Quantcast
PplWare Mobile

É já hoje! Quota mínima de música portuguesa nas rádios sobe para 30%

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Mastermind says:

    Gostaria de saber o que é que o pessoal liberal que defende a lei da procura e da oferta, da autorregulacao do mercado, tem a dizer sobre esta regra…

    • Joao Ptt says:

      O pessoal liberal, defende que cada um é livre de colocar a música que bem lhe apetecer, desde que respeite a lei (não ofender nem prejudicar terceiros, etc.).

      Num estado socialista, como é este, parece ser perfeitamente aceitável tentar forçar a ideologia do: existem músicos e cantores portugueses em grande abundância, precisam de ser promovidos, vamos obrigar as rádios a passar a música deles, quer queiram quer não. Continuam a ser livres de escolher quem quiserem (em teoria podem escolher um cantor e têm só musicas dele e de mais ninguém), mas tem de ser música portuguesa.

      Pessoalmente tenho dúvidas que seja constitucional obrigar as rádios a passar música portuguesa contra a sua vontade já que parece ir contra o espírito da constituição no artigo 1.º “Portugal é uma República soberana, baseada na dignidade da pessoa humana e na vontade popular e empenhada na construção de uma sociedade livre, justa e solidária.” com foco ali na parte de “sociedade livre”, como raio pode ser a sociedade livre, se o estado quer obrigar essa mesma sociedade a algo que objectivamente é por ideologia política.

      O que o estado poderia fazer era que para acederem a um subsídio de promoção da música nacional, teriam a cada hora que passasse garantir que pelo menos 50% era música portuguesa.

      Se sou favorável a que as rádios em Portugal passem só música portuguesa? Sim. Mas daí a obrigarem as mesmas já vai uma distância, a menos que as mesmas queiram usufruir de subsídios do estado que vêm dos impostos pagos por todos… em que aí já espero que pelo menos consiga usufruir de algum benefício da alocação de tais impostos aos privados.

  2. Nuno Silva says:

    Eu que achava que já passavam música portuguesa a mais, agora vêm com esta. É desta que me vou desligar das rádios nacionais e passar definitivamente a ouvir rádios estrangeiras. Rádio Garden, here I come.

  3. Nuno Silva says:

    Ouçam as críticas do Pedro Ribeiro, onde manda a baixo esta disparatada lei… Em direto.

  4. PGomes says:

    Que decisão tão estúpida e unilateral.
    Claramente que foi feita apenas por causa de pressão das editoras e músicos Portugueses.
    Felizmente, já não ouço rádio. Por isso, esta decisão ridícula não me afecta.

  5. José says:

    Música medíocre? Vivemos numa época terrível em relação a boa música, tanto a nivel nacional (que está pior do que nunca, à internacional onde raros são os exemplos de qualidade. Não é por acaso que bandas antigas ainda vivem, sobretudo, num reportório assente em êxitos passados. Basta ver o que acontece nem certos festivais! As bandas de nome e mais antigas esgotam sempre os ingressos! Que saudades da qualidade e diversidade dos anos 60 a 80! Já agora, na internacional deixou-se de ouvir musixasem francês italiano, espanhol e até alemão. Só temos algimas portugueses de gente do”circuito” e algumas coisas aberrantes anglo-saxônica, normalmente, música pop ou rap sem qualidade alguma.

  6. xico says:

    É a democracia Xuxialista

  7. Silvestre says:

    Legislar para obrigar. Tralha socialista.

  8. Peace says:

    Mais uma lei para forçar qq coisa. Sou da opinião que se deve apostar no mérito, se a música portuguesa não passa mais nas rádios certamente é pela falta dele e não é por forçarem as pessoas a ouvir que as vão fazer passar a gostar. Mas tb já ouvia muito pouca rádio, são demasiado repetitivos e metem conversa a mais.

  9. Gigbola says:

    Acho muito bem. Nós os faladores das línguas românticas temos de defender o nosso legado.
    O inglês como língua está ao nível dos móveis do DeBorla. Embora, admita que a sua indústria do entretenimento esta muito mais evoluída que as restantes a nível mundial, por isso a cota ser bem vinda. Contudo era bom que passasse algo diferente do costume…..

  10. xico says:

    Querem arrancar os painéis dos descobrimentos, mas impõem 30% de musica portuguesa.
    É o Xuxialismo. Carrega monhé

    • scp says:

      Ou seja és contra a retirada do padrão dos descobrimentos porque faz parte da nossa história e dos povos com que interagimos nessas viagens mas insultas alguém que tem um passado partilhado com os portugueses.
      Os descobrimentos foram muito mais que ir até lá e voltar, foi troca de culturas e bens. Por isso ao desrespeitares um descendente dessas terras estás a desrespeitar os teus descendentes, os portugueses que contribuiram para a nossa história.

  11. Euéquesei says:

    Não me afecta.
    Rádio do carro só trabalham CD´s a vapores de Hendrix, Doors, Santana, Grateful Dead, Buckethead, Rammstein, Black Label Society e similares.
    Nenhum deles é Tuga, que eu saiba.

    Mas a verdade é que aqui ao lado em Espanha as rádios é só porcaria espanhola de manhã à noite e os filmes são todos dobrados para castelhano.
    Que nunca se lembrem de fazer isso aqui senão é que deixo de ver TV de vez…

  12. miguel says:

    Xuxalismo no seu melhor.

    A nossa sorte é que temos a internet livre.

  13. A grande e a PORTUGUESA says:

    LooooL agora é que vai ser… ouvir todos os dias os DAMAS, Wet Bag band e as musicas brasileiras a quadruplicar!! O que falta é diversificar mais e não repetir sempre as mesmas musicas.

  14. Alvim says:

    Devia ser 50%
    Em Espanha é quase 100%

    A quantidade obriga ao aparecimento de mais qualidade e mais desenvolvimento.

    • Euéquesei says:

      Se em Espanha é quase 100% e isso traduz se em mais qualidade, diga me lá então onde está a qualidade da música espanhola?
      Aquilo é só ruídos aciganados do pior que existe.

  15. Pedro L says:

    e a Netflix ? e o Pornhub ?

  16. anónimo says:

    Já não ouço rádio à muito tempo, porque os locutores falavam demasiado, as coisas que falavam não tinham nenhum interesse, o que queria era ouvir música, muita publicidade à mistura e passava demasiada música portuguesa que não gosto. Na minha opinião, devia haver uma estação de rádio só musica portuguesa, outra para notícias e debates, e outras só música estrangeira, aí sim era boa ideia, estações para cada estilo e língua. Depois caberia ao consumidor escolher aquilo que gostava de ouvir.

  17. Cortano says:

    Por mim é indiferente.
    Não oiço rádio há uns 10 anos.

  18. Renato Silva says:

    Agora eu sei da onde vem essas ideias que ocorrem aqui no Brasil…

  19. Pedro says:

    Parece que ninguém aprendeu nada com o aparecimento das plataformas de streaming, como por exemplo Spotify, Deezer, Netflix, meoplay, nostv, etc… e o impacto que as mesmas tiveram.

    E assim é anunciado o início do fim da rádio.

    • ervilhoid says:

      Mais uma morte anunciada mas a verdade é que a rádio cresceu depois do embate dos leitores mp3 no carro..
      quem ouve rádio é pela música mas também porque é uma companhia do outro lado..
      então Antena 3 tens montes de rubricas, quando vens do trabalho e há um bom convidado na prova oral, não há streaming que bata isso

  20. informado says:

    A rádio orbital continua a dar a mesma musica que gosto. E quanto ao resto ouço rádios na net que não estão alojadas em Portugal, por isso, estou livre desta lei imposta .

  21. Pintor says:

    Já tinha reparado, já não ouvia muita rádio, e a que ouvi era no carro em viagens curtas. Pelos vistos vou mesmo deixar de ouvir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.