Quantcast
PplWare Mobile

Eletricidade baixa para as famílias portuguesas em 2022

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Mitra says:

    João Galamba o boy do PS que dá licenças de lítio a empresas com sedes em juntas de freguesia.

    Só areia…

  2. Imf says:

    Whait???
    Como prometem baixar 3.5%, se dizem que o preço da eletricidade sobe 200% mercado grossista.

    Dizer que vai baixar 3.5% é facil, difícil deve ser explicar onde é que vão aliviar para que isso aconteça!! Que medidas efectivas vão ser feitas??
    Baixar impostos? Abrir uma central nuclear pública ate 1 de Janeiro??
    Ou atiraram o número para o ar a ver se cola?

    • Imf says:

      Ha e tal mercado regulado!! Boa…mas como de baixa o preço??
      Ha contratos com as empresas fornecedores de eletricidade, onde vao buscar a eletricidade barata?
      Vao forcar os produtores a vender a baixo da margem de lucro?
      Vão retirar impostos?

      É que para se dar de um lado, tem de se tirara do outro, não existe tal coisa como refeições de borla, algem tem de pagar, ou ficar em prejuízo

      • Zé Fonseca A. says:

        Na verdade não vai descer, porque já subiu 3,3%, agora com injeção de capital no mercado energético vão conseguir abater 3,5% da subida que teríamos em 2022, ou seja na verdade desde 0,2% mas só vai durar 1 ano, passado esse ano sobe os 3,5% mais o que tiver para subir de 2023, é só areia para os olhos até chegarem às eleições legislativas.

        • Manuel Costa says:

          Está lá perto, falta é revelar que com a actualização do deficit tarifário, irá compensar esse valor.
          A parcela que vai descer é o acesso ás redes e os subsídios à energia. Como os valores são altos, o governo vai retirar o mesmo valor aos subsídios. As empresas continuam a ter o mesmo lucro, só perdem o extra dos subsídios de produção. Esses subsídios deram 1800 milhões de euros de lucro ás empresas produtoras, principalmente as eólicas e solares.

      • Andre Silva says:

        Ninguém vai vender abaixo do preço de custo. O que acontece é que a componente regulada (acesso á rede) e cujo custo é igual quer esteja no livre ou no regulado vai baixar bastante. Assim, mesmo que o preço da energia suba, há uma margem deixada pela componente regulada.
        O que acontece é que o preço da energia = acesso á rede + custo da energia. E é nesta última parcela que os custos aumentaram. Agora o valor depende dos contratos que cada comercializador faz.
        Eu posso comprar 1 tonelada de batatas ao Zé Manel da esquina que me vende a batata a 20 cêntimos o quilo mas só me garante batatas para 6 meses, ou posso ir comprar ao ti Joaquim que me vende batatas a 10 cêntimos e garante me batatas durante 5 anos.
        Tudo depende em que leilões a energia é comprada, fontes,etc

    • André R. says:

      A última opção…

    • AJ says:

      Vai ser como a descida do combustível de ontem de 2 cêntimos + iva = 0,025 €, para gozar e atirar arreia para os olhos do português

  3. Jonny says:

    Mais uma do Xuxalistas. Isso de dizer de descer é atirar areia para os olhos depois de várias subidas o correcto seria “Eletricidade nao vai subir mais 3,4 ate ao início do ano 2022”.

  4. Digo eu says:

    Tanta coisa boa que vai acontecer em 2022… É baixa de impostos, é subida de salários, é diminuição de preços de electricidade… Que mais há em 2022? Ah, pois aproximam-se as Eleições Legislativas. Devia haver Eleições todos os anos.

    • Manuel Costa says:

      PSD-CDS-Chega-IL prometeram poupanças de 9800 milhões de euros no ISP e IA. Tudo isto com um simples acerto de uma taxa única de IVA em 33% em que os livros para crianças ficaram tabelados em 43 euros cada um. Podendo deduzir ao IRS, de 15%, fixo, até 3800 euros. Excelente e 99% dos portugueses vão apoiar estas medidas, até irem ao supermercado e verem a conta disparar 90%.

  5. alt.menino says:

    • Não é conhecida a lista final de entidades que vão conseguir, até 2050, a maior fatia dos financiamentos e subsídios públicos no negócio do hidrogénio. Em processos como este, em que os riscos de corrupção são altos devido aos valores envolvidos e ao número reduzido de competidores, a transparência é crucial. • Mel para determinadas sociedades de advogados…. Sociedades, como o próprio nome indica. • A informação apreendida a Rui Pinto é uma “caixa de Pandora”

  6. David Guerreiro says:

    Pelo que percebi, a eletricidade só desce no mercado regulado, no livre não.

    • SANDOKAN 1513 says:

      Leia bem o artigo pois está bem explícito.

    • Andre Silva says:

      No mercado livre depende do preço a que o comercializador vai comprar.
      Há que saber distinguir as coisas, eu posso comprar a energia no mercado diário que é o preço que falam nas notícias, mas se fizer um contrato a 2/3/4/5 anos, o preço vai ser diferente e de alguma forma imune aos preços diários.

    • Manuel Costa says:

      No livre, o governo reduz a taxa de acesso à rede, se o comercializador quiser ter mais 700 milhões de lucro, dá a desculpa do preço estar alto, e sobe 1%. O concorrente faz o mesmo.

  7. Carlos Marques says:

    Não deixa de ser engraçado. Quando há uma notícia sobre a subida de impostos, temos para cima de 80 comentários. Como é descida, temos pouco mais de 10.

    • Zé Fonseca A. says:

      Provavelmente porque percebem um bocado mais disto do que tu que não andas atento.
      Não existe descida nenhuma, existe sim um aumento de 3,4% e um nao aumento de 3,5% durante 2022 por motivos políticos, em 2023 levas com tudo.

  8. paulo says:

    quando o dinheiro do subsidio acabar o problema continua la!

  9. SANDOKAN 1513 says:

    “Se tudo se mantiver dentro de uma certa normalidade,esta descida de 3,4% no mercado regulado para as famílias traduzir-se-á numa descida semelhante,ou até melhor,no mercado liberalizado.” Espero bem que assim seja,senhor secretário de Estado Adjunto e da Energia.Senão isso seria um tiro dado no pé e um faltar à verdade ao povo português. 😐

    • alt.menino says:

      Foi colocado um post no Twitter, que entretanto foi apagado, em que o dito secretário de Estado classificou um programa da RTP de “estrume” e de “coisa asquerosa”…… Egos. Humildade e confiança, Procura-se.

  10. AlexS says:

    Quem paga a energia?

  11. Andre Silva says:

    Por aqui se vê que ninguém sabe interpretar uma notícia. A componente de acesso á rede, paga quer por quem esteja no regulado ou liberalizado, as parcelas são exatamente iguais. Essa componente é que baixa. A energia pelo contrário vai subir. Exemplo, até final do ano, o acesso á rede são cerca de 7 cêntimos / kWh. Se baixar por exemplo para 4, é uma margem de 3 cêntimos que vai ser usada para acomodar a compra de energia.
    Caso não saibam preço da energia = componente regulada (acesso á rede) + custo de energia. Este último depende dos contratos que o comercializador fizer.
    Mas claro… É mais fácil chutar para o governo.

    • Manuel Costa says:

      99,999999% dos críticos são membros do Chega ou pagos por partidos de direita. Daí que em 2015 Portugal era o “país mais avançado do planeta e irá crescer 800000% nos próximos 4 anos”. Como não ficaram no poleiro, agora criticam tudo sem sequer saber que a coligação de direita já tem acordos para coisas como:
      pagar 2 a 8 euros por cada levantamento em máquinas multibanco, 30 cêntimos a 70 euros por cada pagamento com cartão de débito, IVA com taxa fixa em 28% e a subir até aos 35% nos anos seguintes, TSU a 100% retirada dos salários dos funcionários.
      Quando lhes entregarem o poder é que se arrependem, ao descobrir que as reduções só ajudam 0,5% da população…

      • André Silva says:

        Caro Manuel Costa, até sou apologista de termos um governo liberal, para depois desejarem voltar a um governo de Centro-Esquerda.
        Quando quiserem ir ao hospital… pagam por inteiro
        Querem escola para os miudos… pagam por inteiro
        Querem água barata… desculpem isso não vai haver
        Querem direitos laborais? Lamentamos
        No fundo uma Americanização do sistema em que quem tem seguro vive, quem não tem morre, quem tem e sobrevive, endivida-se o resto da vida para pagar a conta do hospital.

  12. alt.menino says:

    Este País tinha de tudo para colocar uma Suíça a um canto, mas temos muito treinador de bancada….. infelizmente vamos todos despertar pela negativa, Viva o 25 de Abril, a liberdade, a igualdade…… Gado, sabem o que é gado ? Soltam os animais cedo, para recolher à noite…..

  13. Joaquim Sobreiro says:

    Artigos com este título não são fakenews. Agora é só alimentar a confusão, porque é a fase seguinte das notícias que criam o medo.

  14. Luis says:

    Esta notícia até envergonha o Pplware pois não explicam que o governo vai utilizar os impostos (taxa de carbono, entre outras) para fazer baixar ou manter este preço, uma situação que será temporária.. isto é o mesmo que dizer ao povo que o governo é que sabe gerir bem o dinheiro porque o povo é bu***.. continuem a votar nesta palhaçada

    • André Silva says:

      Caro Luís, e os liberais vão fazer milagres?

      • Luis says:

        Quais liberais é que existe em Portugal que estariam aptos para ir para o governo? Interessante que os países ditos liberais na Europa são os que se tem safado melhor nesta crise, aliás um deles já vai ter o seu PIB 20% maior do que em 2019 além de que os países do leste que adotaram medidas liberais estão e vão acabar por nós ultrapassar mas hei de tu dizes que o socialismo é que é bom então boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.