Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: Drones com câmaras térmicas para vigiar restrições no Natal

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Daniel says:

    quais perdas de direitos e liberdades, quais quê…rebanho bem guardado e educado..
    é tudo teorias da constipação..

    • SSD says:

      Sim a Bélgica esse país ditatorial… Se os belgas se comportarem tão “bem” como os portugueses no estado em que o país deles está, sinceramente é aceitável. Podem-me enxovalhar á vontade mas é um bocado como os presos, não sabem estar em sociedade, ficam fechados para não prejudicar ninguém.

    • Pedro Fonseca says:

      Direito de quê!? Infectar outros? Ajudar à propagação de uma doença que pode matar e para a qual ainda não existe medicamento ou vacina em distribuição?

    • Sujeito says:

      Lá está. Bem educados e a pedirem para serem guardados como se vê.

    • Rui says:

      quais direitos? achas que tens direito a infetar outras pessoas ? acho muito bem e se saires levas um tiros nos cornos para nao estares a brincar com a saude das pessoas

    • Joao Ptt says:

      Até parece que perder 17,692 pessoas o equivalente a 0,152359% da população actual estimada em 11,612,063 pessoas não é caso para parar todo um país como a Bélgica.

      Sabe como é… a vida está acima de tudo e todos, mesmo que prejudique gravemente os restantes 99% da população.

      Vai ver se quando os radicais islâmicos apoiados pela China ou os russos invadirem algum país europeu se estes mesmos estados vão estar preocupados com a saúde das pessoas e não as vão tentar obrigar a serem militares à força, ao mesmo tempo que os próprios políticos não se inscrevem todos e não vão, de jeito algum, para a linha da frente de combates…. onde a saúde das pessoas estará em óbvio risco extremamente elevado… porque o que é fixe é mandar os outros.

      • UnExpert says:

        Já lhe dei o benefício da duvida algumas vezes mas estou a ver que é tão aluado como o Sardinhas, o Carlos Santos (ou o misterioso CS), etc.
        Então não era o João que há anos que andava com a máscara na rua? Para quê se depois quando aparece uma situação que ela é mesmo precisa vai dar razão aos que se recusam a usa la e a cumprir o resto das regras? É porque eu repito ou na sua zona são todos cidadãos modelo que usam até a mascara como deve ser ou não percebo essa opinião. Por aqui a máscara continua a fazer de cachecol e as reuniões sociais continuam a acontecer como se nada fosse em cafés, confeitarias, etc.
        Mas pronto os mortos serão sempre números até vos tocar pessoalmente. Eu como vi alguém que respeitava partir e sendo eu que habitualmente vou estando com os meus avós podes ter a certeza que não vou facilitar.

        • Joao Ptt says:

          Mesmo que me toque pessoalmente, ou seja eu próprio a morrer com ou do coronavirus, continuo a achar que existem valores mais importantes… como a dita liberdade, com responsabilidade claro.
          A máscara funciona, se for sempre utilizada e a mesma estiver bem justa para todo o ar ter de passar pela parte que filtra… pelo menos na proximidade de outros e em espaços fechados com má ventilação ou com outras pessoas presentes no mesmo espaço.

          O problema que descreve de nem toda a gente usar máscara é bem real, só lá vai com muita consciencialização e explicação adequada a cada pessoa do como funciona e porque funciona… não é só dizer: usem. Aqui vejo tanto adolescentes em idade escolar como pessoas adultas e até mais idosos perto uns dos outros sem a mesma. Para mim não é preocupante porque não considero o vírus actual como um problema sério de saúde pública, embora muitas pessoas fiquem com problemas sérios e algumas até morram, mas é uma minoria. A máscara seria mais só para acalmar os políticos e algumas pessoas que começam a imaginar cenários apocalípticos quando não existe razões para tanta preocupação generalizada, não é como se fosse matar 50% ou mais da população… desconheço a percentagem exacta do total da população que iria morrer se andasse à solta sem qualquer contenção mas não parece que ande a matar tanta gente mesmo entre aquelas que estão registadas como tendo sido infectadas e a percentagem deve ser ainda menor porque provavelmente a maior parte das pessoas infectadas nem sequer chegam a ser registadas como tal. E claro também para manter as unidades de saúde com capacidade de receber as pessoas… que só não têm capacidade para mais porque aqui gostasse de viver no limite e planear para as catástrofes é coisas impensável, como se vê pelos estudos acerca dos terramotos que anos após ano se vai falando que o tempo de repetir-se um terramoto como o de 1 de Novembro de 1755 já chegou à algum tempo e que vai acontecer a qualquer momento e no entanto já se sabe que vai ser uma desgraça por exemplo em Lisboa e nas zonas costeiras se voltar a existir um tsunami com ondas elevadas porque nada de substancial foi feito… vai provavelmente morrer muito mais gente de um terramoto desses que é um evento já anunciado há vários anos como inevitável do que do coronavirus… e não vejo nada a ser feito a nível de prevenção, reforço de estruturas em hospitais que já se sabe que vão ruir, provavelmente ficar sem energia mesmo que não vão abaixo e por aí em diante.

          Como alguém que já não tem alguns familiares, e que morreram de outras coisas que não o coronavirus, digo apenas que a morte faz parte da evolução, as pessoas gostam muito de pensar no nascimento, e na vida em si, mas pouco gostam de pensar na morte e no que significa e aquilo que os espera no outro plano de existência… se sequer admitirem tal possibilidade, que o que não faltam são materialistas que pensam que quando morrem tudo acaba simplesmente… quando a realidade é bem diferente, até pode vir a acabar para eles, mas ainda longo tempo demorará tal fim realmente e não sem um indescritível processo de perda da consciência do Eu, enquanto personalidade única. Para os outros, os poucos que conseguirem ascender (se alguém conseguir) a vida então é trabalho permanente… o descanso é só aqui na Terra e mesmo aqui só é necessário para o corpo físico, os sonhos são a demonstração de como o Eu continua activo ainda que apenas em outro nível/ plano de existência (meros segundos terrenos antes da pessoa realmente despertar equivalem nos sonhos por vezes a anos de intensidade de vivências), infelizmente o significado dos sonhos continua a ser um problema sério de interpretar por conta do intelecto ainda demasiado cultivado/ excitado com todo o que é feito para o activar para além do recomendado com todo o tipo de lixo intelectual que lhe é atirado não só mas também na escola, e hoje em dia ainda com actividade física em desporto que também é desaconselhada, não obstante as crianças precisem de se exercitar, mas do exercitar ao desporto ainda vai um grande passo. Tanta coisa na sociedade actual que está errada, vai ser necessário uma grande e profunda transformação que não está dependente da vontade das pessoas ou jamais aconteceria, em especial com a opinião dominante na sociedade.

          • UnExpert says:

            Pronto mas não é por o João não ter familiares que estejam em grupos de risco que o resto do pessoal vai deixar de se preocupar.
            Eu tenho no outro espectro e tenho meia dúzia dela. 3 avós ja perto do 90 ou que já passaram, tenho um primo com fibrose quística, tenho um tio que teve parte do pulmão removido por causa de um tumor. Ou seja eu e restante família temos de ter o cuidado máximo mesmo. Mas esse cuidado pode não adiantar de nada se a pessoa que vem a meu lado no autocarro vem a respirar no meu pescoço e ssm máscara. O meu amigo ao tempo que recomenda as máscaras eu acredito que respeite pelo menos isso mas há muita, mesmo muita gente que não consegue sequer usar a máscara direito. E essas pessoas são geralmente as que mais reclamam da situação.
            Eu estou farto de dizer também para haver direitos também tem de haver deveres. E o povo só reclama a parte deles.
            E fazendo um parenteses final pegaram no número total da população para fazerem a percentagem é só estúpido e é algo que já repeti também aqui, por essa lógica nenhuma doença importa. A “doença” que mais mata em Portugal são os AVCs com cerca de 11 mil mortos anuais. Por essa lógica o que é que é 0.001% da população? Agora se pegarmos no total de mortos e virmos que esse número representa mais de 10% do número de fatalidades ai “a porca torce o rabo”.
            E em segundo felizmente ainda não chegamos a esse ponto mas na Bélgica o número de mortos por Covid já superou o número de mortos total por doenças respiratórias. Ou seja se não formos analisar a situação tão banalmente como qualquer negacionista faz percebemos que a situação também não é muito normal (até porque o discurso deles ia se manter igual mesmo que o número quadriplica se mas pronto quer se juntar a eles é livre de).

          • Joao Ptt says:

            Tenho familiares no grupo de risco, mas como compreendo a vida como um todo, e que a passagem aqui pela Terra apesar de importante é apenas isso, uma parte da vida da pessoas, então a minha perspectiva é diferente, porque para mim quem morre aqui na Terra, não deixa simplesmente de existir, vai para outro plano de existência, se é bom ou mau já depende das acções da própria pessoa, a Justiça é implacável nesses aspecto e por isso não há possibilidade de injustiça no destino da pessoa.

            No fundo sabe que todas essas pessoas de que tem receio estão a viver em condições precárias, e que podem ir embora seja do coronavirus, ou de uma simples e comum gripe ou de outra coisa qualquer. As pessoas não devem viver em medo, porque isso também atrai os problemas ao abrir uma brecha na protecção natural que de outra maneira manteria o problema afastado da pessoa.

            Para este vírus (e outros) já se sabe como proteger, é usar máscaras apropriadas… a maior parte delas já teria sido banida por mim porque claramente não protegem a 100% do ponto de vista teórico já que todo o ar ter de passar pelos filtros para oferecer a dita protecção teórica, mas enfim, ainda assim são melhor que nada.

            O número de mortes em Portugal, dizem, que já dos mais altos de sempre, e curiosamente não é por causa só do coronavírus certamente porque foram ainda menos de 6000 pessoas que morreram dessa causa, alegadamente, disso se concluí que as pessoas estão a morrer de outras causas, e eu pergunto: e essas pessoas não tinham direito também a viver mais tempo? Talvez não, mas o que é certo é que se tivesse acesso aos cuidados de saúde habituais, que provavelmente não incluíam cuidados intensivos sequer, talvez estivesse vivas. Mas começou tudo com medo a cancelar e a adiar consultas e operações. Mas lá está é a visão com palas… só vêm aquele « um » problema, só se preocupam com aquela uma ou meia dúzia de árvores e esquecem tudo o resto, ou exemplificando: esquecem-se do resto da floresta que depois sofre com essa negligência. O político tem tanto que se preocupar com a pessoa individual como o da comunidade como um todo… neste momento continuam focados só na pessoa individual e só com aquele um problema que poderá ou não (mais provavelmente não) causar-lhe sérios problemas.

            A lógica das percentagens é só para explicar o ridículo da situação para quem só quer saber de números… e também para esses os dados indicam quem é uma ínfima quantidade de pessoas aquelas que morrerem… como aqueles que morrem são muito poucos, então os meios de comunicação social e políticos concentram-se nos números de “infectados”. Por essa lógica, do número de infectados, também as constipações e gripes deveriam fazer parar o país uma ou duas vezes por ano durante umas semanas/ meses, até porque os sintomas de ficar com dificuldades na respiração, dores de garganta, dores de cabeça e por aí em diante também deveria ser motivo para pânico generalizado ainda que depois a quantidade de pessoas que morre disso também seja objectivamente reduzida… no fundo o coronavirus é a mesma coisa, talvez com um alegado número de mortes ligeiramente mais elevado, mas nada que implique colocar a existência da população mundial em perigo de desaparecer.

            Os AVC’s alegadamente também são possíveis de prevenir, com boa alimentação, exercitar o corpo, trabalhar moderadamente todos os dias, não fumar, dormir bem, viver uma vida relativamente calma, e por aí em diante. Mas objectivamente 10 mil mortes/ ano em mais de 10 milhões e 100 mil pessoas também não é caso para preocupação… a esse ritmo seriam necessários 1010 anos para morrer toda a população disso, e era necessário que não nascesse mais ninguém… algo me diz que todos vivos actualmente terão morrido muito antes de muitas outras coisas que não disso, o que não significa que não se deva tentar melhorar a forma de viver para prevenir esse e outros problemas similares que surgem por se viver de forma errada.

            Não fui, e não sou negacionista do coronavirus, ou nem tinha falado das mascaras para reduzir a quantidade de pessoas que enchiam as urgências dos hospitais. Mas também não sou “paniquista” a querer parar todo um país por causa de um vírus com baixo nível de impacto na população em termos de pessoas que ficam em estado tal que tem de ser hospitalizadas e/ ou que morrerem. O Estado está tão preocupado com as pessoas, mas os lares que têm levantado mais preocupação mediática do que em relação à restante população em geral e onde era fácil ao estado intervir no sentido de garantir que todas as medidas de segurança adequadas estavam a ser efectivamente tomadas, nem nesses o Estado tem conseguido ter uma actuação eficaz… no fundo tomam medidas atrás do pânico e não se guiam sequer pela racionalidade de que por vezes tanto se orgulham, nem sequer naquilo que faz sentido.

            Na Bélgica morreram, alegadamente, 17,792 pessoas do coronavirus, a população actual lá também é um pouco maior que em Portugal, lá serão umas 11,612,201 pessoas, mas se o número de mortos lá for parecido com o de Portugal então também morrerão entre 100 a 150 mil pessoas todos os anos de qualquer das maneiras, tenha sérias dúvidas que não esteja mais pessoas também lá a morrer de outros problemas que antes eram tratados e agora não porque fecharam “portas” por conta do pânico. Sim, morreram, alegadamente, 17,792 pessoas… e quantas mais terão morrido desnecessariamente de outras coisas só porque deixaram de ou ir atrás da assistência médica ou cuja mesma lhes foi recusada… também é uma pergunta válida, e desconfio que o número de mortos por outras causas sejam muitíssimo superior ao daqueles que morreram de coronavirus.

          • UnExpert says:

            Oh homem eu também acredito que existe algo mais para além da vida terrestre, o que não quer dizer que não olhe para os 2 lados antes de atravessar a estrada, o que não quer dizer que não garanta que os meus avós (eu ou outro famíliar, felizmente nesse aspecto não me posso queixar) tomem a vacina da gripe todos os anos.
            E em relação às operações ainda ontem vi uma notícia que boa parte dos transplantes (entre outros) foram adiados ou canceladas pq o hospital estava inundado de doentes covid e como é obvio essas pessoas são as que menos podem correr o risco de apanhar seja que virus for e muito menos este.
            O medo e as pessoas deixaram de ir às consultas claro que é preocupante, claro que um problema também. Mas teres hospitais pelas costuras ou que se vão aguentando mas que cheguem a um ponto em que achem que é demasiado perigoso terem pessoal recém operado por ali também não é melhor de certeza.
            A morte pode ser natural mas querer adiar a sua cheguada é só humano.

  2. Miguel says:

    Um que um vírus que tem uma taxa de mortalidade baixa quando comparado com outros fez ao mundo.

    • Rui says:

      por mim ate podia ter 0.00001% de mortalidade mas o meu avo morreu deste e nao morreu dos outros. Mania de serem atrasados mentais

    • jafostes says:

      As mazelas não contam, está certo.

    • Louro says:

      @Miguel,
      Se achas que 1590689 de mortos é baixo, considerando todas as restricoes impostas para conter a propagacao deste virus, entao acho que vives num mundo completamente desajustado…

      Também é claro que isto nao te afectou a ti nem a um dos teus, porque no dia em que estiveres tu entubado ou vires algum ente querido teu entubado num hospital a suplicar por ar infectado com isto, já vais ter uma opiniao completamente diferente.

      Já pareces aquela malta que no inicio dizia que o virus era mentira, porque nao conheciam ninguém que estivesse infectado.

      • Sardinha Enlatada says:

        Muito gostam voces de distorcer as coisas. Esses numeros sao a nivel mundial. Em Portugal os numeros continuam baixissimos

        • Joao Ptt says:

          Vai-me dizer que 0,051829% (5,278 pessoas) de mortos com ou por causa do coronavirus em uma população actual estimada de 10,183,403 pessoas não é uma desgraça completa? Que tal não justifica prejudicar os restantes 99,95% da população?

          • Hélio Musco says:

            Agora imagina se não tivesses tomado medidas restritivas. Tinhas hospitais com filas intermináveis de pessoas infectadas, cemitérios abrir valas comuns, igrejas apetrechadas com funerais, lares a virarem autênticas casas mortuárias…

            Mas não, o mundo está todo maluco e o aqui o Joao Ptt é que sabe como resolver isto tudo.

          • Joao Ptt says:

            Aqui o Joao Ptt tem um problema que é saber que morrem em média 100 a 120 mil pessoas em Portugal todos os anos, logo morrerem mais 6 mil, 15 mil, 20 mil não parece assim tanta gente mais na grande visão do todo.

            Se fosse um médico e tivesse o serviço atolado de gente a morrer por incapacidade de assistir compreendo a frustração, mas daí a parar todo o país por mau planeamento para uma coisinha de nada, imagine quando existir um terramoto a sério seguido de tsunami… aí vai ver o que é uma catástrofe a sério e a incompetência que vai ser só multiplicada pelas condições ainda mais precárias… apesar de toda a gente da área estar consciente que vai acontecer, só não sabem se é hoje se daqui a 10 anos.

            Já sabia há muito que doenças de todo o género viriam para mandar para o além aqueles que não devem mais permanecer na Terra. As doenças já existem há muito tempo, não são de agora. Sejam boas pessoas ou não, todos têm de partir em determinada altura, este vírus é apenas um de uma imensidão deles que faz esse trabalho, e até está a levar poucas pessoas, o previsto é que venha um outro daqui a uns anos que vai levar uma enorme percentagem da população mundial para o além, poderia até ser este, porque ninguém (aparentemente) sabe o momento exacto, a mim parece-me que as condições para o dito vírus aparecer ainda não estão reunidas, mas já falta pouco.

            Mas este vírus é um alerta preocupante: quando vier o vírus com o qual deve realmente estar preocupado pelas dimensões que irá ter em termos de pessoas infectadas que realmente morrem dele as medidas são claramente insuficientes para conter-se o que que seja… já se sabe a teoria, mas a falta de treino, equipamento (para isolar a casa do exterior e tratar o ar) e em especial os preparativos (água e alimentos) para um longo isolamento vão ditar a morte certa da maioria das pessoas que não está preparada e que não goza de protecção espiritual por sua própria responsabilidade, que agora só não morreram porque é um vírus relativamente benigno.

          • Hélio Musco says:

            Isso é tudo muito interessante mas não disse como iria resolver isto tudo, isto é, acabar com o vírus.

          • Joao Ptt says:

            Não disse como ia resolver o problema dos vírus, porque não acho que seja uma coisa para eu resolver.

            Os vírus, bactérias e tudo o mais existem há imenso tempo e vão continuar a existir ainda por muito tempo depois de não haver humanos por cá.

            Apenas tomaria medidas de segurança permanentes em locais como centros médicos onde é mais provável aparecerem pessoas com problemas de saúde (todos a utilizarem máscaras de protecção adequadas, lavarem bem as mãos, sistemas de ventilação com filtros adequados para manter um ar especialmente limpo, adequada limpeza dos espaços, etc.).

            Para a população em geral recomendaria a utilização de máscaras na proximidade de outros e em locais fechados.

            Quanto às vacinas, considero-as importantes, mas se fosse eu a mandar não ia obrigar alguém a tomá-las, ia incentivar as pessoas a tomarem a mesma, depois de ter a certeza que ou não tinham efeitos secundários preocupantes ou pelo menos que apenas afectavam uma ínfima quantidade de pessoas que costuma ser o normal nas vacinas, sempre alguém tem reacções alérgicas, e para tal provavelmente será preciso um bocadinho mais de tempo a observar as pessoas vacinadas na fase de testes para se verificar esses problemas… normalmente demoram anos a ter a certeza que não há problemas secundários que afectem as pessoas.

            Por último: vírus, bactérias e outras coisas que matam seres humanos já existem desde sempre, e continuarão a existir, quer afectem ou não os seres humanos. As previsões do passado apontam para que futuramente a maioria da população venha a morrer de doenças que vão surgir (além das que já existem em circulação), por isso não tenho dúvidas que é apenas uma questão de tempo para que tal aconteça, se é daqui a 10 ou 200 anos não sei, mas tal período de tempo parece mais próximo dos 10 anos que dos 200. As previsões também falam de cataclismos terríveis aqui na Terra, ainda mais do que aqueles que já aconteceram. O porquê? É só para que fiquem apenas as pessoas que realmente se esforçam verdadeiramente por serem correctas e deixarem de ter as outras que as impedem de conseguir no seu caminho… no fundo é uma questão de justiça implacável que não se importa com a opinião dos humanozecos e que irá impor a paz pela força já que de outra forma não foi possível. As pessoas estão a auto-julgarem-se com as suas acções na actualidade ainda, e isso determina o seu destino.

  3. José Fonseca Amadeu says:

    É por estas e por outras que ainda gosto de cá andar, pelo menos vou-me divertindo 😀

  4. Sardinha Enlatada says:

    Qual que ? Tudo e permitido no pais das maravilhas. So faltava criarem o motivo para toda esta palhacada. Motivo esse chama-se Covid 19. Liberdade das pessoas nao interessa para nada, e muitos concordam com isso. Va-se la perceber porque essas cabecinhas pensam assim. Sera medo ? panico ? Ou sao mesmo estupidos de nascenca ? E so escolher.

    • UnExpert says:

      Podia se fazer exatamente a mesma pergunta em relação ao pessoal que acha que pode andar aí a passear sem o mínimo de cuidado com toda esta situação. A Bélgica tem “só” mais um milhão de pessoas que nós apresentando quase o dobro dos casos e mais do triplo dos mortos, números que fazem os americanos parecer um povo responsável. Mas pronto deve ser com o que se passa aqui, é só chorar por direitos, os deveres ficam para os outros

    • Bernardo says:

      Nao nao interessa nada quando se trata de um motivo de saude publica a tua liberdadezinha acaba no momento em que vais para a rua infetar outras pessoas, incrivel como ate na saude as pessoas sao estupidas e sim noteu caso foi mesmo à nascença, só tens é de me dar a tua morada para se tiver infetado ja sei onde ir assim pode ser que estupides acabe já

      • Godlike says:

        É por comentários como o teu que a humanidade merece o que está por vir.

        Os ricos a ficarem mais ricos e as ovelhas fechadas em casa com paranóia de tudo e de todos.

        Se podermos tirar uma conclusão desta pandemia é que foi um verdadeiro teste ao potencial e aos limites da humanidade.
        Agora ficas-te a saber por experiência própria o que um plano bem constituído pode fazer com a humanidade, e [eles] também sabem.

        Eu tenho direito natural à minha liberdade, não és tu, não é o estado, nem nenhuma outra pessoa ou entidade que me dá esse direito, é um direito com o qual nasci e pelo qual trabalhei, assim como os meus antepassados.
        Se não gostas fica em casa trancado ou vai viver para longe do resto da sociedade.

        Vais ficar na tua casinha fechado para sempre? Vais ser um menino obediente e fazer aquilo que os teus donos te mandam? Bom menino.
        O Hitler também convenceu os Alemães que matar os Judeus era essencial para “o bem maior”.

        Quero ver quem se vai importar com a tua saúde quando estiveres nos gulags… Isto é, se sobreviveres à vacina.

        • Hélio Musco says:

          Comparar holocausto com o covid é duma completa falta de senso.

          De um lado tens uma pessoa que ordena a matança de várias raças só pelo facto de não gostar delas. Do outro tens não uma pessoa, não duas, mas dezenas de países a lutar contra um vírus.

          É por estas e por outras que continuamos onde estamos. O egoísmo durante as crises tem um impacto brutal. Imagina que o UK não declarasse guerra contra a Alemanha Nazi pela razão “não me estou para preocupar”. Imagina que quem desenvolvesse a vacina, não partilhasse com o mundo pela razão “os outros que a arranjem”. Imagina que não havia instituições para ajudar os mais desfavorecidos durante estes tempos pela razão “eles que trabalhem”.

          Vê se sais desse buraco onde estás. Quanto mais cedo o fizeres, melhor para a sociedade.

          • Joao Ptt says:

            Tendo em conta o baixo número de mortos, considerar o coronavirus um problema sério para a humanidade é no mínimo de gente idiota.

            O Hitler foi perseguir precisamente aqueles que anteriormente tinham falhado perante o Filho de Deus, curiosamente ao mesmo tempo que os próprios alemães falhavam perante o Filho do Homem. A ironia tem destas coisas.

            A Alemanha iria perder a guerra fosse por onde fosse, por conta do seu falhar os tempos de retorno das acções já eram diferentes na altura e o perder da guerra estava garantido… e as chefias mais altas sabiam disso, havia várias previsões disso só que eles preferiam matar os mensageiros em vez de reconhecerem os erros e mudarem, mesmo que o Reino Unido não tivesse declarado guerra, a Rússia e/ ou os Estados Unidos da América teriam lhes tratado da saúde… que foi na prática o que aconteceu, sem ajuda dos EUA o Reino Unido não teria tido qualquer hipótese real de sequer proteger-se quanto mais de participar na vitória da guerra.

            Se quem desenvolvesse uma vacina não a partilhasse o que não faltaria seriam alternativas: como se vê! E muitas outras estão em desenvolvimento. Mesmo sem qualquer vacina a esmagadora maioria das pessoas não morreu e não morrerá do coronavirus, pelo menos das actuais versões em circulação.

            Talvez seja altura de deixar de assistir a tanta televisão e jornais que vivem de propagar o medo e o receio, sem falar em propagar mentiras e outras coisas erradas como a indecência e promover outros valores errados como sendo correctos.

          • Hélio Musco says:

            @Joao Ptt, o covid nos EUA já fez mais mortos em menos de 1 ano do que 2a Guerra Mundial em 4.

            A Alemanha podia muito bem ganhar se não tivesse os Britânicos como inimigos. Podiam ter investido mais números na Barbarossa e assim chegar a Moscovo. Sem USSR no caminho, não seria os USA sozinhos que iriam tomar conta da Alemanha.
            Dizer que os Britânicos não tiveram impacto na 2ª Guerra Mundial é negar o esforço de +300.000 combatentes que morreram ao serviço dos Aliados. Vai ver o que se passou na campanha em África. Um dos melhores generais (Erwin Rommel), se não o melhor, da Alemanha foi derrotado apenas com tropas britânicas.

            Se ninguém partilhasse a vacina, todos os países eram obrigados a fazer uma para si. Ou seja, países mais pobres, e.g. Portugal, agora não teriam acesso a nenhuma vacina e teriam de continuar em confinamento até terem desenvolvido uma.
            E quando dizes que a esmagadora maioria ainda não morreu, é só sinal que o número de mortes não te afecta.

            Falas em jornal de propagar medo, mas vejo aqui muita gente com medo da vacina…
            Se achas que menti nalgum ponto, aponta. Até vê se acordas para a vida e deixa o teu umbigo de lado.

          • Joao Ptt says:

            Nos EUA decidiram que as máscaras eram má ideia, como cá em Portugal durante bastante tempo, e as pessoas que não pensam por elas próprias acharam que era boa ideia fazer o que lhes diziam sem ponderar se não faria sentido utilizar as ditas máscaras.

            Fui dos primeiros por aqui a escrever que as máscaras fazem sentido e que protegem quando são adequadas e utilizadas correctamente.

            Mesmo que 301,906 pessoas tenham morrido de coronavirus nos EUA (o que é debatível), ainda assim numa população de 331,865,090 pessoas estimadas que o país terá neste momento, corresponde a 0,090973% da população actual que morreu do coronavirus. Desculpe lá a minha insensibilidade em não querer ver um país fechar tudo e restringir a liberdade das pessoas porque uma pequeníssima quantidade de pessoas morreu e está a morrer de um vírus… para mim as restantes 99,9% das pessoas tem o direito a continuar a viver e a não ter de passar por graves provações (perda de emprego, maior insegurança, fome, agravamento das suas doenças já existentes, restrições aos seus cuidados de saúde, etc.) só porque as televisões, jornais e alguns políticos andam todos malucos e chanfrados da cabeça a fazer uma tempestade num copo de água.

            A Alemanha não poderia muito bem ter ganho a guerra, estava condenada desde o início a perdê-la e os mais altos responsáveis NAZIS sabiam perfeitamente das previsões que indicavam claramente que iam perder a guerra, eles sabiam, apenas decidiram ignorar. Os Alemães queriam implementar um sistema errado e era impossível já naquela altura, e em especial naquela altura, implementar tal sistema errado, talvez uns séculos ou milénios antes fosse possível mas não naquela altura. Fizeram estragos até mais não, mas não conseguiram ganhar e voltaram a perder a guerra.

            O Reino Unido só se aguentou verdadeiramente por conta da ajuda dos EUA que mandavam de tudo para lá, porque de resto estava praticamente isolada do resto do mundo, já que a marinha alemã tentava de tudo para manter a ilha isolada.
            Com essa ajuda é que foi possível aos ingleses fazer a guerra e levá-la aos alemães um pouco por todo o lado.

            Se ninguém partilhasse a vacina (no sentido de a disponibilizar para venda) seria inédito, porque normalmente sejam os cientistas individualmente sejam as empresas gostam ou de partilhar a informação ou de vender as vacinas, e com várias soluções já encontradas e mais em desenvolvimento até aqui em Portugal estranho seria senão chegassem a quem delas precisa/ quer uma vez verificada a sua eficácia.

            Mesmo que não surgissem vacinas o número de afectados gravemente e que morrem do vírus é tão baixo que a sociedade continuava normalmente assim os políticos não andassem malucos e fossem um pouco mais racionais para variar… que costumam ser racionais para outras coisas e nisto parece que apanharam um vírus mas da estupidez.

            As pessoas estão com receio da vacina porque esta foi desenvolvida em menos de 1 ano, e se desenvolver vacinas costuma ser rápido, isso não é novidade, aplicá-las na população toda em menos de 10 a 15 anos de prolongados estudos para verificar a eficácia e efeitos secundários… isso já não é tão vulgar e é preocupante caso tenham cometido algum erro na fórmula pode criar problemas que o próprio do vírus não criaria, e ser pior a emenda que o problema.

            Quanto ao meu umbigo, tendo em conta que está mais preocupado com uma minoria muito pequena de pessoas, que até já se podem proteger se quiserem com máscaras apropriadas, parece-me que é você que está mais preocupado com o seu umbigo do que com o bem estar geral… só vê o problema, porque só falam nele nos meios de comunicação social, e não o todo.

          • Hélio Musco says:

            Já reparei que gosta muito de comparar as mortes pela população. Nada contra, pois não está a dizer nenhuma mentira.
            Mas tente ver doutra perspectiva. Só hoje (12/12/2020) morreram 3019 pessoas nos USA com Covid. Um número superior às mortes no 11 de Setembro, o suficiente para os USA entrarem em guerra com o Iraque. Pela perspectiva que estás a olhar, 3000 mortes não é nada, por isso não se justificaria entrar em guerra (i.e. perder vidas, gastar milhões, desperdiçar recursos, etc…).
            Neste momento, o Covid já teve o impacto de +100 vezes o 11 de Setembro em menos de 1 ano.
            É verdade que por causa desta pandemia, outros problemas agravaram-se, mas isso é exactamente o que acontece quando se está em guerra.

            Essa perspectiva também “falha” quando se calcula para situações iniciais, e.g. porque é que a China preocupou-se com umas centenazitas de infectados…eles tem 1.4 mil milhões de pessoas! Ou seja, no teu ponto de vista, até que ponto o número de mortes/infectados começa a ser problemático?

            Sobre a Alemanha Nazi. Por alguma razão a Alemanha nunca conseguiu invadir o Reino Unido, nem por mar, nem por terra. Essa razão estava na marinha (que era a maior no início da WW2), no poderio aéreo e nalguns truques que o UK tinha na manga (e.g. radar). Só na Battle of Britain, os alemães perderam perto de 2000 aviões em 3 meses (~22 aviões destruídos por dia). Foram também os Britânicos que destruíram os maiores navios de guerra da Alemanha (aka Bismark).
            Sobre a ajuda dos americanos aos britânicos. Apenas começou a meio de 1941 com o “Lend-Lease Proposal”. Ou seja, os britânicos estiveram sozinhos durante 1 ano contra a Alemanha e Itália. Como tinha dito, durante esse tempo a Alemanha tentou invadir diversas vezes o Reino Unido mas sem sucesso.
            Por isso é que eu digo, se o Reino Unido não tivesse entrado na guerra, provavelmente teríamos um mundo bastante diferente. Tens vários historiadores que acreditam no mesmo (https://www.quora.com/What-if-UK-remained-neutral-during-WW2 & https://www.quora.com/What-if-the-UK-had-never-joined-WW2)

            Sobre as vacinas. Porque é que é preciso 10 a 15 anos para estudar os seus efeitos? Porque não 20, porque não 50? Porque não testar 5 gerações só para ter a certeza? Se assim fosse, ninguém desenvolvia medicamentos porque até lá podia já a doença ter sido erradicada com a imunidade de grupo mas à custa duma brutal taxa de mortalidade (e.g. gripe espanhola).

            Não é uma minoria de pessoas. Em Portugal, tens +2.200.000 de pessoas com +65 anos (entre 2% a 15% de taxa de mortalidade nesta faixa etária). É tudo menos uma minoria. Se tens agora uma ferramenta testada, aprovada por entidades reguladoras e aceite por países de todo o mundo, porque não usar também para salvar estas pessoas e retomar a vida do país à normalidade?

    • Cuca Beludo says:

      Quem tem alma de ovelha/gado, vai morrer advogando a própria subtração da liberdade.

  5. xnelox says:

    Se eles precisarem de mais drones, nós tenhos cá alguns! Não funcionam mas eles devem saber reparar

  6. Joao Ptt says:

    Morreram 3019 pessoas nos EUA com Covid… a esse ritmo a população dos EUA só desaparecia toda daqui a 301 anos, e isto se não nascessem pessoas novas, porque se nascerem pessoas novas, acho que não vai ser problemático esse nível de mortes nem daqui a 301 anos a menos que morram todas as pessoas jovens com capacidade reprodutora. Muito antes disso já haveria uma vacina realmente bem testada certamente.

    Os EUA poderiam perfeitamente ter feito umas cerimónias fúnebres das mortes por atentados e poupar o dinheiro da guerra e melhorar antes as suas infra-estruturas que estão em muito mau estado por todos o país. E reforçavam as medidas de segurança a sério e não apenas show-off que é o que os especialistas dizem que se passa actualmente nos estudos de segurança abrangentes. Por outro lado a indústria militar ama conflitos bélicos para fazer rios de dinheiro, e estão sempre prontos a criar os problemas se os mesmos não aparecerem sozinhos… e claro que pressionam os políticos a ir para a guerra e a mantê-la pelo máximo de tempo possível. Mas os EUA andam a arranjar inimigos por todo o mundo e depois não é de admirar quando as coisas más retornam ao seu país.

    Mas lá na China, nem mesmo no pico das preocupações a indústria parou, aliás aparentemente a poluição até piorou apesar de imensas zonas estarem supostamente em isolamento. Por tanto na China não foram burros de parar a produção industrial, mas os restantes países sim.

    O número de mortes começa a ser preocupante quando coloca em risco a existência do povo… se de repente amanhã começam a morrer 10 mil crianças e jovens por dia eu provavelmente ia considerar tais valores como preocupantes e dignos de medidas mais apertadas de controlo das medidas que foram tomadas como as máscaras e tal, se necessário aí sim isolava-se tal parte da população até se perceber o que se passa para morrer tanta gente.

    A estratégia da Alemanha era conquistar os céus e só depois invadir por mar, e eles chegaram a quase arrasar com a força aérea do Reino Unido toda, só que depois em vez de continuarem até aniquilarem tudo mudaram os alvos o que permitiu a reconstrução das defesas militares. Eles também podiam ter aniquilado as forças militares na retirada em França durante a guerra, mas provavelmente o Hitler sabia que tinha apoiantes no Reino Unido e tinha esperança de que se juntassem à Alemanha voluntariamente com pouca resistência interna já que não os viam como um povo inferior no geral e queriam anexar à Alemanha com pouca resistência da população.
    Mas sem apoio dos EUA o isolamento do Reino Unido levaria à sua derrota porque eles não conseguiriam tudo o que precisam para construir e manter uma defesa eficaz, e ainda assim foi difícil.
    Com isto não estou a dizer que o Reino Unido não teve mérito, claro que tiveram, apenas não estou é a querer ignorar a realidade que foi eles terem dito um apoio muito importante dos EUA sem o qual provavelmente teriam perdido a guerra.

    A Alemanha ia perder na mesma, a derrota estava garantida, os historiadores estão errados, se acham que o Reino Unido não se meter teria levado à vitória da Alemanha, poderiam ter sido perfeitamente Espanha e Portugal a juntarem-se ou uma outra qualquer circunstância, após uma qualquer súbita mudança de governação que se opusesse à presença dos militares alemães e que levasse ao pedido de ajuda a outras nações como os EUA. Mas enfim, estamos na área da divagação, a Alemanha perdeu a guerra novamente e isso são os factos, o resto é especulação dos e “se’s”.

    Os anos de testes é para garantir que não existem alterações no corpo humano que afectem por exemplo a capacidade de raciocínio, de reprodução, de defesa do sistema imunitário, etc. e alguns efeitos demoram anos a serem descobertos porque só os descobrem depois de analisar por vezes vários casos repetidos da mesma coisa até compreenderem o que correu mal.

    A gripe espanhola… morreram o quê? Uns 5% da população mundial na altura? A humanidade terminou? Não são agora quase 8 mil milhões de pessoas no planeta? …e a gripe espanhola ocorreu há apenas 100 anos. Por vezes o que os vírus parecem fazer é livrar a Terra daqueles que não devem mais cá permanecer, e as coisas acabam por correr bem na mesma.

    Actualmente 5% da população mundial correspondia a umas 391,581,885 de pessoas, é imensa gente, mas continuariam a sobrar 7,440,055,815‬ pessoas… dificilmente isso se poderia considerar como o fim da humanidade…

    Se morrerem 5% das pessoas com mais de 65 anos, das tais +/- 2,200,000 pessoas serão umas 110,000 pessoas, é muita gente, mas não acaba a população e de qualquer maneira a tendência para morrerem de alguma coisa nessa faixa etária é substancialmente maior que a população mais nova. E o facto de muitos até estarem reformados transforma tais pessoas tendencialmente em pessoas inúteis, quando as mesmas não estão simplesmente a exercer outro tipo de trabalhos que é o que muita gente faz e bem, não se contenta a ficar a olhar para as paredes felizmente, mas muitos contentam-se e a sua queda em qualidade de vida costuma ser muito rápida mesmo quando tentam compensar o não trabalhar com exercício físico e tal. É chocante esta opinião? O chocante é aquela coisa de quererem o descanso eterno… a única forma de terem descanso eterno é morrendo! De outra forma será sempre a laborar, se quiserem viver e serem felizes e úteis no todo… seja aqui na Terra ou em qualquer um dos outros planos de existência.

    A vida do país só deixou de ser normal por responsabilidade dos políticos que foram na onda de pânico, em outros países continuaram a deixar tudo funcionar sem grandes restrições e mesmo que tenha morrido mais gente não foi a ponto de colocar a existência do povo como um todo em risco e a actividade comercial e a vida das pessoas continuava a decorrer com os normais problemas decorrentes da falta de turismo claro onde o mesmo tem impacto.

    A vacina já falei antes quais os problemas, se a mesma tiver mal formulada, se não existisse o perigo de efeitos secundários ainda desconhecidos seria na boa tomar mais uma vacina, já tomei outras e à partida tudo correu bem… mas não foram vacinas que foram aprovadas em menos de 1 ano, ainda demoraram o seu tempo a testar na prática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.