Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: Certificados de vacinação já mostram doses de reforço

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Luis says:

    Que grande confusão! 3/3; 2/1; 3/1 e o cacete!
    Eu quero é poder escolher a vacina, para vacinar a miúda com uma vacina proteica.
    Todos falam de não se saber os efeitos a longo prazo de uma infeção, mas esquecem-se que também não sabem para as vacinas… principalmente as de RNA!

    • scp says:

      Tu sabes lá qual é a vacina mais indicada para o tipo de pessoa. Isso é com os médicos e cientistas. Tu apenas sabes o que as notícias passam.

    • Há cada gajo says:

      O que é que tem as vacinas RNA ? Sabes desde quando é que as vacinas RNA são estudadas e usadas ?

    • Carlos Santos says:

      LOL até parece que estudaste medicina, bioquimica, infecciologia e virologia para poderes ter uma opinião fundamentada

    • Luis says:

      Eu sou vacinado, a minha mulher também é vacinada e o meu filho com 13 anos também.
      E por acaso tenho formação na área da saúde. E por acaso até tenho um doutoramento na área, cujo tema foi vacinação por via oral.
      Doenças autoimunes, já ouviram falar?
      Volto a frisar, quero poder escolher a vacina, para poder vacinar a miúda (que tem 6 anos) com uma vacina proteica.
      Só chamei à atenção que toda a gente diz que não se conhecem os efeitos a longo prazo de uma infeção, mas ninguém sabe quais são os efeitos a longo prazo de uma vacina de RNA. Se porventura conhecem, façam o favor de colocar aqui os links dos artigos científicos.
      Obrigado.

      • Zed says:

        Ou eu muito me engano, ou esse doutoramento sobre vacinação, pouco ou nada terá a ver com vacinas em si, com farmacologia, virologia e tudo à sua volta, incluindo tecnologia mRNA. A tecnologia não é nova, os componenentes não são novos e os seus efeitos estão mias que estudados. Os restantes medicamentos, foram testados a longo prazo? A 10, 20, 50 anos? A sua filha já foi vacinada com a Bexsero? A que prazo esta foi testada?
        E perante isto, vamos trocar a incerteza de possiveis efeitos secundários da vacina, pela certeza dos já conhecidos, e severos efeitos da Covid? Isto, para adultos, porque para crianças ainda não vi nenhum facto sobre reais vantagens (que ultrapassem os riscos) para elas.

      • Sardinha Enlatada says:

        Tens formacao na area da saude e mesmo assim achas que este e um virus papao e que ha necessidade de se vacinar as pessoas ? Nao sei se sabes mas as vacinas andam a matar pessoas, isso nao te diz nada ? Preferes arriscar com a vacina do que com a imunidade natural ? Essa formacao na area de saude que tens nao da para analisar melhor os pros e contras sobre toda esta situacao ?

  2. Zedotelhado says:

    Vigiado e rastreado.

  3. O Homem da Motoserra says:

    O mRNA dá origem a proteínas. Por isso queres explicar melhor o que queres dizer com isso?

  4. Sergio says:

    Vai ser engraçado os empregados de mesa na hora do lodo estarem a ver essa nomenclatura toda lol

  5. João says:

    Se tiver o certificado já não transmito o Covid a outras pessoas, é isso?

    • Vítor M. says:

      E com ele também podes pedir atestado.

    • jorgeg says:

      loollll +1
      Top.

    • Há cada gajo says:

      Nunca ninguém disse isso. Deixem de olhar para o umbigo. A vacinação previne a pressão do sistema de saúde deixando-o com capacidade de resposta para as outras doenças. A vacina não é para teu beneficio em particular, é para o beneficio de todos.

      • zakarias says:

        Não percebeste, eu explico : A vacinação não previne o contagio, podes ter as duas vacinas e 5 boosts vais na mesma apanhar covid e transmitir.

      • Flavio says:

        estás errado duas vezes amigo, primeiro porque consigo te enviar varios videos onde medicos cientistas mesmo ligados ao fabrico da vacina afirmam com a frase 100‰ de certeza que com a vacina nao so nao apanhas o virus como nao o transmites. quando se percebeu que isso era falso é que começaram a mudar o discurso. e segundo, agora toda a gente é expert em vacinas pra afirmar que a vacina serve pra proteger os outros quando nem o proprio ela protege. o CEO da pfizer afirmou recentemente que as duas doses da sua vacina (que é de duas doses) pouco protege, e que apenas com a dose de reforço é que protege mais ou menos, mas já estao a preparar uma nova vacina pra março, é porque esta resultou na perfeiçao!

        • Joaquim Sobreiro says:

          Que informação credível pode ser assegurada por alguém que está sob conflito de interesses sem os declarar?

          • Flavio says:

            pois, mas eu nao disse que a informação era credível, foi pra explicar a quem diz que eles nunca garantiram nada, que é mentira, eles garantiram sim, nao cumpriram foi com o que garantiram porque nao resultou, e agora é doses atras de doses

        • Há cada gajo says:

          Vocês continuam a olhar para este tema na perspetiva individual em vez de olharem para a perspetiva global. Vista curta dá nisto. Daquilo que eu disse o que é que não percebem ? A vossa sorte é que, felizmente, não precisam de recorrer com frequência aos serviços de saúde. Iriam perceber melhor e acabar com esta treta de conversa, quase diária.

        • Zed says:

          Podes dizer o que quiseres e enviar todos os videos e mais algum, até porque tens “videos de cientistas” a afirmarem todo o tipo de palermice, para todos os gostos, mas os factos demonstram a eficácia clara das vacinas na redução da forma grave da doença, tentar argumentar contra factos?

          • Flávio says:

            Onde estão esses factos? O que foi dito é de pessoas ligadas ao fabrico da vacina. E dizeres que o facto, é que nem os médicos cientistas afirmam isso, é preciso coragem hem

          • Zed says:

            Os factos existem por si e são independentes de quem os “dizem”, e é isso que os chalupas precisam de compreender. Não importa o que se diz, seja quem for que o diga, o que importa são os factos, e estes até por um trolha, que não saiba sequer o que é um virus, podem ser citados.

    • Antonio says:

      É um “Certificado de Contaminador Autorizado”.
      Com “Certificado” já podes contaminar à vontade…

    • eu2 says:

      Não, só dás garantias aos outros que estás com a versão mais atualizada do anti-vírus e que podem deixar-te chegar perto deles com o mínimo de receio.

    • darksantacruz says:

      Muito bom!

    • Zed says:

      Se estiveres vacinado corres menos riscos de sofrer de forma grave da doença e assim ter de ser internado, roubando o lugar a outros doentes, evitando assim saturar os hospitais e/ou ter de deixar outras doenças, menos urgentes (mas tão ou mais graves) para trás, percebeste, finalmente, ao fim destes meses todos?

      • Sardinha Enlatada says:

        Zed eu queria falar sobre o caso da minha vizinha mas os admins nao me autorizaram o comentario nao sei porque razao. Mas queria dizer que a minha vizinha tinha as doses de vacinas tomadas e ela apanhou covid da patroa e o marido teve de a levar para o hospital porque urinou pelas pernas abaixo e desmaiou. Se as vacinas realmente protegem, porque aconteceu isso com ela ? Teve azar ? ou e mais uma com azar a mais a juntar aos outros que tambem tem tido azar quando tomam a vacina ?

        • Zed says:

          Eu tive um vizinho que teve um acidente de carro. Levava o cinto de segurança colocado e mesmo assim morreu. Teve azar, ele e muitos outros a quem aconteceu o mesmo?

          • PJA says:

            Ditadura do eu tenho razão.

          • Sardinha Enlatada says:

            Realmente cintos de seguranca e virus tem tudo a ver. Brilhante da tua parte Zed. Parabens. Tenho aqui uma bicileta para ti 😀

          • Zed says:

            Nenhum dos dois quer responder á minha questão?

          • Fardo says:

            O pior é quando te dizem que o cinto previne que morras com garantia de 100%…
            E quando não te avisam que o cinto é um cinto especial sem aprovação que te pode matar enquanto conduzes.
            É com analogias merdosas que queres ir, também podemos ir por aí.

  6. Ochinês says:

    Sistematizando apenas os esquemas vacinais que constam dos certificados de vacinação, a vigorar na UE a partir de 1 de fevereiro em toda UE (em Portugal já está):
    – Esquema vacinal primário: 1/1 (para vacinas de dose única ou para quem recuperou da infeção) e 2/2 (para vacinas de duas doses).
    – A dose de reforço administrada após esquema vacinal primário de duas doses é apresentada no certificado como esquema 3/3; após esquema vacinal primário de uma dose é apresentada como esquema 2/1 e nos recuperados da infeção aparece como esquema 3/1.
    Para incentivar a dose de reforço, se se comprovar a 3ª dose fica-se dispensada de apresentar testes no acesso a lares, visitas a pacientes em estabelecimentos de saúde, ou a grandes eventos sem lugares marcados ou em recintos improvisados, e desportivos (salvo outras indicações da DGS ou dos estabelecimentos).

  7. Joaquim says:

    O certificado devia referir especificamente que a pessoa “tem a dose de reforço”, independentemente se é a 3ª, 4ª ou 5ª dose! No meu caso por exemplo, que tomei a vacina da johnson em junho, tomei a dose de reforço (da Pfizer) em dezembro, e na sexta feira dizia no meu certificado “2/2” e a partir desta segunda feira diz “2/1”, como que se 2/1 fosse possível!

  8. George Orwell 2.0 says:

    Eu não vou levar nenhuma dose de Reforço, nem que seja obrigatório. Nem quero saber do certificado nem se mostram as doses ou não de reforço.

    Independentemente de estar vacinado ou não, não compactuo com negócios e locais onde exijam certificado de vacinação para entrar, mesmo estando vacinado!

    Sou contra a censura, sou contra quem proibe os não vacinados de entrar (pois transmitem o vírus tal como os vacinados transmitem) e não me venham negar ou dizer que não é assim. Porque é assim. A unica diferença é a probabilidade de morreres (se bem que na madeira em 2020 não existia vacinados nem Vacina, e houveram infectados e morreram menos bem menos que 20) hoje com vacina e doses de reforço há mais infetados e já passaram das 50 mortes! Senão tiver em erro mais de 100 na Madeira.

    Isto COM VACINA, sem VACINA (no inicio da pandemia antes das restrições) as pessoas infetadas eram muitas dado a quantidade de habitantes na Ilha, e levaram com a “primeira variante” logo uma das mais fortes (ler com atenção “uma das” e ponho entre aspas porque quem causa as novas variantes são os vacinados) e morreram MENOS ou quase ninguem.

    Como se explica isto? 75% ou 85% das pessoas vacinadas na Madeira e morrem mais gente? É só ler as noticias na Madeira, leiam o mês passado ou vejam as mortes por COVID-19 (agora vão dizer o quê? Já não é COVID? Que os “negacionistas” estavam certos? Já não é culpa do COVID? São outras doenças associadas?)

    Engraçado que em 2020 (antes das restrições) as pessoas que tiveram internadas em UTI, e no Hospital tiveram sintomas PIORES e mesmo assim não morreram tanto como agora (e sim algumas delas tinham doenças associadas)

    A Vacinação é uma das culpas para as novas variantes estarem a aparecer, Congratz! Não tentem negar a verdade, não tentem mentir, não tentem arranjar desculpas pelas quais não são verdade (no caso da Ilha da Madeira como expliquei acíma) até hoje só sabem dizer “mas… mas…” pois muitas reticiências, é normal. É complicado entender.

    Ahhh e já agora, a maioria dos internados no Hospital da Ilha da Madeira em 2021 eram VACINADOS! (Ao contrário do que as noticias diziam, houve um jornal que teve a capacidade de publicar isso e escrever no papel mas não de transmitir na televisão e se foi transmitido foi em horário ou dia em que menos gente assiste, os restantes diziam que eram não vacinados (isto na madeira).

    O mais engraçado é que, eu conhecia umas pessoas que viviam na Ilha da Madeira e que eram vacinadas e estiveram internadas no Hospital e eram Vacinadas (2 doses completas).

    Uii uiii, negam tanto aquilo que é a verdade e esta a vista de tudo e todos. A culpa das novas varientes não são os vacinados, a melhor imunização possível é a natural. É por isso que a OMS diz que agora há que fazer adaptações (lá vêm eles com a cena da gripe, mas afinal existe a gripe ou já passou a existir deste que a OMS disse isto, praticamente ontem ou antes de ontem?)

    Um comentário muito assertivo e na qual eu próprio li e refleti (problema das pessoas de hoje em dia, são “brainwashed” principalmente os médicos contra as terapias alternativas, medicina natural. A culpa não é deles, mas sim de quem as leciona, se bem que há que responsabilizar aqueles médicos que querem criminalizar a medicina ou terapias alternativas… esses não há perdão, pois querem criminalizar algo que a vossa própria medicina prática? Ou não morrem pacientes em terapias? com medicamentos? falhas em operações? neglegências médicas? Pois, pois isso já não convém “esta legalizado”, who died? Who cares é o Hospital… ta legalizado, ninguém é responsabilizado, calma! E se for é para ser “investigado” e acabado arquivado.

    Deixo uma letra de uma música

    «Eu tô bem
    Tu também tá bem
    Todo mundo aqui tá bem
    J’ai avec mon mec tá tudo bem
    Eu ‘tô bem
    Tu também tá bem
    Todo mundo aqui tá bem
    J’suis avec mon mec tá tudo bem
    É mafiosa, é mafiosa
    É mafiosa salto novo e bolsa nova
    É mafiosa, é mafiosa
    Com a mafiosa não brinca com seu homem
    Então faz eu me apaixonar
    Vem comigo nesse samba»

    E deixo isto também
    https://imgur.com/a/h5BXFXD

    https://www.publico.pt/2022/01/05/p3/noticia/europa-proibe-tintas-tatuadores-lamentam-inexistencia-alternativas-trabalharem-1990803 (atrapalha no óxido de grafeno nas vacinas? Porquê só em 2022? Estranho tantos anos que se passaram e só agora querem forçar a malta, pessoal toca a fazer tatuagens é agora)
    (explicação da noticia acima em outros contextos… nova implementação da tatuagem digital, Quantum Dot Tattoo https://i.imgur.com/XEAI3oi.png)

    É estranho, mas quê? Querem a fonte também da noticia acerda da OMS? Sem problemas.
    https://www.iflscience.com/health-and-medicine/world-health-organization-calls-for-omicronspecific-covid-vaccines-instead-of-repeat-boosters/ (é melhor pesquisarem em Inglês)

    Mais uma coisa, quem não é vacinado e foi infectado naturalmente, foi uma das melhores coisas. Esta imune, não precisa de Vacinas, alias é o que eles querem infeção mediante vacinas (geradas por vacinas) com vírus altamente modificado e geneticamente modificado (alterando os nossos genes e fazendo ocorrer coisas que não são supostas acontecer no espírito/alma, mente e corpo físico).

    Mas isto sou eu! Se a Europa quer proibir o uso das tintas, bem la vou eu fazer uma tatuagem.
    Dr Eric Berg tem um video particularmente interessante “Do the opposite of what the science says”
    https://www.youtube.com/watch?v=DIP9kINN_ao

    E realmente é interessante, porque EU DEVO ser uma das pessoas que mais experimentou suplementos nos quais diziam ser “perigosos” ou não ser aprovados pela FDA (eu sei eu sei, que essa organização e de onde é).
    E nunca me provocou nenhum efeito colateral como dizem, nem nenhum side-effect. Mas só benéficios.

    Até mesmo alguns que diziam que podem matar ou ser mortais. Kinda uhhhh (ainda estou vivo nem sei como… cuidado não se come laranjas a noite!)

  9. Zedotelhado says:

    O covid é o pretexto para dominar e escravizar os povos por uma elite.
    separar tal como foi feito na década de 30 fico pasmado como as pessoas não sabem a história e estão a repeti-la mas agora mundialmente aplicada por políticos avidos de poder com o apoio dos médicos e dos canais de desinformação com noticias forjados por exemplo em Itália como já está documentado e entregue aos tribunais para posterior julgamento , dominar pelo medo.

  10. ICE says:

    No meu caso, passados 14 dias e nada de reforço no meu certificado….

  11. Orbi says:

    Ora aí está o grande internamento covid… Rir para não chorar

    Nos hospitais de Santa Maria e São João, cerca de 60% dos internamentos em enfermarias covid-19 são atualmente doentes admitidos por outras causas, revelam ao i as unidades. Hospitais estão a abrir espaço para doentes que dão entrada para ser operados e testam positivo. DGS não diferencia motivo dos internamentos.

    Jornal i

  12. Duarte says:

    Dose de reforço, fiquei com sintomas de covid, principalmente febre.., 3 testes negativos, sintomas não passam e baixa médica de 1 mês, farto desta m****, se soubesse nunca levava vacinas

  13. Jorge says:

    Malta que teve infetada, quanto tempo demorou a terem o certificado de recuperação?

  14. Carlos. says:

    TRETA.
    Tive Covid em Dezembro de 2020, levei a Jansen em 07/2021, e já em 21/12/2021 levei o reforço.
    Tenho o esquema completo. No entanto, já passaram os 14 dias, e hoje descarreguei o certificado e não está lá a dose de reforço, diz apenas 1/1… e a data da vacina de 07/2021.
    Telefonei para o SNS, ( que é isso que dizem para se fazer caso se detete alguma coisa que não está correta) e disseram que… “apenas podemos dizer que vc tem o esquema completo”.
    Perguntei se nas situações em que além do certificado e onde é preciso teste se não tiver a 3ª dose, eu poderia entrar, visto que no certificado não consta ainda a 3ª dose, a resposta foi “o assunto está a ser tratado e vc tem o esquema completo”.
    O funcionário não soube responder e limitou-se a ler aquilo.
    Já passaram bem mais de 14 dias desde a dose de reforço e nada consta no certificado.
    Perguntei se sabia quando iria passar a constar, e a resposta foi “o assunto está a ser tratado e vc tem o esquema completo”. Parecia que estava a falar com um robot, e é certo que não tinha qualquer informação sobre quando estaria (só faltou estar a encolher os ombros, como que a dizer – Eu não tenho culpa porque ninguém nos diz nada).

    • Ochinês says:

      Na app SNS24, ao lado do Certificado está o Boletim de Vacinas. Estão lá as duas vacinas.
      Os esquemas vacinais que estão a ser implementados nos Certificados (em vigor em toda a Europa a 1 de fevereiro) são, diz o SNS.
      – Esquema vacinal primário: 1/1 (para vacinas de dose única ou para quem recuperou da infeção) e 2/2 (para vacinas de duas doses).
      – A dose de reforço administrada após esquema vacinal primário de duas doses é apresentada no certificado como esquema 3/3; após esquema vacinal primário de uma dose é apresentada como esquema 2/1 e nos recuperados da infeção aparece como esquema 3/1.
      Em princípio hás de passar para 2/1 ou 3/1. Os 3/3 começaram ontem. Pode ser que seja por fases. Quanto ao funcionário não saber, creio que só se percebeu hoje (4ª Fª).

  15. C.R.P says:

    “MENTICÍDIO – COMO A POPULAÇÃO MUNDIAL FICOU (QUASE TODA) MENTALMENTE DOENTE”
    A maior ameaça à civilização não reside nas forças da natureza, nem em qualquer doença física, mas na nossa incapacidade de lidar com as forças da nossa própria mente. Somos o nosso pior inimigo ou, como diz o provérbio latino “o homem é lobo para o homem”. Jung afirma que este provérbio é uma triste e eterna banalidade em que as nossas tendências de lobo predador vêm ao de cima nos momentos da história em que na sociedade a doença mental se torna a norma, em vez da excpeção – uma situação que Jung chamou de epidemia psíquica.
    “De facto, torna-se cada vez mais óbvio” escreveu ele “que não é a fome, os terramotos, os micróbios ou o cancro; mas o próprio homem, que é a maior ameaça para a sua própria raça, pela simples razão de que não há proteção adequada contra epidemias psíquicas, que são infinitamente mais devastadoras do que as piores catástrofes naturais”.
    A mais perigosa de todas as epidemias psíquicas é a Psicose em Massa.
    Uma psicose em passa é uma epidemia de loucura e ocorre quando uma grande parte da sociedade perde o contacto com a realidade e entra em delírio. Dois exemplos de psicoses em massa são a caça às bruxas (americana e europeia) dos séculos XVI e XVII, e aquando da ascensão do totalitarismo no século XX.
    Quando ocorre uma psicose em massa, os resultados são devastadores. As pessoas envolvidas descem a um abismo de irracionalidade e loucura em que cometem atrocidades em grupo – que jamais ocorreriam se estivessem lúcidas.
    A causa mais comum de uma psicose é o medo e a ansiedade, que levam o indivíduo a um estado de pânico. De seguida, naturalmente procura alívio, pois é demasiado desgastante – física e mentalmente – viver neste estado híper-emocional.
    Embora a fuga do estado de pânico possa ser realizada por meios adaptativos, como enfrentar e derrotar a ameaça que gera medo, outra forma de escapar passa por um Surto Psicótico. Que não é uma descida a um estado de ainda maior desordem, mas uma reordenação mental na percepção do seu mundo e experiências em que mistura facto e ficção, delírio e realidade – como forma de sossegar o seu próprio pânico.
    Silvano Arieti, uma das maiores autoridades em esquizofrenia, explica as etapas psicóticas que levam à loucura: em primeiro lugar, há a fase do pânico – quando o paciente começa a perceber as coisas de uma maneira diferente, fica assustado, parece confuso e não sabe explicar as coisas estranhas que estão a acontecer.
    O próximo passo é o que Arieti chama de fase de insight psicótico, em que um indivíduo consegue colocar as coisas juntas, criando uma forma patológica de ver a realidade, o que lhe permite explicar e “ver” as suas experiências. Mas o insight é psicótico, porque se baseia em ilusões, não em formas adaptativas e promotoras de vida, de se relacionar com as verdadeiras ameaças que originaram o pânico. E assim perde o contacto com a realidade. Ou seja, uma forma anormal de lidar com um estado de extrema ansiedade através de ameaças reais, imaginárias ou fabricadas. Os delírios podem assumir muitas formas, e a loucura pode manifestar-se de várias maneiras, e assim, uma psicose em massa desdobra-se na população de modo diferente consoante o contexto histórico e cultural da uma sociedade infectada. Na era moderna a psicose em massa do totalitarismo representa a maior ameaça.
    Numa sociedade totalitária, a população é dividida em dois grupos, os governantes e os governados, e ambos os grupos passam por uma transformação patológica.
    Os governantes são elevados a um estado quase divino que é diametralmente oposto à nossa natureza como seres imperfeitos que são facilmente corrompidos pelo poder.
    As massas, por outro lado, são transformadas em sujeitos dependentes desses governantes patológicos e assumem uma regressão psicológica, que apenas torna uma mente sã numa mente doente e é construída e sustentada por delírios, pois apenas homens e mulheres iludidos regridem à condição infantil de súbditos obedientes e submissos e entregam o controle completo das suas vidas a políticos e burocratas.
    Não menos iludida é a classe dominante que acredita possuir o conhecimento, sabedoria e perspicácia para controlar completamente a sociedade de cima para baixo. E somente quando sob o feitiço de delírios é que se acredita que uma sociedade composta de governantes sedentos de poder, por um lado, e uma população psicologicamente regredida, por outro lado, levará a qualquer coisa além do sofrimento em massa e ruína social.
    A psicose em massa do totalitarismo foi induzida muitas vezes ao longo da história. Trata-se duma reorganização e manipulação de sentimentos coletivos. O método geral pelo qual os membros de uma elite governante conseguem realizar este fim é chamado de “menticídio”: um assassinato da mente e do espírito humano. É um sistema organizado de intervenção psicológica e perversão judicial, através da qual a classe dominante incute uma forma de pensar sobre as mentes daqueles que planeiam usar e destruir.
    Preparar uma população para o crime de “menticídio” começa com a disseminação do medo, usando ondas de terror. Sob esta técnica, o medo é intercalado com períodos de calma, seguido pela manipulação e introdução intensa de mais medo, e o processo continua… cada onda de terror cria os seus efeitos mais facilmente após cada intervalo – como um feitiço – porque as pessoas ainda estão perturbadas da experiência anterior. A moralidade torna-se cada vez mais baixa, e os efeitos psicológicos de cada nova campanha de propaganda tornam-se mais fortes. Com a mente vergada, o público vai amolecendo. O uso de propaganda, de relatos contraditórios, informações sem sentido e mentiras flagrantes. Enquanto as pessoas ainda procuram entender a primeira mentira, os média introduzem outras… quanto mais confusão, menos capaz será a população de lidar com a crise, e combater o medo, de forma racional. A confusão aumenta a suscetibilidade duma descida às ilusões do totalitarismo. Facilmente se aceita abalroar os direitos de cidadania em nome duma suposta segurança.
    Nunca antes na história existiram meios tão eficazes para manipular uma sociedade na psicose do totalitarismo. Smart phones e redes sociais, televisão e internet, tudo em conjunto com fact-checkers que espalham propaganda e algoritmos que rapidamente censuram o fluxo de informações indesejadas, permitem que aqueles no poder assaltem facilmente as mentes das massas. Além do mais, a natureza viciante dessas tecnologias faz com que muitas pessoas se sujeitam voluntariamente à propaganda da elite dominante.
    A tecnologia moderna ensina o homem a dar como certo o mundo para o qual ele está a olhar; ele não tem tempo para se afastar, refletir e processar informação. É atraído, sem descanso, sem meditação, sem reflexão, sem conversa – os sentidos estão continuamente sobrecarregados de estímulos. O cidadão deixa de questionar o mundo; o ecran dá todas as respostas prontas.
    Mas há mais um passo que os globalistas deram para aumentar as hipóteses de uma psicose totalitária: isolar as vítimas e cortar interações sociais normais.
    Quando sozinho e sem interações normais com amigos, familiares e colegas de trabalho, um indivíduo torna-se muito mais suscetível a delírios por várias razões. Em primeiro lugar, eles perdem o contato com a força corretiva do exemplo positivo, pois nem todos se deixam enganar. E os indivíduos que veem através da propaganda podem ajudar a libertar outros do ataque “menticidio”. Se, no entanto, o isolamento for imposto, o poder desses exemplos positivos diminuem muito.
    Mas outra razão pela qual o isolamento aumenta a eficácia do “menticidio” é porque, como muitas outras espécies, os seres humanos são mais facilmente condicionados a novos padrões de pensamento e comportamento quando isolados: o reflexo condicionado pode ser desenvolvido mais facilmente num laboratório silencioso com um mínimo de estímulos perturbadores. Todos os treinadores de animais sabem disso por experiência própria: isolamento e a repetição de estímulos é necessária para domar animais selvagens. Os globalistas seguiram esta regra. Eles sabem que podem condicionar as vítimas mais rapidamente se forem mantidas em isolamento.
    Sozinho, confuso e castigado por ondas de terror, uma população sob o ataque de “menticídio” desce a um estado desesperador e vulnerável. O fluxo interminável de propaganda transforma mentes, antes capazes do pensamento racional em cenários de forças irracionais. E com o caos a girar à volta deles, e dentro deles, as massas anseiam por um retorno a um mundo com mais ordem.
    Os globalistas podem agora dar o passo decisivo: oferecer uma saída rápida ao caos na direção oposta. Mas tudo isso tem um preço: as massas devem desistir da sua liberdade e ceder o controle de todos os aspectos da sua vida à elite governante. Abrindo mão da sua capacidade de serem indivíduos auto-suficientes responsáveis pelas suas próprias vidas, e tornarem-se súbditos, submissos e obedientes.
    Por outras palavras, as massas devem cair nas ilusões da psicose totalitária, onde a razão e a decência humana comum não são mais possíveis em tal sistema: há apenas uma atmosfera generalizada de terror e uma projeção de um “inimigo”, imaginado que esteja no seu seio (por ex., um vírus). Assim, a sociedade gira sobre si mesma, instigada pelas autoridades governantes.
    Mas a ordem de um mundo totalitário é uma ordem patológica. Impondo uma submissão estrita e exigindo uma obediência cega de cidadania, o totalitarismo livra o mundo da espontaneidade que produz muitas das alegrias da vida e a criatividade que impulsiona a sociedade. Esta forma de total controle (não importa que nome tenha) quer seja governado por cientistas e médicos, políticos e burocratas, ou um ditador, gera estagnação, destruição e morte em grande escala. E então, talvez a questão mais importante que o mundo enfrenta é como evitar o totalitarismo? E se uma sociedade foi induzida aos primeiros estágios desta psicose em massa, os efeitos podem ser revertidos?
    Embora nunca se possa ter certeza do prognóstico de uma loucura coletiva, existem passos que podem ser dados para ajudar o processo de cura. Esta tarefa, no entanto, requer muitas abordagens diferentes, de muitas pessoas diferentes.
    Pois, assim como o ataque “menticida” é multifacetado, também deve ser o contra-ataque.
    De acordo com Carl Jung, para aqueles de nós que desejam ajudar a devolver a sanidade a um mundo insano, o primeiro passo é pôr as suas próprias mentes em ordem, e viver de uma maneira que sirva de inspiração para outros seguirem.
    Não é à toa que a nossa época clama pela personalidade redentora, por aquele que se pode emancipar das garras desta loucura coletiva, e salvar pelo menos a sua própria alma, que ilumine um farol de esperança para os outros, proclamando que há pelo menos um homem que conseguiu libertar-se desta fatal loucura colectiva.
    Mas, supondo que alguém esteja a viver de uma maneira livre das garras da psicose, há outros passos que podem ser dados: em primeiro lugar, informação que vá contra a propaganda deve ser espalhado tanto quanto possível. Pois a verdade é mais poderosa do que a ficção e as falsidades vendidas pelos globalistas e, portanto, o sucesso deles depende em parte da capacidade que têm em censurar o fluxo livre de informação.
    Outra tática é usar o humor e ridicularizar a legitimada da elite governante, porque o demagogo e os aspirantes a ditadores têm pouca habilidade para lidar com o humor. E se os tratarmos com humor, eles começam a sucumbir.
    Uma tática recomendada por Vaclav Havel (o dissidente político durante o governo soviético, que mais tarde se tornou presidente da Checoslováquia) é a construção das chamadas “estruturas paralelas”. Uma estrutura paralela é qualquer forma de organização, negócio, instituição, tecnologia, ou busca criativa que exista fisicamente dentro de uma sociedade totalitária, mas moralmente à margem. Havel observou que essas estruturas paralelas foram mais eficazes no combate ao totalitarismo do que acções políticas. Além disso, quando várias estruturas paralelas são criadas, forma-se uma “segunda cultura” ou “sociedade paralela” que funciona espontaneamente como um enclave de liberdade e sanidade dentro de um mundo totalitário.
    Ou, como Havel explica: o que mais são estruturas paralelas do que uma área onde uma vida diferente pode ser vivida, uma vida que está em harmonia com seus próprios objetivos e que por sua vez se estrutura em coerência com esses objetivos? O que mais são essas tentativas iniciais de uma parte da sociedade se auto organizar dentro da sociedade… para se libertar radicalmente do seu envolvimento no sistema totalitário?
    Mas, acima de tudo, o que é necessário para evitar uma descida completa à loucura do totalitarismo é uma ação do maior número possível de pessoas.
    Pois assim como a elite governante não se senta passivamente, mas em vez disso, dá passos deliberados para aumentar o seu poder, também um esforço activo e concentrado deve ser feito para levar o mundo de novo na direção da liberdade.
    Isso pode ser um imenso desafio num mundo que é vítima das ilusões do totalitarismo, mas, como Thomas Paine observou: “A tirania, como o inferno, não é facilmente conquistada; ainda temos este consolo connosco, que quanto mais difícil o conflito, mais glorioso o triunfo.”
    António Gomes

    • Zed says:

      Para não estar a ler o testamento todo, deixaste-me alguma coisa (de jeito)?

      • Sardinha Enlatada says:

        Zed le e aprende. Ha muita materia interessante que alguns comentadores deixam aqui. Muito mais que os teus comentarios sempre a deitar abaixo os outros. Contigo nao se aprende nada.

        • Zed says:

          Alguns confundem verborreia com coerência, parece ser o teu caso. Se não te agrada o que eu digo, só tens de o refutar, com factos e evidências, não com verborreias alucinadas.

          • Sardinha Enlatada says:

            Nem o que eu escrevi consegues entender. Palavras para que ? Es um verdadeiro artista Portugues.

          • Zed says:

            Bla Bla Bla Whiskas saquetas…
            Aguardo a refutação factual.

          • Fardo says:

            Queres factos? Lê os teus mais recentes posts. Vais perceber que és factualmente inapto para compreender além das palas.
            Se nem um texto és capaz de ler até ao fim porque tem muitas letras…
            Na verdade tanto eu como tu sabemos porque não lês o lado oposto. Tanto eu como tu sabemos que tens medo que a ilusão idílica que criaste/criaram na tua cabeça se desmorone e assim tens de lidar com mais um problema.
            É sintomático de pessoas fracas, sem qualquer tipo de coragem.
            Esta pandemia ajudou-nos a perceber como o regime nazi se foi instalando na população alemã sem que os mesmos se fossem apercebendo. Ou melhor, no fundo eles sabiam, mas não queriam olhar, porque lhes podia trazer conflitos internos com os quais não querem lidar.
            É por isso que gajos como tu têm medo de ler textos que não vão de encontro ao que “acreditam”
            Entre um “chalupa” que vês as várias perspetivas de um assunto e toma uma posição e um indivíduo que se diz conhecedor arrogante da verdade dogmática, escolho o “chalupa” todos os dias.

    • scp says:

      Lol isto não é o teu grupo do facebook.

  16. Ochinês says:

    Diz “O Público”:
    “Componentes de cannabis impediram vírus da covid-19 de infectar células humanas”
    Calma, é de beber 🙂
    https://www.publico.pt/2022/01/12/ciencia/noticia/componentes-cannabis-impediram-infeccao-covid19-testes-laboratorio-1991705

  17. Joaquim Sobreiro says:

    Apesar de ainda hoje ter lido que “O Homo Sapiens poderá ser 30.000 anos mais antigo do que se pensava anteriormente…”, ficando agora o cálculo em 230.000 anos, ainda se justifica a necessidade das vacinas como a razão de sobrevivência. Outra questão que me coloco é saber que foi necessário chegar aos séculos mais recentes para um grupo de humanos dispôr da capacidade de controlar os restantes e decidir da sua eliminação.

    • Ochinês says:

      Os não vacinados correm um risco muito maior de eliminação. Ainda por cima entupindo os hospitais (Escrito com algum cinismo em relação aos anti-vacinas, e lamento em relação aos que morrem da Covid sem se poderem vacinar)

      • Jamaral says:

        “Os não vacinados correm um risco muito maior de eliminação”

        Isso é que era! Pelo que li aqui de cima abaixo seria um completa limpeza intelectual.

        Bem precisamos!

  18. Joaquim Sobreiro says:

    Menos mal. Mais suave que: ” os não vacinados deviam morrer”. Creio que os não vacinados, voluntários nesta fase de teste, como grupo de controle, ainda serão um bem precioso, pois serão o recurso de corpos não alterados pela terapia genética.

  19. Doctor House says:

    Tomei a primeira dose e passados 2 dias ia a conduzir e rebentou-me um pneu. Tomei a segunda dose e nessa mesma noite ao jantar falhou a luz.
    Tomei a terceira dose numa 6f e logo no sábado seguinte o benfica perdeu.
    Coincidências? Não creio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.