Quantcast
PplWare Mobile

Drone da Força Aérea Portuguesa cai na região do Alentejo: é o terceiro

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Boris Johnson says:

    Quando deixarem de ser os sargentos velhos a pilotar as aeronaves e meterem os cabos novos que estão habituadissimos a brincar com drones e rocket leage a pilotar estes drones eles deixam de cair…mas como isso nunca vai acontecer…lá se vão os drones.

    • ois says:

      Quando isso acontecer ainda vai ser pior, notou-se pela forma como escreveste league…..

      • Baku says:

        Não é o que a experiência de Turcos e Americas dizem. Isso é um mundo novo que requer uma abordagem mais distribuída e dinâmica. Os Israelitas com serviço militar obrigatório metem a malta directamente nos drones (a formação é mais barata porque vêm do mundo dos jogos).

    • Baku says:

      O que dizes faz sentido. Quando o Azerbaijão enviou malta para treino na Turquia, os resultados foram maus , tanto é que os operadores no Nagorno-Karaback eram praticamente todos Turcos.
      O problema segundo os Turcos era que a malta Azeri eram oficiais que vinham dos Migs e companhia. Os turcos recomendavam malta que viesse do mundo dos jogos de computador (que claramente não eram os tais oficiais). A USAF também está a mudar o recrutamento por esse mesmo motivo.

      • Alaerte says:

        Aprenda com brasileiros como se fabricam e pilotam drones

        • Baku says:

          Existe algum drone Brasileiro nas forças armadas brasileiras (fab)? Tinha a impressão que as fab só usavam drones israelitas.

          • Meio Parvo says:

            O Brasil produz VANTs desde os anos 80 tanto para fins militares como para fins agrícolas. O mais ambicioso projeto atual é o 14X que pretende desenvolver um drone hipersónico mas outras empresas como a Avibrás que desenvolveu o Falcão para uso por todas os ramos das forças armadas.

    • Emanuel says:

      Os drones sao totalmente autonomos apos descolagem e ate à fase de aterragem. Eles caem em voo e ja hà uma reportagem da sic a explicar a negociata e as quedas. Devido à pressa nao tem os motores adequados à aeronave. Tipico Portugues, tudo em cima do joelho

    • Boris Joe says:

      Quando souberes que são os cabos novos que os estão a pilotar quero ver que tanga é que vais arranjar.

  2. Miguel says:

    Se caiu quer dizer que voou mais do que o da inauguração, força!
    https://www.youtube.com/watch?v=uD3gN1oUerk

  3. robin says:

    4,5 milhões de euros por um torpedo com asas , não está mau.

    • Rui says:

      Em que sítio da notícia afirma que um drone custou 4,5 milhões de euros?
      Eu leio que a FAP gastou 4,5 milhões de euros na vigilãncia florestal, nem sequer refere que foi só a comprar drones, mesmo na notícia tendo informado que a FAP tem 12 drones!!!!

      Eu pensava que ía falar nos mais de 50 milhões de euros que o estado gasta todos os anos só para alugar aeronaves, quando com esse dinheiro já podiamos ter uma frota na própria FAP de uma dúzia de Canadairs e 2 ou 3 dúzias de Tractors + mais 2 dezenas de helis……

      • Manuel Ramalho says:

        Ainda bem que não comprámos essa frota toda que menciona, afinal nem conseguimos enfiar nos C130 os tanques de água que foram comprados para a adaptação e consequentemente combate à fogos.

        • Rui says:

          Diga-me lá em que país europeu é que combatem incêndios dessa forma…….
          Porque será que são usados hidroaviões? Simples, porque aterram em qualquer lado!

          Na Europa, a partir do momento em que baniram os produtos químicos que combatem os incêndios, o C130 a combater incêndios deixou de fazer sentido. Ou acha que faz algum sentido um C130 encher um depósito de água em Monte Real para combater incêndios no norte? Onde é que aterrava o C130? É preciso ter noção do que se diz.

          Em Portugal e em toda a Europa, são utilizados helicópteros e hidroaviões para operarem em lagos, rios e barragens!

          Você tem de ir um bocado mais além do que lê nas notícias que saiem nos jornais, escritas normalmente por quem nada percebe sobre o que escreve. Os jornalistas são especialistas….. em português, quando é preciso saber mais sobre outra área, devemos tentar saber junto dessas pessoas o que elas acham!

          • Manuel Ramalho says:

            Sugiro-lhe então que recue no tempo, à data da aquisição dos depósitos porque, ou a compra foi mal feita, descabida, ou uma vez mais houve uns militares que não quiseram contribuir para o bem civil. Já agora, não vejo qual era o problema de Monte Real se, a maior parte dos incêndios, mais poderosos e, de mais difícil acesso e combate, já eram no Centro do país. Agora é que é proibido (Vá-se lá saber porquê) adicionar químicos.

          • Rui says:

            Sem querer desculpar ninguém, mas conhecendo o que o burgo gasta….. acredito que a FAP tenha dito que a sua missão não sendo a de combater incêndios, também o pode fazer, mas tem custos, porque o C130 não anda a água e precisa de tripulações, manutenção, etc…..

            Os maiores incêndios dão-se de Leiria para norte e nesse terreno montanhoso nada bate os hidroaviões e helis com balde, que podem abastecer água em qualquer lugar ao contrário de um avião como o C130 que teria de se deslocar centenas de km para cada lado só para despejar 1 carga!!!!

            Faça lá as contas se o que diz faz algum sentido!!!!!!

      • aNDRE says:

        Segundo o JN, este era um dos drones que a Força Aérea Portuguesa comprou por 4,5 milhões de euros destinados à vigilância florestal .

        OS DRONES ERAM DESTINADOS A VIGILANCIA FLORESTAL , O PRECO DO DRONE FOI 4.5 MILHOES , LEIA A NOTICIA PAH

  4. Manuel Ramalho says:

    Tenho a certeza que foi mais um abatido pelo nosso grande inimigo, a Rússia. Entretanto há uns quantos a passar umas brutas férias à conta de mais este bem “elaborado” negócio.

  5. António Fontes says:

    Por este andar, começa a ficar mais barato um avião pilotado. Se caíssem assim aviões deixava de haver pilotos.

  6. Eu says:

    Resumo: 4,5 Milhões entregues em mãos erradas. FIM.

    • Rui says:

      Deixa ver se eu percebo este raciocínio genial com uma metáfora:
      Nós damos ambulâncias ao INEM, se eles têem acidentes então não vamos dar ambulãncias ao INEM e não gastam dinheiro, é isso? Passamos a transportar doentes de burro?

      A metáfora é semelhante!

      Ou então temos carta de condução, se temos um acidente, vamos impedir esses condutores de voltarem a conduzir!

      • Filipe says:

        Uma coisa é contribuirmos para coisas que são úteis para todos. Outra coisa é contribuirmos para coisas completamente inúteis, apenas para que Portugal apareça nos noticiários a dizer que tem isto e aquilo.

        Dinheiro muito mal gasto, num país onde a maioria ganha apenas “duas cascas de alho” e nem sequer pode optar para onde quer que seja direccionado o dinheiro dos seus impostos. Além do mais, compram coisas que nem sequer sabem usar: drones, submarinos, doses e doses de medicamentos inúteis, … E posso continuar na lista que isto ainda daria mais um bom número de linhas.

        Acorda.

        • Rui says:

          Vigiar as florestas é dinheiro mal gasto? É preferível no futebol? No Euro?

          Fico admirado quando um cidadão não sabe porque é que um país precisa de forças armadas e critica o que desconhece, “para que compramos drones e submarinos….”

          A resposta é muito simples, se o país quer ser independente, tem de zelar pela sua própria segurança.

          Faço-lhe a pergunta ao contrário, porque é que Portugal, Espanha, França, Reino Unido, Alemanha, Suécia, Países Baixos, Itália, Grécia….. têem submarinos? São países doidos? Gastam dinheiro sem ponderar onde?

          Não investimos na nossa segurança? Pedimos ao vizinho para vir ajudar-nos?

          O país ou o mundo idílico que você imagina não existe. Em qualquer país há pessoas mal intencionadas ou países que concorrem com outros e a defesa não é alienável ou quer entregar o país a estrangeiros como estão a fazer os actuais governos quando colocam empresas estratégicas nas mãos de estrangeiros?

          Não percebo como uma sociedade supostamente mais instruída de sempre não percebe que temos de ser nós a zelar pela nossa segurança e nunca depender dos outros exclusivamente! E isso custa dinheiro.

          Tem é de se questionar porque é que todo o mundo tem a sua própria defesa!

          • Rui says:

            Já agora convido-o a googlar pelas forças armadas só dos nossos vizinhos, como Marrocos, Argélia (essas potências económicas magrebinas) e Espanha e vai constatar que Portugal é o mais fraco deles todos (a nível de defesa), mas nós é que somos inteligentes ao não investirmos na nossa defesa, os outros são doidos e rebentam dinheiro por causa de nada.

            Vá lá comparar as Forças Armadas desses países e diga-me lá como é que Portugal é o elo mais fraco desses 4 (Marrocos, Argélia, Espanha e Portugal). E mais cómico é que supostamente Portugal tem a maior zona económica marítima destes 4….. não tem é nada para vigiar tanto mar…… das 5 fragatas com 30 anos que temos a caírem de podre, só uma está a navegar…. uau!!!!!
            Encostamos o único reabastecedor com mais de 50 anos de serviço!!!!!!!
            Temos meia dúzia de arrastões do século passado (design) desarmados!!!!!!

      • Andre says:

        O sr rui cale mase a boca, eu sinplesmente fiz a conta do que eles gastaram 54milhoes de euros em drones? Quando a pessoas a passar fome e a viver nas ruas? Teja mase calado seu triste !!
        Ou nao gostou de eu ter lhe respondido o que voce nem leu a noticio e ta atacar as pessoas sem razao?
        Sem mais conversas .. tenha um bom dia

  7. Edu says:

    O meme nunca morre

  8. Alentejo é vida says:

    Se já não é o primeiro a cair nesta zona se calhar deviam começar a investigar o porquê e não culpar novos pilotos ou investimentos errados… Têm que ser feito uma averiguação destas quedas. Tal e qual como as mudanças climáticas que têm havido por todo o mundo após o lançamento dos tão falados drones do Dubai para fazer chover milagrosamente… Pensem nisso….

  9. planeta0 says:

    Qual será a autonomia do brinquedo? Será que tem a tecnologia como a da DJI que quando está a ficar com pouca bateria volta para “casa” ou simplesmente cai quando ela acaba?

  10. Castle says:

    Curiosamente numa zona de praias fluviais… 3 Reis

  11. airtup says:

    A corrupção e compadrio dá nisto.
    Basta conhecer as empresas que fizeram estes drones para saber do que falo.

    • robin says:

      Mais uns buracos negros, agora vem Tap, um buraco pior que o BES, e depois será o hidrogénio num Pais decente seria viável aqui vai ser servir para derreter dinheiro.

  12. Tu lá sabes says:

    ” Segundo o JN, este era um dos drones que a Força Aérea Portuguesa comprou por 4,5 milhões de euros destinados à vigilância florestal, nomeadamente no período mais crítico de incêndios.”
    4,5 M não está mau neste pais de chuchas e Maçons

  13. SANDOKAN 1513 says:

    Outro ?? Mas aquilo é algum triângulo das Bermudas ou quê ?? Foge. 🙂

  14. TSSRK says:

    Esses não são da tekever?

  15. António Guimarães says:

    Não é suposto voarem? É que os nossos só se despenham…. serão versão Crash test dummies…..

  16. Paulo mourita says:

    Falta de orçamento como sempre

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.