalho para ninguem. O coitadinho do trabalhador vai ter de continuar a pagar deslocações, comidas e cafés fora de casa.
      Não se esqueçam de agradecer à esquerda agora em janeiro.

      • João Matos says:

        Nem mais.

      • Nuno Teixeira says:

        Vais dizer que o coitadinho do patrão não reduz as despesas de luz e estas não passam a ser suportadas pelos trabalhadores?
        Ambos poupam recursos. Do lado da empresa com despesas de luz e água. Os trabalhadores nas deslocações, comida e cafés fora de casa.

        • João Matos says:

          Sim. Como disseste ambos poupam.
          Daí não fazer sentido a lei porque na prática vai acabar por prejudicar mais o trabalhador.
          Legislar só porque sim, uma coisa que funciona bem sozinha não faz sentido.

          • ruben says:

            E quem mora a poucos metros do local de trabalho?
            Eu por exemplo não poupo nada por ficar em casa, mas vou ter custos maiores por estar em casa, pelo menos o aquecimento tenho de ter ligado o dia inteiro!
            Não vale a pena generalizar, cada caso é um caso!

  2. Fred says:

    Aqui é mais provavel a empresa nao inventar alguma que tenho mesmo de vir trabalhar para a empresa pk sim

  3. João Matos says:

    Pessoalmente esta lei não me faz sentido.
    Mesmo com o passe a 40€, gasto mais em refeições e perco 4 horas/dia em deslocações para o trabalho.

    Em casa uso um portátil da empresa com um monitor (ambos com um consumo de electricidade ridículo).
    As refeições são mais baratas.
    Não gasto muito mais água.
    Consigo produzir melhor!

    Só tenho vantagens e nunca na vida vou pedir “ajudas de custo” ao meu empregador para trabalhar a partir de casa.

    • Nuno Teixeira says:

      Então não peças. Isso vai do bom senso de cada um. Como dizes, as despesas adicionais são mais baixas que o que gastas em passe e refeições fora.
      Acredito que a lei se aplique mais a quem precisa de fazer um upgrade à net de casa ou precisou de comprar um computador ou outro material informático.

    • Nuno Dias says:

      Totalmente de acordo.

  4. Rui Costa says:

    Como vou provar as despesas adicionais? É cada ideia de m***** que esta gente tem…..

    Se estou em teletrabalho, se na mesma semana do ano anterior estava em teletrabalho…..

    • CS says:

      Ora aí está…
      Mais areia para a engrenagem.
      Não conseguindo provar tais aumentos de despesa, fica tudo igual.
      Tenho pena, porque muita gente vai deixar de ter acesso ao teletrabalho porque simplesmente algumas empresas não se vão chatear com isto e chamam o pessoal.

  5. Palavra do senhor says:

    A empresa com colaboradores gasta: electricidade (iluminação, aparelhos, climatização), água, papel higiénico, serviços de limpeza dos espaços, economato, entre outros que me possa estar a esquecer.
    Com os colaboradores em casa a empresa poupa muito dinheiro. A empresa onde trabalho tem uns 7 ou 8 edifícios e neste momento tem metade dos edifícios fechados. Significa que as despesas que falei acima desapareceram para a empresa.

    Mas para mim, como colaborador, poupo bastante em combustível e tempo (2h por dia no ir-e-vir). Isso também se paga. Posso agora levar os miúdos à escola sem ter de os acordar de madrugada. E isto não tem preço nem para eles nem para mim.

    O custo de internet já eu tinha, a água é mínima (custo de puxar o autoclismo 1 ou 2 vezes por dia e lavar as mãos) e a electricidade é pouca (agora tenho um aquecedor ligado mas porque quero, podia estar com mais casacos ou cobertores).

    Para mim que estou sempre a trabalhar em casa faz sentido que não me paguem. Mas para as pessoas que trabalham na empresa e naquela semana vao ficar em casa (já tiveram despesas com passes, por exemplo) não vejo problema de lhes darem alguma compensação.

  6. PeterOak says:

    Esta lei não faz qualquer sentido! O governo ordena o encarceramento e as empresas é que têm de pagar as despesas? Porque não é o governo a pagar através de subsidios?

    • Linux says:

      porque não é o governo que trabalha para essas empresas. agora uma coisa é certa, esta lei não faz muito sentido, mas a meu ver veio foi meter uma bela facada pois não estou a ver todas as empresas entrar neste esquema, mesmo que seja mais barato, vão preferir sempre que o pessoal esteja no edifício da empresa até por questões de controlo, pois todos sabemos que existe colaboradores bons como maus.

      • Palavra do senhor says:

        Não é ter os colaboradores na empresa que faz com que os resultados sejam melhores. Acho que estes quase 2 anos de pandemia já provaram isso!
        A cultura do “chefe” controlar a malta tem os dias contados!

        • João Matos says:

          Concordo mas há muitas empresas em que os “chefes” têm medo de perder a relevância e por isso querem que a força de trabalho volte para “debaixo dos seus olhos”.
          No meu caso, sou mais produtivo e simultaneamente consigo fazer mais coisas pessoais ao mesmo tempo.
          Se for ao escritório, volto com o portátil na mochila e só lhe toco no dia seguinte.
          Se ficar em casa, está sempre pronto na secretária e se for preciso, depois do jantar vou dar um “olhinho rápido”.
          Estando em casa, também tenho liberdade para receber encomendas, meter roupa a lavar…
          Pena que nem todos os patrões entendem isso.
          E uma lei como esta só vem dificultar esse entendimento.

          • Palavra do senhor says:

            isso é fruto de má formação dos “chefes”. Primeiro que tudo, não deviam ser chefes mas sim lideres. O “chefe” está lá para fazer os outros produzir, para ser um facilitador, para desbloquear temas, para contribuir com experiência.
            Se uma equipa atinge os objectivos a que se propõe (ou que foi proposto) então das duas uma: ou a equipa não precisa do chefe e é super-independente ou o chefe realmente ajuda a que os objectivos se conquistem.

            Mas eu sei que esta não é a mentalidade para uma grande fatia dos “chefes” por este país!

          • CS says:

            Temos realidades profissionais parecidas.
            Subscrevo integralmente.

          • Palavra do senhor says:

            Ainda digo mais: um chefe que colabora com a equipa e se rege por objectivos em vez de micro-management vai ter de trabalhar menos, chatear-se menos e atingir melhores resultados! Olhem o tempo que o “chefe” gasta a chatear a cabeça da malta! O que é que ele consegue com isso? frustrar a malta, colocá-los contra ele…eu não era capaz de ter uma equipa assim pois sabia que há primeira oportunidade me iam fazer a folha!

            Eu acho que as mentalidades estão a mudar…mas algumas vão demorar mais do que outras!

    • GM says:

      E o dinheiro do Governo vem de onde, iluminado? Do bolso do Zé! Ou seja, para que uns quantos pudessem receber subsídios, todos (os que ficam e os que não ficam ou não podem ficar em tele-trabalho) teriam de pagar mais uns acréscimos de impostos. Ou então, a República subir (ainda) mais o défice. Há cada um!

  7. Tabonitota says:

    Enfim só iluminados aqui. Patrão vai poupar
    Mais porque k trabalhador está a pagar a luz dele. Lolol. Essa foi muito boa 😉 então mas k custo de electricidade da empresa é o mesmo que se usa em casa ? Se gastarem 10€ a mais naquela semana, é muito. Quero é ver como vão fazer para descontar apenas as suas despesas de electricidade e água a mais sem contar com filhos e afins. Lol. 😉 vai dar uns 2€ a mais. Boa sorte.

    Não se esqueçam que o custo tem que ser comprovado …. Quero ver esses matemáticos a funcionar ;))) ahahahahahha. Poupem-me !

  8. Armenio says:

    Boas

    Na prática como vou arranjar uma factura só com valor parcial da Internet com o nome da empresa para receber o dinheiro? O legislador pode esclarecer?

  9. PTO says:

    A única coisa que vão conseguir com essa lei absurda é acabar com o teletrabalho em Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.