Quantcast
PplWare Mobile

Cartões contactless: Limite de pagamentos sem PIN é de 50 euros

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Ramón says:

    Ainda bem! Haja evolução em Portugalete!

  2. Joao Ptt says:

    Acho mal, quem deveria definir o limite deveria ser o cliente, não o Banco de Portugal ou os bancos dos clientes (excepto talvez um tecto máximo).
    E todos os cartões deveriam ter como desactivar/ reactivar os pagamentos sem contacto a qualquer momento por parte do cliente.

  3. Manuel says:

    O grande problema que tenho vindo a notar é que grande parte dos restaurantes / cafés tem vindo a perder ou não introduzir o contactless nos TPA’s pois os bancos cobram pelo seu uso ao vendedor. Já vários vendedores, inclusive um conhecido que tem um restaurante diz que o banco lhe cobra um extra para ter o serviço de contactless pelo que eles ficam com o terminal e podemos pagar via cartão ou com MBWay mas com contactless não. Isto para quem está a tentar ter tudo no telemóvel com o Apple Pay é um grande retrocesso. Podemos usar o MBWay, podemos, mas o contactless é muito mais prático, com cartão ou com telemóvel / relógio.

  4. greego says:

    O Banco de Portugal sempre na defesa do consumidor (gang bancário)…

  5. Jota says:

    …mas os cartões antigos (anteriores a esta medida) continuam a ser necessário meter o pin, certo? É que eu já tentei em vários locais diferentes e tive que meter sempre o pin!

  6. Indignado says:

    Isto dos Bancos são todos iguais
    São comissões,mais taxas ,hoje em dia toda a população tem que ter uma instituição bancaria até o próprio estado recomenda, comem tudo do mesmos são políticos e depois saiem da politica vão para bancos empresas publicas fazendo arranjos quando estão no poder
    São uns enganadores
    Alias são Ladrões

  7. Barquense says:

    Devia era ser possível gerir esse valor em ambiente home banking..

  8. Crow- says:

    Isto é muito bonito se o estado também regulasse as taxas que são cobradas aos comerciantes. Como as taxas são absurdas só as grandes superficies normalmente aderem ao Contactless, o que em tempos de pandemia é completamente estúpido. São imensos os estabelecimentos comerciais e mesmo farmácias que têm dispositivos com suporte contactless mas com o serviço inativo devido às taxas que lhes são cobradas.

    • ovingadorortográfico says:

      Em alguns casos pode não compensar. O volume de negócios do comerciante pode não suportar um aumento de preço de venda ao publico suficiente para o compensar as comissões que pode ter de pagar ao banco. A culpa não é sempre do banco.

      • Crow- says:

        O problema é mesmo das comissões do banco. Durante o estado de emergência houve isenção de comissões e os estabelecimentos em questão tinham o serviço ativo, mas assim que foi levando o estado de emergência os bancos começaram a cobrar e os comerciantes voltaram a cortar. Uma das farmácias que mais movimento faz aqui no grande Porto tem o contactless desligado por esse motivo.

  9. Sergio J says:

    MB way é mais prático. Cada vez uso menos o cartão MB

  10. Miguel says:

    Já não gostava quando era 20€, até entendi o aumento do valor para 50€ no contexto da pandemia. Mas assim sendo lá terei de contactar o banco para cancelar a funcinalidade ou trocar de cartão.

  11. Joaquim says:

    Acho que o cliente deveria ter completo controlo da funcionalidade e valores que aceita.
    Já quando era 20€ por transação (limite de 3 transações sem PIN 60€ dia), já era um risco de ao perder o cartão poder haver gasto significativo.
    Certo, que algumas apps e bancos (moey, revolut entre outros), permite o controlo da função. Mas de até “reparar” que o perdeu pode haver gastos.
    Agora com a mudança pra 50€ por transação, qual o limite diário (sem PIN)??

  12. ElectroescadaS says:

    Agora com a história da pandemia quer tiver juízo evita ao máximo andar perto de outras pessoas mas não havia uma teoria que deveríamos ter umas carteiras de teor metálico acho eu para guardar este tipo de cartões por forma a evitar que outras pessoas nos roubem por “contactless”?

    Recordo-me de ler aqui no Pplware que alguém fazia uma vigarice…
    https://pplware.sapo.pt/informacao/tem-um-cartao-de-debito-contactless-veja-esta-vigarice/

  13. Luisão says:

    Há quantas centenas de anos existem as moedas e as notas, denominados como dinheiro vivo? Há centenas de anos, talvez. Nesta era digital cada vez faz menos sentido utilizarmos dinheiro vivo. Percebo que ainda existam muitas pessoas a maioria idosos que não sabem e não cartões de multibanco ou meios de pagamento electrónico. Mas na minha opinião deveriam de fazer o inverso do que é feito hoje. Taxar quem paga a dinheiro ao invés de pagar-se taxas pelo uso do multibanco.
    Vantagens: Mais higiénico, mais controlo financeiro, mais seguro (deixava de haver falsificação de notas), muitos menos erros de trocos
    Desvantagens: Conhecimento de uso das tecnologias, adaptabilidade

  14. Mike says:

    O que é curioso na maioria da vezes que vou para pagar via contactless, é tirarem-me o cartão das mãos para o passarem no leitor… Assim vai o mundo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.