Quantcast
PplWare Mobile

Carta de Tim Cook recorda aniversário da morte de Steve Jobs

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Simões


  1. Benchmark do iPhone 6 says:

    Nesta altura do campeonato é visível que a Apple já se desprendeu de Steve Jobs. Obviamente se parasse no tempo morria, junto com o seu principal fundador e mentor.

    Dos artigos que têm sido escritos ultimamente sobre produtos da Apple destaco este do Apple Insider: “Samsung Galaxy Note 4 oferece um pobre desempenho gráfico em comparação com o iPhone 6 Plus”.

    E isto, entre outras coisas, porque: “A Samsung levou a tecnologia do ecrã além das capacidades do seu próprio processador, resultando num desempenho muito pobre em alta definição”. Tanta coisa com a elevada resolução do ecrã do Note 4 e agora o SoC não aguenta 🙂

    É esta a diferença da Apple, controla o software e o hardware e faz as coisas de forma equilibrada, sem precipitações. Isso nota-se no Apple Watch, em preparação há três anos, desde a morte de Steve Jobs e que vai falhar as vendas do Natal de 2014, porque ainda não está “no ponto”. Entretanto a Samsung já lançou 5, que ninguém usa.

    São bons exemplos do legado de Steve Jobs – perfeccionismo.

    http://appleinsider.com/articles/14/10/04/samsung-galaxy-note-4-delivers-poor-graphics-performance-vs-apple-iphone-6-plus

    • Rochita says:

      Muito conveniente que tal artigo fosse postado no appleinsider 😉

      • Benchmark do iPhone 6 says:

        Pois, mas tem uma diferença, o AppleInsider, “pensa pela sua cabeça” testa e fundamenta. Ao contrário do 9to5Mac e outros papagaios.

        Olha que o que escrevem não é contestado com ligeireza.

        Se dizem que com o Note 4 a Samsung quis destacar o ecrã mas o SoC não acompanhou, como o comprovam os testes, podes pôr dinheiro nisso.

        P.S. A quantidade de posts/ comentários que se escreveu sobre isso: “O ecrã do Note 4 é que é”. E o resto?

    • Marco says:

      Só um a parte… Tens mesmo de falar da concorrência num post destes?

      • Benchmark do iPhone 6 says:

        Queres que fale de quem, do quinquagésimo da concorrência? Sabe-se que “o segundo é o primeiro dos últimos” (Pinto da Costa) – mas se há que fazer comparações é entre o primeiro e o segundo.

        Se a idéia era: “Num post destes, lembremos o saudoso Steve Jobs, a Apple finou-se com ele”, não contém comigo 🙂

        Só se é indispensável quem consegue que os projetos/empresas continuem sem precisar deles, significa que se soube encontrar os melhores. Nesse aspecto Steve Jobs foi indispensável.

        • Benchmark do iPhone 6 says:

          Antes que passem por aqui os gramáticos/dicionaristas (e o comentário seja publicado), é “contem” (de contar) e não “contém” (de conter) 🙂

      • Alves says:

        Mas, há alguma concorrência?!

    • alexandre says:

      Só o nome do site deixa muito a desejar quanto à imparcialidade… é como tentar ver a benfica tv a falar mal do benfica

      • Nelson says:

        É verdade…

        Mas “AppleInsider”, e é “Benfica TV”.

        Não é como outros sites que se assumem como generalistas, e na verdade é só para cascar na Apple e encher egos aos Androidanos. Mesmo que seja a MENTIR descaradamente…

        Ou pior, sites como o 9to5mac… por fora são dedicados à maçã, por dentro apple-haters…

    • LP says:

      E no meio dessa teoria onde se encaixam os “gates” que vão surgindo como o bendgate, ou a barraca da atualização do iOS? Se não foi uma precipitação diz-me o que foi…
      O watch está a demorar, demasiado… e vai sair sem os padrões que a Apple e seus clientes desejam; se o dito cujo ainda fosse vivo, já cá estava e como se queria, se não há ainda baterias satisfatórias, já tinham sido criadas, ele fazia acontecer, não olhava para os outros para tomar o passo seguinte. A Apple ainda vive à sombra da obra dele, incluindo as novas instalações p.ex.. A Apple está-se a tornar numa máquina de fazer dinheiro… “para quê gastar dinheiro a inovar se simplesmente aumentando o tamanho do ecrã conseguimos cativar tanta gente?”; se isto funciona bem a curto e talvez médio prazo, vamos lá ver a longo prazo.

  2. João Terra says:

    Grande genio que fez com que a apple fosse o que é hoje em dia. Infelizmente já não está cá

  3. David Guerreiro says:

    Como é que se comemora a morte de alguém? É que a notícia diz: Comemora-se hoje o terceiro aniversário da sua morte

  4. Daniel says:

    Quero ver a pplware dar, pelo menos, tanta atenção a Dennis Ritchie como deu agora a Steve Jobs…. Um inventou basicamente tudo o que vos dá emprego e pão para a boca, o outro inventou brinquedos super inflacionados em comparação.
    Dia 12 de Outubro fico à espera.

    • Vítor M. says:

      De onde tu vens 😉 já nós por lá andamos, espetamos a bandeira e estamos já noutra galáxia. 😉

      https://pplware.sapo.pt/linux/morreu-dennis-ritchie-1941-2011-pai-do-c-e-do-unix/

      Aquele abraço.

      • Jorge Salvador says:

        Boa Vítor! Já falta pouco para receber o meu iPhone 6 PLUS de 128 GB. Está na fase “A preparar expedição”

        “Envio em: 3 – 4 weeks”

        Abraço.

        Jorge Salvador.

      • Nuno Vieira says:

        Não sabia que um artigo escrito na altura da morte o Dennis Ritchie se comparava com os artigos que aqui se escrevem a cada aniversário da morte do Steve Jobs e as toneladas de menções noutros artigos.

        • Vítor M. says:

          A acção de Dennis Ritchie no mundo da tecnologia será mais omnipresente, a do Steve se não é lembrada é esquecida. A importância do Dennis Ritchie provavelmente, poderá ser maior 😉 por isso a necessidade de recordar Steve Jobs, nem será tanto no mesmo prisma que Dennis Ritchie, até porque o mundo moderno usa muito mais a acção que Steve Jobs teve na sociedade que qualquer outro destes grande visionários que já partiram.

          É tudo uma questão, não de importância como criador, como visionário em si, mas como influência na actualidade da sociedade.

          • Daniel says:

            “até porque o mundo moderno usa muito mais a acção que Steve Jobs teve na sociedade que qualquer outro destes grande visionários que já partiram.”

            “É tudo uma questão, não de importância como criador, como visionário em si, mas como influência na actualidade da sociedade.”

            Volto a repetir o que escrevi antes: um foi quem inventou basicamente tudo o que possibilitou a que agora tenhas o emprego que tens, o ganha pão, e basicamente que possibilitou a tecnologia a desenvolver no sentido que desenvolveu (incluindo, mas não se ficando por aí, todos os produtos Apple alguma vez lançados), o outro vendia brinquedos super-inflacionados. Até a MS teve mais impacto na actualidade da sociedade do que a Apple. Queres que te recorde o que era a Apple na década de 80? 90? Inícios de 2000 (quase a falir)? O mundo não começou em 2007, o que chamas de “tecnologia” vem de trás e essa, a actual, deve muito ao senhor Dennis Ritchie.

            Pelas palavras do seu colega e criador do C++: se Dennis não tivesse desenvolvido o C o Unix teria morrido à nascença (que por acaso ele foi co-inventor).

            E respondendo já ao Nelson, o Steve Jobs fazia porque gostava de ter dinheiro no bolso e fama no entanto em termos tecnológicos ele contribui precisamente ZERO (repara, tecnológico, não falo de gestão, não falo de marketing, falo “tecnológico”, outros contribuiram para ele, começando pelo Woz e passando pela parafernália de outros engenheiros que lhe fizeram o trabalho ou lho venderam). E é mentira que ele tenha desenvolvido o C porque lhe mandaram fazer, ele estava a trabalhar no que viria a ser o Unix, e este primeiramente estava em Assembly, o que o levou a CRIAR uma linguagem de programação, pensada e decente, para ser mais fácil de programar (do que assembly) e ao mesmo tempo ter mais capacidades que outras linguagens faltavam (nomeadamente em linguagem B, Algol, etc). Basicamente duas das coisas que mudaram a face da informática (Unix e linguagem C) na década de 70 estão ligadas à mesma pessoa. Desde que o Apple I foi lançado até aos dias de hoje houve mais pessoas em contacto com algo que tenha a ver com Unix ou C do que alguma vez haverá com produtos Apple, e por largas ordens de magnitude (já para não falar no próprio OS da Apple que qualquer coisa que se considere minimamente “computacional” da Apple tem algo disso lá, logo conta esses também 😉 ).

          • Vítor M. says:

            Daniel estás enganado 😉 todos são importantes, tal como eu falei, aliás eu tenho razão e tu não. Tu apenas dás importância a um e chamas o outro de “inventor de brinquedos”, logo se vê que não estás de todo a ser correcto, porque desconheces quem foi Steve Jobs, só conheces o trabalho dele a partir de 2007, o que é pena, começou muito antes. Assim, como não sabes do que estamos a falar, era interessante primeiro ires estudar um pouco para trás, ver o que acda um, no seu campo, desenvolveu, veres como ambos foram, são e serão importantes para o mundo da tecnologia… e depois continuamos esta conversa. Sem estares na posse de toda a informação é inútil estar a conversar contigo. 🙂

    • Nelson says:

      Dennis Ritchie não foi tão importante como Steve Jobs.

      Steve Jobs inventou uma indústria, ninguém lhe disse para fazer o que ele fez.

      Dennis Ritchie não, fez o que lhe mandaram fazer.

      • Hugo says:

        Já te tinha visto como um fanboy absurdo mas desta vez devias de levar o premio da imbecilidade ao dizer que o ritchie nao foi tao importanto com o jobs.

        Um revolucionou o mundo das IT o outro revolucionou o mundo do marketing, é obvio que um tem mais fama que outro agora importância? Sem o Steve Jobs a apple não tinha a religião que tem atras mais nada, sem o Ritchie onde estavamos nós…

      • Nuno Vieira says:

        Eu não esperava um comentário tão estupido por parte de ninguém, nem mesmo de ti. Acho que atingiste um novo nível de estupidez.

        Dennis Ritchie era um inventor, ao contrário do Steve Jobs que pegava nas ideias das outras pessoas, polia-as e vendia-as como se fossem dele. Sem pessoas como o Dennis Ritchie ainda utilizava-mos o abaco, com ou sem pessoas como o Steve Jobs.

      • LP says:

        O Steve Jobs criou dinheiro, o Dennis Ritchie criou conhecimento, agora cada um atribui a maior importância ao quiser.

      • Webchuzz says:

        “Dennis Ritchie não foi tão importante como Steve Jobs”. Tens sequer noção do que acabaste de dizer?

      • Benchmark do iPhone 6 says:

        Lá levaste com vários dos heterónimos 🙂

        A trapalhada com a comparação começou, em 2011, porque morreram com uma semana de diferença. De Steve Jobs falou-se muito e de Dennis Ritchie não. Teve um obituário correto, mas não ocupou espaço nos jornais/ televisões/ blogosfera.

        Mas não tem sido o esquecimento do segundo que tem sido posto em causa. Tem é sido utilizado na base – Dennis Ritchie é que é “o grande”, o que faz de Steve Jobs “o pequeno”.

        Não sei como é que se compara um engenheiro com um “industrial/inventor/designer”. É que não têm nada a ver um com o outro. Se comparassem Jobs a Bill Gates e a Akio Morita percebia-se.

        Quando é daquelas comparações Tesla vs. Edison também pode haver relação. Ritchie vs Jobs não. Só se for pela lógica, um encheu-se de dinheiro e outro não, o que puxa muito ao sentimento, mas isso só tem uma resposta – é assim que o mundo funciona 🙂

  5. stoned says:

    Há que reconhecer quem tem mérito. E o Steve Jobs tem. Ponto final. Fanatismo aparte. O perfeccionismo cria bons produtos. Ponto. Certo é que o homem conseguiu criar produtos de excelência através de uma visão singular. Não são produtos perfeitos? Não. Mas alguém consegue indicar um que seja? Dificilmente.

  6. Janus says:

    A Apple nunca mais será a mesma!

  7. João Tavares says:

    Coitado deve andar às voltas na campa com o iPhone 6….

    • Benchmark do iPhone 6 says:

      Acho que não. Deve ter visto a entrevista do CEO da T-Mobile e divertiu-se bastante (minuto 20:15)

      http://www.geekwire.com/2014/video-un-carrier-ceo-john-legere-unleashed-geekwire-stage/

      • LP says:

        “No one is going to buy a big phone.”

        Quantos não se terão divertido na altura do antennagate até a Apple ter assumido o problema?
        Esse sr. é mais um ceguinho pela marca, coisa que não falta… “quem se vai sentar em cima de um telemovel”? Quem o vai deixar cair ao chão… quem vai riscar o ecrã (porquê resistente aos riscos então?)… quem vai perdê-lo… quem vai acontecer mil e uma coisas que acontecem a todos os que o usarem, a não ser que o guardem numa redoma de vidro. Esse argumento é rídiculo… não estamos a falar de lhe fazer passar um camião por cima ou de ser abduzido por ETs, estamos a falar de meter o telemovel no bolso, como é normal e de nos sentarmos, como é normal… e que “muita força” é que foi preciso aplicar mais tarde no video do mesmo sr. a dobrá-lo num instantinho ao vivo na rua, ou dos miudos que o dobram na loja? São miúdos culturistas? Independentemente do circo que façam e dos palavrões que metam lá pelo meio para parecerem “cool”, o iPhone parece ter um defeito de produção que a Apple assume, se trocar os que lhes acontecer isso.

  8. moi meme says:

    A guerra entre marcas não é para aqui chamada. Paz à sua alma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.