Quantcast
PplWare Mobile

Comissão Europeia recebe pedido para proibir a venda de carros a combustão

                                    
                                

Autor: Ana Sofia


  1. PTO says:

    Eu até sou bastante ecologista mas a carteira não estica. Por isso, antes de porem a carroça à frente dos bois com datas limites, que se preocupem primeiro em lançar para o mercado europeu carros de família com autonomias e principalmente PREÇOS decentes, que estejam ao alcance da maior parte das pessoas e não apenas aos que têm rendimentos de classe média alta e classe alta.

    Quando fizerem um carro eléctrico com a mesma autonomia e o mesmo preço que paguei pelo meu Toyota D-4D, eu mudo para eléctrico. Ou então a União Europeia que pague a diferença e eu mudo logo que existam carros com autonomia decente (e postos de carregamento em quantidade necessária).

    Até isso acontecer lamento mas vou ter de continuar a usar o meu carro a combustão.

    • Spoky says:

      Só? E as avarias? Vão doer na carteira… Não gosto nada de carros elétricos

      • PTO says:

        Comprei o meu Corolla em 2006.

        Estamos em 2021. Gastei 120 euros a reparar o alternador. Foi a avaria que tive em 15 anos de uso diário. O resto foi mudar pneus e fazer as revisões.

        Se calcular a diferença no preço de compra para um elétrico equivalente e juntar o preço para trocar as baterias ao fim de 10 ou 15 anos, afinal o meu Toyota é bem mais barato.

        • A maníaca says:

          O teu corola deve estar parado. Se me queres dizer que em 15 anos a 20.000 km/ ano (o que a maioria na Europa faz) e 300.000 km só trocaste um alternador? Ou seja, a embraiagem, caixa, óleos (nos eléctricos quase não existem), travões (muito mais desgastados que nos eléctricos porque travam muito com motor) não trocaste? Se fazes poucos km devias era ter uma mota…

          • ze do azeite says:

            Nao tenho um Corola tenho um peugeot 207 1.4 HDI com quase 300 mil km e 15 anos e sim ate ao dia de hoje fui so oleo e filtros que levou mais nd, pastilhas de travao de 60 em 60 mil e discos a cada 3 mudas de pastilhas, zero problemas e sim ainda tem a embraiagem de origem e esta boa, se n conduzirem como loucos num rally a mecanica dura e nao da problemas.

          • Euéquesei says:

            Mas do que é que está a falar?
            O meu carro, Toyota Corolla d 4d tem mais de 10 anos e 200.000 kms.
            Nunca levou embraiagem, caixa de velocidades então muito menos,óleo leva todos os anos, mas isso todos levam.
            Travões já levou, mas os discos são os mesmos…
            Deve estar a confundir Toyota com uma porcaria Alemã qualquer…

          • A maníaca says:

            Euéquesei + ze do azeite, os vossos carros são espetaculares, têm travões com 200.000 km, embraiagem com 300.000 km, etc mas isso só é possível se conduzirem como avôs e com carros muito fraquinhos, deixarem a maior parte das peças a fazerem ruído e levarem tudo aos limites. Lá por fazerem assim, não significa que esteja correcto.

            Um eléctrico tipo Tesla tem uma bateria que dura muito mais que isso, e então se fizerem o mesmo que nos vossos carros, então quando a bateria só tiver 10% de capacidade e 1.000.000 de km também vão ser dos que dizem que está “boa”.

            E um tesla não tem 70 CV ou 110 CV como esse HDI o D4D…

            Quanto às “porcarias” alemãs, devem ser os modelos destinados a Portugal, porque eles lá andam a velocidades surreais, travagens fortíssimas, vendem os carros usados para países como Portugal e os carros ainda fazem 300 a 500.000 km… um amigo comprou um Audi A3 Tdi 150 cv com 90.000 km da Alemanha, fez ainda 210.000 e ainda o vendeu impecável.

          • PTO says:

            Parado? 20000km/ano? Devia ter uma mota? LOL

            Quando se fazem afirmações sobre a vida dos outros sem a conhecermos, normalmente fazemos figura de parvos, que é exatamente o teu caso.

            E embora me esteja a marimbar para o que tu pensas que sabes sobre a minha realidade, só pelo gozo que me está a dar até te esclareço:

            – Não faço 20000km/ano, (faço entre 12000 a 13000) mas ando com o carro todos os dias + férias e fins de semana.

            – Não troquei um alternador, mandei-o reparar pois estava-se a falar de avarias, (está mais atenta) e essa foi a ÚNICA avaria que tive desde que comprei o carro, a não ser que consideres que as lâmpadas dos faróis fundirem no fim do seu tempo de vida seja também uma avaria.

            – Em termos de manutenção a única coisa que tive de fazer (para além do normal das revisões), foi trocar os discos dos travões.

            – A embraiagem é a de origem, a funcionar sem problemas, caixa de velocidades idem, e o resto também.

            – Será que alguma vez tiveste um Toyota Corolla D-4D?

        • Realista says:

          No entanto não te esqueças de adicionar a revisão anual com as suas mudanças de óleo, filtros, velas, escapes, etc. Isso faz sempre acrescer ao preço do veículo e ao fim de 15 anos já dava para comprar outro carro.

          Pessoalmente eu prefiro para já os carros de combustão interna, pelo alcance que possuem e de não necessitar de tanto tempo para recarregar. No entanto não descarto a hipótese de alterar para um carro elétrico para fazer as viagens casa-trabalho-casa.

          • ze do azeite says:

            Mudança de escapes?? andas onde? Se tens carro a gasoleo e andas a mudar as velas, o teu mecanico anda a enganar te, pk os motores a gasoleo modernos so precisam de velas para arrancar a temperauras inferiores a -10º, portanto a n ser que mores no topo da serra da estrela n precisas delas para nd. Alem disso um kit de velas nao é assim tao caro e só sao “precisas” de mudar a cada 90 mil de forma geral, nao todos os anos, se duvida de mim va ao manual de manutençao e leia o que o fabricante indica. Mesmo assim memso que faça na marca e lhe levem 400 euros todos os anos por revisao ao fim de a 15 anos sao 400×15=6000 euros nao me parece que compre um carro com isso.

          • luis carreira says:

            Realista…. tens de começar a ser mais realista como o teu nick… revisão anual não fica assim tão caro… nem aos 100€ chega meu caro… escapes???? o meu tem 22 anos e o escape é de origem…

          • A maníaca says:

            Luis Carreira, a revisão anual 100€?! Hahaha
            E 22 anos e mesmo escape? Deves ter um com 22 anos e 22.000 km, só pode!

            Eu no meu anualmente (revisão aconselhada sempre, óleo razoável, filtros, etc etc) e entre tudo fica-me sempre entre 200 a 450€; o meu pai que anda muito pouco gasta 150-250€/ revisão e cada 4/5 anos leva um escape novo.

            Vocês meninos muito poupados devem ter baterias, escapes, óleos etc extraordinários, tão extraordinários que não existem.

            As baterias de carros de combustão duram em média 4 a 5 anos; escapes pouco mais; óleo de motor cada 10 a 20.000 média; etc etc etc mas vocês são extraordinários.

          • PTO says:

            Sim, a revisão anual é um custo, mas além de não ser nada caro (no caso do Toyota), o que o outro comentador se estava a referir era a avarias e foi a isso que eu respondi.

        • Euéquesei says:

          Boas, o meu, tb um d 4d, em mais de uma década a única coisa que levou foi uma correia do alternador nova.
          De resto é só meter combustível e fazer as revisões como devem de ser.
          Carro de guerra.
          Nunca avaria.
          Tive antes um Opel e jurei que desta marca nem dado os quero.

          • Luís says:

            Que Opel tiveste amigo?
            Tenho um 1.5 com motor isuzu, vai com mais de 300 mil, até hoje problemas? Só trocar os filtros e oleo, as manutenções normais.. a embraiagem tenho ligeira sensação que nunca foi trocada, as velas estão ali para durar. Se pegasse num carro de hoje e lhe desse a porrada que dou neste Opel no outro dia estava na oficina

          • PTO says:

            O Toyota Corolla D-4D de 2006 não tem correia de alternador, tem uma corrente em metal que apenas precisa de ser verificada a tensão da mesma de vez em quando.

            Que aconteceu à tua para teres de a mudar? A minha tem 15 anos e nunca foi preciso reajusta-la pois tem tido sempre a tensão dentro dos parâmetros definidos pela Toyota.

    • Eléctricos_HATER says:

      APOIADO!

    • scp says:

      “Até isso acontecer lamento mas vou ter de continuar a usar o meu carro a combustão.”

      Vais usar o teu carro até deixarem de vender petróleo. Mas isso não vai acontecer até 2060, por isso estás safo.

    • Miguel says:

      Por aqui igual já vai com 600.000 só tive problema com um elevador vidro aos 400.000, de resto só gasóleo lá para dentro.
      Mas faço as manutenções todas em dia.

  2. Spoky says:

    Porque em vez de proibirem não fazem um programa de apoio, como descontos de impostos? Redução dos mesmos? Apoios em outras áreas? Por ai fora? Incentivar é a melhor opção.

    Obrigar nunca será a melhor opção, detesto carros elétricos. Quando avariam é um balúrdio para arranjar.
    Depende da peça obviamente, mas não deixa de ser um balúrdio comparado com os carros a combustão.

    Sou totalmente contra a proibição, não é esse o caminho.

    E ambos sabemos o porquê da proibição, assumir o controlo de carros elétricos não é dificil. Qualquer dia vão fazer um pedido de que o Estado tem de ter acesso ao que fazemos no carro! Esperem para ver.

    Porque não começam pelas fabricas, hoteis, laboratórios, Shoppings que não têm energia renovável!? Pois é melhor não.

    E não não gosto de elétricos, peço desculpa Sr. Sensíveis Ambientalistas.

  3. Pirata das cabernas says:

    Acho que carros a combustão vai demorar anos a acabar… Espero bem que sim.. Quem gosta de realmente de carros vai concordar…

  4. Tony says:

    De momento os carros elétricos não são alternativa aos de combustão. Para não falar no “negocio” que pode trazer a prejudicar sempre os mesmos.

  5. Rui says:

    A Europa a fazer mais asneiras!!!!!
    Também expulsamos a indústria para Ásia por causa do poluição e o resultado está à vista, a Europa está a empobrecer e para qualquer coisa dependemos do oriente (veja-se as máscaras, luvas, agulhas, ventiladores……

    Que continuem a ser anjinhos e não olhem para o que fazem os outros países líderes mundiais. Os EUA, China e Japão preocupam-se com o ambiente tanto quanto nós? Obviamente que não, não é que eles não gostem de energias limpas, mas sabem fazer contas. Por exemplo, mesmo entre nós, um carro de combustão custa a partir de 10 000€ e de 5 lugares, o que é que existe eléctrico? Pois….. somos ricos…..

    Também disseram que a nossa aposta nas energias renováveis iria ser-nos favorável…… favorável para os donos dos parques eólicos e solares que receberam os subsídios, que o consumidor paga da energia mais cara da Europa!!!!!!!

    https://eco.sapo.pt/2020/05/07/portugal-tem-a-4a-luz-e-gas-mais-caros-da-europa/

    Nós com a energia eléctrica das mais caras da Europa e os mais baixos salários….. façam as contas a estas ideias de idiotas!!!!! A não ser que queiram oferecer um carro eléctrico a cada família!!!!!

  6. Nick says:

    Não se vendem novos a combustão? Então o mercado de usados vai crescer. Eu gosto de eléctricos, não do preço.

    • sayWhat says:

      Nem do preço nem da autonomia.

      • Peace says:

        A problema da autonomia resolvia-se se houvessem soluções de carregamento decentes, espalhadas pelo país. Imagina fazeres uma viagem por autoestrada, a quantidade de carros de abastece com gasolina/gasóleo comparado com os que podem abastecer de eletricidade no mesmo espaço de tempo. E se não for por autoestrada, nem seguem existem soluções. O mesmo se aplica nos grandes centros urbanos em que não existem soluções a não ser que tenhas uma garagem e o possas carregar lá.

    • Manuel says:

      +1
      Para não falar na pouca autonomia… Tinha que andar com um gerador a gasóleo atrás… Hahaha

  7. Tigas says:

    Adoro os ricos do parlamento quererem tudo isso , como se o carro elétrico custasse o mesmo que um dito “normal” , sabem eles o sacrifício que muitos fazem para pagar um carro a gasolina ou gasóleo . Estas bestas , sim bestas é o único nome possível , pensam que todos nós ganhamos 2 , 3 mil euros ou bastante mais para ter prestações de 700 800 euros , prestações essas muitos de nós é o salario do mês completo. É gozar com os pobres simplesmente isso e é muitas vezes por estas que penso que Salazar tinha razão em não querer a união europeia….

    • scp says:

      Achas que eles não querem vender carros elétricos aos pobres? Quando chegar a altura de deixarem de vender carros a combustão, os elétricos vão estar muito mais acessíveis para todos.

      Mas também, um dia o petróleo esgota por isso não há volta a dar. A não ser que façam petróleo artificial e seja mais rentável e ecológico que a eletricidade.

      • Alex says:

        Eléctricos para os próximos 100 anos também não são a solução. Toda a gente pensa que só é preciso ligar o carro a tomada da parede de casa / garagem e está feito. A rede eléctrica não esta preparada nem para metade da frota automóvel passar para eléctrica quanto mais a totalidade. No mínimo teríamos que duplicar a nossa produção eléctrica para tal alteração no parque automóvel e não apenas portugal. Ainda estamos pelo menos 40 anos de distancia para que a produção de energia a partir de Fusão Nuclear seja uma realidade. E mesmo quando esta se tornar uma opção ainda existe o problema da distribuição eléctrica, acho que ninguém ira achar piada der-repente ter um poste de alta tenção ao lado da sua habitação ou no seu quintal.

  8. :-) says:

    E as baterias de lítio não devem poluir o ambiente de diversas maneiras nem nada. Enquanto não arranjarem outro tipo de baterias e carregamento não vale a pena substituir os veículos a combustão à pressa.

  9. Joao Ptt says:

    Lá continua a fantasia das pessoas a pensar que todas as alterações ambientais são causadas pelas pessoas, quando na realidade são os seres da natureza que estão a preparar as coisas para nova Era onde a maior parte das pessoas não terá cabimento por sua própria decisão.
    É um processo gradual para dar tempo das pessoas se adaptarem, na natureza as coisas funcionam assim, as coisas são preparadas calmamente e no momento certo está tudo como é desejado. Ouvissem as pessoas os seres da natureza e já estariam a mudar-se neste momento para outros locais, mas o agarrar-se ao seu maravilhoso intelecto como a coisa mais elevada ser-lhes-á mais prejudicial do que podem imaginar, o deixar de ouvir os seres da natureza é só uma das consequências.

  10. Bruno Borges says:

    Nada se perde, tudo se transforma! é pena que pouca gente entenda o significado básico e basilar destas palavras! Qualquer dia mudo-me para a China, lá ninguém se lembra deste tipo de obrigações e leis…que são uma ameaça a sua frágil economia!

  11. Danyyel says:

    Não é a venda que deve ser proibida.
    Mas sim o fabrico de novos carros. E devia ser por fases. 2025 deixar de produzir carros a gasóleo. E em 2040 os a gasolina.

  12. anónimo says:

    O futuro é carros a hidrogénio!!! Não vai ser sustentável fabricar carros a baterias de combustível. Imaginem os recursos naturais que são utilizados para construir baterias. Outro problema é onde as vão depositar depois quando as viaturas forem para abate? Na minha opinião era adaptar as viaturas atuais a hidrogénio, e fabricar carros movidos a hidrogénio, em que para abastecer fazia-se da mesma maneira que se faz atualmente para carros a GPL.

    • FAR says:

      O futuro vai ser a opção mais rentável para quem tiver o lobby mais forte. E não o que o Sr vaticina, quer, ou acha que é melhor.

    • :-) says:

      Quando o depósito de hidrogénio do teu carro rebentar num acidente e fores pelos ares instantaneamente, já não concordarias com essa ideia.

      • Alex says:

        Desculpa mas o que tu disse-te, é pura estupidez. Já há estudos feitos por múltiplas agências sobre o perigo de explosão de um deposito de hidrogénio, o perigo é muito reduzido em certos aspectos é mais seguro que baterias de lítio. Tens aqui um link dos testaste que a Toyota realizou por exemplo” https://youtu.be/jVeagFmmwA0 ” Este é sobre deparar uma bala contra um deposito de Hidrogénio, advinha o que não aconteceu.

        • AlexX says:

          Se quisessem, o depósito continha água e não apenas hidrogénio. A primeira patente dum carburador fazendo electrólise foi registada por Garrett (mesma empresa que ainda hoje faz carburadores) em 1928 salvo erro. Em 1983 foi registada nova patente. Russos terão sido talvez os primeiros a apresentar ao mundo um carro movido a água no final dos anos 60. Desde então, Reino Unido, Índia e Estados Unidos fizeram o mesmo nos anos 80. Stanley Meyer alegou ter feito mais de 100 milhas com um galão de água (~3,8 litros), estava fazendo muito alarido e foi removido do palco. Isto é como diz o FAR, ditado por interesses duma minoria.

    • AlexX says:

      O futuro já foi apresentado aqui há uma semana. Viagens instantâneas possíveis de ser mais rápidas que a própria luz. Passa por um forte campo electromagnético que cria como que um portal. Tesla reinventou essa tecnologia, americanos tentaram usá-la na famosa experiência da Filadélfia em 1943 mas a coisa correu mal. Já devem ter no entanto corrigido os erros.

  13. TugAzeiteiro says:

    A resistência humana à mudança é algo engraçado de se ver e ler…. Definitivamente somos uma espécie com amnesia! No tempo dos nossos avós /bisavós (+/- 100 anos atrás) quando se passou do cavalo/burro/carroça para os primeiros carros a combustão, também era um bicho de 7 cabeças…. os carros não eram fiáveis (e não eram), não havia mecânicos, não havia bombas de combustível e havia meia dúzia de “estradas”. O que é certo é que ao longo dos anos tudo fui mudando… os carros passaram a ficar muito mais fiáveis, passou a haver mecânicos especializados, bombas de combustível a cada esquina…. tal e qual como o cinto de segurança…. havia alminhas contra este sistema que já tantas vidas salvou… até ser algo completamente normal! Ou a gasolina com chumbo VS sem chumbo….
    Hoje em dia é o carro elétrico… daqui a 20 anos será algo completamente normal, haverá mecânicos especializados, e postos de carga a cada esquina e em casa! Daqui a outros 50 ou 100 anos vai ser outra tecnologia qualquer…. e lá voltamos à amnesia!

    • Matreco says:

      Certo, mas a questão é que nessa altura não houve proibições de comprar ou andar de cavalo/burro/carroça. Se os eléctricos têm os mesmos méritos que os carros a combustão tiveram na altura, porquê proibir? Aos poucos as pessoas irão adoptar. Esta urgência súbita de acabar com os carros a combustao nao passa de mais um lobby apoiado por uma ala politicamente correcta de “ecologistas” que só se preocupam em impor a sua agenda a terceiros, sem se procuparem com factos. Procurem no google por imagens de minas de lítio, ou pela quantidade absurda de água potável consumida na sua extracção e depois venham falar em ecologia.

    • Peace says:

      Mas ao passares de cavalo/burro/carroça para um carro foi uma evolução, trouxe benefícios às pessoas, já os benefícios para quem troca de um carro a combustão para um elétrico já não é assim tão óbvio, em grande parte até parece um retrocesso, nomeadamente ao que diz respeito à comodidade e à existência de soluções de apoio (no caso do carregamento).

    • Alex says:

      Uma coisa é inovação, outra é ser pura ficção cientifica. Acho que todos nos adorávamos que fosse verdade daqui a alguns anos andarmos todos a conduzir eléctricos e a carregar baterias para 600km em menos de 10 minutos. Infelizmente existe uma aspecto da ciência chamado “Física” que diz para tirar o cavalinho da chuva. Tera que haver uma grande revolução nos motores eléctricos para tal ser possível, sim eu disse motores porque nas baterias estamos a chegar ao limite do que a física permite, sendo o próximo salto tecnológico as baterias solidas que não prevêem grandes ganhos de capacidade mas sim uma maior durabilidade de ciclos de carga/descarga. Isto tudo sem falar da capacidade da rede eléctrica para sustentar o parque automóvel, dai a febre dos eléctricos ser mais ficção que realidade. Sinceramente acho que a melhor opção sera Células de Energia aka Hidrogénio. Pois ira nos permitir o reaproveitamento das infraestruturas uma boa autonomia e um nível mínimo de poluição desde que a sua produção seja sustentada por renovaveis.

  14. Sergio says:

    O futuro e a bicicleta e o comboio.
    Querem carros familiares para fazer casa-trabalho sozinhos para que?
    Em Portugal e normal, praticamente sao obrigados a ter carro para se deslocarem, nem sequer sao exigentes para ter mais e melhor transporte publico , temos pena.

    • Peace says:

      Porque os transportes públicos não estão adaptados à população. Quando pensas que demoras 20 minutos no teu carro a chegar ao trabalho e demoras 1h30 a fazer o mesmo trajeto de transportes públicos, a solução é óbvia para quem a pode pagar.

  15. Euéquesei says:

    Luís, tive um Corsa B 1.0 a gasolina.

    Só problemas atrás de problemas.
    Esse que tem, o 1.5 TD com o motor Isuzu desses não apanha mais nenhum.
    Carro para durar uma eternidade.
    Só não comprei esse porque enquanto o a gasolina me custou 2 000 contos o 1.5 td custava 3.500 contos….mais tarde bem que me arrependi.

  16. Samuel MG says:

    Se querem datas então que paguem os automóveis elétricos às pessoas. Não é a forçar quem não tem dinheiro para os pagar a endividar-se.

    • Lucas says:

      interesses e lobis , mas ainda existe quem pense que a UE assenta em princípios democráticos.
      Os únicos que batem o pé são a Polonia , a Hungria os ostros como já se venderam, e já venderam os seus povos dizem sim a tudo.

  17. Francisco says:

    Quando é sobre o Windows toda a gente tem problemas.
    Quando é sobre carros a combustão nunca há problemas, só revisões normais e nenhuma avaria em centenas de milhar de quilómetros! Devem ser todos vendedores de carros 🙂

  18. gladiador says:

    “UMA MENTIRA DITA MUITA VEZES TORNA-SE UMA VERDADE” como dizia Joseph Goebbels ministro da propaganda Nazi.
    Mas o que mais faz pensar é como muita gente deixa o cérebro cada vez mais em modo letárgico e adopta aquilo que lhe vendem com se fosse verdade.
    Esta do pânico climático é mais uma fabula de interesses instados como diz um cientista é o Robin dos Bosque ao contrario roubar aos pobres pra dar aos ricos.

    https://www.youtube.com/watch?v=CA1zUW4uOSw

  19. Herculano Dias says:

    Proibir a venda de carros de combustão não é a mesma coisa que dizer, proibir a construção de motores de combustão….Desde o início da sua produção, até completarem a média de anos de utilização, um veículo eléctrico não polui menos do que um de combustão, é um facto, bastam se informarem. Existem alterações climáticas, só não vê quem é burro ou anda a dormir, mas também dizer que são as alterações na mobilidade que vão alterar essa realidade, é outra grande burrice. Em relação aos motores e colocando de lado diversos problemas que podem acontecer a qualquer um, de qualquer marca, há os que não deixam margem para dúvidas. Os AFN do grupo volkswagen até 2003, os Isuzo dos 1.5td até 2000 e os Mercedes que equiparam muitos 190, 220 e 250 até 2007, penso eu. E os a gasolina da Honda, principalmente os VTEC e i-VTEC. Falando só dos mais “acessíveis”! De resto, só come gelados com a testa, quem quer….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.